Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Teoria Sintética da Evolução  Voltar

Teoria Sintética da Evolução

A Segunda Revolução Darwiniana

O avanço da ciência raramente é constante e regular. Tal avanço, entretanto, não pode ser descrito nos termos de Thomas Khun, como uma série de revoluções separadas por longos períodos de ciência normal.

Preferivelmente, quando estudamos disciplinas científicas particulares, observamos grandes irregularidades: algumas teorias tornam-se da moda, outras malogram; alguns campos gozam de considerável consenso entre seus pesquisadores, outros campos são divididos em vários, com rixas calorosas entre eles. Esta último caso se aplica muito bem a biologia evolutiva do período entre 1859 e 1940.

A oposição à seleção natural continuou inabalada por mais uns oito anos após a publicação da Origem. Salvo uns poucos naturalistas, dificilmente havia um único biólogo, muito menos um biólogo experimental, que tivesse adotado a seleção natural como causa exclusiva da adaptação. Alguns pensaram que a redescoberta das leis de Mendel em 1900 levaria a uma mudança de atitude imediata com relação a seleção natural, mas este não foi o caso. As descobertas da genética deixavam claro, agora, que o material genético era particulado (conseqüentemente a herança não poderia ser por mistura), e, do mesmo modo que a herança era rígida (isto é, não permitia qualquer herança de caracteres adquiridos). Contudo, os principais Mendelianos ? Bateson, deVries e Johansen ? não adotaram a seleção natural. Eles atribuíam a mudança evolutiva a pressão de mutação.

Pelos anos de 1920 a maioria dos estudantes de evolução pertenciam a uma das três disciplinas biológicas: genética, sistemática, ou paleontologia.

Eles diferiam quanto aos seus interesses e tipo de conhecimento que possuíam. Os naturalistas (tanto sistematas como paleontólogos) não estavam suficientemente familiarizados com os avanços da genética feitos após 1910, e, deste modo, eles argumentavam contra conceitos evolutivos errôneos dos Mendelianos, achando que este era, ainda, o ponto-de-vista da genética. Os geneticistas, por sua vez, ignoravam a rica literatura sobre variação geográfica e especiação; conseqüentemente, nada nos escritos evolutivos de T.H.Morgan, H.J.Muller, R.A.Fischer, ou J.B.S. Haldane poderia explicar a multiplicação das espécies, a origem de táxons superiores, ou a origem de novidades evolutivas.

Além disso, os dois grupos lidavam com níveis hierárquicos diferentes: os geneticistas com a variação intra-populacional ao nível gênico, os naturalistas com a variação geográfica das populações e das espécies. Quando geneticistas e paleontólogos, ou geneticistas e taxonomistas se reuniam, naquela época, suas respectivas experiências eram tão diferentes que eles aparentemente eram incapazes de se comunicar um com o outro.

Todavia durante os anos 1920 novos fundamentos foram deixados para um eventual consenso que iria surgir. Tanto a herança por mistura, como a herança branda foram definitivamente refutadas pelos geneticistas, durante este período. A ocorrência de mutações espontâneas, também foi firmemente estabelecida, algo que os fisicalistas deterministas do século dezenove foram incapazes de aceitar. Morgan e sua escola, bem como, Edward East e Erwin Baur descobriram que a maioria das mutações tinha apenas pequenos efeitos no fenótipo e não eram como as grandes mutações imaginadas pelos primeiros Mendelianos. Neste período a diferença entre genótipo e fenótipo foi esclarecida e ficou compreendido que, o que é selecionado é o genótipo como um todo e não genes individuais.

Portanto, a recombinação genética em vez da mutação foi vista como a fonte imediata da variação genética disponível para a seleção. A maneira como a seleção atua na população ficou muito mais bem compreendida à luz desses novos conhecimentos.

Inexplicavelmente, em poucos anos chegou-se a um amplo consenso entre geneticistas, sistematas e paleontólogos. O termo "síntese evolutiva" foi introduzido por Julian Huxley (1942) para designar a aceitação de uma teoria evolutiva unificada pelos campos anteriormente rivais dos evolucionistas. Como pôde este inesperado consenso surgir de maneira tão rápida? Duas oficinas foram organizadas em 1974, nas quais uma resposta para esta questão foi procurada (Mayr e Provine 1980). Ficou claro que a síntese de pontos-de-vista opostos foi possível quando um grupo de taxonomistas ? Sergei Chetverikov, Theodosius Dbzhansky, E. B. Ford, Bernhard Rensch e eu mesmo ? ficou familiarizado com a genética pós-Mendeliana (isto é a genética de populações) e desenvolveu um Darwinismo moderno que combinava os melhores elementos tanto da genética como da sistemática. Além disso, George Gaylord Simpson foi responsável por trazer a paleontologia e a macroevolução para a nova síntese. Ele foi capaz de mostrar que o fenômeno estudado pelo paleontólogo ? isto é, a macroevolução, ou evolução acima do nível das espécies ? está consistente com as descobertas da genética moderna e com os conceitos básicos do Darwinismo. O mesmo foi mostrado na Alemanha por Rensch e na América por Stebins.

O novo consenso foi anunciado e promovido pela Genética e a Origem das Espécies (1937), de Dobzhansky, seguido por Evolution: The Modern Synthesis (1942), de Huxley; Systematics and the Origin of Species (1942), de Mayr; Tempo and Mode in Evolution (1944), de Simpson; Neuer Probleme der Abstammungslehre (1947), de Rensch, e Variation and Evolution in Plants (1950), de Stebbins. Estes autores freqüentemente se referiam como os arquitetos da nova síntese evolutiva. A seleção dessas obras, entretanto, é um tanto quanto arbitrária; também devemos incluir entre os arquitetos da nova síntese, alguns evolucionistas que publicaram antes de 1937, tais como Chetverikov, Sumner, Stresemann, Fisher, Haldane, e Wright.

A Natureza da Síntese Evolutiva

O que ocorreu durante o período de 1936 à 1950, quando a síntese aconteceu não foi uma revolução científica; mais propriamente houve uma unificação de campos previamente mal divididos.

A síntese evolutiva é importante porque ela nos ensina como uma tal unificação pôde ocorrer: nem tanto por novos conceitos revolucionários, mas mais por um processo de saneamento pela total rejeição das teorias errôneas e das crenças, que haviam sido responsáveis pelas divergências anteriores. Entre as realizações construtivas da síntese estava a descoberta de uma linguagem comum entre os diferentes campos, e um esclarecimento de muitos aspectos da evolução e de seus conceitos básicos.

O período da síntese não foi um período de grandes inovações mas sim de educação mútua. Os naturalistas, por exemplo, aprenderam dos geneticistas que a herança é sempre rígida, nunca branda. Não há nenhuma influência herdável do ambiente, nenhuma herança dos caracteres adquiridos. A tese de Weismann1 foi finalmente adotada depois de mais ou menos cinqüenta anos, quando proposta pela primeira vez. Outra descoberta dos geneticistas, os caracteres particulados, foi também, finalmente adotada. Muitos naturalistas até aquela época tinham dividido os caracteres em Mendelianos (particulados), os quais não consideravam evolutivamente importantes, e, graduais ou combinados, os quais, seguindo Darwin, eles consideravam como sendo o verdadeiro material da evolução.

A aceitação destas duas descobertas da genética ajudaram na refutação das três maiores teorias evolutivas que rivalizavam com a seleção natural desde a publicação da Origem (Bowler, 1983). Estas teorias, como temos visto, eram (1) neo-Lamarckistas (a herança dos caracteres adquiridos) e outras formas de herança branda; (2) teorias autogenéticas baseadas na crença de um progresso evolutivo dirigido a um fim determinado (ortogênese, nomogênese, aristogênese e princípio ômega); (3) e as teorias da evolução saltacionais, as quais postulavam a rápida emergência de formas de vida drasticamente novas (mutações deVriesiana). Talvez nenhum autor tenha contribuído mais para a refutação destas três teorias do que G. G. Simpson, com Tempo and Mode (1944) e Meaning of Evolution (1949).

Mas a síntese não foi apenas a aceitação geral, pelos naturalistas, dos princípios da genética de populações. Para compreender as realizações da nova síntese, deve-se apreciar o quão tipológica e saltacionista era a visão evolutiva dos primeiros Mendelianos (Provine 1971). Esta é uma mal interpretação da história típica dos Whig 2, portanto, de cunho liberal ? para igualar o Mendelismo com a genética. Para estar certo, tanto um como o outro concordam na sua rejeição da herança por mistura e da herança branda. Por outro lado, a visão evolutiva de Bateson, deVries, e Johannsen foi rejeitada durante a nova síntese (Mayr e Provine 1980). De fato, o neo-Lamarckismo parecia explicar a evolução melhor do que a teoria saltacionista dos Mendelianos.

A principal realização da síntese, então, foi desenvolver uma visão unificada sobre a natureza da mudança genética.

Darwin, aceitando o conceito geral sobre este assunto, achava que haviam dois tipos de variação: a variação drástica, freqüentemente referida como sports e as variações pequenas, representadas pelas variações quantitativas ou graduais. Para Darwin, a variação gradual é que era importante na evolução.

Por contraste, os Mendelianos insistiam que novas espécies originavam-se por mutações drásticas. A pesquisa genética feita por Nilsson-Ehle, East, Castle e Morgan durante o início do século vinte mostrou claramente que variantes drásticas e outras muito pouco diferentes eram apenas os extremos de um espectro que variava continuamente, e que o mesmo mecanismo genético estava envolvido nas mutações de todos os graus de diferença.

Esta descoberta teve importantes conseqüências. Permitiu uma reconciliação entre os Mendelianos e aqueles que estudavam a herança dos caracteres quantitativos, a construção de uma ponte entre a micro e a macroevolução, e o mais importante foi a refutação do credo do essencialismo. Não há uma essência das espécies, mas cada indivíduo tem um genótipo altamente heterogêneo (o qual varia de indivíduo para indivíduo). A crença em dois tipos de variação foi ainda difundida até 1930, mas a nova maneira de interpretar a variação genética tornou-se completamente vitoriosa durante a nova síntese (Sapp 1987).

A compreensão de que a variação gradual poderia ser explicada em termos de herança Mendeliana (particulada) também levou ao final de qualquer crença na assim chamada herança por mistura. Isto foi auxiliado pela clara distinção entre fenótipo e genótipo, como mostrado por Nilsson-Ehle, East, e outros; uma completa "combinação" de caracteres de fenótipos foi possível a despeito das particularidades discretas de fatores genéticos básicos.

A contribuição dos naturalistas

Por causa dos avanços da genética, algumas vezes afirma-se que síntese evolutiva era meramente a aplicação da herança Mendeliana para a biologia evolutiva.

Esta formulação ignora dois importantes fatores. Um deles é que o geneticista, particularmente o experimental e o matemático, tem que obter tanto do naturalista como o naturalista do geneticista. E, segundo, a estrutura conceitual da biologia evolutiva foi muito enrriquecida pelos conceitos e fatos da história natural que estavam conspicuamente ausentes nos escritos dos geneticistas.

Por exemplo, a evolução, definida pelos geneticistas como "mudança das freqüências gênicas nas populações", era vizualizada essencialmente como um fenômeno estritamente temporal.

Isto está refletido na afirmação de Muller: "A especiação não representa qualquer estágio absoluto na evolução, mas ela sucede gradualmente por diferenciações raciais, bem como por diferenciações mais genéricas" (Muller 1940:258). Em todos os seus escritos os geneticistas se concentraram totalmente no componente temporal da evolução. Os paleontólogos, por necessidade, sempre pensaram a evolução em termos de seqüências verticais, até unirem suas idéias com a tradição horizontal dos naturalistas (Eldredge e Gould 1972). Uma das mais importantes contribuições dos naturalistas, os herdeiros de Darwin, foi trazer o pensamento geográfico para a nova síntese. O problema da multiplicação das espécies, a existência de espécies politípicas, o conceito biológico de espécie, o papel das espécies e da especiação na macroevolução, e muitos outros problemas evolutivos podem ser tratados somente com o auxílio da evolução geográfica.

A incorporação da dimensão geográfica foi de particular importância para a explanação da macroevolução. Os paleontólogos, por muito tempo estão cientes de uma contradição aparente entre os postulados de Darwin sobre o gradualismo, confirmado pelo trabalho da genética de populações, e as atuais descobertas da paleontologia. Seguindo as linhas filéticas através do tempo parece revelar somente mudanças graduais mínimas mas nenhuma clara evidência para qualquer mudança de uma espécie em um gênero diferente ou para a origem gradual de uma novidade evolutiva. Qualquer coisa verdadeiramente nova sempre parece surgir abruptamente no registro fóssil. Durante a nova síntese, ficou claro que desde que novas saídas evolutivas parecem ocorrer quase que invariavelmente em populações localizadas, não é surpreendente que o registro fóssil não reflita estas seqüências. Uma abordagem puramente vertical é incapaz de resolver esta contradição aparente.

Uma contribuição igualmente importante feita pelos naturalistas foi a introdução do pensamento populacional na genética. O Mendelismo era fortemente tipológico a mutação versus o tipo selvagem. E mesmo mais tarde, no pensamento de muitos geneticistas, não apenas Morgan e Goldschmidt mas mesmo Muller em sua pesquisa para o genótipo perfeito, e R.A. Fisher, pode-se detectar um forte componente essencialista. O pensamento populacional, com sua ênfase na singularidade de todo indivíduo da população, foi trazido para a genética por Chetverikov e seus estudantes (incluindo Timofeeff-Ressovsky), por Dobzhansky, e por Baur. Com poucas excessões (por exemplo, a poliploidia), todo fenômeno evolutivo é simultaneamente um fenômeno genético, bem como populacional.

Finalmente, os naturalistas, ou pelo menos alguns deles, tentaram substituir a formulação estritamente reducionista da maioria dos geneticistas por uma mais holística. A evolução, eles diziam, não é apenas uma mudança na freqüência dos genes da população, como os reducionistas afirmavam, mas é ao mesmo tempo um processo relacionado aos órgãos, comportamento, e as interações dos indivíduos e populações. Nesta atitude holística os naturalistas concordavam com os biólogos do desenvolvimento.

O Triunfo da Seleção Natural

A síntese foi uma reafirmação da formulação Darwiniana de que toda mudança evolutiva adaptativa é devido a força direcionadora da seleção natural sobre a variação abundantemente disponível. Hoje estamos tão acostumados a formulação Darwiniana, que nos esquecemos como esta formulação é dirente das explanações dos oponentes de Darwin naquela época.

Desde o início os naturalistas, na tradição de Darwin, tem sido os mais fiéis defensores da seleção natural, mas como Darwin, quase todos eles acreditavam simultaneamente numa herança branda. Agora que esta forma de herança estava decisivamente refutada, os maiores defensores da seleção natural estavam entre os naturalistas.

Não há nenhuma boa história sobre a aceitação da seleção natural por geneticistas. Chetverikov, Timofeeff-Ressovsky, e Dobzhansky vinham de uma forte tradição Russa (Adams, 1980). Em nenhum outro país a seleção natural teve uma base de apoio tão difundida como na Rússia. Mas por razões ideológicas e políticas o estabelecimento bem-sucedido da genética foi apagado pelo regime de Stalin e em seu lugar foi colocado o charlatão Lysenko e seus lacaios. Na Inglaterra havia uma forte tradição selecionista na Oxford (Lankester, Poulton, e assim por diante), mas para os Mendelianos clássicos a seleção natural não tinha utilidade, e nos Estados Unidos o pensamento de Morgan tinha muito da tradição Mendeliana. Uma segunda tradição nos Estados Unidos, todavia centrada na Instituição Bussey de Harvard (Castle, East, Wright) ? adotou aparentemente a seleção sem qualquer reserva. Na França, Lwooff do Instituto Pasteur parece ter sido o primeiro selecionista consistente, seguido por Ephrussi, L’Héritier, e Teissier. Mas mesmo agora os selecionistas parecem estar em minoria entre os biólogos Franceses. Em todos os países exceto a USSR, o selecionismo gradualmente cresceu em vigor, nos anos seguintes à nova síntese.

É compreensível que nos primeiros estágios da nova síntese a presença universal da seleção natural fosse muito enfatizada, já que um considerável número de Lamarckistas ainda estava presente entre os velhos evolucionistas. Contudo, logo que este estágio passou desenvolveu-se uma tendência em direção ao reconhecimento de outros fatores. Os biólogos modernos diferem de Darwin e dos primeiros neo-Darwinianos quanto a maior relevância que dão ao papel dos processos estocásticos. O papel da sorte não é apenas durante o primeiro estágio da seleção natural ? a produção de indivíduos únicos e geneticamente novos por meio da recombinação e da mutação ? mas também durante o processo probabilístico que determina o sucesso reprodutivo destes indivíduos. Toda sorte de restrições previne para sempre a realização da "perfeição". Mesmo que a seleção natural seja, de fato, um processo de otimização, a existência de numerosas influências contrárias pode torná-la irrealizável.

A unificação da biologia evolutiva realizada pela síntese retrata esta descrição da seguinte maneira: A evolução gradual se dá pela ordenação da variação genética pela seleção natural, e todo fenômeno evolutivo pode ser explicado em termos dos mecanismos genéticos conhecidos. Isto era uma extrema simplificação, considerando-se que o processo na biologia organísmica de uma maneira geral é altamente complexo, freqüentemente envolvendo diversos níveis hierárquicos e soluções pluralísticas. A função da biologia evolutiva após a síntese de 1940 foi converter a teoria, grosseira, da evolução, numa teoria mais realista e refinada.

Não mais restritos à defesa do Darwinismo, os seguidores da síntese evolutiva, no decorrer de uma análise mais detalhada, começaram a desafiar as diferenças que ainda existiam, não apenas entre as tendências reducionistas dos geneticistas e do ponto de vista organísmico dos sistematas e dos paleontologistas, mas também no que concerne a outros aspectos da teoria evolutiva.

Baseado no livro One Long Argument: Charles Darwin and The Genesis of Modern Evolutionary Thought de Ernst Mayr. Harvard University Press. Trad. Antonio Carlos Bandouk.

1 Weismann, a partir de 1881, defendia a tese a favor da herança rígida, ou seja, contra a teoria dos caracteres adquiridos.

2 Membro de um partido político inglês do século XVII e XIX favorável a mudanças socias e políticas

Fonte: www.geocities.com

Teoria Sintética da Evolução

A teoria sintética da evolução apóia-se na análise dos seguintes fatores evolutivos: mutação , recombinação, seleção natural, migração e oscilação genética.

Mutação gênica

As mutações gênicas originam-se de alterações na seqüência de bases nitrogenadas de um determinado gene, durante a duplicação da molécula de DNA. Essa alteração pode ser devida a perda, adição ou substituição nucleotídeos , originando um gene capaz de codificar outra proteína.

As mutações gênicas são consideradas as fontes primárias da variabilidade, pois aumentam o número de alelos disponíveis em um locus, condição que incrementa o conjunto gênico da população . Embora ocorram espontaneamente , podem , no entanto ser provocadas por agentes mutagênicos , como radiações e certas substâncias químicas ( LSD, por exemplo).

As mutações ocorrem ao acaso, de modo que não é possível prever o gene a ser mutado nem relacionar a existência de mutação com a adaptabilidade às condições ambientais. As mutações não ocorrem para adaptar o indivíduo ao ambiente ; elas ocorrem ao acaso e, por seleção natural, São mantidas quando são adaptativas ( seleção positiva ) ou eliminadas no caso contrário ( seleção negativa).

As mutações podem ocorrer em células somáticas ou em células germinativas sendo, neste último caso, de fundamental importância para a evolução , pois são transmitidas aos descendentes.

Recobinação genética

Enquanto a mutação gênica é a fonte primária da variação genética, pois através dela é que são formados genes "novos" , a recombinação é um mecanismo que reorganiza os genes já existentes nos cromossomos.

O mecanismo primário de recombinação genética é a reprodução sexuada, que se realiza em duas fases consecutivas:

Gametogênese ( formação de gametas)

Fecundação ( união do gameta masculino com feminino).

Durante a gametogênese , a célula germintiva diplóide sofre meiose, produzindo quatro gametas - células haplóides que contêm um cromossomo de cada par de homólogos. Como se sabe , os cromossomos segregam-se independentemente, o que possibilita grande número de combinações entre os cromossomos , dando origem a várias tipos de gametas. O número de tipos diferentes de gametas produzidos por um indivíduo diplóide é dado por 2n, onde n = lote haplóide de cromossomos.

Na espécie humana , em que n = 23 ( 23 pares de cromossomos), o número de gametas diferentes produzidos por um indivíduo é 223 =8388602, número válido tanto para o homem quanto para a mulher . O número de encontros possíveis entre esses gametas na fecundação é (8388602) 2, cujo valor aproximado é de 70 trilhões de zigotos possíveis . Dessa forma, a probabilidade de dois irmãos serem iguais é praticamente nula.

Todas as considerações feitas até agora não incluíram a ocorrência de crossing-over, que aumenta a variabilidade genotípica uma vez que estabelece novas combinações entre os genes e aumenta o número de tipos diferentes de gametas.

Formados os gametas pode ocorrer:

Fecundação cruzada : união entre gametas de indivíduos diferentes, mas da mesma espécie:

Autofecundação: união entre gametas masculinos e femininos produzidos pelo mesmo indivíduo.

Populações de indivíduos que apresentam fecundação cruzada têm maiores possibilidades de aumentar a variabilidade genética sem adição de genes novos ( por mutação , por exemplo) do que populações de indivíduos com autofecundação.

A variabilidade genética é importantes pra a sobrevivência da espécie. Nesse sentido , até bissexuados desenvolveram , ao longo de sua evolução , vários mecanismos que dificultam a autofecundação e favorecem a fecundação cruzada , possibilitando desse modo , aumento na variabilidade > Através da recombinação genética uma população pode aumentar sua variabilidade genética sem adição de genes novos, produzindo por mutação ou por imigração de indivíduos de outras populações.

Seleção natural

A seleção natural é o principal fator evolutivo que atua sobre a variabilidade genética da população. Pode-se dizer , simplificadamente, que a evolução é o resultado da atuação da seleção natural sobre a variabilidade genética de uma população.

A ação da seleção natural consiste em selecionar genótipos mais bem adaptados a uma determinada condição ecológica, eliminando aqueles desvantajosos para essa mesma condição.

A expressão mais bem adaptado refere-se à maior probabilidade de, em um determinado ambiente, um determinado indivíduo deixar descendentes. Os indivíduos mais bem adaptados a um ambiente têm chance maior de sobreviver e de deixar descendentes.

A seleção natural tende, portanto, a diminuir a variabilidade genética. Desse modo, quanto mais intensa for a seleção natural sobre uma determinada população, menor será a sua variabilidade, pois apenas alguns genótipos serão selecionados.

A seleção natural atua permanentemente sobre todas as populações . Mesmo em ambientes estáveis e constantes, a seleção natural, que age de modo estabilizador, está presente, eliminando os fenótipos desviantes.

Melanismo industrial

O Melanismo industrial é um fenômeno observado em regiões altamente industrializadas. É caracterizado pelo aumento da freqüência gênica de indivíduos com coloração escura; por isso o termo Melanismo. Um exemplo clássico de melanismo industrial é o da mariposa Biston betularia, em regiões industrializadas da Inglaterra.

Antes do incremento da industrialização, a maioria das mariposas apresentava coloração esbranquiçada, sendo raras as de coloração escura. Os indivíduos dessa espécie têm o hábito de pousar sobre troncos de árvores que, em locais não poluídos, são cobertos por liquens, os quais dão ao tronco coloração clara. Nesses locais, ao pousar sobre os troncos cobertos por liquens, as mariposas claras não são tão visíveis quanto as mariposas escuras, que se tornam, assim, presas fáceis de seus predadores- os pássaros.

Com o incremento da industrialização, a fumaça e a fuligem lançadas pelas fábricas provocam a morte dos liquens, deixando os troncos das árvores expostos.

Dessa forma, o substrato utilizado pelas mariposas para pouso adquiriu coloração escura e, com isso, as mariposas claras tornaram-se mais visíveis que as escuras. Com o tempo, a forma escura começou a predominar sobre a clara, devido à atuação de seleção natural.

Como pode ser observado nesse exemplo, a alteração gradativa de uma condição ambiental determinou alteração na freqüência gênica de uma população em um determinado sentido, como resposta à seleção natural.

Resistência a antibióticos ou a inseticidas

A resistência de bactérias a antibióticos e de insetos a inseticidas tem aumentado muito nos últimos anos, havendo sempre a necessidade de se desenvolverem novos antibióticos e novos inseticidas.

A resistência a esses produtos ocorre do seguinte modo: os indivíduos estão adaptados a uma determinada condição ambiental; se introduzirmos no meio uma certa quantidade de determinado antibiótico ou de inseticida, haverá grande mortalidade de indivíduos, mas alguns poucos, que já apresentavam mutações que lhes conferiam resistência a essas substâncias, sobreviverão. Estes, por sua vez, ao se reproduzir, originarão indivíduos com características que se distribuem em torno de um outro tipo médio.

Se estes indivíduos forem submetidos a doses mais altas das substâncias em questão, novamente haverá alta mortalidade e sobreviverão apenas aqueles que já tiverem condições genéticas de resistir a doses mais altas de droga, podendo-se observar um deslocamento da média dascaracterísticas no sentido da maior resistência a uma determinada substância.

Anemia falciforme ou siclemia

A Anemia falciforme ou siclemia é uma anomalia que ocorre na espécie humana, determinada por um gene letal em dose dupla. Esse gene condiciona a formação de moléculas anormais de hemoglobina. Essas hemoglobinas "anormais" têm pouca capacidade de transporte de oxigênio e, devido a isso, as hemácias que as contêm adquirem o formato de foice quando a concentração de oxigênio diminui. Por essa razão são chamadas hemácias falciformes.

Entre o gene para siclemia e o seu alelo que determina a síntese de hemoglobinas normais, não há relação de dominância.

Os indivíduos heterozigotos apresentam tanto hemácias e hemoglobinas normais como hemácias falciformes: apesar de ligeiramente anêmicos, sobrevivem, embora com menor viabilidade em relação aos homozigotos normais.

Em condições ambientais normais, o gene para anemia falciforme sofre forte efeito seletivo negativo, ocorrendo com freqüência baixa nas populações. Observaram-se, entretanto, altas freqüências desse gene em extensas regiões da África, onde há grande incidência de malária.

Essa alta freqüência deve-se ao fato de que os heterozigotos para anemia falciforme são mais resistentes à malária. Os "homozigotos normais" correm alto risco de morte por malária e os "homozigotos para a anomalia" morrem de anemia. O heterozigoto, entretanto, apresenta, sob essas condições ambientais, superioridade adaptativa, propiciando a alta taxa de um gene letal na população.

Migração

Migração corresponde à entrada ou saída de indivíduos denomina-se imigração e a saída, emigração.

Através dos processos imigratórios, há possibilidade de serem introduzidos genes novos em uma população. Assim, se indivíduos emigrarem de uma população para a outra da mesma espécie, poderão introduzir ali genes novos e contribuir para o aumento da variabilidade genotípica da população para a qual imigraram.

Através das migrações é estabelecido um fluxo gênico, que tende a diminuir as diferenças genéticas entre as populações de uma mesma espécie.

Oscilação genética ou deriva genética

Este processo ocorre apenas em populações pequenas. Nestas, qualquer alteração ao acaso pode produzir alterações na freqüência genotípica, o que não ocorre em populações grandes. Assim, os desvios estatísticos adquirem importância especial quando se verificam em populações pequenas, pois podem até mesmo eliminar determinados genótipos.

Um caso particular de oscilação genética é o princípio do fundador, que se refere ao estabelecimento de uma nova população a partir de poucos indivíduos que emigram da população original. Esse indivíduos serão portadores de pequena fração da variação genética da população de origem e seus descendentes apresentarão apenas essa variabilidade, até que genes novos ocorram por mutação. O princípio do fundador determinar, assim, uniformemente genética e fenotípica. Além disso, essa pequena população sofrerá os efeitos dos vários fatores evolutivos já discutidos, podendo originar indivíduos diferentemente adaptados.

O estabelecimento de populações pelo princípio do fundador parece ser um dos métodos mais comuns de dispersão de inúmeras espécies de animais e de plantas.

Fonte: www.biologia-ar.hpg.ig.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal