Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home   Voltar

Coruja



Um rapinante curioso e manso

De temperamento tímido, quietas e discretas, as corujas ficam mansas no cativeiro, principalmente se criadas desde filhotes. Pousam na mão do dono e aceitam alimentos dados por ele.

As corujas, mochos e caborés estão colocados na ordem dos Strigiformes, rapinantes noturnos que chamam a atenção por causa da cabeça grande, aparentemente maior por causa da plumagem, grandes olhos fixos, posicionados para diante, à maneira do ser humano (ao contrário dos outros pássaros que têm os olhos dos lados da cabeça), ouvidos desenvolvidos que são mais aguçados que os das outras aves e plumagem macia, de penas fofas e soltas.

A cor da plumagem vai desde o branco amarelado até o preto, passando pelo cinza e pelo marrom. Estas cores têm a sua utilidade: ajudam no mimetismo, quando, de dia, a coruja se confunde com os troncos das árvores e dorme sossegada, invisível para os outros pássaros que a atacariam imediatamente se a vissem, pois a coruja ataca também a eles e aos seus filhotes.

As Strigiformes estão divididas em duas famílias e 126 espécies. Destas, 18 existem no Brasil. Estão espalhadas pelo mundo todo: há a coruja das neves, branca, que vive no Pólo Norte, e a coruja das Filipinas, que é pescadora. Entre nós, são mais populares a suindara ou coruja igrejeira, que gosta de nidificar nas torres de igreja ou em casas abandonadas; o caboré do campo ou coruja buraqueira, que aproveita os buracos de cupim para morar e nidificar; a coruja do mato, orelhuda, e o caboré.

No norte, a coruja é considerada, mais do que no sul, uma ave de mau agouro. Mas muita gente pensa diferentemente. Fernando Capocchi Novaes, um advogado de Santos, SP, diz, por exemplo: "Se são chamadas de agourentas, é porque eram consideradas os pássaros das bruxas. Mas os gregos consideravam a coruja como a ave da sabedoria. Isso de azar é pura crendice popular". Fernando tem uma suindara há 7 anos, um casal de caborés há 4 anos e um mochinho há 3 meses.

A divisão diurna da coruja é igual a dos outros pássaros: ao contrário do que se pensa, ela não é cega durante o dia. Ela tem um campo de visão maior que o das outras aves. Sua pupila se dilata para aproveitar ao máximo a luz, pois ela não enxerga melhor à noite.

Depois do entardecer a coruja sai à caça. Tudo o que se move e faz barulho chama sua atenção. Ataca outros pássaros, gafanhotos, grilos, ratos, camundongos, vive da caça. Na natureza é útil e necessária para o equilíbrio da ecologia: caça animais que são pragas nas plantações. Se colocada num silo de trigo, uma coruja sozinha acabará com todos os ratos que se aproximarem.

Seus inimigos mortais são os gaviões, as cobras, os gatos do mato. Mas apesar do seu ar parado, a coruja é muito esperta para escapar deles. E, além de esperta, atenta: ela tem uma particularidade interessante, é capaz de virar a cabeça num ângulo de 180º e de esticar o pescoço para cima. Sua cabeça não se move, mesmo que movamos o seu corpo, quando ela está prestando atenção a alguma coisa.

CORUJA: HÁBITOS E CUIDADOS

Vida média: espécies grandes, de 15 até 20 anos. As pequenas vivem menos, mas é difícil precisar quanto.

Porte: a maior coruja brasileira, o mocho orelhudo, tem 51 cm de altura; a menor, o caboré, tem 17 cm.

Higiene: as corujas não costumam tomar banho, pois se molhadas não podem voar, devido à densidade de suas penas. Mas às vezes gostam de ficar na chuva.

Alimentação: Para aves adultas: pedaços de carne, insetos, como o gafanhoto, larvas de Tenébrio, pássaros e pequenos animais mortos. As corujas não estão acostumadas com animais mortos e podem demorar a se acostumar com esta alimentação. Os filhotes bem novinhos podem ser alimentados com carne moída e um ovo cozido. As corujas tem a particularidade de engolir o alimento todo de uma vez, aproveitar a carne e regurgitar penas e ossos, em forma de rolinhos.

Hábitos: vive à noite, dorme durante o dia, com exceção de algumas espécies que vivem também de dia. Deve ser alimentada à noite.

Acomodações: viveiro grande, um mínimo de 2x3 m individual ou para casal, com uma caixa de madeira com um buraco, onde a coruja possa acomodar-se e nidificar. No chão da caixa, areia e serragem. Poleiro num canto mais sombreado, onde ele possa ficar durante o dia. A coruja não pode conviver com outros pássaros, pois os atacaria, o mesmo acontecendo com corujas de outras espécies: a maior mataria e comeria a menor. Se for um casal, podem ficar juntos. O viveiro também deve ficar longe dos viveiros dos outros pássaros, de modo que estes não vejam nem ouçam a coruja.

Acasalamento e reprodução: na natureza o macho se aproxima da fêmea, com uma presa nas garras. Se ela aceitar o presente, dá-se o acasalamento. A fêmea põe de três a cinco ovos por postura. Tempo de incubação: de 32 a 34 dias. Os filhotes têm uma variação grande para começar a voar, conforme a espécie: de 64 a 86 dias. Em cativeiro a reprodução é difícil.

Observação: a panha e comercialização deste animal é proibida pela lei de proteção à fauna silvestre, Lei nº 5.149. Obtenha maiores informações a esse respeito junto ao IBDF de sua região. Em São Paulo, o telefone é (011) 64-4180.
Saúde: a coruja não transmite doenças.

Matéria baseada em entrevistas com Carlos Keller Filho, com o ornitólogo Rolf Grantsau, da SOB, com o proprietário de corujas Dr. Fernando Capocchi Novaes e no livro "Da Ema ao beija-flor" de Eurico Santos.

Foto: Luiz H. Mendes.
Prop.: Dr. Fernando Capocchi Novaes, SP.

Fonte: www.petbrazil.com.br

Coruja

Ordem: Strigiformes
Família: Tytonidae
Nome popular: Coruja-da-igreja, Suindara
Nome em inglês: Barn owl
Nome científico: Tyto alba

Distribuição geográfica

Todo Brasil, América do Sul até Terra do fogo.

Habitat

Grutas, meio urbano e árvores, áreas cultivadas.

Hábitos alimentares

Pequenos vertebrados (roedores, marsupiais, morcegos, anfíbios, répteis e pequenas aves.

Reprodução

30 a 40 dias de incubação, 3 a 4 ovos brancos, postos no substrato ou sobre uma camada de pelotas de regurgitação desfiada. Os jovens abandonam o ninho com 9 a 12 semanas de vida.

Período de vida

Em cativeiro podem viver aproximadamente 20 anos.

Poucos animais predadores se aproximaram do homem desde que este começou a se organizar em sociedades como fez a coruja-de-igreja ou Suindara (Tyto alba). Até um de seus nomes populares refere-se a uma de suas características: fazer seus ninhos no alto de construções humanas, onde pode ter paz e ficar perto do homem.

Na verdade, a suindara não quer estar perto do homem, a quem respeita e prefere fugir quando se aproxima, mas sim de outro animal que gosta do convívio com ele: o rato. Com o advento da agricultura e da estocagem de alimentos, o ser humano atraiu este animal para perto de si, e suas construções, esgotos e poluição permitiram a ele manter-se como sinantrópico (animal sinantrópico é aquele que se aproveita da convivência com o homem mas de forma indesejada).

Ainda bem que a suindara se alimenta de destes transmissores de doenças e destruidores de alimentos. E é bem equipada para isso. As corujas são um grupo de aves caçadoras que adaptou-se para a caça de presas noturnas, e assim possuem caracteres únicos.
Por exemplo, os grandes olhos das corujas são capazes de captar quantidades minúsculas de luz, enxergando até quando nós já deixamos de ver alguma coisa faz tempo. E enxergam tão bem de dia como de noite, muito longe. Porém, isso tem um preço. Ela não consegue mover os olhos. Assim, desenvolveu enorme flexibilidade no pescoço, girando até 270º e praticamente conseguindo ver o que está acontecendo atrás de si sem mover o corpo.

E ainda mais: as corujas possuem um disco facial de penas no rosto, que na suindara é em forma de coração, agindo como uma “antena parabólica” captando sons e direcionando-os para seus ouvidos, que são postos em alturas diferentes de cada lado da cabeça. Assim, mesmo que não consiga enxergar absolutamente nada, uma coruja consegue ouvir exatamente o lugar onde sua presa está escondida. Então pousa sobre ela com suas grandes garras, que se abrem de modo a atingir a maior área possível, para agarrá-la.

Para não ser ouvida enquanto ataca, as corujas tem asas com forma e penas especiais, que emitem o mínimo possível de som quando ela voa.

A suindara habita todo o mundo, exceto regiões muito frias e desérticas, e talvez seja a ave não-marinha de maior distribuição natural no planeta. E em muitos lugares, infelizmente, ainda é alvo de preconceito. Há quem atire pedras e expulse-as quando as vê. Mas quem age assim é, talvez, por que prefira um rato a passear por sua casa ao invés de apreciar esta ave elegante e bela protegendo-a.

Fonte: www.zoologico.sp.gov.br

Coruja

Símbolo da sabedoria

Coruja

A Coruja é uma ave tímida e discreta com hábitos crepusculares e nocturnos. Possui ouvidos desenvolvidos, bastante aguçados e olhos grandes e fixos. A sua visão, ao contrário do que se pensa, é melhor do que o das outras aves. Sem orelhas visíveis elas conseguem ouvir a dezenas de metros de distância.

Tradicionalmente considerada um símbolo da sabedoria, a coruja pode ser observada ao fim da tarde percorrendo os campos em busca de pequenos roedores, que são a sua principal presa. É uma ave solitária, que mede cerca de 35 cm.

Quando percebe o perigo é capaz de girar a cabeça a 180º e esticar o pescoço para cima. É uma ave bastante concentrada.


Alimenta-se de pequenos mamíferos (principalmente de roedores), insectos e aranhas. Engolem as suas refeições por inteiro, para depois vomitarem pelotas com pêlos e fragmentos de ossos.

Fonte: asaves.blogspot.com

Coruja

Coruja
A coruja é uma ave de rapina que vive sozinha e ataca suas presas durante a noite.

Designação genérica das aves noturnas de rapina, de cabeça e olhos grandes, de bico curto e curvo. Vive geralmente sozinha e caça à noite o seu alimento. Embora seja uma ave de rapina (ave que mata e come outros animais), é parente mais próximo dos curiangos que dos gaviões.

Os cientistas classificaram cerca de 525 espécies diferentes de corujas. Elas vivem espalhadas pelas regiões temperadas, tropicais e subárticas.

A menor de todas as corujas é a coruja-anã do sudoeste dos EUA e do oeste do México. Dificilmente alcança 15 cm de comprimento. Entretanto, maior é a grande coruja cinzenta, que vive nas florestas fechadas do Canadá e do Alasca. Tem 75 cm de comprimento e uma abertura de asas de 137 a 152 cm.

Aparência Geral. Pode-se reconhecer logo uma coruja por sua cabeça grande e larga, com uma moldura de penas em torno dos olhos. Estes são grandes e ficam na frente, diferentemente da maioria das aves, cujos olhos ficam cada um de um lado da cabeça. Por essa razão a coruja pode olhar um objeto com os dois olhos ao mesmo tempo, mas não consegue mover os olhos em suas órbitas. É obrigada, por isso, a virar a cabeça para ver um objeto em movimento.

As corujas têm um corpo curto e atarracado, bicos fortes e curvos, e poderosos pés com garras afiadas. As penas, macias e volumosas, fazem essas aves parecerem maiores do são. A plumagem é também pardacenta ou colorida, de modo a fazer a ave se confundir com o ambiente. Suas penas espessas abafam o zumbido que a maioria das aves produz quando voa. Por isso, uma coruja pode lançar-se sobre a sua presa sem ser vista nem ouvida. Todas as corujas podem ver durante o dia, mas, em geral, não tão bem quanto à noite.

As corujas comem principalmente mamíferos. As maiores caçam coelhos e esquilos e as menores pegam ratos, camundongos e outros pequenos roedores. Quando a presa é bem pequena, a engolem inteira e depois vomitam os pedaços de ossos, pele, escamas e penas que não conseguem digerir.

Seus ninhos são geralmente estruturas toscas feitas nos buracos de árvores, cavernas, tocas subterrâneas, celeiros, casas abandonadas, campanários e em ninhos velhos de gaviões ou de corvos. Os ovos são brancos, manchados de amarelo ou azul e de formato quase redondo. São geralmente três ou quatro. Tanto o macho quanto a fêmea cuidam dos filhotes.

Coruja
Características da coruja - Olhos grandes na frente obrigam o giro da cabeça para ver objetos.

Principais Espécies

Existem aproximadamente 20 espécies de corujas no Brasil. Entre elas, a caburé, a buraqueira, a orelhuda, a suindara, a católica e o corujão. A suindara, que se encontra em todo o Brasil, exceto na Amazônia, é branca com pintinhas escuras. A parte inferior é parda e a cauda tem listras escuras. Costuma esconder-se durante o dia nos ocos das árvores ou em prédios velhos, onde se alimenta de ratos e morcegos. O povo considera a sua voz como mau agouro.

A coruja-do-campo ou coruja-buraqueira é uma das mais comuns, encontrando-se no Paraguai e em quase todo o Brasil. É pardo-acinzentada com manchas vermelhas transversais. Tem manchas brancas nas asas e na cauda, e a garganta é branca. Habita os campos, onde é vista pousada nas casas de cupim e onde faz seu ninho, que é um buraco no chão. O caburé é a menor das espécies brasileiras. É pardo e costuma ser visto também à luz do dia na beira das matas. O mocho-preto, do Brasil e das Guianas, é pardo-escuro com manchas pretas na cabeça e listras brancas pelo corpo. O mocho-orelhudo ou jucurutu é grande e tem dois penachos longos, de 5 ou 6 cm de comprimento, na orelha. É amarelado com estrias escuras no dorso.

Fonte: www.klick.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal