Breaking News
Home / Biologia / Fotoperiodismo

Fotoperiodismo

PUBLICIDADE

Fotoperiodismo – Definição

Fotoperiodismo é a resposta funcional ou comportamental de um organismo a mudanças de duração em ciclos diários, sazonais ou anuais de luz e escuridão, que permite que um organismo se adapte às mudanças sazonais no ambiente.

Reações fotoperiódicas pode ser razoavelmente previstas, mas a temperatura, nutrição e outros fatores ambientais também modificam a resposta de um organismo.

A duração relativa do dia e da noite é conhecida como fotoperíodo. Algumas plantas precisam ser expostas à luz solar por um determinado período de tempo para induzir a floração.

Esta é a razão por trás do desabrochar sazonal das flores.

Este tipo de fenômeno natural foi descoberto e identificado pela primeira vez por Charles Darwin e seu filho Francis no ano de 1880.

Fotoperiodismo – O que é

Fotoperiodismo é a reação fisiológica de organismos para a duração do dia ou da noite.

Ela ocorre em plantas e animais.

Fotoperiodismo também pode ser definido como a resposta de desenvolvimento de plantas para os comprimentos relativos dos períodos de luz e escuro.

Aqui deve-se enfatizar que os efeitos fotoperiódicas se relacionam diretamente com o tempo de ambos os períodos claros e escuros.

Fotoperiodismo – Função

Fotoperiodismo é uma resposta biológica de uma alteração nas proporções de luz e escuro no ciclo diário de 24 horas. As plantas usam para medir as estações do ano e para coordenar os eventos sazonais, como a floração.

Fotoperiodismo – Em plantas

Fotoperiodismo

Muitas plantas com flores (angiospermas) usam uma proteína de fotorreceptores, como fitocromo ou cryptochrome, a sentir mudanças sazonais na duração da noite, ou fotoperíodo, que tomam como sinais de flor.

Em uma outra subdivisão, obriga plantas fotoperiódicas absolutamente requerem uma noite longa ou curta o suficiente antes da floração, enquanto que as plantas fotoperiódicas facultativos são mais propensos a flor sob as condições de iluminação adequadas, mas acabará por flor, independentemente da duração da noite.

Fotoperiodismo – Em animais

Comprimento do dia e, portanto, o conhecimento da época do ano, é vital para muitos animais. Uma série de mudanças biológicas e comportamentais são dependentes deste conhecimento.

Juntamente com as mudanças de temperatura, fotoperíodo provoca mudanças na cor da pele e das penas, a migração, a entrada em modo de hibernação, o comportamento sexual, e até mesmo o redimensionamento dos órgãos sexuais.

O termo Fotoperiodismo foi cunhado para descrever a capacidade de uma planta em flor, em resposta às mudanças no fotoperíodo: os comprimentos relativos de dia e noite.

Porque as flores produzem sementes, floração é de crucial importância para a planta de completar seu ciclo de vida.

Embora as pessoas tinham muito tempo que plantas como tulipas flor na flor da mola e crisântemos no outono, até o início de 1900 pouco se sabia sobre o que realmente causou o florescimento.

Começando em 1910, Wightman Garner e Allard Henry conduziu experimentos para testar o efeito da duração do dia em floração. Eles descobriram que as plantas, tais como a cevada floresceu quando o comprimento de dia era mais do que um determinado comprimento crítico. Estas plantas, que deram o nome de plantas longo dia (produtos lácteos líquidos) flor, principalmente no verão, os dias estão ficando mais longos. Outros, tais como a soja, flor, quando o comprimento de dia é mais curto do que um determinado comprimento crítico. Estas plantas de dia curto (PDS) flor no outono como os dias estão ficando mais curtos. Outros ainda não são sensíveis ao fotoperíodo e são chamados de plantas dia-neutro.

Fotoperiodismo – História

Fotoperiodismo

O termo “fotoperiodismo” foi cunhado para descrever a capacidade de uma planta de florescer em resposta a mudanças no fotoperíodo: a duração relativa do dia e da noite.

Como as flores produzem sementes, o florescimento é crucialmente importante para que a planta complete seu ciclo de vida.

Embora as pessoas já soubessem há muito tempo que plantas como as tulipas florescem na primavera e os crisântemos florescem no outono, até o início dos anos 1900 pouco se sabia sobre o que realmente causava a floração.

A partir de 1910, Wightman Garner e Henry Allard conduziram experimentos para testar o efeito da duração do dia na floração.

Eles descobriram que plantas como a cevada floresciam quando a duração do dia era maior do que um determinado comprimento crítico. Essas plantas, que eles chamam de plantas de dia longo (LDPs), florescem principalmente no verão, à medida que os dias ficam mais longos. Outros, como a soja, florescem quando a duração do dia é menor do que uma certa duração crítica. Essas plantas de dias curtos (SDPs) florescem no outono conforme os dias estão ficando mais curtos. Outras ainda não são sensíveis ao fotoperíodo e são chamadas de plantas neutras do dia.

fotoperiodismo é responsável pela distribuição de muitas plantas em todo o mundo. Por exemplo, a ambrósia (um SDP) não é encontrada no norte do Maine porque a planta floresce apenas quando a duração do dia é inferior a 14,5 horas. No norte do Maine, os dias não encurtam até agosto.

É tão tarde na estação de crescimento que a primeira geada chega antes que as sementes resultantes estejam maduras o suficiente para resistir às baixas temperaturas, e assim a espécie não pode sobreviver ali.

Em contraste, o espinafre (um LDP) não é encontrado nos trópicos porque lá os dias nunca são longos o suficiente para estimular o processo de floração.

Para investigar o fotoperiodismo, as plantas podem ser cultivadas em câmaras de crescimento, nas quais os cronômetros são usados para controlar a duração dos períodos de luz e escuridão.

Essa pesquisa mostrou que o período escuro é mais importante do que o período claro. Por exemplo, se os SDPs são cultivados em condições de dias curtos, mas o período escuro é interrompido por um flash de luz, os SDPs não florescem. A longa noite que normalmente acompanha um dia curto é interrompida pelo flash. Uma interrupção do período claro com escuridão não tem efeito. Assim, os SDPs deveriam ser chamados de plantas de longa noite com mais precisão; e os LDPs devem ser chamados de plantas noturnas curtas para enfatizar o papel fundamental desempenhado pela escuridão no fotoperiodismo.

A maioria das plantas requer várias semanas de um ciclo noturno longo ou noturno adequado antes de florescer.

A luz vermelha com comprimento de onda de 660 nanômetros foi considerada a mais eficaz para interromper o período escuro, e esse efeito pode ser revertido por uma exposição subsequente à luz vermelha distante (730 nanômetros). Essas observações levaram à descoberta do fitocromo, pigmento responsável por absorver esses comprimentos de onda e aparentemente o sensor de luz no fotoperiodismo.

Foi sugerido que o fotoperiodismo resulta de uma interação entre o fitocromo e o relógio biológico da planta, que mede o tempo entre amanheceres sucessivos (ricos em luz vermelha) e entardeceres sucessivos (ricos em luz vermelha distante). Sob as condições apropriadas, acredita-se que essas interações ativem os genes para o florescimento.

Fonte: www.biologyreference.com/www.scientia.hpg.ig.com.br/www.maximumyield.com/www.highmowingseeds.com/www.ck12.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.