Breaking News
Home / Biologia / Ecologia Marinha

Ecologia Marinha

Definição de ecologia marinha

PUBLICIDADE

ecologia marinha é o estudo científico dos seres vivos no oceano e de como eles interagem com o meio ambiente.

É uma ciência interdisciplinar que combina biologia com ciências físicas (por exemplo, geologia, química, oceanografia, geofísica, estatística).

A diferença entre biologia marinha e ecologia marinha é que a ecologia marinha está focada em como os organismos interagem entre si e com o meio ambiente. Biologia Marinha é o estudo do próprio organismo.

O que é Ecologia Marinha?

A ecologia marinha é o ramo da ciência ecológica que se preocupa com os organismos que vivem no oceano ou perto dele, seus comportamentos e suas interações com o meio ambiente.

O escopo dos estudos em ecologia marinha pode variar muito, desde o exame de microrganismos unicelulares até a pesquisa dos efeitos globais da poluição e da atividade humana.

Os cientistas podem observar uma população específica de organismos, identificando seus comportamentos e relacionamentos, ou investigar habitats marinhos inteiros para ver como diferentes fatores vivos e não vivos contribuem para o ecossistema geral.

Os pesquisadores que estudam a ecologia marinha frequentemente se concentram no comportamento e nas adaptações dos animais.

Por exemplo, um cientista pode observar uma certa população de organismos marinhos para descobrir como eles encontram alimento, acasalam-se, interagem com outras espécies e se adaptam às condições ambientais.

Ele ou ela pode revisitar um grupo de organismos ao longo do tempo para avaliar seu sucesso reprodutivo, padrões de migração, números da população e suas respostas a diferentes tipos de clima.

Os cientistas que se especializam em ecologia de ecossistemas podem passar meses ou mesmo anos pesquisando uma região específica, como uma linha costeira, para descobrir os vários impactos que os componentes vivos e não vivos têm no meio ambiente local. Eles investigam os diferentes tipos de plantas e animais nativos e suas interações dentro de um ecossistema.

Cientistas marinhos frequentemente consideram os efeitos de variáveis não vivas, como luz, temperatura e salinidade da água, nas populações de seres vivos.

Eles também podem tentar determinar como as ações humanas e as espécies marinhas não nativas afetam o bem-estar de um ecossistema.

Além de observações e estudos de campo, a ecologia marinha pode ocorrer em um ambiente de laboratório.

Ecologistas marinhos comumente empregam microscópios e outros equipamentos de laboratório para analisar amostras de solo, ar, água e matéria viva.

Eles podem tentar determinar como os níveis de poluição ou a qualidade da água mudaram ao longo do tempo e como os diferentes organismos se adaptaram a essas mudanças ambientais.

Cientistas de laboratório estudam bactérias, algas ou outros microrganismos para aprender mais sobre suas funções em um ecossistema.

Muitos ecologistas marinhos trabalham para agências governamentais e organizações ambientais sem fins lucrativos para promover esforços de conservação e proteção.

Os especialistas em ecologia marinha que trabalham para o governo costumam dar passeios, palestras e seminários para educar o público em geral sobre a importância dos ecossistemas marinhos e o que as pessoas podem fazer para protegê-los melhor.

Aqueles que trabalham para organizações sem fins lucrativos podem liderar projetos de limpeza para restaurar margens danificadas e poças de maré.

Uma população educada e preocupada pode tomar várias medidas para garantir que as plantas marinhas, animais e seus ambientes continuem a prosperar.

Ecologia Marinha – Vida

A Ecologia Marinha é o estudo científico do habitat da vida marinha, populações e interações entre os organismos e o ambiente circundante, incluindo seus fatores abióticos (fatores físicos e químicos não vivos que afetam a capacidade dos organismos de sobreviver e se reproduzir) e os fatores bióticos (seres vivos ou os materiais que afetam direta ou indiretamente um organismo em seu ambiente).

A ecologia marinha é um subconjunto do estudo da biologia marinha e inclui observações nos níveis bioquímico, celular, individual e comunitário, bem como o estudo dos ecossistemas marinhos e da biosfera.

O estudo da ecologia marinha também inclui a influência da geologia, geografia, meteorologia, pedologia, química e física nos ambientes marinhos.

O impacto da atividade humana, como pesquisa médica, desenvolvimento, agricultura, pesca e silvicultura, também é estudado na ecologia marinha. De certa forma, a ecologia marinha é mais complexa do que o estudo relativamente direto de um determinado organismo ou ambiente por causa das inúmeras interconexões, relações simbióticas e influência de muitos fatores em um determinado ambiente.

Para compreender a diferença entre biologia marinha e ecologia marinha, pode ser útil olhar para uma comunidade de organismos.

Um biólogo marinho pode se concentrar nas relações comportamentais entre os organismos em uma espécie particular, enquanto alguém estudando ecologia estudaria como o comportamento de um organismo influencia outro. Um ecologista também examinaria os fatores abióticos e como eles influenciam aquele organismo.

Um cientista estudando ecologia de comunidade pode estudar um grupo de organismos para ver como eles influenciam outras espécies e fatores abióticos.

As principais subcategorias da ecologia são:

Ecologia fisiológica: o estudo de como os fatores bióticos e abióticos atuam nas características fisiológicas de um organismo e como o organismo se adapta ao ambiente abiótico e biótico.
Ecologia comportamental: uma subcategoria da ecologia que estuda quais dinâmicas ecológicas e evolutivas são responsáveis pela maneira como os organismos se adaptam ao seu ambiente.
Ecologia populacional: o estudo das populações de organismos em uma espécie particular e como as populações interagem com seu ambiente.
Ecologia de comunidade: o estudo de como as espécies reagem umas às outras em uma comunidade.
Ecologia da paisagem: o estudo de como os organismos interagem com uma paisagem particular.
Ecologia de ecossistemas: o estudo de como a energia e a matéria fluem através dos ecossistemas.
Ecologia global: o estudo de como a energia e a matéria interagem em toda a teia da vida na Terra.

O estudo da ecologia em geral inclui todas as subcategorias listadas acima, pois se aplicam à ecologia marinha, ecologia animal, ecologia vegetal, ecologia de insetos, ecologia ártica, ecologia tropical e ecologia desértica.

O que é o bioma marinho?

O bioma marinho é basicamente o meio ambiente dos oceanos do mundo e é uma forma de categorizar e compreender a vida e as características gerais dos habitats submarinos.

Os biomas como um todo são zonas ou regiões ecológicas que os cientistas usam para classificar plantas, animais e nutrientes minerais.

O bioma marinho geralmente abrange a vida oceânica. Na maioria das vezes, a água doce é sua própria categoria, e às vezes os recifes de coral também, embora ocorram no oceano.

Normalmente existem cinco zonas principais no bioma, a saber, intertidal, pelágica, bentônica e abissal, cada uma com suas próprias espécies animais e vegetais dominantes. A diversidade de vida nessas zonas é geralmente bastante abundante, e muitos pesquisadores acreditam que o habitat marinho é um dos mais ricos do mundo no que diz respeito ao número de diferentes formas de vida que coexistem.

Talvez por isso o bioma também seja particularmente sensível à poluição e à degradação humana.

Problemas relacionados a mudanças de temperatura e toxicidade nem sempre são imediatamente sentidos ou notados, mas um número crescente de cientistas tem especulado que os oceanos desempenham um papel maior na estabilidade de climas e ambientes terrestres do que se acreditava anteriormente. Como tal, proteger o espaço oceânico e a vida dentro dele se tornou uma prioridade para muitas pessoas, indústrias e governos.

Ecologia Marinha
O bioma marinho cobre três quartos da Terra

Noções básicas de biomas

Em seu sentido mais simples, um bioma é qualquer habitat específico onde os animais e plantas compartilham um ambiente comum. Existem algumas maneiras diferentes de categorizar esses espaços; o sistema mais simples nomeia apenas sistemas baseados em terra e sistemas baseados em água, mas a categorização também pode ser muito mais granular.

Os biomas aquáticos são geralmente divididos em marinho, de água doce e estuário, que é uma espécie de combinação dos dois – geralmente onde um rio encontra o mar ou onde o oceano alimenta outros sistemas predominantemente de água doce. Em terra, as divisões comuns incluem floresta temperada, floresta tropical, savana, pastagem, deserto, tundra e alpino.

Os pesquisadores frequentemente dividem o bioma marinho em cinco zonas distintas, correspondendo principalmente à profundidade do oceano.

Os limites são frequentemente um tanto fluidos e geralmente são mais estimativas do que pontos fixos, e há alguns cruzamentos quando se trata da vida, clima e habitat de cada um, particularmente em torno das bordas.

Os animais e plantas que vivem em diferentes partes e em particular profundidades do oceano podem ser bastante variados, o que torna as distinções de zoneamento úteis em certos contextos.

A primeira zona quando vem da costa é geralmente a zona entre marés, que é onde o oceano encontra a terra; essas águas são as mais rasas e geralmente também as mais quentes, e é onde a maioria dos recifes de coral são encontrados. Muitas dessas regiões são profundamente impactadas pela força das marés, e criaturas menores costumam ser deslocadas de um lugar para outro com muita regularidade. A seguir está a zona pelágica, que muitas vezes também é conhecida simplesmente como “oceano aberto”. Esta é a água mais profunda, onde vivem peixes maiores e mamíferos marinhos, como baleias e golfinhos. As correntes oceânicas trazem uma mistura de águas mais frias e mais quentes, o que ajuda a sustentar essas e outras criaturas.

As coisas são mais escuras e mais frias na zona bentônica, que é um oceano mais profundo que não recebe muita luz solar. Pequenos moluscos, minhocas, estrelas do mar e várias algas crescem perto do fundo do mar nesta região, e alguns peixes também vivem aqui. A parte mais escura e profunda do bioma é a zona abissal, que fica sobre ou próxima às placas tectônicas centrais da Terra; a água aqui é geralmente muito fria e completamente isolada da luz. Fungos, esporos e bactérias são geralmente as formas de vida mais abundantes.

Padrões de Circulação e Movimento

Os padrões de circulação no oceano aberto se movem de maneira horizontal e afetam as águas superficiais superiores.

Também há circulação vertical e isso tem mais influência na vida marinha.

No tipo de ressurgência de circulação vertical da água do oceano, a água do oceano profundo cheia de nutrientes dissolvidos viaja para as águas superficiais costeiras e estimula o crescimento do plâncton. O plâncton, por sua vez, é a base de toda a cadeia alimentar dos oceanos. Na circulação termohalina, as águas ricas em nutrientes sobem e se misturam, mas apenas nas regiões polares, onde as diferenças de temperatura, densidade e salinidade da água do oceano são distintas.

Relação com o clima da terra

As correntes marinhas afetam todas as áreas costeiras e os ventos geralmente correspondem à temperatura da água. Como a água não esquenta nem esfria muito rapidamente, ocorrem apenas pequenas mudanças no bioma, mas, com o tempo, podem levar a grandes mudanças no que diz respeito à sustentabilidade de certas espécies ou grupos de plantas e animais.

Tudo no oceano está geralmente conectado, seja por meio de uma cadeia alimentar ou algumas relações simbióticas. Mudanças em um lugar são frequentemente sentidas em muitos outros.

As mudanças podem ser pequenas no início, mas geralmente aumentam cumulativamente ao longo de meses e anos.

Poluição e outros perigos

A introdução de materiais estranhos no oceano pode impactar e afeta a dinâmica do bioma, muitas vezes de forma muito negativa. A costa do Alasca, o Golfo Pérsico e o Golfo do México são alguns dos piores lugares para derramamentos de óleo, por exemplo, que causaram grande destruição de plantas e animais selvagens marinhos.

O despejo de lixo e resíduos tóxicos no oceano pelas empresas é outro grande problema que afeta as fontes de água do mundo.

Até mesmo a preguiça dos cidadãos comuns que jogam seu lixo em hidrovias ou companhias de navegação irresponsáveis com a remoção de resíduos estão afetando a vida no oceano e, por meio dele, a saúde geral e a vida do planeta como um todo.

Fonte: marinebio.org/www.nationalgeographic.org/www.frontiersin.org/www.utas.edu.au/www.bsee.gov/www.wisegeek.org/www.ga.gov.au/sc.edu/www.ecosystem.unsw.edu.au/www.longdom.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fissão Binária

PUBLICIDADE Fissão binária é o processo muito rápido pelo qual organismos com apenas uma célula criam …

Primatas

Primatas

Definição de Primatas PUBLICIDADE Um primata é um membro do grupo mais desenvolvido e inteligente …

Gigantopithecus

PUBLICIDADE O Gigantopithecus era muito grande. O Gigantopithecus é um gênero de macaco extinto do sul da Ásia existente …