Breaking News
Home / Biologia / Zooplâncton

Zooplâncton

PUBLICIDADE

 

O que é o zooplâncton?

Zooplâncton são os animais microscópicos que vivem em massas de água livre, à deriva com as correntes ou nadando devagar demais para resistir a eles.

Eles são frequentemente definidos como pequenos animais e plantas a menos de 5 mm de comprimento (0,197), embora em algumas formas do oceano pode ser maior do que os humanos.

Plâncton são organismos microscópicos que flutuam livremente com as correntes oceânicas e em outros corpos de água. Plankton é composta de pequenas plantas (chamadas fitoplâncton) e pequenos animais (chamados de zooplâncton). A palavra plâncton vem da palavra grega “Planktos”, que significa “à deriva”.

Fitoplâncton: são os produtores primários (também chamados de autótrofos). Como a base da cadeia alimentar oceânica, uso fitoplâncton clorofila para converter a energia (a partir de luz solar), produtos químicos inorgânicos (como o nitrogênio), e dissolvido gás dióxido de carbono em hidratos de carbono.

Zooplâncton: zooplâncton são animais microscópicos que se alimentam de outros plânctons.

Zooplâncton
Zooplâncton

Em biologia marinha e limnologia chama-se zooplâncton ao conjunto dos organismos aquáticos que não têm capacidade fotossintética (heterotróficos) e que vivem dispersos na coluna de água, apresentando pouca capacidade de locomoção (são, em grande parte, arrastados pelas correntes oceânicas ou pelas águas dum rio).

Fazem parte deste grupo muitos animais – entre os quais os mais abundantes são crustáceos, principalmente os copépodes – e outros seres tradicionalmente considerados e estudados como tal, mas atualmente classificados em vários clades dos Protista.

Apesar de normalmente se considerar o plâncton como constituído de organismos microscópicos ou, pelo menos, muito pequenos, há alguns organismos planctónicos, como as salpas, que podem formar colónias com vários metros de comprimento.

Importância ecológica do zooplâncton

O zooplâncton é o segundo elo da cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos: estes organismos alimentam-se do fitoplâncton e do bacterioplâncton – são consumidores primários, apesar de haver neste grupo alguns predadores – e, por sua vez, servem de alimentação a organismos maiores.

Algumas espécies de baleias alimentam-se quase exclusivamente de “krill”, um pequeno camarão pelágico muito abundante em águas temperadas dos oceanos.

Apesar de se dizer que os zooplanctontes (tal como, em parte, muitos fitoplanctontes) têm pouca capacidade de locomoção, uma vez que apenas possuem cílios, flagelos ou barbatanas rudimentares, grande parte destes organismos tem a capacidade de realizar migrações verticais na coluna de água, alterando a sua densidade relativamente à da água.

Estas migrações permitem-lhes, não só escaparem dos predadores (afundando para águas profundas, portanto com menos luz, durante o dia e subindo para perto da superfície, onde têm mais alimento, à noite), mas também aproveitarem correntes de fundo para se deslocarem para regiões onde as condições ambientais lhes são mais favoráveis.

A comunidade zooplanctônica é constituída por organismos de tamanho reduzido que variam entre 20 micrometros a 2 milímetros. Os principais grupos em ecossistemas aquáticos continentais são os protozoários, principalmente representados por ciliados e flagelados, e os metazoários rotíferos, cladóceros e copépodos.

Fonte: www.portalmeioambiente.org

Zooplâncton

ZOOPLÂNCTON: Protozoários Testácea

O Zooplâncton é composto por um grupo de diferentes organismos que vivem flutuando em águas abertas ou associadas às plantas aquáticas nas margens de lagos e rios. Ao microscópio, podem ser vistos protozoários, pequenos crustáceos, rotíferos e larvas de insetos e, com menor freqüência, vermes e larvas de moluscos. O zooplâncton compõe um importante elo na cadeia alimentar aquática, sendo alimento para animais maiores, como os peixes e, por outro lado, consumindo algas e bactérias. A partir daí, representam uma fonte alimentar essencial nos ambientes aquáticos.

Muitos organismos do zooplâncton, porém, realizam migrações verticais diárias, apresentando, assim, algum controle de sua ocorrência vertical, mas são incapazes de controlar suas distribuições horizontais, que é determinada pela dinâmica da movimentação das massas de água.

O estudo e o reconhecimento desses pequenos organismos flutuantes são relevantes, especialmente em reservatórios urbanos. Esses organismos se reproduzem de forma contínua e, geralmente, sem interrupção, e a maioria apresenta um ciclo de vida curto, de horas/dias a algumas semanas. Devido a esse comportamento, torna-se possível uma resposta rápida dos organismos frente às alterações do ambiente aquático, inclusive às de qualidade de água.

Os protozoários Testáceas são organismos primeiramente de água doce, podendo também ser encontrado em ambientes aquáticos salobras e em solos úmidos. O grupo de Testácea é formado por um conjunto heterogêneo de amebas rizópodes onde a característica comum é a exibição de carapaças rígidas (também chamadas teças, testas, conchas) e um pseudostoma (abertura bucal) bem definido, característica única para cada espécie. A maioria das amebas Testáceas é aquática e podem ser encontradas em quase todas as águas continentais, desde rios e lagos profundo até temporários (VUCETICH & LOPRETTO, 1995 p: 541-555), não exibindo, assim, uma boa evidência de que tenham uma biogeografia (HARDOIM, 1997 p: 343).

Os protozoários planctônicos apresentam regime alimentar diversificado, podendo ser bacteriófagos, detritívoros, herbívoros, carnívoros (inclusive canibais) (MARGALEF, 1974 p: 446). A maioria dos Testáceas constrói suas carapaças a partir de partículas (sílica) preexistentes, apresentando-se como um dos mais ativos agentes de corrosão biogenética (POMAR, 1972 p: 265-279). Em geral pode-se diferenciar 4 tipos de carapaças (aglutinadas, silicosas, calcárias e protéicas), todas secretam uma matriz orgânica cimentante. Essas carapaças variam na forma e na estrutura, podendo apresentar-se finas, com nas espécies de Arcella ou de Centropyxis; compostos por elementos encontrados no ambiente, aglutinados por uma matriz orgânica cimentante, como em Diffugia ou serem formados por placas ou escamas silicosas, originados no endoplasma nos vacúolos citoplasmáticos (Trinrma, Euglypha, Quadrullela, dentre outros). Cada família possui característica própria para o grupo.

Esse grupo é caracterizado como cosmopolita ou circuntropical, tendo sido coletado em diversos habitats de diferentes localidades geográficas, o que confere certa facilidade na sua identificação, principalmente pela vasta literatura sistemática publicada, que permite comparar a autoecologia das espécies regionais com as de outros continentes.

O grupo de protozoários rizópodes possui uma série de vantagens que o torna interessante nas investigações ecológicas. As amebas com carapaça são abundantes na maioria dos ecossistemas aquáticos, apresentam uma produção de biomassa e o seu tamanho e tempo de geração permite investigações sobre processos demográficos, tanto em escala espacial quanto temporal (HARDOIM, 1997 p: 343).

É incontestável a grande importância do estudo de grupos fisiológicos microbianos nos corpos d’água, principalmente em virtude do “turn-over” da biomassa vegetal produzida e do input de matéria orgânica alóctone. O papel dos microrganismos na remineralização dos nutrientes e na sua dinâmica representa, segundo alguns autores, mais do que 50% da atividade energética que ocorre nos sistemas aquáticos. Alia-se a esses fatores o potencial de grupos ou espécies para indicação de qualidade da água e do ambiente podendo, então, ser utilizados como bioindicadores.

Cada vez mais se torna incontestável a importância do estudo dos Testacea rizópodas em conjunto com outros organismos aquáticos, para conhecimento da diversidade local ou ainda, para utilizá-lo como possíveis indicadores ecológicos.

Valdirene Felipa de Arruda

Referência Bibliográfica

HARDIM, E.L. Taxonomia e Ecologia de Testacea (Protozoa: Rhizopoda) do Pantanal de Poconé- Rio Bento Gomes e Vazante Birici, Mato Grosso, Brasil. Phd dissertation, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos/ SP. (tese).p: 343,1997.
MARGALEF, R. Ecologia. Ed.Omega.1974.
POMAR, H.B. Opalo Organogeno e Sedimentos Superficiales de La Lianura Santafesina. In: Rer. De La Asociación Paleontológia Argentina.nº 3. 265-279
VUCETICH, M.C. & LOPRETTO, E. C. Rhizopoda (Testaceos). In: Ecossistemas Águas Continentales. Metodologia para su Estúdio. Tomo II. Lopretto, E. C. & Tell, G (edtores). La Plata Ediciessur 1401 p, PP. 541- 555, 1995.

Fonte: www.seduc.mt.gov.br

Zooplâncton

O que é Zooplâncton

Zooplâncton
Plâncton

O Zooplâncton, inclui um número elevado de animais de dimensões e formas diversas, pertencentes aos mais variados grupos zoológicos.

Alguns são unicelulares ou seja, compostos por uma só célula.

Os crustáceos constituem uma parte importante do zooplâncton, de que fazem parte, nalguns casos durante toda a vida.

Noutros casos são planctónicos apenas durante o estado larvar, passado a fazer parte do necton quando adultos, como por exemplo as lagostas, ou os caranguejos.

Os ovos e larvas da grande maioria dos peixes fazem parte do plâncton.

Formas e Cores

Zooplâncton
Plâncton

O único meio eficaz de defesa para os seres vivos que vivem em pleno oceano é tornarem-se invisíveis aos olhos dos predadores.

Por esta razão, a maior parte dos organismos que formam o plâncton são transparentes, sendo muito difícil detectá-los dentro de água.

Algumas espécies são bioluminescentes, ou seja, brilham na escuridão das profundezas, utilizando esta capacidade para afugentarem predadores ou atraírem parceiros sexuais.

Movimentos Verticais

As comunidades de plâncton flutuam passivamente nos oceanos, sendo arrastadas pelas correntes e outros movimentos da massa de água, registando assim movimentos laterais passivos.

No entanto, o Plâncton realiza movimentos ou migrações verticais ativas, diariamente ou sazonalmente.

Na realidade, ao entardecer uma grande quantidade de animais planctónicos sobe das profundezas onde vive normalmente (entre os 200 m e os 500 m) e sobe até à superfície, para se alimentar do fitoplâncton que aí vive.

Ao amanhecer regressam à profundidade, permanecendo na escuridão ou penumbra.

Pensa-se que esta é uma forma de proteção contra os predadores que abundam à superfície durante o dia.

Cadeia Alimentar

O fitoplâncton constitui a principal fonte de produção de matéria orgânica na água, dele dependendo todos os outros animais (herbívoros ou carnívoros).

Constitui na realidade a Base da Vida.

O zooplâncton, por sua vez, constitui o elo principal entre o fitoplâncton e os animais marinhos de maiores dimensões.

Na realidade o fitoplâncton serve de alimento ao zooplâncton; este por sua vez vai ser comido por animais de maiores dimensões (peixes, crustáceos, etc…), os quais serão ingeridos por animais ainda maiores.

Estabelece-se assim uma Cadeia Alimentar baseada em complexas relações alimentares entre os diferentes animais e plantas.

As grandes baleias oceânicas por exemplo alimentam-se diretamente de zooplâncton que retiram da água por filtração, com a ajuda das suas longas barbas.

Fonte: www.marinha.pt

Zooplâncton

Ecologia do zooplâncton

O nome zooplâncton deriva do grego zoon (animal) e planktos (a deriva), logo, o plâncton é formado por organismos que vivem dispersos na coluna d’água, com meios de locomoção limitados. Já o termo zooplâncton se refere à parcela heterotrófica de organismos do plâncton. Entretanto, apesar de muitas vezes definidos como organismos de pouca mobilidade, diversos organismos do zooplâncton, como microcrustáceos, podem se mover extensivamente. Sendo assim, estes organismos possuem uma heterogeneidade tanto espacial quanto temporal em função das condições do ambiente, e não são aleatoriamente distribuídos como poderia se pensar devido ao significado do termo plâncton.

O zooplâncton é constituído de muitos tipos de organismos, grande parte destes possui ciclo de vida curto, havendo uma resposta rápida em relação a mudanças ocorridas no ambiente, como por exemplo, mudanças climáticas (temperatura, vento), concentração de nutrientes, pH, entre outros fatores. Assim, a composição de espécie do zooplâncton e a abundância destas podem ser alteradas em função de variações no meio, podendo ser de grande utilidade como indicador biológico para avaliação da qualidade da água, mostrando, por exemplo, variações na comunidade com relação ao grau de eutrofização do meio.

Estas variações espaciais podem ocorrer também por questões bióticas como a competição ou a predação. É comum em diversos grupos de organismos, por exemplo, a realização de migrações verticais, sendo este provavelmente, embora não totalmente esclarecido, um mecanismo para evitar predação. Mas também podem aproveitar correntes para se deslocarem.

A importância do zooplâncton reside principalmente em seu papel de condutor do fluxo de energia, dos produtores primários para os consumidores de níveis tróficos superiores, sendo assim um importante grupo responsável pela produtividade secundária e também fundamental no transporte e regeneração de nutrientes pelo seu elevado metabolismo.

Pela sua importância na cadeia trófica pode-se notar que o zooplâncton representa uma fonte alimentar essencial e por isso é utilizado no cultivo e produção de alimentos para o homem como peixes e crustáceos.

Algumas vantagens de se utilizar esses organismos na piscicultura são: o curto ciclo de vida de muitos organismos como os cladóceros e os rotíferos, o alto valor nutritivo e a fácil captura por peixes um pouco mais desenvolvidos e no caso de peixes pequenos, os rotíferos tem tamanho ideal. Além disso, geram um efeito menos tóxico e podem ser cultivados em larga escala com fácil estocagem.

Os organismos do zooplâncton podem passar apenas uma parte de seu ciclo de vida no plâncton sendo chamados de meroplâncton ou passar todo seu ciclo de vida, sendo chamados de holoplâncton. Podem também habitar os mais diversificados ambientes marinhos (haliplâncton) ou de água doce (limnoplâncton).

O zooplâncton marinho é formado por muitos filos de invertebrados pois se não estiverem presentes por toda a vida, estão presentes em alguma fase larval. Já o zooplâncton de água doce não é formado por tantos tipos de invertebrados, mas também é diverso, sendo que os principais grupos presentes são os protozoários, os rotíferos e os microcrustáceos (Copepoda e Cladocera), mas também ocorrem diversas larvas de insetos e com menos freqüência vermes (turbelários e alguns trematódeos), cnidários e larvas de moluscos. Outro componente também é o ictioplâncton formado por alevinos e ovos de peixes.

Protozoa

Protozoário ciliado

Os protozoários são organismos unicelulares eucariontes, com tamanho que varia cerca de 3 µm a 1 cm. Possuem grande diversidade morfológica e fisiológica, o que faz com que estes se adaptem a diversos ambientes. Tais organismos podem ser de vida livre, parasitas e mutualistas ou comensais em plantas e animais.

Apesar de muitas vezes ter se considerado que a maior parte da biomassa do zooplâncton é composta por rotíferos e crustáceos, os protozoários podem exceder ou igualar a biomassa desses grupos. Tal desconhecimento se deve a dificuldades metodológicas com a coleta e identificação dos organismos, pois estes precisam de uma metodologia especial para que sejam efetivamente coletados e adequadamente conservados. Assim, devido a sua grande importância no ambiente, o grupo deve ser mais bem estudado.

Protozoários podem apresentar cílios, flagelos ou pseudópodes que são estruturas bastante importantes para a locomoção e alimentação. Seus hábitos alimentares são bem diversificados, sendo bacteriófagos, detritívoros, herbívoros e carnívoros (inclusive canibais). Quanto à reprodução, estes podem se reproduzir assexuadamente por fissão binária ou sexuadamente por conjugação. Muitas espécies podem produzir cistos de resistência quando as condições do ambiente se tornam desfavoráveis.

Os principais grupos de protozoários encontrados no plâncton pertencem aos filos Ciliophora e Sarcomastigophora que são na maioria de vida livre e incluem assim ciliados, flagelados e sarcodinas.

São importantes na transferência de energia na cadeia trófica, se alimentando de fitoplâncton e bactérias e servindo de alimento para os outros organismos do zooplâncton como rotíferos e microcrustáceos. Possuem também importante papel no consumo de bactérias, reduzido assim seu número em ambientes ricos em matéria orgânica, e são muito eficientes no que diz respeito à reciclagem de fósforo e outros nutrientes essenciais. Além disso, são importantes em processos de autopurificação em sistemas de tratamento de águas residuárias e indicadores da qualidade da água.

Fonte: ecologia.ib.usp.br

Zooplâncton

ECOLOGIA DO ZOOPLÂNCTON

CONSTITUIÇÃO

O Zooplâncton ou fração animal do plâncton é constituído pelos organismos planctónicos heterotróficos. No seio do Zooplâncton marinho e estuarino podem reconhecer-se organismos pertencentes à grande maioria dos Phyla do reino animal. Os Taxa mais representativos do Holoplâncton e do Meroplâncton foram já anteriormente referidos (cf. Capítulo 1) (TREGOUBOFF & ROSE, 1957, NEWELL & NEWELL, 1963, SMITH, 1977).

O ecossistema neustónico é formado por duas entidades cenóticas distintas: o Pleuston e o Neuston. O Pleuston agrupa os animais e vegetais cujas deslocações são fundamentalmente asseguradas pelo vento. Geralmente os organismos pleustónicos possuem flutuadores de tal modo que parte do seu corpo se encontra emersa (Phylum Cnidaria, Classe Hydrozoa, Subordem Rhizophysaliae, Physalia, Subordem Chongrophorae, Porpita, Velella). Os organismos neustónicos são aqueles que vivem nas camadas superficiais das massas de água (primeiros centímetros).

Usualmente distinguem-se no seu seio duas categorias distintas: os organismos epineustónicos e os organismos hiponeustónicos. Os primeiros, essencialmente insetos, encontram-se sobretudo nas regiões tropicais ocorrendo na interface ar/água (Phylum Arthropoda, Classe Insecta, Heteroptera, Gerridae, Halobates). Os segundos são particularmente abundantes e diversificados em todas as latitudes. Compreendem os vegetais e animais que habitam os primeiros 10 cm da coluna de água (CHAMPALBERT, 1975).

O estudo do Neuston (Neustonologia) é relativamente recente. Alguns autores reconhecem a existência de um verdadeiro ecossistema neustónico e uma neustonosfera. A pirâmide trófica do Neuston é essencialmente constituída pelo bactérioneuston, fitoneuston e hiponeuston animal (ZAITSEV, 1968, 1970, CHAMPALBERT, 1975).

A fração animal do hiponeuston é extremamente diversificada e é a mais característica. Os organismos que passam todo o seu ciclo vital no seio do neuston, isto é nos primeiros centímetros da coluna de água, constituem o holohiponeuston ou hiponeuston permanente. Outros organismos ocorrem unicamente durante parte do ciclo vital no domínio neustónico constituindo o merohiponeuston ou hiponeuston temporário.

O holohiponeuston é essencialmente constituído por Copépodes da Família Pontellidae (Pontella), que têm uma larga repartição. O merohiponeuston é constituído por formas larvares e juvenis de numerosos Taxa planctónicos (Copepoda, Euphauseacea, Decapoda), bentónicos (Decapoda, Polychaeta, Mollusca, Echinodermata, Cirripedia) e ainda pelos ovos e estados larvares planctónicos de numerosos peixes (ictioneuston).

Zooplâncton
Pleuston e epineuston:
a- Physalia;
b- Velella;
c- Halobates

Zooplâncton
Organismos hiponeustónicos associados a Sargassos:
a- Antennarius marmoratus;
b- Syngnathus pelagicus;
c- Scyllaea pelágica;
d- Portunus sayi

Zooplâncton
Exemplos de organismos hiponeustónicos:
a- larva de Carangidae;
b – larva de Engraulidae;
c- larva de Blenniidae;
d- Megalopa de Malacostraca;
e- Pontellidae;
f- larva de Belonidae;
g – larva de Callionymidae;
h- larva de Soleidae;
i- larva de Belonidae

Durante o período nocturno é por vezes possível encontrar no seio do neuston numerosas espécies que são bentónicas durante o período diurno e que efetuam importantes migrações verticais (benthohiponeuston).

É possível reconhecer no seio do hiponeuston diversas categorias ecológicas (HEMPEL & WEIKERT, 1972):

i) Euneuston – organismos que permanecem nas proximidades da superfície das águas (primeiros 10 a 15 cm) durante o ciclo diário.
ii) Neuston facultativo –
organismos que ocorrem próximo da superfície das águas durante parte do ciclo diário, usualmente durante o período nocturno.
iii) Pseudoneuston –
organismos cujas máximas concentrações ocorrem abaixo da superfície das águas, mas que podem surgir no seio do hiponeuston pelo menos durante parte do ciclo diário.

Os organismos hiponeustónicos exibem adaptações particulares, nomeadamente:

Diminuição do peso específico do corpo (e.g. enriquecimento em vitelo de alguns ovos de Osteichthyes).
Aumento da flutuabilidade (e.g. aumento da superfície relativamente ao volume do organismo, existência de espinhos e apêndices plumosos, desenvolvimento de flutuadores).
Desenvolvimento de uma coloração intensa (usualmente azulada ou esverdeada). Proteção relativamente às radiações ultravioletas letais para outros planctontes e camuflagem relativamente a potenciais predadores.
Mimetismo (particularmente nalgumas larvas ictioneustónicas).

O zooplâncton estuarino é constituído por formas holo- e meroplanctónicas. As formas holoplanctónicas são sobretudo dominadas pelos copépodes. Alguns géneros de copépodes são tipicamente estuarinos (e.g. Eurytemora, Acartia, Pseudodiaptomus, Tortanus). Nas zonas a jusante do estuário podem dominar espécies marinhas ou eurihalinas (e.g. Paracalanus, Centropages, Oithona, Pseudocalanus, Temora, Eutrepina, Harpaticus).

Além dos copépodes outros taxa podem representar igualmente uma fração importante do holoplâncton estuarino (Ctenophora, Chaetognatha, Misidacea, etc.).

As formas meroplanctónicas podem em certas épocas do ano dominar o zooplâncton estuarino (formas larvares de Crustacea Decapoda, Polychaeta, Mollusca, Hydrozoa, ovos e estados larvares de peixes). Nos períodos primaveril e estival as larvas de invertebrados bentónicos são quase sempre as formas mais abundantes (Zoea e Mysis de Malacostraca, Zoea e Megalopa de Brachyura, Veliger de Mollusca, etc.), assim com as fases planctónicas (ovos e estados larvares) de algumas espécies de Osteichthyes.

Na maioria dos sistemas estuarinos a diversidade específica é geralmente mais elevada nas regiões a jusante do estuário. Diversas espécies marinhas podem ocorrer nestas áreas. A diversidade específica tende a diminuir nas regiões intermédias e a montante, sofrendo um ligeiro aumento próximo do limite superior do estuário devido sobretudo à ocorrência de espécies dulciaquícolas (DAY, 1981).

A abundância do zooplâncton estuarino é geralmente limitada por dois fatores principais. Em primeiro lugar a turbidez funciona como um fator limitante da produção fitoplanctónica e consequentemente da produção secundária. Em segundo lugar em muitos sistemas estuarinos as correntes prevalecentes tendem a transportar os zooplanctontes para o domínio marinho. Muitos zooplanctontes estuarinos exibem estratégias próprias de retenção no interior do estuário, nomeadamente utilizando as correntes de entrada e de saída de água nos estuários parcialmente ou altamente estratificados (RÉ, 1984).

ESTUDOS QUANTITATIVOS

Biomassa

O peso fresco e o biovolume de zooplâncton podem ser considerados como uma medida aproximada da biomassa. As medições da biomassa permitem avaliar a quantidade de matéria viva por unidade de superfície ou de volume numa determinada população zooplanctónica.

As determinações de biomassa zooplanctónica podem ser efetuadas na totalidade das amostras recolhidas, numa fração destas ou ainda num ou vários grupos de zooplanctontes.

Os métodos utilizados na avaliação da biomassa de microzooplâncton são semelhantes aos utilizados na determinação da biomassa fitoplanctónica. Recorre-se quase sempre à enumeração e medição dos microzooplanctontes segundo o método de Utermöhl (microscópio de inversão).

A determinação da biomassa zooplanctónica é usualmente efetuada recorrendo a diversos métodos:

i) gravimétricos
ii)
volumétricos
iii)
composição química e bioquímica
iv)
conteúdo calórico; (v) medição e enumeração dos organismos e
vi)
contagem de partículas (STEEDMAN, 1976, OMORI & IKEDA, 1984, HARRIS et al., 2000).

Os métodos gravimétricos baseiam-se na determinação do peso dos organismos zooplanctónicos. O peso fresco representa o peso exato dos organismos zooplanctónicos. Este deve ser avaliado após a remoção da totalidade do líquido intersticial usado na fixação e conservação da amostra. As determinações da biomassa são quase sempre efetuadas recorrendo a amostras previamente fixadas e conservadas em formol. O peso fresco pode sofrer variações consideráveis (diminuição) após um período de conservação elevado. Esta diminuição é tanto mais acentuada quanto maior for a quantidade de água contida nos organismos.

A remoção total do líquido intersticial é de difícil realização. A principal desvantagem da utilização do peso fresco na determinação da biomassa reside no fato de uma amostra de zooplâncton conter usualmente numerosos taxa com percentagens muito díspares de água relativamente ao conteúdo orgânico e inorgânico.

Esta circunstância pode significar que a estimativa da biomassa zooplanctónica é afetada de alguma imprecisão, especialmente no que diz respeito ao valor nutritivo dos zooplanctontes.

O peso seco do zooplâncton representa uma medida do material orgânico e inorgânico após a remoção da água contida nos zooplanctontes. Esta avaliação fornece uma estimativa mais realista da biomassa zooplanctónica e do valor nutricional dos zooplanctontes. A água contida nos organismos deve ser removida de tal modo que o conteúdo orgânico não seja afetado.

Os métodos utilizados na remoção da água podem ser variados: liofilização (“freeze drying”), dessecação, secagem utilizando estufas, etc. A liofilização consiste na congelação da amostra (-10 ºC a ?40 ºC) sendo a água (sob a forma de cristais de gelo) removida por sublimação. Se for utilizado material fresco (não fixado e conservado) torna-se necessário que a liofilização seja efetuada o mais rapidamente possível para evitar a decomposição microbiana do material.

O tempo requerido para dessecar (recorrendo ao auxílio de um dessecador ou excicador) a amostra é consideravelmente superior ao tempo necessário para remover a água numa estufa (com ou sem ar esforçado). O tempo deve ser suficiente para que o peso seco da amostra não se altere entre duas pesagens sucessivas. A dessecação é habitualmente efetuada à temperatura ambiente enquanto que numa estufa se podem atingir valores da ordem dos 100 ºC.

A utilização de temperaturas muito elevadas pode ser prejudicial à determinação da biomassa zooplanctónica, por resultarem em perdas de material orgânico.

Usualmente utilizam-se temperaturas de secagem em estufa da ordem dos 60 ºC durante um período não inferior a 24 h. O peso orgânico seco do zooplâncton pode igualmente ser determinado. Neste caso é determinado o peso do material orgânico após a remoção da água e material inorgânico. O peso do material inorgânico é avaliado após a incineração do material orgânico recorrendo por exemplo ao uso de uma mufla. Utilizam-se geralmente temperaturas da ordem dos 500 ºC na incineração do material orgânico.

Os métodos volumétricos são talvez os mais utilizados na avaliação da biomassa zooplanctónica. Consistem na determinação do volume dos zooplanctontes contidos numa determinada amostra.

São fundamentalmente dois os métodos volumétricos de avaliação da biomassa:

i) volume de sedimentação e
ii)
volume de deslocação.

O volume de sedimentação pode ser medido com o auxílio de uma proveta graduada cilíndrica ou cónica, após um período de sedimentação não inferior a 24 h (24 h a 168 h), procedendo ou não à remoção do líquido conservante. De um modo geral os volumes de sedimentação de uma amostra de zooplâncton são cerca de duas a quatro vezes superiores aos volumes de deslocação. Nas colheitas que contenham quantidades apreciáveis de zooplanctontes de maiores dimensões (macro- e megaplâncton) estas determinações são afetadas de maior imprecisão.

O volume deslocado de zooplâncton pode ser avaliado recorrendo a diversas técnicas. Uma amostra de zooplâncton após a remoção do líquido intersticial é adicionada a um determinado volume de água num recipiente graduado. O volume de plâncton pode ser deste modo diretamente determinado. Alternativamente a massa de plâncton pode ser removida de uma amostra (e.g. com o auxílio de filtros de poro adequado) em que se tenha determinado previamente o volume da totalidade do líquido conservante. O volume de deslocação é avaliado através da diferença entre duas medições volumétricas efetuadas (previamente e após a remoção dos zooplanctontes).

A biomassa de zooplâncton pode ser também determinada através da composição química e bioquímica da amostra. Podem determinar-se as concentrações de certos elementos químicos (carbono, azoto, fósforo, etc.) e bioquímicos (proteínas, lípidos, carbohidratos, etc.) dos organismos zooplanctónicos. Este tipo de determinação é mais utilizada no estudo de uma única espécie e de preferência de uma única classe etária de uma espécie.

A biomassa pode ser expressa em termos do conteúdo calórico dos zooplanctontes. O valor energético é determinado através da avaliação da quantidade de energia produzida em calorias após a combustão do material orgânico numa atmosfera de oxigénio recorrendo à utilização de uma bomba calorimétrica.

A estimativa da biomassa de zooplâncton pode ainda ser efetuada através da medição dos zooplanctontes. As medições podem ser posteriormente convertidas em volumes e pesos dos zooplanctontes de um modo similar ao método utilizado na determinação da biomassa fitoplanctónica.

Finalmente pode recorrer-se a processos semi-automáticos na determinação da biomassa. Segundo estes métodos torna-se possível determinar o número e dimensões das partículas numa amostra de zooplâncton com o auxílio de um contador Coulter. Este tipo de técnicas é sobretudo utilizado no estudo do microzooplâncton assim como do fitoplâncton.

As estimativas da biomassa zooplanctónica nos sistemas estuarinos são, tal como no caso do fitoplâncton, dificultadas devido à existência de grande quantidade de detritos sestónicos em suspensão (DAY, 1981).

Variações Temporais

Numa determinada região e num determinado nível batimétrico, se não forem consideradas as variações nictemerais, o zooplâncton não apresenta uma constituição homogénea ao longo do tempo. Estas variações da biomassa e composição do zooplâncton podem no entanto ser similares em anos sucessivos. Pode deste modo analisar-se a composição do zooplâncton ao longo de um período anual e interanual e estudar a sucessão das populações zooplanctónicas (PARSONS & TAKAHASHI, 1973, BOUGIS, 1974, OMORI & IKEDA, 1984).

Numerosos organismos (bentónicos ou nectónicos) possuem larvas meroplanctónicas que ocorrem no seio plâncton em períodos determinados mais ou menos prolongados no tempo. Estes ciclos reprodutores estão naturalmente relacionados com alguns parâmetros ambientais, nomeadamente com a temperatura das águas (este e outros parâmetros físico-químicos podem funcionar como fatores limitantes e/ou condicionantes da reprodução).

Algumas formas meroplanctónicas de Echinodermata (larvas pluteus) apresentam um período de vida planctónica estreitamente relacionado com a temperatura média das águas nas regiões neríticas temperadas. Nas águas boreais e austrais o aparecimento no plâncton de formas meroplanctónicas é muito mais limitado no tempo.

Esta circunstância está sobretudo relacionada com o sincronismo da reprodução de algumas espécies com os máximos de produção fito- e zooplanctónica.

As formas meroplanctónicas (particularmente formas larvares de Hydrozoa, Polychaeta, Crustacea Decapoda e Echinodermata e ovos e estados larvares de peixes – ictioplâncton, entre outras) podem dominar o plâncton nerítico e estuarino em certos períodos do ano.

Os organismos holoplanctónicos apresentam igualmente variações importantes ao longo de um período anual. Estas variações estão também relacionadas com alguns parâmetros físico-químicos das águas.

Se se considerar as variações sazonais globais do zooplâncton (i.e. formas holo- e meroplanctónicas) torna-se evidente a existência de importantes variações da biomassa e composição zooplanctónica ao longo de um período anual. Pode igualmente estudar-se durante um período anual a sucessão das populações de zooplanctontes. Os Copépodes dominam geralmente em biomassa e em número das amostras de zooplâncton. Ao longo de um período anual sucedem-se os no tempo os máximos de ocorrência das diversas espécies de copépodes holoplanctónicos. Outros grupos de zooplanctontes podem igualmente ter uma representação importante nas águas temperadas (Appendicularia, Cladocera, formas larvares de Mollusca, Polychaeta, Crustacea Decapoda, Echinodermata, etc.).

Usualmente nas águas temperadas do Atlântico ocorrem dois máximos de abundância de zooplanctontes (em número e biomassa) nos períodos primaveril e outonal. O máximo primaveril é usualmente de maior amplitude relativamente ao outonal.

Nos estuários, assiste-se geralmente à existência de um máximo de abundância da biomassa fitoplanctónica durante a primavera, seguido de um máximo de ocorrência de zooplanctontes no final do período primaveril e período estival. A produção primária e secundária nos estuários é condicionada por inúmeros fatores (nutrientes, turbidez, transporte de maré, etc.).

Além das variações sazonais podem igualmente ocorrer variações anuais na abundância dos organismos zooplanctónicos. Os máximos de abundância de certos grupos de zooplanctontes podem apresentar variações temporais numa base interanual. Alguns estudos efetuados com o auxílio da rede designada por “Longhurst-Hardy Plankton Recorder” permitiram pôr em evidência algumas destas variações, sobretudo no que diz respeito aos índices de abundância e biomassa de zooplanctontes.

Variações Espaciais

A composição e abundância do plâncton oceânico e nerítico são distintas. O plâncton estuarino apresenta igualmente características particulares.

Estudos efetuados com o amostrador contínuo “Longhurst-Hardy” mostraram a existência de uma distribuição espacial não homogénea do zooplâncton e de importantes variações espaciais. As áreas de distribuição dos zooplanctontes são extremamente variáveis. Podem reconhecer-se fundamentalmente dois tipos de distribuição (nerítica e oceânica) (BOUGIS, 1974).

No primeiro caso certas espécies são sobretudo abundantes nas regiões costeiras (neríticas), regiões em que certos fatores físico-químicos da água apresentam variações importantes. No segundo caso a área de distribuição das espécies é constituída por águas que apresentam uma maior estabilidade físico-química, sobretudo no que diz respeito a dois parâmetros (temperatura e salinidade).

Entre estes dois biótopos existem variações consideráveis da composição e abundância dos zooplanctontes assim como das condições físico-químicas prevalecentes. Podem considerar-se espécies tipicamente neríticas e espécies tipicamente oceânicas.

O plâncton nerítico é também caracterizado pela existência de numerosas formas larvares de organismos bentónicos (formas meroplanctónicas). Ao contrário no plâncton oceânico, as formas meroplanctónicas são menos abundantes, sendo este sobretudo constituído por formas larvares de organismos nectónicos.

De entre os zooplanctontes tipicamente neríticos podem mencionar-se nas regiões temperadas do Atlântico Norte alguns taxa: Ctenophora (Pleurobrachia pileus); Chaetognatha (Sagitta setosa, Sagitta frederici); Copepoda (Lebidocera wollastoni, Temora longicornis, Acartia tonsa, Centrophages hamatus).

O plâncton oceânico é sobretudo constituído por taxa distintos: Mollusca Heteropoda, Siphonophora, Copepoda (Pareuchaeta norvegica, Pleuromamma gracilis, Centrophages bradyi).

Alguns planctontes podem apresentar áreas de distribuição intermédias entre os domínios nerítico e oceânico. Algumas espécies podem ser indicadoras de águas costeiras (neríticas), oceânicas ou intermédias, como é o caso dos Chaetognatha do género Sagitta.

Russell em 1939 pôde distinguir na região do canal da Mancha, baseando na distribuição das espécies de Chaetognatha do género Sagitta, diversos tipos distintos de massas de água com características neríticas (Sagitta setosa) e intermédias entre a província nerítica e oceânica (Sagitta elegans). Esta noção de espécies indicadoras de diversos tipos distintos de massas de água deve, no entanto, ser utilizada com alguma precaução.

A biomassa do zooplâncton estuarino é condicionada por diversos fatores. Os padrões de distribuição do zooplâncton têm usualmente uma relação (por vezes pouco evidente) com alguns parâmetros físico-químicos (salinidade, temperatura, oxigénio dissolvido, nutrientes). O transporte induzido pelas correntes de maré é um dos fatores mais importantes.

A manutenção de uma biomassa importante de zooplanctontes no interior de um estuário depende em grande medida deste transporte de massa. Muitos zooplanctontes exibem adaptações próprias que resultam na sua manutenção na área do estuário. A tolerância das espécies estuarinas às variações periódicas de alguns parâmetros físico-químicos (salinidade, temperatura, oxigénio dissolvido) surge como um fator primordial.

Migrações Verticais Nictemerais

O estudo da distribuição vertical do zooplâncton permitiu pôr em evidência a existência de variações de curto período ligadas à alternância dia/noite (migrações nictemerais: do grego e do latim nuctos = noite; hemera = dia). Muitos planctontes efetuam migrações verticais com um ritmo circadiano (RAYMOND, 1983).

Apesar de existirem numerosas modalidades de migrações verticais nictemerais as características gerais das mesmas podem ser sintetizadas do seguinte modo (BOUGIS, 1974):

i) Migração em direção à superfície durante o período crepuscular (pôr do Sol) a partir da profundidade diurna (profundidade média ocupada durante o período diurno).
ii)
Migração descendente por volta do meio do período nocturno.
iii)
Migração em direção à superfície com o raiar da aurora.
iv)
Migração descendente após o nascer do dia em direção à profundidade diurna.

O fato das migrações verticais nictemerais estarem ligadas à alternância dia/noite, faz supor que a luz e o fotoperíodo são fatores intervenientes no seu determinismo.

Uma interpretação simples parece estar relacionada com a possível existência de fototactismos negativos exibidos por parte de alguns zooplanctontes. A luz parece ser um dos fatores mais importantes no despoletamento das migrações. Outros fatores parecem ter, no entanto, alguma importância no processo, nomeadamente a temperatura, a pressão e a atração gravítica.

Em conclusão, a luz parece ser um fator fundamental no despoletamento e manutenção das migrações verticais, sendo a temperatura um fator acessório importante e a pressão e a atração gravítica, fatores auxiliares a considerar. Muitas espécies de zooplanctontes exibem ritmos endógenos relacionados com as migrações verticais nictemerais.

Apesar de um grande número de zooplanctontes efetuar migrações verticais nictemerais, estas não são uma característica universal. No seio de um mesmo grupo de zooplanctontes algumas espécies podem exibir um comportamento migrador enquanto que outras não variam a sua posição na coluna de água durante um ciclo diário.

A amplitude das migrações verticais pode igualmente ser muito variável. Algumas medições das velocidades ascencionais de alguns organismos zooplanctónicos permitiram pôr em evidência as referidas variações. Algumas espécies de copépodes exibem velocidades ascencionais de 10 a 30 m/h, compatíveis com a amplitude das suas migrações verticais (20 a 100 m).

Diversas espécies de Eufauseáceos possuem velocidades ascencionais mais elevadas (ca. 100 m/h) apresentando naturalmente uma amplitude das suas migrações verticais mais marcada. As velocidades ascencionais de alguns zooplanctontes são comparativamente menos elevadas relativamente às velocidades de descida, o que pode explicar em parte as dissimetrias observadas nas suas migrações ascendentes e descendentes (BOUGIS, 1974, RAYMOND, 1983).

No domínio estuarino muitos organismos zooplanctónicos exibem migrações verticais marcadas. Alguns zooplanctontes efetuam migrações verticais relacionadas com a alternância dia/noite (nictemerais) ocorrendo em maiores concentrações próximo da superfície durante o período nocturno e junto ao fundo durante o período diurno.

Outros porém exibem migrações verticais relacionadas sobretudo com as correntes de maré. Nos estuários parcialmente estratificados este mecanismo comportamental (geralmente endógeno) pode resultar na manutenção da população no interior do estuário. Existem no entanto numerosas modalidades de migrações verticais efetuadas pelos zooplanctontes estuarinos.

As camadas difusoras profundas (Deep Scattering Layers) detectadas frequentemente no domínio oceânico com o auxílio de ecosondas são sobretudo constituídas por organismos zooplanctónicos. Estes organismos realizam frequentemente migrações verticais com uma frequência circadiana (subida em direção à superfície durante o período nocturno e descida após o raiar da aurora). As referidas camadas difusoras podem ser associadas na maioria dos casos a organismos planctónicos (e.g. Euphauseacea, Siphonophora, …) mas também a alguns organismos micronectónicos (e.g. Osteichthyes, Myctophidae).

NUTRIÇÃO E METABOLISMO

O conhecimento dos hábitos alimentares dos zooplanctontes, permite avaliar o papel desempenhado por cada espécie nas cadeias tróficas. Os termos herbívoro, carnívoro e omnívoro são correntemente utilizados no caso dos zooplanctontes que se alimentam sobretudo à base de fitoplanctontes, zooplanctontes ou de fito- e zooplanctontes respectivamente. Os termos monofágico e polifágico são também empregues no caso dos zooplanctontes se alimentarem de uma ou várias espécies-presa respectivamente (OMORI & IKEDA, 1984).

O método mais comum para estudar os hábitos alimentares dos zooplanctontes consiste na análise dos conteúdos do tubo digestivo. Os resultados obtidos através deste tipo de estudos devem, no entanto, ser interpretados judiciosamente.

As espécies-presa são, na maior parte dos casos, difíceis de identificar devido sobretudo ao estado avançado de digestão que normalmente exibem. Durante o processo de amostragem os zooplanctontes de maiores dimensões podem ingerir durante o tempo de arrasto outros organismos zooplanctónicos e fitoplanctónicos devido sobretudo às perturbações causadas pela colheita.

Finalmente os conteúdos dos tubos digestivos de alguns zooplanctontes podem conter alimentos ingeridos pelas suas espécies-presa após a digestão parcial destas. Se todos estes fatores forem considerados previamente torna-se possível efetuar estudos quantitativos e quantitativos da ecologia alimentar de organismos zooplanctónicos.

Com a finalidade de minimizar a quantidade de organismos ingerida acidentalmente durante o processo de colheita, é por vezes necessário anestesiar os zooplanctontes in situ (i.e. logo após a sua entrada na rede de plâncton) por exemplo utilizando determinados produtos químicos.

Pode igualmente estudar-se o regime alimentar de alguns zooplanctontes que constituem presas preferenciais de predadores de níveis tróficos mais elevados (bentónicos ou nectónicos), nomeadamente através da análise dos conteúdos gástricos deste últimos.

Os hábitos alimentares de alguns zooplanctontes podem ser determinados através do estudo das características morfológicas dos apêndices alimentares. Por exemplo nos Copepoda, as maxilas de espécies herbívoras (e.g. Calanus, Eucalanus) contêm numerosas setae, cada uma possuindo inúmeras setulas, que têm por finalidade capturar, através de um processo de filtração, organismos fitoplanctónicos.

O aparelho bucal destas espécies é adequado à ingestão e trituração de partículas geralmente de pequenas dimensões. Nos Copepoda carnívoros (e.g. Candacia, Tortanus) as maxilas são providas de setae apropriadas à captura de pequenos organismos zooplanctónicos. As suas mandíbulas possuem dentes robustos. As espécies de hábitos omnívoros possuem apêndices alimentares intermédios.

O estudo dos hábitos alimentares dos zooplanctontes foi pela primeira vez empreendido por M.L. Lebour no início da década de 1920. Numerosos estudos da ecologia alimentar dos organismos zooplanctónicos têm sido realizados recentemente. Os organismos zooplanctónicos são raramente herbívoros exclusivos. Se exceptuarmos algumas espécies exclusivamente carnívoras, a grande maioria apresentam um regime alimentar eurifágico ou omnívoro.

Os hábitos alimentares de alguns grupos de zooplanctontes são discriminados em seguida (OMORI & IKEDA, 1984):

Cnidaria – Geralmente carnívoros. Alguns grupos possuem uma alimentação à base de fitoplanctontes e/ou micro-zooplanctontes (e.g. Rhizostomeae). Capturam as espécies-presa com o auxílio de tentáculos. Algumas espécies apresentam uma alimentação seletiva;
Ctenophora – Carnívoros. Alimentam-se de espécies-presa variadas (Copepoda, Euphauseacea, Ictioplâncton, …). Os Cydippidae e Cestidae capturam as espécies-presa com o auxílio de tentáculos. Os Lobata utilizam tentáculos e lobos orais. Os zooplanctontes do género Beroe alimentam-se quase exclusivamente de outros Ctenophora;
Heteropoda – Carnívoros.
Pteropoda – Os Gymnosomata são carnívoros. Os Thecosomata capturam as espécies-presa com o auxílio de um muco que segregam;
Polychaeta – Quase todos carnívoros. Os zooplanctontes do género Tomopteris são predadores ativos;
Cladocera – Omnívoros e suspensívoros. Algumas espécies alimentam-se de fitoplanctontes, mas a maioria captura ativamente microzooplanctontes;
Ostracoda – Omnívoros na maior parte dos casos. Alguns Ostracoda bati- e abissopelágicos são sobretudo carnívoros (e.g. Gigantocypris). Outras espécies alimentam-se de restos fecais de Copepoda (e.g. Conchoecia);
Copepoda – As espécies das famílias Calanidae e Eucalanidae são omnívoras e herbívoras. As restantes espécies de Copepoda são geralmente eurifágicas e carnívoras. Estudos experimentais revelaram existir numerosas estratégias alimentares possíveis. Espécies consideradas herbívoras podem alimentar-se de nauplii de Artemia e outras presas de pequenas dimensões. Muitos Calanoida são espécies filtradoras e suspensívoras (“suspension-feeders”, “particle-feeders”);
Mysidacea – Geralmente omnívoros. A grande maioria das espécies neríticas alimenta-se sobretudo de partículas sedimentares e não de partículas suspensas na coluna de água;
Amphipoda – Tipicamente carnívoros;
Euphauseacea – Algumas espécies são carnívoras. Outras são filtradoras, suspensívoras e eurifágicas. Euphausea suberba (krill antártico) é uma espécie sobretudo herbívora, podendo no entanto ingerir microzooplâncton;
Chaetognatha – Tipicamente carnívoros;
Appendicularia – Herbívoros e detritívoros. Segregam uma câmara gelatinosa que contém um elaborado sistemas de filtração. Alimentam-se sobretudo de nanoplâncton. Quando a câmara não efetua uma filtração eficiente, assiste-se à sua rejeição e à segregação de uma nova estrutura. Alguns Appendicularia podem rejeitar e segregar uma nova câmara no espaço de algumas horas;
Thaliacea – Omnívoros (“particle-feeders”). Alimentação aparentemente não seletiva.

Podem utilizar-se diversas unidades na estimativa do índice alimentar dos organismos zooplanctónicos (OMORI & IKEDA, 1984):

Taxa de filtração – Volume de água filtrado pelo organismo por hora e por dia. A taxa de filtração refere-se ao volume total de água filtrada ao longo de um determinado período. Pode igualmente avaliar-se o volume de água em que a totalidade das partículas alimentares foram removidas durante o mesmo período (“Clearance rate”). Estas duas taxas são idênticas unicamente quando o aparelho filtrador captura a totalidade das partículas alimentares. De um modo geral não são capturadas a totalidade das potenciais espécies-presa filtradas.
Taxa de herbívoria – Número de fitoplanctontes ingeridos pelo organismo por hora e por dia. Taxa restrita aos zooplanctontes exclusivamente herbívoros. Pode ser utilizada nestas espécies como sinónimo de Taxa de filtração.
Taxa de predação – Número de espécies-presa consumidas pelo organismo por hora e por dia. Deve ser utilizada no caso dos zooplanctontes carnívoros. Pode no entanto ser usada para definir a quantidade de fitoplanctontes ingeridos por unidade de tempo nas espécies herbívoras.
Taxa de ingestão – O peso ou conteúdo calórico das espécies-presa ingeridas pelo organismo por hora e por dia. Pode ser estimada a partir da taxa de herbívoria ou de predação desde que se conheça previamente o peso ou conteúdo calórico das espécies-presa. Pode igualmente ser determinada a partir da taxa de filtração se se conhecer a concentração média das partículas alimentares. Expressa-se geralmente em termos de peso seco, matéria orgânica, carbono ou azoto.

A taxa de filtração representa uma medida da capacidade do organismo zooplanctónico capturar espécies-presa e não o seu verdadeiro índice alimentar. As diferentes taxas de filtração exibidas por distintos zooplanctontes são difíceis de comparar devido fundamentalmente às diferentes taxas de retenção das espécies-presa.

As taxas de herbívoria ou de predação são igualmente de difícil comparação, uma vez que as distintas espécies-presa possuem conteúdos calóricos e pesos muito diversos. A taxa de ingestão é talvez a mais útil na comparação das taxas de alimentação dos zooplanctontes com distintos hábitos e estratégias alimentares.

O índice alimentar dos zooplanctontes pode ser determinado em condições experimentais controladas. Geralmente estes estudos são efetuados com uma única espécie de preferência no mesmo estádio de desenvolvimento.

São diversos os métodos utilizados na avaliação do índice alimentar em condições experimentais controladas. O mais simples consiste no seguimento do decréscimo ao longo do tempo da concentração em partículas alimentares incubadas. Um outro método consiste em avaliar o teor em matéria orgânica antes e após a introdução num recipiente das espécies cujo índice alimentar se pretende estudar. A marcação das partículas alimentares pode igualmente ser efetuada, nomeadamente recorrendo a traçadores radioativos( 32P ou 14C).

A taxa de assimilação (ou taxa de digestão) representa a quantidade de alimentos que foram ingeridos e digeridos. Unicamente uma parte dos alimentos ingeridos é absorvida ao nível do tubo digestivo.

A determinação da taxa de assimilação (A) requer o conhecimento prévio da quantidade de alimento consumido (C) e da quantidade de alimento eliminado (F), sendo usualmente expressa em termos percentuais (OMORI & IKEDA, 1984):

Zooplâncton

As quantidades de alimento consumido e eliminado são geralmente expressas em peso seco, em peso orgânico, em teor de carbono, azoto ou fósforo. As taxas de assimilação variam consideravelmente, tendo sido registados valores entre 6 e 99% . Esta enorme variação não é de estranhar se se considerar a elevada diversidade de organismos planctónicos bem como a variedade de planctontes consumidos e de consumidores.

Pode-se igualmente, recorrendo a procedimentos experimentais mais ou menos complexos, determinar as taxas de respiração (ou taxas de consumo de oxigénio) e de excreção dos zooplanctontes. Estas devem ser sempre relacionada com a atividade (metabolismo) do organismo a estudar. As taxas de crescimento podem ainda ser estudadas em condições experimentais controladas (Harris et al., 2000).

PRODUÇÃO SECUNDÁRIA

A produção secundária pode definir-se como a produção de matéria orgânica realizada pelos organismos que obtém energia a partir de produtores primários.

A produção de uma população zooplanctónica, durante um determinado intervalo de tempo pode ser definida através da seguinte equação (BOUGIS, 1974, OMORI & IKEDA, 1984):

Zooplâncton

em que:

(Bt – B0)- diferença em biomassa realizada durante o intervalo de tempo t.

L – mortalidade durante o intervalo de tempo t

A Produção é usualmente expressa em termos de biomassa por unidade de superfície (m2) e unidade de tempo. No que diz respeito à unidade de tempo, utiliza-se o ano (produção anual), quando a produção é marcadamente estacional (latitudes elevadas), o dia ou o mês (produção diária ou mensal) quando a produção é relativamente estável ao longo do ano (latitudes baixas e intermédias). A biomassa e a produção podem ser expressas em termos de peso fresco, peso seco, peso orgânico, conteúdo calórico e carbono (mais frequente).

Os trabalhos efetuados sobre a produção secundária planctónica são menos frequentes relativamente à determinação da produção primária. São diversos os métodos utilizados na determinação da produção secundária. Usualmente considera-se que a totalidade da produção que deriva da produção primária pode ser considerada como produção secundária no domínio planctónico.

Reconhecem-se, no entanto, diversos níveis distintos de produção no seu seio, nomeadamente:

Nível 2 (herbívoros)
Nível 3 (carnívoros) nível 4 (carnívoros predadores de carnívoros).

O nível 1 está reservado à produção primária e o nível 0 aos elementos precursores da matéria orgânica. A produção secundária aos níveis 2/3 será por exemplo a realizada pelos copépodes com uma alimentação mista à base de fitoplâncton e de microzooplâncton. A produção dos eufauseáceos poderá ser considerada como uma produção de nível 3, por estes consumirem sobretudo copépodes herbívoros, mas pode igualmente ser uma produção de nível 2 (consumo de fitoplanctontes) ou de nível 4 (consumo de copépodes carnívoros e de Chaetognatha).

O método das cohortes ou das curvas de Allen é um dos métodos mais utilizados na determinação da produção secundária. Uma cohorte pode ser definida com um grupo de organismos de uma mesma espécie nascidos durante um intervalo de tempo limitado. Uma vez que estes apresentam dimensões idênticas podem ser reconhecidos como um grupo separado no seio da população, durante um intervalo de tempo mais ou menos longo.

Se a reprodução é contínua as cohortes são difíceis de reconhecer. Ao contrário se a reprodução for descontínua, isto é delimitada no tempo, as cohortes são de fácil identificação, podendo ser seguidas no tempo, tornando-se deste modo possível estimar a produção. Numa cohorte que no momento t1 possua um número n1 de indivíduos, com um peso w1, e no momento t2, possua um número n2 de indivíduos, com um peso w2, a biomassa no momento t1 é igual a n1w1 e no momento t2 é igual a n2w2. No intervalo de tempo t1 – t2 os zooplanctontes aumentaram em peso mas alguns foram consumidos por predadores ou morreram devido a outras causas.

Admitindo que a mortalidade durante este intervalo de tempo é constante, a produção (P) corresponde ao acréscimo em peso dos indivíduos n2, adicionada do acréscimo de peso dos indivíduos desaparecidos antes da sua morte (BOUGIS, 1974).

Zooplâncton

O emprego do método das cohortes implica que estas sejam facilmente identificáveis. Nos caso dos peixes, cuja idade é na maior parte dos casos de fácil determinação, as cohortes podem ser seguidas ao longo do tempo, sob a forma de classes de idade. Nos organismos bentónicos, em que as deslocações são frequentemente limitadas no espaço, a observação das cohortes é geralmente facilitada se a reprodução for anual.

No caso dos organismos zooplanctónicos, devido sobretudo aos movimentos das massas de água, à heterogeneidade da sua distribuição espacial (micro-distribuição) e à existência de várias gerações anuais, o emprego do método das cohortes reveste-se de maiores dificuldades.

O método dos crescimentos cumulados pode ainda ser utilizado na avaliação da produção secundária. Neste método estima-se a produção diária, o acréscimo diário em peso ou o crescimento (dw). A partir do conhecimento do número de indivíduos de uma mesma classe etária (nx), a produção desses indivíduos será igual a nxdw, e para a totalidade dos indivíduos de diferentes classes de idade será Snxdw.

O princípio do método é relativamente simples, mas na prática a sua utilização reveste-se de algumas dificuldades. A curva de crescimento w=f(t) deve ser previamente obtida recorrendo a experimentação. A influência da variação da temperatura das migrações verticais nictemerais e de outros fatores no crescimento das populações zooplanctónicas devem ser igualmente estudadas.

O cálculo teórico implica também que a composição etária da população seja previamente conhecida o que nem sempre é possível.

Podem ainda utilizar-se outros métodos na determinação da produção secundária, nomeadamente:

i) método do tempo de renovação da população (“turnover”)
ii)
método fisiológico
iii)
modelos matemáticos (BOUGIS, 1974, OMORI & IKEDA, 1984).

Existem poucas estimativas da produção secundária relativamente às determinações da produção primária. A maioria das estimativas efetuadas refere-se a populações de copépodes, e em menor número ao zooplâncton global e a algumas espécies de eufauseáceos.

Em face dos resultados obtidos é possível extrapolar que valores da ordem dos 50 a 100 mgC/m2/dia são comuns para a produção secundária nas regiões temperadas. Valores da ordem dos 10 a 30 % podem ser obtidos a partir da relação Produção secundária / produção primária (PII/PI) nas mesmas regiões.

A relação produção secundária / biomassa do zooplâncton numa base diária (P/B) pode variar entre 0,002 e 0,23, apresentando geralmente uma dispersão inferior (0,03/0,10). A mesma relação considerada numa base anual apresenta naturalmente variações de maior amplitude.

BIBLIOGRAFIA

BOUGIS, P. (1974). Ecologie du plancton marin. Tome II – Le zooplancton. Masson et Cie., Paris: 200pp.
CHAMPALBERT, G. (1975). Répartition du peuplement animal de l’hyponeuston. Étude expérimentale de la physiologie et du comportement des Pontellidés. These Université d’Aix-Marseille: 312pp.
DAY, J.H. (ed.) (1981). Estuarine ecology with particular reference to southern Africa. A.A. Balkema, Roterdam: 411pp.
HARRIS, R.P., P.H. WIEBE, J. LENZ, H.R.SKJODAL & M. HUNTLEY (2000). Zooplankton Methodoly Manual. Academic Press.
HEMPEL, G. & H. WEIKERT (1972). The neuston of the tropical and boreal North-eastern Atlantic Ocean. A review. Marine Biology, 13 (1): 70-88.
McLUSKY, D.S. (1981). The estuarine ecosystem. Blackie, Glasgow: 215pp.
NEWELL, G.E. & NEWELL, R.C. (1963). Marine Plankton. A pratical guide. Hutchinson, London: 244 pp.
NYBAKKEN, J.W. (1988). Marine biology. An ecological approach. Harper & Row Publishers, New York: 514pp.
OMORI, M. ; IKEDA, T. (1984). Methods in marine zooplankton ecology. John Wiley & Sons, New York: 332pp.
PARSONS, T.R. & TAKAHASHI, M. (1973). Biological oceanographic processes. Pergamon Press, Oxford: 186pp.
PÉRÈS, J.M. & L. DEVÈZE (1963). Océnographie biologique et biologie marine. Volume 2 – La vie pélagique. Presses Universitaires de France, Paris: 514pp.
RAYMOND, J.E.G. (1983). Plankton and productivity in the oceans. Volume 2- Zooplankton. Pergamon Press, Oxford: 824pp.
RÉ, P. (1984). Ictioplâncton da região central da costa Portuguesa e do estuário do Tejo. Ecologia da postura e da fase planctónica de Sardina pilchardus (Walbaum, 1792) e de Engraulis encrasicolus (Linné, 1758). Tese, Universidade de Lisboa: 425pp.
RUSSEL, F.S. (1927). The vertical distribution of plankton in the sea. Biological Revue, 2: 213-262.
SMITH, D.L. (1977). A guide to marine coastal plankton and marine invertebrate larvae. Kendall/Hunt Publishing Corporation, Dubuque: 161pp.
STEEDMAN, H.F. (ed.) (1976). Zooplankton fixation and preservation. Unesco, Paris: 350pp.
TRANTER, D.J. (ed.) (1968). Zooplankton sampling. Unesco, Paris: 174pp.
TREGOUBOFF, G. & ROSE, M. (1957). Manuel de Planctonologie Mediterranneéne. Vol. I e II., Paris: 587pp.
WIMPENNY, R.S. (1966). The plankton of the sea. Faber and Faber, London: 426pp.
ZAITSEV, Y. P. (1968). La neustonologie marine: objét, méthodes, réalisations principales et problèmes. Pelagos, 8 : 1-47.
ZAITSEV, Y. P. (1970). Marine neustonology (em russo). Naukova Dumka, Kiev: 264pp.

Fonte: www.astrosurf.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Plastos

Plastos

PUBLICIDADE O que são plastos? Os plastos ou plastídeos são organelas de dupla membrana encontrados …

Plantas Tóxicas

Plantas Tóxicas

PUBLICIDADE O que são plantas tóxicas? As plantas tóxicas também chamadas de plantas venenosas contêm …

Plantas Carnívoras

Plantas Carnívoras

PUBLICIDADE O que são plantas carnívoras? As plantas carnívoras são definidas como plantas que atraem, …

Um comentário

  1. Cláudia Elisabete Duarte de Oliveira

    texto muito útil e bem elaborado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.