Breaking News
Home / Biologia / Íntrons

Íntrons

PUBLICIDADE

Definição

Um íntron é um longo trecho de DNA não codificador encontrado entre os exons (ou regiões codificantes) em um gene.

A sequência de DNA entre os exons que é inicialmente copiada para o RNA, mas é cortada do transcrito final do RNA e, portanto, não altera o código de aminoácidos.

Algumas sequências intrônicas são conhecidas por afetar a expressão gênica.

Um íntron é um segmento não codificante em um comprimento de DNA que interrompe uma sequência de codificação de gene ou sequência não traduzida, sendo o segmento correspondente removido da cópia de RNA antes da transcrição.

Os genes que contêm íntrons são conhecidos como genes descontínuos ou divididos, pois as regiões codificantes não são contínuas.

Os íntrons são encontrados apenas em organismos eucarióticos.

Íntrons – Gene

Um íntron é uma porção de um gene que não codifica aminoácidos.

Nas células de plantas e animais, a maioria das sequências de genes é dividida por um ou mais íntrons.

As partes da sequência do gene que são expressas na proteína são chamadas de exons, porque são expressas, enquanto as partes da sequência do gene que não são expressas na proteína são chamadas de íntrons, porque ficam entre os exons.

O que são íntrons?

O ácido desoxirribonucléico, ou DNA, contém a base do código genético.

Genes são seções de DNA que codificam características particulares de um organismo.

Nem todas as partes do gene são realmente parte do código genético.

Existem seções de DNA que não codificam para nada, que são chamadas de íntrons.

O código genético de um organismo é determinado pela sequência de nucleotídeos que compõe seu DNA. Os trigêmeos de nucleotídeos codificam aminoácidos específicos, que são os blocos de construção das proteínas. A seqüência de aminoácidos determina qual proteína deve ser formada dentro de uma célula. Isso, por sua vez, determina a estrutura e a função da célula.

Para que uma proteína seja criada a partir do DNA, dois processos são realizados.

Primeiro, toda a fita de DNA é transcrita em RNA mensageiro, ou mRNA. Nesse ponto, os íntrons, ou partes desnecessárias da molécula de DNA, são incluídos na molécula de mRNA, que é chamada de transcrito primário.

Esta molécula de mRNA não é funcional e tem que passar por mais mudanças antes de ser traduzida em uma proteína.

Antes de deixar o núcleo, grandes porções do transcrito primário são removidos. Freqüentemente, até dois terços da molécula original são cortados antes que uma molécula de mRNA funcional resulte.

As seções do mRNA que sobrevivem ao processo de remoção são chamadas de exons porque são expressas. As porções do gene que correspondem a esse mRNA funcional também são chamadas de exons.

Cada seção intermediária do transcrito primário que é cortado da molécula, e a região correspondente do gene, é um íntron.

Remover todo e qualquer íntron de um gene pode ser uma tarefa formidável. Alguns genes têm 50 ou mais íntrons ao longo de sua sequência. Um único erro pode fazer com que o mRNA não funcione.

É tarefa das pequenas partículas de ribonucleoproteína nuclear (snRNPs) remover os íntrons de dentro das sequências genéticas.

Pelo menos quatro snRNPs diferentes desempenham um papel na separação dos íntrons da transcrição primária.

Muitos experimentos mostraram que, embora sejam removidos no início do processo, os íntrons são necessários para a criação de moléculas de RNA em funcionamento.

Estudos têm mostrado que o mRNA transcrito de genes que foram fabricados artificialmente para não ter íntrons muitas vezes não conseguem deixar o núcleo.

Outros estudos descobriram que o mRNA com alguns íntrons intactos conseguiu escapar para o citoplasma.

A função real dos íntrons não é clara. Os íntrons parecem fornecer uma função reguladora ao processo de transcrições.

Acredita-se que sua maior importância seja fornecer uma maneira para os genes evoluírem sem ter que depender de mutações.

Íntrons – Exons

Os organismos carregam DNA, que é basicamente um conjunto de instruções sobre como construir e operar o corpo.

O núcleo de cada célula carrega o genoma, que contém esses genes, bem como muitas outras coisas.

Os genes são compostos de seções chamadas exons e introns.

Os exons são transformados em RNA, que é usado pela célula para produzir proteínas.

Os íntrons precisam ser removidos da sequência genômica antes que isso aconteça.

Então, se não precisamos desses íntrons, por que os temos?

Por um lado, permite que a célula produza genes diferentes a partir da mesma sequência genômica. Os próprios íntrons também podem servir a um propósito.

Resumo

Em alguns genes, nem toda a sequência de DNA é usada para fazer proteínas.

Os íntrons são seções não codificantes de um transcrito de RNA, ou do DNA que o codifica, que são processados antes que a molécula de RNA seja traduzida em uma proteína.

As seções de DNA (ou RNA) que codificam proteínas são chamadas de exons.

Após a transcrição, novas fitas imaturas de RNA mensageiro, chamadas de pré-mRNA, podem conter íntrons e exons.

A molécula de pré-mRNA, portanto, passa por um processo de modificação no núcleo denominado splicing, durante o qual os íntrons não codificadores são cortados e apenas os exons codificadores permanecem.

A emenda produz uma molécula de RNA mensageiro madura que é então traduzida em uma proteína.

Os íntrons também são chamados de sequências intermediárias.

Íntrons

Fonte: www.genome.gov/www.cancer.gov/www.news-medical.net/www.researchgate.net/www.mun.ca/www.wisegeek.org/www.nature.com/www.ebi.ac.uk/biologydictionary.net/www.ncbi.nlm.nih.gov

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Palinologia

PUBLICIDADE Palinologia é o estudo do pólen da planta, esporos e certos organismos microscópicos do plâncton (chamados coletivamente de palinomorfos) …

Bioindicador

Bioindicador

PUBLICIDADE Definição Um bioindicador são espécies cujo desaparecimento ou perturbação dá um aviso prévio da degradação de …

Diatomáceas

PUBLICIDADE As diatomáceas são fitoplâncton onipresente que representam a fonte primária de fotossíntese (e produção de oxigênio) …