Breaking News
Home / Biologia / Vasopressina

Vasopressina

PUBLICIDADE

A vasopressina é um secretado pelo lobo posterior da hipófise ou obtido sinteticamente que aumenta a pressão sanguínea e diminui o fluxo de urina, considerado como um hormônio antidiurético.

O hormônio antidiurético se liga aos receptores nos túbulos distais ou coletores do rim e promove a reabsorção da água de volta à circulação

O hormônio é produzido pelo hipotálamo e secretado pela hipófise posterior.

A vasopressina faz com que os rins economizem água e diminuam a produção de urina.

O que é vasopressina?

A vasopressina é um hormônio formado no hipotálamo e secretado pela glândula pituitária em mamíferos.

O hormônio tem uma variedade de efeitos quando liberado, embora seja usado principalmente para controlar a retenção de água através da redução da produção de urina.

Estudos recentes sugerem que a vasopressina tem outro objetivo interessante, no entanto, pois pode afetar a capacidade de formar ligações de pares em alguns mamíferos.

Quando o corpo está desidratado, ele usa vasopressina como uma maneira de regular a água no corpo. Ao reduzir e concentrar a quantidade de urina descartada, o hormônio ajuda o corpo a reabsorver a água disponível e a manter os órgãos funcionando normalmente. Este é considerado o principal uso do hormônio, mas está longe de ser a única capacidade do hormônio.

Se altas quantidades de vasopressina são liberadas no corpo através da hipófise, isso pode causar vasoconstrição. Este processo estreita os vasos sanguíneos e pode aumentar temporariamente a pressão sanguínea.

Se o corpo sofrer um choque severo, como os causados por trauma ou derrame, a pressão arterial poderá cair para níveis perigosamente baixos.

A liberação de vasopressina pode ajudar a restaurar o corpo à pressão sanguínea normal e prevenir ou reduzir os efeitos do choque.

Alguns estudos recentes mostraram que o hormônio pode causar uma variedade de efeitos neurológicos interessantes. Em ratazanas e ratos, a vasopressina demonstrou ter um impacto considerável nos comportamentos sexuais, acasalamento e paternidade. Acredita-se também que esteja relacionado a comportamentos agressivos, principalmente aqueles compatíveis com comportamentos maternos ou protetores.

Animais conhecidos por comportamento monogâmico, como ratazanas da pradaria, exibem níveis mais altos de vasopressina do que seus pares poligâmicos.

Em humanos, foram realizados alguns estudos que alegam mostrar uma correlação entre altos níveis do hormônio e a felicidade em relacionamentos monogâmicos ou casamento. Esses achados permanecem um tanto controversos, mas a maioria dos especialistas concorda com a avaliação de que existe alguma relação entre tendências monogâmicas e níveis de vasopressina.

Embora o comportamento das ratazanas pareça ter pouca relação com o dos humanos, as relações sociais com outros humanos se mostraram vitais para a sobrevivência humana ao longo da história.

Enquanto os humanos tendem a associar sua afeição ou compromisso com os outros como resultado de suas emoções, a influência de hormônios como a vasopressina na criação e na continuação de relacionamentos emocionais é objeto de estudo científico consistente ao longo dos séculos 20 e 21.

O corpo é um organismo estranho e maravilhoso e extremamente eficiente no uso dos materiais disponíveis.

Embora possa parecer um pouco estranho que um hormônio usado principalmente para controlar a função renal também possa ajudá-lo a ter um casamento feliz, é simplesmente outro exemplo da eficiência do sistema.

Garantir um vínculo forte entre pares aumenta a probabilidade de os filhos com dois pais fornecerem e protegê-los, aumentando, portanto, a probabilidade de sobrevivência.

A vasopressina, além de suas habilidades úteis para regular a função renal e fornecer a vasoconstrição necessária, também pode ser um agente secreto que trabalha para ajudá-lo a se apaixonar e permanecer assim.

Uso

A vasopressina é usada no tratamento do diabetes insipidus, causado pela falta de um hormônio hipofisário que ocorre naturalmente no organismo.

A vasopressina também é usada para tratar ou prevenir certas condições do estômago após a cirurgia ou durante as radiografias abdominais.

A vasopressina é usada em situações de emergência para aumentar a pressão arterial em adultos que estão em choque.

A vasopressina também pode ser usada para fins não listados neste guia de medicamentos.

Vasopressina – Ação

A vasopressina é uma molécula (peptídeo) relativamente pequena que é liberada pela glândula pituitária na base do cérebro após ser produzida nas proximidades (no hipotálamo).

A vasopressina tem uma ação antidiurética que impede a produção de urina diluída (e também o é antidiurético).

Uma síndrome de secreção inadequada de vasopressina que resulta na incapacidade de liberar urina diluída, perturba o equilíbrio de líquidos (e eletrólitos) e causa náuseas, vômitos, cãibras musculares, confusão e convulsões, em associação com câncer de pulmão de células de aveia, pancreática câncer, câncer de próstata e doença de Hodgkin, bem como vários outros distúrbios.

A vasopressina tem ação vasopressora e, portanto, pode estimular a contração das artérias e capilares. Daí o nome “vasopressina”.

A vasopressina também é conhecida como hormônio antidiurético (ADH).

O que é um receptor de vasopressina?

Em termos simples, um receptor de vasopressina refere-se a um receptor funcional localizado na superfície de uma célula que aceita a ligação do hormônio vasopressina.

Na fisiologia dos mamíferos, esse importante hormônio controla inúmeras funções corporais, incluindo a permeabilidade e a regulação da pressão arterial. Os hormônios não funcionam simplesmente por estar na corrente sanguínea, mas requerem receptores específicos como uma etapa do processo complexo que leva a mudanças fisiológicas reais.

Um receptor de vasopressina pode ser encontrado em um dos três subtipos principais.

Esses subtipos são AVPR1A, AVPR2 e AVPR1B, que são acrônimos para nomes mais complexos, denominados clinicamente.

O primeiro subtipo, AVPR1A, é um receptor de vasopressina responsável pela vasoconstrição. Vasoconstrição refere-se ao processo de diminuir mecanicamente a circunferência dos vasos, resultando em um aumento da pressão sanguínea com base na lei física de que área e pressão estão inversamente relacionadas.

O segundo receptor de vasopressina, AVPR1B, controla funções neurológicas específicas. O receptor 2 de vasopressina da argenina, ou AVPR2, tem um efeito antidiurético no corpo quando estimulado pela vasopressina.

Isso basicamente significa que ele faz com que o corpo retenha água, aumentando o volume de fluido dentro do corpo. Se houver mais fluido, é provável que haja mais sangue no sistema, resultando em um aumento na pressão com base no volume e na pressão diretamente relacionados, com a circunferência do vaso mantida constante.

Usando drogas, os receptores de vasopressina podem ter como alvo obter fisiologicamente o efeito desejado. Tomemos, por exemplo, uma pessoa que sofre de pressão alta. A pressão alta, ou hipertensão, é prejudicial de várias maneiras e pode levar a doenças cardíacas e vasculares. A vasopressina aumenta a pressão arterial e, para reduzi-la, os médicos podem tentar diminuir a ação da vasopressina no organismo.

Como os níveis de vasopressina geralmente são razoavelmente constantes, uma medida reguladora alternativa seria diminuir a quantidade de receptores.

Para diminuir o número de receptores funcionais, um agente farmacêutico que compete com vasopressina pelo local do receptor é introduzido no corpo, por exemplo, em forma de pílula.

Se um receptor era uma trava e a vasopressina em uma chave, o medicamento para pressão arterial pode ser pensado como uma chave alternativa sob essa analogia. Cada fechadura pode ter apenas uma chave de cada vez; portanto, as chaves alternativas podem preencher receptores suficientes para tornar a vasopressina menos prevalente, o que significa que a pressão arterial não é tão alta.

Analogias como essa são frequentemente utilizadas como um meio de visualizar os processos abstratos, como a ligação hormônio-receptor que serve para regular o corpo humano.

Qual é a diferença entre ocitocina e vasopressina?

Os hormônios neuro-hipofisários oxitocina e vasopressina diferem na estrutura e função molecular dentro do corpo dos mamíferos.

A estrutura molecular de cada um dos dois hormônios difere ligeiramente por duas sequências de aminoácidos. Apesar da leve variação molecular entre os dois hormônios, cada um tem funções fisiológicas muito diferentes.

A vasopressina ajuda a regular as concentrações de água e soluto, enquanto a ocitocina desempenha um papel em certos processos reprodutivos.

As diferenças entre essas substâncias também são vistas nos mecanismos de humor e secreção.

As diferenças fisiológicas entre os dois hormônios semelhantes são devidas à ligeira variação da estrutura molecular.

A sequência de aminoácidos da vasopressina é Cys-Tyr-Phe-Gln-Asn-Cys-Pro-Arg-Gly-NH2, enquanto a ocitocina é Cys-Tyr-Ile-Gln-Asn-Cys-Pro-Leu-Gly-NH2. Um par de aminoácidos que ocorrem na ocitocina, mas não na vasopressina, é a isoleucina (Ile) e a leucina (Leu). A combinação fenilalanina (Phe) e arginina (Arg) está presente na vasopressina, mas ausente na ocitocina.

Tanto a ocitocina quanto a vasopressina são sintetizadas no hipotálamo e armazenadas na glândula pituitária posterior no cérebro. Quantidades variáveis de hormônios são liberadas diretamente no cérebro.

O restante dos hormônios é secretado na corrente sanguínea pelas proteínas transportadoras chamadas neurofisina.

Ao contrário da ocitocina, a vasopressina desempenha um papel importante na homeostase hídrica no corpo dos mamíferos, regulando a água, a glicose e os sais.

O hormônio é comumente referido como hormônio antidiurético por seus efeitos de conservação de água nos rins, diminuindo a formação de urina.

A secreção de vasopressina é regulada pelos osmoreceptores quando simulada por fatores como sede, pressão arterial e volume de líquidos.

Outros estímulos potentes da secreção do hormônio antidiurético são náuseas e vômitos.

A principal diferença entre a ocitocina e a secreção de vasopressina é a capacidade da ocitocina de se libertar de outros tecidos, incluindo os ovários e testículos; enquanto a única localização de secreção da vasopressina é a hipófise posterior. Ambos os sexos produzem ocitocina, mas as mulheres produzem o hormônio em maiores quantidades que os homens.

A ocitocina é liberada em grandes quantidades durante o trabalho de parto e ajuda a facilitar a amamentação. No nascimento da criança, a ocitocina é secretada quando o feto simula o colo do útero e a vagina.

Após a liberação da ocitocina, as contrações uterinas são aprimoradas para ajudar a induzir o nascimento da criança.

A secreção de ocitocina e vasopressina afeta o humor e o comportamento. As mulheres que estão amamentando tendem a ter níveis aumentados de ocitocina liberados no líquido cefalorraquidiano.

Níveis elevados de ocitocina em mulheres têm sido associados ao estabelecimento do comportamento materno.

Estudos envolvendo o cérebro de animais não prenhes infundidos com ocitocina mostram um comportamento materno rapidamente induzido. Em vez de induzir o comportamento materno, a vasopressina influencia muito o comportamento social e os laços sociais.

Vasopressina ajuda a regular a função renal

Hormônio Antidiurético

Fonte: www.drugs.com/www.drugbank.ca/academic.oup.com/www.cvphysiology.com/www.wisegeek.org/www.merriam-webster.com/anesthesiology.pubs.asahq.org/www.guidetopharmacology.org/www.frontiersin.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Superorganismo

Superorganismo

PUBLICIDADE Definição Superorganismo é uma sociedade organizada (como um inseto social) que funciona como um todo …

Biotecnologia Industrial

Biotecnologia Industrial

PUBLICIDADE Definição A biotecnologia industrial faz uso de recursos sustentáveis para reduzir as emissões de efeito estufa …

Período Jurássico

Período Jurássico

PUBLICIDADE Definição O Período Jurássico é o segundo período da Era Mesozóica, em que os dinossauros eram …