Breaking News
Home / Biologia / Entoprocta

Entoprocta

PUBLICIDADE

 

Um pequeno filo de invertebrados aquáticos sedentários que se assemelham a animais musgo. Eles têm um corpo arredondado em uma haste longa, tendo um anel de tentáculos para filtrar o alimento da água.

Kamptozoa ou Entoprocta (do grego entos, dentro + proktos, orifico retal) é um filo constituído por pequenos animais aquáticos (0,5mm até 5mm).

São blastocelomados e seu orificio retal fica dentro do átrio, na coroa de tentáculos. Antes pensava-se que possuíssem um lofóforo, por isso eram colocados junto dos Bryozoa, atualmente suas relações filogenéticas permanecem incertas.

São animais filtradores: os seus tentáculos segregam um muco que apanha as partículas alimentares, movendo-as depois, através de cílios, em direção à boca.

Possuem o corpo dividido em haste e cálice, com uma cavidade, o átrio, entre os tentáculos, onde ficam suas larvas em desenvolvimento, e de um lado fica a boca e do outro o orifício retal.

Algumas espécies são coloniais. Este filo possui cerca de 150 espécies em várias famílias, de maioria marinha.

Classificação

Filo Entoprocta Nitsche, 1869
Ordem Coloniales
Família Barentsiidae Emschermann, 1972
Família Pedicellinidae Johnston, 1847
Família Loxokalypodidae Emschermann, 1972
Ordem Solitaria
Família Loxosomatidae Hincks, 1880

Fonte: www.geocities.com

Entoprocta

“Entoprocta”, cunhado em 1870, significa ” orifício retal para dentro “.

O nome alternativo “Kamptozoa”, que significa “torto” ou animais “curvas”, foi atribuído em 1929.

Alguns autores usar “Entoprocta”, enquanto outros preferem “Kamptozoa”.

FILO ENTOPROCTA

O filo Entoprocta (do grego, entos = dentro + proktos = orifício retal) inclui, aproximadamente, 150 espécies conhecidas.

Os membros desse filo são sésseis e pedunculados e possuem uma coroa de tentáculos ciliados (Figura 12.8). Existem tanto espécies coloniais (Figura 2) quanto solitárias.

A maioria dos entoproctos é microscópica. O comprimento do corpo não ultrapassa 5 mm.

Quase todos os entoproctos são marinhos. Os membros desse filo possuem uma ampla distribuição, vivendo das regiões polares até os trópicos.

A maioria das espécies marinhas está restrita às águas costeiras e, freqüentemente, desenvolve-se sobre conchas e algas. Alguns são comensais de anelídeos.

Os entoproctos de água doce vivem sob pedras em ambientes lóticos (águas correntes).

O corpo (cálice) (Figura 2) dos membros do fi lo Entoprocta, como você já sabe, possui uma coroa, ou círculo, de tentáculos ciliados.

Ele pode estar ligado ao substrato por um único pedúnculo e um disco de fi xação com glândulas adesivas (formas solitárias) ou por dois ou mais pedúnculos (formas coloniais).

Tanto os tentáculos quanto o pedúnculo são parte da parede do corpo.

O número de tentáculos varia de 8 a 30, e cada um pode se mover individualmente. Cílios revestem as superfícies lateral e interna dos tentáculos.

Os últimos não podem ser retraídos para o interior do cálice, mas podem se posicionar para proteger a boca e o orifício retal.

Os entoproctos são fi ltradores. Seu tubo digestivo (Figura 12.10), que possui a forma de um “U”, é revestido por cílios.

Tanto a boca quanto o orifício retal estão localizados dentro do círculo de tentáculos cujas laterais possuem cílios longos que geram uma corrente de água.

Protozoários, diatomáceas e outros itens alimentares, trazidos pela corrente de água, são retidos pelos cílios curtos situados nas superfícies internas dos tentáculos e direcionados para a boca.

Entoprocta
Figura 1 – Um representante do filo Entoprocta

Entoprocta
Figura 2 – Uma colônia de entoproctos

A parede do corpo dos entoproctos (Figura 3) é formada por cutícula, epiderme e músculos longitudinais. O pseudoceloma é preenchido por um parênquima (ou mesênquima) gelatinoso. Já o sistema excretor é formado por um par de protonefrídios. Um gânglio nervoso bem desenvolvido localiza-se ventralmente ao tubo digestivo.

A superfície corporal, por sua vez, apresenta cerdas e fóveas (depressões) sensoriais.

Entoprocta
Figura 3 – Aspectos da morfologia de um membro do filo Entoprocta

Os entoproctos não possuem sistemas respiratório e circulatório. Assim, as trocas gasosas ocorrem através da parede do corpo, principalmente pelos tentáculos.

Quanto à reprodução, existem tanto espécies de entoproctos monóicas quanto dióicas. Existem também formas hermafroditas que apresentam protandria (as gônadas, inicialmente, produzem esperma e, posteriormente, óvulos). Os embriões dos entoproctos se desenvolvem no interior de uma bolsa posicionada entre o poro genital e o orifício retal do organismo parental (Figura 3). As larvas são ciliadas e nadadoras, e possuem um tufo de cílios na extremidade anterior e uma faixa ciliada em torno da margem ventral do corpo. A larva se fi xa ao substrato e se transforma no adulto.

Fonte: teca.cecierj.edu.br

Entoprocta

Grego: = fora, proctos = orificio retal

Nome: vernáculo entoprocto

Os entoproctos são invertebrados de tamanho reduzido, sésseis, na sua grande maioria marinhos.

O corpo é formado por uma parte superior, o cálice, onde se encontra uma coroa de tentáculos ciliados, e um pedúnculo que sustenta este cálice.

Nas formas solitárias, o pedúnculo se prende diretamente ao substrato, enquanto que nas formas coloniais formam-se estolões horizontais.

Entoproctos são comumente encontrados na região entremarés, mas algumas espécies já foram coletadas a profundidades de 500m. Os substratos utilizados para fixação são os mais diversos, incluindo rochas, algas, conchas, hidrozoários, corais, briozoários e tunicados.

As relações filogenéticas destes animais com outros grupos são bastante obscuras. Durante muito tempo foram incluídos, juntamente com ectoproctos, no Filo Bryozoa.

No início deste século, verificou-se que seriam organismos não celomados, justificando sua separação em um Filo. Mais recentemente, levantou-se novamente a possibilidade de que entoproctos fossem bastante próximos a ectoproctos e que pudessem representar a condição ancestral destes (Brusca & Brusca, 1990).

Descrição

A maioria das espécies são colonial, e seus membros são conhecidos como “zoóides”, uma vez que não são totalmente independentes de animais.

Entoprocta são tipicamente de 1 mm (0,039 pol) de comprimento, mas variando de 0,1 a 7 milímetros (0,0039-0,2756 em) de comprimento.

Posição Sistemática

Reino: Animalia

Sub reino: Metazoa

Filo Entoprocta

Família Loxosomatidae
Família Loxokalypodidae
Família Pedicellinidae
Família Barentsiidae

Número de espécies

No mundo:150
No Brasil: 10

Fonte: www.biomania.com

Entoprocta

Entoprocta

Os Entoprocta (=Kamptozoa) compreendem um filo de animais invertebrados sésseis, coloniais ou solitários, um dos grupos menos conhecidos do Reino animal e de posição filogenética obscura e controversa.

Cerca de 180 espécies foram descritas mundialmente.

Pequenos, transparentes e de hábitos crípticos, os entoproctos passam geralmente despercebidos, embora sejam relativamente comuns em substratos consolidados, como rochas, seixos, corais, conchas e algas, sendo comensais de muitas espécies de invertebrados, como esponjas, poliquetas, sipuncúlidos.

São frequentemente encontrados dentro dos tubos e galerias de seus hospedeiros.

Eles são muito parecidos com alguns briozoários e hidrozoários pelo aspecto geral e hábito.

Os indivíduos são formados basicamente por uma região distal superior, denominada cálice e que possui uma coroa de tentáculos ciliados, e uma haste denominada pedúnculo, na qual o cálice é sustentado; o pedúnculo pode ser preso diretamente ao substrato através de uma estrutura dilatada, denominada pé e característico das espécies solitárias, ou através de estolões nas espécies coloniais.

Alvaro E. Migotto

Fonte: cifonauta.cebimar.usp.br

Veja também

Água de Reuso

Água de Reuso

PUBLICIDADE O que é a água de reuso? É grande a preocupação com a disponibilidade …

Torniquete

PUBLICIDADE Definição Um torniquete pode ser definido como um dispositivo de constrição ou compressão usado …

cetose

Cetose

PUBLICIDADE Definição Cetose é um estado metabólico caracterizado por níveis aumentados de corpos cetônicos nos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.