Breaking News
Home / Animais / Chartreux

Chartreux

ORIGEM

PUBLICIDADE

O Chartreux é o gato nacional da França. Sua história se confunde com a da França e ele é citado em diversas obras literárias francesas. A versão mais aceita diz que eles foram trazidos da África do Sul por frades da Ordem dos Cartesianos. No século XVI já se falava de gatos azuis que viviam na França. O primeiro documento que fala sobre este gato é o poema de Du Bellay intitulado “vers français sur la mort d’un petit chat” (versos franceses sobre a morte de um gatinho) de 1558.

O encontramos novamente no século XVIII, quando o naturalista Buffon o classifica entre as 6 raças conhecidas. Até o começo do século ele tinha diversos nomes: gato auvergnat, americano, russo, maltês e chartreux. Mas foi este ultimo que persistiu.

Chartreux

Mas de onde vem este nome?

Alguns atribuem a cor aos monges do mesmo nome (em uma das versões de sua origem ele teria sido trazido por este monges) mas a versão mais aceita é que este nome é relacionado a sua cor, o tom “chartreux”, uma variedade de cinza.

O dicionário universal do comercio e da história natural de 1723 define chartreux como “chama-se assim um tipo de gato que tem o pêlo azulado. É uma pele negociável”. (nomme ainsi une sorte de chat qui a le poil tirant sur le bleu. C’est une fourrure dont les pelletiers font négoce).

A pele do chartreux era bastante comercializada. Ela era transformada em “robe de chambre”. O doutor Beauregard no seu livro “nos bêtes” (nossos bichos) editado em 1896, escreve: Após sua morte, seu pêlo é utilizado de diversas maneiras. A do chartreux é vendida como “petit gris” (pequeno cinza). Raspada e pintada ela é vendida como pele de lontra.

Colette, celebre escritora francesa, transformou uma de suas gatas na heroína do livro A gata (la chatte).

CARACTERÍSTICAS & TEMPERAMENTO

Características gerais

Tamanho médio. Os machos, maiores e mais pesados, tem uma aparência bastante massiva. As fêmeas são mais finas mas bem musculosas. Patas médias, bem proporcionadas, bastante fortes, pés largos. Cauda média.

Cabeça

Larga na base, pescoço curto, sobretudo nos machos. As bochechas dos machos são bem mais desenvolvidas. Orelhas médias.

Olhos

Grandes, arredondados mas ligeiramente oblíquos. Vivos, tom puro, sem traços verdes, do amarelo ouro ao cobre (o chartreux é também chamado de “o gato de olhos de ouro”). Até os 3 meses os filhotes têm olhos azulados.

Pelagem

Lustrosa, muito densa, sub pêlo espesso que dá seu aspecto “en brosse”. A cor vai do cinza claro ao azul. Os chartreux mais claros são mais apreciados.

Os gatinhos nascem com algumas marcas tabby que desaparecem logo. Não são permitidos pêlos brancos, reflexos ruivos ou marrons. Trufa, pele, almofadas azuis. Sua pelagem espessa o torna indiferente ao frio e a chuva.

O Chartreux é um gato doce, amável mas com personalidade e bastante independente. Este gato convive muito bem com crianças. Ele é comparado a um cão e chamado de gato-cão por ser um gato muito brincalhão. Ele também é um excelente caçador.

Chartreux

British Azul X Chartreux X Russo Azul

Apesar de se parecerem estas três raças têm características bem distintas.

Chartreux

Chartreux

Chartreux

O Chartreux se diferencia do british essencialmente pela cor que pode ter qualquer matiz, do cinza ao cinza-azulado, e pela pelagem em “brosse”, ou seja, lanosa.

Seu nariz também é mais longo e reto que o do british, e os olhos menos acobreados, cor de ouro.

Já o Russo Azul tem a cabeça menos arredondada, corpo mais esguio, seus pelos são prateados na extremidade (tipping), tem olhos verdes ligeiramente oblíquos.

Fonte: www.animalraro.hpg.ig.com.br

Chartreux

Chartreux

Origem

França, embora os gatos que deram origem à raça tenham sido levados àquele país por frades da Ordem do Cartusianos, vindos da África do Sul.

Aparência

É quase idêntico ao tipo Britânico Azul.

Pelagem

Curta e sedosa.

Cor

Azul com matizes do cinza ao cinza-azulado.

Corpo

Robusto e bem musculoso.

Cabeça

Redonda, com mandíbulas fortes e bochechas bem desenvolvidas.

Olhos

Grandes, mais arredondados que amendoados.

Cauda

Longa e larga na sua inserção.

Comportamento

É dócil, inteligente e ótimo caçador de ratos.

Chartreux

Dono ideal

Pode ser um dono que não tenha muito tempo para ele, mas que fique atento às suas andanças, para que não aconteça nada de ruim com o bichano durante suas caminhadas fora de casa.

Ambiente

Precisa de espaço para se exercitar.

Cuidados especiais

É um animal muito fácil de cuidar e não exige cuidado especial algum.

Reprodução

É importante que não haja cruzamento de Chartreuxs com Britânicos Azuis, pois apesar de suas semelhanças, atrapalharia a distinção do padrão da raça.

Adestramento

Muito inteligente. É considerada uma das raças felinas mais facilmente adestrada.

Defeitos

Gosta de passear pela vizinhança.

Fonte: www.amiguinhogato.kit.net

Chartreux

Chartreux

Raça presente em documentos desde o séc. 16, é reconhecido e admirado na França pela sua pelagem de textura e cor únicas.

Machos e fêmeas são de grande beleza, sendo que os machos apresentam maior vigor físico.

A pelagem dupla é macia e viçosa, de um cinza azulado, fazendo com que pareça muita maior do que realmente é.

Seu miado não é forte e macho e fêmea são dedicados a sua família humana. Gostam de ficar em lugares altos, como árvores e precisam de espaço para suas atividades.

Gostam de brincar com outros animais e crianças, aprendem rápido seu próprio nome e atendem quando chamados.

Os filhotes são precoces. A maturidade chega aos 3 anos, passando por um estágio longo de adolescência, até que apresente todo o seu vigor físico de um adulto.

Durante a Segunda Guerra Mundial, criadores franceses tentaram evitar a extinção da raça, cruzando o Chartreux com Persas e British Shorthair. Mas os gatos que realmente foram utilizados no programa de preservação, foram importados dos EUA e eram originários da França.

Fonte: www.becodosgatos.com.br

Chartreux

 

FILO

Chordata

CLASSE

Mammalia

ORDEM

Carnivora

FAMÍLIA

Felidae

CARACTERÍSTICAS

Peito largo e musculatura forte

Ventre peludo

Pêlo

Curto, lanoso e macio

Cor

Cinza-azulado

Olhos

Todas as tonalidades, do amarelo-ouro ao alaranjado

Para ser reconhecido pelos criadores como um autêntico gato de raça, o gato de Chartreux não deve ter um pêlo branco sequer! Não se sabe ao certo qual a origem desse animal. Para alguns, ele foi trazido da Àfrica do Sul pelos frades cartuxos, há muito tempo atrás.

Para outros, seu nome está associado à cor de pelagem, que lembra o hábito dos frades do mosteiro da Grande Chartreuse, nos Alpes. Para outros ainda, ele teria vindo de Belle-Île-en-Mer.

O gato de Chartreux apresenta algumas qualidades típicas do cão. Dotado de bom temperamento, ele é ao mesmo tempo brincalhão e tranquilo, fiel e um bom guardião, quando é preciso. Debaixo da aparência pesadona, ele esconde uma inteligência muito viva. Como os siameses, o gato de Chartreux é bastante apegado ao seu dono.

Este gato, apesar da aparência calma, tem boa disposição para a caça. É um grande inimigo dos ratos de esgoto.

Fonte: www.sitesdacapital.curitibabichos.com.br

Chartreux

Origem e História

Chartreux

Alguns registos antigos revelam-nos que o gato de Chartreux chegou a França há cerca de 400 anos, a bordo de um navio proveniente do Oriente, tendo-se introduzido desde então neste país, especialmente em três regiões: na Belle-île-en-Mère, na floresta de Lyons (Normandy) e também na região de Paris.

Existem igualmente documentos que nos dão conhecimento que o gato de Chartreux nos séculos XVIII e XIX eram reproduzidos para comercialização da sua carne, sendo a sua pele também vendida pois o seu magnifico pelo duplo e lanzudo parecia-se muito com o da lontra. Estes acontecimentos iam levando a raça quase à extinção.

Felizmente no final dos anos trinta, graças a alguém que se interessou pela reprodução selectiva dos gatos de Chartreux, esses maus dias passaram. As duas irmãs Christine et Suzanne Leger devido a razões de saúde instalaram-se na Belle-île-en-Mère onde apanharam um casal de gatos de rua aos quais chamaram Marquise e Coquito.

O primeiro standard da raça de Chartreux foi reconhecido em 1939, e então, o conhecido gato azul de França tornou-se mais conhecido e representado na Europa ocidental. A selecção cuidadosa, entretanto, não foi feita de uma maneira muito profissional. Diversos criadores de felinos europeus cruzaram o Chartreux com persas para apurar a cor dos olhos e outros tiveram a péssima ideia de os cruzar com o azul inglês de pelo curto.

Ainda existem muitos criadores que colocam à venda Chartreux como sendo puros o que não corresponde á verdade. Consequentemente é muito importante que antes de adquirir um exemplar desta raça se possa estudar com cuidado o pedigree de cada gato para verificar se não está a ser enganado.

Em 1970 a Fife (Federação Internacional Felina) decidiu agrupar o Chartreux e o Azul Inglês de pelo curto no mesmo standard, e só após grandes protestos de pessoas com paixão pela raça Chartreux, como o Sr. Jean Simonnet, que publicou em 1972 um livro intitulado ” Etude sur le chat des Chartreux “, o standard do gato de Chartreux foi renovado pela Fife em 1977. Desde então a raça pura de Chartreux tornou-se novamente disponível em França e noutros países da Europa. Actualmente podem encontrar-se bons representantes da raça em países da Europa como a Bélgica e a Suíça.

Caracteristicas e Cores

Peito largo e musculatura forte, ventre peludo, pêlo: curto, lanoso e macio de cor cinza-azulado, olhos: todas as tonalidades, do amarelo-ouro ao alaranjado

Temperamento

Embora seja dotado de um temperamento muito forte, é pouco dado a mostrar os seus sentimentos. Acompanha com prazer o seu dono num passeio podendo mesmo transformar-se num guarda vigilante. Para aqueles que lhe demonstram carinho e paixão são de uma devoção e fidelidade só comparáveis às do nosso bem conhecido siamês. Eles seguem-nos para todo o lado confortando-nos quando estamos doentes ou tristes. Existem testemunhos que também são capazes de se deixar morrer em caso de ausência prolongada do seu dono. Contudo tamanha devoção nunca se torna abusiva. Não exigem a sua atenção continuamente e ficam satisfeitos se puderem sentar-se tranquilamente quando o seu dono está ocupado. O Chartreux é o gato menos falador de todas as raças.

Muitos Chartreux são completamente mudos: são bastante “ronronadores” mas miam muito pouco. Tem tendência para sofrer em silêncio pelo que os seus donos devem estar bastante atentos, estas situações que podem passar desapercebidas por períodos longos. Os Chartreux são calmos e atentos a tudo o que os rodeia. Eles observam bastante antes de se precipitarem em qualquer coisa que os intrigue. São tolerantes e delicados com os desconhecidos, as crianças pequenas, e os outros animais. Preferem retirar-se dos conflitos a tornarem-se temíveis ou agressivos.

Fonte: www.catish.com.pt

Chartreux

 

Chartreux

Os antepassados desta raça chegaram à França pelo mar, vindos provavelmente da Síria, segundo a lenda trazidos pelos cavaleiros que regressavam das Cruzadas. Acredita-se que tenha se desenvolvido nos mosteiros dos frades em Grenoble.

Na década de 1700, foi reconhecido como “gato da França”. Após a II Guerra Mundial, a raça quase foi à extinção, sendo recuperada nos anos seguintes. O Chartreux é uma raça tolerante, menos faladora que a maioria, com um miado bastante agudo e uma espécie de gorjeio único nos gatos domésticos.

Tem as pernas curtas e um ar atarracado, com um pelo denso e rente. É um gato grande e forte, bom caçador, de temperamento tranqüilo e observador. Foi o gato preferido de Charles de Gaulle e da escritora Colette.

Fonte: www.expoanimais.com.br

Veja também

Rinoceronte

Rinoceronte, Reprodução, Características, Espécies, Mamíferos, Hábitos, Fotos, Classificação, Habitat, Tamanho, Animal, Anatomia, Comportamento, Rinoceronte

Rinoceronte Branco

Rinoceronte Branco, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Visão, Rinoceronte Branco

Rinoceronte de Java

Rinoceronte de Java, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Rinoceronte de Java

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.