Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Pinscher  Voltar

Pinscher



PEQUENO VALENTE

Pinscher

Ele é ativo alerta e protetor, mas há um limite entre o comportamento certo e a chatice. Conheça.

Ele é um dos cães mais populares do País. Raras são as pessoas, por menos que entendam de cachorro, que não sabem exatamente quem é o Pinscher Anão, chamado apenas de Pinscher. Entre os cães nascidos e registrados anualmente, ele está - e há muito tempo - numa posição privilegiada.

Nesta década, manteve-se entre as 20 raças com maior número de nascimentos no Brasil. Mas isso é pouco, perto da popularidade real dos Pinschers que desfilam pelas ruas, mesmo sem registro oficial ou, em outras palavras, sem o famoso pedigree. Só para ilustrar, em grandes pet shops e clínicas veterinárias, situadas nas principais capitais e que recebem centenas de cães por mês, o Pinscher está entre as dez raças mais assíduas, sendo que na maioria dos casos os exemplares não têm pedigree.

A conquista desse pequeno cão vai além das facilidades geradas pelo porte e pelo pêlo curto. Sua energia fantástica somada ao apego ao dono, o tornam um cão extremamente participativo. "Faz de tudo para ficar 24 horas com você e diverte qualquer ambiente, pois é muito brincalhão", diz a criadora há 27 anos, Vania Breim, do Canil O'Breim, em São Paulo. "Das 14 raças que crio, o Pinscher é o que mais convive com o dono.

Os meus sempre prestam atenção em mim, parece que tudo que faço é importante para eles", completa Elizabeth Veiga Guimarães, do Canil Jaguaruna, no Rio de Janeiro. "Onde quer que eu vá, lá estão eles; são um exemplo de companheiro", resume a criadora há dez anos, Rose Mary Andreata, do Canil Mordoff, em Mogi das Cruzes, SP.

OUSADIA

Pinscher

Seus atributos não páram por aí: o Pinscher é um cão de guarda. Isso mesmo. É a menor raça de guarda. Classificada pela Federação Cinológica Internacional como pertencente ao grupo 2, cujos parceiros são, nada mais nada menos, que o Dobermann, Rottweiler, Mastife, Boxer e Dogue Alemão. E o baixote Pinscher - apresentado junto com eles nas exposições de beleza - desfila imponente entre os grandões. Como covardia é atitude que desconhece, ao se sentir ameaçado não mede conseqüências. "Certa vez, num julgamento com um Pinscher, ele 'grudou' num Rottweiler, que se aproximou, e não queria largá-lo", lembra o criador há sete anos, Nilberto Prada Burigo, do Canil Eskilate, em Blumenau. "A juíza viu naquilo uma atitude típica da valentia da raça e gostou tanto que lhe deu o título de Melhor da Exposição."

A semelhança com o Dobermann, raça famosa como guardiã, não é à toa. Ambos descendem de um mesmo ancestral, o Pinscher Standard, do qual não se têm notícias aqui. "Comparo o Pinscher ao Dobermann pela aparência e pelo temperamento. Ele rosna e ataca para defender o dono", afirma Nilberto. "É um barato um cão tão pequeno com ferocidade tão grande; é a melhor raça miniatura por reunir as qualidades de guarda e companhia." Até adestradores de cães de guarda confirmam: "A territorialidade é inata ao Pinscher; se julgar necessário, avança, mesmo sem treino", fala o adestrador da Pires Segu-rança, Carlos Rangel. "Se um estranho entra em casa, o Pinscher faz 'cara de Dobermann', rosna, arreganha os dentes e ataca", endossa Rose Mary.

É claro que o ataque de um Pinscher não detém uma pessoa adulta. Mas tanta hostilidade é um empecilho aos mal-intencionados. E o escândalo de um Pinscher diante de um suspeito é ouvido à distância. "Fico tranqüila, pois sei que a Brasinha, minha Pinscher, vai latir feito louca se encostarem na porta", garante a dona, Pérola Vieira Augusto. "É tão alerta que ao dormir parece estar ouvindo o que acontece", complementa." E está. É Vania quem confirma: "Os meus dormem com as orelhas se mexendo na direção de onde vêm os sons." Zanizar Rodrigues da Silva, que cria Dobermanns e tem um Pinscher dentro de casa, vai mais longe: "A Babalu tem uma sensibilidade incrível; late para barulhos externos antes dos cães de guarda que ficam fora de casa."

