Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Animais / Diferenciação das Serpentes

Diferenciação das Serpentes

Alguns critérios de identificação permitem reconhecer a maioria das serpentes peçonhentas brasileiras, distinguindo-as das não peçonhentas:

PUBLICIDADE

As serpentes peçonhentas possuem dentes inoculadores de veneno localizados na região anterior do maxilar superior. Nas Micrurus (corais), essas presas são fixas e pequenas, podendo passar despercebidas.

Presença de foseta loreal – com exceção das corais, as serpentes peçonhentas têm entre a narina e o olho um orifício termo receptor, denominado fosseta loreal, que serve para a cobra perceber modificações de temperatura a sua frente. Vista em posição frontal este animal apresentará 4 orifícios na região anterior da cabeça, o que justifica a denominação popular de “cobra de quatro ventas”.

As serpentes peçonhentas possuem cabeça triangular recoberta com escamas pequenas e a parte superior do corpo é recoberta por escamas sem brilho, em forma de quilha, isto é, como bico de barco ou casca de arroz.

As corais verdadeiras (Micrurus) são a exceção as regras acima referidas, pois apresentam características externas iguais às das serpentes não peçonhentas (são desprovidas de fosseta loreal, apresentando cabeça arredondada recoberta com escamas grandes e coloração viva e brilhante). De modo geral, toda serpente com padrão de coloração que inclua anéis coloridos deve ser considerada perigosa.

As serpentes não peçonhentas têm geralmente hábitos diurnos, vivem em todos os ambientes, particularmente próximos às coleções líquidas, têm coloração viva, brilhante e escamas lisas. São popularmente conhecidas por “cobras d´água”, “cobra cipó”, “cobra verde”, dentre outras numerosas denominações.

No local da picada de uma serpente peçonhenta encontra-se geralmente um ou dois ferimentos puntiformes, de modo diferente do que ocorre com as não-peçonhentas, que costumam provocar vários ferimentos, também, puntiformes, delicados e enfileirados. Essa característica, entretanto, é muito variável e nem sempre útil para o diagnóstico.

Fonte: www.saude.rj.gov.br

Diferenciação das Serpentes

Diferenças entre cobras peçonhentas e não peçonhentas

Cabeça

Peçonhenta: achatada, triangular e bem destacada. 
Não-peçonhenta: estreita, longa e pouco destacada.

Olhos e fosseta lacrimal

Peçonhenta: olhos pequenos, com pupila em fenda vertical; a fosseta lacrimal está entre os olhos e as narinas. 
Não-peçonhenta: olhos grandes, com pupila circular; não possuem fosseta lacrimal.

Escamas do corpo

Peçonhenta: alongadas, pontudas, imbricadas, com carena, apresentando um aspecto áspero. 
Não-peçonhenta: achatadas, sem carena, apresentando um aspecto liso e lubrificado.

Teto da cabeça

Peçonhenta: as escamas são semelhantes à do corpo. 
Não-peçonhenta: as escamas são substituídas por placas grandes.

Cauda

Peçonhenta: é curta e afina bruscamente. 
Não-peçonhenta: é longa e afina gradualmente.

Atitude

Peçonhenta: atacam quando são perseguidas. 
Não-peçonhenta: fogem quando são perseguidas.

Hábitos

Peçonhenta: noturnas. 
Não-peçonhenta: diurnas.

Movimentos

Peçonhenta: lento. 
Não-peçonhenta: rápido.

Postura de filhotes

Peçonhenta: ovovivíparas. 
Não-peçonhenta: ovíparas

Observação: obviamente existem algumas exceções para esses casos, portanto não devemos considerar apenas uma característica da cobra para determinar se é peçonhenta ou não, mas sim se basear no conjunto dessas características.

Fonte: www.colegioweb.com.br

Diferenciação das Serpentes

Na América do Sul, há nove gêneros e dezenas de espécies de serpentes peçonhentas que pertencem a duas famílias (1) Elapidae: Micrurus, desde os Estados Unidos até o sul, exceto a Patagônia, a leste das montanhas Rochosas e Cordilheira dos Andes; Pelamis (marinha) desde a América do Norte até a Costa do Peru. (2) Viperidae: subfamília Crotalinae, gêneros: Agkistrodon, dos Estados Unidos até o noroeste da América do Sul; Bothriechis, da América Central ao norte da América do Sul; Botriopsis, desde a Amazônia para a Floresta Atlântica; Bothrops, da América Central para o sul, inclusive a Patagônia, a leste dos Andes; Crotalus, do Canadá até o sul, exceto a Patagônia, a leste dos Andes; Lachesis, da América Central à Amazônia e Floresta Atlântica. 

O Brasil possui 54 espécies peçonhentas, sendo cerca de metade pertencente à família Viperidae e metade à Elapidae. As características que distinguem as serpentes peçonhentas de não peçonhentas, portanto, dizem respeito às características destas duas famílias. 

Todos os membros brasileiros da família Viperidae (Crotalinae) possuem fosseta loreal, um orifício entre o olho e a narina da serpente que tem função de perceber alterações na temperatura ambiente. Possuem cauda curta e mais estreita que o corpo, no entanto, essa característica não é muito evidente em juvenis. 

Entre os membros de Viperidae, podemos usar características da cauda para diferenciar os principais gêneros: as serpentes que apresentam um guizo ou chocalho na ponta da cauda são as cascavéis (Crotalus durissus); aquelas em que a extremidade da cauda possui escamas eriçadas como uma escova é a Lachesis muta; e as serpentes cuja cauda é lisa até a extremidade pertencem ao gênero Bothrops. Essas últimas podem bater rapidamente a ponta da cauda no chão provocando som. Em muitos juvenis destas espécies, a ponta da cauda pode ser branca (usada como isca para atração de pequenos vertebrados). 

Os membros de Viperidae também possuem escamas pequenas, triangulares e com quilhas, uma elevação estreita no centro da escama. As quilhas dão um aspecto opaco à cor da serpente. São animais agressivos e que dão bote quando ameaçados. A coloração corporal varia, mas tendem a se camuflar no ambiente. 

As serpentes da família Viperidae possuem cabeça triangular. No entanto, muitas serpentes não peçonhentas podem triangular a cabeça, movendo os ossos do crânio, como comportamento defensivo. Além disso, serpentes da família Boidae possuem uma cabeça bem diferenciada do corpo e, no entanto, não são peçonhentas. Deste modo, o formato da cabeça não é confiável para diferenciação entre peçonhenta e não peçonhenta. 

As serpentes da família Elapidae não possuem nenhuma das características citadas acima. São de porte menor que as Viperidae, não são agressivas, não possuem fosseta loreal nem cauda distinta em relação ao corpo. Possuem a cabeça arredondada e escamas lisas, o que confere uma cor brilhosa à serpente. 

Fonte: www1.portaleducacao.com.br

Diferenciação das Serpentes

Como distinguir as cobras venenosas e não venenosas

Pelo formato da cabeça: a das venenosas é triangular. Isso, pelo menos, é o que se costuma dizer por aí – mas trata-se de uma generalização perigosa. A diferenciação entre elas está longe de ser tão simples assim. Outros detalhes anatômicos – como a cauda, as escamas e a pupila – também ajudam na distinção, mas existem tantas exceções à regra que eles, por si só, são insuficientes. O método mais seguro é observar a presença de um pequeno orifício entre os olhos e as narinas: a chamada fosseta loreal. “Todas as serpentes venenosas, com exceção da cobra coral, são dotadas desse orifício, que não aparece nas não-venenosas”, afirma o biólogo Otávio Marques, do Instituto Butantan, em São Paulo. O tal buraquinho é, na verdade, um órgão termorreceptor – ou seja, um detector de calor – de altíssima sensibilidade, capaz de perceber variações de temperatura da ordem de 0,003 grau centígrado. Além desse traço revelador, há também significativas diferenças de comportamento entre os dois tipos de ofídios.

A principal delas é que os venenosos têm hábitos noturnos – embora também possam ser avistadas de dia. Outra coisa: serpentes inofensivas fogem quando ameaçadas. As peçonhentas não: elas se enrodilham e armam o bote. Mas também há exceções em ambos os casos. Existem cerca de 2 500 espécies de cobras, das quais cerca de 260 são encontradas no Brasil. Dessas, menos de 30% são peçonhentas e as mais perigosas pertencem ao grupo dos crotalíneos, agrupadas em três gêneros: Bothops, também conhecidas como jararacas; Crotalus, popularmente chamadas de cascavéis; e Lachesis, as surucucus. Juntas, respondem por 99% dos ataques a seres humanos.

Detalhes tão pequenosAs características que distinguem as serpentes peçonhentas são sutis – e, ainda por cima, há exceções às regras

As escamas das cobras venenosas são como quilhas, alongadas e pontudas, dando ao tato uma sensação de aspereza

Cobras venenosas têm a cabeça triangular, bem destacada do corpo e com escamas miúdas. Mas essa regra não vale para a venenosíssima coral

Os olhos das cobras venenosas têm a pupila em fenda vertical

Semelhança enganosa

Uma dormideira da espécie Dipsas albifrons – não tem veneno. O problema é que ela é facilmente confundível com a perigosíssima jararaca (Bothops jararaca, acima). Ambas vivem na Mata Atlântica brasileira e têm o desenho das escamas muito parecido. Além disso, mesmo sendo inofensiva, a dormideira apresenta traços típicos das cobras venenosas, como cabeça triangular e pupilas em fendas verticais

A identificação mais precisa de uma cobra venenosa está nesse pequeno orifício entre os olhos e as narinas, chamado fosseta loreal. Mas há uma exceção à regra: a venenosa coral não apresenta esse traço

Fonte: mundoestranho.abril.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Leão

Leão

Leão, Animal, Características, Habitat, Família, Espécie, Reprodução, Classificação, Rei da Selva, Simba, Reino, Filo, Classe, Gênero, Dieta, Leão

Víboras, Calangos e Tartarugas

Víboras, Calangos E Tartarugas, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Víboras, Calangos E Tartarugas

Víbora

Víbora, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Vipera Latastei, Áspide, Inimigos, Gigante, Predadores, Crânio, Dentes, Animal, Réptil, Víbora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+