Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home   Voltar

Carcará



Polyborus plancus

Características

É um falcão de pernas e pescoço compridos. De cor parda, ele apresenta manchas brancas na garganta, peito e cauda, e possui uma crista negra no alto da cabeça. Mede de 50 a 60 cm de comprimento, possuindo manchas mais claras nas pontas das asas. Cara vermelha

Habitat

Regiões abertas, próximas de residências, estradas e áreas cultivadas, principalmente em terrenos arados recentemente.

Ocorrência

Desde o extremo sul dos Estados Unidos, México até a América do Sul.

Hábitos

Ele tem pernas fortes e passa a maior parte do tempo no solo. Freqüentemente é visto pousando no meio das estradas e nas cercas.

Alimentação

A invenção do automóvel trouxe grande benefício para o carcará. Este grande pássaro consegue bom suprimento de alimento dos restos de animais atropelados nas rodovias. O carcará é um limpa-estradas.

Come tudo o que acha, desde as carcaças de cadáveres comidos pelos corvos, até insetos e lesmas. Seu sistema digestivo é poderoso e o que não consegue digerir é regurgitado sob a forma de pelotas.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Carcará

Nome Popular: Carcará Comum, Carancho, Gavião da Queimada
Nome Científico: Polyborus plancus
Classe: Aves
Ordem: Accipitroformes
Família: Falconidae

Características

Vivem em pequenos grupos, sozinhos ou em pares. Habitam regiões de florestas, montanhas, campinas, cerrados,áreas litorâneas, caatinga e pantanal.Também freqüentam áreas rurais e urbanas, tendo dessa forma muito contato com homem, do qual tira grande proveito por seus hábitos de carniceiro, consumindo grande parte do lixo dispensado pelos humanos. Onívoro, alimenta-se de quase tudo: desde lixo, carniça, pequenos mamíferos, insetos, cobras, anfíbios a sementes como feijão, amendoim e frutos do dendê.Também saqueia ninhos de outras aves e também ataca filhotes de carneiros e cabras. Vivem em média 15 anos, atingindo a maturidade sexual aos três. A fêmea coloca de quatro a cinco ovos por ninhada, e tem o auxílio do macho durante o choco, e no cuidado para com os recém-nascidos.Tanto o macho como a fêmea podem ser muito agressivos a intrusos no ninho.

Distribuição Geográfica

Parte sul da América do Norte e toda América do Sul.

Estado de Conservação

Não é uma espécie ameaçada, uma vez que ocupa uma grande área de distribuição geográfica, mesmo assim algumas populações em determinadas regiões sofrem declínios, uma vez que muitas vezes essas aves além de terem seus habitats destruídos também são perseguidos e mortos por humanos.

Comentários Gerais

Considerado por certos índios como ave de mau agouro, como também forma viva de poder e persistência, a ponto de serem perseguidos em função de suas penas no alto Xingu. No folclore brasileiro é símbolo de tristeza, atrevimento e maldade. Lendas são feitas a seu respeito por sertanejos cearenses, contando que levam galhos em brasas, a fim de promover as queimadas nas lavouras. Mas também é uma imagem de resistência, perseverança e também crueldade, em função de se manter firme durante os períodos de seca, alimentando-se das carcaças e da desgraça do nordestino. Como forma de imortalizar essa visão do sertanejo para com essa ave oportunista, João Vale compôs “Carcará” que foi interpretada por grandes cantores de nossa música.

Fonte: www.zoonit.org.br

Carcará

Nome científico: Polyborus plancus
Quanto mede: 56 cm, envergadura 1,20 m
Onde vive: habita qualquer região aberta
Filhotes: de 2 a 4 ovos

Espécie grande, bem conhecida; alvinegra, de face nua, amarela ou vermelha; um penacho na nuca dá à cabeça forma característica; pernas altas e fortes. Os indivíduos jovens são pardos, de peito estriado. Distinguem-se logo como um carcará pela forma marcante da cabeça. Encontra-se freqüentemente nas estradas e queimadas, também à beira-mar, às vezes em grupo. Ocorre da Flórida à Terra do Fogo e em todo o Brasil.

Ocorre também em cidades grandes. É um rapineiro imponente e elegante, de fisionomia severa, realçada por um penacho de penas negras. Anda pelo chão como uma galinha, pula, suja-se no pegajoso capim-gordura. Come insetos, aranhas, minhocas e outros invertebrados.

Aprecia todo tipo de pequenos animais, como lagartixas, anfíbios, caracóis, cobras, aves domésticas. Não despreza nem animais mortos em início de decomposição e ainda come frutas e grãos que cata do chão. Seu sistema digestivo é poderoso e o que não consegue digerir é regurgitado sob a forma de pelotas.

Fonte: www.curiosidadeanimal.com

Carcará

O GAVIÃO CARCARÁ é a ave brasileira conhecida por seu destemor, agudeza de visão, longo raio de ação e controle do território onde habita. É altiva e forte, assim como a Abin.

Por isso, foi escolhida para simbolizar a Agência Brasileira de Inteligência, órgão do Estado brasileiro que tem como características a ampla capacidade de visão, o domínio completo de suas áreas de competência, a lealdade aos princípios constitucionais e a intransigência na defesa da Lei, do Estado Democrático de Direito e dos altos interesses da Nação brasileira.

Fonte: www.abin.gov.br

Carcará

Nome comum: Carcará
Nome em inglês: Caracara, Crested, Audubon's
Outros nomes: bútio mexicano
Nome científico: Polyborus plancus
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae
Comprimento: 50 a 60 cm

Manchas mais claras nas pontas das asas.

