Breaking News
Home / Biologia / Rizoma

Rizoma

PUBLICIDADE

 

O conceito botânico de rizoma

Uma haste horizontal, geralmente subterrâneo, que muitas vezes envia raízes e brotos de seus nós.

Uma haste espessada que cresce horizontalmente abaixo ou na superfície do solo.

Rizoma

Rizoma
Epitáfia (orquídea)

O que é

Rizomas são caules subterrâneos que acumulam substâncias nutritivas.

Em alguns rizomas ocorre acúmulo de material nutritivo em certas regiões, formando tubérculos.

Rizomas podem ser distinguidos de raízes pelo fato de apresentarem gemas laterais. O gengibre, usado como tempero na cozinha oriental, é um caule tipo rizoma.

Rizoma é a extensão do caule que une sucessivos brotos.

Nas epífitas é a parte rasteira que cresce horizontalmente no substrato.

Ele pode ser bem extenso e semelhante a um arame ou bem curto, quase invisível.

Dele partem o caule, pseudobulbos e raízes.

Na espécie de Zygopetalum maxillare, quase sempre associada a uma samambaiaçu, o comprimento do rizoma entre os pseudobulbos pode variar.

Elas produzem pequenos pseudobulbos seguidos por um longo trecho de rizomas e em seguida outro pequeno pseudobulbo, até alcançar a coroa da samambaiaçu na qual forma feixes e a floração aparece.

Nas espécies terrestres o rizoma pode estar no subsolo ou na superfície do solo.

A grama é um exemplo bastante conhecido de planta rizomática, assim como o bambu e a cana de açucar – todos da família das gramíneas (Gramineae). A bananeira também tem rizomas, responsáveis por sua eficiente reprodução por “clonagem”.

“A grama é o nome comum da família de plantas Gramineae. Com mais de 9 mil espécies conhecidas, essa família é uma das maiores do planeta. As gramas têm uma estrutura muito simples. (…)

Há dois métodos principais de reprodução, nas gramas. Algumas têm hastes extras que crescem para os lados, abaixo do solo ou bem acima dele. As hastes que se arrastam pelo solo são chamadas de estolho e as hastes que crescem abaixo dele são chamadas de rizoma. As gramas usam estolhos e rizomas para se propagar e formar novos colmos. O estolho ou rizoma nutre a nova planta até que ela seja forte o bastante para sobreviver sozinha.

As gramas também têm flores”.

E pra quê tudo isso? A grama tem alguma coisa de especial? Não produz frutos bonitos, flores cheirosas nem ervas medicinais!

Por que toda esta apologia da relva? Vamos, então, um pouco mais a fundo na ontologia desta nobre monocotiledônia:

“Grama, o que é isso?

São plantas modestas, muitas vezes desprezadas, raramente cheirosas, flores pouco vistosas, sem frutos atraentes. Com raras exceções, não apresenta porte alto e forte. Pisamos nela sem dó e só não as prejudicamentos se o pisoteio não for em excesso. Trafegamos nela com nossos veículos sem piedade.

Existe outra planta que suporta tudo isso?

E um detalhe importante: quando desejamos um gramado especialmente belo, cortamos a grama frequentemente, antes que as novas sementes amadureçam.

Outras plantas logo desapareceriam com tratamento tão rude. A grama não, pelo contrário, brota da raiz formando um tapete verde de particular beleza.

Onde o clima permanece seco por um longo período, e outras plantas mal conseguem crescer, as gramíneas cobrem o solo densamente: nas estepes, nas savanas, nas pradarias e nos pampas. (…) é bom lembrar que as gramíneas são as principais plantas alimentícias não somente para nós, humanos. Os grandes mamíferos se alimentam predominantemente de gramíneas, sejam eles animais domésticos (…) ou sejvagens, como os búfalos, os antílospes, as gazelas…” (Reinhold Gabert, “O ser humano e os reinos da natureza”. Ed. agroecológica)

Em síntese, por que o rizoma ajuda na sobrevivência da grama?

1- Permite sua reprodução (assexuada)
2- Permite ao organismo ocupar um território mais amplo e, em geral, mais heterogêneo
3- Muitos rizomas formam uma rede que confere maior resistência à grama, pois ela pode se nutrir de diferentes raízes (se uma estiver temporariamente sem água, há sempre outra)
4- O rizoma nutre os novos brotos até que possam formar suas próprias raízes

Fonte: acocps.vilabol.uol.com.br / rizomas.net

Rizoma

O que é

Em Botânica, rizoma é um tipo de caule que algumas plantas possuen.

Ele cresce horizontalmente e é geralmente subterrâneo, mas também pode ter porções aéreas.

Estrutura-se de forma decentralizada, em contraponto ao modelo arbóreo, que é centralizado e regido por uma hierarquia.

Definição

Rizoma: caule subterrâneo, mais ou menos horizontal.

Possuem uma estrutura caulinar que algumas plantas possuem.

Caracteriza-se por crescer na horizontal, e tem uma função de reserva nutritiva bem como de reprodução assexuada, através do alongamento e posterior separação de partes do mesmo.

Bulbos, rizomas, tubérculos e cormos: qual a diferença?

É muito comum, entre os amantes de flores e plantas, ouvirmos a frase: “é só plantar a ‘batata’ que ela cresce rapidinho….” ou então: “esta planta tem uma ‘batatinha’ …”. Afinal: o que é realmente a tal “batata” ou batatinha”?

A tal “batata” é o nome genérico que costuma-se dar aos órgãos especializados no armazenamento de nutrientes de deteminadas espécies de plantas. Estas plantas apresentam modificações dos seus órgãos, que se especializam no armazenamento de substâncias, na absorção e na sua sustentação para que possam sobreviver sob condições ambientais adversas. Só que estes órgãos especializados distinguem-se entre si de acordo com suas características e recebem o nome de bulbos, cormos, tubérculos e rizomas. São estas estruturas que permitem às plantas sobreviver em condições adversas como as estações muito frias e secas, para que rebrotem no ano seguinte como novas plantas. As substâncias armazenadas variam de acordo com a espécie. A capacidade destes órgãos especializados em armazenar nutrientes é tanta, que muitos deles são utilizados na alimentação humana, uma vez que são mais ricos em nutrientes que as partes aéreas das plantas. Bons exemplo são a batata, o gengibre, a cebola e o alho.

Tudo funciona mais ou menos assim: terminado o período de condições adversas, as plantas que ficaram reduzidas aos seus órgãos de reserva voltam à sua vida e, por terem armazenado nutrientes, têm a condição de despertar para florescer novamente. E o que são estes órgãos de reserva? São caules modificados, ou seja, bulbos, cormos, tubérculos e rizomas são todos caules modificados e adaptados para acumular nutrientes.

Rizoma
Amarilis – planta bulbosa

Agora vamos às diferenças entre eles:

Bulbos: Na prática, o termo é usado para designar qualquer formação subterrânea vegetal que armazena energia. É muito comum que se chame genericamente de “batata”. Mas, na verdade, nem todas as plantas que apresentam tal estrutura são autênticas “bulbosas”. Os bulbosgeralmente são globosos, apresentam formato de cebola, a partir dos quais brotam folhas e flores. São estruturas complexas subterrâneas, onde uma porção denominada prato representa o caule. O prato é envolvido por folhas modificadas (chamadas catáfilos ou escamas), suculentas, que armazenam substâncias de reserva.

Exemplos: cebola, alho, lírio, amarílis e (copo-de-leite coloridos).

Rizoma

Rizomas: Seu comportamento é similiar ao do bulbos, mas trata-se de um caule modificado em forma de raiz.

A exemplo dos bulbos, os rizomas são ricos em reservas energéticas para a planta. Os rizomas são levemente cilíndricos e apresentam crescimento horizontal, paralelo ao solo, podendo ser superficial ou subterrâneo. Possuem gemas ao longo de sua extensão, de onde surgem as brotações. As plantas com rizomas crescem formando touceiras que podem ser separadas para formar novas plantas. Para produzir mudas, o ideal é cortar um pedaço do rizoma que contenha duas ou três gemas cada um.

Exemplos de plantas com rizomas: bastão-do-imperador, gengibre, íris, alpínias, strelitzia, espada-de-São-Jorge e bananeira.

Rizoma

Tubérculos: Trata-se de um caule modificado em forma de raiz, arredondado, hipertrofiado, que acumula substâncias de reserva (amido). Os tubérculos apresentam saliências denominadas olhos ou brotos (gemas). Em relação ao cultivo e comportamento, o tubérculo é muito semelhante ao bulbo.

Exemplos: batata-inglesa, cará, inhame, caládio, tinhorão e dália.

Rizoma

Cormos: São semelhantes aos bulbos (são considerados até bulbos maciços). Existe inclusive a comparação com rizomas que sofreram encurtamento. Os cormos são compostos de uma haste engrossada, coberta por uma casca fina de textura semelhante ao papel. No topo do cormo, uma gema produz raízes e brotos.

Possuem catáfilos secos (folhas modificadas) e são bem menores que os bulbos.

Exemplos: palma-de-santa-rita e açafrão.

Rizoma

Como armazenar bulbos

Com a chegada do outono, as plantas bulbosas secam em sua parte aérea. É hora de desenterrar os bulbos, cortar o caule perto da base e limpá-los bem com água. Depois, é só colocálos dentro de uma caixa com areia bem seca, deixando os bulbos sobre a areia. Mantenha a caixa em local ventilado e sombreado.

Dicas de plantio

De forma geral, as orientações para o plantio de bulbos, rizomas, tubérculos e cormos são as seguintes:

1. Forre o fundo do vaso com pedriscos, para facilitar a drenagem. Coloque uma camada de substrato (partes iguais de areia e terra vegetal) e acomode o bulbo, rizoma, tubérculo ou cormo.
2.
Preencha as laterais com substrato e pressione para fixar bem. Regue de forma a não encharcar a terra.

Veja abaixo a profundidade ideal de plantio para cada tipo:

Rizoma
1 – Begônia-tuberosa (tubérculo) – (Begonia x tuberhybrida) 2 – Agapanto (rizoma) – (Agapanthus africanus) 3 – Biri (rizoma) – (Canna indica) 4. Gladíolo ou palma-de- Santa Rita (cormo) – (Gladiolus hortolanus) 5. Dália (tubérculo) – (Dahlia sp) 6 – Lírio (bulbo) – (Lillium pumilum)

Rizoma
Gengibre – planta rizomatosa

Fonte: www.jardimdeflores.com.br

Rizoma

Rizoma
Rizoma

Rizoma
Rizoma

Rizoma é um caule, em forma de raiz, frequentemente subterrâneo, mas também podendo ser aérea, rico em reservas nutientes, e que se caracteriza pela capacidade de emitir novos ramos.

O rizoma pode estar presente em várias plantas, como por exemplo, a bananeira e gengibre.

A definição botânica de rizoma: “Rizoma é a extensão do caule que une sucessivos brotos.”

A grama é um exemplo bastante conhecido de planta rizomática , assim como o bambu e a cana-de açúcar.

Rizoma
Grama

Rizoma
Epitáfia (orquídea)

Rizoma
Lírio

Rizoma
Cana-de-açúcar

Em botânica, chama-se rizoma a um tipo de caule que algumas plantas possuem.

Ele cresce horizontalmente, geralmente subterrâneo, mas podendo também ter porções aéreas.

O caule da espada-de-são-jorge, do lírio-da-paz e da bananeira são totalmente subterrâneos. Mas, certos fetos e também as orquídeas desenvolvem rizomas parcialmente aéreos.

Os rizomas são importantes como órgãos de reprodução vegetativa ou assexuada de diversas plantas ornamentais, por exemplo: agapanto, espada-de-são-jorge, lírio-da-paz, samambaias e orquídeas.

Rizoma
Rizoma aéreo de Phragmites australis, comum em praias

Referências

VIDAL, Waldomiro Nunes & VIDAL, Maria Rosária Rodrigues (1990). Botânica organografica: quadros sinóticos ilustrados de fanerógamos. (3 ed.).

Fonte: www.consciencia.org

Veja também

Água de Reuso

Água de Reuso

PUBLICIDADE O que é a água de reuso? É grande a preocupação com a disponibilidade …

Torniquete

PUBLICIDADE Definição Um torniquete pode ser definido como um dispositivo de constrição ou compressão usado …

cetose

Cetose

PUBLICIDADE Definição Cetose é um estado metabólico caracterizado por níveis aumentados de corpos cetônicos nos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.