Breaking News
Home / Biologia / Testosterona

Testosterona

PUBLICIDADE

Testosterona – Definição

Testosterona é um “hormônio masculino” – um hormônio sexual produzido pelos testículos que estimula o desenvolvimento das características sexuais masculinas, estimula a atividade das características sexuais secundárias masculinas e previne alterações nelas após a castração. Quimicamente, a testosterona é 17-beta-hidroxi-4-androsteno-3-ona.

testosterona é o mais potente dos andrógenos que ocorrem naturalmente. Os andrógenos causam o desenvolvimento de características sexuais masculinas, como voz grave e barba; eles também fortalecem o tônus muscular e a massa óssea.

Altos níveis de testosterona parecem promover uma boa saúde nos homens, por exemplo, reduzindo os riscos de hipertensão e ataque cardíaco.

Níveis elevados de testosterona também se correlacionam com comportamento de risco, no entanto, incluindo aumento da agressividade e tabagismo, o que pode cancelar esses benefícios à saúde.

testosterona pode ser administrada para tratar condições médicas, incluindo câncer de mama feminino (mas não masculino), hipogonadismo (função gonadal baixa) no homem, criptorquismo (não descendente do testículo para o escroto) e menorragia (menstruação irregular).

Fórmula: C19H28O2

O que é testosterona?

testosterona é o principal andrógeno, ou hormônio sexual masculino, embora apareça em ambos os sexos.

É classificado como um esteróide anabolizante porque aumenta o volume dos tecidos do corpo e estimula a retenção de proteínas pelo corpo. Em homens e mulheres, a testosterona é produzida nas gônadas e é derivada do colesterol. Além de ocorrer naturalmente no corpo, esse hormônio também é usado para tratar certas condições médicas, e alguns atletas o usam para ganhar peso para competições, embora essa prática seja proibida pela maioria das organizações esportivas profissionais.

Em ambos os sexos, um pico de produção de testosterona durante o início da puberdade ajuda a amadurecer o corpo, estimulando o crescimento dos pelos corporais, provocando um surto de crescimento e criando pele e cabelo mais oleosos. Nos meninos, o pico aprofunda a voz, faz com que os testículos descam e contribui para o desenvolvimento de outras características sexuais.

Ao longo da vida de um homem, seu corpo continuará a produzir testosterona, embora a taxa de produção diminua na velhice.

A testosterona também contribui para as diferenças físicas entre os cérebros masculino e feminino. O cérebro masculino é realmente maior, assim como muitos outros órgãos do corpo masculino, porque o hormônio causa uma taxa de crescimento maior. No entanto, o corpo caloso, ou conexão entre os hemisférios do cérebro, é maior nas mulheres.

O impacto exato que isso tem sobre a cognição e as habilidades não é claro, embora vários estudos sobre o assunto tenham sido realizados.

Terapeuticamente, a testosterona é freqüentemente usada para tratar condições causadas quando o corpo não produz uma quantidade suficiente.

Um exame de sangue pode ser realizado para verificar o quanto o corpo está criando e, se o médico considerar necessário, ele prescreverá hormônios terapêuticos.

Também é usado no tratamento de alguns cânceres que demonstraram responder bem aos esteróides e no tratamento de mulheres com dismorfia de gênero para ajudá-las a desenvolver características do sexo masculino durante a transição.

Como outros esteróides, a testosterona pode ser prejudicial em excesso, especialmente quando extra é tomado sem supervisão médica adequada; acne, pele altamente oleosa, crescimento de alguns tipos de câncer, dificuldade para dormir e outras complicações estão associadas a níveis anormalmente elevados de testosterona. No entanto, uma deficiência também pode ser prejudicial e terá um impacto na libido, energia e manutenção da saúde geral. A maioria dos corpos humanos é capaz de regular os níveis de hormônios naturalmente, sem necessidade de intervenção médica.

Alguns homens mais velhos participam de programas de terapia de reposição de andrógenos quando seus níveis naturais de testosterona diminuem, a fim de manter seu estado mais jovem de saúde e vigor.

Testosterona – Hormônio

testosterona é um hormônio normalmente produzido pelo organismo tanto em homens como em mulheres e possui diversas funções no organismo.

Os estimulantes de testosterona são compostos que estimulam uma maior produção endógena deste hormônio.

testosterona facilita e promove o crescimento e a virilização do homem, estando associada às mudanças na composição corporal, como a distribuição de pêlos na face, tórax e na região púbica, aumento da massa muscular e funções sexuais. Existem grandes variações individuais na produção hormonal e variações com a idade. No sangue, a testosterona está circulando geralmente ligada às proteínas (globulinas). Para verificar a chegada da andropausa, podem ser feitos testes de sangue, que medem o índice de testosterona, espermograma, que quantifica a produção de espermatozóides, além de exame urológico (mais conhecido como toque), densitometria óssea, para verificar osteoporose, e ecografia da próstata e abdome.

A produção de testosterona pode ser alterada por várias condições clínicas, tais como uso de alguns medicamentos, obesidade, doenças hepáticas, doenças renais e doenças de algumas glândulas, principalmente da tireóide, diabetes, por doenças coronarianas, depressão e até pelo tabagismo. Além disso, existe também a variação normal que ocorre durante o dia, sendo à noite os menores níveis.

Para os homens, a testosterona ajuda a manter:

A densidade óssea
distribuição de gordura
A força muscular e massa
Vermelho sangue produção de células
Movimentação de sexo
A produção de espermatozoides

Testosterona – Entenda como ela funciona

A testosterona é um hormônio produzido naturalmente pelo nosso organismo e é o principal hormônio ligado ao ganho de massa muscular e a diminuição da gordura corporal.

Ela ainda estimula o metabolismo que faz com que o corpo use a gordura acumulada como fonte de energia. De forma contrária, a deficiência desse hormônio está associado à perda de massa muscular, perda de força, acúmulo de gordura corporal, sintomas de cansaço, indisposição e perda do desejo sexual.

A quantidade de testosterona no corpo é um fator limitante para o ganho de massa muscular porque não é possível ganhar mais músculos se os níveis de testosterona não estão equilibrados.

Músculos

A testosterona apesar de ser um hormônio masculino é encontrado também em mulheres, mas quantidade no corpo das mulheres é muito menor.

Em homens o comportamento sexual é muito dependente da testosterona. Estudos indicam que ela é a responsável pelo aumento no desejo sexual.

Foi descrito que o aumento dos níveis de testosterona nos homens heterossexuais fez com que o seu interesse pelo sexo oposto aumentasse, e o aumento dos níveis de testosterona para homossexuais intensificou o seu desejo homossexual ela não converteu um homossexual em um heterossexual, como se acreditou no início.

Homens que perderam seu interesse sexual e a capacidade de ter ereção reverteram esse quadro com tratamentos de reposição de testosterona.

A testosterona é segregada nos testículos dos homens e nos ovários da mulher. Pequenas quantidades são também formadas mas glândulas supra-renais. A testosterona é derivada do colesterol.

Os níveis de testosterona num homem variam entre 350 e 1000 nanogramas por decilitro (ng/dl). Depois dos 40 anos esses valores descem cerca de 1% por ano.

Na circulação sanguínea a testosterona circula em grande percentagem em direcção ás chamadas proteínas de ligação. SHBG (Sex Hormone Binding Globulin) é aquela que nos fornece o melhor.

Porquê?

Porque esta é a principal razão porque a testosterona pode não estar disponível para chegar ao receptor da célula.

Quando a testosterona se liga ao SHBG, já não é possível utilizar as suas funções anabólicas.

O que eleva o SHBG: Anorexia nervosa, Hipertiroidismo, Hipogonadismo (homens), Insensibilidade ou Deficiência Androgénica, Cirrose hepática (homens), Cirrose Biliar (mulheres).

O que suprime o SHBG: Obesidade, Hipotiroidismo, Hirsutismo (mulheres), Acne, Ovários Poliquísticos, acromegalia, tumores nos segregadores androgénicos dos ovários.

Menos de 1% da testosterona circulante está numa forma livre nos homens ( menos de 3% nas mulheres).

Apenas quando está numa forma livre esta hormona pode usufruir as suas propriedades ligando-se aos receptores androgénicos nas paredes celulares. Baseado num estudo 14 a 50 por cento da testosterona está ligada ao SHBG nos homens e 37 a 75 nas mulheres. O SHGB tem uma grande afinidade para se ligar a testosterona. Por isso, qualquer mudança nos níveis do SHGB influencia notavelmente os níveis de testosterona disponíveis.

Vamos falar agora um pouco sobre o que é a disponibilidade da testosterona. Excepto o SHGB existem duas proteínas ligantes de testosterona, também chamados transportadores. Uma delas é a albumina.

É uma proteína ligante com baixa afinidade, deste modo a testosterona ligada a ela é considerada disponível.

A albumina liga-se á testosterona num intervalo entre 45 a 85% nos homens (25 a 65 nas mulheres). O terceiro transportador é a globulina ligante do cortisol, que liga também com pouca afinidade com menos de 1% da testosterona em circulação.

O índice de androgéneos livres (IAL) indicam a quantidade de testosterona livre. O IAL é o somatório da testosterona livre, albumina e globulina ligante do cortisol.

Ou é o Total de testosterona menos a testosterona ligada ao SHGB.

Agora está óbvio que devemos ter atenção ás propriedades do SHGB. Os níveis desta proteína ligante aumentam quando existe excesso de estrogéneo presente. Inversamente, os níveis de SHGB descem quando a testosterona está elevada. Aqui devo mencionar que o SHGB tem maior afinidade com testosterona do que com estrogéneos.

Agora prestem atenção?

É bem conhecido que a testosterona é um precursor de estrogéneos vai ser convertida em estrogéneos através da influência da enzima aromatizante. Nada que não soubéssemos já. Aqui é que se torna interessante, suponham que temos testosterona em níveis normais e não soframos de nenhum problema de saúde que influencia o SHGB. Isto significa que os valores de SHGB estão normais também.

Pensemos agora. Se mais desta testosterona for convertida para estrogéneo devido a valores anormais dos níveis de aromatização, o SHGB também vai aumentar. O SHGB, estando mais ligado a testosterona, vai nos deixar com excessos de estrogéneo no sistema, que vai estimular a produção de SHGB pelo fígado. Este processo amplifica a quantidade de estrogéneos.

O estrogéneo depressa se liga aos receptores androgénicos das células limitando a capacidade para se ligarem a testosterona livre. Ainda mais importante, o estrogéneo é o mensageiro que avisa o cérebro para diminuir a produção de testosterona.

QUAIS AS FUNÇÕES DA TESTOSTERONA ?

Ela tem basicamente duas funções: uma chamada anabólica e outra androgênica. Pela função anabólica ela atua, principalmente, sobre as zonas de crescimento dos ossos. Além disso, ela influencia o desenvolvimento de praticamente todos os órgãos do corpo humano. Pelo lado androgênico, ela é respons ável pelo desenvolvimento das características sexuais masculinas (órgãos sexuais, produção de espermatozóides, pelos, barba, voz, etc).

E mais: a testosterona age também na distribuição da gordura corporal, dando a nítida diferença entre a silhueta masculina e feminina.

O que acontece com nível de testosterona com a idade?

Picos de testosterona durante a adolescência e início da idade adulta. Conforme você envelhece, o seu nível de testosterona diminui gradualmente – normalmente cerca de 1 por cento ao ano após os 30 anos.

2. Será que um nível de testosterona naturalmente em declínio causam os sinais e sintomas do envelhecimento?

Alguns homens têm um nível de testosterona abaixo do normal, sem sinais ou sintomas.

Para outros, baixos níveis de testosterona pode causar:

Alterações na função sexual. Isso pode incluir a redução do desejo sexual, menos ereções espontâneas – como durante o sono – e infertilidade
Mudanças nos padrões de sono.
 Às vezes, baixos níveis de testosterona provoca distúrbios do sono insônia ou outros.
Mudanças físicas.
 Várias mudanças físicas são possíveis, incluindo aumento da gordura corporal, massa muscular reduzida e força, e diminuição da densidade óssea. Seios inchados ou concurso (ginecomastia) e perda de cabelo são possíveis. Você pode experimentar ondas de calor e têm menos energia do que costumava fazer.
Alterações emocionais
. Baixos níveis de testosterona podem contribuir para uma diminuição na motivação ou auto-confiança. Você pode sentir-se triste ou deprimido, ou que tenham dificuldade de concentração ou de lembrar das coisas.

É importante notar que alguns desses sinais e sintomas são uma parte normal do envelhecimento. Outros podem ser causadas por diversos fatores subjacentes, incluindo efeitos colaterais do medicamento, problemas de tireóide, depressão e uso excessivo de álcool. Um exame de sangue é a única maneira de diagnosticar um baixo nível de testosterona.

A testosterona é um hormônio esteróide androgênico do grupo e é encontrada em mamíferos, répteis, pássaros e outros vertebrados. Nos mamíferos, a testosterona é secretada primariamente nos testículos dos homens e os ovários das fêmeas, embora pequenas quantidades também são secretadas pelas glândulas supra-renais.

É o principal hormônio do sexo masculino e um anabolizante.

Como age o hormônio Testosterona?

A Testosterona é um hormônio que controla a função sexual em homens e mulheres e é considerado o Hormônio do Prazer.

A testosterona tem várias funções no organismo. As funçoes principais estão ligadas a atividade sexual porem ela tem também uma importante função no cérebro humano interferindo nas emoções e no humor.

A testosterona faz com que a pessoa tenha mais determinação e disposição frente aos problemas do dia a dia e mais resistência a situações de stress. Ela traz sensação de bom humor e bem estar.

Melhora a memória e concentração.

Além disso reduz a gordura abdominal, o “culote”, e a obesidade. Mantem a massa muscular e óssea. Melhora também alguns casos de hipertensão arterial e o colesterol.

Aumento da pressão arterial, e alterações emocionais tais como mau humor, irritabilidade, cansaço físico e mental, falta de memória e concentração são também algumas das conseqüências da diminuição desse hormonio.

Fonte: ffgonzaga.com/www.testosterone-natural.net/doutoramarciak.no.comunidades.net/www.wisegeek.org/www.sncacre.com.br/gballone.sites.uol.com.br/limitlesstraining.com.au

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.