Breaking News
Home / Biologia / Hemodinâmica

Hemodinâmica

PUBLICIDADE

Definição

Hemodinâmica é um ramo da fisiologia que lida com a circulação sanguínea.

O que é

Hemodinâmica é a análise do fluxo sanguíneo e os fatores que podem influenciá-lo.

Em contextos clínicos, a hemodinâmica é uma parte muito importante da avaliação do paciente, porque um fluxo saudável de sangue por todo o corpo é fundamental para o bem-estar do paciente.

Vários fatores podem ter um papel na maneira como o sangue viaja pelo corpo, e um dos objetivos do tratamento clínico é tornar o paciente estável hemodinamicamente ou manter o paciente estável hemodinamicamente se o fluxo sanguíneo não estiver comprometido.

O sangue transporta um suprimento de oxigênio e nutrientes para todos os cantos do corpo, mantendo as células funcionando. Começa no coração, percorrendo uma série de artérias e capilares e depois volta ao coração através da veia, para que possa ser infundido com oxigênio para iniciar o processo novamente.

Uma interrupção do suprimento sanguíneo pode causar a morte do tecido e uma variedade de outros problemas.

O estudo da hemodinâmica inclui o coração e o sistema circulatório, e os pulmões também costumam ser incluídos, pois problemas nos pulmões podem inibir a oxigenação do sangue.

Usando medições como pressão arterial, um médico pode coletar informações sobre o sistema circulatório de um paciente para determinar quão saudável ele é e quais etapas, se houver, precisam ser tomadas para melhorar o bem-estar do paciente.

Como o sistema cardiovascular é tão crítico para a saúde geral, as avaliações hemodinâmicas são frequentemente realizadas em consultas e exames médicos de rotina, além de serem realizadas em situações de emergência para estabelecer informações básicas sobre o paciente.

Além da pressão arterial, os médicos também podem observar a consistência do sangue, pois isso pode interferir no fluxo sanguíneo, além de examinar questões como a rede de válvulas que empurram o sangue pelo corpo e a condição do coração.

Condições cardiovasculares como insuficiência cardíaca congestiva ou vasoconstrição geralmente causam alterações na hemodinâmica do paciente. No hospital, o monitoramento hemodinâmico é comumente usado para procurar sinais de perigo, como aumento ou queda da pressão arterial.

Se um paciente é hemodinamicamente instável, devem ser tomadas medidas para corrigir a instabilidade.

O primeiro passo envolve determinar a causa do problema. Várias coisas podem interagir com o sistema circulatório, variando de hormônios no corpo que direcionam os vasos sanguíneos a se contraírem, lesões traumáticas e perda de sangue associada.

Depois que a causa é identificada, ela pode ser tratada, com o objetivo de restabelecer uma hemodinâmica saudável, para que o suprimento sanguíneo do paciente permaneça estável e consistente.

O sistema hemodinâmico

Os principais elementos do sistema hemodinâmico incluem: frequência cardíaca, volume sistólico, débito cardíaco, resistência vascular sistêmica e pressão arterial.

Frequência cardíaca, ou pulso, é o número de vezes que um coração bate em um minuto.

O volume sistólico é a quantidade de sangue bombeado por um ventrículo quando se contrai.

Com base no volume de pulso e acidente vascular cerebral, podemos calcular o débito cardíaco, que é uma medida de quanto sangue o coração (especificamente, o ventrículo esquerdo ou ventrículo) pode bombear por unidade de tempo.

É calculado usando a seguinte fórmula: Débito cardíaco = Frequência cardíaca x Volume do curso

O volume médio de AVC em humanos é de 75 ml por batimento cardíaco. Com esse volume de AVC, um coração batendo 70 vezes por minuto terá um débito cardíaco aproximadamente equivalente ao volume total de sangue no corpo.

O débito cardíaco é, portanto, uma medida da eficiência com que o coração pode mover o sangue por todo o corpo. Em nossas atividades diárias normais, a produção precisa ser tal que o corpo possa distribuir sangue com base nas demandas impostas a ele. O exercício é um exemplo comum da necessidade de aumento do débito cardíaco.

O débito cardíaco está relacionado à lei de Ohm. A lei de Ohm afirma que a corrente que passa por algum condutor é proporcional à tensão sobre a resistência. Semelhante a um circuito, o caminho do fluxo sanguíneo através do corpo está relacionado à resistência ao fluxo exercido pelos vasos sanguíneos.

A resistência vascular sistêmica é a resistência que o coração deve superar para bombear com sucesso o sangue pelo corpo. O débito cardíaco multiplicado pela resistência vascular sistêmica é igual à pressão arterial.

Quando o débito cardíaco está comprometido (por exemplo, devido à insuficiência cardíaca), o corpo terá dificuldade em gerenciar suas necessidades diárias.

Uma diminuição no débito cardíaco resulta em uma diminuição no oxigênio disponível para os tecidos e órgãos do corpo.

Função

A hemodinâmica começa com o coração, que fornece a força motriz para todo o fluxo sanguíneo no corpo.

O débito cardíaco impulsiona o sangue pelas artérias e veias em função da contração ventricular.

O movimento ventricular resulta do encurtamento dos miócitos cardíacos de forma concêntrica.

Esse movimento de compressão é traduzido no débito cardíaco, que é uma função da freqüência cardíaca e da fração de ejeção (o volume inicial após o enchimento diastólico menos o volume ventricular final após a sístole).

A hemodinâmica representa os princípios que regem esse fluxo sanguíneo e seu comportamento nos vasos sanguíneos.

Resumo

Em termos gerais, a hemodinâmica trata do fluxo e distribuição de sangue e fluidos no corpo.

Para manter a quantidade correta de volumes intravasculares e extravasculares, o corpo deve manter a pressão hidrostática e a pressão osmótica.

Nos vasos, a pressão hidrostática refere-se à pressão que empurra o fluido para dentro do tecido intersticial. No tecido intersticial, a pressão hidrostática empurra o líquido para os vasos. A pressão osmótica, transmitida pela presença de solutos dissolvidos, puxa fluido para os vasos e para o tecido intersticial.

Um desequilíbrio em qualquer uma dessas duas pressões resulta em uma distribuição anormal de fluido nas células ou nos tecidos intersticiais.

O termo usado para descrever quantidades excessivas de líquido nos tecidos intersticiais ou nas células é edema.

A integridade das paredes dos vasos desempenha um papel crítico na manutenção da distribuição normal de líquido nos vasos e tecidos intersticiais.

O processo de coagulação serve para manter a integridade da vasculatura em caso de ruptura da parede vascular.

A coagulação inadequada pode ter conseqüências deletérias, no entanto. Por exemplo, coagulação anormal pode resultar em oclusão do vaso; portanto, o processo deve ser controlado de perto.

Um suprimento adequado de sangue para os tecidos é vital, pois fornece oxigênio e nutrientes às células e remove metabólitos tóxicos das células.

Uma quantidade inadequada de fluxo sanguíneo para um órgão é denominada isquemia.

A isquemia é uma causa importante de disfunção celular e, se grave, muitas vezes leva à morte celular. A área resultante das células necróticas é denominada infarto.

Além da isquemia localizada devido à oclusão dos vasos sanguíneos, pode ocorrer uma isquemia mais generalizada devido à hipoperfusão generalizada do corpo.

Essa hipoperfusão generalizada dos órgãos e o dano resultante nos órgãos são chamados de choque.

O choque pode resultar de uma quantidade reduzida de sangue (ou seja, choque hipovolêmico), falha do coração em bombear efetivamente o sangue (ou seja, choque cardiogênico) ou dilatação generalizada do sistema de vasculatura secundária à infecção (ou seja, choque séptico).

Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/www.thoughtco.com/accessmedicine.mhmedical.com/www.wisegeek.org/www.merriam-webster.com/www.ahajournals.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Interfase

Interfase

PUBLICIDADE Definição de Interfase Antes que uma célula possa se reproduzir, ela precisa executar uma …

Um exemplo importante de dissacarídeos é a Lactose.

Dissacarídeos

PUBLICIDADE Definição dos Dissacarídeos Os dissacarídeos, também chamado de açúcar duplo, é uma molécula formada por …

Pomologia

PUBLICIDADE Definição de Pomologia Pomologia é a ciência do cultivo de frutas. É um ramo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.