Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home   Voltar

Urubu Rei



 

Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Cathartidae
Nome científico: Sarcoramphus papa
Nome em inglês: king vulture
Comprimento: até 900 mm
Pés: com 4 garras afiadas
Bico: orte e recurvo
Ovos: 2 de cada vez

Urubu Rei

Os filhotes têm desenvolvimento lento e devem ser treinados pelos adultos. A voracidade dessa ave é por vezes muito útil, especialmente em regiões de clima quente. Quando muitos animais são exterminados por doença, o urubu ajuda a controlar a epidemia comendo os animais mortos e agonizantes.

O urubu rei sobrevoa as planícies e florestas da América do Sul, desde o México até o Norte da Argentina. Raramente ele voa mais alto que 400 metros e nunca é encontrado em regiões desérticas.

Urubu Rei

Essa ave de rapina diurna é chamada urubu rei devido ao respeito que inspira nos outros urubus americanos - o urubu negro, o urubu de cabeça amarela e o condor. Essas aves nunca disputam alimento com o urubu rei; esperam respeitosamente que ele se satisfaça para então comer o que sobra.

Depois de passar a noite empoleirado em um galho baixo, sempre no mesmo lugar, o urubu rei levanta vôo quando o sol nasce e planta acima do topo das árvores. assim que avista uma carcaça, mergulha ruidosamente em direção ao solo e pousa nas proximidades. Por mais fome que tenha, espera cautelosamente durante uma hora. Então, convencido de que não há nenhum perigo, come até mal poder se mover. De barriga cheia, exala um cheiro forte, repugnante

Fonte: www.felipex.com.br

Urubu Rei

Sarcoramphus papa

Família

Cathartidae

Caracterização

Mede 79 cm, envergadura 180 cm, peso 3 kg. Tem uma quantidade grande da cor branca e asas largas, cujo desenho branco e preto é quase igual, tanto na face superior como na inferior. Cabeça e pescoço nus (facilitando na higiene após seus banquetes repugnantes) violáceo-vermelhos, sobre a cera uma carúncula carnosa amarelo-alaranjada, maior e pendente no macho. Um denso colar de penas é geralmente interpretado como um obstáculo à descida do repasto meio líquido à plumagem. O imaturo tem cor de fuligem, sendo reconhecível pelo tamanho. Narinas vazadas. Bico e unhas menos possantes do que nas aves de rapina. O macho pode ser maior que a fêmea.

Habitat

Habita regiões permeadas de matas e campos, distante dos centros urbanos.

Distribuição

Vive do México até à Bolívia, norte da Argentina e Uruguai. No Brasil

Hábitos

Circula bem alto. Locomovem-se no solo a custa de longos pulos elásticos as pernas são relativamente longas. Para a termorregulação abrem as asas e defecam sobre as pernas.

Alimentação, ação sanitária

Como consumidores de carne em putrefação desempenham importante papel saneador, eliminando matérias orgânicas em decomposição. São imunes, aparentemente, ao botulismo, doença que ataca o homem e outras aves por ingestão de alimentos enlatados, como patê, contaminado pela bactéria Clostridium botulinum. As toxinas botulínicas são proteínas, constituindo-se nos mais potentes venenos conhecidos. O suco gástrico dos urubus é bioquimicamente tão ativo que neutraliza as toxinas cadavéricas e bactérias, eliminando perigos posteriores de infecção. Quando são alimentados em cativeiro com carne fresca, são limpos e sem mau cheiro.

Reprodução

Como tantas outras aves de porte, tornam-se maduros apenas com alguns anos de idade. O macho corteja a fêmea empoleirado ou no solo, abre e fecha as asas e exibe a vértice vivamente colorido, abaixando a cabeça; inclinam-se da mesma maneira quando estão desconfiados e observam algo com atenção.

Faz seu ninho em paredões ou sobre árvores altas, no último caso provavelmente aproveitando de um ninho já existente. Põe de dois a três ovos brancos, uniformes. O período de incubação e de permanência dos filhotes e de 50 a 56 dias. Filhote coberto de penugem branca. Quando os filhotes se sentem incomodados vomitam e sopram fortemente.

Os pais revezam-se no ninho, ministrando a seus pequenos comida liquefeita; alimentam os filhotes durante meses.

Manifestações sonoras

São mudos, não possuem siringe (laringe inferior das aves), sabem porém bufar.

Fonte: faunacps.cnpm.embrapa.br

Urubu Rei

Sarcorhampus papa

O papa-defunto

A voracidade dessa ave é por vezes muito mais útil, especialmente em regiões de clima quente. Quando muitos são exterminados por uma doença, o urubu ajuda a controlar a epidemia comendo os animais mortos e agonizantes.

O urubu-rei sobrevoa as planícies e florestas da América do Sul, desde o México até o norte da Argentina. Raramente ele voa mais alto que 400 metros e nunca é encontrado em regiões desérticas. Essa ave de rapina diurna é chamada urubu-rei devido ao respeito que inspira nos outros urubus americanos - o urubu negro, o urubu de cabeça amarela e o condor. Essas aves nunca disputam o alimento com o urubu-rei; esperam respeitosamente que ele se satisfaça para então comer o que sobra.Depois de passar a noite empoleirado em um galho baixo, sempre no mesmo lugar, o urubu rei levanta vôo quando o sol nasce e plana acima do topo das árvores.

Assim que avista uma carcaça, mergulha ruidosamente em direção ao solo e pousa nas proximidades. Por mais fome que tenha, espera cautelosamente durante uma meia hora. Então, convencido de que não há nenhum perigo, come até mal poder se mover. De barriga cheia, exala um cheiro forte, repugnante

Filo:Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Cathartidae

Características

Comprimento: até 900 mm
Pés: com 4 garras afiadas
Bico: orte e recurvo
Ovos: 2 de cada vez

Os filhotes têm desenvolvimento lento e devem ser treinados pelos adultos

Fonte: www.achetudoeregiao.com.br

Urubu Rei

Família: Cathartida
Espécie: Sarcoramphus papa
Comprimento: 79 cm
Envergadura: 180 cm
Peso: 3 kg.

Embora presente em todo o Brasil, é mais comum nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Encontrado também do México à Colômbia, Bolívia, Peru, norte da Argentina e Uruguai. Habita regiões de florestas com clareiras (campos, pastagens) distantes de centros urbanos. É visto normalmente voando bastante alto, sozinho ou aos pares, raramente em grupos de vários indivíduos.

Destaca-se dos outros urubus - com os quais eventualmente se associa por períodos não prolongados - pelo desenho branco e preto da asa e pela cauda muito curta, o que lhe dá uma aparência arredondada em vôo. Faz ninho em buracos de troncos, em florestas úmidas, pondo 1 ovo de cor branca. Conhecido também como corvo-branco, urubu-real, urubu-branco, urubutinga, urubu-rubixá e iriburubixá.

Fonte: avebranca.com.br

Urubu Rei

Urubu Rei

Ordem: Cathartiformes
Família: Cathartidae
Nome popular: Urubu-rei
Nome em inglês: King vulture
Nome científico: Sarcoramphus papa
Distribuição geográfica: América central e do sul, até o norte argentino.
Habitat: Florestas e campos.
Hábitos alimentares: Carnívoro necrófago.
Reprodução: Postura de um ou dois ovos, incubados de 53 a 58 dias.
Período de vida: Estimado em aproximadamente 40 anos

O Urubu-rei recebeu este nome de sua exuberante coloração, presente principalmente na cabeça, e de seu forte bico. Mas também por ser o primeiro animal a conseguir abrir as partes mais difíceis de seu alimento, como a carcaça de um grande animal morto, sendo só então seguido por outras aves necrófagas, que se aproveitam da carcaça já aberta para se alimentarem.

É vulnerável à extinção, pois é o único urubu brasileiro que é afetado pela destruição de seu habitat, além de ser capturado para tráfico de animais por sua beleza. Possui uma distribuição abrangente, que vai de toda a América Latina até ao sul do México. Habita florestas, mas principalmente áreas de Cerrado.

Sua dieta é estritamente carnívora, mas nunca se alimenta de animais vivos, salvo se estiver faminto e a presa estiver agonizando. E é exatamente durante a alimentação que ele, normalmente de hábitos solitários, é visto com outras aves de rapina, principalmente urubus pretos (que mantêm distância respeitosa). Mesmo com outros da sua espécie, só se encontra nestas ocasiões ou, claro, em época reprodutiva.

Urubu Rei

Na estação de reprodução que vai de julho a dezembro, o casal escolhe um local sem muito capricho, ou simplesmente aproveita um ninho já existente para fazer a postura dos ovos que são em número de 1 a 2. A incubação é longa durando de 53 a 58 dias. Enquanto a fêmea choca os ovos, o macho sai a procura de alimento para ambos. O casal pode se revezar na incubação. Quando o filhote está nascendo, a fêmea ajuda a tirar a casca do ovo delicadamente, e quando finalmente o animal sai do ovo possui apenas penas brancas e com o passar dos dias seu aspecto lembra uma bola de algodão. Logo é alimentado pelos pais com regurgito. Atinge a maturidade sexual aos 3 anos, quando já apresentam coloração típica.

Assim como os adultos, os filhotes quando incomodados vomitam e sopram fortemente para afastar o intruso. Caso este se aproxime demais, o urubu-rei defende-se com as garras e, principalmente, com seu poderoso bico.

Daniela Gerdenits

Fonte: www.zoologico.sp.gov.br

Urubu Rei

Urubu Rei

Locais de observação

Cerradão, Cerrado, Mata ciliar rio Cuiabá, Mata ciliar rio São Lourenço, Mata Seca.

Você encontra essas informações na página 58 do Guia das Aves

O maior e mais colorido dos urubus, tem até 3 vezes o tamanho das outras espécies. Sua envergadura é de 1,80m. Ao contrário dos outros urubus, é todo negro até o sexto mês de idade. A partir daí, começa a adquirir a plumagem branco amarelada do corpo; só as penas da cauda e as longas penas da asa continuam negras (foto). É um processo de até 4 anos de duração. O pescoço é todo colorido, alaranjado ou vermelho. Essas cores fazem um intenso contraste com o olho branco, cor já exibida pela ave juvenil.

Pousa nas árvores mais altas da mata, onde costuma dormir. Bota um único ovo no chão da mata ou no meio de pedras, em morros, mas com cobertura vegetal densa. O choco dura de 53 a 58 dias, com o casal revezando-se ou somente a fêmea incubando. O macho é levemente maior do que a fêmea. Ao nascer, está coberto com uma fina penugem branca, mantida nas primeiras semanas de vida.

Quando está sobrevoando uma área, chama a atenção o contraste entre o negro da cauda e asas com o corpo todo branco do adulto. Para diferenciar do cabeça-seca, a grande altura, a cabeça e pescoço são pequenos e pouco notáveis, bem como os pés não aparecem depois da cauda, como naquele.

Urubu Rei

Freqüenta carniças com os outros urubus, onde devido a seu tamanho, deixa as outras espécies afastadas, parecendo ser o rei entre elas. Aparentemente, espera que os outros urubus encontrem a carniça através do cheiro ou da visão. Quando as espécies menores estão pousando para alimentar-se, esse comportamento denuncia a presença de carniça e o urubu-rei aproveitase disso para chegar à fonte de alimentação. Em geral, um ou dois adultos, eventualmente algumas aves juvenis, estão em uma carniça. Isso parece indicar a existência de território, onde as aves adultas evitam a presença de outros urubus-rei. Em algumas carcaças grandes, é possível se observar mais adultos.

Está presente em toda a RPPN, mais facilmente visualizado no meio do dia, em seus vôos altos ou espiralados nas correntes de ar quente ascendente. Em algumas ocasiões, aparece pousado nas praias ou árvores das margens do rio Cuiabá e São Lourenço.

Fonte: www.avespantanal.com.br

Urubu Rei

Urubu Rei

O urubu-rei (Sarcoramphus papa)-Lineu1958 é uma ave pertencente à família Cathartidae, um Falconiformes. É considerada ave de rapina, presente em zonas tropicais a semitropicais com altitudes inferiores 1200 metros, desde o México até o norte da Argentina, incluino praticamente todo território brasileiro.

Esse bicho possui características corporais importantes, que justificam seu majestoso nome. Possui medidas próximas a 180 cm de envergadura, 80 cm de comprimento, peso entre 3 e 5 kg. Apresenta nuance de cores que o destacam de seus parentes, predomina a cor branca em seu corpo e asas largas, há mesclado de preta e desenhos quase iguais em ambas as cores, tanto na face superior como na inferior.

A cabeça e pescoço são nus/pelados, com coloração violáceo-vermelhos, sobre a cera uma carúncula carnosa amarelo-alaranjada maior e pendente no macho, olhos brancos cercado de vermelho, bico rosado. Sua vocalização é péssima, são mudos, só sabem bufar. Não possui garras, porém, bico forte capaz de rasgar couros de animais avantajados.

O pescoço e cabeça pelados são interpretados como facilitador a higiene e o denso colar de penas na parte inferior funciona como um obstáculo à descida de restos líquidos e pastosos de carcaças podres à plumagem, que os deixam com cheiro repugnante de nauseabundo. Quando se alimentam de carne fresca ficam limpos e não apresentam mau cheiro. Apesar de bonito é considerado um porcalhão, defeca e suja suas próprias pernas; acredita-se que não com intenção de ficar "cheiroso" e sim de regular a temperatura corporal.

Esse bicho vive bastante, décadas e, como diversas outras aves de porte imponente, conseguem voar há grandes alturas, porém, preferem alturas até 400m, possuem visão e olfato agussado, se locomovem no chão através de pulos elásticos. Tornam-se maduros apenas com alguns anos de idade. Ao acasalamento que acontece através do cortejo empoleirado ou no solo, o macho abre e fecha as asas e exibe a vértice vivamente colorido, abaixando a cabeça.

A nidificação se dá em paredões ou sobre árvores altas, costuma aproveitar ninhos já existentes. A postura é de dois a três ovos de cor branca e o período de incubação e permanência dos filhotes nos ninhos gira entre 50 a 56 dias, são cuidados pelo casal que se reveza no ninho e os alimentam com comida liquefeita. Os filhotes possuem penugem branco-fuliginosa. Quando se sentem ameaçados vomitam e sopram fortemente com intenção de afastar a ameaça com aquela "coisa cheirosa". Eles possuem crescimento lento, são treinados constantemente pelos adultos e demoram ser independentes.

Provavelmemte outro motivo que lhe atribuiu rei no nome, seja o respeito que impõe aos seus parentes americanos, o urubu negro, o de cabeça amarela e majestoso condor. Ao chegar numa carcaça de animal morto ou agonizante, se alimenta pacienciosamente enquanto os outros esperam respeitosamente sem incomodar, sem competir, se contentando com as sobras. Normalmente depois do urubu-rei de alimentar é vez do urubu-de-cabeça-vermelha, por isso hierarqueicamente conhecido como "urubu-ministro".

Outro quesito relevante é a capacidade do seu organismo neutralizar os potentes venenos produzidos em estado cadavérico. Por exemplo, o botulismo não faz mal a ele e pode ser letal a outros animais. Essa condição e voracidade são ambientalmente muito úteis, especialmente em regiões de clima quente quando há mortandade de animais por doença, os urubus ajudam a controlar as epidemias comendo os animais mortos e agonizantes, eliminando o potencial contaminante.

Apesar desse bicho se fazer presente numa vasta área geográfica e possuir poucos predadores naturais, não se vê muito por aí. Fato proporcionado pela baixa reprodutiviade, degradação de seus habitats e pela caça, ora justificada por ataques a animais domésticos, ora como objeto de um simples troféu ao caçador. Há regiões onde já se encontra na categoria de espécie ameaçada de instinção e se for considerado que esse bicho não é muito chegado aos centros urbanos e nem em regiões deserticas, gostanto apenas de ambientes florestais permeados por campos em que a situação de conservação da espécie na natureza torna-se mais delicada.

Carlos Alberto Schicoski

Fonte: www.bananaguia.com

Urubu Rei

Urubu Rei

Ave falconiforme da família dos catartídeos (Gypagus papa). Caracteriza-se pelo colorido variado de sua plumagem.

Vivendo à base de carne putrefata, embora também comam frutas, detritos diversos e eventualmente até excrementos, os urubus realizam uma importante tarefa sanitária. Seu suco gástrico é bioquimicamente tão ativo que neutraliza os efeitos das toxinas da carniça e das bactérias sobre seu organismo, anulando assim o perigo de infecções decorrentes da ingestão de coisas podres.

Urubu é nome comum de algumas aves da ordem dos falconiformes, família dos catartídeos, que ocorrem no continente americano do Canadá à Argentina. Seus correspondentes, no Velho Mundo, são os abutres da família dos acipitrídeos, dos quais os urubus se distinguem por certos traços de comportamento e por características anatômicas secundárias.

A espécie mais vista no Brasil, freqüente em bandos nas periferias urbanas, é o urubu-de-cabeça-preta ou urubu-comum (Coragyps atratus), de 62cm de comprimento e 143cm de envergadura, cuja plumagem negra apresenta discretas áreas esbranquiçadas nas extremidades das asas. A cabeça e o pescoço, nus, são cinza-escuros.

O urubu-de-cabeça-vermelha (Cathartes aura), também chamado de urubu-peru, jereba, urubu-caçador ou urubu-campeiro, de 56cm de comprimento e 180cm de envergadura, tem as asas e a cauda bem mais compridas e estreitas que as do urubu-comum. Raro em cidades, é típico de matas e campos de todo o Brasil. Além da cabeça, tem também o pescoço vermelho ou cor-de-rosa. Bem semelhante a ele, embora um pouco menor, é o urubu-de-cabeça-amarela ou urubu-peba (Cathartes burrovianus), mais comum no Nordeste e na Amazônia.

Nas mesmas regiões, e também no Centro-Oeste, ocorre o urubu-rei (Sarcoramphus papa), também chamado de urubu-branco ou corvo-branco, de 79cm de comprimento e 180cm de envergadura. Tem asas largas, com plumagem preta e branca, de padrão quase igual nas duas faces, e voa a grandes alturas, sempre distante das cidades. A cabeça e o pescoço, nus, são arroxeados. Sobre o ceroma, membrana que reveste a base do bico, há uma excrescência carnosa alaranjada, maior no macho. Na base do pescoço, nota-se um colar de penas cinzentas.

Com os sentidos da visão e do olfato particularmente apurados, os urubus localizam de muito longe as matérias em decomposição das quais se nutrem. Um alvo de apenas trinta centímetros pode ser detectado por eles de uma altura de três mil metros. Abandonando-se às correntes ascendentes de ar quente, são capazes de elevar-se com um dispêndio mínimo de energia, e mostram-se exímios nos longos vôos planados, que ora são apenas passeios, ora viagens de inspeção para localizar a presença de comida ao redor.

Os machos assumem posturas bem definidas para cortejar as fêmeas, pulando no chão de asas abertas, abrindo e fechando as asas ou lançando-se com estrépito, para encontrá-las, em vôos nupciais efetuados a pique. O urubu-comum é o mais sociável dos catartídeos e seus casais, no meio de um bando, se mantêm unidos.

Os ninhos, sempre camuflados, são feitos entre rochas, em árvores ocas, no topo de palmeiras. As fêmeas põem de dois a três ovos brancos (Sarcoramphus) ou manchados (Coragyps, Cathartes). O período de incubação, conforme a espécie, varia de 32 a 56 dias. Os filhotes, a princípio cobertos de penugem branca, são alimentados pela mãe e o pai, durante meses, com comida liquefeita.

Fonte: passaroazul.br.tripod.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal