Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Animais / Murucututu

Murucututu

PUBLICIDADE

Nome Popular: Murucututu, Coruja Murucututude Barriga Amarela, Coruja da Garganta Branca
Nome Científico: Pulsatrix koenisawaldiana
Classe: Aves
Ordem: Strigformes
Família: Strigidae

Características

Habitam as matas fechadas com prevalência em regiões mais frias e montanhosas.Alimentam-se de pequenos roedores, morcegos, micos, marsupiais, pequenos répteis e insetos. Colocam seus ovos em buracos que encontram nas árvores e em rochas.Têm como principais predadores gaviões, falcões e macacos.Esses últimos por roubarem seus ovos.

Distribuição Geográfica

Do Espírito Santo até Santa Catarina, e também em áreas da Argentina e do Paraguai.

Estado de Conservação

Uma espécie que ao longo dos anos vem se tornando cada vez mais rara, em virtude do desmatamento, do excesso de luzes em torno das matas que confundem seus trajetos e também por doenças causadas pelos pesticidas que muitas vezes impregnam suas presas. Desse modo é considerado um animal em risco de extinção.

Comentários Gerais

Sendo uma espécie incluída no na ordem das corujas também lhe são atribuídos os mesmos simbolismos e significados das demais (vide sessão Coruja Buraqueira).

Fonte: www.zoonit.org.br

Murucututu

Pulsatrix perspicillata

Características

Mede 48 cm de comprimento. Corujão sem “orelhas”, face com desenho branco puro, barriga uniforme, branca ou amarela. Íris alaranjada ou amarela.

Habitat

Mata alta.

Ocorrência

Do México à Bolívia, Paraguai e Argentina. Provavelmente em todo Brasil.

Hábitos

Gosta de banhar-se na chuva.

Alimentação

Predominam geralmente insetos (gafanhotos, besouros, baratas, etc.), mas apanham roedores, lagartos e rãs.
Reprodução – criam em ninhos abandonados de outras aves. Os ovos são quase redondos, às vezes ovais, de cor branca pura. Filhotes de penugem branca, disco facial preto.

Predadores naturais

A presença de uma coruja, descoberta no seu esconderijo diurno, irrita certas aves, sobretudo Passeriformes (beija-flores), cujos gritos de advertência chamam vizinhos e revelam a presença da coruja inclusive ao homem. Além de molestarem tanto a coruja que acaba saindo a procura de outro esconderijo. Como exemplo de predador temos o pequeno gavião carijó, que chega a apanhar a coruja, pois é uma presa fácil durante o dia.

Ameaças

As corujas merecem a nossa proteção integral. Todas elas proporcionam benefício ao homem pela destruição incessante de insetos e roedores. Temos que combater o preconceito contra essas aves, crendices difamatórias trazidas em parte da Europa, onde também carecem de fundamento. Tais mentiras geram e difundem a antipatia a essas criaturas tão interessantes, cuja vida noturna as torna misteriosas e temidas, dando-lhes a fama de agourentas. É sinal de mentalidade atrasada falar dos pios “agoureiros” das corujas. Os índios adoram as corujas, enquanto os matutos atribuem ao caburé o dom de dar boa sorte. Para os gregos da Antiguidade as corujas, por causa de seus grandes olhos, eram símbolo de sabedoria. A caça, a destruição do habitat e a poluição são as principais ameaças

Fonte: www.vivaterra.org.br

Murucututu

Pulsatrix perspicillata

Caracterização

Mede 48 cm. Corujão sem “orelhas”, face com desenho branco puro, barriga uniforme, branca ou amarela; íris alaranjada ou amarela.

Habitat

Vive em mata alta.

Distribuição

Ocorre do México à Bolívia, Paraguai e Argentina. Provavelmente em todo Brasil.

Hábitos

Gosta de banhar-se na chuva.

Alimentação

Predominam geralmente insetos (gafanhotos, besouros, baratas, etc.), mas apanhamroedores, lagartos e rãs.
O controle da alimentação de uma coruja é feito pelo exame das pelotas ou bolotas regurgitadas, as quais contêm crânios, bicos, pés e unhas (das aves e mamíferos). É admirável como os sucos digestivos das corujas limpam os ossos mais delicados de carne e tendões. Ficam inalterados também pêlos, penas e escamas.

Reprodução

Criam em ninhos abandonados de outras aves. Os ovos são quase redondos, às vezes ovais, de cor branca pura. Filhotes de penugem branca, disco facial preto.

Manifestações sonoras

Voz: “ko-ko-ko…”, pelo fim acelerada e enfraquecendo, bem simbolizado pelo nome “Murucututu”.

Predadores naturais

A presença de uma coruja, descoberta no seu esconderijo diurno, irrita certas aves, sobretudo Passeriformes (beija-flores), cujos gritos de advertência chamam vizinhos e revelam a presença da coruja inclusive ao homem. Além de molestarem tanto a coruja que acaba saindo a procura de outro esconderijo.
Como exemplo de predador temos o pequeno gavião (Buteo magnirostris), que chega a apanhar a coruja, pois é uma presa fácil durante o dia.

Preservação

As corujas merecem a nossa proteção integral. Todas elas proporcionam benefício ao homem pela destruição incessante de insetos e roedores. Temos que combater o preconceito contra essas aves, crendices difamatórias trazidas em parte da Europa, onde também carecem de fundamento. Tais mentiras geram e difundem a antipatia a essas criaturas tão interessantes, cuja vida noturna as torna misteriosas e temidas, dando-lhes a fama de agourentas. É sinal de mentalidade atrasada falar dos pios “agoureiros” das corujas. Os índios adoram as corujas, enquanto os matutos atribuem ao caburé o dom de dar boa sorte. Para os gregos da Antiguidade as corujas, por causa de seus grandes olhos, eram símbolo de sabedoria.

Bibliografia

Helmt Sick, 1988. “Ornitologia Brasileira”.

Fonte: www.faunacps.cnpm.embrapa.br

Murucututu

Murucututu
Murucututu(Pulsatrix perspicillata)

O Murucututu ou murucutu (Pulsatrix perspicillata) é uma espécie de ave estrigiforme pertencente à família Strigidae. É uma coruja de grande porte que atinge cerca de 48 cm de comprimento. Sua característica mais marcante é uma faixa branca que se estende desde a sobrancelha até a lateral do bico, num desenho que lembra a letra X. Alimenta-se de pequenos roedores, artrópodes e mamíferos. Nidifica geralmente em cavidades de árvores, pondo apenas dois ovos.

O nome Murucututué uma onomatopéia de seu canto, um chamado grave, longo e um pouco descendente. Também é conhecida pelos nomes de coruja-do-mato, corujão, corujão-orelhudo, mocho-mateiro e coruja-de-garganta-preta.

No folclore brasileiro, está presente em uma conhecida cantiga de ninar:

  • Murucututu
  • Da beira do telhado
  • Leva este menino
  • Que não quer ficar calado

Osvaldo Orico, em Vocabulário de crendices amazônicas, rememora a presença da ave em seus dias de criança:

“Em minha infância, ouvi muitas vezes repetida esta quadrinha e ainda me recordo de haver fechado os olhos mansamente, ao afago desses solfejos, que me ficaram na memória como uma nota viva do passado. Hoje, fitando o Murucututu, vejo nessa coruja um olhar de sibilia, que parece estar profundo, contemplativo, que lhe dá um ar taciturno de pitonisa engaiolada.”

Alguns acreditam ser ave agoureira.

Referências

Luís da Câmara Cascudo. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro, 1954
Osvaldo Orico. Mitos ameríndios e crendices amazônicas. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, Instituto Nacional do Livro, 1975 (Retratos do Brasil, 93), p.225
Obtido em “http://pt.fantasia.wikia.com/wiki/Murucututu”

Fonte: pt.fantasia.wikia.com

Murucututu

Murucututu

Período Reprodutivo

Julho a novembro

Locais de observação

Cambarazal, Cerradão, Mata ciliar rio Cuiabá, Mata ciliar rio São Lourenço, Mata Seca.

Você encontra essas informações na página 124 do Guia das Aves

Um pouco menor do que o joão-curutu, chama a atenção pelo formato atarracado. Todo escuro no dorso e cabeça, com a barriga amarelada. Sem “orelhas”, sobrancelhas e ao redor dos olhos cinza amarelado, mesma cor da fina coleira no pescoço. Essa arrumação parede dar “óculos” a essa coruja, destacando ainda mais os olhos amarelados (avermelhados na foto por efeito do flash).

