Breaking News
Home / Biologia / Metabolismo

Metabolismo

PUBLICIDADE

Definição

Metabolismo é um termo que é usado para descrever todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado vivo das células e do organismo.

Metabolismo é toda a gama de processos bioquímicos que ocorrem dentro de um organismo vivo.

metabolismo consiste em anabolismo (o acúmulo de substâncias) e catabolismo (a quebra de substâncias).

O termo metabolismo é comumente usado para se referir especificamente à quebra de alimentos e sua transformação em energia.

O metabolismo pode ser convenientemente dividido em duas categorias:

Catabolismo – a quebra de moléculas para obter energia
Anabolismo – a síntese de todos os compostos necessários pelas células

Metabolismo – Significado

No nível mais básico, o metabolismo é o processo pelo qual seu corpo converte a comida e a água que você consome em energia para uso imediato ou para ser armazenado para mais tarde. Essa energia não apenas energiza sua corrida – toda ação que seu corpo realiza, incluindo escovar os dentes e se vestir de manhã, requer essa energia.

O que é Metabolismo?

O termo metabolismo, derivado da língua grega, significa simplesmente mudança ou transformação.

Relaciona-se com vários processos dentro do corpo que convertem alimentos e outras substâncias em energia e outros subprodutos metabólicos usados pelo corpo.

É uma função necessária que permite que nossos corpos usem alimentos e outros recursos para manter as partes funcionais, reparar danos, curar ferimentos e livrar o corpo de toxinas.

Em outras palavras, o metabolismo é um processo necessário, sem o qual os organismos vivos morreriam.

metabolismo auxilia na função digestiva, bem como na absorção de nutrientes.

É mais afetado pela nutrição, hidratação e atividade física. Cada um desses itens é um aspecto imperativo da saúde metabólica ideal. Quando qualquer um destes está faltando, a taxa metabólica diminui. Consequentemente, a perda de peso e a manutenção do peso estão diretamente relacionadas ao metabolismo saudável.

Embora a redução da ingestão de calorias e gorduras possa ser uma parte importante da perda de peso, ambas diminuem seu metabolismo. Portanto, é essencial estimular a taxa metabólica por outros meios, como a atividade física de rotina. Não é uma boa idéia pular refeições ou reduzir calorias em uma quantidade extrema, já que a diminuição do metabolismo faz com que o corpo queime menos calorias e menos gordura. Também pode forçar o seu corpo para armazenar o excesso de gordura na reserva.

metabolismo é também o processo que o corpo usa para quebrar substâncias químicas, como drogas.

Quando você toma medicação, seu corpo emprega o metabolismo catabólico para decompor moléculas maiores em moléculas menores que podem ser absorvidas mais prontamente.

metabolismo anabólico é o oposto do catabólico. Utiliza enzimas para estruturar moléculas maiores a partir de moléculas menores.

O metabolismo é um problema em relação a outras substâncias, como a nicotina. A nicotina tende a aumentar a taxa metabólica, que é uma das razões pelas quais algumas pessoas ganham peso quando param de fumar.

No entanto, estimulando a taxa metabólica através de outros métodos, o ganho de peso pode não ser uma ameaça. Parar de fumar é melhor para você, então procure outras maneiras de aumentar o seu metabolismo.

O corpo utiliza os muitos processos complexos que compõem o metabolismo para facilitar a função física, auxiliar o crescimento, ajudar na cura e, em essência, apoiar a vida.

O que é o Metabolismo Energético?

metabolismo energético é geralmente definido como a totalidade dos processos químicos de um organismo.

Esses processos químicos geralmente assumem a forma de vias metabólicas complexas dentro da célula, geralmente categorizadas como sendo catabólicas ou anabólicas.

Em humanos, o estudo de como a energia flui e é processada no corpo é denominado bioenergética, e está principalmente preocupado com o modo como as macromoléculas, como gorduras, proteínas e carboidratos, se quebram para fornecer energia utilizável para crescimento, reparo e atividade física.

As vias anabólicas usam energia química na forma de adenosina trifosfato (ATP) para impulsionar o trabalho celular. A construção de macromoléculas a partir de componentes menores, como a síntese de proteínas a partir de aminoácidos, e o uso de ATP para potencializar a contração muscular são exemplos de vias anabólicas. Para impulsionar processos anabólicos, o ATP doa uma única molécula de fosfato, liberando energia armazenada no processo. Uma vez esgotado o suprimento de ATP de uma célula de trabalho, mais deve ser gerado pelo metabolismo da energia catabólica para que o trabalho celular continue.

Metabolismo
O trifosfato de adenosina permite o movimento de alimentos através do trato digestivo

Caminhos catabólicos são aqueles que quebram grandes moléculas em suas partes constituintes, liberando energia no processo. O corpo humano é capaz de sintetizar e armazenar seu próprio ATP através do metabolismo anaeróbico e aeróbico.

O metabolismo anaeróbico ocorre na ausência de oxigênio e está associado a curtos e intensos surtos de energia.

O metabolismo aeróbico é a quebra de macromoléculas na presença de oxigênio e está associado a exercícios de menor intensidade, bem como ao trabalho diário da célula.

Mitocôndrias
As células são alimentadas por ATP, que é principalmente sintetizado pelas mitocôndrias

O metabolismo energético anaeróbico ocorre em duas formas: o sistema de fosfato de creatina ATP e a glicólise rápida.

O sistema de fosfato de creatina ATP usa moléculas de fosfato de creatina armazenadas para regenerar o ATP que foi depletado e degradado em sua forma de baixa energia, adenosina difosfato (ADP). O fosfato de creatina doa uma molécula de fosfato de alta energia para o ADP, substituindo assim o ATP gasto e re-energizando a célula. As células musculares tipicamente contêm ATP e fosfato de creatina flutuantes suficientes para alimentar aproximadamente dez segundos de atividade intensa, após o que a célula deve passar para o processo de glicólise rápida.

A glicólise rápida sintetiza ATP a partir de glicose no sangue e glicogênio no músculo, com ácido láctico produzido como subproduto. Essa forma de metabolismo energético está associada a breves e intensas explosões de atividade e mash; tais como levantamento de força ou sprinting (correndo) – quando o sistema cardio-respiratório não tem tempo para fornecer oxigênio adequado para as células de trabalho. Conforme a glicólise progride rapidamente, o ácido lático se acumula no músculo, causando uma condição conhecida como acidose láctica ou, mais informalmente, queimadura muscular. A glicólise rápida produz a maioria do ATP que é usado de dez segundos a dois minutos de exercício, após o qual o sistema cardiorrespiratório teve a oportunidade de fornecer oxigênio aos músculos em atividade e o metabolismo aeróbico começa.

O metabolismo aeróbico ocorre de duas maneiras: glicólise rápida ou oxidação de ácidos graxos.

A glicólise rápida, como a glicólise lenta, decompõe a glicose e o glicogênio para produzir ATP. Como isso ocorre na presença de oxigênio, no entanto, o processo é uma reação química completa. Enquanto a glicólise rápida produz duas moléculas de ATP para cada molécula de glicose metabolizada, a glicólise lenta é capaz de produzir 38 moléculas de ATP a partir da mesma quantidade de combustível. Como não há acúmulo de ácido láctico durante a reação, a glicólise rápida não tem queimadura ou fadiga muscular associada.

Finalmente, a forma mais lenta e eficiente de metabolismo energético é a oxidação de ácidos graxos. Esse é o processo usado para energizar atividades como a digestão e o reparo e crescimento celular, bem como atividades de exercícios de longa duração, como maratona ou natação.

Em vez de usar glicose ou glicogênio como combustível, esse processo queima os ácidos graxos armazenados no corpo e é capaz de produzir até 100 moléculas de ATP por unidade de ácidos graxos. Embora seja um processo altamente eficiente e de alta energia, requer grandes quantidades de oxigênio e só ocorre após 30 a 45 minutos de atividade de baixa intensidade.

O que é o Metabolismo Celular?

Metabolismo celular é um termo geral que abrange todas as reações químicas que convertem energia ou usam energia dentro de uma célula.

As células dos seres humanos e muitos outros organismos multicelulares usam o processo de respiração aeróbica para converter alimentos em energia.

Plantas e alguns microrganismos realizam o processo de fotossíntese. Outros organismos usam a respiração anaeróbica ou fermentação, tipos de metabolismo celular que não requerem oxigênio.

Dois tipos de reações químicas ocorrem no metabolismo celular, reações catabólicas e reações anabólicas.

Reações catabólicas produzem energia para a célula usar, enquanto reações anabólicas requerem energia para criar moléculas que são necessárias para a célula continuar funcionando. As células armazenam energia na forma de trifosfato de adenosina (ATP), que é criado por reações catabólicas e usado por reações anabólicas.

A respiração aeróbica quebra as fontes orgânicas de carbono, como carboidratos, proteínas e gorduras. Primeiro, o processo da glicólise decompõe uma molécula de glicose – um açúcar com seis átomos de carbono – em duas moléculas de piruvato, duas moléculas de nicotinamida adenina dinucleotídeo (NADH) e duas moléculas de ATP.

O ciclo de Krebs, também chamado de ciclo do ácido cítrico (CAC) ou ciclo do ácido tricarboxílico (TCA), quebra ainda mais o piruvato criado durante a glicólise em dióxido de carbono e água, criando mais duas moléculas de ATP no processo. Um mecanismo chamado cadeia de transporte de elétrons transfere átomos de hidrogênio do NADH para o oxigênio. Essa transferência libera energia, que é usada para criar mais 34 moléculas de ATP.

A glicólise e o ciclo do Kreb ocorrem da mesma forma na respiração anaeróbica, como na respiração aeróbica. Na cadeia de transporte de elétrons, no entanto, moléculas inorgânicas – moléculas que não contêm carbono – são usadas como o receptor de elétrons no lugar do oxigênio. O tipo de molécula inorgânica usada depende do organismo. Por exemplo, alguns organismos usam compostos contendo enxofre, e alguns usam compostos contendo nitrogênio. A respiração anaeróbica produz um total de 36 moléculas de ATP, ao contrário de 38 para a respiração aeróbica.

A fermentação é outra forma de metabolismo anaeróbico, mas ao contrário da respiração anaeróbica, não envolve uma cadeia de transporte de elétrons ou o ciclo de Krebs. A glicólise quebra moléculas orgânicas para criar energia. Como a glicólise é a única reação que ocorre na fermentação, ela produz apenas duas moléculas de ATP por molécula de glicose.

Plantas e alguns microorganismos, todos classificados como fotoautotróficos, ganham energia de uma forma de metabolismo celular chamada fotossíntese, em vez de respiração. Os fotoautotróficos obtêm energia da luz e a convertem em energia química na forma de ATP. As células então usam o ATP para converter o dióxido de carbono em glicose e outros nutrientes que o organismo precisa.

Fonte: www.bodyandsoul.com.au/www.wisegeek.org/www.medicinenet.com

Veja também

Algas Dinophytas

Algas Dinophytas

PUBLICIDADE O que são algas dinophytas? As algas dinófitas, pertencem ao Filo Dinophyta e a …

Endoderma

PUBLICIDADE Definição de endoderma Endoderma ou Endoderme é a mais interna das três camadas germinativas, …

Alelos Múltiplos

PUBLICIDADE O que são alelos múltiplos? Os alelos múltiplos ou polialelia são casos em que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.