Breaking News
Home / Biologia / Biodiversidade

Biodiversidade

PUBLICIDADE

A biodiversidade deriva de duas palavras Bio, que significa vida e diversidade, que significa variabilidade.

Biodiversidade é a variedade de todos os seres vivos; as diferentes plantas, animais e microrganismos, a informação genética que eles contêm e os ecossistemas que eles formam.

Refere-se à variedade de vida. Quando a biodiversidade é alta, significa que existem muitos tipos diferentes de organismos e espécies.

Tradicionalmente, existem três níveis: diversidade genética, diversidade de espécies e diversidade de ecossistemas.

Definição

Biodiversidade é definida como “a variabilidade entre organismos vivos de todas as fontes, incluindo, entre outros, ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos dos quais fazem parte; isso inclui diversidade dentro das espécies, entre espécies e ecossistemas.

É a variedade de vida na Terra, em todas as suas formas e todas as suas interações,  é a característica mais complexa do nosso planeta e é a mais vital.

O termo foi cunhado em 1985 – uma contração da “diversidade biológica” -, mas as enormes perdas globais de biodiversidade que agora se tornam aparentes representam uma crise igualando – ou possivelmente superando – a mudança climática.

Mais formalmente, a biodiversidade é composta de vários níveis, começando com genes, depois espécies individuais, comunidades de criaturas e finalmente ecossistemas inteiros, como florestas ou recifes de coral, onde a vida interage com o ambiente físico. Essas inúmeras interações tornaram a Terra habitável por bilhões de anos.

O que é

Biodiversidade refere-se à variação das formas de vida. Pode ser usado para descrever a variação da vida em um único ecossistema, região geográfica ou planeta inteiro.

Muitos biólogos acreditam que a biodiversidade é uma parte importante da sustentabilidade e que quanto mais biodiversidade é uma região, mais saudável ela é.

Como regra geral, a biodiversidade é maior ao redor do equador e menos acentuada nos pólos, devido ao ambiente mais severo e exigente nos pólos.

O termo parece ter sido cunhado em impressão em 1988 por E.O. Wilson, um famoso biólogo.

As preocupações com a diversidade biológica já estavam bem estabelecidas; já em 1975, a Conservação da Natureza estava publicando estudos sobre a diversidade em várias regiões e falando sobre o impacto da diversidade no bem-estar da terra e de outras formas de vida.

Estudos em várias regiões geralmente incluem uma discussão sobre biodiversidade, que pode ser calculada de várias maneiras, variando de rubricas complexas a contagens básicas de quantas espécies diferentes existem.

Um dos maiores benefícios da biodiversidade é a flexibilidade.

Um grande número de espécies únicas pode se adaptar às mudanças nas condições, com o número de várias formas de vida aumentando ou diminuindo para atender a um ambiente em mudança.

A biodiversidade também pode ajudar a tornar as populações naturais mais fortes e saudáveis, promovendo os melhores indivíduos através da competição e da predação.

As culturas de biodiversidade tendem a se sair melhor do que as culturas individuais, e a biodiversidade também contribui para o delicado equilíbrio dos ecossistemas, ajudando a regular a disposição de resíduos, a qualidade da água, a fertilização e os fatores ambientais.

Nos níveis mais baixos, os biólogos examinam a biodiversidade em termos de ecossistemas únicos, às vezes também chamados de biomas. Eles também podem comparar a biodiversidade entre os ecossistemas; por exemplo, duas bacias hidrográficas com condições geográficas e geológicas semelhantes podem ter diferentes níveis de biodiversidade. Alguns biólogos também analisam regiões maiores ou países inteiros; questionar, por exemplo, o impacto da agricultura comercial pesada na biodiversidade de uma nação.

Como planeta, a própria Terra é incrivelmente biodiversa.

O planeta hospeda organismos que variam em tamanho, desde pequenos vírus a enormes baleias, e formas de vida foram descobertas em todos os lugares, desde os ambientes aparentemente hostis ao redor de fontes hidrotermais até as exuberantes regiões tropicais que marcam o equador da Terra.

Muitos biólogos acham que devem ser tomadas medidas para preservar essa biodiversidade, pois beneficia a saúde da Terra como um todo, e mais estudos podem ser necessários para entender as interações exatas de todas as formas de vida na Terra.

A biodiversidade também é simplesmente esteticamente agradável, como muitos visitantes dos trópicos e de outras regiões incrivelmente biodiversas observaram.

Qual é a conexão entre biodiversidade e conservação?

Em qualquer ambiente que possa ser um bioma, um ecossistema ou uma coleção de ecossistemas, geralmente há uma variedade de espécies que compõem os organismos vivos nesse ambiente.

Existem também formações e características naturais de habitat únicas para esse local, que contribuem para um delicado equilíbrio que deve ser mantido para a existência harmoniosa e contínua desse habitat.

A conexão entre biodiversidade e conservação é o fato de que a conservação é um esforço intencional e coordenado, visando o sustento, reparo e promoção do equilíbrio desejado em um habitat.

O esforço na conservação da biodiversidade geralmente é direcionado a alguma parte específica da equação que compõe o habitat ou ecossistema, que é percebido como estando sob algum tipo de ameaça devido a vários fatores naturais ou causados pelo homem.

Uma das maneiras pelas quais a biodiversidade e a conservação estão conectadas está na área de reversão de tendências que levam à extinção de espécies.

Quando for descoberto que o número de membros de uma espécie em particular caiu para um nível muito baixo, os esforços de conservação serão direcionados para abordar os estressores que são a causa dessa tendência.

Um exemplo de uma espécie que está atualmente em conservação é o panda gigante. Parte da razão para o baixo número de pandas gigantes deve-se à perda de seu habitat natural como resultado da industrialização e outras formas de invasão dos seres humanos ao seu habitat natural histórico.

A principal técnica de conservação usada para reverter esse acentuado declínio no número de pandas gigantes inclui o estabelecimento de áreas protegidas que simulam seu habitat natural, como zoológicos e reservas naturais de caça.

A conexão entre biodiversidade e conservação não se limita à conservação de animais. Um exemplo de outro alvo de conservação inclui formações naturais de recifes de coral.

Esses recifes de coral desempenham um papel importante no ecossistema marinho, mas devido a vários fatores, naturais e artificiais, a saúde geral de alguns dos principais recifes de coral em diferentes locais do mundo sofreu um declínio.

Isso levou a esforços direcionados por parte de biólogos marinhos e outros ativistas ambientais preocupados em tentar nutrir os recifes de coral de volta ao seu estado normal. Na maioria das vezes, os esforços de conservação são financiados por vários governos, ou podem ser financiados por doações ou organizações de caridade estabelecidas com o objetivo específico de preservar esse aspecto específico do ecossistema.

Esta corporação entre várias partes interessadas mostra ainda a relação entre biodiversidade e conservação.

O que é diversidade genética?

Diversidade genética é a variação de características hereditárias presentes em uma população da mesma espécie. Ela desempenha um papel importante na evolução, permitindo que uma espécie se adapte a um novo ambiente e lute contra os parasitas. É aplicável a espécies domesticadas, que normalmente apresentam baixos níveis de diversidade.

O estudo da diversidade genética em humanos pode ajudar os pesquisadores a formar teorias sobre as origens humanas.

Os seres vivos contêm em suas células as instruções básicas, ou planos, para seu próprio desenvolvimento. Muitas dessas instruções, chamadas de genes, resultam em características físicas que afetam a maneira como os organismos interagem com seu ambiente. Variações nessas características dentro da mesma espécie dão origem à diversidade genética.

Para uma espécie se adaptar a um ecossistema em constante mudança, um nível significativo de variação deve estar presente. Aqueles indivíduos que possuem características favoráveis continuarão a se reproduzir, enquanto aqueles que não tendem a transmitir suas características para muitos filhos.

As espécies domesticadas geralmente apresentam baixos níveis de diversidade genética. Isso é causado pela seleção artificial, ou criação preferencial, de culturas e animais para características que os humanos consideram preferíveis. Embora isso possa ter resultados positivos a curto prazo, como uma colheita mais rica, a baixa diversidade entre espécies domesticadas apresenta riscos. Um vírus ou cadeia de bactérias recentemente desenvolvida pode invadir uma população de organismos quase idênticos muito rapidamente.

A proteção que a diversidade geralmente oferece em populações selvagens é perdida nesse cenário.

A fome irlandesa de batata entre 1845 e 1852 foi causada por um parasita que invadiu uma grande população de batatas quase idênticas. O parasita era um molde de água chamado Phytophthora infestans.

Essa fome fez com que a população da Irlanda, que era amplamente dependente de batatas como alimento, diminuísse em 20 a 25%.

A diversidade genética humana geralmente varia com base na localização geográfica de uma população. Isso levou biólogos e antropólogos a estudarem esses níveis de diversidade na busca de entender as origens humanas.

Os níveis de diversidade genética na África, por exemplo, foram encontrados como sendo mais altos do que em muitas áreas do mundo. Pesquisadores desenvolveram modelos de origens humanas a partir dessas evidências.

O recente modelo fora da África, que sugere que os humanos modernos têm uma origem comum na África, é um exemplo.

A biodiversidade refere-se ao nível de variação de todos os seres vivos dentro de um ecossistema. A importância da biodiversidade para um ecossistema é análoga à importância da diversidade genética para uma população.

Ambas as formas de diversidade contribuem para a saúde e robustez do sistema maior. Quando esses níveis de diversidade caem, os dois sistemas são menos capazes de se adaptar a um ambiente em mudança.

Resumo

A biodiversidade não é apenas a soma de todos os ecossistemas, espécies e material genético.

Pelo contrário, representa a variabilidade dentro e entre eles.

Pode ser distinguido da expressão “recursos biológicos”, que se referem aos componentes tangíveis dos ecossistemas.

Os recursos biológicos são entidades reais (uma espécie específica de ave, uma variedade de trigo que cresce em um campo, madeira de carvalho, etc.), enquanto a diversidade biológica é um atributo da vida

(a variedade de espécies de aves, a variabilidade genética do trigo em todo o mundo), tipos de floresta etc.).

A diversidade biológica é frequentemente entendida em três níveis:

A diversidade de espécies refere-se à variedade de espécies diferentes (plantas, animais, fungos e microrganismos), como palmeiras, elefantes ou bactérias;

A diversidade genética corresponde à variedade de genes contidos em plantas, animais, fungos e microrganismos. Ocorre dentro de uma espécie, bem como entre as espécies. Por exemplo, poodles, pastores alemães e golden retrievers são todos cães, mas todos parecem diferentes;

A diversidade de ecossistemas refere-se a todos os diferentes habitats – ou lugares – existentes, como florestas tropicais ou temperadas, desertos quentes e frios, áreas úmidas, rios, montanhas, recifes de coral etc. Cada ecossistema corresponde a uma série de complexas relações entre bióticos (seres vivos). ) componentes como plantas e animais e componentes abióticos (não vivos) que incluem luz solar, ar, água, minerais e nutrientes.

Fonte: www.greenfacts.org/www.amnh.org/coral.org/www.wisegeek.org/www.theguardian.com/australianmuseum.net.au/www.synchronicityearth.org/e-csr.net/www.biodiv.be

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Neurobiologia

Neurobiologia

PUBLICIDADE Definição Neurobiologia é o estudo de células do sistema nervoso e a organização dessas …

Esporos

PUBLICIDADE Definição Os esporos são a unidade reprodutiva unicelular de plantas não-florescentes, bactérias, fungos e …

Evolução Convergente

Evolução Convergente

PUBLICIDADE Definição de Evolução Convergente Evolução convergente é o processo no qual organismos que não estão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.