LIMITES

A raça é comunicativa. "Tem um código de latidos que transmite a urgência das situações", afirma Vania. A criadora há três anos pelo Canil Little King, em São Paulo, Janete Prado Ribeiro, endossa: "Se late freneticamente é coisa séria, se dá um ou dois latidos é só para conversar comigo ou, por exemplo, mostrar que a vasilha de água está vazia", ilustra.Enquanto um bom Pinscher late para avisar o dono de alguma coisa, seja perigo, falta de água ou de atenção, há outros que latem até para a sombra. E se um bom Pinscher não ataca à toa, mas apenas se provocado, há outros que mordem até a brisa. É aí que entra o limite estreito entre a valentia e a inconveniência. São os Pinschers que o ultrapassam que dão à raça a fama de neurótica, que late sem parar e tenta morder todo mundo. "É comum este cão ser taxado de 'histérico'", lamenta Nilberto. Vania concorda: "É inevitável que muita gente torça o nariz ao falar do Pinscher e o acuse de nervosinho." Elizabeth dimensiona o problema: "Cerca de 80% dos compradores potenciais se preocupam com isso."

Um dos motivos para o problema é a educação. Muitas vezes, o porte diminuto do Pinscher o sugere apenas como cão de companhia. Sua faceta de guardião é desconhecida por muita gente. "É normal acharem engraçadinho um cão tão pequeno reagir latindo e rosnando e estimulam isso", declara Vania. "Uma amiga minha acha graça um dos meus Pinschers reagir ferozmente quando ela finge me bater", comenta. "E conheço proprietários que, sem querer, neurotizaram seus cães com atitudes semelhantes." Rose Mary confirma: "O Pinscher é um guarda. Não deve ser mimado, nem estimulado a latir, a rosnar e a avançar, sob pena de se tornar um chato." A experiente Vania está agüentando a conseqüência de mimar em excesso. "Minha fêmea, a Splash, é ciumenta e não deixa outros cães e pessoas se aproximarem de mim sem avançar", conta. "Quando a faxineira limpa meu quarto, se não prendo a Splash, ela late sem parar e, se enfrentada, morde mesmo."

Veterinários experientes com a raça observam com freqüência Pinschers que tiveram educação inadequada. Ailton Blois já tratou de cerca de dois mil exemplares e afirma que 30% deles têm desvios por falta de voz de comando do dono. "Na consulta, por exemplo, se o cão ficar agressivo e latir, o dono em vez de afagá-lo deve impor que se comporte." O veterinário Ruy Trevisol Bittencourt, com mais de 4 mil clientes da raça em 15 anos de profissão, observa o problema em um terço dos exemplares: "Há donos que enquanto seus Pinschers latem e tentam morder pessoas e cães na sala de espera da clínica, ficam falando manso e não dão comandos, estimulando-os a agir errado." A veterinária Irce Luz, que já cuidou ao redor de 1,5 mil Pinschers, analisa que quem permite ao Pinscher fazer o que quer, contribui para o comportamento exaltado. "Esse cão é agitado, morde e late demais, mas se acalma se o dono sai da sala."

Há também Pinschers que nascem com defeitos de caráter, de origem genética. Acasalamentos errados, como entre dois cães muito latidores e agressivos, reforçam essas características. "Cerca de um terço dos Pinschers que atendo tem desvios temperamentais herdados", avalia Blois. "Afirmo isso, pois a maioria dos meus clientes compra de criadores cujos cães eu conheço." O desejo de obter Pinschers cada vez menores, sem selecionar outras características como o bom temperamento, também é um caminho para o cão se tornar infernal. "Cruzar deixando de lado o temperamento característico da raça pode resultar em comportamento instável", afirma a especialista em reprodução animal, Silvia Crusco.

Outro motivo que reforça a agitação é explicado pelo fisiologista animal, Gilberto Xavier, da USP. Os bichos menores, mesmo entre indivíduos da mesma espécie - e isso vale para a natureza em geral - têm o metabolismo mais intenso; queimam mais energias que outro animal maior. "É fundamental considerar o ambiente que esse cão terá no dia-a-dia, mas de forma geral, um exemplar menor tende a ser hiperativo, reagindo mais rápido ao estímulo." Muitos criadores creditam o excesso de agressividade também a uma hipótese não reconhecida pela ciência. "Cães menores se sentem mais ameaçados frente ao mundo - para eles, tudo é maior e mais assustador - e se tornam mais agressivos", cita a cinóloga Hilda Drumond, defensora da idéia.

A mestiçagem existe com freqüência na raça. "A maioria, atualmente, é feita com Chihuahuas ou Terriers Brasileiros", fala Nilberto.

"Além disso, o plantel atual tem vestígios de Pinschers mestiços com o Toy Manchester Terrier, que receberam Registro Inicial até a década de 70", acrescenta Hilda. Ainda que seja impossível traçar um perfil comportamental quando o assunto é mestiçagem, a experiência dos criadores e veterinários entrevistados é que o resultado costuma ser um cão mais agressivo e latidor que o bom Pinscher.

Segundo Bloys, cerca de 10% dos Pinschers que atende são mestiços e apresentam tal comportamento. "Cuidei de cerca de 50 mestiços que tendiam a uma maior agressividade e agitação", declara Irce.

"Se a mistura for com Chihuahua, o cão é mais latidor do que se misturado com Terrier Brasileiro", observa Ruy, que já consultou por volta de mil mestiços e também os considera mais nervosos.

ESCOLHA

Comprar um exemplar com pedigree é a maior garantia contra mestiços. Mas pelo físico do cão dá para ver se houve mestiçagem. Nilberto esclarece: "Sangue de Chihuahua traz orelhas laterais, olhos saltados e arrendondados e o crânio também arredondado, em forma de maçã. O Pinscher puro tem crânio chato, orelhas em pé e olhos amendoados." Hilda explica alguns sinais da mistura com o Terrier Brasileiro: "Tamanho um pouco maior; manchas brancas na pata, na ponta dos dedos e na ponta da cauda; pés tendendo a ovais; garupa redonda; tendência a 'costela de barril' e ângulo do ombro mais aberto que os 45o habituais." Não é recomendável procurar pelo menor tamanho. O padrão dá o limite de 25cm. Abaixo disso, além do risco de cães mais agitados, as proporções físicas tendem a ser menos perfeitas.

Analise os pais e os outros exemplares do canil. Veja se não são agressivos e latidores. Por último, não bobeie na educação: reprima-o, com vigor, mas sem violência, sempre que latir demais ou ficar bravo em situações injustificadas. Estimule-o, com elogios, quando agir corretamente ou obedecer ao seu comando.
Os problemas mais comuns ao Pinscher são os que atingem raças pequenas. O veterinário Trevisol alerta para a alimentação: em excesso causa infecção intestinal; gordura ou temperos provocam infecção intestinal grave, com sangue nas fezes. A dentição dupla (quando os dentes de leite não caem), segundo Ailton Blois, afeta 40% dos Pinschers que atende. A veterinária Neusa Mary Morikawa, de Mogi das Cruzes, tem cinco casos em cada dez. Os dentes de leite são arrancados para dar espaço aos permanentes e não favorecer o tártaro. A luxação da patela (deslocamento do joelho), hereditária, atinge, nos casos de Ailton, 20% dos exemplares. O osso costuma voltar de forma espontânea ao local - cirurgia só em casos raros.

A necrose da cabeça do fêmur, também hereditária, afeta cerca de 15% dos exemplares da raça que Ailton atende. Remove-se a cabeça do fêmur e coloca-se uma prótese. A displasia coxofemoral (má-formação no encaixe da cabeça do fêmur com a bacia) afeta 10% dos casos consultados por Ailton. Há cirurgia, que não cura mas dá maior conforto. Cerca de 20% dos partos são complicados e exigem cesariana.

PADRÃO OFICIAL

CBKC nº185, de 11/4/94 FCI nº185 d, de 25/6/86

País de origem: Alemanha

Nome no Brasil: Pinscher Anão

Nome no país de origem: Zwergpinscher

Utilização: Companhia, guarda e trabalho

Prova de trabalho: Para o campeonato, independe.

Aparência Geral

O Pinscher Anão é uma versão reduzida do Pinscher, sem as faltas do nanismo (aspecto de anão). Suas características são similares às do Pinscher, embora seu temperamento e comportamento sejam os de um cão pequeno. Este cão miniatura, de pelagem macia, pode ser facilmente mantido no menor apartamento; entretanto cumprirá sua tarefa de cão de guarda.

Detalhes do Padrão

Cabeça: forte, alongada, com occipital não pronunciado. O comprimento total (desde a ponta do nariz ao occipital) em proporção ao dorso (desde a cernelha à base da cauda) é de aproximadamente 1:2. As linhas superiores do crânio e do focinho são paralelas, a testa é achatada e sem rugas.

Stop: leve, mas definido.

Focinho: é profundo, terminando em cunha e de ângulo moderadamente obtuso. A trufa é cheia e de cor preta; variando de acordo com a tonalidade da pelagem, para os cães vermelho e castanho.

Dentes: fortes e de cor branco puro, com mordedura em tesoura.

Orelhas: inteiras - inserção alta, em forma de V, portadas dobradas, caídas rente às faces; as orelhas, naturalmente, pequenas são portadas eretas.

Cortadas: de inserção alta, cirurgicamente aparadas de forma simétrica e portadas eretas.

Olhos: escuros, de tamanho médio, ovais e de inserção frontal. As pálpebras inferiores são firmemente ajustadas, ocultando a conjuntiva.

Pescoço: forte, linha superior de nobre elegância, com a nuca graciosamente arqueada. Seco, com a pele firme na garganta, sem barbelas.

Tronco: peito moderadamente largo, com as costelas chatas, e, seção transversal oval. O antepeito, modelado pelo esterno, projeta-se à frente da articulação do ombro. A linha inferior passa abaixo dos cotovelos, suavemente ascendente na direção caudal, moderadamente acentuada na região da verilha. A distância, desde a última costela até o ilio, é curta, de modo a configurar um cão compacto de acoplamento curto. O comprimento total do tronco é aproximadamente igual à altura na cernelha. O dorso é curto e levemente descendente. A linha superior é elegante e levemente arqueada, desde a forte primeira vértebra da cernelha, passando pelo dorso, até a garupa, levemente arredondada até a raíz da cauda.

Cauda: de inserção alta, é aparada na terceira vértebra e portada erguida. Anteriores: escápula inclinada e bem angulada com o úmero. Os membros são finos, se bem que, fortemente musculados. Vistos de qualquer ângulo, são retos, com os cotovelos trabalhando rente ao tórax.

Posteriores: as coxas são bem anguladas e fortemente musculadas, com os jarretes bem angulados.

Patas: curtas, redondas, com os dedos compactos e bem arqueados (pé de gato), as unhas são escuras, com almofadas grossas e fortes.

Pelagem: curta e densa, suavemente assentada, lustrosa, sem falhas.

Cor: cores sólidas, em várias tonalidades, do castanho ao vermelho cervo, bem como as cores duplas (preto com marcas castanho). Nos cães preto e castanhos, é desejável marcas bem nítidas assim localizadas: nas faces, no focinho, acima dos olhos, sob o queixo, na garganta, dois triângulos no antepeito na altura do esterno, nas patas e membros anteriores, na face interna dos membros posteriores, na região retal e sob a cauda. Altura: de 25 a 30cm na cernelha.

Faltas: aparência muito leve, muito baixo ou roliço, de estrutura pesada, sem substância, aparência franzina, testa pesada ou redonda; cabeça de pardal, cabeça de maçã, rugas na testa; orelhas de inserção baixa ou mal operadas; olhos claros, muito pequenos ou grandes demais; malares salientes, barbela, mordedura em torquês, prognatismo superior ou inferior; focinho curto, pontudo ou estreito; dorso longo demais, carpeado ou selado, garupa caída, cotovelos abertos; jarretes de vaca, posteriores retos demais ou pernas em barril, patas de lebre, passo de camelo, pelagem escassa, pontos coloridos, listas de enguia, sela escura e todas as outras marcações que indiquem descoloração.

Nota: os machos devem apresentar dois testículos, visivelmente normais, totalmente descidos na bolsa escrotal

Fonte: www.petbrazil.com.br

Pinscher

Origem

Alemanha.

Ao contrário do que muitos pensam, não se trata de um Dobermann anão, mas de uma raça definida, descendente dos Pinschers alemães, grandes cães de pêlo liso que antigamente eram muito usados para caçar ratos nas ruas. Esta raça foi reconhecida em 1879.

Porte: Miniatura

Características

Encontrado nas cores preto, caramelo e raramente cinza, o Pinscher Miniatura possui pelagem lisa e curta. Tem porte esbelto, conformação equilibrada e pequena, com altura variando entre 25 cm 32 cm e peso de 3,5 kg a 4,5 kg. A cabeça, proporcional ao corpo, é emoldurada por orelhas erguidas e de inserção alta. Ele é um bom guardião e fácil de educar. É seguro de si e tem aspecto limpo. OPinscher é dócil, brincalhão e agitado. Pula muito e é boa companhia para crianças.

Tamanho de fato não é documento. O Pinscher Miniatura é classificado pela Federação Cinológica Internacional como um cão de guarda. Tudo bem que é o menor de todos nessa classificação, mas, em exposições, desfila lado a lado com Dobermanns, Boxers, Rottweilers e Mastifes.

Pinscher

Fonte: www.criareplantar.com.br

Pinscher

Miniatura Pinscher

Pinscher

Tamanho: de 25 a 30 cm na cernelha pelos padrões da FCI (Federação Internacional de Cinofilia).

Peso: o peso médio fica entre 4 e 7 quilos.

Aparência: corpo bem balanceado; movimentos vivos e energéticos. Vigoroso e alerta.

Pelagem e cor: pêlos curtos e densos, suavemente assentada, lustrosa e sem falhas. Cores sólidas, em várias tonalidades, do castanho ao vermelho cervo ou black-and-tam (preto com marcas castanhas). Nos cães pretos e castanho é desejável marcas castanhas bem nítidas localizadas nas faces, no focinho, acima dos olhos, sob o queixo, na garganta, dois triângulos no peito na altura do externo, nas patas, e sob a cauda.

Cabeça: forte e alongada. A testa deve ser achatada e sem rugas. A mordedura deve ser em tesoura. Os olhos devem ser escuros, ovais e de tamanho médio. As orelhas podem ser cortadas ou não.

Cauda: de inserção alta e portada erguida, deve ser cortada na terceira vértebra.

Expectativa de vida: Acima de 15 anos.

Em Alemão, pinscher quer dizer mordida, que deriva do hábito dos cachorros de pular e morder ferozmente sua caça. Originários do cruzamento de English Black and Tan Terrier, German Pinscher, Dachshund e Italian Greyhound, os cãezinhos dessa raça são considerados cães de guarda, estando classificados pela Federação Internacional de Cinofilia (FCI) no mesmo grupo de outros animais, como o Rottweiler, o Dobermann, o Mastife, o Boxer e o Dogue Alemão.

O Miniatura Pinscher tem características bastante peculiares: personalidade forte, muita energia, apego ao dono, entre outras que o torna perfeito como cão doméstico. Os cuidados com o tratamento desses cachorros não exigem muito esforço por parte dos seus donos. Pelo contrário, para que o pêlo desses animais permaneça sedoso e com brilho intenso, por exemplo, uma escovadinha esporádica dá conta do recado. Além disso, os banhos freqüentes não são muito recomendáveis. Às vezes uma toalha molhada com água morna substitui muito bem as lavagens.

Por ser um animalzinho extremamente perspicaz, e tendo em vista sua tendência a investigador, é extremamente importante tomar cuidado com objetos pequenos soltos pela casa. É muito comum esses cãezinhos ingerirem os objetos que encontrarem pela frente.

Os problemas de saúde que geralmente atingem essa raça são: dentição dupla (os dentes de leite não caem), luxação de patela (deslocamento do joelho) e problemas na cabeça do fêmur.

Ao contrário da maioria dos cães domésticos, os animais dessa raça são exímios cães de guarda. Entretanto, isso não os faz perder o gosto pelas brincadeiras. Também adoram aprender truques.

São cães possessivos e com presença de espírito, curiosos, mas desconfiados com estranhos. E por serem sensíveis e delicados, não devem ser deixados sozinhos com crianças pequenas, porque alguma brincadeira mais bruta pode machucá-los seriamente. Contudo, são excelentes companhias para crianças maiores e adolescentes.

Apesar de terem a fama de histéricos, se bem educados serão uma excelente companhia. Entretanto, os donos desses animais devem estar cientes de que eles não são cães de companhia, pois, caso o contrário, poderão mimar excessivamente o animal tornando-o insuportável. Portanto, o tratamento adequado que deve ser dado aos Miniatura Pinscher é o de um cão de guarda.

Teimosos, orgulhosos e independentes, esses animais não se sentem intimidados quando em contato com animais maiores, muito pelo contrário, enfrentam-os sem o menor receio. Por isso, é indispensável que o dono desse pequeno feroz, seja uma pessoa preparada para enfrentar um cachorrinho invocado Por serem naturalmente dominantes, muitos enfrentam os próprios donos quando contrariados.

Quanto à capacidade de aprendizado, normalmente serão precisas de 15 a 20 repetições antes que esses animais obedeçam de forma imediata. Depois que eles aprendem e adquirem o hábito do novo comportamento, eles geralmente retêm os comandos com uma certa facilidade. Outra característica destes cães é que eles costumam responder logo no primeiro comando. O que os diferencia dos melhores cães em obediência, todavia, é o fato de que eles tendem a demorar um pouquinho mais de tempo entre o comando e a resposta, além disso eles tendem a apresentar um maior grau de dificuldade em se concentrar no comando quando o dono se distancia fisicamente deles. No entanto, dedicação, paciência e persistência são peças-chave para um maior grau de obediência desta raça.

Fonte: www.nordesterural.com.br

Pinscher

O pinscher é um cão de grande mobilidade, aspecto muito elegante e muito sóbrio. É de tamanho médio e sua constituição quadrada, possuindo uma musculatura robusta e forte.

É muito desconfiado come stranhos, e está sempre alerta. Apesar do caráter dócil, é ótimo guarda. O seu pêlo curto e limpo, contribui par ser um bom cão para apartamento. Sua altura fica entre os 40 e os 48 cm., medidos na altura da cernelha.

Seus olhos são escuros, de tamanho médio, cheios de forma ovalada. A cauda, de inserção alta e espessura média, é levada verticalmente.

O pêlo do Pinscher é curto, liso, duro ao tato, forte , brilhante, bem aderido ao corpo

Fonte: www.gregorioadestrador.hpg.ig.com.br

Pinscher

Pinscher

PaísAlemanha

Função Original: Caçar roedores.

Origem: Século XIX. Descendente de tradicionais terriers alemães, essa raça se padronizou a partir do ano de 1895. Forte e atlético, uma das suas principais características é a andadura vulgar, resultante da excessiva flexão dos joelhos.

Temperamento: Muito vivo, inteligente e afetuoso. Nutre um carinho especial pelo dono, tornando-se um pouco ciumento e possessivo certas vezes.

Utilizações: Famoso cão de companhia, é utilizado também como cão de guarda, apesar de ladrar muito.

Fonte: www.animalnet.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal