Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Pastor Alemão  Voltar

Pastor Alemão



Em meados de 1890, o jovem capitão da cavalaria alemã, Max von Stephanitz, idealizou um cachorro de porte médio, que poderia cuidar dos dois tipos diferentes de ovelhas que haviam na Alemanha, que seria extremamente inteligente, protetor, rápido, de aparência nobre, caráter confiável, tão disposto que poderia trabalhar até a exaustão e com desejo insaciável de servir. Um cão que tivesse como razão de existir, a companhia do homem.

Max Von Stephanitz
Max Von Stephanitz

Com esta idéia em sua mente, Stephanitz concluiu que deveria criar este cão ideal e torná-lo disponível para todos os pastores de rebanho da Alemanha. Prometeu a si mesmo que iniciaria um raça de cães de utilidade que se chamaria Pastor Alemão.

Max Emil Frederick von Stephanitz nasceu na Alemanha em dezembro de 1864, serviu como veterinário do exército, e seus conhecimentos sobre biologia, adquiridos na Faculdade de Berlin, foram de grande valor aplicados à criação de cães. Em 1898 foi promovido à Capitão da cavalaria e pouco tempo depois foi convidado a retirar-se do exército por ter-se casado com uma atriz.

Stephanitz experimentou a criação de seus pastores, aplicando várias idéias de que criadores ingleses utilizavam na época. Ele estava especialmente interessado em cães de pastoreio, por serem considerados verdadeiros animais de trabalho. Em 1899, ele assistiu um pequeno concurso de cães, onde encontrou e comprou Hektor Linkrsheim, e imediatamente mudou o nome do cão para Horand von Grafrath. Duas semanas depois, junto à seu amigo, Artur Meyer, fundaram o Verein für Deutsche Schaferhunde (SV), a sociedade de pastores alemães da Alemanha. Stephanitz tornou-se seu primeiro presidente e Artur o secretário. Mais nove homens juntaram-se aos dois como cofundadores. Assim iniciou-se o clube que estava destinado a torna-se o maior clube de criadores de uma só raça de todo o mundo.

Horand foi o primeiro cão a entrar em seu livro de registro com o número SZ1 e tornou-se assim o primeiro Pastor Alemão registrado:

Holand v. Grafrath SZ1
Holand v. Grafrath SZ1

Utilizando Horand com base de sua criação, Stephanitz moldou o Pastor Alemão como a mais pura expressão de utilidade, inteligência e nobreza. Decretou que como um cão de trabalho, deveria ser criado buscando harmonia entre inteligêcia e físico que o permitissem realizar seu trabalho. Ele nunca interessou-se pura e simplesmente pela beleza dos cães, mas somente quando esta refletia as características desejadas de trabalho.

Em 1899 a SV iniciou um campeonato anual chamado de Sieger Show, onde os campeõe da classe adulta seriam nomeados como Sieger ( macho ) e Siegerin ( fêmea ) durante o todo o ano.

O próprio capitão Stephanitz julgava as provas. Percebendo a tendência da maioria dos criadores em cruzarem suas cadelas com o atual Sieger , nos anos seguintes, ele foi capaz, através da seleção do Sieger, guiar o desenvolvimento dos criadores e também corrigir faltas indesejáveis. Os pedigrees eram analisados durante as provas, fato que permitia a Stephanitz um entendimento melhor dos pontos fortes e fracos escondidos nas linhagens de cada cão, não importando se este os demonstrava ou não, mas que seriam transmitidos para seus herdeiros. O julgamento destas provas tinha uma duração de dois dias e era conduzido com extrema seriedade. O caráter e o temperamento do cão eram uma parte importantíssima do julgamento.

Em pouco tempo Stephanitz percebeu que comforme a criação da raça crescia, a inteligência minguava devido ao fato de apenas um pequeno número de cães ainda servirem ao pastoreio, e para que essa característica não fosse perdida criou campeonatos de obediência, encontrando assim uma maneira de incentivar o trabalho à serviço do homen.

