Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Gavião Real  Voltar

Gavião Real



 

Gavião Real

HARPIA (Harpia harpyja)

Características

Mais poderosa predadora entre as aves de rapina do mundo, o gavião-real ou harpia é a maior ave de rapina da América do Sul, possuindo porte majestoso e imponente. P ode medir de 50 a 90 cm de altura, cerca de 105 cm de comprimento e possui 2 m de envergadura. O macho pode pesar de 4 a 4,5 Kg e a fêmea de 6 a 9 Kg. Suas asas são largas e redondas, as pernas curtas e grossas e os dedos extremamente fortes com enormes garras. A cabeça é cinza, o papo e a nuca negros.

O peito, a barriga e a parte de dentro das asas, brancas. Seus olhos são pequenos. Possui um longo topete, uma crista com duas penas maiores e a cauda com três faixas cinzentas. É a ave de rapina mais forte do Brasil, capaz de levantar um carneiro do chão. A realeza das harpias não se deve apenas à sua aparência imponente - asas, cauda e um colar em torno do pescoço negro, peito branco e cabeça ornada por um cocar cinza e macio, do qual despontam dois conjuntos de penas maiores, semelhantes a "chifres" -, mas principalmente à sua incrível força e ferocidade.

Uma harpia adulta carrega um animal de mais de 10 quilos. Suas garras são tão poderosas (a unha chega a medir 7 centímetros) e sua força tão grande, que ela consegue, em pleno vôo, arrancar uma preguiça da árvore. Pode viver até 40 anos.

Habitat

Florestas tropicais altas e densas. Na Mata Atlântica a população está em declínio, mas sua maior ocorrência é na Amazônia.

Gavião Real

Ocorrência

Do México a Bolívia, Argentina e Brasil. Hoje ainda sobrevive em alguns estados do Nordeste, em Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, Rio de Janeiro, e nos estados do Sul.

Hábitos

Tem um assobio longo e estridente. Voa alternando rápidas batidas de asas com planeio. Quando ataca uma presa, torna-se veloz e possante, podendo carregar para uma árvore, mamíferos de médio porte. Avessas a mudanças de hábitat, as harpias costumam se estabelecer em um território de caça de cerca de 100 quilômetros quadrados de extensão.

Alimentação

Animais de médio porte como preguiças, macacos, filhotes de veado e caititu, aves como araras e serpentes. A harpia está no topo da cadeia alimentar (não tem outros predadores a não ser o homem).

Reprodução

Reproduzem-se de junho a novembro. O ninho, construído pelo casal em uma das árvores mais altas da área, é perene e refeito a cada período de reprodução, que normalmente ocorre de dois em dois anos. Nidificam em árvores altas e de troncos fortes, seu ninho consiste em uma pilha de galhos, a fêmea coloca dois ovos. A incubação dura em torno de 56 a 58 dias, sobrevivendo apenas um filhote, que é alimentado pelos pais até sair do ninho entre 6 e 8 meses. Chega a maturidade somente no quarto ano de vida.

Ameaças

Ameaçada de extinção. Atualmente encontra-se praticamente restrita à Floresta Amazônica, devido à caça indiscriminada pelo homem, d estruição do habitat e o tráfico de animais.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Gavião Real

Gavião Real

Reino: Animalia

Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Accipitridae
Gênero: Harpia
Espécie: H. harpyja
Nome binominal (inglês): Harpia harpyja - Lineu, 1758
Nome vulgar (popular): Gavião-real ou uiraçu-verdadeiro

Distribuição geográfica

México, América Central, Brasil, Argentina e Colômbia, notadamente no Amazonas.

Habitat

Árvores altas, dentro de vasta mata, onde constrói seus ninhos. Habitava as matas brasileiras de forma abrangente. Hoje pode ser encontrado na Amazônia e visto raramente na Mata Atlântica. Na região amazônica da Guiana, onde foi bem estudado, verificou-se que é um predador sobretudo de mamíferos.

Hábito alimentar

Sua alimentação é composta de animais de porte médio, como aves, macacos e preguiças, que são capturadas quando tomam sol nas copas das árvores, de manhã cedo.

Elas caçam pelo menos dezenove espécies de animais, desesseis destas são arborícolas.

Em cativeiro são alimentadas com carne, pequenos animais como pintos, ratos, etc..

Reprodução

As harpias, como as águias em geral, são monogâmicas, unindo-se por toda a vida.

Elas fazem ninhos em árvores muito altas, com galhos bem separados, de até 40 metros de altura.

O casal dá uma cria a cada dois ou três anos.

As fêmeas depositam um ovo ou dois, mas, caso ambos os ovos sejam incubados com sucesso, em condições naturais somente o primogênito sobrevive, já que o filhote maior invariavelmente matará o menor (este "cainismo" é comum a várias espécies de águia, e permite estratégias de conservação baseadas na remoção do filhote menor do ninho para criação artificial).

O filhote testa suas asas com seis meses. No entanto, fica sob os cuidados dos pais, sendo alimentado, por outros seis a dez meses, mantendo, assim, uma longa dependência.

A maturidade sexual é atingida aos quatro ou cinco anos e o indivíduo pode retornar ao mesmo ninho em que nasceu
Período de vida:

Aspectos gerais

A harpia (Harpia harpyja) é a mais pesada e uma das maiores aves de rapina do mundo, com envergadura de 2 metros e peso de até 10 quilogramas. Ambos os sexos têm uma crista de penas largas que levantam quando ouvem algum ruído. Como as corujas, elas têm um disco facial de penas menores que pode focar ondas sonoras para melhorar suas capacidades auditivas.

As harpias são predadores tremendamente eficazes, com garras mais compridas do que as de um urso. É uma águia adaptada ao vôo acrobático em ambientes florestais de espaços fechados.

A harpia possui, como principais características físicas, olhos pequenos, um longo topete, uma crista com duas penas maiores e uma cauda com três faixas cinzentas, que pode medir até 2/3 do comprimento da asa.

Esta ave da família Accipitridae possui asas largas e redondas, pernas curtas e grossas, e dedos extremamente fortes, com enormes garras, capazes até de levantar um carneiro do chão. Sua cabeça é cinza, o papo e a nuca, negros, e o peito, a barriga e a parte de dentro das asas, brancos. Tem entre 50 a 90 centímetros de altura, uma envergadura de até 2 metros e um peso variando entre 7 e 9kg quando fêmea e entre 4 e 5,5 kg quando macho.