Como nas outras corujas, mais ouvida do que observada. Seu canto é um chamado grave, longo e um pouco descendente. O timbre lembra o som produzido por uma folha de zinco chacoalhada à distância, interpretado como Murucututu. Vive nas matas e cerradões da RPPN, eventualmente aparecendo nos cerrados mais densos da parte central da reserva.

A alimentação é variada, desde mamíferos do porte de um gambá até pequenas lagartas. Inclui outras aves na dieta e chega a capturar caranguejos nas praias. Espera a presa pousada em um galho, apanhando-a sobre o solo ou nas árvores. Durante o dia, dorme pousada em galhadas densas do interior da mata, às vezes em casais.

A plumagem da ave juvenil é diferente da do adulto, da mesma forma que as outras corujas.

Fonte: www.avespantanal.com.br

Murucututu

NOME VULGAR

Murucututu, murucutu, Coruja de Garganta Preta, Mocho, Corujão, coruja-do-mato, mocho-mateiro, coruja-batuqueira

NOME EM INGLÊS

Spectacled owl

POSIÇÃO SISTEMÁTICA: (segundo Pough et al 1999; Sick 1997)

Filo : Chordata
Subfilo: Craniata
Classe: Aves
Ordem: Strigiformes
Família: Strigidae
Gênero: Pulsatrix (Kaup, 1848)
Espécie: Pulsatrix perspicillata (Latham, 1790)
Autor da Espécie e ano da descrição: Latham, John. 1790

Adulto

HÁBITAT/MODO DE VIDA

Pulsatrix perspicillata habita florestas tropicais úmidas do Novo Mundo (Stiles e Skutch 1989). Vivendo em mata alta no interior de florestas, onde pousa em locais altos, como galhos desnudos de araucárias (Belton, 1994; com. pess. A. A. Bispo em 2003), incluindo também as bordas das florestas, também é encontrado em florestas secas, savanas, plantações e em áreas abertas com árvores dispersas, mostrando preferência por sítios próximos de corpos d’água, devido ao hábito de se banhar na chuva.(Sick,1997). É considerada uma ave noturna, durante o dia dorme pousada em galhadas densas do interior da mata, as vezes em casais, descansando a alturas variando de 2 m ao topo da copa, podem estar ativas durante dias nublados.(Willian MenQ S.) Entretanto a maioria das corujas são crepusculares, ou seja, ativas ao amanhecer e ao anoitecer.

As corujas têm uma linguagem corporal muito expressiva, ao proteger os jovens ou para se defender, pode assumir uma postura defensiva, com penas eriçadas o que da idéia de um tamanho maior, apontando as asas para baixo e mantendo-as abertas. O nervosismo se manifesta num rápido descer e subir das pálpebras superiores, enquanto a coruja tranqüila fecha o olho puxando lentamente a pálpebra inferior para cima, como a maioria das aves. (Sick,1997)

ASPECTOS MORFOLÓGICOS

A Murucututu é uma coruja de grande porte, com 48 cm de comprimento, sem “orelhas” cuja característica mais marcante é uma faixa branca que se estende desde a sobrancelha até a lateral do bico, num desenho que lembra a letra X, essa arrumação parece dar “óculos” a essa coruja, o restante da face é rufa.

O peito com uma fita parda, barriga uniforme, branca ou amarela, o dorso da cabeça uniformemente marrom-escuro. (Willian MenQ S.) os olhos são grandes quase imóveis, de forma telescópica, resultando um campo visual muito limitado, desvantagem compensada pela agilidade da cabeça que tem um circuito de 270 graus, possuem uma íris alaranjada ou amarela de posição frontal, existindo variação intra-específica até mesmo em irmãos.(Oliveira 1984, citado por Sick,1997) Para proteger os olhos, as corujas são equipadas com 3 pálpebras, possuindo uma normal superior e uma pálpebra inferior. A terceira pálpebra é chamada de membrana nictitante, e é uma fina camada de tecido que fecha os olhos na diagonal, a partir do interior para o exterior, isto limpa e protege a superfície do olho.

Enquanto o “disco facial” de penas rijas desempenha importante papel de refletor sonoro: movendo-se sob dobras de pele, ampliando o volume do som e facilitando assim, a localização da presa pelo ouvido, o disco facial atua como um refletor parabólico dos sons, focando sons com freqüências acima de 5 Quilohertz no meato acústico externo, e amplificando-os em 10 decibéus.

As penas que cobrem o ouvido têm uma estrutura peculiar, permitindo a penetração do som, a assimetria do ouvido externo parece colaborar na localização de presas, nos eixos horizontal e vertical, o ouvido esquerdo, que abre na parte látero-inferior da cabeça é mais sensível aos sons originados abaixo, enquanto o ouvido direito aos sons acima da cabeça. Essa assimetria só ocorre no meato auditivo externo, proporcionando assim uma diferença do tempo de chegada dos sons aos dois ouvidos. (Pough,1999)

A grande largura do crânio das corujas evoluiu também em função da audição aperfeiçoada.(Sick,1997) As asas são largas, arredondadas, com um vôo silencioso devido ao hábito noturno, possibilitado pela estrutura das penas, a qual elimina componentes ultra-sônicos que tanto poderiam prejudicar a coruja nas suas caçadas como atrapalhar a orientação acústica da própria ave. A borda das penas possui um tipo de “dentadura”, nesse local não existem os ganchos da bárbula distal, o que por sua vez reduz ou elimina o ruído do vôo. (Pough,1999) O dedo externo (quarto) pode virar voluntariamente para trás, reforçando o hálux para segurar a presa, apresentam divertículos intestinais, cada um comparável a um ceco, produzindo um tipo diferente de fezes, pretas e fértidas. Não têm papo.

Outra particularidade das corujas é a penugem natal ser substituída por uma segunda geração de plumas, semelhantes a lanugem, que ainda existem quando o filhote abandona o ninho.

Em Pulsatrix o filhote tem uma penugem branca ou amarelada contrastando com o disco facial preto.(Sick,1997) Não apresentam dimorfismo sexual, a fêmea as vezes pode ser maior, cerca de 680-906g e o macho 453-680g de massa. Segundo Miller citado por Sick, ambos os sexos cantam, o casal de várias corujas cantam em dueto ou diálogo e as estrofes diferem, até certo ponto o da fêmea pode ser um pouco diferente, mais alta e rouca, devido ao tamanho menor da siringe. Não abrem o bico quando gritam, todos os filhotes estalam com o bico, batendo as mandíbulas. Seu canto é um chamado grave, longo e um pouco descendente. Enquanto ao timbre, lembra o som produzido por uma folha de zinco chacoalhada, a distância interpretado como murucututu. (Willian MenQ S.)

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA

Ocorre do México à Bolívia, Paraguai e Argentina; provavelmente em todo o Brasil, não é raro na Amazônia.(Sick,1997).

Foi verificada na Floresta Estacional Semidecidual (Anjos & Schuchmann, 1997; Anjos et al., 1997; Straube et al., 2002), na Floresta Ombrófila Mista do sul do Estado (com. pess. A. A. Bispo em 2003) e numa área de transição no vale do rio Ribeira (Kajiwara,1998): área urbana de Londrina, Parque Estadual Mata dos Godoy (município de Londrina), fazenda Caiuá (município de Cambará), fazenda experimental Gralha Azul (município de Fazenda Rio Grande), fazenda Morro Grande (município de Cerro Azul) e Área de Especial Interesse Turístico do Marumbi (municípios de Quatro Barras e Morretes) mas é provável que ocorra em diversas unidades de conservação paranaenses, particularmente naquelas que apresentam grandes dimensões e razoável grau de preservação, em especial nas zonas mais quentes do Estado paranaense.

No Parque Nacional de Ubajara, Ceará; Pulsatrix perspicillata, foi observada no Horto Florestal e, posteriormente tendo sido encontrado um exemplar morto, o qual foi taxidermizado e doado para a coleção de material zoológico da Universidade Estadual do Ceará pela Administração do Parque Nacional de Ubajara.

HÁBITOS ALIMENTARES

A P. perspicillata apresenta uma alimentação bastante variada, geralmente composta por insetos (gafanhotos, besouros, baratas, etc) desde mamíferos do porte de um gambá até mesmo morcegos e pequenas lagartas, rãs. Inclui outras aves na dieta, aprende também a se alimentar de caranguejos na beira de rio (Guiana). Espera a presa pousada em um galho, apanhando-a sobre o solo ou nas árvores. (Willian MenQ S.) A maior atividade caçadora das espécies noturnas desenvolve-se no crepúsculo e no começo da noite. Os sucos digestivos das corujas limpam os ossos, ficando inalterados os pêlos, penas e escamas, enquanto aos vegetais contidos nas pelotas provêm do conteúdo intestinal dos roedores devorados. As pelotas variam conforme a espécie e sua alimentação.(Sick,1997)

REPRODUÇÃO

Filhote

O período reprodutivo de julho a novembro, P. perspicillata é monogâmica, nidificando em ocos de árvores ou em ninhos abandonados de outras aves onde põe dois ovos brancos que medem aproximadamente 50,5 x 42,5 mm (Peña, 1994 citado por Willian MenQ S). A fêmea costuma começar a chocar após ter posto o primeiro ovo, o que resulta em um tempo diferente de eclosão e tamanho dos filhotes, diferenças ainda permanecem quando a prole abandona o ninho, em P. perspicillata a fêmea choca durante cerca de 5 semanas, os jovens deixam o ninho em 5-6 semanas, mas ficam com os pais por até um ano, mesmo após de formar as penas definitivas. Muitas vezes apenas um filhote sobrevive. Em cativeiro, juvenis têm tomado até cinco anos para adquirir plumagem adulta, é provável que no ambiente natural os jovens assumem a plumagem adulta mais cedo. Com muito poucos predadores, pode viver até 35 anos em estado selvagem, são conhecidos por viver durante 25 a 30 anos em cativeiro. Corujas são territorialistas, um fato que é particularmente evidente durante o acasalamento. Eles defendem vigorosamente o ninho contra os membros da mesma espécie e as outras aves que poderiam competir pelos mesmos recursos.

CONSERVAÇÃO, LENDAS

Por se tratar de uma ave rapineira de grande porte e essencialmente florestal, registrada apenas em remanescentes de mata com grandes dimensões, acredita-se que as principais ameaças às populações desta espécie sejam a supressão e a alteração vegetacional, ou seja, o desmatamento, assim como as conseqüências decorrentes, tais como maior competitividade por sítios de nidificação e abrigo, conseqüentemente a escassez de itens alimentares específicos devido ao uso maciço de praguicidas nas plantações.

Adicionalmente, o abate dessas aves é bastante comum, devido a ataques fortuitos e crendices populares, como as que falam em mau agouro. Portanto as corujas necessitam de proteção integral, pois proporcionam benefícios ao homem controlando a população de animais como camundongos, insetos. Portanto são predadores de topo da cadeia alimentar, sendo considerados indicadores do ecossistema em que vivem. Entretanto, as crendices geram antipatias devido ao hábito noturno dando-lhes a fama de agourentas.

Em alguns Estados brasileiros P. perspicillata encontra-se em áreas protegidas, tais como reservas e parques nacionais, no entanto, no Estado de São Paulo (1998) e no Rio Grande do sul (2002) já existem indícios de ameaças de extinção.

As corujas tradicionalmente possuem registros escassos devido principalmente ao hábito noturno, o qual dificulta o seu encontro. Nesse sentido, a principal medida para a conservação desta espécie consiste em gerar conhecimentos sobre sua biologia, ecologia e distribuição nos Estados de ocorrência. Tais dados podem subsidiar melhor detalhamento das ameaças sobre as populações e maior efetividade na sua conservação, o conhecimento sobre os hábitos podem auxiliar na construção de estradas em paisagens agrícolas nas áreas imediatamente próximas às Unidades de Conservação, evitando assim o atropelamento de corujas que utilizam este espaço para capturar suas presas.

Também a existência de medidas de proteção a remanescentes florestais através de melhorias na infra-estrutura, ampliação e criação de novas unidades de conservação. Além do desenvolvimento de programas de educação ambiental que esclareçam mitos e desmistifiquem a fauna, contribuindo na diminuição do preconceito contra essa espécie. Existem esforços para conservar P.perspicilata, muitos são criados em cativeiro e libertados na selva, enquanto outros são mantidos em jardins zoológicos e conservatórios.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA:

Araujo, A. R. B, 2006. Fatores edáficos Condicionantes da distribuição das espécies arbóreas em remanescentes de floresta estacional semidecidual e cerrado.
Nascimento, J. L. X; Júnior, L. G. S; Sousa, A. E. B. A & Minns, J, 2005. Avaliação rápida das potencialidades ecológicas e econômicas do Parque Nacional de Ubajara, Ceará, usando aves como indicadores
Pough, F. Harvey; HEISER, John B.; MCFARLAND, William N. A vida dos vertebrados. 2. ed. São Paulo, SP: Atheneu, 1999. 550p
Roda, S. A. & Pereira, G. A, 2006. Distribuição recente e conservação das aves de rapina florestais do Centro Pernambuco
Sick, Helmut; PACHECO, José Fernando. Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. 395-402p
Silva, H. G; Villafanã, M. P; Moreno, J. A. S, 1997. Diet of the spectacled owl (Pulsatrix perspicillata) during the rainy season in Northern Oaxaca, México.
http://animaldiversity.ummz.umich.edu/site/accounts/information/
Pulsatrix_perspicillata.htm
(University of Michigan museum of zoology) Acesso: 15. nov.2008
http://www.owling.com/Spectacled.htm Acesso: 15.nov.2008
http://www.maternatura.org.br/livro/index.asp?idgrupo=1&idmenu=DD&idespecie=182 Acesso:15.nov.2008
http://www.zoo.org/factsheets/spectacled_owl/spectacledOwl.html Acesso: 22.nov.2008

Fonte: www.moodle.ufba.br

Murucututu

Pulsatrix perspicillata

Murucututu

Período Reprodutivo

Julho a novembro

Locais de observação

Cambarazal, Cerradão, Mata ciliar rio Cuiabá, Mata ciliar rio São Lourenço, Mata Seca.

Um pouco menor do que o joão-curutu, chama a atenção pelo formato atarracado. Todo escuro no dorso e cabeça, com a barriga amarelada. Sem “orelhas”, sobrancelhas e ao redor dos olhos cinza amarelado, mesma cor da fina coleira no pescoço. Essa arrumação parede dar “óculos” a essa coruja, destacando ainda mais os olhos amarelados (avermelhados na foto por efeito do flash).

Murucututu

Como nas outras corujas, mais ouvida do que observada. Seu canto é um chamado grave, longo e um pouco descendente. O timbre lembra o som produzido por uma folha de zinco chacoalhada à distância, interpretado como murucututu. Vive nas matas e cerradões da RPPN, eventualmente aparecendo nos cerrados mais densos da parte central da reserva.

A alimentação é variada, desde mamíferos do porte de um gambá até pequenas lagartas. Inclui outras aves na dieta e chega a capturar caranguejos nas praias. Espera a presa pousada em um galho, apanhando-a sobre o solo ou nas árvores. Durante o dia, dorme pousada em galhadas densas do interior da mata, às vezes em casais.

A plumagem da ave juvenil é diferente da do adulto, da mesma forma que as outras corujas.

Fonte: www.avedomestica.com

Murucututu

Nome científico: Pulsatrix perspicillata
Período de Incubação: 35 dias
Número de filhotes: 1

Distribuição geográfica

Desde o sul do México até o Paraguai, norte e extremo nordeste da Argentina e Rio Grande do Sul, inclusive em todo Brasil

Hábitos alimentares

Pequenos mamíferos, aves e outros vertebrados, além de insetos grandes e lagartos.

Curiosidades

Murucututu é um corujão florestal de grande porte, sendo as fêmeas ligeiramente maiores do que os machos. É um animal estritamente de hábito noturno. O seu ouvido interno extremamente desenvolvido, portanto possui a audição bem aguçada, permitindo o Murucututu localize uma presa na total escuridão. A presa pode ser um pequeno camundongo roendo um alimento a vários metros de distância do local, onde se encontra pousada.

Assim como gatos e macacos, o Murucututu enxerga em três dimensões, ou seja, focaliza o mesmo objeto usando parte do campo visual de ambos os olhos, o que possibilita uma excelente percepção de distância e profundidade, vitais para quem necessita voar com pouca luminosidade.

Apesar de ser incapaz de focar objetos próximos ela conta com o recurso de dilatação da pupila durante a noite, captando qualquer fração disponível de luz, tornando sua visão muito mais apurada do que a do ser humano. Mas, ela tem pouca mobilidade nos olhos, o que é compensado pela acentuada flexibilidade do pescoço, capaz de girar num ângulo de 270 graus.

Fonte: www.portais.pe.gov.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Leão

Leão, Animal, Características, Habitat, Família, Espécie, Reprodução, Classificação, Rei da Selva, Simba, Reino, Filo, Classe, Gênero, Dieta, Leão

Víboras, Calangos e Tartarugas

Víboras, Calangos E Tartarugas, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Víboras, Calangos E Tartarugas

Víbora

Víbora, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Vipera Latastei, Áspide, Inimigos, Gigante, Predadores, Crânio, Dentes, Animal, Réptil, Víbora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+