Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Húmus

Húmus

PUBLICIDADE

Em volume á a principal excreção das minhocas. E um produto de coloração escura, uniforme, inodoro, leve, solto, cuja granulometria lembra vagamente o pó de café e que apresenta propriedades físicas,químicas e biológicas completamente diferente da matéria-prima original (A.A.Martinez, A Grande e Poderosa Minhoca, edição Unesp/Jaboticabal).

Húmus
Ecojardinagem e paisagismo ecológico

Propriedades do Húmus

Inoculador natural de minhocas, isto porque, dependendo da malha da peneira que for utilizada na sua apuração pode conter um considerável número de casulos com minhocas.

O surgimento de urna população de minhocas provoca o aumento de até cinco vezes no número e na atividade dos microorganismos; por isso é denominado de adubo ecológico.
Torna melhor a estrutura do solo pela descompactação e desadensamento, facilitando o enraizamento das plantas. Nos solos arenosos, sua ação é de agregador de partículas o que contribui pata evitar erosão.
Tem uma grande capacidade de retenção da umidade, o que resulta em economia de gastos com irrigação.
Ao contrário dos adubos químicos, não é levado pelas, águas.
Com o PH próximo de neutro consegue promover de forma duradoura o equilíbrio tanto em solos ácidos como alcalinos.
Totalmente estabilizado por isso quando aplicado em excesso não prejudica as plantas.
Além dos nutrientes micros e macros ainda contém fitormônios que promovem o desenvolvimento fisiológico das plantas de culturas, destacando se Auxinas, Citocininas, Giberinas e outros tantos ainda desconhecidos.

Tipos de humus

Húmus puro – Obtido a partir de peneiragem com tela de malha de 4 mm. O produto é granulado. Dependendo da malha, o produto pode ser fino ou extrafino. A passagem por malhas muito finas ocasiona a perda de propriedades em virtude dos baixos níveis de umidade.
Húmus formulado –
É uma composição com 40% de Húmus puro, 30% de areia lavada, 28% de terra vermelha, 2% de calcário e pó de rocha vulcânica.
Húmus com agregados –
É o restolho que sobra da peneira contendo fragmentos de substâncias minerais e orgânicas em variados estágios de decomposição, casulos e minhocas recém liberadas.

Aplicação do Húmus

O húmus puro é para aplicação onde haja necessidade de matéria orgânica de qualidade. O formulado vem sendo aplicado em implantação e cobertura de gramado a razão de dois e de 1 kg por m2, respectivamente.

O Húmus com agregados é mais indicado para a produção de mudas, enchimento de covas e jarros.

Fonte: www.soloevida.com.br

Húmus

O húmus é o mais completo adubo orgânico existente. Produzido pelas minhocas, é inodoro, acéptico (não contém sementes de ervas daninhas), rico em matéria orgânica, fósforo, potássio, nitratos, cálcio, magnésio, minerais, nitrogênio e microelementos assimiláveis pelas raízes das plantas. Não é tóxico para as plantas, animais e seres humanos.

O adubo químico, empregado constantemente, provoca a salinização da terra tornando-a, com o tempo, estéril e improdutiva.

O húmus de minhocas regenera a terra, tornando-a apropriada para as mais diversas culturas. Mesmo não sendo o ideal, pode ser utilizado juntamente com adubo químico, pois desta forma melhora a qualidade da terra quanto à sua acidez, ao mesmo tempo em que aumenta substancialmente a resistência das plantas às pragas dando-lhes imunidade natural e ao mesmo tempo corrigindo a salinização provocada pelo emprego do adubo químico.

Comparado ao adubo químico, o húmus possui maior quantidade de nutrientes, vitaminas e microorganismos que melhoram o estado físico e nutricional das plantas.

De fácil aplicação, proporciona mais vigor às plantas, flores, frutas e verduras. Deve ser usado na agricultura orgânica principalmente na cultura de ervas , canteiros de hortaliças, sementeiras, viveiros, floricultura e fruticultura. É usado para recuperação de jardins, gramados, jardineiras, evitando o aparecimento de pragas e doenças acelerando a produtividade.

Usando o húmus de minhocas da Fazenda Ninho da Cambaxirra, produto 100% natural, você enriquece o solo, produz flores mais bonitas, frutos mais saborosos, legumes e verduras mais saudáveis e alimentos livres de agrotóxicos e outros elementos químicos indesejáveis e prejudiciais à saúde do homem.

O húmus de minhocas é produzido a partir do esterco bovino curtido que, através do processo de curtimento natural, mantém todos os seus nutrientes.

Vantagens do Húmus

Não provoca a salinização e esterilização do solo, o que ocorre com o uso constante da adubação química.
Não contém sementes de ervas daninhas.
É regenarador de solos.
Não se dispersa no solo com água, tão facilmente quanto os demais adubos.
Libera substâncias minerais lentamente, garantindo fonte de alimentação para as plantas.
Prolonga a florada e a frutificação, aumentando a produção agrícola.
Proporciona maior vigor às plantas que ficam mais resistentes às pragas e doenças.
Dá maior porosidade ao solo, proporcionando maior aeração.
Retém a umidade do solo por mais tempo.
Por não ser tóxico, se empregado em excesso, não prejudica a plantação.
Quanto mais húmus for colocado na terra, mais produtiva e fértil ela será.

Componentes do Húmus

Matéria orgânica

30 a 55%
Nitrogênio 1,0 a 3,0%
Fósforo 1,5 a 5,0%
Potássio 0,5 a 2,0%
Carbono 1,5 a 3,0%
Cálcio 2,0 a 5,5%
Microelementos 1,0%
Umidade 40 a 50%
pH 5,0 a 7,0%

Fonte: www.acquaverde.com.br

Húmus

O PRODUTO

Quais as características do húmus de minhoca?

O húmus, podemos dizer que é o esterco da minhoca. È o material orgânico bem decomposto transformado biologicamente.

O húmus é neutro ou levemente alcalino.

Principais nutrientes encontrados e suas funções:

Nitrogênio (N) : desenvolve as folhas e dá a cor verde-escura, própria dos vegetais.
Fósforo (P) :
auxilia a fixação da planta no solo. Fortalece as raizes e contribui para formação dos frutos.
Potássio K) :
contribui para o fortalecimento geral da planta, tornando-a mais resistente às doenças.

Qual a quantidade recomendada de húmus que devemos colocar nas plantas?

Depende do tipo da planta. Nas publicações especializadas, ou nos próprios pacotes que se encontram no mercado embalando o húmus, existem tabelas que irão dar as quantidades que você quer.

Como exemplo, para as plantas de interior, samambaias, etc…você pode colocar 150 g por vaso.

Importante: O uso em excesso não prejudica a planta.

O húmus coloca-se somente uma vez ou deve ser renovado?

Deve ser renovado. Nas tabelas você encontrara orientação a respeito desta freqüência.

MÃO DE OBRA

Que tipo de profissional é recomendável para cuidar do minhocário?

Não necessita de um profissional. Qualquer pessoa. E esta é uma grande vantagem desta atividade pois não requer nenhuma qualificação prévia, podendo inclusive ser exercida por pessoas de idade com boas condições físicas.

O caseiro pode cuidar? Quanto tempo em média, por dia, uma pessoa deve dedicar ao minhocário?

A mão de obra e´ relativamente muito pouca e irá depender do tamanho da instalação. Como exemplo, 30 metros de canteiro, normalmente ocupará 8 horas de trabalho por semana de 1 pessoa.

MATÉRIA PRIMA

Qual a alimentação preferida da minhoca?

A minhoca vermelha da Califórnia, que é a uma das mais usadas na produção de húmus, prefere o esterco animal sendo que o de vaca é o mais usado.

O que podemos colocar para alimentar as minhocas?

Alem de esterco podemos colocar restos de alimentos, frutas, folhas secas, restos de grama, papeis e qualquer matéria orgânica em decomposição, só não podendo colocar vidros, metais e plásticos.

O alimento tem que ser preparado ou colocamos direto no canteiro?

Antes de colocarmos o alimento no canteiro, ele deve passar por um processo que chamamos de compostagem, o que irá variar dependendo do material.

Como é o processo de compostagem?

De uma forma prática, faz-se um monte de aproximadamente 1metro de altura do material(esterco, folhas etc…), e deixa-se fermentar por um período de 1 semana, depois, revira-se e deixa em repouso por mais uma semana, e assim sucessivamente até a temperatura da massa estabilizar em torno da temperatura ambiente. A partir deste momento o composto está pronto para entrar no canteiro.

Se a massa estiver um pouco quente posso colocar no canteiro assim mesmo?

Não. As minhocas não suportam altas temperaturas. Você deve baixar a temperatura até a temperatura ambiente colocando água, porém, sem encharcar.

Onde posso encontrar detalhes sobre o processo de compostagem?

Normalmente nos livros especializados você encontrará explicações detalhadas sobre o assunto. Neste FAQ o propósito é somente dar noções básicas e responder curiosidades sobre o assunto.

Coloquei esterco de cavalo e as minhocas não estão se desenvolvendo conforme esperava. Por que?

O esterco de cavalo é muito bom, porem, em geral vem acompanhado de serragem da cama das baias que dificulta a digestão das minhocas.

Posso colocar somente restos de jardim?

Claro. Só que as minhocas vão levar mais tempo para comer devido ao alto percentual de fibras das folhas. Alem disso o processo de compostagem é mais lento.

Como posso estocar a matéria prima?

Depois de fermentada, isto é, o composto já pronto, você pode colocar uma lona por cima de modo a não perder suas propriedades, ou mesmo ensacar e colocar em local protegido do sol e chuva.

As minhocas só servem para produção de húmus?

Não. Servem também para pesca como isca, produzir farinha para alimentação animal, uso na medicina devido a sua grande capacidade de cicatrização e regeneração dos tecidos e também na farmacologia no tratamento de bronquite, asma e hipertensão.

LOCAL / INSTALÇÕES

Como vamos usar esterco, os canteiros devem ficar bem afastados da casa?

Não necessariamente, pois existem muitos minhocários instalados em quintais de residências sem nenhum problema. O esterco curtido perde o cheiro e o húmus tem cheiro de terra úmida. Aconselho a você a visitar um minhocário e verificar se você terá algum problema com o cheiro. O que deve ser considerado é a movimentação do material o qual necessitará algum espaço para o manejo.

Posso criar minhocas num canteiro de horta?

Sim. Não existe local específico. Algumas pessoas criam num cercado de bambu, numa vala, em caixotes, em canteiros de alvenaria, em caixas d’água, em gavetas de latão, etc… Depende do espaço que se possui, de quanto se quer investir, do material disponível, em fim, não existe melhor lugar.

O piso deve ser cimentado?

Não necessariamente pois as minhocas não costumam fugir pela terra. Se tiver de fugir, elas saem por cima do canteiro. Mas se tiver alimento e condições razoáveis de umidade e temperatura, elas não vão fugir.

Qual o tamanho ideal do canteiro?

A largura deve ter 1 metro para facilitar o acesso por ambos os lados. A profundidade normalmente utilizada varia em torno de 30-40 cm. O comprimento irá depender do espaço disponível.

Ouvi dizer que existem instalações em depósitos, garagens e quartos. È verdade?

Sim. Existem instalações em ambientes fechados e pequenos com prateleiras e gavetas com uma tecnologia de manejo específico que tem sido usado com boa produtividade.

O canteiro tem que ter alguma cobertura?

As minhocas evitam claridade e calor, portanto os canteiros devem ter algum tipo de cobertura que pode ser de folhas, restos de grama, gravetos, folhas de bananeira, papelão, telhas de amianto, lonas, etc… O importante é evitar a incidência de sol como também a entrada dos predadores, alem de manter um ambiente escuro.

O ambiente deve ser fechado?

Não necessariamente. Os canteiros devem ter alguma cobertura, mas podem ficar ao ar livre. Na foto abaixo temos quatro canteiros num quintal que pode produzir cerca de 600 kg de húmus por mês.

MERCADO

Quanto estão pagando pelo húmus?

Da mesma forma das minhocas, o preço varia conforme a região do Brasil.

Em média o pacote de 2 Kg pode custar os seguintes preços por região:

Sul : R$ 0,80
Centro-oeste :
R$ 1,50
Nordeste :
R $0,60
Norte :
R$ 0,60
Sudeste :
R$ 1,00

Qual a melhor maneira de vender?

Depende. Se você for um grande produtor, vai vender a tonelada. Se você pretende ser um médio ou pequeno produtor provavelmente irá vender em sacos de 50, 20 ou 2 quilos.

CUSTO

Como posso fazer um minhocário barato?

Muitas pessoas aproveitam construções já prontas como canteiro de hortas, caixas d’água, valas, etc…Isto naturalmente para começar, o que é altamente recomendável, pois numa instalação pequena, você vai adquirir a experiência necessária para ampliar sua instalação com maior probabilidade de sucesso.

Onde posso comprar as minhocas e quanto custa?

Você deve procurar dois ou três minhocários e comparar os preços. Eles variam conforme a região do Brasil. Na região sudeste está em torno de R$ 20,00 o litro da minhoca vermelha. Na região norte, R$18,00. Na região sul, R$12,00. Na região centro-oeste R$22,00. No nordeste R$10,00. Todos estes preços em média…

CICLO DE PRODUÇÃO

Quanto tempo demora para se produzir húmus?

Isto vai depender da quantidade de minhocas, da qualidade do composto, do ambiente, em suma, das condições do canteiro.

Vou dar uma estimativa razoável: 1 metro quadrado de canteiro com 25 cm de altura de esterco e com 2 litros de minhocas da Califórnia, com uma temperatura por volta de 20 graus e uma umidade em torno de 70 %, podemos ter em 60 dias o canteiro totalmente transformado em húmus e o dobro do número de minhocas colocadas inicialmente.

MANEJO / RETIRADA DE HÚMUS

Como posso reconhecer que já tem húmus no canteiro?

O húmus tem um aspecto de pó de café, sem cheiro, e que fica depositado na superfície da massa. Observe porem que deve haver um tempo mínimo para produção, que é de 15 dias nas condições conforme descritas no item ciclo de produção.

Como posso separar as minhocas na retirada do húmus?

Existem alguns processos como peneiras manuais, peneiras mecânicas, retirada manual das minhocas do canteiro, colocação de iscas com esterco novo, etc.

Cada minhocário irá procurar a maneira mais conveniente a sua instalação. Os detalhes destes e outros processos são bem detalhados nas publicações especializadas.

Como posso separar os filhotes e os ovos na retirada do húmus?

Infelizmente teremos que considerar estas perdas, pois mesmo no caso das peneiras, eles passam pelas malhas.

Quanto tempo o húmus pode ficar estocado sem perder as propriedades?

Abrigado e em local ventilado ele pode ficar até 6 meses. Neste caso deve-se evitar guardar ensacado.

CUIDADOS BÁSICOS / PREDADORES

Qual o predador mais comum e como evita-lo?

Não existe o mais comum pois cada instalação tem suas peculiaridades, mas normalmente encontramos sanguessugas, que pode ser evitada se o fundo do canteiro for cimentado. Encontramos tambem formigas, citado na pergunta anterior. Camaleões, ratos, e a grande maioria deles pode ser evitado cobrindo o canteiro com telha, tela, lona, mas sempre deixando espaço para ventilação.

Como posso evitar as formigas?

Mantenha o canteiro com uma umidade um pouco maior que o necessário até que as formigas desapareçam. Se for um formigueiro, procure retira-lo com uma pá, não colocando inseticida para não prejudicar as minhocas.

Fonte: www.humuseminhocas.com.br

Húmus

Fertilização de Substrato com Húmus de Minhoca

O Húmus de Minhoca é um material de origem animal, resultado do processo digestivo das minhocas presentes no solo.

No Brasil, esse tipo de húmus ainda é o mais popular, já na Europa, encontraremos o Húmus Vegetal como mais difundido para uso em aquários Durante a alimentação a minhoca ingere material orgânico e um pouco de terra, nos intestinos toda uma flora bacteriana auxilia a minhoca na disgestão do material, o resultado deste processo é o que chamamos de Húmus de Minhoca ou “earthworm casting” como é conhecido lá fora, um material muito rico em macro e micronutrientes essenciais para os vegetais. Porém esse não é o único meio de produzir húmus , embora seja o mais comum e difundido, principalmente por ser o meio mais rápido de produção.

As características do Húmus de Minhoca há muito são conhecidas e sua aplicação em jardins, vasos e hortas é algo comum. Porém, a sua aplicação como fertilizante de substratos para aquários é algo um tanto mais recente, seguindo um processo ligeiramente diferente da aplicação comum em solos. Essa diferença, aliada à falta de um padrão na produção do Húmus de Minhoca, talvez seja o principal motivo de problemas na aplicação em aquários, pois os processos (aquário e solo) possuem modos distintos.

O Húmus (vegetal) já havia sido introduzido para uso em aquários há alguns anos, antes do estouro de popularidade atual do aquarismo plantado no Brasil, porém o seu uso não se tornou popular entre os aquaristas brasileiros, principalmente pelo fato de que era um produto importado, pouco divulgado e o conceito de aquário plantado, como conhecemos hoje, ainda estava começando a ser introduzido no Brasil, o produto simplesmente caiu no poço do esquecimento ou simplesmente passou despercebido.,

Húmus
Fig. 1 – Primeira apresentação comercial do Húmus (vegetal) para aquários

Com o passar dos anos o Brasil viveu um boom evolutivo em relação aos conceitos e técnicas de elaboração de aquários plantados, e o Húmus acabou voltando a cena como coadjuvante dessa nova linha de aquarismo por vários motivos, entre eles posso destacar:

Há pouco menos de 10 anos havia poucas opções de bons fertilizantes para aquários disponíveis no mercado, os que haviam eram importados em pequena escala, muito caros para maioria e muitas vezes inacessíveis em várias localidades. O Húmus de minhoca podia ser encontrado em qualquer loja de jardinagem ou até mesmo supermercados, com preço acessível, irrisório se comparado a outros meios fertilizantes.
Os detalhes de preparo e aplicação foram aperfeiçoados e amplamente difundidos pela internet.
É um produto fácil de ser encontrado em qualquer região do país, podendo inclusive ser produzido em casa.
Seu modo de preparo para uso em aquário é simples, qualquer pessoa pode fazer em casa*.
Sua ação é eficiente, não faltando exemplos de aquários para corroborar isso.

O panorama do aquarismo brasileiro mudou muito e hoje já existe uma enorme variedade de opções de fertilizantes, para todas as necessidades e bolsos. Com a popularização da internet as lojas virtuais já atendem a todo o país, não sendo mais problema obter a maioria dos produtos necessários para se montar um aquário moderno.

Húmus
Fig. 2 – Apresentação comercial moderna do Húmus (vegetal)

Algumas Características do Húmus de Minhoca

Composição média do húmus de minhoca:

Macronutrientes: Nitrogênio (N), Fósforo (P), Potássio (K), Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Enxofre (S);
Micronutrientes Manganês (Mn), Ferro (Fe), Cobre (Cu), Zinco (Z), Cobalto (Co), Boro (B) e Molibdênio (Mo)

Por ser um produto natural a sua dosagem não afeta as plantas, como os químicos que possuem toxidade razoavelmente elevada, podendo ser usado com qualquer espécie terrestre ou aquática

Dependendo da sua composição fornecerá nutrientes para suas plantas durante anos.

Tem alto índice de trocas catiônicas, por isso retêm melhor seus elementos macro e microelementos, liberando-os dosadamente, tornando a adubação mais eficaz e duradoura

Comparado a um solo fértil natural o húmus apresenta 5 vezes mais Nitrogênio, 2 vezes mais Cálcio, 4 vezes mais Magnésio, 7 vezes mais Fósforo e 11 vezes mais Potássio

Granulometria muito boa, possibilitando a formação perfeita de raízes principais e secundárias

O Húmus de Minhoca, devidamente tratado, não oferece riscos de fermentação, casos comuns quando se usa terra vegetal. Não é recomendado o uso de terra vegetal por haver demasiado material biológico parcialmente decomposto.

É barato e encontrado praticamente em qualquer lugar, o processo de tratamento pode ser efetuado por qualquer pessoa*

É um produto natural, biodegradável e portanto ecológico. Até o descarte do substrato poderá ser usado como fertilização de canteiros e vasos.

Análise Média da composição do Húmus de Minhoca

Umidade 45 a 58%
pH 7,11 a 7,54
Matéria Orgânica 42 a 56%
Nitrogênio 1,66 a 2,04%
Fósforo 1,42 a 3,82%
Potássio 1,44 a 2,23%
Cálcio 5,44 a 7,26%
Magnésio 0,88 a 1,32%
Ferro 0,82 a 1,84%
Manganês 552 a 767
Zinco 418 a 1235
Cobre 193 a 313
Cobalto 15 a 37
Carga Bacteriana 5×10.8 a 2×10.12

Como preparar Húmus de Minhoca para Aquários

O processo de tratamento do Húmus é relativamente simples e qualquer pessoa* pode prepará-lo. No entanto é preciso atenção aos detalhes e o tratamento completo precisa ser aplicado, não seguir este procedimento significa correr mais riscos. Com um pouco de organização será um processo limpo e sem muita bagunça, as esposas/mães agradecem!!!

Se você tem pouco espaço, leia-se mora em apartamento, então siga a dica: prepare em pequenas quantidades até ter o bastante para montar seu aquário.

Você vai precisar:

2 recipientes grandes (balde ou bacia)
1 recipiente grande que possa ir ao fogo (Panelão, Tacho, Lata grande, etc.)
1 superfície planta e lisa que recepa/possa ir ao sol, para secagem.
* 1 Peneira grossa (é opcional, leia o método abaixo)

Método de Preparo:

1º Passo – Lavagem Inicial

Utilize um recipiente grande, uma balde ou bacia são os melhores.
Adicione o húmus neste recipiente, acrescente água até cobrir tudo, agite bastante, com a mão desmanche os aglomerados de húmus e continue agitando
Espere alguns minutos (3 min) para decantar, passe rapidamente o conteúdo para o outro balde, descarte a areia que ficou no fundo do primeiro balde.
Descarte a água do balde com húmus, elimine qualquer material sólido e que esteja boiando (pedras, galhos, folhas, etc…)
Repita este passo várias vezes, no mínimo 2 vezes.
Cuidado:
Não exagere ou você perderá muito húmus. Use a água das lavagens para fertilizar vasos e canteiros, ela é rica em nutrientes

2º Passo – Esterilização

Após a lavagem transfira o húmus para o recipiente que irá ao fogo, acrescente água até cobrir tudo;
10 min de fervura são mais que suficientes;
A água não deve secar durante a fervura, acrescente água o suficiente para ferver sem secar.
Atenção:
quando ferver o húmus poderá formar espuma, use um recipiente grande e não tampe! O cheiro do húmus sendo cozido é o mesmo de argila sendo cozida, algumas pessoas não gostam do cheiro e podem sentir enjôo;
Cuidado:
O recipiente é pesado e estará muito quente, evite acidentes*.

3º Passo – Lavagem Final

Dispense a água quente, não use em vasos ou canteiros antes de esfriar completamente.
Transfira o húmus cozido para um dos baldes usados anteriormente, não esqueça de lavar os baldes enquanto o húmus ferve.
Cuidado:
O Húmus estará muito quente, evite acidentes*.
Repita o processo de lavagem mais duas vezes ou mais, se achar necessário.
Ao final escorra o máximo de água possível.

4º Passo – Secagem

O Húmus deve ser seco ao Sol, naturalmente.
Faça camadas finas de húmus sobre uma superfície plana que receba bastante luz solar, quanto mais fina for a camada mais rápida será a secagem.
Para dar uma textura solta ao Húmus tratado esse é o momento, antes do húmus secar completamente, nem úmido demais e nem seco demais, use uma peneira grossa, ele ficará solto e com textura de farofa, seguindo a secagem normal ele terá aparência de argila seca.

*Segurança: Crianças e Adolescentes

Por questão de segurança recomendamos que o procedimento de tratamento seja efetuado por/com a supervisão de um adulto.

Considerações sobre o Húmus de Minhoca x Tratamento 

Muitas pessoas questionam quanto a perda acentuada de nutrientes devido ao tratamento de lavagem e fervura, é certamente uma questão lógica, mas os fatos apontam que o procedimento é eficiente e acima de tudo necessário. Como material mineralizado de origem biológica o Húmus de Minhoca carrega uma imensa carga bacteriana do solo, além disso, pode eventualmente trazer consigo alguns patógenos e fungos indesejáveis para o aquário. O tratamento diminui não somente os riscos da sua aplicação como um pouco a carga nutritiva, mesmo assim tende a continuar sendo um material altamente nutritito para as plantas..

Veja o resultado de uma análise química de uma amostra de Húmus de Minhoca Tratado, para uso em aquários, seguindo o procedimento descrito acima:

pH: 7,4
Fósforo:
312,4 mg/dm³ =ALTO
Potássio:
255,7 mg/dm³ = ALTO
Cálcio:
5,60 cmol/dm³ = ALTO
Magnésio:
4,60 cmol/dm³ = ALTO
Alumínio:
0,00 cmol/dm³. Obs: O alumínio é tóxico pras raízes das plantas.
Acidez potencial:
(H+Al): 1,70 cmol/dm³ = BAIXA Obs: A acidez potencial quanto mais baixa melhor.
Soma de Bases:
10,85 cmol/dm³ = ALTO
Capacidade de Troca de Cátions (CTC):
12,55 cmol/dm³ = ALTO
Saturação de Bases (V) 86,46% =
ALTO
Matéria Orgânica: 3,01 dag/dm³ =
ALTO
Micronutrientes: Ferro:
76,1 mg/dm³
Zinco:
71,0 mg/dm³
Cobre:
1,0 mg/dm³
Manganês:
140,2 mg/dm³
Boro:
2,65 mg/dm³
Sódio:
70,0 mg/dm³ Enxofre: 55,5 mg/dm³

Como é possível constatar o Húmus de Minhoca  mantêm índices ótimos de nutrientes, mesmo após o tratamento.

Húmus de Minhoca – Perguntas e Respostas Freqüentes

Quando eu devo parar de lavar o Húmus de Minhoca?

Isso varia muito, normalmente para-se quando a água não turva muito (zerar a turvação é impossível), neste momento você já consegue enxergar sua mão mexendo o Húmus de Minhoca, também não houver mais vendo pedrinhas, galhos, folhas, ovos de minhoca e outras coisas que possam aparecer.

Qual a aparência do Húmus de Minhoca depois do preparado?

Pode variar em razão da composição do húmus utilizado, mas geralmente é bem semelhante ao húmus antes de ser preparado, um pouco mais escuro, com aparência um pouco mais uniforme e textura de farofa fina.

Por que secar o Húmus de Minhoca?

Praticidade, permitindo a estocagem do produto e facilitano a aplicação/mistura do húmus a areia ou outro componente do substrato.

Por que é necessário ferver o Húmus de Minhoca?

Devido a sua alta carga biológica e a quantidade de material orgânico, como foi comentado antes, o húmus pode trazer consigo bactérias, fungos e outros patógenos indesejáveis. 

Quanto rende este processo?

Depende da composição do Húmus de Minhoca e da qualidade do processo de tratamento. Quando bem feito costuma ser aproveitado 35% do volume inicial de húmus ou mais, se o húmus for de boa qualidade.

Como sei que o húmus é de boa qualidade?

Infelizmente ainda não há certificado de garantia e origem confiáveis dos fornecedores de Húmus de Minhoca, ao contrário do Húmus Vegetal destinado especificamente à aquários, então precisamos ficar atentos a alguns detalhes no momento da compra.

Observe: Se o húmus de minhoca não apresenta bolores ou fungos, dispense! Se for possível observar pedaços de folhas, madeiras, muitas pedras ou areia, dispense! Se apresentar mau cheiro, dispense! Se apresentar umidade excessiva ou estiver seco em demasia, dispense! 

Edson C, Fabricio F

Alex R, Marne C.

Fonte: www.aquaonline.com.br

Húmus

Húmus

Camada mais superficial do solo, onde funciona a indústria da reciclagem, garantindo a perenidade dos ciclos biogeoquímicos e, conseqüentemente, a fertilidade dos solos.

Húmus é o produto resultante da matéria orgânica decomposta, a partir do processo digestório das minhocas, formando uma compostagem natural, agregando ao solo os restos de animais e plantas mortas e também seus subprodutos.

Através da ação de microrganismos (bactérias e fungos), associados ao trato digestório compartimentados desses anelídeos (boca, faringe, papo, moela, intestino, ânus), os detritos são macerados contra as partículas de terra também ingeridas, sendo parte dos nutrientes absorvidos e a outra inaproveitada, eliminada juntamente com a finíssima granulometria dos minerais.

Assim, o húmus é considerado o mais completo adubo, apresentando as seguintes características físicoquímicas: não possui cheiro (inodoro), uma substância asséptica, rico em micronutrientes (ferro, boro, cobre, zinco, molibidênio, cloro) e macronutrientes (potássio, nitrogênio, fósforo), além de possuir textura macia devido à granulometria das partículas do solo (silte e areia).

Diante dessas propriedades, a formação do húmus (chamado humificação) repõe os minerais no solo, corrigindo a debilidade de nutrientes proporcionalmente às necessidades dos vegetais, tornando a terra mais estável e apropriada para as mais diversas culturas, ou seja, um excelente fertilizante.

À medida que as minhocas se deslocam, escavando galerias nas camadas dos substratos, promovem além da assimilação da matéria orgânica, condições para que haja penetração de gases da atmosfera (arejamento do solo), e infiltração hídrica juntamente à percolação de elementos químicos. Aspectos esses fundamentais ao desenvolvimento de uma planta, realizando absorção de água, nutrientes e também respiração através das raízes.

Húmus
As minhocas, organismos que aumentam a fertilidade do solo, auxiliando na ciclagem da matéria

Pelo ponto de vista apresentado, as minhocas e outros seres vivos representam um papel biológico muito importante nos ecossistemas, auxiliando na ciclagem da matéria, tornando disponíveis os elementos químicos às relações ecológicas.

Krukemberghe Fonseca

Fonte: www.hidro.ufcg.edu.br

Húmus

O húmus é um componente orgânico do solo, de cor castanho-escuro a preto.

Este componente é uma mistura heterogénea de compostos orgânicos, complexos de que se conhece incompletamente a natureza e a formação. Os resíduos orgânicos sofrem o efeito da decomposição através de microrganismos do solo ou são sintetizados no metabolismo dos microrganismos que geram novos compostos.

Atualmente, os investigadores sugerem que os compostos que constituem o húmus não são materiais vegetais meramente degradados.

A maior parte destes compostos deve ter resultado de dois tipos de reações bioquímicas: decomposição e síntese.

A decomposição é realizada pela transformação em substâncias simples dos resíduos orgânicos vegetais pelos microrganismos do solo. Quando a lenhina é degradada, muitas das suas unidades estruturais são destruídas.

Outros compostos orgânicos simples que também resultam da degradação de lenhina tomam parte em sínteses bioquímicas.

É este o segundo processo da formação do húmus. Estas moléculas simples são metabolizadas em novos compostos nos corpos celulares dos microrganismos do solo. Os novos compostos são objeto de futuras modificações e síntese nas células de outros microrganismos, que se alimentam dos primeiros.

Reações adicionais de síntese implicam a transformação dos produtos resultantes da lenhina em fenóis e quinonas. Os produtos desta decomposição, constituindo de início monómeros simples, são estimulados enzimaticamente a transformarem-se em polifenóis.

Estes compostos de elevado peso molecular reagem com compostos aminados e nitrogenados e constituem substâncias componentes do húmus. A formação destes polímeros é catalizada pela presença de argilas coloidais.

Há estudos que apontam para a constituição do húmus por duas porções: 60 a 80% de uma substância húmica e 20 a 30% de porção não húmica. As substâncias não húmicas são menos complexas e menos resistentes aos ataques microbianos do que as substâncias húmicas.

Fonte: www.infopedia.pt

Húmus

Húmus: Algumas Características

O húmus de minhoca nada mais é que seu excremento.

A minhoca é a maior produtora biológica de húmus, transformando toda matéria orgânica no mais rico adubo existente.

Pesquisas mostram que a aplicação do húmus de minhoca no milho gera um aumento de 18% de rentabilidade econômica para a cultura, e na cultura de batata se obteve um aumento de 17% no primeiro ano.

Estudos comprovaram que o trabalho das minhocas no solo e a utilização do húmus aumentam a produção de grãos em 35 a 50% e de folhagem em até 40%, em comparação a outras culturas sem a aplicação do húmus
Adubo cientificamente preparado, contendo todos os elementos dos macronutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre) e micronutrientes (manganês, ferro, cloro, cobre, zinco, cobalto, boro molibdênio), microorganismos humidificantes alcalinos (rhizovium – fixadores de nitrogênio atmosférico)
Fertilizante natural, poderoso para todas as plantas, que crescem vigorosas e mais rapidamente
Antecipa e aumenta a florada e a frutificação
Equilibra o pH
Com uma umidade de 40 a 45%, o húmus garante a sobrevivência das minhocas e dos casulos
Agrega as partículas do solo, proporcionando maior liga e tornando o solo mais resistente à ação dos ventos e das chuvas
Desagrega solos argilosos e agrega os arenosos
Retém a água, diminuindo substancialmente os efeitos da seca
Pode ser empregado em contato direto com as raízes e os brotos mais delicados, sem perigo de queimá-los, pois é um produto estável;
* Promove elevação do nível de cálcio, fazendo a correção do solo
Corrige a toxidez do solo em até 70%
Atuação permanente, duradoura e imediata após sua utilização
Retém melhor seus elementos, liberando-os dosadamente, tornando a adubação mais eficaz e duradoura
Em relação à uma camada de solo fértil, o húmus apresenta 5 vezes mais Nitrogênio, 2 vezes mais Cálcio, 4 vezes mais Magnésio, 7 vezes mais Fósforo e 11 vezes mais Potássio.

Fonte: www.anhumus.com.br

Húmus

Húmus
Húmus

O humus é matéria orgânica decomposta extremamente rica , um produto inodoro, leve, macio, solto, finamente granulado, asséptico e rico em sais minerais assimiláveis para nutrir as plantas.

Produto 100% natural e ecologicamente correto, produzido por minhocas carinhosamente tratadas e alimentadas pelos resíduos orgânicos da cozinha da Morada da Floresta.

O Húmus de Minhoca da Morada da Floresta é o resultado produtivo do manejo consciente e ecológico dos resíduos orgânicos de nossa cozinha, que ao invés de irem para o ´´lixão“ da cidade, alimentam nossas queridas e preciosas minhocas.

As plantas nos alimentam, o que não utilizamos alimenta as minhocas, o excremento das minhocas (húmus) alimenta as plantas, e as plantas nos alimentam.

O humus nada mais é que o excremento das minhocas, uma substância extremamente rica em matéria orgânica decomposta, um produto inodoro, leve, macio, solto, finamente granulado, asséptico e rico em sais minerais assimiláveis pelas plantas.

O Húmus é estável, com pH 7 (neutro) e, portanto, não mais sujeito a fermentações podendo, por essa razão, ser colocado diretamente sobre as raízes das plantas, é um corretivo do solo por ser rico em nutrientes e ter de 250 a 300 milhões de elementos vivos, sendo que isso é um dos principais fatores de melhoria do solo.

Sendo finamente particulado, possibilita a formação de raízes secundárias e até pelos radiculares, que por sua vez proporcionam otimização quase total na nutrição radicular das plantas.

Principais nutrientes encontrados e suas funções:

Nitrogênio (N) : desenvolve as folhas e dá a cor verde-escura, própria dos vegetais.
Fósforo (P) :
auxilia a fixação da planta no solo. Fortalece as raizes e contribui para formação dos frutos.
Potássio K) :
contribui para o fortalecimento geral da planta, tornando-a mais resistente às doenças.

Informações de uso:

Para vasos: Prepare o vaso com 1 (uma) porção de Humus para 1 (uma) porção de terra.
Para canteiros:
Prepare o canteiro com 1 (uma) porção de Humus para 2 ( duas) porções de terra.

Não havendo condições de renovar a terra, coloque um punhado de húmus no pé da planta. 

O húmus em excesso não é prejudicial às plantas.

Fonte: moradadafloresta.org.br

Húmus

 

Húmus
Minhoca

Húmus é a matéria orgânica vegetal ou animal, escura, resultante da ação dos microorganismos do solo (fungos e bactérias) que promovem a reciclagem da matéria.

O húmus constitui uma fonte contínua de minerais indispensáveis para o crescimento das plantas.

O húmus dá coesão aos solos arenosos e diminui a coesão dos solos argilosos. Facilita a solubilização dos elementos fertilizantes insolúveis e a circulação do ar e da água. Favorece, ainda, a vida dos microorganismos.

O solo deve sempre ter uma certa quantidade de húmus.

Em relação à quantidade de húmus, os solos são classificados em:

Humíferos — quando possuem de 5% a 10% de húmus.
Humosos —
quando possuem de 10% a 20% de húmus.
Turfosos —
quando possuem mais de 20% de húmus.

A minhoca na produção de húmus

A criação de minhocas (minhocultura) constitui hoje uma atividade zootécnica muito importante, que tem como objetivos:

Produção de alimento (proteína) para a criação de vários animais (rãs, peixes etc.)

Produção de húmus (esterco de minhoca).

Atualmente, o húmus de minhoca é produzido a partir da minhoca vermelha da Califórnia. O alimento normalmente usado é o esterco de gado fermentado ou bioestabilizado.

As minhocas alimentam-se de matéria orgânica em decomposição. Assim, o fato de se encontrar um número elevado de minhocas num determinado local significa que o solo é rico em matéria orgânica e também em nutrientes minerais.

Os nossos solos são, em geral, pobres em matéria orgânica. Isso faz com que as minhocas tenham de ingerir grandes quantidades de terra para obter o alimento necessário para a sua sobrevivência.

À medida que ingerem a terra, cavam verdadeiras galerias no solo que permitem a circulação do ar, isto é, garantem a porosidade do solo e a sua fertilidade.

De tudo isso, pode-se concluir que o solo que passa pelo intestino da minhoca ao ser expelido apresenta, em relação ao solo circunvizinho, maiores teores de matéria orgânica e de elementos minerais facilmente assimiláveis pela planta, e também uma rica e diversificada fauna e flora microbiana.

Fonte: www.presenteparahomem.com.br

Húmus

1. Introdução

Os agricultores sempre foram ótimos observadores da natureza e desde muito tempo aprenderam a diferenciar, à sua maneira, os solos pobres dos solos férteis.

Um dos principais elementos que ajudava nessa diferenciação era a presença de minhocas: sua existência nas áreas de cultivo era geralmente associada às melhores produções. Infelizmente, as modernas técnicas intensivas de preparo e manejo do solo promoveram a degradação das terras, reduzindo seus teores de matéria orgânica e, conseqüentemente, a população de minhocas nos campos. Com o desgaste do atual modelo de produção agrícola apoiado no uso intensivo de insumos externos às propriedades rurais, surgiu a necessidade de uma nova forma de fazer agricultura, baseada em práticas que, além de técnica e economicamente viáveis, sejam adequadas do ponto de vista ambiental e incentivadoras da autonomia dos agricultores.

Dentro deste contexto, a Agroecologia impulsionou a produção de adubos orgânicos de qualidade e as minhocas passaram a ser novamente reconhecidas como parte fundamental no processo de reciclagem dos nutrientes nas propriedades rurais, em especial aquelas que trabalham com a integração entre plantas e animais.

Há uma série de benefícios em produzir e utilizar o húmus de minhoca ou vermicomposto. De uma forma geral, é possível fazer húmus de qualquer material que se decomponha; logo, qualquer resíduo orgânico disponível e não aproveitado na propriedade rural pode ser utilizado.

O húmus de minhoca, que nada mais é do que as excreções da minhoca, quando aplicado ao solo, atua de forma benéfica sobre suas características físicas, químicas e biológicas, favorecendo a sua conservação e auxiliando o desenvolvimento das plantas.

A minhocultura é a criação racional de minhocas, sob condições minimamente controladas, com o objetivo de produzir húmus para adubação orgânica. Embora seja uma atividade perfeitamente adaptada à pequena escala de produção, por sua simplicidade de manejo, a sua expansão na propriedade familiar, como fonte alternativa de renda, dependerá apenas do espaço físico do minhocário e da disponibilidade da matéria orgânica e mão-de- obra.

Essa trabalho irá apresentar as principais técnicas para a criação de minhocas na pequena propriedade rural, com o objetivo de obter húmus de qualidade para a adubação orgânica, bem como recomendar as melhores formas de utilização na horta, pomar e na lavoura.

2. A minhoca

Acredita-se que no mundo todo existam mais de 8 mil espécies diferentes de minhocas. No Brasil, são conhecidas entre 240 e 260 espécies, sendo sua grande maioria minhocas nativas. Contudo, a espécie mais utilizada para a produção de húmus no mundo todo é a Vermelha-da- Califórnia (Eisenia fetida Savigny).

A minhoca Vermelha-da-Califórnia é a preferida para a produção de húmus pois, além de se adaptar facilmente às condições de cativeiro, apresenta uma grande capacidade de produção de húmus e uma alta velocidade de reprodução. Esta espécie consegue consumir diariamente o equivalente ao seu peso em matéria orgânica e produz um casulo a cada 3 a 7 dias, contendo em seu interior entre 2 e 5 novas minhocas.

Húmus
Figura 1. Aspecto externo do corpo de uma minhoca, Vermelha-da-Califórnia

Há uma crença popular equivocada de que ao cortar uma minhoca ao meio, as partes se regeneram dando origem a duas minhocas. No primeiro anel de seu corpo a minhoca tem a boca (lado mais próximo do clitelo) e no último anel ela tem o ânus, por onde é expelido o vermicomposto. Dependendo do lugar onde ocorre o corte, existe uma chance da metade anterior se regenerar e a minhoca permanecer viva, mas, com certeza, a outra metade irá morrer. A parte anterior pode sobreviver por que todos os órgãos vitais da minhoca estão próximos da boca e do clitelo. O clitelo é a região do corpo da minhoca que se parece com um colar, um pouco mais saliente, de cor mais clara e que é responsável pela formação do casulo que contém em seu interior as novas minhocas. Quanto mais distante da região do clitelo for o corte, maior a chance da minhoca sobreviver. Seja como for, é importante salientar que qualquer lesão no corpo da minhoca é sempre prejudicial e não há benefício algum em termos de produção de húmus ou de casulos.

Com relação à reprodução, as minhocas são hermafroditas, ou seja, possuem os órgãos sexuais masculinos e femininos no mesmo indivíduo. Entretanto, para atingir bons níveis de reprodução, a Vermelha-da- Califórnia precisa se acasalar com outra minhoca da sua espécie. Além disso, para se reproduzirem, as minhocas precisam estar na idade adulta, o que pode ser verificado pela presença do clitelo bem desenvolvido. Em geral, esta fase é atingida entre os 40 e 60 dias de vida. As minhocas não possuem olhos nem ouvidos e por isso seu sentido de direção não é muito bom. Sua movimentação é muito influenciada por células sensíveis à luz que existem em sua pele. Em geral, evitam a luz direta do sol, preferindo os ambientes sombreados e mais úmidos.

Mesmo preferindo locais com maior umidade, as minhocas não toleram ambientes encharcados, pois sua respiração é feita pela pele. Em lugares onde há acúmulo excessivo de água, a tendência é de haver pouco oxigênio. Nestes casos, é comum vermos as minhocas saindo do solo para procurar locais mais secos.

Os sentidos mais desenvolvidos nas minhocas são o paladar e o tato. Esses sentidos são importantes, pois as ajudam a localizar os alimentos que mais lhe agradam, a identificar parceiros para o acasalamento e a fugir dos predadores.

3. A criação

3.1. Escolha do local e construção do m inhocário

Existem vários tipos de minhocário: dos mais simples, montados apenas com as leiras de matéria orgânica no próprio chão, até os mais caros, feitos com canteiros de tijolos e piso de concreto. É possível também aproveitar instalações já existentes na propriedade, como galpões e paióis. Na Figura 2, pode-se ver um minhocário de alvenaria, construído em um galpão reformado, que era uma antiga baia de animais.

Para agricultores familiares, que não pretendem vender comercialmente o húmus produzido, mas apenas utilizá-lo nas atividades da propriedade, o mais indicado é fazer um minhocário de baixo custo e pouca manutenção, que possa servir para produzir húmus a partir do esterco dos animais e dos restos de frutas e verduras da horta da propriedade. Na Figura 3 pode-se ver um minhocário feito com materiais simples e de fácil obtenção, provando a viabilidade deste tipo de estrutura.

Húmus
Figura 2. Minhocário de alvenaria na Estação Experimental Cascata, Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS

4. Minhocultura e produção de húmus para a agricultura familiar

Húmus
Figura 3. Minhocário “campeiro”, construído com bambu, na Estação Experimental Cascata, Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS

O minhocário “campeiro” pode ser montado sobre o chão capinado, armando uma estrutura de bambus tramados, o que dispensa o uso de arames, barbantes ou pregos. As laterais têm por finalidade delimitar o espaço da criação, facilitar o escoamento da água da chuva e conter o esterco. Desta forma, a minhoca pode aproveitar melhor o material orgânico fornecido. Este tipo de instalação precisa ser muito bem localizada, pois é necessário proteger o minhocário da chuva e do sol direto.

Uma alternativa é montá-lo na sombra de uma árvore, num terreno que apresente uma leve declividade. Assim, evita-se o encharcamento da área, a lavagem dos nutrientes do húmus e a insolação direta nas horas mais quentes do dia. É desejável também proporcionar uma cobertura de palha sobre o minhocário, para melhorar estas condições sempre que possível.

O tamanho do minhocário vai depender da quantidade e constância de alimento disponível para as minhocas. Para reduzir o trabalho, é importante que fique localizado próximo da fonte de água e de alimento, bem como da área onde se pretende usar o húmus posteriormente.

Esta é uma outra vantagem do minhocário “campeiro”: é possível montar várias unidades em diferentes pontos da propriedade ou mudá-lo de local sempre que necessário, acompanhando as áreas de cultivo que estão em rotação. Contudo, é importante observar que os minhocários ao ar livre nunca fiquem próximos a riachos ou poços de água, pois o chorume do esterco pode contaminar a água da propriedade.

Em geral, não se recomenda fazer um minhocário com mais de 1 m de largura, porque isto dificulta o manejo do canteiro.

Por sua vez, o comprimento pode variar com o espaço e alimento disponível.

4.1. Alimentação e manejo do minhocário

Uma das maiores dificuldades do minhocultor iniciante é conseguir alimento de forma constante para as minhocas.

Assim, antes de iniciar a construção do minhocário, é importante certificar-se da disponibilidade e volume de alimento, para evitar a fuga ou morte das minhocas durante determinados períodos do ano.

Independente do alimento que será dado às minhocas, é essencial que o mesmo esteja limpo de qualquer resíduo estranho, como pedras, pedaços de plástico ou de vidro. Se o material que será fornecido ficou guardado ao ar livre, também é necessário verificar se não há nele minhocas de espécies diferentes da Vermelha-da-Califórnia (compare a cor e o tamanho de indivíduos adultos), aranhas, formigas ou outros insetos. A minhoca Vermelha-da-Califórnia se alimenta de praticamente qualquer resíduo de origem animal ou vegetal. Dentre os materiais mais usados, estão os estercos e os restos de culturas. O esterco bovino é o mais utilizado na produção de húmus, por sua grande aceitação pelas minhocas e pela facilidade de ser obtido nas propriedades familiares. Também é possível usar estercos de outros animais, como porcos, aves, cavalos, ovelhas ou coelhos. Contudo, estes requerem alguns cuidados adicionais antes de serem ofertados às minhocas e por isso somente são indicados para os minhocultores com maior experiência. Ao contrário do que muitos pensam, não é recomendado alimentar as minhocas com estercos “verdes”. Neste estado, os estercos podem fermentar e elevar sua temperatura, afugentando ou mesmo matando as minhocas. O esterco deve estar semi-curtido, ou seja, é preciso fazer uma pré-compostagem antes de oferecê-lo às minhocas. Para tanto, deve-se montar uma pilha de 30 cm de altura com o esterco a ser preparado e emparelhar o seu topo. A pilha deve ser umedecida periodicamente para que nunca fique ressecada externamente, evitando, porém, o escorrimento do chorume, pois, neste caso, perde-se uma grande parte dos nutrientes.

A cada 2 ou 3 dias, o monte de esterco deve ser revirado, invertendo a parte de baixo com a parte de cima. Para certificar-se que a umidade ideal para o processo está sendo mantida, pode-se usar a seguinte relação: 10 L de esterco devem pesar entre 6 e 7 kg. O processo de pré-compostagem do esterco pode se estender por 15 a 25 dias, conforme as condições climáticas.

Para poder ser usado, a temperatura do esterco não deve ser superior a 30°C. É possível ter uma idéia aproximada desta temperatura enfiando uma barrinha de ferro de construção no monte de esterco, mantendo-a por um período de 30 a 60 minutos. Se ao final deste tempo não for possível segurá-la na mão, o esterco ainda está muito quente e não deve ser usado.

O pH, parâmetro que indica a acidez, é outro fator que pode impedir a permanência ou a sobrevivência das minhocas no esterco, especialmente quando este for muito ácido. Na Tabela 1 são apresentados os principais parâmetros do alimento para o desenvolvimento das minhocas.

Húmus
Tabela 1. Parâmetros biológicos das minhocas conforme as condições de temperatura, umidade e pH do alimento

Caso haja dúvida se o alimento está ou não em condições de ser fornecido às minhocas, é possível fazer um teste simples e definitivo: coloque cerca de 300 g do alimento em um recipiente (um vaso feito de garrafa PET de 2 L, por exemplo) e largue na superfície umas 10 minhocas adultas, deixando que elas próprias entrem no material. Após 24 horas, vire o vaso e conte o número de minhocas. Se todas as minhocas tiverem permanecido, é sinal que o material está pronto para ser usado na alimentação, mas se houver uma diferença grande em relação ao número inicial de minhocas ou se as mesmas apresentarem algum sintoma estranho, como pouca movimentação ou corpo amolecido, significa que o material precisa ser compostado por mais alguns dias. Este teste deve ser repetido tantas vezes quantas forem necessárias, para se ter certeza da aceitação do alimento pelas minhocas.

Após este preparo inicial e a confirmação da aceitação das minhocas, é hora de abastecer os canteiros. A forma mais fácil e prática de manejar a alimentação é no sistema de camadas. Uma camada inicial de 20 cm de esterco é colocada no canteiro juntamente com a população inicial de minhocas. Para uma camada de 20 cm de altura e 1 m² de superfície, recomenda-se uma população inicial de 1000 a 1200 minhocas adultas.

A segunda camada de 20 cm é colocada somente quando a primeira tiver sido toda consumida. Assim, as minhocas tendem a migrar da camada de baixo para a de cima, onde há alimento novo.

Posteriormente, esta prática facilitará a retirada das minhocas para a coleta do húmus pronto. A colocação das camadas seguintes segue esta mesma lógica, ou seja, apenas é colocada a próxima quando a anterior já tiver sido transformada em húmus. Podem ser colocadas tantas camadas quantas se achar necessário, mas em geral, montes muito altos dificultam um pouco o manejo do húmus, especialmente no controle da umidade. Neste sistema de manejo, cinco a seis camadas de 20 cm resultarão em uma pilha de húmus pronto de aproximadamente 60 cm de altura. Durante o processo de produção de húmus pelas minhocas, o fator mais importante a ser observado é a umidade do alimento. Deve-se procurar manter o esterco sempre com a umidade em torno de 80% a 85%, nunca permitindo que a umidade fique abaixo de 50%.

Para fazer o controle da umidade de forma prática, se pega um pouco do material na mão e aperta-se: se não escorrer água, é sinal que está seco e é preciso umedecer; se surgirem algumas gotas entre os dedos, a umidade está adequada; mas se houver escorrimento de grande quantidade de água pela mão e braço, então se deve suspender o molhamento do minhocário até que a umidade retorne aos níveis indicados (Figura 4).

As minhocas gostam de ter uma alimentação diversificada. Assim, a incorporação ao esterco de resíduos vegetais existentes da propriedade, como palhas, restos de frutas e hortaliças impróprias para o consumo ou sem valor comercial, pode ser uma boa alternativa. Contudo, é preciso ter alguns cuidados, evitando que plantas doentes possam ser incorporadas ao húmus que posteriormente será utilizado para adubar outras plantas da mesma espécie ou da mesma família.

Também é importante evitar o acúmulo de restos vegetais muito suculentos, pois isto pode atrair moscas, outros insetos e até ratos, além de fermentar, prejudicando o desenvolvimento das minhocas. Sempre que possível, estes resíduos devem ser picados, pois facilita a sua decomposição e consumo pelas minhocas.

O agricultor familiar que possui gado leiteiro pode utilizar a água de lavagem dos tarros e restos de farinha de milho para enriquecer o esterco. Estes alimentos auxiliam na reprodução das minhocas e no seu ganho de peso. Mas alguns poucos alimentos devem ser evitados, como carnes e restos de saladas com sal e óleo.

Em geral, estes alimentos são prejudiciais à respiração das minhocas, além de provocarem a sua desidratação.

Húmus

Húmus

Húmus
Figura 4.

Medida prática da umidade no substrato:

A) muito seco;
B)
muito úmido;
C)
umidade adequada

Cuidados especiais

Na maioria das vezes, o agricultor tem o esterco para o minhocário na sua própria propriedade, o que é uma grande vantagem. Contudo, quando o esterco é comprado fora, é preciso estar atento para possíveis problemas. Sementes de plantas invasoras podem vir misturadas ao esterco e serem disseminadas na propriedade. Da mesma forma, as minhocas podem sofrer um estresse, apresentando mortandade ou fuga, sempre que houver a mudança brusca da alimentação ou até mesmo de estercos de animais que receberam alimentação diferenciada, como por exemplo gado criado a pasto e gado confinado. Assim, é sempre importante conhecer a procedência do esterco que é oferecido às minhocas.

Outro aspecto a ser observado com atenção pelo minhocultor diz respeito aos predadores. Algumas espécies de formigas podem fazer seu ninho dentro do canteiro e se alimentar das minhocas.

Neste caso, é necessário que o ninho seja localizado e removido do canteiro juntamente com o húmus próximo. Não é recomendada a aplicação de qualquer produto químico no canteiro, porém o uso de borra de café, farinha de ossos ou de casca de ovo moída espalhada sobre o canteiro podem inibir o aparecimento de formigas além de serem um complemento alimentar para as minhocas.

As sanguessugas são outros predadores que podem causar sérios estragos no minhocário. Além de viverem em ambientes semelhantes, as sanguessugas são visualmente muito parecidas com as minhocas, embora apresentem uma coloração mais alaranjada e uma maior resistência ao esmagamento. Canteiros bem drenados podem prevenir o surgimento das sanguessugas e a catação e posterior destruição é a forma mais eficaz de controle.

O minhocultor também deve estar atento à ocorrência de predadores de maior porte, como ratos, sapos, rãs, aves domésticas e passarinhos, evitando sua presença com armadilhas ou telas de proteção.

Nos minhocários ao ar livre é recomendado fazer periodicamente uma seleção de minhocas Vermelha-da- Califórnia, pois é possível o surgimento de minhocas nativas atraídas pelo esterco.

Sempre que possível, deve-se evitar a mistura de espécies diferentes de minhocas, mantendo os índices de reprodução e a uniformidade do processo de produção de húmus.

5. A coleta do húmus

Mesmo sendo grandes produtoras de húmus, apenas 60 % da matéria orgânica consumida pela minhoca Vermelha-da- Califórnia é transformada em húmus.

Os demais 40 % a minh oca usa para seu próprio desenvolvimento e reprodução. Assim, para cada 10 kg de esterco serão produzidos aproximadamente 6 kg de húmus.

Apesar desta diferença em quilos, o húmus de minhoca é um produto muito superior ao esterco. As minhocas conseguem concentrar e disponibilizar no húmus os elementos nutricionais necessários às plantas de forma mais rápida do que a decomposição natural do esterco.

O húmus ainda possui uma grande quantidade de hormônios vegetais importantes para o crescimento e desenvolvimento das plantas, além de conter uma grande quantidade de microorganismos que auxiliam na decomposição da matéria orgânica e na microbiodiversidade do solo.

É importante ressaltar que as minhocas não aumentam os níveis de nutrientes no húmus, mas apenas os tornam mais disponíveis para as plantas. Ou seja, um esterco de baixa qualidade resultará em um húmus igualmente ruim, independente da espécie de minhoca ou manejo adotado. Da mesma forma, as características químicas de cada lote de húmus produzido poderá variar conforme o esterco da espécie animal, da sua idade, alimentação e até tipo de criação.

Essa variação também é válida para os resíduos vegetais. Assim, é muito importante que o minhocultor que pretende vender húmus realize análises periódicas do húmus produzido, especialmente quando há troca de fornecedor de esterco ou mudança no sistema de produção dos animais na propriedade.

O momento da coleta do húmus pode ser percebido de forma prática ao realizar uma análise visual do material no canteiro.

A coloração do húmus pronto é escura e uniforme, com um odor agradável de terra molhada e uma granulometria que lembra o pó-de-café (Figura 5). Numa observação mais criteriosa, pode-se notar também que as minhocas diminuem de tamanho quando o húmus está pronto, sinalizando que não há mais alimento no canteiro.

O húmus fica pronto entre 45 e 90 dias aproximadamente, dependendo das condições climáticas, da qualidade do alimento e da população de minhocas no canteiro.

Para utilizar o húmus produzido, é necessário retirar as minhocas que estão nele. Ao adotar o sistema de alimentação em camadas, este processo fica muito mais fácil, pois a grande maioria das minhocas está na camada superficial do canteiro, onde recebeu a última alimentação. A forma mais prática de realizar esta retirada é com o auxílio de iscas. A isca nada mais é do que esterco novo colocado sobre uma rede que permite que a minhoca atravesse em busca do alimento. Este sistema de separação das minhocas pode ser visto na Figura 6.

A isca deve ficar sobre o canteiro por 2 a 3 dias, que é o tempo suficiente para que uma boa quantidade de minhocas passe pela rede. As minhocas da isca podem então ser transferidas para um outro canteiro que se deseja iniciar. Este processo deve ser repetido tantas vezes quantas forem necessárias, até o momento em que poucas minhocas apareçam na isca.

Mesmo após o uso das iscas, algumas minhocas permanecerão no húmus e outras tantas ainda nascerão dos casulos ali existentes. Isto apenas será um problema se a intenção do minhocultor for vender húmus. Neste caso, os interessados neste tipo de exploração devem buscar as informações necessárias sobre a legislação para a comercialização de húmus.

O húmus usado na própria propriedade dispensa maiores beneficiamentos, como a retirada de casulos ou o peneiramento. O ideal é que, quando pronto, o húmus seja retirado do canteiro e armazenado em local sombreado e protegido da chuva, onde os microorganismos irão finalizar o processo de humificação da matéria orgânica.

O húmus atinge sua melhor qualidade química cerca de 3 meses após o armazenamento e começa a perder estas propriedades a partir de 12 meses.

Húmus
Figura 5. Aspecto do húmus de minhoca pronto para ser coletado

Húmus
Figura 6. Sistema de separação das minhocas do húmus através de iscas com redes

6. Utilização do húmus de minhoca

Pela própria natureza, a composição química do húmus de minhoca é muito variável e, por ser um material com elevada carga microbiológica, sua recomendação não pode ser realizada da mesma forma que os adubos minerais solúveis. Infelizmente, muito pouco tem sido feito para definir um sistema de recomendação apropriado aos adubos orgânicos que leve em conta estas características. Na prática, agricultores e pesquisadores têm proposto a utilização do húmus de minhoca a partir de experiências locais e de resultados de pesquisas em algumas culturas.

É possível também aplicar o húmus na forma líquida. Esta forma pode ser empregada quando se pretende realizar uma fertirrigação ou pulverização foliar e até mesmo para evitar a disseminação de sementes de invasoras que porventura vieram no esterco que foi processado pelas minhocas. Para tanto, recomenda-se utilizar o húmus já estabilizado, ou seja, aquele que ficou armazenado durante no mínimo 3 meses.

Para preparar o húmus líquido, usa-se a proporção de 1:10, onde 1 kg de húmus é misturado em 10 L de água. Se o volume de solução que se deseja preparar é de 200 L, basta misturar 20 kg de húmus para manter a proporção. Esta concentração pode variar, mas em geral não se usa mais do que 2 partes de húmus para 10 partes de água.

O húmus pode ser misturado em contato direto com a água dentro do recipiente de preparo, agitando de forma vigorosa a solução, para que todo o sólido se dissolva.

O húmus líquido pode ser preparado em qualquer recipiente, entretanto deve-se evitar que a solução fique exposta ao sol.

O processo de preparo dura cerca de 4 a 7 dias, devendo a solução ser agitada pelo menos uma vez por dia durante este período, para que o máximo de nutrientes e microorganismos do húmus seja liberado na água. Um dia antes da aplicação, recomenda-se não realizar a agitação da solução, para que as partículas sólidas se depositem no fundo do recipiente e facilite o processo de filtragem. Após a filtragem, o produto pode ser aplicado diretamente, sem necessidade de diluição.

O material sólido resultante do processo, mesmo com menor teor de nutrientes, ainda pode ser usado como fertilizante e aplicado ao solo de canteiros de hortas e pomares.

7. Referências Bibliográficas

ALMEIDA, P.C.C. de.M in h ocu lt u ra. 3. ed. Cuiabá: Sebrae/ MT, 1999. 114 p.
ÁVILA, U. de. Criação de minhocas sem segredo. Guaíba: Agropecuária, 1999. 74 p.
BRANCO, E.P.Ve rm i c o m p o s t age m: a produção de húmus através de minhocas. Florianópolis: Epagri, 1996. 22 p.
GONZÁLEZ, P.J.; RAMÍREZ, J.F.; VIEITO, E.L. Lombricultura: una alternativa para la conversión de los desechos orgánicos en recursos. In: FUNES-MONZOTE, F.; MONZOTE, M.Abonos orgánicos: compost, lombricultura y abonos verdes.
La Habana: IIPF-MINAG, 2004. 51 p.
LONGO, A.D.Minhoca: de fertilizadora do solo a fonte alimentar. 4. ed. São Paulo: Ícone, 1995. 75 p.
SOCIEDADE Brasileira de Ciência do Solo. Comissão de Química e Fertilidade do Solo.Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.10. ed. Porto Alegre, 2004. 40 0 p.
MARTINEZ, Â.A.A grande e poderosa m inhoca: manual prático do minhocultor. 4. ed. Jaboticabal: Funep, 1998. 148 p.
MIGDALSKI, M. C.Criação de minhocas: guia prático. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001. 118 p. URRUELLA, E.P.;RAMÍREZ, M.C.; MARTÍNEZ, F.; NODALS, A.R.; CONCEPCIÓN, N.C.Manual para la producción de abonos orgánicos em la agricultura urbana. Ciudad de La Habana: INIFAT/ PNUD, 20 02. 102 p.

Fonte: pt.scribd.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Progestina

PUBLICIDADE O termo progestina geralmente se refere a uma forma sintética do hormônio feminino progesterona, …

Pleiotropia

Pleiotropia

PUBLICIDADE O que é pleiotropia? A pleiotropia ocorre quando um gene influencia duas ou mais características …

Pinheirais

Pinheirais

PUBLICIDADE O que são pinheirais? Os pinheiros (gênero Pinus) são espécies de coníferas da família …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+