A invenção do automóvel trouxe grande benefício para o carcará.

Este grande pássaro consegue bom suprimento de alimento dos restos de animais atropelados nas rodovias. O carcará é um limpa-estradas. Come tudo o que acha, desde as carcaças de cadáveres comidos pelos corvos, até insetos e lesmas. Seu sistema digestivo é poderoso e o que não consegue digerir é regurgitado sob a forma de pelotas. Ele tem pernas fortes e passa a maior parte do tempo no solo.

Freqüentemente é visto pousando no meio das estradas e nas cercas. Essa ave ocorre desde o extremo sul dos Estados Unidos, México até a América do Sul. Embora seja às vezes chamado de "bútio mexicano", o carcará é na realidade um falcão de pernas e pescoço compridos. De cor parda, ele apresenta manchas brancas na garganta, peito e cauda, e possui uma crista negra no alto da cabeça. Há nove espécies de carcará. Aquela que se encontra mais ao norte foi adotada como a ave nacional do México.

Fonte: www.felipex.com.br

Carcará

Carcará

Nome científico: Polyborus plancus
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae

O Gavião Carcará é uma ave altiva, imponente e forte, conhecida por sua excepcional visão e coragem, longo raio de ação e controle do território onde habita.

O comprimento varia de 50 a 60 cm, e sua envergadura chega a 123 cm. A penagem é alvinegra, apresentando manchas mais claras nas pontas das asas, e tem a face nua, amarela ou vermelha. Possui um penacho nucal, que confere à sua cabeça uma forma característica. Suas pernas são grandes e fortes. Quando jovens são pardos, com peito estriado, face violácea ou amarelo-clara e pernas amareladas ou esbranquiçadas. Observando sua cabeça, logo se pode notar ser um carcará pelo formato inconfundível.

Este gavião é conhecido também por caracará na Serra da Canastra. Sua alimentação é composta de insetos, ovos de outras aves, aranhas, minhocas, cobras e outros invertebrados, além de alguns vertebrados, muitas vezes já mortos e até em início de decomposição. Costuma matar suas presas com bicadas na nuca. Come também frutas e grãos que encontra no chão. É dotado de poderoso sistema digestivo e o que não consegue digerir é regurgitado

Seu habitat são os campos, cerrados, matas e caatingas, e também a orla marítima. Com a redução do habitat, tem sido visto cada vez mais também nas grandes cidades. Ocorre da Flórida (EUA) à Terra do Fogo (Argentina/Chile) bem como no Brasil. Está ameaçado de extinção, pela destruição de seu habitat natural e pela caça indiscriminada

Costuma fazer o ninho entre ramos de árvores muito altas, como os eucaliptos, com estrutura rasa de gravetos e pedaços de madeira. A cor de sua face muda de vermelho para amarelo quando se excita sexualmente. Põe 2 ou 3 ovos, às vezes (raramente) 4, de colorido que varia entre branco, vermelho-esbranquiçado, camurça ou vináceo, com manchas vermelho-pardas. Os ovos medem 56-61 x 44-47 mm e são chocados pelo casal durante 28 dias. Normalmente os pais criam um único filhote por ninhada.

Carcará

(João do Vale e José Cândido)

Carcará
Pega, mata e come
Carcará
Num vai morrer de fome
Carcará
Mais coragem do que homem
Carcará
Pega, mata e come
Carcará
Lá no sertão
É um bicho que avoa que nem avião
É um pássaro malvado
Tem o bico volteado que nem gavião
Carcará
Quando vê roça queimada
Sai voando, cantando,
Carcará
Vai fazer sua caçada
Carcará come inté cobra queimada
Mas quando chega o tempo da invernada
No sertão não tem mais roça queimada
Carcará mesmo assim num passa fome
Os burrego que nasce na baixada

Estribilho
Carcará é malvado, é valentão
É a águia de lá do meu sertão
Os burrego novinho num pode andá
Ele puxa no bico inté matá
Carcará
Pega, mata e come!

Fonte: www.fazendapassaredo.com

Carcará

Carcará

Gavião Carcará (Polyborus plancus)

Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae

Este gavião é conhecido também por carancho. O jovem, além de apresentar um colorido mais pálido, mostra a pele nua da face arroxeada, enquanto que o adulto a tem vermelha, alterando-a para amarela quando excitado.

Alimentação: insetos, vermes e também um grande elenco de vertebrados, preferencialmente mortos e em início de decomposição. Quando caça vertebrados, mata-os com sucessivas bicadas na nuca.

Hábitat: campos, cerrados, caatingas, beira de rodovias e cidades.

Comprimento: 50 a 60 cm Manchas mais claras nas pontas das asas. Cara vermelha.

Nidificação

O ninho, localizado entre ramos de árvores altas como eucaliptos (Eucaliptus spp), é uma ampla estrutura de pedaços de madeira aparentemente desordenados, e raramente forrada com material mais delicado; nele são postos 2 ou 3 ovos, raramente 4, de colorido um tanto variável; branco, vermelho-esbranquiçado, camurça ou vináceo, sempre com numerosas e nítidas manchas vermelho-pardas. Os ovos, que medem 56-61 x 44-47 mm, são incubados pelo casal durante cerca de 28 dias. Geralmente os pais criam um único filhote por ninhada.

Fonte: br.geocities.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal