Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home   Voltar

Cambacica



Cambacica

Características

À primeira vista é muito parecido com o bem-te-vi, só que é bem pequeno, cabendo na palma da mão. Mede 11 cm de comprimento e pesa em torno de 10 g. Plumagem da sobrancelha branca, margeada de negro, das costas e cabeça cinzento-escuros, da garganta cinzenta clara e no ventre e uropigio amarelos.

Habitat

Bordas de matas, áreas abertas, zonas urbanas, próximo a residências e pomares.

Ocorrência

Toda a América Tropical

Hábitos

Chama a atenção quando fica pendurado com a cabeça para baixo, tentando alcançar uma flor. O macho constrói seus ninhos esféricos apenas para dormir neles, mesmo fora do período de incubação.

Alimentação

Alimenta-se principalmente de néctar, sendo capaz de perfurar as flores perto de suas bases quando as flores são profundas demais. Disputa o néctar das flores com os beija-flores. Do mesmo modo, frequenta avidamente os bebedouros com água açucarada.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Cambacica

Nome científico

Coereba flaveola Lineu, 1758

Nomes populares

Cambacica, mariquita, chiquita, caga-sebo, sebinho, papa-banana, tem-temcoroado

Ordem

Passeriformes

Família

Fringillidae - Coerebidae

Tamanho

11 cm.

Nos sistemas de classificação anteriores à taxonomia de Sibley-Ahlquist, a cambacica classificava-se numa famíliaprópria, Coeribidae.

Descrição

Único representante do gênero Coereba.

De bico de sovela;destaca-se uma larga risca branca superciliar, gargantacinzenta e barriga amarelo-limão; é a voz corrente que seassemelha a uma miniatura de bem-te-vi; o imaturo quasenão tem sobrancelhas, seu lado inferior é cinzento.

Por causa do contato freqüente com o liquido pegajoso donéctar, estes pássaros tomam banho muitas vezes.

São muito briguentas chegando mesmo a caírem engalfinhadas ao solo, onde continuam a sua luta.AlimentaçãoAlimenta-se predominantemente de néctar e de pequenos insetos (mais de duas terças partes do alimento queconsome são constituídas de néctar).

Tem o costume de se aproveitar também das garrafas de água com açúcardestinado a beija-flores.VocalizaçãoFino “tzri” (chamada), o canto é um sibilado forte de caráter ondulatório apressado:”tzi, tzi-ziá, ziá, ziá-tzi, tzi”;ocanto pode ser, localmente, mas melodioso, lembrando a vocalização de um parulíneo; canta incansavelmente; é umdos cantores mais assíduos, fazendo ouvir seu canto a qualquer hora do dia e em qualquer época do ano; a fêmea de Coereba também canta, mas pouco e por menos tempo; os filhotes recém-saídos do ninho chamam a atenção dospais por meio de um chilro contínuo, “psi”.

Nidificação

O ninho pouco escondido em alturas varias, é esférico e pode ser de dois tipos:

1). Relativamente alto e bem abacado, de paredes espessas e acesso pequeno, superior e dirigido para baixo, cobertopor longo alpendre que se aproxima da base do ninho e veda completamente a entrada; é construído pelo casal eserve para criar

2). Ninho menor, menos alto que largo, de construção frouxa, com entrada larga e baixa; serve apenas para lugar dedescanso e pernoite.

Encontra-se muitos ninhos do último tipo, edificados em duas a quatro horas por um indivíduo, em qualquer épocado ano; é comum não serem habitados.

Os ninhos destinados à criação da prole exigem trabalho de 6 a 8 dias, algunsninhos examinados tinham de 404 a 650 peças.ReproduçãoA incubação cabe a fêmea e leva 12 a 13 dias. O interior da boca dos filhotes são vermelha.

Os coereba regurgitam aração, na qual insetos tem papel importante.

A higiene do ninho é cuidadosa: a mãe ingere os sacos fecais dosfilhotes ou carrega-os para longe. A saída dos filhotes se dá com 17 a 19 dias

Habitat

Habitando tanto florestas naturais quanto ambientes urbanos (parques e jardins), tecendo ninhos em forquilhas oupendurados em pontas de galhos (pendular), enfim vivem em todos os tipos de mata secundária onde há flores

Distribuição

Ocorre do México e das Guianas à Bolívia, Paraguai e Misiones (Argentina), em todas as regiões do Brasil, para osul até o Rio Grande do SulDistribui-se por todo o Brasil.

Bibliografia

Ornitologia brasileira, Helmut Sick, 862 p., Editora Nova Fronteira - 1977 (pág. 725).Aves Brasileiras, Johan Dalgas Frisch, 353 p., Editora Dalgas-Ecoltec Ecologia Técnica e Com. Ltda.(pág. 245).Pantanal Guia de Aves, Paulo de Tarso Zuquim Dantas, 248 p., SESC Pantanal, (pág. 221).ExpedientePesquisa: Agenor Francisco NoronhaFoto: Thaís Regina Monteiro - http://sites.google.com/site/colibriimagenssiteProjeto: Levantamento Ornitológico Serra do Palmital - http://www.fundevap.org.br/Projeto_ornitologico.htmlOrnitologia: Fichas Ornitológicas - http://www.fundevap.org.br/ornitologia.html

Fonte: www.fundevap.org.br

Cambacica

Tamanho

9cm

Idenficação

Passarinho pequeno com as cores básicas do bentevi, mas com bico fino e curvo.

Distribuição

Ocorre em quase todas as regiões do país, podendo estar ausente de regiões extensivamente florestadas, como no oeste e centro da Amazônia. É encontrada desde o México, e em todos os países da América do Sul, com exceção do Chile.

Habitat

Vive em todos os tipos de mata secundária, e em uma grande variedade de ambientes abertos e semi-abertos onde existam flores, inclusive em quintais.

É uma das espécies mais comuns e abundantes do Brasil, deixa-se observar a pouca distância. Vive solitária ou aos pares e é bastante ativa. Toma banho muitas vezes, por causa do contato com o néctar pegajoso. Seu canto é relativamente forte, simples e monótono, e emitido incansavelmente. Canta a qualquer hora do dia e em qualquer época do ano. A fêmea também canta, mas pouco e por menos tempo. Para amedrontar um rival, põe-se de pé, estica o corpo e vibra as asas. Muito briguentas, as cambacicas chegam a cair engalfinhadas no solo, onde continuam a luta.

Faz dois tipos de ninhos esféricos: um é construído pelo casal para reprodução e o outro serve para descanso e pernoite. O primeiro é bem acabado, relativamente alto, de parede grossa e compacta.

É feito de palhas, folhas, capins e teias de aranhas. O acesso para a câmara incubatória é pequeno, superior e dirigido para baixo, coberto às vezes por palha. O segundo tipo é menor, mais achatado e de parede frouxa., com entrada larga e baixa. Põe dois ou três ovos brancos, com pontos pardo-amarelados e uma coroa de manchas azul-acinzentadas.

A incubação é feita exclusivamente pela fêmea. O macho auxilia na alimentação da prole, regurgitando o alimento que, nessa etapa, é constituído em grande parte por insetos.

Fonte: www.giau.ib.unicamp.br

Cambacica

A cambacica é também conhecida por sebinho, sebito, sebite, caga-sebo, amarelinho, tem-tem-coroado e guaratã.

Tem apenas 11cm de comprimento, mas se destaca pelo seu colorido vivo, peito amarelo, dorso escuro, garganta esbranquiçada e sobrancelha branca longitudinal.

Fonte: www.flickr.com

Cambacica

Coereba flaveola

Distribuição

Ocorre em quase todos os Estados Brasileiros.

Postura

3 ovos.

Habitat

Florestas, parques e jardins.

Alimentação

Néctar e artrópodes. Para coletar alimento agarra-se firmemente à coroa das flores e com o bico curvo e pontiagudo perfura o cálice, atingindo assim os nectários. Visita também as garrafas de água açucarada, destinadas a atrair beija-flores.

Incubação

15 dias.

Fêmeas e jovens

A fêmea é parecida com o macho.

Tipo de ninho

Constroem 2 tipos de ninhos: um para criar a prole e outro para descanso e pernoite. O primeiro é esférico, de parede grossa e compacta, feito de palhas, folhas, capins e teias de aranhas; a câmara incubatória localiza-se no centro, com a entrada às vezes protegida por palha. O segundo tipo é menor, mais achatado e de parede frouxa.

Tamanho

11,0 cm.

Fonte: www.criadourokakapo.com

Cambacica

Cambacica

Período Reprodutivo

Julho a novembro

Locais de observação

Cambarazal, Cerradão, Cerrado, Mata ciliar rio Cuiabá, Mata ciliar rio São Lourenço, Mata Seca.

Habitante da copa e borda das matas ciliares, cerradões, cambarazais e matas secas, o sebinho alimenta-se, basicamente, de néctar das flores, complementado com frutos e insetos. Ao contrário dos beija-flores, não fica voando em frente à flor. Pousado em um galho, enfia o bico na corola e suga o néctar. Nas flores com corola comprida, abre a base das mesmas com o bico e vai até a fonte de néctar. Com essa técnica não poliniza a flor, razão principal para a planta produzir o líquido açucarado e atrair polinizadores.

Cambacica

Na busca por alimento, muitas vezes fica de cabeça para baixo em um galho, visando atingir a flor. Geralmente está no meio das folhas e movimenta-se pelo interior da copa. Entretanto, voa bem e atravessa áreas abertas entre matas ou para visitar uma árvore isolada e florida em um campo. Também visita arbustos isolados e próximos à mata.

A principal característica é o bico relativamente longo e curvo, com a listra superciliar branca destacada contra o cinza escuro, quase negro, da cabeça. A garganta cinza clara é outra região logo notada, em especial pelo contraste com o amarelo vivo do restante das partes inferiores. Cauda curta em relação ao corpo. Em condições excepcionais de luz, é possível ver a pele avermelhada da base do bico.

Comum em todos os ambientes florestados da RPPN e do Pantanal, muitas vezes é de difícil observação pelo seu tamanho e hábito de ficar movimentando-se no meio da folhagem. O canto, por outro lado, é marcante e único. Um chiado alegre e longo, com variações no meio e bem chamativo. Canta o ano todo, com maior constância entre julho e novembro, período reprodutivo.

Adapta-se facilmente a ambientes urbanos, sendo comum até em cidades do porte de São Paulo e Rio de Janeiro. Encontrado nas flores dos jardins do hotel em Porto Cercado, onde pode ser visto sendo perseguido por beija-flores, desejosos de afastá-lo da fonte de néctar. Também visita as garrafinhas com água açucarada colocada para beija-flores.

Fonte: www.avespantanal.com.br

Cambacica

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Fringillidae
Género: Coereba
Espécie: C. flaveola

Cambacica (Coereba flaveola) é uma espécie da família Fringillidae, a única do gênero Coereba. Ela mede até 11 cm.Tem o dorso marrom, o peito e o abdome amarelos, o pescoço cinza e a cabeça listrada preta e branca, não apresentando diferenças na plumagem em relação aos machos e fêmeas.

Distribui-se por todo o Brasil, habitando tanto florestas naturais quanto ambientes urbanos (parques e jardins), tecendo ninhos em forquilhas ou pendurados em pontas de galhos (pendular).

Alimenta-se predominantemente de néctar e pequenos insetos. Tem o costume de se aproveitar também das garrafas de água com açúcar destinadas a beija-flores. A criação em cativeiro é extremamente difícil.

Nos sistemas classificativos anteriores à taxonomia de Sibley-Ahlquist, a cambacica classificava-se numa família própria, Coeribidae.

Fonte: forum.g-sat.net

Cambacica

Cambacica

AMEAÇAS

Apesar de ocupar ambientes alterados essa ave precisa do néctar de flores, a principal fonte de alimento de sua dieta. Portanto, o avanço de cidades, o desmatamento para lavoura e pasto entre outras atividades antrópicas podem diminuir a disponibilidade de alimento para essa espécie.

DESCRIÇÃO

Tamanho aproxiamdo de 10,8 cm e pesa cerca de 10g. Tem o bico curvo e extremamente agudo, apresenta larga risca branca superciliar, a garganta é cinzenta e a barriga amarelo-limão. É comum em uma ampla variedade de locais abertos e semi-abertos onde existam flores.

ALIMENTAÇÃO

Alimenta-se sobretudo do nectar de flores (2/3 da dieta).Utiliza o bico curvo para perfurar o cálice das flores (malváceas, por exemplo). Também consome insetos: larvas de mosquitos, formigas, cupins, etc.

REPRODUÇÃO

O ninho é construído pelo casal. Tem formato esférico com paredes espessas e acesso pequeno em cima e dirigido para baixo. Na entrada do ninho há uma cobertura. A incubação dos ovos é feita somente a fêmea incuba os ovos, por um período de 12 a 13 dias. Os filhotes saem do ninho com 17 a 19 dias.

OBSERVAÇÕES

Por se sujar quando perfura o nectário das flores essa ave costuma tomar muitos banhos, geralmente na água acumulada de folhas de bromélias. A cambacica também faz outro tipo de ninho, que utiliza para dormir. Este ninho é de construção frouxa e entrada larga e baixa.

Fonte: espacoecologiconoar.com.br

Cambacica

Ordem Passeriformes

Família

Emberizidae

Subfamília

Coerebinae

Outros nomes populares: sebinho, caga-sebo.

Nome em castelhano: mielero (Argentina)

Nome em inglês: Bananaquit.

A cambacica é uma ave pequenina e muito comum, que costuma visitar bebedouros e flores. Parece uma miniatura de um bentevi, e por isso muita gente acha que é um filhotinho dessa espécie. Nos bebedouros, chama a atenção por pendurar-se de cabeça para baixo enquanto se alimenta. Em geral é vista sozinha, mas onde há abundância de flores vários indivíduos podem aparecer ao mesmo tempo. Quase nunca desce até o solo, preferindo ficar na copa de árvores e de arbustos, que percorre ativamente em busca de alimento.

Alimentação

Néctar de flores, pequenos insetos que captura nas flores ou na folhagem, às vezes frutos. Em São Paulo visita com muita freqüência as flores de malvavisco (Malvaviscus arboreus), hibisco (Hibiscus rosasinensis) e eucalipto. Para se alimentar em flores grandes, como o malvavisco, faz um furinho na base, através do qual "rouba" o néctar; outras aves aproveitam depois esse furo para também se alimentarem.

Reprodução

Constrói um ninho fechado, com o formato de um globo e com uma entrada lateral. Usa capim seco como material de construção. Põe 2 ou três ovos.

Ambientes onde vive

Capoeiras, capoeirões, matas ciliares, bordas de matas, eucaliptais e sedes de fazendas, onde freqüenta pomares e jardins. Também vive em cidades, das menores à mais populosas, onde é encontrado onde quer que existam árvores e flores.

Distribuição

Do México, América Central e Caribe para sul, passando por Colômbia, Equador, norte e leste do Peru, Venezuela, Guianas e praticamente todo o Brasil (exceto o oeste amazônico) até norte e leste da Bolívia, leste do Paraguai, extremo leste da Argentina e leste do Rio Grande do Sul.

Algumas cidades paulistas onde ocorre: Bauru, Botucatu, Cananéia, Cubatão, Diadema, Dois Córregos, Guarujá, Ilhabela, Jaú, Lençóis Paulista, Santos, São José do Rio Preto, São Paulo.

Citação bibliográfica

Argel, M., 2002. Cambacica (Coereba flaveola).

Fonte: www.marthaargel.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal