Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Bulldog Inglês  Voltar

Bulldog Inglês



Origens da Raça Bulldog Inglês

Graças a seleção em certas regiões do Oriente se obteve uma variedade cão de tamanho gigante detentor de uma potente cabeça e um focinho mais curto com relação a cabeça que nos cães mais antigos de lobo, os spitz.

Os primeiros exemplares de Molossos eram cães de tamanho gigantesco,ossos grandes muito fortes.

Dotados de um força incomparável e um valor ilimitado.

Surgiram em diversos países do Oriente. Em meados do Século VI a.C. foram introduzidos no continente Europeu, inclusive as Ilhas Britânicas pelos hábeis e instruídos navegantes mercadores Fenícios que havíam estabelecido uma florescente rede de rotas comerciais.

Estes Mastins que eram muito procurados por sua guerreira ferocidade e por seu insuperável valor, foram mesclados com os cães locais e os Britânicos desenvolveram uma espécie de molossóide chamado de "PUGNACES BRITANNI" de extrema ferocidade que foram utilizados pelos habitantes da Ilha para lutar contra os invasores Romanos .

Apesar de estarmos muito longe do atual Bulldog Inglês conhecendo os feitos extraordinários que estes molossos lutadores concretizaram poderemos entender com foi sendo forjado a têmpera e a história do cão que acabou por se tornar o símbolo e orgulho de uma nação.

Histórico da Raça

Bondogge ou Bolddogge, mais tarde Banddogge, várias palavras foram usadas para nomear esta raça antes de chegar ao nome Bulldog.

"The time when screech owls cry and Banddogges howl and spírits walk and ghosts break up their graves." foi mencionado por Willian Shakespeare (1564-1616) no ato 1, cena VI da peça teatral Henrique VI.

Mas muito antes de Shakespeare, no reinado de Henrique II, meados do ano 1133, havia o costume de organizar lutas de cães contra touros, e na época de João Sem Terra a primeira notícia certa é registrada no Survey of Stamford que narra como sob o reinado de João Sem Terra, no ano de 1209, o Senhor da cidade, Lord Stamford passeando pelas muralhas de seu castelo viu a dois touros lutando pela posse de uma fêmea. Os cães de um açougueiro do local precipitam-se sobre um dos touros, seguiram-no pelas ruas do povoado e o abateram após uma luta feroz.

Lord Stamford gostou tanto do espetáculo que fez a doação do campo aonde havia se iniciado a luta para o Grêmio (Sindicato) dos Açougueiros, desde que, como condição, a cada ano no dia antes das seis semanas que precedem o Natal, o Sindicato fizesse realizar alí um combate similar ao que observara. Denominado por BULL-BAITING, esses combates entre os cães dos açougueiros e os touros furiosos se tornaram muito famosos e populares na Inglaterra.No auge da popularidade este esporte, no qual se apostavam vultosas somas de dinheiro, teve árduos defensores, tanto da nobreza como entre os deserdados. Espalharam-se arenas destinadas para este espetáculo, cujos os vestígios existem até hoje na Inglaterra.

Bulldog Inglês

Anos de seleção para ferocidade e coragem tornaram o bulldog um animal obsessivo por luta e sangue. O touro era amarrado pelos chifres por uma corda de 23 metros de extensão a uma estaca no centro de uma arena em forma de círculo e defendia-se com os chifres tentando cornear o abdome do cão, que desenvolveu a tática de rastejar para proteger-se dessas investidas. Muitos Bulldogs atingidos eram lançados para o alto e, os Bullots (os donos dos cães) amorteciam a queda com seus aventais de couros (típicos dos açougueiros) ou utilizavam estacas de bambu para fazer o cão rolar em segurança até o chão, pois mesmo feridos e em alguns casos com as vísceras expostas, estes cães retornavam para a luta, afinal havia apostas em jogo.

Os Bulldogs foram os cães mais adequados para a luta pois, além de tenacidade e uma extrema ferocidade, eram possuidores de uma incrível resistência à dor, além disso o ataque era dirigido para o focinho do Touro, ao qual mantinha preso até que a besta, ensangüentada e exaurida pelas vãs tentativas de livrar-se do cão, caía subjugada.

Observa-se, em gravuras antigas, que algumas outras variedades de cães, mais focinhudos como os Spitz, foram testados neste esporte, estes demonstraram uma performance muito inferior ao Bulldog quanto ao desempenho, porque enquanto o Bulldog atacava o focinho, outros cães atacavam o touro pelas orelhas, quando o touro girava a cabeça fazendo movimentos rotativos, arremetia estes animais de encontro aos chifres causando danos irreversíveis (eram leves e não tinham aparência de braquicéfalos molossóide).

Os Bulldogs, naquela época, apresentavam um focinho mediano, mas nunca um focinho comprido, e já apresentavam a cabeça globulosa em virtude da descendência dos Mastins Asiáticos. Comparado com outras raças, os Bulldogs apresentavam tipicidade distinta e especial, possuindo algumas características muito particulares. Sua técnica de ataque e destemor nas lutas, fizeram com que ele ganhasse domínio e fama neste cenário, tornou-se a raça absoluta e exclusiva para a prática deste esporte, que conquistou ilustres personagens da Nobreza Inglesa Os Reis: Jaime I, Ricardo III e Carlos I. A Rainha Isabel I que era apaixonada pelo Bull Baiting, proporcionava este espetáculo como parte dos entretenimentos das recepções oferecidas aos Embaixadores e Monarcas dos Reinos vizinhos. Em 1795 na cidade de Liverpool realizaram um espetáculo de Bull Baiting num dique seco e quando acabou a luta abriram as compotas de água fazendo submergir todos: vencedores e vencidos. Com o passar dos séculos, buscou-se potencializar cada vez mais o físico e o temperamento destes cães, de formas a melhorar o desempenho nas lutas, isto acarretou uma progressiva mutação física, que resultou por fixar geneticamente anomalias que tornaram o cão mais adequado para o Bull Baiting. Patas tornaram-se curtas para rastejar melhor e assim poder esquivar-se com mais eficiência dos chifres, um recuo acentuado do focinho proporcionou um aumento do prognatismo, o que resultou numa mandíbula poderosa, um mecanismo para morder cuja a força e poder o próprio cão desconhecia.

As dobras das rugas, ao redor das narinas, facilitavam o escorrimento do sangue do touro, de modo a não impedir a respiração por obstrução. O cão podia manter-se preso ao touro por muito tempo e permanecer respirando sem dificuldades. Os mais resistentes à dor, os mais destemidos e ferozes, eram separados seletivamente para a reprodução. Gerações e gerações foram acentuando o perfil de um cão que ganhou, nos quatro cantos do mundo, a fama de ferocidade inigualável. Esta seleção permitiu obter, através dos séculos , um cão com características físicas e psíquicas excepcionais. Se obteve um cão de força extraordinária em relação ao seu tamanho. No Bull Baiting que se viu durante os séculos, um cão por vez enfrentava ao Touro e a aposta girava em torno do tempo que o cão levaria para abater o adversário. Mas, isto foi sendo modificado com o passar do tempo. Se em séculos mais remotos o cão deveria enfrentar e abater o adversário no menor tempo possível , depois, o número de Bulldogs na luta foi sendo aumentado e as apostas, que sempre acompanhavam os Bull Baiting, se faziam agora sobre qual seria o primeiro Bulldog a que lograria o êxito de morder a cabeça do touro e manter-se firmemente preso à ela.

Com a evolução do pensamento e refinamento da civilização, tornaram-se os Ingleses conscientes da carnificina injustificável que este esporte representava, o que não era mais admissível nestes novos tempos, passando a configurar como uma exposição de barbárie. Após muita polêmica e debates, a oposição se fez tão forte que, em 1835 se chegou a promulgação de uma lei na qual todos os combates entre animais foram proibidos.

A raça ficou nas mãos de bandidos, dos indivíduos marginais e mal intencionados, que promoviam e mantinham as rinhas na clandestinidade. Paralelamente os autênticos amantes e entusiastas começaram a selecionar a raça para resgatá-la deste triste quadro.

Bulldog Inglês

A raça não era remunerativamente interessante, o amor por ela e por este patrimônio genético que estava para se perder, sob o risco de extinção, motivou esta reação. As subsequentes décadas foram utilizadas, agora para promover o caminho inverso na seleção do temperamento, um ser extremamente perigoso preparado para lutas deveria despir as vestes da ferocidade e ficar livre da má fama da malignidade. Os verdadeiros amantes da raça iniciaram um paciente trabalho de triagem para a seleção dos cães, que apresentassem um temperamento equilibrado, dócil e seguro. E através da seleção destes espécimens, realizou-se o aprimoramento do temperamento, que utilizava a herança genética como meio de transmitir e fixar aos descendentes o bom temperamento. Tornando-se a raça segura e adequada ao convívio civilizado.

Neste empenho, foram impedidos para a reprodução, todos os cães agressivos, neuróticos ou inconstantes. Estes foram sistematicamente rejeitados em favor dos exemplares seguramente de boa índole.

O temperamento do Bulldog foi sendo gradativamente re-moldado, até o surgimento do atual indivíduo, propício para conviver na sociedade sem oferecer a mínima possibilidade de riscos. Foram muitos anos de dedicação calcados sobre um trabalho admirável e idealista.

Bulldog Inglês
Philo Kuon

Os Ingleses foram os pioneiros na cinofilia mundial e o Bulldog foi o centro de estudos e atenções nesta época histórica quando, em 1864, para narrar como seria o tipo de excelência no Bulldog, SAMUEL WICKENS redigiu o primeiro Standard de uma raça canina no mundo. Usou um Pseudônimo: PHILO-KUON pois naquela época era considerado 
vergonha escrever algo sobre cães.

Em 1865, um ano após a redação do PHILO-KUON, um grupo de criadores da raça Bulldog Inglês fundou o THE BULLDOG CLUB (o primeiro Club de Bulldogs que antecedeu o atual).

Bulldog Inglês
Bulldog do final so Século XX

O primeiro CLUB DE CINOFILIA DO MUNDO, que existe até hoje, chama-se THE KENNEL, foi fundado em 1873 portanto 8 anos após a fundação do primeiro Club dedicado a uma raça canina, o Bulldog.

O THE BULLDOG CLUB (O primeiro Bulldog Club) encerrou as atividades e, em 1875 foi fundado o THE BULLDOG CLUB INCORPORATED, que está em atividade até a presente data e coordena as atividades sobre a raça na Inglaterra, inclusive gerencía os três importantes campeonatos da raça: CRUFTS, BULLDOG OF THE YEAR e THE BULLDOG INCORPORATED, Shows aonde só adentram à pista Bulldogs que tenham títulos de Campeão.

Fonte: www.bulldogclubdobrasil.com

Bulldog Inglês

Bulldog Inglês

É um cão inteligente, muito doce com a sua família e fanaticamente fiel à ela. O Bulldog gosta de companhia, é afetuoso e brincalhão. Não é agressivo, há menos que seja agredido abertamente.

Muito fortes e resistentes, os Buldogues são excelentes companheiros, calmos e de fácil trato.

Em meados do século XIII eram usados para lutar com touros em rings de luta na Grã Bretanha.

Esses pequenos animais chegavam a lutar até mesmo quando estavam muito feridos, sem desistir da luta. Muito populares, os combates foram proibidos pelo governo somente no fim do século passado.

Tem uma altura baixa, no entanto é um cão largo. Sua pelagem é curta e densa. O peso varia entre 24 kg. à 25 kg. para machos e 22 kg. à 23 kg. para fêmeas.

Fonte: www.guiaderacas.com.br

Bulldog Inglês

histórico do bulldog

Em meados do ano 1133, havia o costume de organizar lutas de cães contra touros. Impressionados com a inteligência, força e destreza dos cães na luta contra os touros, pessoas adquiriram um terreno e começaram a realizar ali um combate entre eles.

Denominado por BULL-BAITING, esses combates entre os cães e os touros furiosos se tornaram muito famosos e populares na Inglaterra. No auge da popularidade deste esporte, no qual se apostavam grandes somas de dinheiro, teve árduos defensores, tanto da nobreza como entre os plebeus. Espalharam-se arenas destinadas para este espetáculo, cujos os vestígios existem até hoje na Inglaterra.

Anos de seleção para ferocidade e coragem tornaram o bulldog um animal obsessivo por luta e sangue. O touro era amarrado pelos chifres por uma corda de 23 metros de extensão a uma estaca no centro de uma arena em forma de círculo e defendia-se com os chifres tentando cornear o abdome do cão, que desenvolveu a tática de rastejar para proteger-se dessas investidas.

Os Bulldogs foram os cães mais adequados para a luta pois, além de tenacidade e uma extrema ferocidade, eram possuidores de uma incrível resistência à dor, além disso o ataque era dirigido para o focinho do Touro, ao qual mantinha preso até que a besta, ensangüentada e exaurida pelas vãs tentativas de livrar-se do cão, caía subjugada.

Sua técnica de ataque e destemor nas lutas, fizeram com que ele ganhasse domínio e fama neste cenário, tornou-se a raça absoluta e exclusiva para a prática deste esporte, que conquistou ilustres personagens da Nobreza Inglesa

Com o passar dos séculos, buscou-se potencializar cada vez mais o físico e o temperamento destes cães, de formas a melhorar o desempenho nas lutas, isto acarretou uma progressiva mutação física, que resultou por fixar geneticamente anomalias que tornaram o cão mais adequado para o Bull Baiting. Patas tornaram-se curtas para rastejar melhor e assim poder esquivar-se com mais eficiência dos chifres, um recuo acentuado do focinho proporcionou um aumento do prognatismo, o que resultou numa mandíbula poderosa, um mecanismo para morder cuja a força e poder o próprio cão desconhecia.

As dobras das rugas, ao redor das narinas, facilitavam o escorrimento do sangue do touro, de modo a não impedir a respiração por obstrução. O cão podia manter-se preso ao touro por muito tempo e permanecer respirando sem dificuldades. Os mais resistentes à dor, os mais destemidos e ferozes, eram separados seletivamente para a reprodução.

Mas, isto foi sendo modificado com o passar do tempo. Se em séculos mais remotos o cão deveria enfrentar e abater o adversário no menor tempo possível , depois, o número de Bulldogs na luta foi sendo aumentado e as apostas, que sempre acompanhavam os Bull Baiting, se faziam agora sobre qual seria o primeiro Bulldog a que lograria o êxito de morder a cabeça do touro e manter-se firmemente preso à ela.

Com a evolução do pensamento e refinamento da civilização, tornaram-se os ingleses conscientes da carnificina injustificável que este esporte representava, o que não era mais admissível nestes novos tempos, passando a configurar como uma exposição de barbárie. Após muita polêmica e debates, a oposição se fez tão forte que, em 1835 se chegou a promulgação de uma lei na qual todos os combates entre animais foram proibidos.

ficha técnica

O padrão da raça Bulldog Inglês foi alterado

A Confederação Brasileira de Conifilia informa que foi homologado junto a Federação de Cinofilia Internacional - FCI em 16 de abril de 2004 alteração no Padrão da Raça Bulldog FCI n° 149. Abaixo em nossa ficha técnica estão incluídas estas alterações:

APARÊNCIA GERAL

É um cão de pelagem lisa, atarracado, baixo, largo, possante e compacto. Cabeça maciça, pesada em relação ao tamanho do cão.

CARACTERÍSTICAS

Transmite uma impressão de determinação, força e atividade.

CABEÇA E CRÂNIO

Crânio grande em circunferência, cujo perímetro (medido na frente das orelhas) deve ser aproximadamente igual à altura do cão na cernelha.

TEMPERAMENTO

Vivaz, destemido, fiel, digno de confiança, corajoso, aspecto feroz mas dotado de natureza afetuosa.

OLHOS

Visto de frente, os olhos são colocados baixos no crânio, bem afastados das orelhas. Os olhos e o stop situam-se sobre uma mesma linha reta perpendicular ao sulco frontal. São bem afastados mas suas comissuras externas permanecem no interior do contorno das bochechas. Tem a forma redonda, de tamanho moderado, nem profundos nem proeminentes; são da cor bem escura - quase preta - e não deixam ver o branco (esclerótica) quando voltados diretamente para a frente.

ORELHAS

Inseridas alto, elas são pequenas e finas, ou seja, o bordo anterior de cada orelha, visto de frente, funde-se com o contorno do crânio em seu ângulo superior. veja mais

BOCA

As mandíbulas são largas e quadradas; com seis incisivos alinhados regularmente entre os caninos. Os caninos são bem afastados. Os dentes são fortes e sólidos; não são visíveis quando a boca está fechada. De frente, a mandíbula inferior deve ser colocada sob a mandíbula superior, a qual é paralela.

PESCOÇO

De comprimento moderado (mais para curto que para longo), muito grosso, possante e forte em sua base. Seu perfil superior é convexo e possui abundante pele solta, grossa e enrugada na região da garganta, formando barbelas de cada lado, da mandíbula inferior ao peito.

ANTERIORES

Os ombros são largos, oblíquos e bem descidos, muito possantes e musculados, dando a impressão de terem sido acrescentados ao corpo. veja mais

CORPO

Peito largo, arredondado lateralmente, saliente e bem descido. Dorso curto e forte, largo nas espáduas e comparativamente mais estreito no lombo. O dorso apresenta um ligeiro declive logo atrás da cernelha (sua parte mais baixa), de onde a coluna vertebral se eleva até o lombo (cujo topo é mais alto que a cernelha) e depois se encurva de novo, mais bruscamente até a cauda, formando um arco (denominado dorso de carpa ou dorso carpeado) que é uma característica significativa da raça. Costelas bem arqueadas e voltadas para trás. O ventre é recolhido e não pendente.

POSTERIORES

Os posteriores são fortes e musculosos, proporcionalmente mais longos que os anteriores a fim de levantar o lombo. Os jarretes são levemente angulados, bem descidos. Os anteriores são longos e musculados do lombo aos jarretes. Em sua parte inferior são curtos, retos e fortes. Os joelhos são redondos e ligeiramente afastados do corpo. Os jarretes, em conseqüência, aproximam-se e os pés desviam-se para fora.

PÉS

Os pés são retos e voltados muito ligeiramente para fora, de tamanho médio e moderadamente redondos. veja mais

CAUDA

Implantada baixo, a cauda é saliente, inicialmente reta, depois se inclina para baixo. Ele é redonda, lisa, desprovida de franja ou de pêlos ásperos. veja mais

MOVIMENTAÇÃO

Andadura particularmente pesada e travada, parecendo que o cão marcha com pequenas passadas sobre a ponta dos pés, os pés posteriores não se elevando e parecendo arrastar no chão. Quando o cão corre, uma das espáduas está sempre bem avançada.

PELAGEM

De textura fina, curta, fechada e lisa. Aparenta ser dura apenas porque é curta e compacta (não é um pelo de arame ).

COR

Pelagem de cor sólida ou sólida com máscara ou focinho preto. Todas as cores são uniformes (que devem ser puras e brilhantes) : vermelho - em suas diferentes tonalidades, fulvo , fulvo claro, etc., rajado, branco, ou combinação de branco com qualquer uma das cores precedentes . As cores fígado, preto e preto com manchas castanhas ( "tan" ) são altamente indesejáveis.

PESO

25 kg (55 libras) para o macho e 22,7 kg (50 libras) para a fêmea.

FALTAS

É exigido aos juízes que sigam este padrão e leve em consideração as seguintes faltas:

- Todo desvio com relação aos pontos precedentes deve ser considerado como falta, que será penalizada em função de sua gravidade. 
- Rugas no focinho muito elevadas ou cobrindo a trufa.

FALTAS ELIMINATÓRIAS

- Cães que apresentem dificuldades respiratórias.
- Anurismo (Cães desprovidos de cauda).

NOTAS

- Os machos devem ter dois testículos aparentemente normais e plenamente descidos na bolsa escrotal.
- Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

o bulldog atual

Deve apresentar uma impressão de determinação, força e atividade. O temperamento deve ser vivaz, destemido, fiel, digno de confiança, corajoso, de aparência feroz mas dotado de natureza afetuosa.

É um cão doce e equilibrado do que a maior parte dos exemplares de guarda e de defesa.

Em resumo, atualmente é um cão fiel, é sereno, gosta de brincar com crianças, dotado de um enorme autocontrole e um bom sentido de humor, que mostra a todos os seres humanos um afeto profundo e muito tolerante.

É um cão que desenvolve hábitos de higiene, preferindo colocar os seus dejetos sempre no mesmo local, o que os torna muito próprios para apartamentos.

Latem pouco mas, quando algo foge à rotina dão o alarme evidenciando seu passado como cão de guarda.Não é o tipo de cão servil, admira os humanos, tem prazer pela companhia do dono e se relaciona com ternura, mas mantém uma independência. Nas brincadeiras são fanfarrões e truculentos e, diria sem medo de errar: "cafajestes".

Se tentar submetê-lo às brincadeiras e jogos que ele não aprecia, ele arranjará um jeito de tornar a brincadeira cansativa para quem a propôs, revertendo o quadro a seu favor.É um excelente companheiro, ideal para todos aqueles que amem a originalidade e a beleza funcional de um cão.

O Bulldog detém um excelente apetite e aprecia o ócio, quando quer dormir ignorará aos chamados de seu dono que, ainda terá que suportar os seus fortes roncos quando dorme, o que faz por muitas horas ao dia.Sem dúvidas o que mais chama a atenção nesta raça é o seu excessivo amor pelas crianças. Junto a elas, até a sua expressão facial muda para dar lugar a um gesto de tranqüilizadora bondade.

"UMA VIDA NUNCA SERÁ PLENA SE NÃO SE TEVE UM BULLDOG"

Fonte: www.redbulldogs.com.br

Bulldog Inglês

História

Recuando no passado, o Bulldog Inglês descende dos antigos Mastins asiáticos que foram introduzidos na Europa pelos Fenícios, por volta do séc. VI.a.C. Estes cães, foram utilizados na guerra e nos desportos de coliseu na época romana.

No entanto, só no séc.XIII é que se regista o aparecimento do Bulldog, altura em que se tornaram populares na Grã-Bretanha os combates entre cães e touros - Bull Baiting. Estes combates foram impulsionados pelo Lord Stamford que, num ocasional passeio em Lincolnshire, viu dois touros disputando a posse de uma fêmea. Os cães de um açougueiro local precipitam-se sobre um dos touros, e abateram-no após uma luta feroz. Divertido com o que testemunhou, decidiu reservar uma área onde estas lutas se tornassem prática comum. A popularidade deste desporto depressa se estendeu pela Grã Bretanha, que foi polvilhada com arenas que ainda hoje existem naquele país.

Neste contexto, o Bulldog foi sendo moldado física e psicologicamente para confrontar o touro, tornando-se num animal feroz e destemido, com uma excelente técnica de combate e elevada resistência à dor.

Mas, com o passar dos séculos, evoluíram as mentalidades e refinaram-se os gostos, o que conduziu a que, em 1835, este "desporto" fosse proibido e a sua prática censurada. Como consequência, a possibilidade de extinção ameaçou esta estirpe de cães, mas o Sr. Bill George, um admirador dos Bulldog Inglês, impediu que tal sucedesse, apostando na sua criação.

Nas décadas posteriores, outros adeptos desta raça empenharam-se na sua criação, dedicando-se a um minucioso trabalho que consistia na selecção dos cães com um temperamento mais dócil e seguro. Desta forma, foram-se fixando os espécimes com a herança genética que os torna adequados ao meio social.

Em 1875 foi fundado o Bulldog Club Incorporated, que ainda hoje coordena as actividades sobre a raça na Inglaterra e em 1891 foi criada a London Bullgod Society.

Temperamento

Apesar do passado desta raça ser pautado com algum grau de violência, há que salientar que o Bulldog hoje é um cão meigo, de temperamento ameno e amigo das crianças, muito diferente daquele que possuíam os seus antepassados.

É considerado um cão muito pacífico, que aprecia a companhia do dono, mantendo no entanto a sua independência. Tem um excelente perfil de cão de guarda e necessita de muita atenção dos donos.

Descrição

O Bulldog Inglês é um animal de estatura pequena, com um peso que varia nos machos, entre os 22.7 a 25 Kg e, nas fêmeas, entre os 18 a 22,7 Kg.

A pelagem, curta e macia, necessita apenas de uma escovagem diária e as suas cores variam entre o branco, o fulvo-claro, vermelho ou castanho escuro e diferentes tipos de malhados.

É dotado de um crânio grande, largo, com uma testa ligeiramente achatada e olhos redondos, de inserção baixa. A possibilidade de contrair infecções nos olhos e na boca, exige algum cuidado e atenção com a higiene destas zonas. A pele da cabeça é fina e macia, formando pequenas rugas, que no pescoço formam duas barbelas. As orelhas, pequenas e finas, são de inserção alta na cabeça.

A região facial é uma característica mais distintivas desta classe de cães: possui um focinho saliente, com um nariz expressivo e umas bochechas arredondadas e salientes. Os maxilares são largos devido aos dentes fortes e grandes. É aconselhável que, após o banho, se seque com cuidado as dobras faciais e o restante corpo. Pode vir a ser necessária a aplicação de cremes nas pregas de pele sujeitas a maior fricção

O tronco é compacto, curto, tal como os membros inferiores e superiores, cuja musculatura é bem desenvolvida e rígida.

Observações

A nível de saúde, existe uma certa vulnerabilidade para desenvolver assaduras e dermatites, bem como problemas de joelhos e nas ancas.

É um animal sensível a temperaturas extremas, com uma esperança média de vida de 8 anos. 
Como possui um aparelho digestivo bastante activo, convém que seja submetido a algum exercício para evitar obesidade.

Convém limpar as pregas de pele no pescoço e no focinho com água e sabão neutro.

Curiosidades

Esta famosa raça não só conquistou algumas das mais ilustres personagens da nobreza inglesa (a Rainha Isabel I e o Rei Jaime I, são alguns exemplos), como também foi retractada por Shakespeare, na peça teatral Henrique VI.

Fonte: animais2.clix.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal