Breaking News
Home / Biologia / Angiospermas

Angiospermas

PUBLICIDADE

Angiospermas – Definição

As angiospermas são uma divisão importante da vida das plantas, que constituem a maioria de todas as plantas da Terra.

As plantas angiospermas produzem sementes envoltas em “frutas”, que incluem as frutas que você come, mas que também incluem plantas que você pode não pensar como frutas, como sementes de bordo, bolotas, feijão, trigo, arroz e milho.

As angiospermas também são conhecidas como “plantas com flores” porque as flores são uma parte característica de sua estrutura reprodutiva – embora, novamente, você nem sempre reconheça suas flores como as belas pétalas coloridas em que você pensa ao ouvir a palavra.

Angiosperma é qualquer planta produtora de flores. Angiospermas compõem a divisão Magnoliophyta pertencente ao Sub-reino Embryophyta do Reino Plantae.

Etimologia: do grego “angeîon”, que significa “receptáculo” + “spérma”, que significa “semente”.

As angiospermas evoluíram entre 250-200 milhões de anos atrás. Eles rapidamente ganharam uma vantagem sobre o tipo de planta anteriormente dominante – gimnospermas – por dois motivos.

O uso de flores pelas angiospermas para se reproduzir tornou-as mais bem-sucedidas reprodutivamente. Enquanto as gimnospermas dependiam principalmente do vento para alcançar a reprodução sexual por meio da transferência de pólen – que contém as células reprodutoras masculinas das plantas – para os ovários das plantas femininas, as angiospermas usavam flores cheirosas e de cores vivas e néctar açucarado para atrair insetos e outros animais.

Esse processo de cooperação, pelo qual animais como as abelhas polinizam flores em troca de néctar, tornou as angiospermas mais bem-sucedidas reprodutivamente.

As angiospermas também começaram a envolver suas sementes em frutas, o que tanto fornecia nutrição e proteção extra para suas plantas descendentes, quanto criava novas maneiras de cooperar com os animais.

Muitos frutos de angiospermas, como suas flores, foram projetados para atrair animais para comê-los.

Em muitos casos, as sementes passariam com segurança pelo trato digestivo dos animais, sendo carregadas para longe da planta-mãe no processo. As sementes acabariam sendo excretadas na matéria fecal, que, como um bônus adicional, costuma ser muito rica em nutrientes para as plantas. Isso permitiu que as angiospermas se propagassem amplamente.

Hoje, as angiospermas representam cerca de 80% de todas as espécies de plantas da Terra.

As gimnospermas, que incluem pinheiros, sequoias, árvores gingko e palmeiras, ainda ocupam um lugar importante em vários ecossistemas. Mas muitas espécies de gimnospermas que viviam em florestas pré-históricas agora estão extintas, tendo sido substituídas por angiospermas.

O que são angiospermas?

As plantas são coisas muito dinâmicas, apesar de sua reputação de serena. Eles têm vidas emocionantes, fazem sua própria comida – pelo menos alguns deles fazem – e prestam um grande serviço aos humanos, consumindo dióxido de carbono e produzindo oxigênio. Algumas das plantas mais avançadas são as angiospermas. Essas plantas são vasculares e têm sementes.

O complemento que os torna tão avançados é a capacidade de ter flores.

Rosas são dicotiledôneas, um tipo de angiosperma

A maioria dos membros do reino vegetal possui tubos que transportam água e nutrientes por todo o corpo da planta. Esse tipo de transporte de nutrientes pela água é chamado de sistema vascular.

As plantas que não os possuem são chamadas de plantas não vasculares.

Dicotiledôneas, um tipo de angiosperma, incluem girassóis

Algumas plantas vasculares que possuem sementes são chamadas de gimnospermas. Algumas das gimnospermas mais comuns são árvores coníferas, como pinheiros, cedros, abetos e sequoias.

Esses tipos de árvores também são perenes, capazes de manter suas agulhas mesmo nos meses frios do inverno.

Batatas são monocotiledôneas, um tipo de angiosperma

Ao contrário das gimnospermas, cujas sementes estão expostas ao clima, aos animais e às pessoas, as angiospermas têm suas sementes rodeadas por flores, que podem oferecer proteção incrível.

Muitas dessas plantas têm uma camada interna que envolve a semente, armazenando alimentos e protegendo-os de danos, e uma camada externa que protege a semente dos elementos ou ataques de animais.

As flores também são elementos reprodutivos. O estame produz pólen, que é usado para fertilizar o ovo no carpelo. O resultado são mais sementes.

As angiospermas podem ter um de dois tipos de sementes, monocotiledôneas ou dicotiledôneas. Monocotiledôneas têm um pacote de comida. Eles têm folhas feitas de longos fios e pétalas em grupos de três.

Os monocotiledôneas incluem grama, palmeiras, lírios e milho.

Os dicots têm dois pacotes de comida. Têm flores com quatro ou cinco pétalas e folhas complexas com nervuras. Os dicotiledôneas incluem macieiras, cerejeiras, rosas, girassóis e cactos.

Monocotiledôneas, um tipo de angiosperma, incluem tomates

As angiospermas são muito importantes para a agricultura. A família das monocotiledôneas da grama inclui arroz, milho, trigo, cevada, centeio, aveia, painço, açúcar e sorgo.

As safras dessas plantas são usadas para alimentar pessoas e gado. Outras monocotiledôneas que são cultivadas em grande número para alimentar pessoas e animais são batatas, tomates, pimentões e abóboras.

As árvores frutíferas dicotiledôneas fornecem alimento para pessoas e animais também.

Angiospermas – Plantas

As angiospermas representam o maior grupo das espermatófitas, isto é, plantas com sementes, e é facilmente reconhecido pela produção de flores.

Nas angiospermas, o óvulo (que dará origem a semente) é igual ao das gimnospermas,o outro grupo das espermatófitas, mas o que difere é que está dentro de uma estrutura fechada, conhecida como ovário (que dará origem ao fruto). Então podemos definir as angiospermas, como plantas que produzem sementes e que estão dentro de um fruto.

O maior e mais diversificado grupo de plantas terrestres atuais, são as angiospermas, com pelo menos 300 mil espécies distribuídas no mundo inteiro.

Apresentam grande variação morfológica, sendo que a maioria das espécies são autótrofas, isto é, produz seu próprio alimento pela fotossíntese, mas algumas são saprófitas, que não fazem fotossíntese ou são parasitas, que precisam retirar seu alimento de outras plantas.

Estrutura da Flor das AngiospermasEstrutura da Flor das Angiospermas

Apresentam diferentes formas de vida, podem ser ervas (hortelã), epífitas (orquídea), trepadeiras (maracujá), arbustos (roseira) e árvores(mamão).

Também tem diferentes formas de adaptação aos mais diversificados ambientes, sobrevivem na seca do sertão nordestino (cactos), flutuando em rios (vitória regia) ou até mesmo ficam submersas na água.

A base da alimentação mundial são as angiospermas como, por exemplo, o arroz, o feijão e a batata, além de outras importâncias econômicas, como na construção civil, indústria farmacêutica e indústria têxtil.

As angiospermas apresentam características importantes na reprodução, uma delas é o gametófito feminino e o masculino em uma estrutura específica ao longo do mesmo eixo floral ou na mesma flor.

As flores apresentam estratégias para garantir que a polinização ocorra, consequentemente a fecundação e produção de frutos e sementes.

O esforço em atrair polinizadores ou utilizar recursos abióticos para a transferência do pólen, desenvolveu uma grande diversidade de formas e cores das estruturas florais como, por exemplo, na produção de pétalas vistosas nas flores de ipê e feijão.

Alguns grupos de angiospermas, apresentam estruturas que exalam odor para atrair o polinizador, que pode ser um beija-flor em uma flor de jasmim ou uma mosca em uma flor fedorenta de papo-de peru.

Outra estrutura que chama atenção dos polinizadores são as brácteas grandes e coloridas como no bico-de-papagaio ou nas primaveras.

Angiospermas – Polinização

Polinização

As angiospermas precisam passar por um processo chamado polinização antes de poderem se reproduzir. As angiospermas possuem órgãos sexuais masculinos chamados estames. No final do estame está a antera.

É aqui que o pólen é feito. O pólen deve ser levado ao pistilo ou à parte feminina da flor. O pólen é deixado no estigma no final do pistilo. O estigma carrega o pólen por um tubo chamado estilete até o ovário.

Fonte: Milena Ventrichi Martins/www.wisegeek.org/biologydictionary.net/www.biologyonline.com/nhpbs.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.