Doando uma série de cães à políciais, ele conseguiu demonstrar seu potencial como cão policial e a polícia passou a cooperar mais quando percebeu que era um cão realmente útil para o trabalho de apreenção e detenção de criminosos. Algum tempo depois o exécito reconheceu a utilidade da raça e começou a empregá-la, mas somente na Primeira Guerra Mundial é que o exército realmente percebeu o quão útil o Pastor Alemão poderia ser, servindo como cães mensageiros, auxiliando na busca de linhas telefônicas soterradas, encontrando e indicando soldados feridos, trabalhando como sentinelas e avisando a presença de inimigos durante as patrulhas.

Em 1923, a SV alcançou um número de 57,000 sócios, e em 1925, Stephanitz encontrou um sério problema na criação da raça, os cães estavam ficando com as pernas muito finas, e estavam perdendo a devida propulsão para trabalho. Stephanitz e seus colaboradores concordaram que algo deveria ser feito, e no Sieger de 1925, escolheram um cão que nada tinha em comum com o sieger anterior, chamado Klodo von Boxberg, que tornou-se o primeiro exemplar da linha moderna dos pastores alemães. Klodo descendia de linhagens de dois siegers, Hettel Uckermark, 1909, e Erich von Grafenwerth, 1920. Possuia estrutura compacta, corpo esticado, com a traseira curta, elástica e boa cobertura do solo no passo. Era um cão de tamanho moderado e temperamento destemido.

Ch. Erich von Grafenwerth
Ch. Erich von Grafenwerth

Sieger 1909 Hettel Uckermark
Sieger 1909 Hettel Uckermark

Sieger 1925 Klodo v. Boxberg
Sieger 1925 Klodo v. Boxberg

PADRÃO OFICIAL DA RAÇA

CBKC nº 166 de 4/1/95. FCI nº 166f de 5/5/94.
País de origem: Alemanha.
Nome no país de origem: Deutscher Schäferhund.

PROPORÇÕES IMPORTANTES

Altura na cernelha

Machos de 60 a 65 cm e fêmeas de 55 a 60 cm. O comprimento do tronco ultrapassa a altura na cernelha em 10 a 17%.

CABEÇA

Cuneiforme, bem proporcionado ao porte (seu comprimento é quase igual a 40% da altura, na cernelha), sem ser rústica, nem muito alongada, de aspecto geral seca e largura moderada, entre as orelhas. De frente e de perfil, a testa é tão somente, pouco arqueada, com ou sem sulco sagital levemente marcado. A proporção entre o comprimento do crânio e o do focinho é de 1:1. A largura do crânio é quase igual ao seu comprimento. Visto de cima, desde as orelhas até a ponta da trufa, a largura do crânio vai diminuindo de forma gradual e progressiva: unindo-se ao focinho cuneiforme, por uma depressão naso frontal (stop) inclinada mas, pouco pronunciada. Os maxilares são fortemente desenvolvidos. A cana nasal é reta. Cana nasal romana ou côncava é indesejável. Os lábios, de cor escura, são bem ajustados e secos.

Trufa

Preta.

Dentadura

Robusta, sadia e completa (42 dentes, de acordo com a fórmula dentária). A mordedura do Pastor Alemão é articulado em tesoura, isto é, os incisivos da arcada superior tocam pela frente os da arcada inferior em oclusão justa. A articulação em torquês, o prognatismo, quer seja superior ou inferior constitui falta, como também, a presença de espaços livres, tão importantes entre os dentes (dentes espaçados). O alinhamento, em reto, dos incisivos, também é considerado falta. Os maxilares são fortemente desenvolvidos para garantir o engaste profundo das raízes dentárias.

Olhos

De tamanho médio, amendoados, inseridos faceando com a superfície da pele, sutilmente oblíquos; a cor, o mais escura possível. Olhos claros e penetrantes, que alterem a expressão natural do Pastor Alemão, são indesejáveis.

Orelhas

De tamanho médio, portados eretas, bem firmes e simétricas (nunca inclinadas lateralmente em posição oblíqua): com as extremidades pontiagudas e as conchas voltadas para a frente. Considera-se defeito as orelhas portadas semi-eretas ou caídas. Portadas dobradas para trás, quando em repouso, não é considerado falta.

PESCOÇO

Robusto, bem musculado, sem apresentar pele solta na garganta (barbela). O pescoço forma um ângulo em torno de 45º com o tronco (horizontal).

TRONCO

A linha superior desenvolve-se, sem quebra perceptível, a partir da inserção do pescoço, bem articulado, passando pela cernelha, bem desenvolvida, e pelo dorso, ligeiramente descendente, para a garupa, ligeiramente oblíqua. O dorso é firme, robusto e bem musculado. O lombo é largo, fortemente desenvolvido e bem musculado. A garupa é longa e ligeiramente oblíqua, fazendo um ângulo em torno de 23º com a horizontal e fundindo-se com a linha superior sem solução de continuidade.

Peito

Moderadamente longo, com o esterno de mesmo comprimento e bem marcado. A profundidade do peito varia em torno de 45 a 48% da altura, na cernelha. As costelas são moderadamente arqueadas. O tórax em barril é considerado um defeito tão grave quanto as costelas achatadas.

CAUDA

O comprimento deve atingir no mínimo a ponta do jarrete e, no máximo a metade do metatarso; portada caída, descrevendo uma ligeira curva; quando o cão está excitado ou em movimento, ela se eleva um pouco mais, sem ultrapassar a posição horizontal; a pelagem na face ventral da cauda é um pouco mais longa. Qualquer correção cirúrgica é proibida.

Membros Anteriores

Vistos de qualquer ângulo, os anteriores são aprumados; visto pela frente, são perfeitamente paralelos. A escápula e o úmero são do mesmo tamanho e bem ajustados ao tórax, graças à poderosa musculatura. A angulação escapuloumeral ideal é de 90º, na prática, até de 110º. Seja em stay ou em movimento, os cotovelos devem trabalhar rentes ao tórax. De qualquer lado, os antebraços são retos e perfeitamente paralelos, secos e guarnecidos de forte musculatura. O cumprimento dos metacarpos varia em torno de um terço do comprimento do antebraço, formando com este um ângulo em torno dos 20 aos 27º. Tanto o metacarpo muito inclinado (mais que 22º), quanto o muito escarpado (menos de 20º), prejudicam o desempenho do cão, principalmente no que concerne a sua resistência. As patas são arredondadas, dígitos bem fechados e arqueados, os coxins têm sola dura, sem tendência a fissuras; as unhas são fortes e de cor escura.

Posteriores

Ligeiramente inclinados e, vistos por trás, se mantêm paralelos. As coxas são potentes e bem musculadas. O fêmur e a tíbia são quase do mesmo tamanho, formando um ângulo, em torno dos 120º. Os dígitos são compactos, ligeiramente arqueados; os coxins plantares têm sola dura e de cor escura; as unhas são fortes, curvas e escuras.

MOVIMENTAÇÃO

O Pastor Alemão é um trotador. As angulações e o comprimento dos membros são equilibrados de modo a anular a oscilação da linha superior, formando-a imperceptível, para que os posteriores aprumados possam realizar passadas com um bom alcance à frente e os anteriores igual cobertura de solo. Qualquer tendência à superangulação nos posteriores reduz a firmeza e a resistência geral. Angulações, equilibradas permitem a execução de passadas de grande amplitude rentes ao solo, sem aparentemente revelar esforço. Durante o exercício do trote, ritmado e fluente, com a cabeça projetada para a frente, a linha superior se desenha em contorno suave, harmonioso e contínuo desde a ponta das orelhas, passando pela nuca e dorso, até a ponta da cauda levemente elevada.

PELE

Suavemente ajustada, sem formar pregas.

PELAGEM

Textura do pêlo: a pelagem correta do Pastor Alemão é o mais densa possível e dupla: pêlo e subpêlo. O pêlo deve ser reto, áspero e bem assente, curto na cabeça e orelhas, incluindo a face interna do pavilhão auditivo; na face anterior dos membros, nas patas e dígitos; um pouco mais longo e cheio no pescoço. Na face posterior dos membros, alonga-se até o nível do carpo e do jarrete, formando na face posterior das coxas, culotes de tamanho moderado.

COR

Varia desde o preto, com marcas marrons avermelhados, marrons ou amarelos, até o cinza claro. Preto e cinza unicolor, sendo o cinza encarvoado (sombreado). Máscara e manto pretos. Pequenas e discretas marcas brancas no antepeito ou uma coloração muito mais clara na face interna dos membros, são toleradas mas não almejadas. A trufa deverá ser necessariamente preta em todas as cores de pelagem. São personalizados, como sinal de pigmentação insuficiente, a ausência da máscara, os olhos claros, os penetrantes, as marcas claras e esbranquiçadas no antepeito e na face interna dos membros, as unhas de cor clara e a ponta de cauda avermelhada. O subpêlo é cinza suave. O branco não é admitido.

TALHE

Altura na cernelha - machos 60 a 65 cm, fêmeas 55 a 60 cm. Peso - machos 30 a 40 quilos, fêmeas 22 a 32 quilos.

Fonte: www.canil.arubata.nom.br

Pastor Alemão

Pastor Alemão
Pastor Alemão

País: Alemanha

Função Original: Pastor de ovelhas.

Origem: Século XIX. De origem pouco conhecida, o atual Pastor Alemão foi mostrado ao mundo pela primeira vez em um show na cidade de Hannover, em 1882.

Temperamento: Inteligente e sensível, esse ilustre cão é facilmente adestrável. Amigo das crianças, corajoso, é usado largamente como cão policial e guia para cegos. é o maior exemplo da máxima "O melhor amigo do homem"

Utilizações: Por mérito de sua inteligência e qualidades morais, sua relação com o homem se manisfesta em diversas atividades: Pastor, mensageiro de guerra, salva-vidas, cão policial, guia para cegos. Notório cão de guarda, demonstra grandes reflexos e fulminância nos ataques.

Fonte: www.animalnet.com.br

Pastor Alemão

História

Também conhecido por Lobo da Alsácia, ou Deutscher Shäferhund, a sua história perdeu-se um pouco na memória colectiva, sabendo-se apenas que a sua semelhança com o lobo da Idade do Bronze sugere a pertença a uma linhagem ancestral. Especula-se se será descendente dos cães pastores existentes por volta do séc. VII, ou ainda se derivará do cruzamento de cães pastor com lobos.

Com o passar dos séculos, foi surgindo a necessidade de estabelecer uma tipologia que fixasse os diferentes padrões de cães existentes, até porque a industrialização ditou o fim de algumas actividades (tais como a caça ou o pastoreio) que outrora foram a razão de ser da criação de alguns cães alemães.

Em 1891, aparece na Alemanha uma Sociedade chamada "Phylax" que pretende precisamente padronizar e tipificar as raças de cães alemães. Este grupo de entusiastas não se manteve unido mais de 4 anos, mas constituíram o ponto de partida para a consciencialização daquela necessidade.

A formação moderna da raça é atribuída a Rittmeister Von Stephanitz que se empenhou no início do séc. XX ao apuramento do seu temperamento e constituição. Nos cruzamentos que efectuou, utilizou cães pastor, nativos de diferentes províncias alemãs, e pretendeu sobretudo privilegiar a inteligência e utilidade neste cão. Em 1882, estes cães aparecem pela primeira vez numa exposição e, em 1899, Rittmeister envolve-se na criação de um clube para a raça - Verein fur deutsche Schaferhunde.

Com a chegada da I Guerra Mundial, este criador pôde constatar o sucesso da sua estirpe, já que durante o conflito estes cães foram usados como mensageiros, em operações de salvamento e como cães de guarda pessoais. Ao contrário do que aconteceu com a maioria das raças, este conflito acabou por revelar-se positivo para a projecção deste cão, já que muitos soldados acabaram por levar alguns destes animais para casa.

Em 1913, surge nos EUA o German Shepherd Club of America e em 1919, o Kennel Club inglês concedeu à raça um registo individual. No entanto, esta estirpe adquire, por motivos políticos, outro nome: Lobo da Alsácia. Com o despontar da II Guerra Mundial, centenas de exemplares foram utilizados, não só para detectar minas, mas também para servir de mensageiros, guardas e sentinelas.

Após o período de guerra, a criação americana da raça começou a divergir do padrão típico alemão. Na Alemanha o "stock" destes cães diminui drasticamente, devido às mortes ocorridas durante o conflito e à falta de alimentos. Em 1949, começam a surgir nas exposições alemãs os primeiros exemplares com a qualidade a que outrora lhe era reconhecida.

A exportação da Alemanha para o Japão, Europa e América do Sul revelou-se promissora e, em 1977, foi-lhe retribuído o nome pelo qual o conhecemos hoje: Pastor Alemão.

Actualmente, este é um dos cães mais famosos em todo o mundo, reconhecimento atribuído justamente, não só pelas suas qualidade físicas mas também pelo seu carácter multifacetado e, acima de tudo, corajoso e fiel ao seu dono.

Temperamento

O Pastor Alemão é uma das raças mais completas que existe. Altamente inteligente, obediente, corajoso e responsável, este cão tem vindo a desempenhar com eficiência as mais variadas tarefas: desde guardador de rebanhos, a cão de guarda, de salvamento, de companhia, exposição, polícia, estrela de cinema, mensageiro, etc, etc.

Daqui decorre que é altamente treinável, mas o seu apurado instinto de protecção pode torná-lo perigoso se interpretar mal alguma situação. Convém sempre que seja educado por pessoas experientes desde pequeno, por forma a tornar-se controlável em adulto.

Na sua relação com a família revela-se um amigo inesquecível: é sensível ao seu dono, calmo, mas presente. Lida bem com as crianças, mas não é muito compatível com outros animais de estimação (existem obviamente excepções).

Este Pastor agradece toda a atenção que lhe possa ser dispensada porque não é um animal distante e aprecia estar bem inserido no seio familiar.

Descrição

A altura no topo das espáduas do Pastor Alemão pode variar nos machos entre os 60 e os 65 cm e nas fêmeas entre os 55 e os 60 cm. O seu peso oscila entre os 33,7 e os 42,7 Kg.

A sua pelagem é de comprimento médio, lisa e rija. Possui um subpêlo denso e espesso. As cores permitidas são: o preto uniforme ou cinzento; a sela preta com marcas de fogo ou dourado a cinzento claro; o cinzento com marcas mais claras ou castanhas.

A cabeça é proporcional ao corpo sendo a testa um pouco convexa. As orelhas largas na base, erectas e voltadas para a frente (os filhotes até aos seis meses podem ter as orelhas um pouco caídas). A sua dentadura é forte e a mordedura é em tesoura. Os olhos são de uma expressão inteligente e viva, amendoados, de cor escura e nunca salientes. O seu corpo é rectangular compacto, musculoso e robusto. O pescoço é relativamente comprido, o dorso é recto e o lombo é largo, forte e curto. As patas são musculosas e as coxas largas e robustas. A cauda é coberta de pêlo espesso e chega até ao jarrete quando o animal está em repouso.

Observações

Esta raça tem uma esperança média de vida que ronda os 14 anos de idade. Infelizmente, existe alguma propensão para o desenvolvimento de displasia da anca, dermatites, torção gástrica e epilepsia.

A pelagem deve ser escovada diariamente por forma a eliminar o pêlo morto. Para evitar as dermatites, deve-se dar-lhe banho poucas vezes, até porque tal elimina a oleosidade natural da pele.

Deve praticar exercício físico diariamente (aproximadamente duas horas) de forma criativa e desafiante, já que estes cães necessitam de ser estimulados intelectualmente. Se tal for cumprido, estes pastores vivem bem dentro de casa.

Fonte: animais2.clix.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal