Breaking News
Home / Biologia / Autorradiografia

Autorradiografia

PUBLICIDADE

Definição

autorradiografia é uma técnica, método, de imagem de detecção no qual o raio-X ou o filme fotográfico que utiliza fontes radioativas contidas na amostra exposta para produzir uma imagem no filme.

A autorradiografia tem muitas aplicações em laboratório.

A autorradiografia pode, por exemplo, ser usada para analisar o comprimento e o número de fragmentos de DNA depois que eles são separados um do outro por um método chamado eletroforese em gel.

O que é autorradiografia?

Autorradiografia é o processo de tirar um tipo de foto, chamado autorradiografia, que mostra a concentração relativa de material radioativo presente no sujeito.

O sujeito geralmente é uma amostra biológica ou parte do corpo humano. A placa fotográfica é exposta a emissões radioativas do sujeito em estudo, produzindo uma imagem.

Radiografia é o uso de materiais radioativos ou raios-x para produzir uma imagem.

Usar raios-x para bombardear um sujeito enquanto expõe uma placa ou filme fotográfico aos raios-x é o método mais comum para esse tipo de imagem.

A autorradiografia produz uma imagem semelhante, mas depende de emissões de partículas alfa e beta e raios gama liberados pelo decaimento de substâncias radioativas no sujeito, em vez de uma fonte externa.

A imagem resultante permitirá que um técnico treinado determine a concentração relativa de material radioativo e sua distribuição.

Às vezes, os cientistas introduzem deliberadamente substâncias radioativas em um objeto ou tecido. As disciplinas da citologia, que é o estudo das células e sua estrutura, e a histologia, o estudo dos tecidos e suas estruturas, podem se beneficiar da auto-radiografia. As autorradiografias podem ajudar os cientistas a aprender mais sobre estruturas celulares e teciduais e como os materiais radioativos são absorvidos e distribuídos.

Na autorradiografia digital, computadores e instrumentos de detecção de radiação trabalham juntos para fornecer a imagem radiográfica. Esse tipo de autorradiografia permite o estudo de tecidos e objetos por períodos definidos.

Essa técnica pode aprimorar ainda mais nosso conhecimento de como os materiais radioativos se dispersam nos tecidos.

A pesquisa sobre receptores químicos, sua distribuição dentro dos tecidos e sua função também podem se beneficiar da autorradiografia.

Agentes bioquímicos infundidos com substâncias radioativas, chamados radioligandos, são injetados no tecido. Esses agentes reagem com os receptores químicos nos tecidos e, quando uma auto-radiografia é tomada posteriormente, permitirá ao pesquisador determinar onde esses receptores estão localizados, sua frequência relativa e densidade de distribuição.

Essa técnica às vezes é usada para diagnosticar vários problemas médicos.

A autorradiografia também pode ser usada para estudar RNA e DNA, bem como as fases do desenvolvimento e função celular.

Também pode ser usado para isolar sequências parciais de RNA e DNA para estudo, especialmente em vírus. Os médicos podem usar essa técnica para detectar, diagnosticar e elaborar estratégias de tratamento para vários tipos de envenenamento por radiação, determinando quais tecidos podem ter absorvido materiais radioativos.

O que é uma autorradiografia?

Freqüentemente usada para detectar radiação, gerando imagens de suas emissões, uma autorradiografia é uma representação de onde as substâncias radioativas estão localizadas. A imagem pode ser projetada em um meio, como um filme de raio-x, emulsão nuclear ou mesmo filme fotográfico. A autorradiografia, que também pode ser digital, é usada em muitos casos para aplicações biológicas e médicas.

Em contraste com outros métodos de detecção de radiação, eles podem mostrar a localização dos materiais radioativos em uma amostra. As imagens podem, portanto, ser usadas com amostras biológicas marcadas com esses materiais, para rastrear a atividade celular, por exemplo.

Em sua forma básica, uma autorradiografia pode exigir que o filme seja exposto durante a noite. A radioatividade é detectada através de faixas na imagem, que são produzidas quando partículas atingem cristais de halogeneto de prata. As imagens no filme normalmente dependem da ativação dos cristais e dos efeitos das partículas em um gel.

Se cada cristal é isolado por uma cápsula de gelatina, uma imagem permanentemente desenvolvida pode mostrar com precisão a amostra e onde é radioativa.

Uma auto-radiografia é frequentemente tomada após o tecido biológico ser exposto a uma substância radioativa, deixado por um certo período de tempo e examinado ao microscópio.

Seções podem ser cortadas e uma imagem fotográfica pode ser desenvolvida à medida que um radioisótopo decai.

As amostras são frequentemente manchadas para melhorar os detalhes e ver os grãos de prata que reagem com a substância.

A autorradiografia resultante pode ser gravada e mantida em arquivo como parte de um experimento ou teste.

Enquanto um filme sólido era normalmente usado no passado, uma emulsão líquida é frequentemente usada no século XXI para fazer uma autorradiografia. Essa técnica pode levar menos tempo para ser concluída.

O líquido pode fluir e tornar a espessura da amostra irregular, mas seguir as etapas básicas para revestir as lâminas e desenvolver o filme pode secar a amostra adequadamente.

Uma tela de fosfoimagem pode ajudar a detectar radioatividade no gel mais rapidamente que o filme de raios-x.

É normalmente usado com instrumentos eletrônicos e um sistema de computador que pode criar imagens digitais da amostra.

As autorradiografias podem mostrar partículas radioativas ligadas a enzimas ou integradas ao ácido nucleico. Os processos metabólicos podem ser rastreados nas células quando são comparadas imagens de partículas radioativas.

Os pesquisadores podem rastrear proteínas, fotossíntese e a divisão e movimento das células. Sequências de ácido desoxirribonucleico (DNA) podem ser rastreadas.

O autorradiografia é frequentemente usado para monitorar os ciclos celulares e acompanhar o progresso dos vírus na análise de seu comportamento.

Autorradiografia – História

A primeira autorradiografia foi obtida acidentalmente por volta de 1867, quando um escurecimento foi produzido em emulsões de cloreto de prata e iodeto por sais de urânio.

Tais estudos e o trabalho dos Curies em 1898 demonstraram autorradiografia antes e contribuíram diretamente para a descoberta da radioatividade.

O desenvolvimento da autorradiografia como técnica biológica realmente começou a acontecer após a Segunda Guerra Mundial, com o desenvolvimento de emulsões fotográficas e depois a remoção de filme (veja Rogers, 1979) feito de halogeneto de prata.

A radioatividade agora não é mais propriedade de alguns elementos raros de menor interesse biológico (como rádio, tório ou urânio), pois agora qualquer composto biológico pode ser rotulado com isótopos radioativos, abrindo muitas possibilidades no estudo de sistemas vivos.

O que é radiografia digital?

radiografia digital é um tipo de imagem de raios-X em que as imagens são transpostas digitalmente para computadores ou outros dispositivos, em vez de serem desenvolvidas para filme.

Em vez de usar radiação eletromagnética e processamento químico para gravar um raio-X no filme, as versões digitais usam sensores digitais para gravar imagens em um dispositivo de captura de imagem, que cria um arquivo de imagem digital. Esse arquivo pode ser usado pelos membros da equipe médica e pode ser anexado às anotações médicas de um paciente para referência futura.

Ele pode ser impresso em papel ou em material deslizante e, portanto, pode ser usado da mesma maneira que qualquer raio X padrão, mas sem muito risco e, geralmente, a um custo total mais baixo.

As despesas iniciais com um sistema digital podem ser imensas, mas com o tempo elas costumam pagar por si mesmas. Esses tipos de dispositivos de imagem são mais comuns em hospitais, consultórios médicos especializados e consultórios odontológicos. As imagens dentárias requerem um processo ligeiramente diferente, mas a tecnologia e o conceito básico são os mesmos.

Compreendendo a tecnologia de raios-X em geral

radiação eletromagnética tem sido usada na profissão médica para geração de imagens e diagnósticos há muitos anos.

A tecnologia de radiação X, conhecida mais simplesmente como tecnologia de raio X, permite capturar imagens precisas da composição interna de uma pessoa, animal ou coisa.

Um gerador usa luz eletromagnética forte emparelhada com um detector; a maioria das coisas, inclusive os humanos, absorverá naturalmente parte da luz, que é o que permite ao detector mapear imagens e locais específicos.

Autorradiografia
O autorradiografia é frequentemente usado para monitorar ciclos celulares e
acompanhar o progresso dos vírus na análise de seu comportamento

Fonte: conductscience.com/lab.anhb.uwa.edu.au/groups.molbiosci.northwestern.edu/www.wisegeek.org/www.sciencedirect.com/www.rxlist.com/www.ncbi.nlm.nih.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Recombinação homóloga

Recombinação homóloga

PUBLICIDADE Definição A recombinação homóloga é uma via essencial para reiniciar bifurcações de replicação paralisadas, reparar quebras …

Testes de DNA

Testes de DNA

PUBLICIDADE Definição Um teste de DNA é um teste em que o DNA de alguém é analisado, …

Superorganismo

Superorganismo

PUBLICIDADE Definição Superorganismo é uma sociedade organizada (como um inseto social) que funciona como um todo …