Breaking News
Home / Biologia / Ciclo Lisogênico

Ciclo Lisogênico

PUBLICIDADE

Lisogenia

A lisogenia é um dos dois ciclos de reprodução viral (o ciclo lítico é o outro).

A lisogenia é caracterizada pela integração do ácido nucleico bacteriófago no genoma da bactéria hospedeira ou formações de um replicão circular no citoplasma bacteriano. Nesta condição, a bactéria continua a viver e se reproduzir normalmente.

O material genético do bacteriófago, denominado profago, pode ser transmitido às células filhas em cada divisão celular subseqüente, e um evento posterior (como a radiação UV ou a presença de certos produtos químicos) pode liberá-lo, causando proliferação de novos fagos via a Ciclo lítico.

Os ciclos lisogênicos podem também ocorrer em eucariotos, embora o método de incorporação de ADN (ácido desoxirribonucleico) não seja totalmente compreendido.

A distinção entre ciclos lisogênicos e líticos é que a propagação do ADN (ácido desoxirribonucleico) viral ocorre através da reprodução procariótica habitual, enquanto que o fago lítico é espalhado através da produção de milhares de fagos individuais capazes de sobreviver e infectar outras células. A principal diferença entre o ciclo lítico e o ciclo lisogênico é que o ciclo lisogênico não a célula hospedeira.

Os fagos (também chamado bacteriófago) que replicam apenas através do ciclo lítico são conhecidos como fagos virulentos enquanto que os fagos que se replicam utilizando ciclos líticos e lisogênicos são conhecidos como fagos temperados.

Ciclo Lisogênico
Ciclo Lisogênico

No ciclo lisogênico, o ADN (ácido desoxirribonucleico) do fago (também chamado bacteriófago) se integra primeiro no cromossoma bacteriano para produzir o profago. Quando a bactéria se reproduz, o profago também é copiado e está presente em cada uma das células filhas. As células filhas podem continuar a replicar com o profago presente ou o profago pode sair do cromossoma bacteriano para iniciar o ciclo lítico.

Vírus

Uma vez que um vírus infecta uma de suas células, ela começa a se replicar. Alguns vírus fazem centenas de cópias de si mesmos e, em seguida, escapam de seu hospedeiro.

Os vírus lisogênicos escolhem um caminho diferente. Eles podem realmente inserir seu material genético em seu DNA.

O que é

Os vírus têm duas maneiras de se reproduzir.

Ambos invadem uma célula chamada célula hospedeira e reprograma-á para fazer cópias do vírus, que são então liberados de volta para o corpo do hospedeiro.

Um desses ciclos reprodutivos, o ciclo lítico, assume uma célula e enche-a com milhares a milhões de cópias do vírus. Isto resulta na morte da célula hospedeira porque o aumento da pressão na célula causa a lise ou ruptura aberta.

O outro método de replicação, o ciclo lisogênico, resulta em poucas cópias de vírus sendo liberadas de cada vez, mas a célula hospedeira permanece viva. Isso significa que o vírus pode sobreviver e replicar em um hospedeiro por muitos anos.

Por que os vírus invadem as células?

Em ambos os ciclos lítico e lisogênico, o vírus é dependente da máquina de replicação de hospedeiro para produzir novos viriões, ou cópias individuais do vírus. Isso é porque um vírus é uma estrutura simples. Ele consiste apenas de um genoma, o conjunto de DNA que determina a estrutura do vírus, e algumas proteínas estruturais. Esses componentes não dão vírus a capacidade de reproduzir por conta própria, então eles têm que assumir a maquinaria da célula, que pode reproduzir para eles.

A principal diferença entre os ciclos lítico e lisogênico é a localização do genoma viral. Ou seja, onde na célula o vírus deposita seu material genético.

No ciclo lítico o genoma permanece no citoplasma.

A partir daí, ele toma o controle da máquina da célula e começa a produzir vírus.

No ciclo lisogênico, o genoma entra no núcleo, o centro de comando da célula e insere-se no material genético do hospedeiro.

Exposição

O ciclo reprodutivo de um vírus começa por encontrar uma célula hospedeira.

Isso envolve a inserção de um corpo hospedeiro, uma ação que é chamado de exposição.

Existem várias maneiras diferentes que um hospedeiro pode ser exposto a um vírus. O vírus pode encontrar seu caminho através de um corte ou um raspão, pode ser injetado (como por uma picada de mosquito), ou pode entrar no corpo através de uma membrana de muco, como a boca ou narinas.

Anexo e Entrada

Uma vez que um vírus está dentro de um corpo hospedeiro, ele encontra uma célula para atacar.

O primeiro passo é o apego. Isso é quando o vírus fisicamente atribui ao hospedeiro. As proteínas virais interagem com as proteínas de superfície do hospedeiro durante a entrada e o vírus se liga aos receptores de proteína na parede celular. Estes receptores só permitirão que certos tipos de proteínas se liguem. Isso significa que cada vírus só pode se conectar a certos tipos de células.

Uma vez que é anexado, o vírus cria um buraco na membrana da célula e injeta seu genoma no hospedeiro.

No ciclo lítico, o vírus toma rapidamente a máquina do anfitrião e força-o a fazer milhões de novos vírus.

O ciclo lisogênico é mais discreto, no entanto. O genoma do vírus entra no núcleo hospedeiro e torna-se parte do genoma do hospedeiro, fixando seu próprio DNA sobre o da célula.

Definição

Uma forma de reprodução viral envolvendo a fusão do ácido nucleico de um bacteriófago com a de um hospedeiro, seguida pela proliferação do profago resultante.

Resumo

O ciclo lisogênico, ou lisogenia, é um dos dois ciclos alternativos de vida de um vírus dentro de uma célula hospedeira, em que o vírus que tenha infectado uma célula atribui-se ao ADN do hospedeiro e, agindo como um segmento inerte do ADN, replica quando o célula hospedeira se divide.

Este método de replicação é contrastado com o ciclo lítico, em que o vírus que entrou numa célula assume mecanismo de replicação da célula, torna o ADN virai e de proteínas virais, e, em seguida, lise (intervalos abertos) da célula, permitindo que os vírus se produza de novo na célula hospedeira agora desintegrada para infectar outras células.

Embora o ciclo lisogênico não cause danos à célula hospedeira, um evento de indução, tal como a exposição à luz ultravioleta, pode fazer com que esta fase latente entre no ciclo lítico.

O ciclo lisogênico é uma estratégia de replicação do vírus, sem a destruição do hospedeiro.

A descoberta deste ciclo tem importantes implicações médicas.

Por vezes, a expressão dos genes de um bacteriófago lisogênico pode alterar o fenótipo da bactéria hospedeira.

Esse fenômeno, chamado conversão lisogênica, pode ter significância médica para os seres humanos.

Por exemplo, a bactéria que causa a difteria, Corynebacterium diphtheriae, é inofensiva para os seres humanos, a menos que seja infectada pelo fago p. Em seguida, os genes do DNA incorporado do bacteriófago induzem a bactéria hospedeira a produzir toxinas.

A reprodução viral é mais plenamente compreendida através do estudo de vírus que infectam bactérias, conhecidas como bacteriófagos (ou, comumente, fagos).

O ciclo lisogênico e o ciclo lítico são dois processos reprodutivos fundamentais que foram identificados.

Existem 2 ciclos reprodutivos realizados pelos vírus: ciclo lítico e ciclo lisogênico.

Os 2 ciclos se iniciam quando o vírus adere-se à superfície da célula hospedeira e injeta seu material genético.

No ciclo lisogênico, o DNA viral incorpora-se ao DNA da célula hospedeira, multiplicando-se junto com a célula, não interferindo no metabolismo desta. O ciclo lisogênico pode mudar para ciclo lítico.

No ciclo lítico, o DNA viral comanda o metabolismo da célula hospedeira, faz novos DNAs virais e cápsulas para formar novos vírus que serão liberados pela lise da célula hospedeira.

Fonte: www.newworldencyclopedia.org/study.com/en.wikipedia.org/www.colegiosaofrancisco.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Progestina

PUBLICIDADE O termo progestina geralmente se refere a uma forma sintética do hormônio feminino progesterona, …

Pleiotropia

Pleiotropia

PUBLICIDADE O que é pleiotropia? A pleiotropia ocorre quando um gene influencia duas ou mais características …

Pinheirais

Pinheirais

PUBLICIDADE O que são pinheirais? Os pinheiros (gênero Pinus) são espécies de coníferas da família …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.