Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Espermatogênese

Espermatogênese

PUBLICIDADE

 

HORMÔNIOS MASCULINOS

A espermatogênese ocorre devido a estimulação dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior durante a puberdade masculina e prolonga-se por toda a vida.

Etapas da Espermatogênese

As espermatogônias são células epiteliais germinativas que se localizam ao longo da estrutura tubular. Elas se proliferam continuamente para manter seu número constante.

Na primeira etapa da espermatogênese estas espermatogônias se dividem 4 vezes para formar 16 células ligeiramente diferenciadas. Neste estágio, as espermatogônias migram centralmente entre as células de Sertori.

As células de Sertori unem-se umas as outras formando uma barreira que impede a penetração de grandes moléculas de proteínas que poderiam interferir o desenvolvimento adicional das espermatogônias a espermatozóides. No entanto, as espermatogônias, penetram através da barreira e são envolvidas pelos prolongamentos citoplasmáticos das células de Sertori.

Meiose: após cruzar a barreira para dentro das células de Sertori, a espermatogônia se modifica até formar um espermatócito primário. No final de 24 dias cada espermatócito primário se divide para formar dois espermatócitos secundários, cada um com 23 cromossomos. Dentro de dois a três dias, uma Segunda divisão meiótica ocorre, na qual novamente cada espermatozóide fica com 23 cromossomos.

Desenvolvimento do espermatozóide: após poucas semanas ocorrido a meiose, cada espermátide é nutrido e fisicamente remodelado pela célula de Sertori, transformando-o lentamente num espermatozóide.

Fatores hormonais que estimulam a espermatogênese

Testosterona: é secretada pelas células de Leydig, é essencial ao crescimento e a divisão das células germinativas na formação dos espermatozóides.
Hormônio Luteinizante: estimula a célula de Leydig.
Hormônio Folículo Estimulante: estimula as células de Sertori.
Estrogênios: são formados a partir das testosteronas pelas células de Sertori. Fica disponível para o amadurecimento do espermatozóide.
Hormônio do crescimento: é necessário para controlar as funções metabólicas de fundo dos testículos. Promove a divisão inicial das próprias espermatogônias.

HIPÓFISE

A Glândula Hipófise, também chamada de pituitária, é uma pequena glândula de cerca de 1 centímetro de diâmetro e 0,5 a 1 grama de peso. Situada na base do cérebro, conectada ao hipotálamo.

A Glândula Hipófise é divisível em duas porções distintas: anterior e posterior.

A hipófise anterior origina-se da bolsa de Rathke, que é uma invaginação embrionário do epitélio da faringe; e a hipófise posterior, de uma proliferação do hipotálamo.

Os Hormônios da Hipófise anterior desempenham um papel fundamental no controle das funções metabólicas por todo o corpo:

O Hormônio do Crescimento afeta a formação das proteínas, na multiplicação das células e na diferenciação celular.
A Adrenocorticotropina afeta o metabolismo da glicose, das proteínas e das gorduras.
O Hormônio Tíreo-estimulante controla a taxa de secreção da tiroxina e da triodotironina pela glândula tireóide.
A Prolactina promove o desenvolvimento da glândula mamaria e a produção de leite.
O Hormônio Folículo Estimulante e o Luteinizante controlam o crescimento das gônadas bem como suas atividades hormonais e reprodutoras.
Os Hormônios da Hipófise posterior desempenham outros papéis:

O Hormônio Antidiurético, controla a excreção de água na urina.
A Ocitocina ajuda a levar o leite das glândulas da mama para os mamilos durante a amamentação.

OUTROS HORMÔNIOS SEXUAIS MASCULINOS

Androgênios

Os testículos secretam hormônios sexuais masculinos que são coletivamente chamados de androgênios.

O termo androgênio significa qualquer hormônio esteróide que tenha efeitos masculinizantes, inclusive a própria testosterona; também inclui hormônios sexuais masculinos produzidos em outras partes do corpo além dos testículos.

Todos os androgênios são compostos esteróides da testosterona e da diidrotestosterona. Tanto nos testículos quanto nas adrenais, os androgênios podem ser sintetizados a partir do colesterol ou diretamente a partir da acetilcoenzima A.

Estrogênios

Pequenas quantidades de estrogênios são formadas no sexo masculino (cerca de um quinto da quantidade da mulher não grávida), e uma quantidade razoável destes pode ser recuperada da urina do homem.

São conhecidas as seguintes fontes de estrogênios nos homens:

A concentração de estrogênios no líquido dos tubos seminíferos é bastante alta e provavelmente desempenha um papel importante na espermiogênese.

Os estrogênios são formados a partir da testosterona e do androstenadiol em outros tecidos do corpo, especialmente no fígado.

FUNÇÕES DA TESTOSTERONA

A testosterona é responsável pelas características distintas do corpo masculino. É produzida pelos testículos durante o período fetal e logo após o nascimento, não sendo mais produzidas até os 13 anos, quando sua produção aumenta.

Além de fazer com que os órgãos sexuais masculinos (características sexuais primárias), aumentem de tamanho até os 20 anos, a testosterona também faz com que se desenvolvam as “características sexuais secundárias”, como:

Distribuição de pêlos sobre o corpo: a testosterona causa o crescimento de pêlos na região pubiana, na face, no peito e em outras porções do corpo.
Calvície:
a testosterona diminui o crescimento do cabelo no topo da cabeça.
Efeito sobre a voz:
a testosterona causa hipertrofia da mucosa da laringe e aumento das mesma.
Efeito sobre a pele e desenvolvimento de acne:
a testosterona aumenta a espessura da pele e a taxa de secreção das glândulas sebáceas.
Efeito sobre a formação de proteínas e desenvolvimento muscular
: a musculatura aumenta após a puberdade, estando associada com o aumento de proteínas.
Efeito sobre o crescimento ósseo e retenção de cálcio:
os ossos crescem em espessura e depositam quantidades adicionais de sais de cálcio, aumentando a quantidade da matriz óssea e causando retenção de cálcio.
Efeito sobre o metabolismo basal:
aumenta a taxa do metabolismo basal em até 15 %.
Efeito sobre as hemácias:
aumenta o número de hemácias por milímetro cúbico de 15% a 20%.
Efeito sobre o equilíbrio hídrico e eletrolítico:
a testosterona faz com que os volumes de sangue e de líquidos extracelular em relação ao peso corporal aumente em pequena extensão.

CONTROLE DAS FUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS PELOS HORMÔNIOS LH E FSH

Uma parte fundamental do controle das funções sexuais tanto masculinos quanto femininos começa com a secreção do hormônio de liberação da gonadotropina (GnRH) pelo hipotálamo.

Este hormônio, por sua vez, estimula a glândula hipófise anterior a secretar dois outros hormônios chamados de hormônios gonadotrópicos: o hormônio luteinizante (LH)e o hormônio folículo-estimulante (FSH). Por sua vez, o LH é o estímulo primário para a secreção de testosterona pelos testículos, e oi FSH estimula sobretudo a espermatogênese.

O GnRH e seu Efeito Aumentando a Secreção de LH e FSH

O GNRH é transportado para a glândula hipófise anterior no sangue porta e estimula a liberação das duas gonadotropinas, LH e FSH.
A secreção do LH pela glândula hipófise anterior também é cíclica (assim como o GnRH), com o LH seguindo bastante fielmente a liberação pulsátil do GnRH flutuante. Devido à relação mais íntima entre a secreção de GnRH e a secreção de LH, o GnRH também é conhecido como hormônio de liberação do LH.

Hormônios Gonadotrópicos: LH e FSH

Ambos os hormônios gonadotrópicos, LH e FSH, são secretados pelas mesmas células, chamadas de gonadótropos, na glândula hipófise anterior. Na ausência de GnRH do hipotálamo, os gonadótropos da glândula hipofisária quase não secretam LH ou FSH.

O LH e o FSH são glicoproteínas ; no entanto, a quantidade de carboidrato ligada à proteína nas moléculas varia consideravelmente em diferentes condições, o que pode alterar a potência da atividade.

Tanto o LH quanto o FSH exercem seus efeitos sobre os tecidos-alvo sobretudo ativando o sistema do segundo-mensageiro do monofosfato cíclico de adenosina, que, por sua vez, ativa sistemas enzimáticos específicos nas respectivas células-alvo.

Testosterona – Regulação de sua produção pelo LH. A testosterona é secretada pelas células intersticiais de Leydig nos testículos, mas apenas quando são estimuladas pelo LH da glândula hipofisária. Além disso, a quantidade de testosterona secretada aumenta aproximadamente em proporção direta à quantidade de LH disponível.

Inibição Recíproca da Secreção Hipofisária Anterior de LH e FSH pela Testosterona – controle de feedback negativo da secreção de testosterona.

A testosterona secretada pelos testículos em resposta ao LH tem efeito recíproco de desligar a secreção hipofisária anterior de LH.

Isto é feito de duas maneiras:

1. Certamente, a maior parte da inibição resulta do efeito direto da testosterona sobre o hipotálamo diminuindo a secreção de GnRH. Isto, por sua vez, causa uma diminuição correspondente da secreção de LH e FSH pela hipófise anterior, e o decréscimo do LH diminui a secreção de testosterona pelos testículos.
2.
A testosterona provavelmente também tem um fraco efeito de feedback negativo, agindo diretamente sobre a glândula hipófise anterior além de seu efeito de feedback sobre o hipotálamo. Acredita-se que este feedback hipofisário diminua especificamente a secreção do LH.

Regulação da Espermatogênese pelo FSH e pela Testosterona

O FSH se fixa a receptores específicos para o FSH presos às células de Sertori nos túbulos seminíferos. Isto faz com que estas células cresçam e secretem várias substâncias espermatogênicas. Simultaneamente, a testosterona, ao se difundir para dentro dos túbulos a partir das células de Leydig nos espaços intersticiais, também tem um forte efeito trópico sobre a espermatogênese. Para iniciar a espermatogênese, tanto o FSH quanto a testosterona são necessários.

Controle por Feedback Negativo da atividade dos túbulos seminíferos – papel do Hormônio Inibina. Quando os túbulos seminíferos não produzem espermatozóides, a secreção de FSH pela glândula hipófise anterior aumenta acentuadamente. Ao contrário, quando a espermatogênese é excessivamente rápida, a secreção de FSH diminui. Acredita-se que a causa deste efeito de feedback negativo sobre a hipófise anterior seja a secreção pelas células de Sertori de um outro hormônio chamado inibina. Este hormônio tem um forte efeito direto sobre a glândula hipófise anterior, inibindo a secreção de FSH, e possivelmente um pequeno efeito sobre o hipotálamo, inibindo a secreção de GnRH. A inibina é uma glicoproteína, como o LH e o FSH.

Puberdade e Regulação de sua Instalação

Sabe-se agora, a partir de experimentos nos quais os tecidos testiculares quando hipofisários foram transplantados de animais infantis para animais adultos, que ambos os tecidos, do testículo e da hipófise infantis, são capazes de desempenhar funções adultas se forem apropriadamente estimulados. Portanto, acredita-se agora que, durante a infância, o hipotálamo não secreta quantidades significativas de GnRH. Uma das razões para isto é que, durante a infância, por menor que seja a secreção dos hormônios esteróides sexuais, ela exerce um forte efeito inibidor sobre a secreção hipotalâmica de GnRH.

ANORMALIDADES DA FUNÇÃO SEXUAL MASCULINA

Glândula Prostática e suas anormalidades: A próstata cresce na puberdade sob o estímulo da testosterona. Com aproximadamente 50 anos, em alguns homens, começa a involuir, juntamente com a produção de testosterona. Quando ocorre câncer da próstata, as células cancerosas são usualmente estimuladas a um crescimento mais rápido pela testosterona e são inibidas com sua não formação.

Hipogonadismo Masculino: Quando não há formação dos órgãos sexuais masculinos, formam-se órgãos femininos normais. Isto se deve porque não há presença de testosterona para induzir órgãos sexuais masculinos. Quando há perda dos testículos antes da puberdade, ocorre o eunuconismo, no qual as características infantis continuam por toda a vida. Quando um homem é castrado após a puberdade, algumas características secundárias regridem às de uma criança. No macho adulto castrado, os desejos sexuais são diminuídos, mas não perdidos. Algumas instâncias do hipogonadismo, freqüentemente associado a uma anormalidade de comer excessivamente, causa o obesidade juntamente com eunuconismo, também chamada de síndrome adiposogenital.

Tumores Testiculares e Hipergonadismo Masculino: Quando desenvolve-se tumores das células intersticiais de Leydig em crianças pequenas, ocorre excessivamente desenvolvimento dos órgãos sexuais, de todos os músculos e de outros caracteres sexuais secundários masculinos.

Andiara Onizzolo Marques
Isadora Schmachtenberg
Manoela Zaccani
Maristela Ullrich Paul
Potira Zambiasi Trindade
Wilson Junior Weschenfelder

Fonte: UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL – UNISC

Espermatogênese

O que é

A espermatogênese é um processo a ltamente complexo e bem organizado que ocorre nos túbulos seminíferos e dura de 40 a 60 dias na maioria dos mamíferos (França & Russell, 1998; França et al., 1998; Godinho, 1999).

Baseado em características morfológicas e funcionais, o processo espermatogênico pode ser dividido em três fases:

a) fase proliferativa ou espe rmatogonial, caracterizada por vá rias e sucessi vas divisões mitóticas dos diferentes tipos de espermatogônias; b) fase meiótica ou espermatocitogênica, após a duplicação do DNA no pré-leptóteno, síntese de RNA no espermatócito em paquíteno e finalização da meiose, durante a qual ocorre uma divisão reducional acompanhada de recombinação gênica e uma divisão equacional na qual, teoricamente, cada espermatócito em paquíteno dará origem a quatro espermátides haplóides;
c) fase de diferenciação ou espermiogênica,
onde cada espermátide arredondada passa por profundas alterações estruturais e bioquímicas e diferencia-se em espermatozóide, um tipo celular morfologicamente especializado para alcançar e fertilizar o ovócito (Sharpe, 1994).

A espermatogênese inicia-se com a célula germinativa primitiva, a espermatogônia A, que é a célula fonte lo calizada junto à membrana basal. As espermatogônias se dividem por mitose e as células neoformadas podem continuar a dividir e originar novas espermatogônias ou parar a divisão e crescer, originando os espermatócitos de primeira ordem ou espermatócitos I, células que entram em meiose. Como a prófase da primeira divisão me iótica é muito demorada, a maioria dos espermatócitos I vistos nas preparações histológicas está nessa fase. Os espermatócitos I são as maiores células da linhagem espermatogênica e são caracterizados pela presença de cromossomos em diferentes fases de condensação. Dessa primeira divisão meiótica resultam células menores, os espermatócitos de segunda ordem ou espermatócitos II.

Os espermatócitos II ficam mais próximos da luz dos túbulos seminíferos e é difícil observá-los em cortes histológicos, pois entram logo na segunda divisão meiótica. Desta divisão resultam as espermátides, células que são caracterizadas pelo pequeno tamanho, núcleos com zona de cromatina condensada e por sua localização quase na luz dos túbulos seminíferos. Nesta fase terminam as divisões celulares da espermatogênese e cada espermátide passará por um processo de modificações complexas denominado espermiogênese, que levará à formação dos espermatozóides. Podem ser observadas nas preparações histológicas espermátides com a mais variada morfologia, de acordo com a fase da espermiogênese em que se encontram (Junqueira & Carneiro, 2004; Kierszenbaum, 2004).

Nos túbulos seminíferos, as células germinativas não estão organizadas ao acaso e sim em associações celulares distintas denominadas de estádios, os quais se sucedem com o tempo de maneira bastante ordenada, formando o ciclo do epitélio seminífero. Os estádios do ciclo podem ser classifica dos pelo método da morfologia tubular (Berndtson, 1977; França & Russell, 1998) e pelo método do sistema acrossômico (Leblond & Clermont, 1952; Russe ll et al., 1990).

No primeiro caso 8 estádios do ciclo são obtidos para todas as espécies, enquanto que pelo sistema acrossômico o número de estádios classificados é variado para cada espécie. A duração do ciclo do epitélio seminífero é uma constante biológica espécie-específica, que está sob o controle do genótipo da célula germinativa (França et al., 1998). De maneira gera l, em torno de 4,5 ciclos são necessários para que o processo espermatogênico se complete em mamíferos, ou seja, desde uma espermatogônia do tipo A 1 até a liberação dos espermatozóides no lume do túbulo seminífero (Amann & Schanbacher, 1983; França & Russell, 1998).

Durante o processo espermatogênico, as células de Sertoli e as células germinativas interagem de maneira bastante complexa, tanto física quanto bioquimicamente.

Existem diversas formas de junções intercelular es entre esses dois tipos celulares, incluindo-se desmossomos, junções do tipo “gap” e as junções à base de actina. Apesar de serem postuladas várias funções para estes componentes juncionais, existem ainda poucas evidências experimentais para apoiar o papel preciso dos mesmos (Russell & Griswold, 1993). No entanto, fica bastante evidente a necessidade da interação das células germinativas com os componentes somáticos do testículo, principalmente células de Sertoli, células de Leydig e células mióides, para que o processo espermatogênico transcorra de maneira normal e eficiente (Skinner, 1991; Daduone & Demuolin, 1993; Jégou, 1993; Spiter i-Grech & Nieschlag, 1993; Pescovitz et al., 1994; Russell et al., 1994; Griswold, 1995; Schlatt et al., 1997; França & Russell, 1998). A integridade funcional da membrana ba sal elaborada pelas células de Sertoli e células mióides é também essencial para o processo espermatogênico (Dym, 1994).

Células de Sertoli

Nos testículos de animais sexualmente maduros, as células de Sertoli estão completamente diferenciadas. A variação considerável na forma e estrutura da célula de Sertoli durante o ciclo do epitélio seminífero demonstra o alto grau de plasticidade desta célula, o qual reflete as alterações morfológicas e funcionais que ocorrem nas células germinativas (Russell, 1993). Além da formação da barreira de células de Sertoli já citada anteriormente, as células de Sertoli desempenham outras funções essenciais para o desenvolvimento das células germinativas.

Assim, podem-se destacar: o fornecimento de nutrientes e inúmeros outros fatores importantes para as células germinativas; mediação da ação do FSH e da testosterona na espermatogênese; fornecimento de suporte físico (sustentação) para as células espermatogênicas; participação ativa no processo de liberação (espermiação) das espermátides para o lume tubular; fagocitose do excesso de citoplasma (corpos residuais ) resultante da liberação das células espermiadas e fagocitose de células germinativas que sofrem apoptose. As células de Sertoli secretam fluido em direção ao lume tubular, o qual possui substâncias importantes para a função epididimária e maturação espermática, servindo também de veículo para o transporte dos espermatozóide s. A secreção de fluido também ocorre em direção ao compartimento intertubular, estando a mesma envolvida com os mecanismos de regulação parácrina de outros tipos celulare s do testículo tais como células mióides, células de Leydig e células musculares lisas dos vasos (Russell & Griswold, 1993; Bardin et al., 1993; Poccia, 1994; Sh arpe, 1994; França & Russell, 1998).

Células de Leydig

As células de Leydig são bastante conhecidas por sua marcante produção de andrógenos, os quais são sintetizados a part ir de uma molécula base, o colesterol (Bardin, 1996). Esta produção de andrógenos ocorre por meio de estímulos do LH (hormônio luteinizante) em receptores localizados na membrana plasmática das células de Leydig.

Nos testículos, existem receptores para andrógenos nas células de Sertoli, células mióides, células musculares lisas dos vasos e na própria célula de Leydig (Schlatt et al., 1997; Suárez-Quian et al., 1998). Dentre os andrógenos sintetizados pelas células de Leydig incluem-se a testosterona e a diidrote stosterona, os quais são responsáveis pela diferenciação do trato genital masculino e da genitália externa na fase fetal (Pelliniemi et al., 1996) e pelo aparecimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários e a sustentação qualiquantitativa da espermatogêne se a partir da puberdade (Sharpe, 1994; Zirkin et al., 1994).

Particularmente, a dihidrotestosterona é responsável pela manutenção funcional das glândulas sexuais acessórias e do epidídimo (Luke & Coffey, 1994; Fan & Robaire, 1998; Goyal et al., 1999).

Nos mamíferos, existem dois tipos de células de Leydig: as células de Leydig fetais, que são produtoras de testosterona responsável pela masculinização fetal e as células de Leydig do tipo adulto produtoras de testosterona responsável pelas características sexuais secundá rias e pelo processo espermatogênico (Kerr & Knell, 1988; Kuopio et al., 1989; Huhtaniemi et al., 1992).

O início da diferenciação das células de Leydig fetais e da produção de andrógenos não está sob o controle das gonadotrofinas (Van Vorstenbosch et al., 198 2; Lejeune et al., 1998; Majdic et al., 1998; O’Shaughnessy et al., 1998). O desenvolvimento pós-natal das células de Leydig envolve a proliferação celular, diferencia ção morfológica e aquisição da capacidade de produção de testosterona. De acordo com Ge et al. (1996) e Rouiller-Fabre et al. (1998), a transição das células de Leydig em proliferação, originadas de células progenitoras, para as células de Leydig do tipo adulto é regulada hormonalmente. O LH induz primariamente a diferenciação das células de Leydig, não estando envolvido com a estimulação da proliferação das mesmas. Os andrógenos e o IGF-I (fator de crescimento semelhante à insulina) aumentam a sensibilidade das células de Leydig progenitoras ao LH. A proliferação é estimulada por IGF-I e fatores secretados pelas células de Sertoli e por macrófagos, enquanto o estradiol provavelmente limita o crescimento da população de células de Leydig por meio da inibição de proliferação das progenitoras de células de Leydig (Ge et al., 1996).

FABIANA CRISTINA SILVEIRA ALVES DE MELO

Fonte: www.tede.ufv.br

Espermatogênese

O que é

A espermatogênese é o processo de formação e desenvolvimento dos espermatozóides. Os espermatozóides são células sexuais especializadas que possuem metade dos cromossomos paternos, graças à meiose.

A espermatogênese ocorre nos testículos e se refere aos eventos em que as espermatogônias se transformam em espermatozóides.

As espermatogônias são encontradas nos túbulos seminíferos. Durante a puberdade o número de espermatogônias começa aumentar e sofrer várias mitoses, crescendo e sofrendo mutações, com o objetivo de se transformarem em espermatócitos primários. Este desenvolvimento é estimulado pelo hormônio folículo-estimulante (FSH). Tanto as espermatogônias como os espermatócitos primários são células diplóides.

Em seu período de maturação, cada espermatócito primário sofre uma divisão redutora ou 1ª divisão meiótica, formando dois espermatócitos secundários, que são haplóides e com aproximadamente metade do tamanho da célula-mãe. Como em toda meiose, ocorrem duas divisões sucessivas, os espermatócitos secundários sofrem outra meiose, formando quatro células haplóides, as espermátides, com metade do tamanho das células-mãe. Após este período de maturação, as espermátides se diferenciam em espermatozóides, processo chamado de espermiogênese, ou período de diferenciação. A espermiogênese pode levar até 64 dias.

O espermatozóide maduro é composto de três partes: cabeça, colo e cauda.

Na cabeça encontramos o núcleo haplóide e o acrossomo, que também é chamado de capuz acrossômico e contém enzimas que auxiliam na penetração do espermatozóide do envoltório do óvulo.

O colo é a junção entre a cabeça e a cauda.

A cauda é composta de três peças: peça intermediária, peça principal e peça final. Apresenta muitas mitocôndrias pois precisa de muita energia para sua motilidade.

Espermatogênese

Fonte: www.new-digital.net

Espermatogênese

Introdução

O testículo é uma glândula com função exócrina e endócrina, geralmente localizado no escroto, é envolvido por espessa cápsula de tecido conjuntivo, a túnica albugínea. Esta túnica emite septos para o interior do órgão até a região do mediastino testicular, dividindo o testículo em lóbulos.

Funcionalmente, o testículo dos mamíferos pode ser dividido em dois compartimentos: o compartimento intersticial e o compartimento tubular.

Os componentes do compartimento intertubular são as células de Leydig, vasos sangüíneos, espaços linfáticos, nervos e população celular variável, constituída principalmente de fibroblastos e macrófagos, estando estes associados às células de Leydig. Já o compartimento dos túbulos seminíferos ocupa cerca de 70 a 90% do parênquima testicular, sendo constituído pela túnica própria, epitélio seminífero e lume tubular. A espermatogênese é um processo sincrônico e regular de diferenciação celular, pelo qual a espermatogônia tronco gradativamente se diferencia em célula haplóide altamente especializada, o espermatozóide. A duração total do processo espermatogênico é de cerca de 30 a 75 dias nos mamíferos já investigados.

A espermatogênese pode ser dividida em três fases, de acordo com as diferentes características funcionais:

I – fase proliferativa, caracterizada por rápidas e sucessivas divisões mitóticas das espermatogônias
II –
fase meiótica, que envolve a síntese de DNA no espermatócito em pré-leptóteno, onde o material genético é duplicado, e passa por recombinação e segregação gênica, levando à formação de células haplóides, espermátides
III –
fase de diferenciação ou espermiogênica, na qual as espermátides passam por complexa série de transformações citológicas, tais como formação do acrossoma e do flagelo, e condensação nuclear, resultando na produção de células muito especializadas.

Finalmente, as espermátides maduras serão liberadas para o lume tubular, passando então a se chamar espermatozóides, um tipo celular estruturalmente especializado para alcançar e fertilizar o ovócito.

Objetivo

O objetivo desta revisão de literatura é descrever o processo espermatogênico e compará-lo entre diversas espécies de mamíferos.

Conclusão

O estudo da espermatogênese e de extrema importância, principalmente no aspecto da biologia reprodutiva, sendo fundamental para determinar melhores estratégias na conservação das espécies, iniciando programas de reprodução para evitar problemas de endogamia e consangüinidade, mantendo assim a viabilidade genética de pequenas populações e assegurando a perpetuação natural das espécies

Michele Oliveira SANTOS

Suellen Silva CONDESSA

Marli do Carmo CUPERTINO

Fonte: www.unilestemg.br

Espermatogênese

A espermatogênese é o processo através do qual as células germinativas primários masculinos sofrem divisão e produzem espermatogônias a partir do qual são obtidos espermatócitos. Os espermatócitos então dividir em espermátides, que então amadurecer em espermatozóides. Esse processo ocorre dentro do sistema reprodutor masculino.

Nos indivíduos com os testículos sexualmente maduros, existem, continuamente, divisões mitóticas. E em cada mitose há a produção de duas células filhas. Dentre estas duas células, uma espermatogônia é mantida e a outra resulta em 16 espermatozóides, através de divisões meióticas; o que acarreta uma produção de espermatozóides durante toda a vida do homem, e uma manutenção da população de espermatogônias.

A linhagem celular (espermatogônia – 2N) que irá dar origem aos espermatozóides, passa por dois ciclos de mitose, produzindo quatro espermatócitos primários diplóides (2N). Cada espermatócito primário sofre uma divisão meiótica, a meiose I, dando origem a dois espermatócitos secundários haplóides (N). Os espermatócitos secundários sofrem meiose II dando origem, cada uma, a duas espermátides. Cada espermátide, se diferenciará sem divisão adicional, através da espermiogênese, em um espermatozóide haplóide; contendo uma cópia de um cromossoma de cada um dos pares de cromossomas que estavam presentes no espermatócito secundário.

A espermiogênese ocorre, porque as espermátides resultantes não podem funcionar como células reprodutoras visto que não possuem o equipamento celular necessário para atingir e fertilizar um óvulo. Durante a espermiogênese, é eliminado a maior parte do citoplasma, deixando uma cabeça espermática pequena (um núcleo envolvido por uma membrana plasmática), e há o desenvolvimento de um flagelo para locomoção; uma parte média com mitocôndrias para proporcionar ATP para impulsionar o flagelo; e uma acrossoma na cabeça, contendo as enzimas necessárias para penetrar o óvulo. Após a ejaculação, os espermatozóides só poderão fertilizar o óvulo depois de terem sido capacitados por fatores químicos existentes no aparelho reprodutor feminino.

Como cada espermatogônia dá origem a quatro espermatócitos primários e, cada um destes originará quatro espermatozóides, ao final de toda a espermatogênese, haverá a produção de 16 espermatozóides. Esse processo todo dura 64 dias.

Levando em consideração que este é um processo que dura a vida inteira de um homem, há a produção de aproximadamente 1012 espermatozóides ao longo da vida (aproximadamente 200 milhões por ejaculação), necessitando, para tal, centenas de mitoses sucessivas.

Fonte: www.hospvirt.org.br

Espermatogênese

Espermatogénese é o processo em que os espermatozóides são produzidos a partir de células germinais primordiais macho através de mitose e meiose.

Durante a maior parte da infância, os testículos do menino permanecem praticamente inativos, apresentando grande quantidade de células germinativas primordiais, que são diplóides e relativamente indiferenciadas. Porem, aproximadamente aos sete anos de idade, as células germinativas primordiais começam a se dividir, originando as espermatogônias. Mais tarde, na puberdade, com o início da atividade hormonal, os testículos serão responsáveis pela espermatogênese, que representa a gametogênese masculina. A formação dos espermatozóides implica uma série de divisões celulares (inicialmente por mitose e posteriormente por meiose) e nas modificações a partir das células germinativas primordiais, localizadas no interior da parede dos túbulos seminíferos que originam as espermatogônias.

A espermatogênese na espécie humana dura aproximadamente 48 dias e pode ser dividida em três fases ou períodos distintos:

Fase de Multiplicação: Ocorre, a partir dos seis ou sete anos de idade, quando as espermatogônias diplóides se dividem por mitoses sucessivas. A primeira divisão mitótica origina duas outras espermatogônias igualmente diplóides, sendo que uma delas irá substituir a espermatogônia que iniciou o processo, garantindo assim a continuidade desta fase, durante toda a vida do indivíduo. A outra espermatogônia seguirá as transformações para tornar-se espermatozóide.

Fase de Crescimento Celular: Inicia-se a partir da puberdade, sob estímulo dos hormônios gonadotróficos. As espermatogônias de localização mais profunda nos túbulos seminíferos passam a aumentar de volume, nutridas pelas células de Sertoli, caracterizando um curto período de crescimento. Nesta fase, não ocorrem divisões celulares. As espermatogônias passam então a ser denominadas de espermatócitos primários ou de primeira ordem. Estas células ainda mantêm a mesma carga cromossômica das espermatogônias, ou seja, continuam diplóides.

Fase da Maturação: Nesta fase, o espermatócito primário sofrerá uma divisão meiótica reducional (meiose I), originando dois espermatócitos secundários ou de segunda ordem. Estas células já são haplóides, pois possuem a metade do número de cromossomos dos espermatócitos primários. Na seqüência, os espermatócitos secundários sofrerão meiose equacional (meiose II), originando quatro espermátides igualmente haplóides. As espermátides haplóides não realizam mais divisões e sofrerão algumas modificações morfológicas e estruturais, denominadas espermiogênese, originando finalmente os espermatozóides. Portanto, cada espermatócito primário diplóide que participa da espermatogênese origina, ao final do processo, quatro espermatozóides haplóides. Isso justifica o grande número de espermatozóides encontrados no esperma, em cada ejaculação, com um número oscilante entre 300 a 500 milhões.

Fonte: pt.scribd.com

Espermatogênese

A Espermatogênese é o processo pelo qual se formam os gametas masculinos, os espermatozóides, a partir de células germinativas primordiais, as espermatogônias.

Espermatogênese
Espermatozóides humanos

Este processo envolve os seguintes tipos celulares

Espermatogônia (2n) – se multiplica por mitose

Fase de multiplicação

Espermatócito I (2n) – se multiplica por meiose

Fase de crescimento

Espermatócito II (n) – resulta da meiose I

Fase de maturação

Espermátide (n) – resulta da meiose II

Espermatozóide (n) – gameta masculino

Se forma pelo processo de citodiferenciação da espermátide

Espermiogênese

Fases da espermatogênese

Espermatogênese

Espermatogênese

NA PUBERDADE

As espermatogônias permanecem quiescentes até a
puberdade, quando por estímulos hormonais, elas
começam a se dividir (mitose)

Formam-se também todos os outros tipos celulares, até
os espermatozóides

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

Conjunto de órgãos:

Gônadas (testículos): produzem os gametas e hormônio (testosterona)

Epidídimo

Ductos condutores: canais deferentes e ducto ejaculador

Glândulas sexuais acessórias: próstata e vesícula seminal (produzem secreções que mantém os espermatozóides)

TESTÍCULOS

Órgãos constituídos por numerosos túbulos seminíferos

Túbulos seminíferos: local onde são produzidos os espermatozóides.

Espermatogênese

Células de Sertoli

Espermatogênese

Espermatogênese

A população de CS se estabelece antes da puberdade

Proliferação e diferenciação ? FSH e T3

Nº determina o tamanho do testículo e a magnitude da produção espermática

Citoarquitetura das Células de Sertoli

Possui numerosas reentrâncias citoplasmáticas onde se localizam as células da germinativas.

Algumas funções das células de Sertoli

Nutrição e sustentação das células germinativas

Barreira hemato-testicular ou barreira de célula de Sertoli (junções de oclusão entre células de Sertoli adjacentes)

Nem tudo que chega pela circulação, nos vasos do interstício, entrará em contato com as células germinativasmais maduras

Orodução de fluido testicular

Importante para o transporte dos espermatozóides

Produção do fator inibidor dos ductos de Müller

Ductos embrionários que formam estruturas do trato reprodutor feminino

Produção de inibina

Hormônio que participa da regulação hormonal da espermatogênese

Fagocitose dos restos citoplasmáticos produzidos durante a espermiogênese, etc….

Espermatogênese

Espermiogênese

Processo de citodiferenciação pelo qual passam as espermátides até formarem os espermatozóides.

Espermatogênese

Eventos da Espermiogênese

Espermatogênese

Fatores que influenciam na espermatogênese:

Temperatura
Criptorquidia
Quimioterapia para o câncer
Varicocele
Deficiências nutricionais

CONTROLE HORMONAL DA ESPERMATOGÊNESE

A espermatogênese é controlada pelos seguintes hormônios:

Hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH) – secretado pelo hipotálamo

Gonadotrofinas – secretadas pela adenohipófise

LH (Hormônio Luteinizante)

FSH (Hormônio Folículo Estimulante)

No macho, o LH também é conhecido como ICSH (Hormônio estimulante das células intersticiais).

Wellerson Rodrigo Scarano

Fonte: www2.ibb.unesp.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Plastos

Plastos

PUBLICIDADE O que são plastos? Os plastos ou plastídeos são organelas de dupla membrana encontrados …

Plantas Tóxicas

Plantas Tóxicas

PUBLICIDADE O que são plantas tóxicas? As plantas tóxicas também chamadas de plantas venenosas contêm …

Plantas Carnívoras

Plantas Carnívoras

PUBLICIDADE O que são plantas carnívoras? As plantas carnívoras são definidas como plantas que atraem, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+