Elas se aproximam morfologicamente (não se sabe se filogeneticamente) de várias outras aves de rapina tropicais de grande tamanho adaptadas à caça de grandes animais arborícolas como macacos, preguiças, lêmures, etc., tais como a águia-coroada africana, a águia-das-filipinas e a águia-da-nova-guiné. Todas essas são chamadas de águias-pega-macaco em suas localidades de origem devido ao grande porte, que coloca animais maiores, como macacos, em seu cardápio.

Estado de Conservação da Espécie

Destruição de seu habitat, uma vez que necessita de grandes áreas para viver. Atualmente, a harpia encontra-se praticamente restrita à floresta amazônica.

É ameaçada pela caça predatória. Seja por ser considerada perigosa para as criações de animais domésticos, seja pelo simples vandalismo. Na Revista Globo Rural, chegou a ser publicada uma foto, mandada por leitor da revista a título de curiosidade, em que um grupo de peões numa área de desmatamento no Mato Grosso exibiam, orgulhosamente, o cadáver de uma harpia abatida a tiros sem qualquer razão a não ser o prazer da exibição da caça.

De acordo com a ONG americana Peregrine Fund, que se dedica à proteção internacional de aves de rapina diurnas, a harpia é uma espécie "dependente de conservação", na medida em que o declínio da espécie em toda a sua área de ocorrência, produzido principalmente pelo desmatamento, exige políticas ativas de conservação e/ou reprodução em cativeiro, que impeçam que a ave se torne uma espécie imediatamente ameaçada de extinção.

O Peregrine Fund realizou, aliás, algumas experiências bem sucedidas de criação em cativeiro e libertação de harpia em uma reserva florestal no Panamá.

Curiosidades

Por causa do tamanho e ferocidade do animal, os primeiros exploradores na América Central nomearam estas águias em função das monstruosas meio-mulheres/meio-águias da mitologia grega clássica.

A harpia é o pássaro nacional e está desenhada no brasão do Panamá.

A harpia é também o animal que artistas desenharam para criar 'Fawkes a fênix' para o filme Harry Potter e a Câmara Secreta.
A harpia é capaz de exercer uma pressão de 42 kgf/cm² (4,1 MPa ou 530 lbf/in²) com suas garras. Ela pode erguer mais de 3/4 de seu peso.

A harpia é, com controvérsias, a águia mais pesada ainda vivente, e a águia-das-filipinas é a única águia viva que se compara a ela em tamanho. Entretanto, a extinta águia-de-haast da Nova Zelândia era aproximadamente 50% maior do que ela.
A harpia dá nome ao projeto de inteligência artificial mantido pela Receita Federal Brasileira.

Referências

1999. "Harpia harpyja" (On-line), Animal Diversity Web.

Fonte: bioparqueamazonia.com.br

Gavião Real

Gavião Real
Gavião Real

O gavião real é a mais poderosa águia da terra. Além de uma das maiores envergaduras de asa desse grupo, é a força das pernas que consagra esse título à ave.

Enquanto muitos acham que gosta mais de atacar os macacos, os gaviões reais preferem as preguiças como presas.

As pernas e as garras afiadas são adaptações perfeitas para arrancar as preguiças das árvores. Isso às vezes é um legítimo desafio para a ave, pois, apesar de lentas, as preguiças possuem uma força incomum.

Fonte: www.cdpara.pa.gov.br

Gavião Real

Gavião Real

O gavião-real, também conhecido como harpia ( Harpia harpyja ), é a maior ave de rapina do Brasil e do mundo. Além de maior, é considerada uma das mais interessantes e raras aves pois vive solitária, exceto na época de acasalamento.

A harpia vive em montanhas, nas margens de rios e lagos e até mesmo à beira-mar. No Brasil, ainda hoje, essa espécie é encontrada na Amazônia, nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul, além de algumas florestas da Mata Atlântica. Seus hábitos são diurnos e o comportamento sedentário.

Alimenta-se desde moluscos, crustáceos e peixes até serpentes, lagartos, alguns pássaros e alguns mamíferos, como a preguiça (seu alimento favorito) que captura no solo.

A harpia pode atingir 1,15 m de comprimento e 2,5 m de envergadura. Seu peso varia de 4,5 a 10 quilos. Possui uma plumagem densa nas costas e macia no lado ventral. Os tarsos são grossos e não emplumados. As pernas são curtas, e os pés e garras suficientemente fortes para permitir à ave carregar mamíferos pesados. A cor predominante é o cinza e o seu grande topete é responsável pela denominação de gavião-real. A ave adulta apresenta um “colar” preto de penas no pescoço.

A característica principal – também presente em todas as aves de rapina diurnas – é a profundidade da visão. O poder de resolução da vista do gavião chega a ser oito vezes mais potente que o do homem. Mas, como nem tudo é perfeito, a mobilidade do olho na órbita é reduzida , o que obriga a ave a virar constantemente a cabeça para adquirir noção do conjunto.

Fonte: portalamazonia.globo.com

Gavião Real

Gavião Real
Gavião Real

Essa é a maior ave de rapina do mundo e a maior do Brasil. Solitário, o gavião-real vive em florestas ou nas margens de rios do Brasil e da América Central.

Seus alimentos preferidos são moluscos, crustáceos, peixes, serpentes, lagartos e alguns pássaros. Essa ave possui uma excelente visão, embora a pouca mobilidade do olho a obrigue a virar constantemente a cabeça para enxergar ao redor. Sem inimigos naturais, o gavião-real está ameaçado pela devastação das florestas.

Fonte: www.petvale.com.br

Gavião Real

 

Gavião Real
Gavião Real

Seu nome científico é Harpia harpyja.

O gavião-real, também conhecido como harpia, é a maior ave de rapina do Brasil e do mundo. Além de maior, é considerada uma das mais interessantes e raras aves pois vive solitária, exceto na época de acasalamento, e exige uma extensa área para sobreviver( cerca de 50 km2 de floresta para cada ave ).

A harpia vive em montanhas, nas margens de rios e lagos e até mesmo à beira-mar. Sua localização vai do sul da América Central até o Paraguai, com preferência das áreas tropicais. No Brasil, ainda hoje, essa espécie é encontrada na Amazônia, nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul, além de algumas florestas da Mata Atlântica. Seus hábitos são diurnos e o comportamento classificado como sedentário

A predileção alimentar da harpia abrange desde moluscos, crustáceos e peixes até serpentes, lagartos, alguns pássaros e alguns mamíferos, como a preguiça (seu alimento favorito). A harpia é a principal inimiga dos psitacídeos (Araras, cacatuas e papagaios).

A harpia pode atingir 1,15 m de comprimento e 2,5 m de envergadura. Seu peso varia de 4,5 a 10 quilos. Possui uma plumagem densa nas costas e macia no lado ventral. Os tarsos são grossos e não emplumados. As pernas são curtas, e os pés e garras suficientemente fortes para permitir à ave carregar mamíferos pesados. A cor predominante é o cinza e o seu grande topete é responsável pela denominação de gavião-real. A ave adulta apresenta um “colar” preto de penas no pescoço.

A característica principal – também presente em todas as aves de rapina diurnas – é a profundidade da visão. O poder de resolução da vista do gavião chega a ser oito vezes mais potente que o do homem. Mas, como nem tudo é perfeito, a mobilidade do olho na órbita é reduzida , o que obriga a ave a virar constantemente a cabeça para adquirir noção do conjunto.

A harpia é monógamo e de pouca sociabilidade. Também apresenta dimorfismo, isto é, a fêmea é maior que o macho. Aliás, entre águias, falcões e gaviões, o dimorfismo normalmente é mais acentuado quanto mais ferozes e agressivas forem as espécies. Geralmente solitário e diurno, a harpia voa bem entre 50 e 100 metros acima das copas das árvores e plana bastante. Tanto em ataques como para chamar a atenção do sexo oposto, as aves escancaram as asas, estendem os artelhos, levantam a crista e eriçam as penas. Muitos acipitrídeos executam verdadeiras acrobacias no ar. Para os solteiros, o balé aéreo serve como artifício de sedução e, para os acasalados, fortalecimento do elo de união.

A nidificação é bastante variada, desde plataformas de gravetos em árvores ou rochedos, até mesmo no chão duro. De dois ovos, apenas um filhote nasce após 56 dias de incubação realizada pela fêmea. Quando este rompe a casca, a fêmea que então cuidava do ovo e do ninho sai para exercitar-se e caçar, enquanto o macho cuida do filhote e afasta possíveis intrusos do local. Os filhotes chegam a ficar de quatro a cinco meses no ninho exercitando as asas e fortalecendo a musculatura. Ainda por dois anos, após deixarem os ninhos, dependem muito dos pais, quando começa o aprendizado de caça. A maturidade chega entre oito e dez anos.

Embora seja fácil sua adaptação, dificilmente conseguem reproduzir-se em cativeiro. O zôo melhor sucedido é o de Berlim, na Alemanha, onde são realizadas reproduções a cada dois anos.

A família da harpia ( acipitrídeos ) é a mais complexa de todas. Há uma grande variedade de formatos e dimensões, onde estão inclusas as várias espécies de gaviões. São 208 tipos no mundo, sendo 90 brasileiros. A águia é uma das mais versáteis e ágeis da família, chega a pesar sete quilos e exibe envergadura de tamanho igual ao da harpia: 2,5 m. Ao contrário da crença popular, nem todos os gaviões são carnívoros, há os insetívoros e até mesmo os vegetarianos.

Seu único predador é o homem. É justamente a capacidade humana de destruir fatias imensas de matas, eliminar santuários selvagens e empobrecer o espectro da fauna que colocou em evidência e trouxe para o foco da ciência esse animal típico da mata fechada, tradicionalmente oculto e protegido, e agora em processo de extinção.

Ficha

Ordem:

Ciconiformes

Família

Accipitridae

Nome Popular

Harpia

Nome em Inglês

Harpy eagle

Nome Científico

Harpia harpyja

Distribuição Geográfica

América do Sul e Central

Habitat

Florestas neotropicais

Hábitos Alimentares

Carnívoro

Reprodução

1 ovo que eclode após 56 dias de incubação

Período de Vida

Aproximadamente 40 anos

Fonte: www.reinoanimal.hpg.ig.com.br

Gavião Real

Tamanho

Altura: 57 cm (macho), 90 cm (fêmea)
Envergadura: té 2 metros

Peso

4,8 kg (macho), 7,6 kg (fêmea), podendo ambos ultrapassar esses limites

Voz

Assobio estridente e prolongado "Wii-üü"

Gavião Real

É a ave rapineira mais possante do mundo, que se alimenta de preguiça-real, mutum, macaco-prego, filhotes de veado, arara-azul, seriema, tatu, cachorro-do-mato.

É rápido nas investidas e capaz de carregar uma cutia ou um filhote de caititu para a copa das árvores.

Chega a arrastar as presas maiores e ataca cobras de diâmetro de até 5 cm, partindo-as e devorando-as em seguida.

Fonte: www.geobrasil2001.hpg.ig.com.br

Gavião Real

Ordem: Falconiformes

Família: Accipitridae

Nome popular: Harpia

Nome em inglês: Harpy eagle

Nome científico:  Harpia harpyja

Distribuição geográfica: América do Sul e Central

Habitat: Florestas neotropicais

Hábitos alimentares: Carnívoro

Reprodução: 1 ovo que eclode após 56 dias de incubação

Período de vida: Aproximadamente 40 anos

Gavião Real
Gavião Real

A mais extraordinária águia do mundo

 

A harpia (Harpia harpyja) é a mais forte ave de rapina do planeta. Povoa vários países da América do Sul e América Central, mas o Brasil é sua principal morada.

O macho possui em média 60 cm de altura e pesa 4,8 a 6,0 kg, já a fêmea possui 90 cm de altura e peso aproximado de 7,5 a 9 kg, com envergadura de asa de até 2 metros.

Maior e mais forte, cabe a fêmea a captura da caça pesada, como preguiças, macacos-prego, filhotes de veado; já foi vista capturando um macho adulto de bugio, com peso de 6,5 kg. Com tamanho menor, o macho é mais ágil e captura presas menores e mais rápidas, como siriemas, tatus e cachorros-do-mato.

Possui uma coloração acinzentada, um imponente e maravilhoso cocar sobre a cabeça e um disco facial, que ajuda a melhorar sua audição. Com um bico de robustez incomparável e garras poderosas com unhas que medem até 7 cm, maiores que a do urso pardo norte-americano, a harpia é capaz de capturar sua presa em uma árvore sem interromper o vôo!

Na natureza, constrói seu ninho em árvores altas com pilhas de galhos. A fêmea põe dois ovos entre setembro e novembro, mas geralmente só um filhote sobrevive. Este atinge a maturidade sexual e plumagem adulta somente ao 5 anos de idade.

O Zoológico de São Paulo possui alguns casais de harpia, que são tratados com alimentação específica, e estão alojados em recintos amplos, com ninhos altos, que imitam o seu habitat natural, para melhor acomodá-los e incentivar sua reprodução.

Por ocorrer em quase todo o Brasil, a harpia recebe muitos nomes regionais, como gavião-real, águia-real, gavião-de-penacho e denominações indígenas, uiraçu e canoho. Estes mesmos índios a veneram como o espírito mais valente da floresta, a mãe de todos os pássaros.

Mas infelizmente a destruição das florestas a tem tornado autêntica raridade em diversas partes do Brasil, e é extremamente importante a preservação de seu habitat, para que no futuro, a senhora dos ares, gigante guerreira das florestas, continue existindo. E nós tenhamos orgulho em dizer que em nosso país existe "a mais extraordinária águia do mundo"!!!

Guilherme Augusto Domenichelli
Ricardo Avari

Fonte: www.zoologico.sp.gov.br

Gavião Real

Classe: Aves

Ordem: Falconifromes

Família: Accipitridae

Nome científico: Harpia harpyja

Nome vulgar: Gavião-real ou harpia

Categoria: Ameaçada

Características

É a mais possante águia conhecida, de grande e majestoso porte, com corpo agigantado, asas grandes, cauda longa, bico negro, possante, forte, robusto curvo, com a maxila em posta aguçada e resistente, pernas robustas, tarsos grossos e curtos, com dedos robustíssimos, principalmente o hálux, (mede 7cm), que é provido de unha muito mais forte do que as demais, que são também garras de grande força.

A coloração dorsal é cinza-clara; crista com topete partido de cor cinzenta; fita peitoral também cinzenta, parte inferior branca, rêmiges enegrecidas, cauda parda listrada de preto.

Sexos semelhante, sendo as fêmeas mais robustas, jovens mais escuras e com parte superior negra. Vivem isolados, mas se unem aos casais para a procriação. Seu canto é assobiado, forte e bem audível à distância. Prefere o pouso entre a vegetação e não o topo da copa das árvores.

Alimentação

É predador de mamíferos e também répteis, embora mais raramente. Entre os mamíferos, preferem os macacos, as cotias, as preguiças, os gambás, os coatis, os juparás, o tamanduá e o ouriço de pêlo duro. A caçada que realiza é impressionante, especialmente quando se dispõe a capturar um macaco, pois os membros da família desses símios se apavoram e se abrigam entre os emaranhados cipoais, e fazem um vozerio de alarme bastante expressivo, notando-se os galhos das árvores balançarem.

Nidificação, postura, incubação e cuidados com a prole

O galanteio e a cópula nesta espécie assemelham-se aos de muitos gaviões: A fêmea recebe o macho quando pousada, e estes se equilibram sobre a mesma, mantendo as asas abertas e vibrando-as continuadamente. O ninho formado por uma grande armação de gravetos, com ramos de mais de 1 metro de comprimento, por mais de 2 cm de diâmetro. O diâmetro do ninho geralmente tem mais de 1,20 m e sua altura de mais de 45 cm, sendo que na parte da câmara oológica era atapetado com grande quantidade de folhas verdes e secas. O ovo, de coloração amarelo-suja, medido 78 X 60 mm em seus eixos e pesando 124g.

Durante a incubação o macho permanece pelas imediações, canta continuadamente e às vezes substitui a fêmea na incubação. O período de incubação é de 53 a 58 dias. O jovem recebe alimentos dos pais, no ninho, durante 2 meses. Asa 55,0 cm, cauda 35,0 cm, bico 6 cm, tarso 10 cm.

Observação

Linnaeus serviu-se do nome dos monstros alados da mitologia para designar a mais bela espécie dos nossos gaviões. O índio que possui uma harpia viva é tido como feliz.

Altura: 57 cm

Peso: macho 48 a 4,6 kg e fêmea até 9 kg. Podendo esta ser ainda mais pesada.

Comprimento: 85 cm

Ocorrência Geográfica

América tropical, desde o México, América Central e todos os países da América do Sul, com exceção do Uruguai e Chile. Na atualidade, é possível que muitos outros países não mais a possuam, pois a maioria das grandes florestas em que viviam está sendo totalmente destruída.

Habitat

Habita as grandes florestas virgens, sobretudo na Amazônia, sendo que nos lugares de grandes vales e montanhas, como ocorre no vale do Canaã, junto à Reserva Biológica de Nova Lombardia. No Estado do Espírito Santo, costuma em determinados dias do mês de agosto fazer vôo sobre o mesmo, passando de um para outro lado, nas áreas ainda florestadas. Aplica esse hábito também para localizar suas presas.

Cientista que descreveu

Linnaeus, 1758

Categoria/Critério

Tem um crescimento populacional muito lento. Este fato, associado à destruição de grandes áreas florestais e à caça indiscriminada, a torna uma das espécies mais ameaçadas de extinção em nosso País.

Fonte: www.ambientebrasil.com.br

Gavião Real


Nome vulgar:
HARPIA
Outro nome: Águia Real
Nome em inglês: Harpy Eagle
Nome científico: Harpia harpyja
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Accipitridae
Nome inglês: Harpy eagle
Longevidade: 40 anos
Distribuição: México, América Central, Brasil, Argentina e Colômbia.
Habitat: Florestas tropicais
Hábitos: É rápido e possante em suas investidas sendo capaz de levar para a árvore uma presa de grande porte
Maturidade: 6 anos
Época reprodutiva: Junho a Novembro
Incubação: 30 dias
Nº de filhotes: 01

Alimentação na natureza

Animais de pequeno e médio porte (mamíferos e aves)

Alimentação em cativeiro

Carne, pequenos animais como pintos, ratos, etc.

Causas da extinção

Destruição de seu habitat, uma vez que necessita de grandes áreas para viver.

Também conhecida como gavião-real ou uiraçu-verdadeiro, a harpia é a ave de rapina mais poderosa do Brasil, com porte e força inigualáveis.

Esta ave da família Accipitridae possui asas largas e redondas, pernas curtas e grossas, e dedos extremamente fortes, com enormes garras, capazes até de levantar um carneiro do chão. Sua cabeça é cinza; o papo e a nuca, negros e o peito, a barriga e a parte de dentro das asas, brancos.

A harpia possui, como principais características físicas, olhos pequenos, um longo topete, uma crista com duas penas maiores e uma cauda com três faixas cinzentas, que pode medir até 2/3 do comprimento da asa.

Tem entre 50 a 90 centímetros de altura, uma envergadura de até 2 m e um peso variando entre 4 e 4,5 Kg quando macho e entre 6 e 9 Kg quando fêmea. Esta ave de rapina pode ser encontrada do México à Bolívia, na Argentina e em grande parte do Brasil, vivendo em árvores altas, dentro de vasta mata, onde constrói seus ninhos. Ela voa alternando rápidas batidas de asa com planeio. Tem um assobio longo e estridente e, nas horas quentes do dia, costuma voar em círculos sobre florestas e campos próximos. Sua alimentação é feita de animais de porte médio, como aves, macacos e preguiças, que são capturadas quando tomam sol nas copas das árvores, de manhã cedo. Atualmente, a harpia encontra-se praticamente restrita à Floresta amazônica, devido à caça predatória do homem.

Fonte: www.felipex.com.br

Gavião Real

Harpia: espécie ameaçada
Nome científico: Harpia harpyja
Quanto mede: 50 e 90 cm
Onde vive: sul da América Central até o Paraguai
Filhotes: põe dois ovos, mas apenas um filhote sobrevive.

Gavião Real

A harpia pode também ser chamada de gavião-real ou uiraçu. É o mais potente gavião do mundo.

Alimenta-se de animais de porte médio, dentre suas presas estão a preguiça-real, mutuns, macaco-aranha, macaco-prego, arara-azul, seriema e o cachorro do mato.

Tem entre 50 e 90 cm, uma envergadura de 2 m e seu peso varia de 4 a 4,5 kg macho e de 6 a 9 kg fême.

Fonte: www.curiosidadeanimal.com

Gavião Real

Nome Científico: Harpia harpyja (Linnaeus, 1758)
Nome em inglês: Harpy eagle
Ordem: Falconiformes
Família: Accipitridae
Outros Nomes: Gavião Real, Uiraçu-verdadeiro
Habitat: Grandes Florestas preservadas
Distribuição: América Central e do sul
Alimentação: Mamíferos, Aves e Répteis

Gavião Real

Esta é sem dúvida uma das aves de rapina mais poderosa do mundo, sendo a harpia a maior águia encontrada no Brasil, podendo atingir até 105 cm (fêmeas). Os machos pesam entre 4 e 5 kg e as fêmeas entre 7,6 e 9 kg. Apresenta um penacho bipartido e asas largas e arredondadas que atingem 2 m de envergadura nas fêmeas. A cauda é comprida com três barras cinzas e os tarsos e garras são bem desenvolvidos, permitindo a captura de mamíferos com mais do que 6 kg. Coloca até dois ovos , mas só um filhote sobrevive, e o tempo de incubação é de aproximadamente 56 dias, com o filhote realizando seus primeiros vôos após seis meses.

O jovem mantém um período de dependência dos adultos superior a um ano, o que faz com que os casais de harpias se reproduzam a intervalos de pelo menos dois anos.

A base da sua alimentação é constituída de mamíferos arbóreos, como preguiças e primatas, e terrestres, como cachorros-do-mato, veados, quatis e outros. Também captura aves, como seriemas, araras e cracídeos, ou répteis, incluindo grandes lagartos. Suas garras robustíssimas, principalmente o hálux, (mede 7cm),que é provido de unha muito mais forte do que as demais, que são também garras de grande força, suas garras equivale a de ursos. Vivem isolados, mas se unem aos casais para a procriação. Seu canto é assobiado, forte e bem audível à distância. Prefere o pouso entre a vegetação e não o topo da copa das árvores.

A caçada que realiza é impressionante, especialmente quando se dispõe a capturar um macaco, pois os membros da família desses símios se apavoram e se abrigam entre os emaranhados cipoais, e fazem um vozerio de alarme bastante expressivo, notando-se os galhos das árvores balançarem. Linnaeus cientista que a descreveu serviu-se do nome dos monstros alados da mitologia para designar a mais possante espécie de nosso país.

A harpia ocorre na América tropical, desde o México, América Central e todos os países da América do Sul, com exceção do Uruguai e Chile. É possível que muitos outros países não mais a possuam, pois a maioria das grandes florestas em que viviam está sendo totalmente destruída. Habita as grandes florestas virgens, sobretudo na Amazônia, sendo muito rara fora da região amazônica.

O registro mais recente para o sul do Brasil é datado de 2003 onde um gavião-real foi visto planando sobre a baia de guaratuba, no estado do Paraná, feito por Pedro Scherer Neto. No Estado do Espírito Santo, costuma em determinados dias do mês de agosto fazer vôo sobre o mesmo, passando de um para outro lado, nas áreas ainda florestadas. Aplica esse hábito também para localizar suas presas.

Gavião Real

Fonte: www.avesderapinabrasil.com

Gavião Real

Espécie: Harpia harpyja
Família: Accipitridae
Ordem: Falconiformes
Distribuição: América do Sul e Central
Habitat: Florestas tropicais
Alimentação: Pequenos mamíferos e aves

Gavião Real

Na Natureza

Maior ave de rapina do Brasil. Vive em árvores altas, onde constrói seu ninho, que é uma grande plataforma de galhos, onde ocorre a postura de dois ovos. Destes apenas um filhote sobrevive. A fêmea é a principal responsável pelo choco, enquanto o macho encarrega-se da alimentação. Alimenta-se preferencialmente de aves de médio porte e mamíferos arborícolas (macacos, quatis, preguiças, etc). Sua voz é um assobio longo e estridente. Como é um predador, captura com mais facilidade animais fracos e doentes, contribuindo assim para a seleção das espécies e mantendo o equilíbrio entre as populações.

No Zôo

O Zoológico possui três exemplares desta espécie, tendo um casal em exposição e um exemplar emprestado para a Quinta da Estância Grande. Embora já tenham ocorrido várias posturas ainda não ocorreu o nascimento de filhotes. A alimentação destes animais no Parque consiste em carne crua, ratos, coelhos e marrecos. O macho veio para o Parque em 1975 e a fêmea alguns anos depois.

A Extinção

Praticamente extinta do Rio Grande do Sul, ainda é encontrada na Floresta Amazônica, onde são desenvolvidos estudos sobre a sua reprodução. Encontram-se ameaçadas de extinção principalmente pela alteração e destruição das florestas e pela perseguição humana. Segundo o Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Rio Grande do Sul (2003), o gavião-real consta na categoria Ameaçada - Provavelmente Extinta.

Coordenadoria de Comunicação Social
Fundação Zoobotânica do RS

Fonte: www.fzb.rs.gov.br

Gavião Real

Gavião Real
Gavião Real

Nome científico

Harpia harpyja

Peso:

6-9 kg

Período de vida

Até 25 anos

Incubação

56 dias

Nº de filhotes

De 1 a 2 ovos

Distribuição geográfica

Florestas do Brasil e América Central

Hábitos alimentares

Macacos, preguiças e pássaros

Curiosidades

Também conhecida como gavião-real, a harpia é o maior gavião brasileiro, tem pernas e garras muito fortes e recursos de vôo que fazem dele um verdadeiro avião de caça, sendo capaz de manobras arriscadas em alta velocidade.

A harpia se distingue dos outros gaviões e águias pelo cocar que tem na parte de trás da cabeça, que levanta quando está irritada.

O ninho é feito sobre árvores de 50 metros, forrado com pêlos de macaco para aquecer os filhotes.

É de difícil reprodução em cativeiro.

Fonte: www.parquedoisirmaos.pe.gov.br

Gavião Real

Topo da cadeia alimentar, a harpia não tem nenhum inimigo natural.

É o mais potente Gavião do mundo. Alimenta-se de animais de porte médio, dentre suas presas estão a Preguiça-real, Mutuns, Macaco-aranha, Macaco-prego, Arara-azul, Seriema e o Cachorro do Mato. Tem entre 50 e 90 cm, uma envergadura (a distância entre as asas abertas) de 2 m e seu peso varia de 4 a 4,5 Kg quando macho e de 6 a 9 Kg quando fêmea.

Como toda ave de rapina, a parte de cima do seu bico é cortante. Tem asas largas e arredondadas, pernas curtas e grossas e dedos muito fortes com enormes garras nas pontas. Sua cabeça é cinza, seu papo e sua nuca são negros, seu peito, barriga e parte interna das asas são brancos e sua cauda tem listras cinzas. Tem um grande topete com uma crista e duas penas maiores. Seus olhos são pequenos, mas extremamente sensíveis, capazes de enxergar detalhes a distância. Emite um longo e estridente assobio. O macho é bem menor que a fêmea. O ninho da Harpia consiste em uma pilha de galhos que ela coloca nas árvores mais altas, o que lhe permite ver o horizonte. Põe dois ovos, mas apenas um filhote sobrevive.

É encontrada na região entre México e Bolívia, na Argentina e na Floresta Amazônica, onde foi frequentemente retratada na mitologia indígena. Os animais aprisionados pelos índios eram a personificação dos caciques.

A Harpia encontra-se ameaçada de extinção, devido a caça praticada pelo Homem e pela redução de presas e do seu habitat natural.

Fonte: www.animalnet.com.br

Gavião Real

Gavião Real

Harpia harpyaja

Gavião-de-penacho, uiraçu-verdadeiro, cutucuraim, apacanim, harpia

Classificação

Ordem: Falconiformes
Família: Accipiatridae.
Nome em Inglês: Harpy eagle

Tamanho

Altura 57 cm (macho), 90 cm (fêmea), envergadura de até 2 metros

Peso

4,8 kg (macho), 7,6 kg (fêmea), podendo ambos ultrapassar esses limites.

Voz

Assobio estridente e prolongado "Wii-üü"

Espécie ameaçada de Extinção

É a ave rapineira mais possante do mundo, que se alimenta de preguiça-real, mutum, macaco-prego, filhotes de veado, arara-azul, seriema, tatu, cachorro-do-mato. É rápido nas investidas e capaz de carregar uma cutia ou um filhote de caititu para a copa das árvores. Chega a arrastar as presas maiores e ataca cobras de diâmetro de até 5 cm, partindo-as e devorando-as em seguida.

Bibliografia

Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Volume Único, Editora Nova Fronteira.

Fonte: www.informaves.hpg.ig.com.br

Gavião Real

Seu nome científico é Harpia harpyja.O gavião-real, também conhecido como harpia, é a maior ave de rapina do Brasil e do mundo. Além de maior, é considerada uma das mais interessantes e raras aves pois vive solitária, exceto na época de acasalamento, e exige uma extensa área para sobreviver( cerca de 50 km2 de floresta para cada ave ).

A harpia vive em montanhas, nas margens de rios e lagos e até mesmo à beira-mar. Sua localização vai do sul da América Central até o Paraguai, com preferência das áreas tropicais.

No Brasil, ainda hoje, essa espécie é encontrada na Amazônia, nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul, além de algumas florestas da Mata Atlântica. Seus hábitos são diurnos e o comportamento classificado como sedentário.

A predileção alimentar da harpia abrange desde moluscos, crustáceos e peixes até serpentes, lagartos, alguns pássaros e alguns mamíferos, como a preguiça (seu alimento favorito).

A harpia é a principal inimiga dos psitacídeos (Araras, cacatuas e papagaios). A harpia pode atingir 1,15 m de comprimento e 2,5 m de envergadura. Seu peso varia de 4,5 a 10 quilos. Possui uma plumagem densa nas costas e macia no lado ventral. Os tarsos são grossos e não emplumados. As pernas são curtas, e os pés e garras suficientemente fortes para permitir à ave carregar mamíferos pesados. A cor predominante é o cinza e o seu grande topete é responsável pela denominação de gavião-real. A ave adulta apresenta um “colar” preto de penas no pescoço.

A característica principal

Também prese'e do olho na órbita é reduzida , o que obriga a ave a virar constantemente a cabeça para adquirir noção do conjunto.

A harpia é monógamo e de pouca sociabilidade. Também apresenta dimorfismo, isto é, a fêmea é maior que o macho. Aliás, entre águias, falcões e gaviões, o dimorfismo normalmente é mais acentuado quanto mais ferozes e agressivas forem as espécies.

Geralmente solitário e diurno, a harpia voa bem entre 50 e 100 metros acima das copas das árvores e plana bastante. Tanto em ataques como para chamar a atenção do sexo oposto, as aves escancaram as asas, estendem os artelhos, levantam a crista e eriçam as penas. Muitos acipitrídeos executam verdadeiras acrobacias no ar.

Para os solteiros, o balé aéreo serve como artifício de sedução e, para os acasalados, fortalecimento do elo de união.

A nidificação é bastante variada, desde plataformas de gravetos em árvores ou rochedos, até mesmo no chão duro. De dois ovos, apenas um filhote nasce após 56 dias de incubação realizada pela fêmea. Quando este rompe a casca, a fêmea que então cuidava do ovo e do ninho sai para exercitar-se e caçar, enquanto o macho cuida do filhote e afasta possíveis intrusos do local. Os filhotes chegam a ficar de quatro a cinco meses no ninho exercitando as asas e fortalecendo a musculatura. Ainda por dois anos, após deixarem os ninhos, dependem muito dos pais, quando começa o aprendizado de caça. A maturidade chega entre oito e dez anos.

Embora seja fácil sua adaptação, dificilmente conseguem reproduzir-se em cativeiro.

O zôo melhor sucedido é o de Berlim, na Alemanha, onde são realizadas reproduções a cada dois anos. A família da harpia ( acipitrídeos ) é a mais complexa de todas. Há uma grande variedade de formatos e dimensões, onde estão inclusas as várias espécies de gaviões. São 208 tipos no mundo, sendo 90 brasileiros.

A águia é uma das mais versáteis e ágeis da família, chega a pesar sete quilos e exibe envergadura de tamanho igual ao da harpia: 2,5 m.

Ao contrário da crença popular, nem todos os gaviões são carnívoros, há os insetívoros e até mesmo os vegetarianos. Topo da cadeia alimentar, a harpia não tem nenhum inimigo natural. Seu único predador é o homem.

É justamente a capacidade humana de destruir fatias imensas de matas, eliminar santuários selvagens e empobrecer o espectro da fauna que colocou em evidência e trouxe para o foco da ciência esse animal típico da mata fechada, tradicionalmente oculto e protegido, e agora em processo de extinção.

Fonte: www.angelfire.com

Gavião Real

Nome científico Harpia harpyja
Quanto mede 0 e 90 cm
Onde vive: ul da América Central até o Paraguai
Filhotes: põe dois ovos, mas apenas um filhote sobrevive.

Gavião Real

A Harpia pode também ser chamada de Gavião-real ou uiraçu ( no Tupi uira significa ave e açu significa grande).

Alimenta-se de animais de porte médio, dentre suas presas estão a preguiça-real, mutuns, macaco-aranha, macaco-prego, arara-azul, seriema e o cachorro do mato. Tem entre 50 e 90 cm, uma envergadura de 2 m e seu peso varia de 4 a 4,5 kg macho e de 6 a 9 kg fême.

É o mais potente Gavião do mundo. Alimenta-se de animais de porte médio, dentre suas presas estão a Preguiça-real, Mutuns, Macaco-aranha, Macaco-prego, Arara-azul, Seriema e o Cachorro do Mato. Tem entre 50 e 90 cm, uma envergadura (a distância entre as asas abertas) de 2 m e seu peso varia de 4 a 4,5 Kg quando macho e de 6 a 9 Kg quando fêmea.

Como toda ave de rapina, a parte de cima do seu bico é cortante. Tem asas largas e arredondadas, pernas curtas e grossas e dedos muito fortes com enormes garras nas pontas. Sua cabeça é cinza, seu papo e sua nuca são negros, seu peito, barriga e parte interna das asas são brancos e sua cauda tem listras cinzas. Tem um grande topete com uma crista e duas penas maiores. Seus olhos são pequenos, mas extremamente sensíveis, capazes de enxergar detalhes a distância. Emite um longo e estridente assobio. O macho é bem menor que a fêmea. O ninho da Harpia consiste em uma pilha de galhos que ela coloca nas árvores mais altas, o que lhe permite ver o horizonte. Põe dois ovos, mas apenas um filhote sobrevive.

É encontrada na região entre México e Bolívia, na Argentina e na Floresta Amazônica, onde foi frequentemente retratada na mitologia indígena. Os animais aprisionados pelos índios eram a personificação dos caciques.

A Harpia encontra-se ameaçada de extinção, devido a caça praticada pelo Homem e pela redução de presas e do seu habitat natural.

Fonte: www.linkscampeaos.com.br

Gavião Real


Gavião-real

O gavião-real, ou harpia, é a ave mais imponente da floresta. Predador voraz, vive no topo das árvores, a mais de 50 metros de altura, de onde mergulha para os galhos mais baixos atrás de presas como roedores ou pequenos macacos. O desmatamento e a alteração de seu habitat o colocaram na lista dos animais em risco de extinção por mais de uma década.

Fonte veja.abril.com.br

Gavião Real

 

Nome popular: Gavião-real, harpia.
Nome científico Harpia harpyja
Quanto vive: Até 25 anos
Quanto pesa: 6 quilos
Onde vive: Florestas do Brasil e América Central
O que come: Macacos, preguiças e pássaros
Reprodução: Um ou dois ovos, incuba 56 dias.

Gavião Real

O gavião-real é a maior águia brasileira, tem pernas e garras muito fortes e recursos de vôo que fazem dele um verdadeiro avião de caça. Essa ave é capaz de manobras arriscadas em alta velocidade, tanto que pode mergulhar, entrar no meio da copa das árvores, agarrar um macaco com as potentes garras que tem e voltar a se elevar carregando a presa, sem necessidade de pousar.

A harpia se distingue dos outros gaviões e águias pelo cocar que tem na parte de trás da cabeça, que levanta quando está irritada. Cocar esse que serviu de modelo para os índios brasileiros. Os índios consideravam valiosa as penas desse gavião, negras com listras brancas, e por isso mantinham a ave em gaiolas nas aldeias, colhendo as penas à medida que cresciam.

O ninho da harpia é feito sobre árvores de 50 metros, forrado com pêlos de macaco para aquecer os filhotes, e hoje é cada vez mais raro, pois o animal está desaparecendo.

Luiz Roberto de Souza Queiroz

Fonte: www.jperegrino.com.br

Gavião Real

Nome Vulgar: Harpia, Gavião real
Nome Científico: Harpia harpyja
Classe: Aves
Gênero: Harpia
Espécie: harpyja

Gavião Real

ESPÉCIE AMEAÇADA DE EXTINÇÃO

Topo da cadeia alimentar, a harpia não tem nenhum inimigo natural.

Seu único predador é o homem.

É justamente a capacidade humana de destruir fatias imensas de matas, eliminar santuários selvagens e empobrecer o espectro da fauna que colocou em evidência e trouxe para o foco da ciência esse animal típico da mata fechada, tradicionalmente oculto e protegido, e agora em processo de extinção.

É uma ave majestosa, de porte e força inigualáveis, com corpo agigantado, asas grandes, largas e redondas, cauda longa, bico negro, forte, robusto, curvo, com a maxila em posta aguçada e resistente, pernas robustas, tarsos grossos, curtos e sem penas, com dedos fortes, principalmente o hálux, (mede 7cm), que é provido de unha muito mais forte do que as demais, que são também garras de grande força, afiadas e negras, os pés e as garras são suficientemente fortes para que a ave carregue mamíferos pesados.

Possui uma plumagem densa nas costas e macia no lado ventral, a coloração dorsal é cinza-clara.

A cabeça e os olhos são relativamente pequenos, íris cinza claro, face com discreto disco.

A cabeça é cinza provida de longo e macio topete bipartido formando dois chifres negros.

A cor predominante é o cinza e o seu grande topete é responsável pela denominação de gavião-real.

A ave adulta apresenta um “colar” preto de penas no pescoço, o pescoço e o papo são negros; peito, barriga e face ventral das asas brancos, sendo as asas e os calções listrados de negro, o bico é robusto, fita peitoral também cinzenta, rêmiges enegrecidas, cauda parda listrada de preto.

As fêmeas são maiores do que os machos.

É a maior ave de rapina existente.

Seus hábitos são diurnos e o comportamento classificado como sedentário.

Espreita na alta mata primária na beira de rios e na proximidade de barreiros.

Sempre foi troféu de caça.

Vive aproximadamente 40 anos.

Os jovens são mais escuros e com parte superior negra.

Vive isolado, mas se unem aos casais para a procriação.

Seu canto é assobiado, forte e bem audível à distância.

Prefere o pouso entre a vegetação e não o topo da copa das árvores, exige uma extensa área para sobreviver (cerca de 50 km2 de floresta para cada ave).

É predador de macacos, cotias, preguiças, gambás, coatis, juparás, tamanduá, ouriço, peixes, serpentes, lagartos, alguns pássaros, mutuns, macaco-aranha, macaco-prego, filhotes de veado, siriemas e tatus, é a principal inimiga dos psitacídeos.

Em locais habitados atacam os cães, galinhas, bezerros e cabritos.

A caçada que realiza é impressionante, especialmente quando se dispõe a capturar um macaco, pois os membros da família desses símios se apavoram e se abrigam entre os emaranhados cipoais, e fazem um vozerio de alarme bastante expressivo, notando-se os galhos das árvores balançarem.

O galanteio e a cópula nesta espécie assemelham-se aos de muitos gaviões.

A fêmea recebe o macho quando pousada, e estes se equilibram sobre a mesma, mantendo as asas abertas e vibrando-as continuadamente.

Utiliza sempre o mesmo ninho que é reformado a cada estação reprodutiva e construído por uma pilha de galhos na copa de altas árvores como a castanheira.

O ninho é formado por uma grande armação de gravetos, com ramos de mais de 1m de comprimento, por mais de 2cm de diâmetro.

O diâmetro do ninho geralmente tem mais de 1,20 m e sua altura de mais de 45cm, sendo que na parte da câmara oológica é atapetado com grande quantidade de folhas verdes e secas.

O ovo, de coloração amarelo-suja, mede 78 X 60mm em seus eixos e pesa 124g.

Durante a incubação o macho permanece pelas imediações, canta continuadamente e às vezes substitui a fêmea na incubação.

O período de incubação é de 53 a 58 dias.

Quando este rompe a casca, a fêmea que então cuidava do ovo e do ninho sai para exercitar-se e caçar, enquanto o macho cuida do filhote e afasta possíveis intrusos do local.

Os filhotes chegam a ficar de quatro a cinco meses no ninho exercitando as asas e fortalecendo a musculatura.

Ainda por dois anos, após deixarem os ninhos, dependem muito dos pais, quando começa o aprendizado de caça.

A maturidade chega entre oito e dez anos.

O macho pesa em média 4,8 a 4,6 kg e a fêmea até 9kg, podendo ainda mais pesada.

Pode atingir 1,15 m de comprimento e 2,5 m de envergadura.

A profundidade da visão e o poder de resolução da vista do gavião chega a ser oito vezes mais potente que o do homem, porém a mobilidade do olho na órbita é reduzida , o que obriga a ave a virar constantemente a cabeça para adquirir noção do conjunto.

É monógamo e de pouca sociabilidade.

A harpia voa bem entre 50 e 100 metros acima das copas das árvores e plana bastante.

Tanto em ataques como para chamar a atenção do sexo oposto, as aves escancaram as asas, estendem os artelhos, levantam a crista e eriçam as penas.

Muitos acipitrídeos executam verdadeiras acrobacias no ar.

Para os solteiros, o balé aéreo serve como artifício de sedução e, para os acasalados, fortalecimento do elo de união.

Ocorre desde o sul da América Central, México até todos os países da América do Sul, com exceção do Uruguai e Chile.

Na atualidade, é possível que muitos outros países não mais a possuam, pois a maioria das grandes florestas em que viviam está sendo totalmente destruída.

Habita áreas tropicais, as grandes florestas virgens, sobretudo na Amazônia, sendo que nos lugares de grandes vales e montanhas, como ocorre no vale do Canaã, junto à Reserva Biológica de Nova Lombardia.

No Espírito Santo, costuma em determinados dias do mês de agosto fazer vôo sobre o mesmo, passando de um para outro lado, nas áreas ainda florestadas.

Aplica esse hábito também para localizar suas presas, também é encontrada no Paraná e Rio Grande do Sul, além de algumas florestas da Mata Atlântica.

Já ocorreu em todo o território nacional, porém hoje está restrito a Amazônia e a alguns fragmentos da Mata Atlântica.

Fonte: www.diagnostico.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal