Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Mico-Leão-Dourado  Voltar

Mico-Leão-Dourado

 

Mico-Leão-Dourado

Reino: Animal
Classe: Mammalia
Ordem: Primata
Família: Callitrichidae
Gênero: Leontopithecus
Espécie: rosalia

O mico-leão-dourado é um mamífero, cujo comprimento pode variar entre 27 e 30 centímetros, sua calda pode medir até 40 centímetros de comprimento, e o seu peso fica ente 350 g a 800 g. O seu nome científico é Leontopithecus rosalia.

O seu nome é esse pelo fato da coloração de sua pelagem amarelo dourado, além disso, a sua pelagem é em forma de juba, lembrando um leão.

O seu ciclo de vida chega até 15 anos, e pode ser considerado adulto a partir dos seus 2 anos de idade.

O mico-leão-dourado é da região sudeste do Brasil, e costuma viver na mata atlântica da região. É um animal com hábitos diurnos, e vive sempre nas árvores (arborícola).

De alimentação simples, é acostumado a comer frutas, legumes, flores, animais invertebrados e répteis.

É um animal ameaçado de extinção, estima-se que atualmente haja 2.000 animais soltos na natureza.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Mico-Leão-Dourado

O mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) é um primata encontrado originariamente na Mata Atlântica, no sudeste brasileiro. Encontra-se em perigo de extinção.

Tem hábitos diurnos e arborícolas. Organizam-se em grupos de até 8 indivíduos e vivem cerca de 15 anos, sendo a maturidade da fêmea atingida com cerca de 1 ano e meio e a do macho com cerca de 2 anos, sua época reprodutiva é de setembro a março e a gestação demora cerca de 4 meses e meio, gerando, normalmente, entre 1 e 3 filhotes.

O mico-leão-dourado é um animal leve, o adulto pesa entre 360 e 710 gramas, sendo 60 gramas o peso considerado normal para um filhote.

São onívoros, o que significa que sua alimentação é muito variada, neste caso comem frutas, insetos, ovos, pequenas aves e lagartos (em cativeiro as aves e lagartos são substituídos por carne).

Tem uma pelagem sedosa e brilhante, de cor alaranjada e uma juba em torno da cabeça, o que deu origem ao seu nome popular.

O mico-leão é conhecido popularmente por saguí, sagui-piranga, saguí vermelho, mico e outras denominações regionais.

Animal monógamo, uma vez formado o casal, mantém-se fiel. Entre os micos-leões, pequenos primatas americanos, o recém-nascido não passa mais que quatro dias pendurado ao ventre materno, depois disso, é o pai que o carrega, cuida dele, limpa-o e o penteia.

A mãe só se aproxima na hora da mamada. Ela estende os braços e o pai lhe entrega o filhote, que mama durante uns quinze minutos. Mas, mesmo nessa hora, o pequeno não gosta que o pai se distancie.

Atualmente, resta apenas um único local de preservação deste animal, (restam cerca de 1000 no mundo, metade dos quais em cativeiro) a Reserva Biológica de Poço das Antas, que representa cerca de 2% do habitat original da espécie.

Mico-Leão-Dourado

Fonte: www.outorga.com.br

Mico-Leão-Dourado

Mico-Leão-Dourado

Espécie que simboliza a conservação do meio ambiente no Brasil, esse pequeno, agitado e simpático primata foi praticamente extinto, chamando, por esta razão, a atenção de organizações e entidades nacionais e internacionais.

O mico leão dourado, também conhecido por sagüi, habita florestas onde existem cipós e bromélias. Atualmente, pode ser encontrado em faixas remanescentes da Mata Atlântica.

Espécie animal de pequeno porte, não ultrapassa centímetros de altura e, quando adulto, seu peso varia em torno de 360 a 710 gramas. Possui pelagem cor de fogo e sua juba dourada adquire brilho intenso quando está ao sol. Costumam andar m bandos de 2 a 9 sendo que cada grupo estipula uma área da mata para se alimentar e dormir. Estão sempre pulando de galho em galho à procura de alimento ou com a intenção de proteger seu território, que chega a alcançar 40 hectares.

Gostam de dormir nos troncos ocos das árvores e acordam com as primeiras luzes do dia, caracterizando-se como animais de hábitos diurnos. Alimentam-se de frutas, néctar, insetos, ovos de pequenos pássaros e lagartos. Chegam a viver, em média, 15 anos.

Atualmente, é tão pequeno o número desses animais vivendo soltos nas florestas que se tornaram uma das espécies de animais mais raros do mundo.

Fonte: www.labin.unilasalle.edu.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal