Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Inhambu  Voltar

Inhambu



Crypturellus tataupa

Inhambu

Características

Mede 25 cm de comprimento. O seu bico é vermelho vivo (com a ponta negra no macho). Pelagem é vermelho pálido, seu manto (costas) é castanho-escuro. A cabeça e o pescoço são cinzento-escuros, a garganta e o meio da barriga, brancos, o resto do lado inferior, cinzento. Os lados da barriga e as coberteiras inferiores da cauda são pretas com largas orlas esbranquiçadas. As pernas são roxo-encarnadas. O macho é bem menor que a fêmea.

Habitat

Matas secundárias, capoeirões secos, caatinga, canaviais.

Ocorrência

No Brasil ocorre no Nordeste, Leste, Sul (até o Rio Grande do Sul) e no Centro-Oeste. Ocorre ainda no Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina.

Hábitos

Desconfiados, imobilizam-se instantaneamente de pescoço ereto, parte posterior do corpo levantada ou deitam-se. Indivíduos assustados por um tiro às vezes fingem-se de mortos. Alçam vôo apenas como último recurso, sendo o mesmo pesado e retilíneo. São quase incapazes de evitar obstáculos, mas pilotam relativamente bem quando planam para aterrissar.

Alimentação

Comem não só bagas, frutas caídas (ex. merindibas, tangerinas e coquinhos de palmito) como folhas e sementes duras. Procuram pequenos artrópodes e moluscos que se escondem no tapete de folhagem apodrecida; viram folhas e paus podres com o bico à procura do alimento, jamais esgravatando o solo com os pés como fazem os galináceos. Às vezes pulam para apanhar algum inseto. Bebem regularmente sempre que houver água. Engolem pedrinhas. Os filhotes dependem de alimento animal.

Reprodução

Andam aos casais. O ovo é de cor chocolate-claro rosáceo. A incubação tem duração de 19 a 21 dias.

Predadores naturais

Gatos-do-mato, raposas, guaxinins, furões, iraras, gambás, gaviões e corujas. Os ninhos podem ser saqueados por cobras, macacos, gambás e até mesmo pelo tamanduá-bandeira.

Ameaças

Essas aves se aproveitam do desmatamento e se infiltram até em áreas cultivadas. Estão ameaçadas pelo emprego de inseticidas, espalhados indiscriminadamente por toda parte. Comem formigas cortadeiras envenenadas por iscas granuladas e carrapatos mortos caídos do gado tratado.

Consta que o xintã revela extraordinária resistência às modificações ambientais. A caça e a destruição do habitat são as principais ameaças.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Inhambu

INAMBU

Também "nambu". Aves da fam. Tinamídeos, gên. Crypturus (veja também "sururina" assim como "macuco", pois as espécies do gên. Tinamus na Amazônia também são "inambus"). As 14 espécies brasileiras deste gênero representam um tipo homogêneo quanto ao feitio, variando apenas de tamanho e um tanto no colorido. Algumas espécies são de cor uniforme, outras têm abundantes desenhos de linhas escuras no dorso e sobre as asas. A cauda ou falta ou é representada por penas tão curtas, que as coberteiras as escondem.

Os dois sexos quase que não se diferenciam. São aves que vivem no chão, alimentando-se de frutos e sementes; voam pouco. Os ovos são lisos e lustrosos, de cores verde-azulada ou branco-chocolate.

Conquanto, pelas suas dimensões menores, estas aves não proporcionem ao caçador tanta carne como os mutuns e jacus, a caça aos inambus é das mais apreciadas. E onde ainda haja matas, nas quais ao menos nos meses da procriação seja proibido perseguir as aves, é fácil abater pelo menos alguns inambus em uma manhã.

Quem souber "piar" (ou com o pio apropriado ou simplesmente soprando no côncavo das mãos, de modo a produzir o som adequado), consegue atrair a caça, escondida no mato. Aproximando-se aos poucos e respondendo sempre ao suposto companheiro, a ave chega a pousar tão perto do caçador que este às vezes fica sem saber como deve atirar. Cada espécie de inambu pia de modo diverso, porém todas elas emitem apenas assobios curtos, cheios e sonoros, repetidos no mesmo tom ou formando escala ascendente ou descendente.

Os pios das duas espécies mais comuns no Sul, o "guaçu" e o "chororó", imitam-se bem assobiando e mantendo um pouco de saliva na ponta da língua encurvada, para assim emitir som trinado.

A espécie maior assobia uma escala ascendente, a menor, ao contrário, desce a escala cromática e ambas apressam os intervalos e a duração das notas finais. Conquanto piem principalmente de manhã e à tardinha, também durante o dia se lhes ouve a voz.

0 "jaó" que pertence ao mesmo gênero, emite apenas 4 notas, também apressadas no final. As crianças facilmente apanham os inambus, armando laços em lugares previamente cevados. Alguns grãos de milho conduzem a ave para o laço, armado um pouco à margem do trilho, para que fique ao abrigo dos transeuntes. Uma varinha flexível mantém distendido o fio, armado como uma ratoeira comum e basta a ave bicar o primeiro grão, para que o laço lhe aperte o pescoço. A quem souber armar bem tais laços, raramente escapa a descuidosa avezinha.

O povo achou tão singular a falta de penas caudais nestas aves, que aproveitou o fato para um provérbio: "Inambu, de tanto fazer favor, ficou sem rabo"; assim o caipira confirma o conceito do ditado mais em voga na cidade: "Quem empresta, não melhora".
INAMBUANHANGA - Ou "i.-saracuíra".

INAMBUCUÁ

O mesmo que "i.-sujo".

INAMBUGUAÇU

Do Rio Grande do Sul até Minas tem este nome Crypturus obsoletus; na Amazônia, onde essa espécie não ocorre, tem igual nome o "inhambutoró", Tinamus tao, espécie que corresponde a Tinamus solitarius do Sul, conhecida aqui por "macuco". Crypturus obsoletus é, como diz o nome indígena, a nossa maior espécie, medindo 30 cm de comprimento. 0 colorido do lado dorsal é bruno-avermelhado; a cabeça e o pescoço são denegridos, a garganta cinzenta, o peito castanho escuro, a barriga amarelenta, com largas faixas pretas na parte posterior. É ave da mata.

INAMBUÍ

O mesmo que "codorna".

INAMBUPIXUNA

O mesmo que "inambu-sujo".

INAMBÚ-RELÓGIO

Na Amazônia Crypturus strigulosus, assim chamado porque, tanto desta ave como da "siirurina", o povo afirma que seu canto marca as horas. Difere do "i.-saracuíra" por alguns caracteres sutis de colorido, como seja o tom menos avermelhado de todo o lado dorsal.

Fonte: matlan.org.br

Inhambu

No aspecto, o inhambu macho confunde-se com a fêmea, mas é bem distinto no modo de piar. Apreciadas como canoras, essas aves voam mal, habitam capoeiras ou capões de mato e preferem construir seus toscos ninhos no solo.

Dá-se o nome de inhambu, inambu, nhambu ou nambu a diversas aves da ordem dos tinamiformes, pertencentes aos gêneros Crypturellus, Tinamus e Taoniscus da família dos tinamídeos. Sua aparência e seus hábitos lembram muito os dos galiformes, o que levou a sua inclusão, durante longo tempo, nessa ordem. Têm a plumagem variegada, com predominância de tons castanhos, pretos e cinzentos, e medem de 13 a 41cm de comprimento. Até certo ponto onívoros, alimentam-se sobretudo de frutas e sementes caídas que apanham no chão, onde se movem com desembaraço.

Os inhambus estão entre as poucas aves em que o macho se incumbe da tarefa de chocar e criar filhotes. Os ovos são dos mais belos que se conhecem: lembram, pela textura, a porcelana e assumem cores variadas, como azul, verde, rosa, vinho e chocolate. A incubação dura cerca de vinte dias. Os machos costumam camuflar os ninhos com folhas e guiam os filhotes nos primeiros dias de vida.

Típicos das Américas Central e do Sul, os inhambus ocorrem do México à Argentina. A maior espécie brasileira, com 41cm, é o inhambu-de-cabeça-vermelha (Tinamus major), da Amazônia. A menor, com 13cm, o inhambu-carapé (Taoniscus nanus), que se distribui pelo centro-sul do país. O inhambuguaçu (Crypturellus obsoletus) mede 29cm e é típico das matas densas das serras do Sudeste.

Fonte: www.emdiv.com.br

Inhambu

Inhambu

Inhambu

Período Reprodutivo: julho a outubro

Locais de observação: Cambarazal, Cerradão, Cerrado, Mata ciliar rio Cuiabá, Mata Seca

De tamanho intermediário entre o jaó e o inhambu-xororó, o inhambu-chintã possui a coloração do corpo semelhante ao do xororó, com o manto castanho vivo e laterais do corpo com desenhos mais contrastantes. Esses desenhos lembram bolas negras nos lados do corpo e parecem com a chita, um tecido muito comum no início do século XX, vindo daí o nome comum. O bico é vermelho-vivo, sendo a ponta negra no caso do macho. A garganta é branca, ao contrário do inhambu-xororó. Pés arroxeados ou cinza-escuro.

Inhambu

Vive nas áreas de mata secundária, capoeirões e áreas onde há adensamento da vegetação. Não ocupa as mesmas áreas do jaó ou do inhambu-xororó, o primeiro no interior da vegetação florestal e o segundo nas bordas, cerrados e áreas abertas. O pio é semelhante ao final do inhambu-xororó, sendo mais forte e alto, parecendo um apito forte.

Os ovos são chocolate claro e com tom rosáceo, também de aspecto vitrificado. Cabe aos machos as tarefas de incubação e criação dos filhotes, enquanto a fêmea procura outro parceiro, após terminar a postura de 3 a 4 ovos no ninho, igualmente colocado sobre o solo.

Fonte: www.avespantanal.com.br

Inhambu

Inhambu

Crypturellus tataupa

Família Tinamidae

Caracterização

Mede 24 cm. O seu bico é vermelho vivo (com a ponta negra no macho); a sua pelagem é vermelho pálido, seu manto (costas) é castanho-escuro. O macho é bem menor que a fêmea.

Hábitat

Habita matas secundárias, capoeirões secos, caatinga, canaviais.

Distribuição

No Brasil ocorre no Nordeste, Leste, Sul (até o Rio Grande do Sul) e no Centro-Oeste; no Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina.

Hábitos

Desconfiados, imobilizam-se instantaneamente de pescoço ereto , parte posterior do corpo levantada ou deitam-se; indivíduos assustados por um tiro às vezes fing em-se de mortos.

Alçam vôo apenas como último recurso, sendo o mesmo pesado e retilíneo; são quas e incapazes de evitar obstáculos, mas pilotam relativamente bem quando planam pa ra aterrissar.

Alimentação

Comem não só bagas, frutas caídas (ex. merindibas, tangerinas e coquinhos de palmito) como folhas e sementes duras.

Procuram pequenos artrópodes e moluscos que se escondem no tapete de folhagem apodrecida; viram folhas e paus podres com o bico à procura do alimento, jamais esgravatando o solo com os pés como fazem os galináceos.

Às vezes pulam para apanhar algum inseto.Bebem regularmente sempre que houver água. Engolem pedrinhas; os filhotes dependem de alimento animal.

Reprodução

Andam aos casais. Cor do ovo: chocolate-claro rosáceo. A incubação tem duração de 19 a 21 dias.

Manifestações sonoras

Voz: Atinge um volume alto em comparação ao seu tamanho, as vocalizações entre os sexos são diversas. Quando está assustado emite um tremulado.

Predadores naturais

Gatos-do-mato, raposas, guaxinins, furões, iraras, gambás, gaviões e corujas.

Os ninhos podem ser saqueados por cobras, macacos, gambás e até mesmo pelo taman duá-bandeira.

Caça, utilização

Estão entre as aves cinegéticas mais importantes do Brasil, fornecendo a popula ção rural parte das proteínas indispensáveis.

Preservação

Essas aves se aproveitam do desmatamento e se infiltram até em áreas cultivadas. Estão ameaçadas pelo emprego de inseticidas, espalhados indiscriminadamente por toda parte. Comem formigas cortadeiras envenenadas por iscas granuladas e carrapatos mortos caídos do gado tratado.

Consta que o xintã revela extraordinária resistência às modificações ambientais.

Bibliografia

Helmt Sick, 1988. "Ornitologia Brasileira" .

Fonte: faunacps.cnpm.embrapa.br

Inhambu

Inhambu

O inhambu é uma ave da família dos Tinamídeos. No Brasil há 14 espécies deste gênero que variam no tamanho e na coloração. Algumas espécies são de cor uniforme, outras têm abundantes desenhos de linhas escuras no dorso e sobre as asas. A cauda ou falta é representada por penas curtas. Os dois sexos quase que não se diferenciam. São aves que voam pouco e vivem no chão. Alimentando-se de frutos e predominantemente de sementes. Os ovos são lisos e lustrosos, de cor verde-azulada ou branco-chocolate.

Cada espécie de inhambu pia de modo diverso, porém todas elas emitem apenas assobios curtos, cheios e sonoros, repetidos no mesmo tom ou formando escala ascendente ou descendente. Diferentemente da maioria das aves, a incubação e o trato dos filhotes são tarefas exclusivas dos machos. Cabe às fêmeas definir territórios, mantê-los, atrair e competir pelos machos que as fecundarão e, feita a postura, chocarão seus ovos e cuidarão de sua descendência.

Dentre as espécies de inhambu destacam-se o Inhambu-de-cabeça-vermelha (Tinamus major), Inhambu-galinha (Tinamus guttatus), Inhambu-anhangá (Crypturellus variegatus),Inhambu-carijó (Crypturellus brevirostris),Inhambu-chororó (Crypturellus parvirostris),Inhambu-de-pé-cinza (Crypturellus duidae),Inhambu-guaçu (Crypturellus obsoletus),Inhambu-pixuna (Crypturellus cinereus), Inhambu-relógio (Crypturellus strigulosus),Inhambu-xintã (Crypturellus tataupa),Inhambu-carapé (Taoniscus nanus).

Classificação científica

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Tinamiformes
Família: Tinamidae

Fonte: www.motivu15.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal