Breaking News
Home / Biologia / Cultivo de Orquídeas

Cultivo de Orquídeas

PUBLICIDADE

Orquídeas – O que são

As orquídeas são plantas tropicais apreciadas por suas flores delicadas. Existem muitas espécies de orquídeas, mas geralmente requerem cuidados semelhantes. Mudas de orquídeas brotam de sementes e, com os devidos cuidados, acabam por produzir flores.

Para obter melhores resultados, as mudas de orquídeas devem ser plantadas em vasos dentro de casa. Eles requerem um ambiente úmido, temperaturas moderadas e crescem melhor em áreas com sombra.

Cultivar orquídeas a partir de sementes é um processo complicado e as mudas resultantes devem ser manuseadas com muito cuidado.

Mudas jovens de orquídeas devem ser plantadas em pequenos vasos com 5 a 7 cm de diâmetro. Eles exigem um solo rico para plantio, que pode ser comprado em um viveiro ou feito pela combinação de carvão, casca e perlita.

A muda deve ser colocada delicadamente no vaso, com solo adicionado livremente ao redor de suas raízes. As raízes da planta requerem muito oxigênio para crescer, por isso é importante que o solo não fique muito apertado ao redor da planta.

Essas plantas crescem nos trópicos do mundo, onde se desenvolvem em clima quente e úmido. Na maioria dos outros climas, as mudas de orquídea crescerão melhor se forem plantadas dentro de casa, onde a temperatura pode ser controlada. Uma muda sensível requer que a temperatura seja de pelo menos 18 °C durante a noite e 23 °C durante o dia.

Enquanto as orquídeas crescem bem em temperaturas quentes, as mudas não devem ser expostas a temperaturas acima de 28 °C.

Cultivo de Orquídeas
Orquídea

Ao plantar mudas de orquídeas, elas devem ser mantidas úmidas, mas não molhadas. Uma técnica comum de rega envolve colocar pequenas pedras de jardinagem em uma bandeja e, em seguida, enchê-la com água até chegar ao topo das pedras. Os vasos em que as mudas são plantadas podem ser colocados em cima dessas pedras, e a umidade será puxada para o solo pelo fundo do vaso.

Um borrifador também deve ser usado para borrifar as mudas com água todos os dias.

Embora a planta da orquídea seja uma muda, ela não requer muita luz solar. Nunca deve ser deixada no parapeito de uma janela que receba sol, pois a planta se dá melhor em uma área sombreada.

Conforme as mudas crescem, elas devem ser fertilizadas uma a duas vezes por semana com um fertilizante líquido formulado para orquídeas. O jardineiro deve ser paciente após o plantio de mudas de orquídea, pois elas geralmente requerem de 18 a 24 meses de cuidado antes que as flores desabrochem.

Orquídeas – Família

As orquídeas não têm igual: elas são incrivelmente belas, delicadas, de longa floração, de vida longa, fascinantes em fragrância e forma e extremamente variadas.

Poucos prazeres em jardinagem superam a emoção de ver orquídeas florescer e florescer.

Antes raras e caras, as orquídeas agora superam todas as outras plantas domésticas, superando até mesmo as violetas, crisântemos e poinsétias africanas.

Isso ocorre porque as técnicas modernas de clonagem permitem a produção em massa de plantas, e o cultivo que costumava levar sete anos desde a semente até o florescimento agora leva apenas dois.

A família das orquídeas é uma das maiores no reino das plantas com flores: mais de 25.000 espécies crescem naturalmente em todos os continentes, exceto na Antártica.

A maior concentração de variedades de orquídeas encontra-se nas regiões tropicais do mundo, nomeadamente na Ásia e nas Américas do Sul e Central. Na maior parte da América do Norte, as orquídeas devem ser cultivadas em ambientes fechados (as exceções incluem espécies nativas, como o chinelo de senhora).

Cada orquídea possui um labelo característico, altamente evoluído, uma pétala que se projeta em uma flor de três pétalas e três sépalas, algumas fundidas.

Cada orquídea evoluiu para atrair um polinizador específico, o que levou à enorme variedade de aparência das orquídeas.

As orquídeas são epífitas (crescimento do ar) ou terrestres (crescimento da terra); a maioria das orquídeas tropicais são epífitas. Na natureza, as epífitas se agarram às árvores e tocos, sugando a umidade da névoa e da chuva e das folhas em decomposição.

A orquídea pertence a uma família de plantas subdividida em mais de 1.800 gêneros e cada gênero possuí de uma a centenas de espécies. O numero total de espécies oscila em torno de 35.000, espalhadas pelos quatro cantos do mundo. O gênero Isabelia, por exemplo possui duas espécies. O gênero Cattleya possui cerca de 70 espécies.

E o gênero Bulbophyllum tem mais de mil espécies.

As orquídeas mais populares são dos gêneros (C) Cattleya, (L) Laelia (Lê-se Lélia), (Onc) Oncidium (uma das espécies é conhecida como Chuva de ouro), (Milt) Miltônia, (Dent) Dendrobium, (V) Vanda, (Pha) Phalaenopsis (lê-se falenópsis), (Paph) Paphiopedilum, conhecido como sapatinho (lê-se pafiopedilum).

Orquídeas – Morfologia

Cultivo de Orquídeas
Orquídea

 

A flor de uma orquídea é formada por três sépalas e três pétalas bastante desenvolvidas. As sépalas têm a função de proteger a flor em botão e, após desabrochadas, tornam-se tão coloridas quanto as pétalas. As pétalas intercalam-se com as sépalas, sendo que uma delas se diferencia das demais na forma e coloração, recebendo o nome de labelo. O labelo tem a função de atrair os insetos polinizadores, garantindo assim a sua produção.

O órgão reprodutor de uma orquídea é constituído de quatro partes:

Coluna
Antera
Estigma e
Ovário

Coluna ou ginostêmio: órgão carnudo e claviforme que se projeta do centro da flor, resultando da fusão dos órgãos masculino (estame) e feminino (carpelo).

Antera: contém os grãos de pólen agrupados em 2 a 8 massas chamadas polinias.

Estigma: depressão de superfície viscosa, órgão receptivo feminino onde são depositadas as polinias durante a polinização.

Ovário: local onde se desenvolve a cápsula das sementes após a fecundação.

Quando ocorre a polinização, o estigma se fecha, e flor começa a secar e o ovário inicia a formação da cápsula.

Na maior parte das espécies a cápsula com as sementes leva de seis meses a um ano ate o amadurecimento. Cada cápsula pode conter até 500 mil sementes ou mais.

Estas sementes são muito pequenas e constituídas apenas do embrião, ou seja, não possuem substancias nutritivas de reserva para serem utilizadas na fase de germinação. Em contrapartida, têm alta capacidade de dispersão, pois são facilmente levadas pelo vento, garantindo, assim a perpetuação da espécie.

Classificação por habitat

De acordo com o lugar de origem, as orquídeas são classificadas como: epífitas, Terrestres, ou Rupicolas.

Epífitas: São a maior parte das orquídeas. Vivem grudadas em tronco de arvores, mas não são parasitas, pois realizam a fotossíntese a partir de nutrientes absorvidos pelo ar e pela chuva. E não sugam a seiva da árvore.
Terrestres: 
são as que vivem como plantas comuns na terra. Mas é uma porcentagem muito pequena em relação às epífitas. Alguns exemplares mais cultivados são Cymbidium, Phaius, Paplhiopedilum, Arundina, Neobenthamia, Bletia. Apesar de plantas terrestres, aceitam muito bem o plantio em xaxim desfibrado e outros substratos casca de coco, pinus, carvão etc.
Rupicolas:
 são as que vivem sobre rochas. Não vivem agarradas a uma pedra lisa, mas fixada nos liquens e folhagens decompostas acumuladas nas fendas e partes rebaixadas de pedra.

A Família Orquídea

Cultivo de Orquídeas
Orquídea

A família das orquídeas (também conhecida como Orchidaceae) é a maior família de plantas com flores do planeta, com cerca de 30.000 espécies. É também uma das famílias de plantas mais antigas – se desenvolvendo há cerca de 84 milhões de anos.

Por serem tão antigas, as orquídeas tiveram muito tempo para se desenvolver em organismos muito especializados.

É especificamente a flor da orquídea, e não a folhagem, que se desenvolveu dessa maneira especializada. Embora as orquídeas pareçam muito exóticas, elas são, em sua essência, plantas muito primitivas.

O sistema vascular em suas folhas não é tão desenvolvido quanto as plantas mais modernas e isso leva a uma folhagem que nem sempre é muito impressionante. Seu pólen também é muito primitivo – uma poeira fina, tão fina quanto os esporos das samambaias, que se concentra em “pacotes” conhecidos como polínias. Como esse pólen só vem em pacotes que não podem flutuar livremente no ar, as orquídeas são inteiramente dependentes de um polinizador – e ao longo de suas eras de desenvolvimento, elas modificaram suas flores para enganar uma grande variedade de polinizadores para transportar seu pólen de uma flor para outro.

Fonte: www.almanac.com/www.cactoslucia.com.br/oregonorchidsociety.org/www.wisegeek.com/www.orchids.uk.com/www.extension.iastate.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.