Breaking News
Home / Biologia / Hominídeos

Hominídeos

PUBLICIDADE

As definições recentes mais usadas são:

Hominídeo – o grupo que consiste em todos os Grandes Macacos modernos e extintos (isto é, humanos modernos, chimpanzés, gorilas e orangotangos, além de todos os seus ancestrais imediatos).

Hominídeo – o grupo constituído por seres humanos modernos, espécie humana extinta e todos os nossos ancestrais imediatos (incluindo membros da Homo gêneros, Australopithecus, Paranthropus e Ardipithecus).

Definição de hominídeo

Hominídeo: qualquer família (Hominidae) de mamíferos eretos de primatas bípedes que inclui humanos recentes, juntamente com formas ancestrais e relacionadas extintas e, em algumas classificações recentes, os grandes símios (orangotango, gorila, chimpanzé e bonobo)

Definições anteriores

O uso atual do termo “hominídeo” pode ser confuso, pois a definição dessa palavra mudou com o tempo.

O termo “hominídeo” costumava ter o mesmo significado que agora “hominídeo”.

Foi, portanto, um termo muito útil para designar a linha que leva aos humanos modernos e foi usado quando nos referimos a vários membros de nossa árvore evolutiva humana.

Hominídeo‘ agora recebeu um significado mais amplo e agora se refere a todos os Grandes Macacos e seus ancestrais. Essa nova terminologia já está sendo usada em muitos periódicos científicos, e é apenas uma questão de tempo (mas possivelmente muitos anos) antes que todos possam usar o novo termo.

O que são hominídeos?

Hominídeos são a família biológica da qual os humanos são membros.

Informalmente, eles são conhecidos como os Grandes Macacos e incluem quatro gêneros: humanos, chimpanzés, gorilas e orangotangos.

Os podem ser divididos em duas subfamílias, Ponginae, que inclui orangotangos (Pongo) e Hominae, que incluem gorilas (Gorilla), chimpanzés (Pan) e humanos e seus parentes próximos extintos, como Neandertais (Homo).

A definição de “hominídeo” mudou várias vezes no passado: a certa altura, referia-se apenas aos seres humanos e aos nossos parentes próximos extintos, e essa definição antiga às vezes persiste até hoje. “Hominídeo” significa “semelhante ao humano”.

Os hominídeos, especialmente os humanos, podem ser considerados a família biológica mais inteligente do planeta.

Os produtos da inteligência humana são onipresentes e bastante surpreendentes – o computador que você está usando para ler isso, por exemplo – enquanto os sinais de inteligência em outros animais são mais sutis.

Pelo menos um gorila, Koko, foi ensinado a usar uma forma rudimentar de linguagem gestual.

Os hominídeos existem na Terra há cerca de 7 milhões de anos. Cerca de seis milhões de anos atrás, a linha evolutiva que deu origem ao homem se separou dos chimpanzés.

Em ordem de parentesco genético com os seres humanos: os chimpanzés são os mais próximos, seguidos por gorilas e depois orangotangos.

Todos os hominídeos têm pelo menos 97% de semelhança genética com os humanos modernos.

Os hominídeos vivem em grupos sociais e alguns usam ferramentas simples, como gravetos, para capturar insetos. Além de um subconjunto de humanos, os hominídeos são em grande parte vegetarianos.

Os hominídeos são suficientemente inteligentes para que exista um movimento ético para lhes conceder personalidade, chamado Projeto Grande Macaco. Ninguém provou ou refutou que os hominídeos, além dos humanos adultos, têm uma teoria da mente ou são capazes de enganar a empatia.

Estudos de fósseis de hominídeos, como o australopitecino “Lucy”, elucidaram uma enorme quantidade de informações úteis sobre as relações entre diferentes gêneros na família dos hominídeos.

Algumas espécies de hominídeos extintos incluem: Gigantopithecus, Sivapithecus, Lufengpithecus, Ankarapithecus, Paranthropus e Ouranopithecus.

História do Hominídeo

Restos fossilizados de espécies de hominídeos extintos foram encontrados em partes da África, Europa e Ásia, muitas delas datadas de milhões de anos.

Homininos são classificados como uma tribo (Hominini) de primatas, um tipo de mamífero.

Os hominídeos fazem parte da família, ou grupo maior de primatas, chamados hominídeos. Os hominídeos incluem orangotangos, gorilas, chimpanzés e seres humanos. Todos os hominídeos são hominídeos, mas muito poucos são hominídeos.

Segundo o paleontólogo Lee Berger, os homininos são primatas que compartilham características como “bipedalismo, tamanho canino reduzido e aumento do tamanho do cérebro”.

Os únicos homininos vivos hoje são seres humanos.

Restos fossilizados de espécies de hominídeos extintos foram encontrados em partes da África, Europa e Ásia, muitas delas datadas de milhões de anos.

Neandertais

Os neandertais são uma espécie extinta de hominídeos que eram os parentes mais próximos dos seres humanos modernos.

Eles viveram por toda a Europa e partes da Ásia entre 400.000 e 40.000 anos atrás, e eram adeptos da caça de grandes animais da Era do Gelo.

Existem evidências de que os neandertais cruzaram com os humanos modernos – de fato, muitos humanos hoje compartilham uma pequena porção do DNA dos neandertais.

As teorias sobre por que os neandertais foram extintos são abundantes, mas seu desaparecimento continua a confundir os cientistas que estudam a evolução humana.

Os cientistas estimam que humanos e neandertais (Homo neanderthalensis) compartilhavam um ancestral comum que viveu 800.000 anos atrás na África.

Evidências fósseis sugerem que um ancestral neandertal pode ter viajado da África para a Europa e Ásia. Lá, o ancestral neandertal evoluiu para o Homo neanderthalensis cerca de 400.000 a 500.000 anos atrás.

O ancestral humano permaneceu na África, evoluindo para nossa própria espécie – Homo sapiens. Os dois grupos podem não ter se cruzado novamente até que os humanos modernos tenham saído da África cerca de 50.000 anos atrás.

O que é o Homo Habilis (“homem hábil”)?

O Homo habilis é uma espécie agora extinta do gênero Homo, que talvez tenha produzido o mais famoso dos humanos modernos, o Homo sapiens.

Pelo registro fóssil, parece que essa espécie viveu cerca de 1,5 milhão de anos atrás na África, durante a era do Pleistoceno. Não estava só; esses primeiros hominídeos coexistiram com outros primatas bípedes, e há algum debate sobre o papel exato do Homo habilis na evolução humana.

Um humano moderno provavelmente teria dificuldade em se relacionar com esses primeiros hominídeos.

O Homo habilis parecia muito diferente dos humanos modernos, com braços mais compridos, baixa estatura e rosto saliente, embora tenha sido uma das primeiras espécies de hominídeos a ter um rosto mais achatado como o dos humanos modernos. Esses hominídeos possuíam cerca da metade da capacidade cerebral do Homo sapiens, embora usassem seus cérebros para algumas realizações incríveis, incluindo o desenvolvimento de sociedades complexas e o uso de ferramentas finas.

Os créditos pela descoberta do Homo habilis são para Louis Leaky, John Napier e Philip Tobias, que encontraram partes esqueléticas fossilizadas em sua escavação em Olduvai Gorge, na África, em 1964.

Esse local único na África faz parte do Great Rift Valley e abrigava vários outros humanos primitivos também. Leaky fez uma série de contribuições importantes para a paleontologia com seu trabalho em Olduvai Gorge, incluindo a descoberta de outras espécies de hominídeos primitivos.

Os cientistas debatem a classificação do Homo habilis no gênero Homo. Alguns acham que esse hominídeo deve ser incluído no gênero Australopithecus, colocando-o em um estágio inicial da evolução humana. No entanto, o Homo habilis é marcadamente diferente dos primeiros australopitecinos, e o uso de ferramentas por essa espécie foi bastante novo. Tão novo, de fato, que a espécie recebeu esse nome; Homo habilis significa “homem prático” em latim.

A partir de 2007, nosso entendimento atual da evolução humana sugere que o Homo habilis evoluiu para o Homo ergaster e, posteriormente, o Homo erectus, “homem reto”, nosso ancestral mais próximo.

No entanto, novas informações estão sendo descobertas o tempo todo em escavações arqueológicas, e é possível que essa espécie tenha vivido ao mesmo tempo que o Homo ergaster, e que uma espécie simplesmente substituísse a outra, em vez de evoluir a partir dela. Também está claro que várias espécies no Homo viveram juntas até bem recentemente, em termos de paleontologia. O Homo neanderthalensis, por exemplo, viveu até cerca de 30.000 anos atrás, e claramente coexistiu com o Homo sapiens.

O que era o Homo Heidelbergensis?

O Homo heidelbergensis era uma espécie hominídeo que viveu cerca de 400.000 anos atrás, e as evidências arqueológicas mais recentes sugerem que esses primeiros seres humanos eram os ancestrais diretos dos humanos modernos. Eles certamente tinham muito em comum com os humanos modernos, embora algumas diferenças morfológicas muito claras os separassem do Homo sapiens. A maioria dos achados do Homo heidelbergensis ocorreu na Europa, mas restos fossilizados de outras regiões do mundo também foram classificados nessa espécie.

Os cientistas acreditam que o Homo heidelbergensis descende do Homo ergaster, outro hominídeo primitivo.

O Homo heidelbergensis parece ter sido um dos primeiros hominídeos a se aventurar fora da África e na Europa, seguindo as trilhas do Homo erectus, e escavações arqueológicas em várias regiões da Europa sugerem que esses hominídeos formaram grandes grupos sociais. Essas escavações descobriram um grande número de ferramentas, juntamente com as evidências de caça, uso de fogo e práticas de enterro. O Homo heidelbergensis pode ter sido um dos primeiros hominídeos a enterrar os mortos, e os arqueólogos também encontraram evidências de outros rituais culturais.

O Homo heidelbergensis tinha um cérebro maior quando comparado a outras espécies de hominídeos, e um tipo de corpo que parece ser muito semelhante ao dos humanos modernos, embora o Homo heidelbergensis fosse um pouco mais alto. O Homo heidelbergensis também era capaz de falar. Com o tempo, o Homo heidelbergensis evoluiu para duas novas espécies; humanos modernos e os neandertais.

Os humanos modernos aparentemente suplantaram os agora extintos neandertais; Estudos de DNA em ambas as espécies indicam que as duas eram certamente distintas uma da outra, embora relacionadas através de seus ancestrais comuns do Homo heidelbergensis.

Esses hominídeos são nomeados para Heidelberg, Alemanha, uma cidade próxima ao local da primeira descoberta do Homo heidelbergensis, uma mandíbula que foi descoberta em um poço de areia.

A mandíbula foi classificada por Otto Schoetensack como uma espécie de hominídeo inteiramente nova, o que causou um certo alvoroço na comunidade arqueológica, com algumas pessoas argumentando que a nomeação de uma nova espécie com base em uma única mandíbula era um pouco ambiciosa.

No entanto, descobertas posteriores na Europa apoiaram a ideia de que o Homo heidelbergensis era uma espécie de hominídeo distinta e real, e a classificação agora é amplamente aceita por muitos arqueólogos.

Exemplos fossilizados desses ancestrais humanos podem ser vistos em vários museus ao redor do mundo, e escavações arqueológicas são descobertas mais periodicamente.

O estudo desses fósseis ajuda a preencher as lacunas da história humana, fornecendo mais informações sobre nossas origens e as vidas que esses primeiros seres humanos levaram.

Os neandertais são um exemplo de hominídeos no gênero Homo

Fonte: australianmuseum.net.au/www.nationalgeographic.org/www.wisegeek.org/www.merriam-webster.com/www.history.com/animaldiversity.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Classificação das Bactérias

Classificação das Bactérias

PUBLICIDADE Você conhece a classificação das bactérias? As bactérias são seres vivos microscópicos que apresentam, …

Citocininias

Citocininas

PUBLICIDADE Você já ouviu falar em citocininas? As citocininas, substâncias são conhecidas como hormônios vegetais, …

Zigomicetos

Zigomicetos

PUBLICIDADE Definição de Zigomicetos Zigomicetos é qualquer uma de uma ampla variedade de fungos comuns que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.