Breaking News
Home / Biologia / Peptidoglicano

Peptidoglicano

PUBLICIDADE

peptidoglicano é um polímero que é composto de cadeias polissacarídicas e peptídicas e é encontrado especialmente nas paredes celulares bacterianas

O peptidoglicano, também chamado mureína, é um polímero que compõe a parede celular da maioria das bactérias.

É composto de açúcares e aminoácidos e, quando muitas moléculas de peptidoglicano se juntam, formam uma estrutura de treliça de cristal ordenada.

As bactérias são classificadas como Gram-positivas ou Gram-negativas com base nas diferenças na estrutura de sua parede celular peptidoglicana.

O que é um peptidoglicano?

O peptidoglicano é um tipo de polímero encontrado nas paredes celulares das bactérias.

Esse polímero é responsável pelo fenômeno conhecido como coloração de Gram, na qual certos tipos de bactérias adquirem uma rica cor púrpura quando expostas ao corante violeta de cristal e servem a várias funções biológicas importantes para os organismos que envolvem.

Além de ser visualmente muito interessante, o processo de coloração de gram pode fornecer informações importantes sobre a estrutura das bactérias examinadas e pode ser usado como uma ferramenta de identificação chave.

Esse polímero, também conhecido como mureína, é produzido a partir de cadeias reticuladas de açúcares e aminoácidos. Forma uma matriz rígida que contribui para a integridade da bactéria.

Embora as paredes celulares do peptidoglicano não determinem a forma de um organismo, elas o ajudarão a manter sua forma, garantindo que não seja comprometido. Além disso, eles fornecem proteção contra forças externas que podem ameaçar as bactérias, como antibióticos.

Nas bactérias gram-positivas, a parede celular é feita a partir de uma camada muito espessa de peptidoglicano, que manterá claramente a cor de uma mancha de grama.

As bactérias gram-negativas têm uma camada mais fina de peptidoglicano, envolvida em uma camada de lipídios, e ficam avermelhadas quando expostas ao violeta cristalino. Observando a cor de uma bactéria, um cientista pode aprender sobre a estrutura de sua parede celular, o que pode fornecer uma pista de identidade ou de compostos que podem ser usados para eliminar a bactéria.

Além de fornecer informações básicas sobre a estrutura da parede celular, uma mancha de grama também pode ser usada para visualizar a estrutura de uma bactéria sob um microscópio. Um organismo rico em peptidoglicano será destacado com o corante, criando uma imagem muito detalhada, nítida e de alto contraste, que pode ser usada para coletar informações sobre a aparência do organismo.

Essas informações podem ser usadas para aprender mais sobre como as bactérias funcionam e para reunir pistas adicionais sobre a identidade de um organismo em exame.

Um composto semelhante chamado pseudopeptidoglicano ou pseudomureína é semelhante em estrutura química ao peptidoglicano, mas não é idêntico. Pseudopeptidoglicano pode ser encontrado em adição ao peptidoglicano nas paredes celulares de algumas bactérias. Este polímero resiste a enzimas especializadas conhecidas como lisozimas, que são projetadas para quebrar a parede celular e morrer uma bactéria.

As bactérias que resistem às lisozimas têm uma melhor chance de resistir ao ataque de um sistema imunológico ativo, o que permitirá que os organismos se espalhem.

Função do Peptidoglicano

O peptidoglicano é o principal componente da parede celular na maioria das bactérias.

A reticulação entre aminoácidos na camada de peptidoglicano forma uma forte estrutura semelhante a uma malha que fornece estrutura à célula.

O peptidoglicano fornece um papel muito importante nas bactérias porque as bactérias são unicelulares; dá força à estrutura externa do organismo.

Também está envolvido na fissão binária, que é como as bactérias se reproduzem.

As bactérias sofrem reprodução assexuada e se dividem em duas células. Para que isso ocorra, o peptidoglicano na parede celular deve crescer à medida que a bactéria se alonga antes de se dividir.

Então, quando a bactéria se divide em duas, a parede celular deve se reformar para que as duas novas células bacterianas possam se fechar.

Resumo

O peptidoglicano, também conhecido como mureína, é um polímero composto por açúcares e aminoácidos que forma uma camada semelhante a uma malha fora da membrana plasmática de todas as bactérias (exceto Mycoplasma) (mas não Archaea), formando a parede celular.

Um equívoco comum é que o peptidoglicano dá à célula sua forma; no entanto, o peptidoglicano ajuda a manter a força estrutural da célula.

A camada peptidoglicana é substancialmente mais espessa nas bactérias Gram-positivas (20 a 80 nanômetros) do que nas bactérias Gram-negativas (7 a 8 nanômetros).

O peptidoglicano forma cerca de 90% do peso seco das bactérias Gram-positivas, mas apenas 10% das cepas Gram-negativas.

Assim, a presença de altos níveis de peptidoglicano é o principal determinante da caracterização das bactérias como gram-positivas.

Nas cepas Gram-positivas, é importante nos papéis de apego e nos propósitos de identificação. Para bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, partículas de aproximadamente 2 nm podem passar através da parede do peptidoglicano.

Alguns medicamentos antibacterianos, como a penicilina, interferem na produção de peptidoglicano, ligando-se a enzimas bacterianas conhecidas como proteínas de ligação à penicilina ou transpeptidases e podem impedir a divisão da bactéria.

Fonte: Editores Portal São Francisco

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Palinologia

PUBLICIDADE Palinologia é o estudo do pólen da planta, esporos e certos organismos microscópicos do plâncton (chamados coletivamente de palinomorfos) …

Bioindicador

Bioindicador

PUBLICIDADE Definição Um bioindicador são espécies cujo desaparecimento ou perturbação dá um aviso prévio da degradação de …

Diatomáceas

PUBLICIDADE As diatomáceas são fitoplâncton onipresente que representam a fonte primária de fotossíntese (e produção de oxigênio) …