Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dálmata  Voltar

Dálmata



Dálmata
Dálmata

Sua simpática vivacidade aliada a suas linhas harmoniosas e, principalmente a sua típica pelagem manchada fazem dele uma raça apreciada em todo o mundo. É, hoje em dia, um cão de companhia, que se destaca por sua inteligência e fidelidade ao dono.

Sua origem, parece ser antiga, apesar de poucos autores concordarem com a mesma teoria .Ilustrações descobertas na Grécia e no Oriente, reproduzem cães iguais ao Dálmata atual em linhas e pelagem. Alguns o consideram de origem dinamarquesa, o que justificaria o nome, adotado em alguns países como Pequeno Dinamarquês. É, de fato, muito difundido, ainda hoje, na Dinamarca.

Houve uma época em que o Dálmata era usado também como cão de caça, pois é dotado de um impressionante olfato. É, também, considerado um excelente cão de guarda, embora seja quieto e só lata quando realmente necessário. É um cão ativo e muito musculoso, de grandes linhas simétricas.

Seus olhos são redondos, brilhantes, de expressão inteligente e moderadamente separados entre si. As orelhas de implantação um pouco alta são de tamanho moderado. A calda não é muito longa, é forte na raíz e vai-se afindo gradativamente até a ponta.

A pelagem é curta, dura, densa, fina, lisa e brilhante. A cor e as manchas representam os elementos mais importantes. A cor básica, em ambas as variedades é sempre o branco puro, sem mescla. A cor das manchas, na variedade com manchas cor de fígado, deve ser o castanho fígado; na variedade com manchas pretas, ao contrário, preto; quanto mais numerosas as manchas melhor. As manchas da cabeça, do focinho, das orelhas, dos membros e da calda devem ser menores que as do corpo.

Os exemplares machos medem de 55 à 60 cm.; na altura da cernelha. As fêmeas medem entre 50 e 55 cm. O peso médio para os machos é de 25 kg, para as fêmeas é de 22,5 kg.

Fonte: www.guiaderacas.com.br

Dálmata

Padrão da raça muda para preservar a aparência elegante e harmoniosa desse simpático cão pintado

Ele atrai olhares de verdadeira admiração por onde passa. A pelagem branca, enfeitada por pintas escuras, é tão característica e apreciada que chega a determinar o destino da raça. Não é à toa que o Dálmata foi escolhido como acompanhante de nobres nos tempos das carruagens. A aparência bela e chamativa, o porte e a elegância natural, a grande resistência para longas caminhadas faziam dele o cão perfeito para essa função. Herança do tempo em que os carros de combate a incêndios eram puxados por cavalos, o Corpo de Bombeiros, em cidades dos Estados Unidos e da Europa, adota o Dálmata como mascote. Foi também o charme exclusivo das pintas que alçou a raça ao estrelato em 1961, com o lançamento de "Os 101 Dálmatas", da Disney. O desenho contava a história de uma milionária excêntrica e inescrupulosa, capaz de tudo para ter um maravilhoso e original casaco de peles de Dálmatas!

Criadores do mundo todo admitem que a popularidade do Dálmata nas últimas três décadas esteve intimamente ligada ao grande sucesso do desenho animado - e do seu relançamento em vídeo. Vários países, entre eles Inglaterra, Itália e Japão, assistiram a uma duplicação do número de registros de nascimentos de Dálmatas nos últimos três anos. Na Inglaterra e na Itália, a raça está há anos entre as 14 mais procuradas; no Japão, ocupa o 26o lugar. Nos Estados Unidos, o Dálmata permanece entre as onze mais desde 1993. No ano passado, somente os EUA registraram mais de 36 mil filhotes. Neste ano, com a estréia da versão cinematográfica estrelada por Dálmatas em carne e osso, há expectativa de um novo impulso no interesse popular pela raça. "Quando as pessoas entram em contato com a raça, ainda que nas telas do cinema, não resistem à sua beleza e elegância", diz a criadora italiana Fiorella Mathis. É mesmo difícil não se deixar seduzir pelo charme das pintas do Dálmata.

Eneida Hanke, proprietária do Canil Pontal da Solidão há 18 anos, em Porto Alegre-RS, confirma essa impressão. Segundo ela, 90% dos compradores que procuram o seu canil o fazem exclusivamente atraídos pela beleza da raça. "Antes do relançamento do vídeo, eu demorava até seis meses para vender uma ninhada, mas agora nem consigo atender todos que me procuram", diz. "Até dezembro do ano passado, antes que o vídeo 'Os 101 Dálmatas' fosse lançado no Brasil, chegava a demorar três meses para vender os filhotes, mas agora recebo reservas antecipadas", diz João Paulo Pellizari, do Colosso Kennel, em Jundiaí- SP. Eneida conta uma história curiosa, que mostra como é grande o ibope da raça junto às crianças.

"No ano passado, uma pessoa de São Paulo me ligou para levantar preço de uma compra de oito filhotes de uma vez", conta. O motivo? "Ela estava organizando uma festa de aniversário para seu filho e ia sortear os filhotes entre os convidados; uma concorrência da qual não quis participar, por motivos éticos."

VISUAL

A importância atribuída à marcação característica da raça é tanta que os criadores empenham-se em garantir a preservação das pintas que ainda hoje distinguem o Dálmata de todos os outros cães. Isso porque eles acham que não basta ter pintas: elas precisam ser perfeitas para destacar a elegância do cão. A preocupação com as pintas chega ao requinte de determinar o tamanho ideal que devem ter, bem como a sua forma, a distribuição e a coloração correta.

O primeiro padrão, escrito em 1886 na Inglaterra, atribuía 40 pontos à marcação do cão, enquanto todos os outros oito aspectos juntos somavam 60. Isso significa que, ao participar de uma exposição de beleza, os cães com pintas bem distribuídas se saem melhor. O padrão atual do American Kennel Club, nos EUA, dá a maior importância à distribuição e ao tamanho das pintas num julgamento. A Federação Cinológica Internacional (FCI) também sempre valorizou a boa marcação. As pintas devem ser o mais redondinhas possíveis, bem definidas, em cor preto ou fígado sobre branco puro, sem mistura de cores e menores nas extremidades (cabeça, patas e cauda). Muitas pintas juntas, formando "cachos de uva", também são indesejáveis. "Elas prejudicam o visual simétrico da marcação das pintas no cão, mas são difíceis de ser totalmente evitadas", esclarece o criador Alberto Salim Saber, do Ebony Spots, em São Paulo, um dos mais antigos do Brasil.

Há quatro anos, a FCI passou a descrever a aparência ideal do Dálmata com mais minúcias em um novo padrão, ainda não adotado no Brasil. Foram introduzidas diversas faltas desqualificantes. Muitas relacionadas a defeitos de marcação. O presidente do Comitê de Padrão da FCI, Juan Morris Pachoud, enfatiza que parte importante das mudanças destinam-se ao melhor controle das famosas pintas. O novo padrão determina, por exemplo, que elas devem ter entre dois e três centímetros e, nas extremidades (cabeça, patas e cauda), devem ser menores. Essa precisão veio substituir a descrição anterior, que dizia que o tamanho das pintas do Dálmata podia variar entre o da moeda de 50 centavos e o da de cinco francos franceses. Grandes manchas, ou patches - sinônimo de mancha, em inglês-, nome que é usado também pelos criadores brasileiros (a França chama de "placas"), agora são motivo de desqualificação. Cães com essa marcação já nascem assim, ao contrário dos pintados, cujas pintas começam a aparecer ao redor dos 15 dias. Alberto explica que as manchas patches podem surgir no dorso, formando uma sela; na cauda, ocupando mais da metade do comprimento, e na orelha, invadindo a cabeça (sem a invasão, não se trata de patch).

Marcação em monóculo (grandes manchas redondas ao redor dos olhos) também conhecida como "marcação pirata" passou a ser considerada uma falta desqualificante. O mesmo vale para um Dálmata que simultaneamente tenha pintas pretas e outras de cor fígado, os tricolores. "Quando isso ocorre, as pintas com a segunda cor sempre aparecem desbotadas, e em regiões específicas como na parte interna dos membros dianteiros, na lateral do focinho, no antepeito e na face interna das orelhas", esclarece Alberto. Também são desqualificados exemplares com pintas amarelas (limão).

O antigo padrão não comentava nada sobre Dálmatas com olhos azuis. Apenas dizia que os olhos deviam ser escuros nos cães pretos, e âmbar nos fígado. Agora eles também fazem parte das faltas desqualificantes. Segundo Pachoud, há evidências de que olhos azuis são indício de um começo de despigmentação. Cães assim tendem a apresentar lábios e nariz rosados e, em alguns casos, até surdez. "Parece haver uma ligação genética entre olhos azuis e surdez", diz Pachoud. "Cerca de 25% dos Dálmatas europeus têm algum tipo de surdez, total ou parcial", estima. Ele explica, ainda, que dificilmente se detecta surdez parcial sem recorrer a exames específicos. Brian Leonard, diretor do The Kennel Club, na Inglaterra, confirma a estatística. O problema é tão sério que no ano passado o clube, em associação com a entidade filantrópica Charitable Trust, investiu boa parte dos US$ 495 mil, destinados a pesquisas genéticas, no estudo das causas de surdez na raça. Sid Rimley, veterinário norte-americano, tem uma estatística mais favorável, mas ainda assim preocupante. Segundo ele, nos EUA, um em cada dez filhotes de Dálmata é surdo.

PESO

O novo padrão incluiu também o peso ideal para a raça (entre 24 e 27 quilos) e reduziu a altura mínima permitida. Segundo esse padrão, o Dálmata hoje deve ter entre 56 e 61cm (machos) e entre 54 e 59cm (fêmeas); o anterior permitia altura entre 58,4 e 61cm para machos e entre 55,9 e 58,4cm para fêmeas. Alguns criadores, como Pellizari, comemoram o fato de poder contar com essa maior flexibilidade. "Ficou mais fácil usar cães norte-americanos, mais baixos, para melhorar a criação", diz. Antes, usar um macho americano significava correr o risco de ter filhotes menores do que o desejável pelo antigo padrão. Isso porque, nos EUA, os Dálmatas medem entre 48,2 e 58,4cm.

A decisão de permitir cães menores foi adotada devido à constatação de que existem excelentes Dálmatas também entre os de menor porte. A determinação de peso no padrão garante a elegância da raça, pois combinado à altura resulta a harmonia das formas. "Foi um passo importante para obter Dálmatas cada vez mais proporcionais, mas pode ainda ser aprimorado no futuro, ampliando as possibilidades de pesos", diz Fiorella. "Outra modificação que poderá ocorrer em breve é em relação à dentição, pois há muitos Dálmatas com perda de dentes e mordedura errada", completa.

Sheila Stevenson, secretária do Clube do Dálmata na Inglaterra, esclarece que o padrão inglês, redigido pelo The Kennel Club, permanece inalterado. Ele era adotado pela FCI e ainda está em vigor no Brasil - a data original dele é de 1988, mas foi traduzido para o português em 1994. Já o novo, tem data original de 1992, permanece sem tradução pelas entidades cinófilas brasileiras e não chegou oficialmente aqui (veja a tradução em Padrão Oficial, que Cães & Cia publica em primeira mão).
"Não sabemos de nenhuma modificação ocorrida no Padrão Oficial da FCI", comenta Aurora Ricciluca, presidente do Dálmata Clube de São Paulo, filiado à FCI.

FILHOTES

Embora as modificações ainda não tenham sido devidamente absorvidas pelos criadores brasileiros, convém observar esses detalhes daqui para a frente, antes de comprar um filhotinho de Dálmata. Ao visitar um canil, observe a marcação dos pais para ter uma idéia de como vai ficar a dos filhotes depois de adultos, já que as pintas demoram para chegar à situação definitiva. "Eles não devem ter grandes manchas (patches), nem ser tricolores, tampouco apresentar marcas em monóculo", avisa Pedro Americo Magnani, do Canil Balacobaco, de Ribeirão Preto-SP. É fácil descobrir um Dálmata patch: ao contrário das outras pintas, que só começam a surgir aos 15 dias, as manchas já nascem com os filhotes. Pedro Américo recomenda, se forem fígado, perguntar ao criador a cor dos antepassados. 
"Os exemplares de cor fígado, se acasalados por várias gerações, podem gerar filhotes com despigmentação", diz.

Verifique a cor das mucosas da boca e do nariz, que não podem ser rosadas nem manchadas. 
"Observe se a pelagem de fundo é branca, não pode ser cinza", lembra. Pelllizari ressalta, ainda, que os filhotes não devem ter ergots (quinto dedo das patas dianteiras).

É preciso amputá-los aos cinco dias, para evitar que machuquem o próprio cão e as pessoas.

Depois de bem escolhido, um bom filhote não requer muitos cuidados especiais. Magnani diz que não se deve usar escovas comuns no pêlo do Dálmata, que é muito curto. "As cerdas podem irritar a pele e o pêlo morto não sai", conta. Prefira um pano úmido (uma vez por dia na época da muda, que ocorre anualmente; e uma vez por semana no resto do ano).
Pellizari recomenda o uso de luvas de borracha. Banhos podem ser dados mensalmente. E as orelhas, limpas a cada quinze dias.

O único problema congênito de saúde relatado pelos entrevistados é a surdez, mais comum em cães brancos. Para ajudar a erradicar o problema, deve-se excluir esses exemplares da reprodução. Segundo os entrevistados, um Dálmata saudável pode proporcionar entre dez e 14 anos de companhia e alegria a seus donos.

SER DÁLMATA É...

Atrair olhares admirados com sua beleza 
Ostentar elegância 
Ser elétrico por natureza 
Precisar de muito movimento 
Distribuir alegria por onde passa 
Estar sempre pronto a corridas e caminhadas 
Ser brincalhão, meigo, sociável e dócil com crianças 
Ter afinidade com cavalos 
Desconfiar de estranhos, e avisar sua presença, com latidos de alerta 
Conviver bem com outros animais 
Ser rústico, limpo e ter uma saúde de ferro 
Adorar passeios de carro 
Apreciar a companhia do dono 
Viver bem dentro de casa

PADRÃO OFICIAL

FCI nº 153 de 23/10/92

Originário: bacia do Mediterrâneo Central

Utilização: cão de companhia, cão de família, bom de adestrar para cão de acompanhante e para cão de salvamento.

Breve histórico: ainda hoje a origem do Dálmata é obscura e hipotética. Os primeiros testemunhos objetivos são as pinturas italianas do século XVI. Imagens sobre as tumbas dos faraós do antigo Egito, que correspondem a pinturas datadas da Idade Média, fazem supor que o Dálmata existe há alguns milênios. Esses indícios permitem concluir que provavelmente o Dálmata provém da região mediterrânea. Na obra de Thomas Berwick, publicada em 1792, encontra-se a descrição e o desenho de um Dálmata. Berwick chama esse cão de "Dálmata ou Cão de Côche". O primeiro padrão do Dálmata foi redigido em 1882 por um inglês de nome Vero Shaw. Esse padrão tornou-se oficial em 1890.

APARÊNCIA GERAL

Cão onde as manchas numulares constituem traço característico. O Dálmata é um cão vigoroso, musculoso e ativo, harmonioso, não é grosseiro nem pesado, podendo fazer prova de muita resistência e de fácil movimentação.

COMPORTAMENTO E CARACTERÍSTICA

Sociável e amigável, nem tímido nem desconfiado, nem medroso nem agressivo.

CABEÇA E CRÂNIO

Cabeça de bom comprimento. Crânio chato, largo entre as orelhas, estas bem desenhadas ao nível das têmperas. Stop bem marcado. Rugas são indesejáveis. Focinho comprido e poderoso, jamais afilado. Os lábios secos, ajustados aos maxilares, não devem ser pendentes (soltos). Na variedade de manchas pretas, a trufa é sempre preta, nos cães de manchas fígado, a trufa é sempre marrom.

MAXILARES E DENTES

Maxilar forte, dentição perfeita, completa e regular, com articulação em tesoura.

OLHOS

De tamanho médio, inseridos moderadamente afastados, redondos, vivos e brilhantes. Têm uma expressão inteligente. Sua cor é escura nos cães de manchas pretas, e de cor marrom-castanho ou âmbar nos de manchas fígado. O contorno dos olhos é completamente preto ou muito escuro nos cães com manchas pretas e marrom nos cães com manchas fígado.

ORELHAS

Inserção alta, largas na base, tamanho médio, colocadas rentes à cabeça, vão diminuindo de largura até a ponta arredondada. De espessura fina, têm numerosas manchas numulares.

PESCOÇO

Comprimento moderado, graciosamente arqueado, elegante, diminuindo em direção à cabeça, sem apresentar barbelas.

TRONCO

O peito é profundo e largo, costelas bem arqueadas e cernelha bem marcada. O dorso é poderoso e reto. O lombo é bem musculoso e o ventre levemente esgaldado.

CAUDA

De comprimento próximo ao nível do jarrete, grossa na raiz, diminuindo gradualmente até a ponta. Jamais grosseira, sua inserção não deve ser nem muito baixa nem muito alta. É portada com uma ligeira curva para cima, mas jamais enrolada. Dá-se preferência às que apresentam manchas numulares.

ANTERIORES

Ombros moderadamente inclinados, modelados, musculosos. Cotovelos ajustados ao tórax. Os membros anteriores são retos e fortes; a ossatura é sólida; as articulações carpianas devem ser elásticas.

POSTERIORES

Músculos fortemente desenvolvidos e nitidamente marcados: joelhos bem angulados; os jarretes o são ligeiramente. Vistos de trás, os posteriores são paralelos.

PÉS

Redondos, fechados. Dedos bem arqueados (pés de gato). As almofadas plantares são redondas, duras e elásticas. Unhas pretas ou brancas nos cães com manchas pretas, marrons ou brancas nos cães com manchas fígado.

MOVIMENTAÇÃO

Fluente, com movimentos uniformes, poderosos, rítmicos, com passadas longas. Vistos por trás, os membros se deslocam em planos paralelos, os membros posteriores na mesma pista que os anteriores. Passadas curtas e jarretes em foice são defeitos.

PELAGEM

Pêlo curto, duro, denso, com aspecto liso e brilhante.

COR

A cor base é o branco puro. Os cães de variedade preto têm manchas numulares preto escuro, aqueles de variedade marrom, as manchas são de cor marrom-fígado. As manchas não devem se misturar. São redondas, bem definidas, bem distribuídas, com um diâmetro de dois a 3cm. As manchas situadas na cabeça, na cauda e nas extremidades devem ser menores.

TALHE

Harmonia geral e proporção são de suma importância. Atual ideal - machos: 56 a 61cm; fêmeas: 54 a 59cm. Peso ideal - machos: 27Kg e fêmeas: 24Kg.

DEFEITOS

Qualquer desvio do padrão é considerado como falta e penalizado conforme sua gravidade.

DESQUALIFICAÇÕES

Manchas plaqueadas. Manchas em forma de monóculo (ao redor dos olhos). elagem tricolor (manchas numulares pretas e fígado em um mesmo cão). Manchas de cor limão (nuance de limão ou bronze). Outros defeitos de pigmentação. Olhos azuis. Heterocromia da íris. Prognatismo superior ou inferior pronunciado. Surdez. Entrópio, ectrópio. Cães fortemente medrosos e agressivos.

NOTA

Os machos devem apresentar dois testículos de aspecto normal, completamente descidos no escroto.

Fonte: www.petbrazil.com.br

Dálmata

Dálmata
Dálmata

As luzes se apagam e a tela é tomada por um bando de cachorrinhos. Em uma cena, um casal de dál-matas procura desesperadamente por seus filhotes. Em outra, uma ava-lanche de 99 peque-ninos cães pintados foge das garras de uma dondoca que quer transformá-los em casaco. Pronto. Não foi preciso mais que uma hora e meia de projeção de 101 Dálmatas para que a raça se tornasse uma febre. O ca-risma e a perspicácia dos astros de quatro patas apresentados no desenho animado de Walt Disney de 1961 desencadearam uma verdadeira febre pelo pet de pintas, a tal ponto de, no Japão, amantes da raça promoverem um evento chamado 101 Dálmatas em homenagem ao cão e, claro, ao filme.

O fenômeno se repete até hoje. Quando a versão em carne e osso chegou às telas em 1996, os criadores da raça viram seus telefones tocarem sem parar. "O filme 101 Dálmatas serviu para divulgar a raça. A procura pelo cão aumentou após a exibição do longa e depois se estabilizou", conta Marcus Vinícius Sandoval Paixão, do Canil Polyana, do Espírito Santo. Se a tradição se mantiver, os criadores podem esfregar as mãos. A partir deste mês, chega às telas tupiniquins 102 Dálmatas, continuação do filme de 1996.

Mas nem tudo são flores. "O ponto negativo é que o sucesso da raça despertou a ganância das pessoas, que começaram a fazer cruzamentos de dálma-tas adoidado. Chegaram a fazer pedidos de dez, 12 exemplares de uma vez", comenta Aurora Maria Ricciluca, presidente do Dálmata Clube de São Paulo.

Para os donos, o problema pode ser ainda maior. "Há anos, se fazia cruzamentos com exemplares da mesma linhagem sangüínea. Em conseqüência, nasceram ninhadas com dálmatas mais bravos ou medrosos", conta. O dálmata padrão não é agressivo. "Ele, no máximo, dá o alarme quando alguém invade seu território", diz Ricciluca. Além disso, ele tem que ser amistoso, sociável e mostrar autoconfiança, como Bongo e Dodie, o casal de protagonistas caninos do filme.

A comparação não é exagero. "O personagem é absolutamente igual ao dálmata real. Como no filme, os cães dessa raça gostam de acompanhar o dono em passeios de bicicleta e de conviver com outros cachorros", conta Alberto Salim Saber Filho, proprietário do Ebony Spots Kennel, um dos principais criadores de dálmatas do país, segundo a CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia). "Ele é muito apegado ao dono", completa.

Outro par perfeito para o dálmata são as crianças, principal motivo para as pessoas procurarem um criador da ra-ça. "Não tem criança no mundo que não queira um dálmata", arrisca dizer Ricciluca. "E o cão convive muito bem com elas", acres-centa Alberto.

Dálmata
Dálmata

Mas não só os amantes do filme da Disney e as crianças são cativados pelo dálmata. O fato de ser um cão que possui pintas também seduz os petmaníacos. "Ele é a única raça que tem pintas", diz Marcus Vinícius.

Estrela rústica

Apesar de todos os holofotes voltados para ele, o dálmata não faz pose de estrela. "É um cão rústico, não exige cuidados especiais", conta Alberto. "O dálmata precisa de um bom espaço para exercícios, ter alimentação de boa qualidade, água fresca à vontade e um local limpo e fresco para dormir", recomenda o médico veterinário Mauro Anselmo Alves, que foi criador de dálmatas durante cinco anos e que, atualmente, dá assistência a seis canis da raça. "Ter a pelagem escovada duas vezes por semana e tomar banhos semanais ou quinzenais também devem fazer parte da rotina do cão", acrescenta.

Além disso, o dálmata é um animal versátil e, por isso, se adapta bem à vida de um apartamento. "Desde que os donos sejam responsáveis pelo lazer dos cães, oferecendo exercícios e passeios para eles", acrescenta Mauro.

Fonte: focinhos.ig.com.br

Dálmata

Dálmata
Dálmata

Essa raça possui uma pelagem única e característica. Suas manchas no pêlo branco podem ser pretas, que são as mais comuns, ou vinho. As manchas devem ser redondas ou de formato arredondado e não devem sobrepor-se umas as outras, nas extremidades do corpo elas devem ser menores que as demais. Ao nascer os filhotes são brancos e só depois vão adquirindo a típica coloração dos dálmatas. É uma raça de porte médio, medindo em sua altura entre 56 e 61 cm. e pesando entre 23 e 25 kg. Antigamente era usado para guardar carruagens e iam correndo ao lado delas, e para isso, se davam muito bem com cavalos. Hoje em dia é muito requisitado como cão de companhia. Seu temperamento é tranquilo. É um cão alegre, bom com crianças e bom vigia, pois é atento.

Fonte: mypet.terra.com.br

Dálmata

É impossível não se encantar com um dálmata, afinal é um cão que apresenta uma estética impecável. Ele é forte, musculoso, possui ótimo olfato, além de ser resistente e veloz. Com o dono é fiel, dedicado, amoroso e um grande companheiro

Padrão da Raça

Origem: Iugoslávia

Utilização: Caça e companhia.

Peso: 23 - 25 Kg

Tamanho: 48 - 58 cm

Aparência

É um cão forte, de linhas harmoniosas e simétricas, alegre, brincalhão, muito ativo, com expressão inteligente, tendo a cauda longa que vai chicoteando de lado a lado.

Pelagem e cor

Sua pelagem manchada é realmente muito elegante, com pêlos curtos, densos, finos, lisos e brilhantes. Existem dois tipos aceitáveis de manchas, as cores de fígado e as pretas, sempre sobre fundo branco puro.

Expectativa de vida: 12 - 14 anos.

Agressividade: Moderada

Área para criação: Grande, de preferência próxima à natureza.

Fonte: www.veludo.net

Dálmata

Dálmata
Dálmata

Tipo de Pêlo

Curto, liso e grosso. Deve ser basto e brilhante. A cor do fundo é sempre o branco e as manchas são pretas ou fígado. Os exemplares menos manchados são os mais apreciados, sendo considerado defeito quando duas manchas se juntam (excepto nas orelhas).

Temperamento

Responsável e sereno. Tem um espírito independente mas é facilmente domesticável. É um bom companheiro de brincadeiras de crianças.

Introdução

Apurado como cão de acompanhamento de carruagens, isto é, um cão que caminhava ao lado das carruagens de modo a afastar eventuais salteadores. Deve o seu nome à zona da ex-juguslávia de onde é originário, a Dalmácia. O pêlo branco com pintas pretas torna esta raça tão característica e apreciada que facilmente é reconhecida por toda a gente. A sua enorme popularidade deve-se grande parte ao filme da Walt Disney para crianças "Os 101 Dálmatas" baseado no livro de Dodie Smith com o mesmo nome. Este retrata o anseio de uma milionária sem escrúpulos em possuir um original casaco de pele de Dálmata. A grande preocupação actual dos criadores é garantir a preservação das pintas que ainda hoje distinguem o Dálmata de todos os outros cães. Não basta ter pintas: elas têm que ser perfeitas, de ter o tamanho ideal e de ter uma distribuição e cor correctas de modo a manter a elegância da raça. Curiosamente, ao nascer estes cães são de um branco imaculado levando ainda algum tempo para que se desenvolvam. O Dálmata é normalmente bastante alegre, sempre pronto para brincadeiras e longas caminhadas. Tem um temperamento bastante dócil com as crianças pelo que é extremamente bem aceite pelas famílias como cão de companhia.

Descrição

Possui uma cabeça de comprimento médio e um focinho vigoroso. O stop é marcado. O nariz tem a cor em harmonia com a da pelagem, podendo ser preto ou castanho. Os olhos são pretos ou castanhos, redondos, com um rebordo preto ou castanho conforme a cor das pintas, de expressão viva e inteligente. As orelhas têm inserção alta na cabeça, arredondadas na ponta e são mantidas junto à cabeça. Os membros anteriores são verticais e os posteriores arredondados. Tem os pés de "gato", redondos e arqueados. A cauda é comprida, devendo atingir os jarretes, e é trazida levantada com uma ligeira curva.

Fonte: animais2.clix.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal