Breaking News
Home / Biologia / Armas Biológicas

Armas Biológicas

PUBLICIDADE

Armas Biológicas – O que são

Arma biológica, também chamado arma germe, qualquer um de um número de agentes causadores de doenças, tais como bactérias, vírus, rickettsias, fungos, toxinas ou outros agentes biológicos-que podem ser utilizados como arma contra os seres humanos, animais ou plantas.

O uso direto de agentes infecciosos e venenos contra pessoal inimigo é uma prática antiga em guerra. De fato, em muitos conflitos, as doenças têm sido responsáveis por mais mortes do que todas as armas de combate empregadas combinados, mesmo quando conscientemente não foram usados como armas.

As armas biológicas, como armas químicas, radiológicas e armas nucleares, são comumente referidos como armas de destruição em massa, embora o termo não é realmente apropriado no caso de armamentos biológicos. Armas biológicas letais pode ser capaz de causar mortes em massa, mas eles são incapazes de destruição em massa de infra-estruturas, edifícios ou equipamentos. No entanto, devido à natureza indiscriminada destas armas, bem como o potencial para iniciar pandemias generalizadas, a dificuldade de controlar os efeitos da doença, bem como o simples medo que eles inspiram-a maioria dos países concordaram em proibir toda a classe.

A partir de 2013 um total de 180 Estados e Taiwan assinaram a Convenção de Armas Biológicas (BWC) e 170 desses estados e Taiwan assinaram e ratificaram o tratado, que foi aberta à assinatura em 1972.

Nos termos dos BWC, os Estados-Membros são proibidos de usar armas biológicas na guerra e de desenvolvimento, testes, produção, armazenamento, ou implantá-los. No entanto, um número de estados continuaram a perseguir as capacidades de guerra biológica, buscando uma estratégica mais barato, mas ainda mortal arma ao invés de seguir o caminho mais difícil e caro para armas nucleares.

Além disso, a ameaça de que algum indivíduo ou organização terrorista demente vai fabricar ou roubar armas biológicas é uma preocupação de segurança crescente.

Agentes de guerra biológica

Agentes de guerra biológica diferem grandemente no tipo de organismo ou toxina utilizada em um sistema de armas, a letalidade, o comprimento de incubação, a infecciosidade, estabilidade e capacidade de ser tratado com vacinas e medicamentos actuais. Há cinco categorias diferentes de agentes biológicos que poderiam ser armados e usados na guerra ou terrorismo.

Estes incluem:

Bactérias organismos unicelulares que causam doenças como antraz, brucelose, tularemia, e praga.
Rickettsias – microorganismos que se assemelham a bactérias, mas diferem em que eles são parasitas intracelulares que se reproduzem no interior das células. tifo e febre Q são exemplos de doenças causadas por organismos Rickettsia.
Vírus – parasitas intracelulares, cerca de 1/100 do tamanho das bactérias, que podem ser em arma de causar doenças, tais como venezuelano da encefalite equina.
Fungos – patógenos que podem ser armados para uso contra culturas de causar doenças como brusone, cereais ferrugem, ferrugem do trigo, batata e praga.
Toxinas – venenos que podem ser armados após a extração de cobras, insetos, aranhas, organismos marinhos, plantas, bactérias, fungos e animais. Um exemplo de uma toxina é a ricina, que é derivado da semente da mamona.

Alguns destes agentes biológicos têm propriedades que os tornam mais prováveis candidatos ao armamento, tais como a sua letalidade, capacidade de incapacitar, contágio ou noncontagiousness, robustez e estabilidade, e outras características.

Entre os agentes considerados prováveis candidatos ao uso de armas biológicas são as toxinas ricina, enterotoxina B de estafilococos (SEB), a toxina botulinica, e T-2 micotoxinas e os agentes infecciosos responsáveis antraz, brucelose, cólera, peste pneumônica, tularemia, febre Q, varíola, mormo, encefalite eqüina venezuelana, e febre hemorrágica viral.

Vários estados em vários momentos se debruçaram sobre armamento e dezenas de outros agentes biológicos, além disso.

Defesa contra armas biológicas – A defesa militar

Agentes biológicos letais a maioria são armados se destinam a ser distribuídos como aerossóis, que poderia causar infecções quando respirado pelo pessoal alvo.

Por esta razão, a defesa mais eficaz contra armas biológicas é um bom máscara protetora equipado com filtros capazes de bactérias bloqueando, vírus e esporos maiores que um mícron (um micrômetro, um milionésimo de metro) na seção transversal de entrada em passagens nasais e pulmões do utente. Overgarments de proteção, incluindo botas e luvas, são úteis para a prevenção de agentes biológicos de entrar em contato com feridas abertas ou fissuras na pele. Além disso, descontaminantes pode neutralizar agentes biológicos em áreas infectadas depois de um ataque biológico.

Desenvolver e atendendo eficazes sensores de armas biológicas que podem desencadear um alarme iria permitir que o pessoal de vestir máscaras antes da exposição, entrar em overgarments de proteção, e ir para dentro, de preferência em abrigos tóxicos sem proteção coletiva. Equipes médicas poderiam então ir imediatamente em ação para verificar e tratar aqueles que podem ter sido expostos.

Ataques de guerra biológica pode ser menos eficaz ou ineficaz, se as pessoas visadas têm sido vacinado contra o agente causador da doença específica utilizada num ataque.

Armas Biológicas – Perigo

Armas Biológicas

As armas biológicas disseminam organismos causadores de doenças ou toxinas para ferir ou matar humanos, animais ou plantas.

Geralmente consistem em duas partes – um agente armado e um mecanismo de entrega. Além de aplicações militares estratégicas ou táticas, as armas biológicas podem ser usadas para assassinatos políticos, a infecção de gado ou produtos agrícolas para causar escassez de alimentos e perdas econômicas, a criação de catástrofes ambientais e a introdução de doenças generalizadas, medo e desconfiança entre o público.

Há uma grande tendência de se achar que a proibição contra armas biológicas não seja necessária.

Infelizmente, entretanto, o perigo das armas biológicas não foi exterminado com a Convenção sobre proibição de Armas Tóxicas e Biológicas de 1972, nem mesmo com o fim da Guerra Fria ou com a ameaça de retaliação nuclear contra o Iraque durante o conflito do Golfo Pérsico.

As armas biológicas, infelizmente, apresentam um alto poder de destruição e um processo de fabricação relativamente simples.

Um pequeno grupo de pessoas com poucos recursos financeiros e treinamento básico em biologia e engenharia pode desenvolver uma arma biológica potencial.

Tais armas são classificadas como armas de destruição em massa, ou seja, o seu uso não faz distinção entre alvos militares e a população civil. Um milionésimo de grama do bacilo causador do Carbúnculo (Anthrax) constitui uma dose inalatória letal; além disso, o poder de devastação dessas armas é intimamente relacionado ao meio de dispersão usado para propagar o agente.

Essas características fazem das sociedades civil e militar vulneráveis às armas biológicas, usadas ainda para aterrorizar populações ou para fins militares em disputas territoriais ou políticas.

As armas biológicas fazem parte da nossa historia, e no mundo conflituoso atual seu uso torna-se um problema plausível, portanto para melhor lidar com essa realidade é necessário uma ação conjunta entre todos os países, para diminuir a probabilidade de ocorrência deste evento. Sendo isto realizável através de tratados, e mecanismos de fiscalização e vigilância, assim como o combate as razões para seu uso, como a fome, a guerra, e outras.

Além da disseminação de informações sobre as ações a serem tomadas em caso de ataques bioterroristas e epidemias e o investimento na área de saúde pública, pois um sistema integrado e eficiente de resposta pode reduzir os danos causados por estes.

Armas Biológicas: Uma Visão Geral

As armas biológicas incluem-se na categoria das armas de destruição em massa, juntamente com as químicas e nucleares.

Nessa categoria todas têm o potencial de causar efeitos sérios e de longo prazo na saúde dos sobreviventes e mortes em baixas concentrações.

Os agentes biológicos utilizados como armas são definidos como organismos vivos ou material infeccioso derivado deles, que são usados para causar doenças ou mortes em homens, animais e plantas, e que tem seu efeito ligado à sua habilidade de se multiplicar no ser exposto, podendo ser disseminados por meio de vetores como insetos ou na forma de aerossol.

O terror biológico não é algo novo, tendo sido usado por séculos. No entanto, atecnologia moderna criou riscos superiores e resultados mais terríveis.

Os ataques biológicos são mais difíceis de serem detectados, têm um potencial maior de afetar grandes segmentos do que um ataque químico, radiológico ou explosivo e precisam de estratégias de prevenção.

Armas Biológicas – Agentes biológicos

Armas Biológicas

Armas biológicas são microorganismos como vírus, bactérias, fungos ou outras toxinas que são produzidos e liberados deliberadamente para causar doenças e morte em humanos, animais ou plantas.

Agentes biológicos, como o antraz, a toxina botulínica e a peste, podem representar um difícil desafio para a saúde pública, causando um grande número de mortes em um curto período de tempo, embora sejam difíceis de conter. Ataques de bioterrorismo também podem resultar em uma epidemia, por exemplo, se os vírus Ebola ou Lassa forem usados como agentes biológicos.

As armas biológicas são um subconjunto de uma classe maior de armas denominadas armas de destruição em massa, que também incluem armas químicas, nucleares e radiológicas.

O uso de agentes biológicos é um problema sério, e o risco do uso desses agentes em um ataque bioterrorista é crescente.

Características dos agentes microbiológicos utilizados como armas

Para ser considerado um bom agente biológico, este deve apresentar alta taxa de letalidade, poder ser produzido em quantidade suficiente, ser capaz de ser disperso na forma de aerossol, ou seja, com tamanho de partícula entre 1 e 5 µm, por ser esta a melhor via para ataques em larga escala, ser estável nesta forma e de fácil dispersão.

Vários são os agentes biológicos e os modos em que estes podem ser utilizados para contaminar vários meios como o ar, água, solo e alimentos (SINCLAIR et al., 2008).

A quase totalidade destes ocorre naturalmente no meio ambiente e causam ocasionalmente episódios de infecções em populações humanas ou animais.

Além disso, o conhecimento necessário para utilizá-los engloba o básico em microbiologia, incluindo os métodos de cultura para detecção e recuperação destes organismos.

Segundo o CDC (Center for Disease Control and Prevention) os agentes biológicos podem ser divididos em três categorias de acordo com sua facilidade de dispersão, severidade da doença ou morte que causam.

Sendo os pertencentes a categoria A organismos ou toxinas que apresentam o maior risco a segurança publica e nacional, por serem facilmente dispersos ou transmissíveis por contato, resultarem em altas taxas de mortalidade e terem um importante potencial de impacto a saúde pública, poderem causar pânico e transtorno social, e requererem ações de saúde pública especiais.

Os pertencentes à categoria B apresentam um risco menor, por terem facilidade de dispersão moderada, taxas de infecçãomoderadas, baixas taxas de mortalidade, requerem melhorias especificas da capacidade laboratorial do CDC e melhoria do monitoramento de doenças.

Os agentes da categoria C incluem patógenos emergentes que poderiam ser modificados para dispersão em massa no futuro, por sua fácil disponibilidade, produção e dispersão, e potencial para altas taxas de morbidade e mortalidade e grande impacto a saúde.

Principais agentes que apresentam potencial de uso como armas biológicas:

Bacillus anthracis

Antraz é uma zoonose em que a maioria dos animais é suscetível (SPENCER, 2003). Sendo mais comum em herbívoros, que são infectados ao ingerirem esporos do solo.

É causado pelo esporo do Bacillus anthracis, que é uma bactéria não móvel, Gram-positiva e aeróbia. O esporo é formado na escassez de nutrientes, mantendo-se viável por décadas e quando encontra ambiente propício germina podendo potencialmente causar a doença.

Este agente apresenta três formas de atuação: por via cutânea, gastrointestinal e pulmonar.

A mais comum destas é a cutânea que ocorre por contato com animais infectados por antraz ou pela entrada de esporos através de lesões na pele.

A forma gastrointestinal é a segunda forma mais comum ocorrendo por consumo de carne contaminada mal cozida.

Na forma pulmonar ou inalatória, os esporos entram no espaço alveolar e são fagocitados por macrófagos.

Aqueles que escapam da lise e destruição são transportados por via linfática até os nódulos linfáticos presentes no mediastino onde a germinação pode ocorrer. Após a germinação, a doença progride rapidamente devido as toxinas produzidas que causam hemorragia, edema e necrose.

Sendo a maioria das características clínicas conseqüência da ação de duas toxinas, as chamadas toxina edema e toxina letal.

A forma inalatória apresenta normalmente dois estágios: no primeiro, com duração de 48 horas, uma série de sintomas inespecíficos como febre, dispnéia, tosse não produtiva, dores de cabeça, vômitos, calafrios, fraqueza generalizada, dores abdominais e torácicas. No segundo, que tende a se desenvolver abruptamente, há febre, dispnéia, diaforese e choque. Cianose e hipotensão progridem rapidamente, com a ocorrência de morte dentro de horas.

A mortalidade mesmo com tratamento antimicrobiano adequado ultrapassa 90%.

A morte pode ocorrer mesmo em casos em que não há mais a presença do microrganismo no sangue, sendo esta causada pela ação das toxinas.

Por causar sintomas iniciais semelhantes aos da gripe e poder levar a morte rapidamente, o diagnóstico clínico deve ser realizado o mais rápido possível.

Sendo um quadro de doença febril com alargamento do mediastino, detectável em radiografia do tórax, e que se instala em paciente previamente saudável, altamente suspeito de contaminação por antraz via inalação.

Eventualmente, pode ocorrer uma meningite como estágio final de qualquer uma das formas de antraz, sendo o prognóstico desta extremamente ruim.

O diagnóstico presuntivo é baseado em exame pela técnica de coloração de Gram da pele lesionada, sangue, ou líquido cefalorraquidiano (LCR), com visualização de bacilos Gram positivos encapsulados.

A cultura em ágar sangue, após um período de incubação de 18 a 24 horas apresenta como característica colônias acinzentadas, planas,entre 2 e 5 mm de diâmetro, com bordas irregulares.

As colônias que presumidamente forem de B. anthracisdevem ser enviadas ao laboratório de referência para confirmação. O diagnóstico rápido pode ser realizado com o uso de técnicas como ELISA e PCR.

Em casos suspeitos o tratamento inicial com antimicrobianos é essencial e não deve aguardar confirmação (SPENCER, 2003).

Não há estudos clínicos do tratamento de antraz por inalação em humanos. O tratamento do antraz é realizado com penicilina, pois a maioria das estirpes naturais de antraz é sensível a este antimicrobiano e a doxiciclina, pois em estudos com animais este antimicrobiano se mostrou eficaz. Após exposição a profilaxia deve ser realizada com o mesmo regime antimicrobianos recomendado para o tratamento de casualidades em massa, devendo ser mantida por 60 dias.

A vacinação é a forma mais efetiva para a proteção em massa. Porém, ainda apresenta uma falta de padronização, um alto custo de produção, a necessidade de doses repetidas e efeitos colaterais transitórios.

Armas biológicas, bioterrorismo e vacinas

Armas Biológicas

Um ataque biológico por terroristas ou uma potência nacional pode parecer mais um elemento da trama em um filme de ação do que uma ameaça realista. E, de fato, a possibilidade de tal ataque pode ser muito remota. Ataques biológicos, no entanto, ocorreram no passado, um recentemente em 2001. Consequentemente, uma coleção de agências governamentais dos EUA está envolvida no planejamento de respostas a ataques biológicos potenciais.

Ameaças de arma biológica podem incluir a liberação deliberada por atacantes de um agente que causa uma ou mais de uma variedade de doenças diferentes.

As autoridades de saúde pública desenvolveram um sistema para priorizar os agentes biológicos de acordo com seu risco para a segurança nacional.

Os agentes da categoria A são os de maior prioridade e são agentes de doenças que representam um risco para a segurança nacional porque podem ser transmitidos de pessoa para pessoa e/ou resultar em alta mortalidade e/ou têm alto potencial para causar ruptura social. São antraz, botulismo (via toxina botulínica, que não é passável de pessoa para pessoa), peste, varíola, tularemia e uma coleção de vírus que causam febres hemorrágicas, como Ebola, Marburg, Lassa e Machupo. Esses agentes de doenças existem na natureza (com exceção da varíola, que foi erradicada na natureza), mas podem ser manipulados para torná-los mais perigosos.

Os agentes da categoria B são moderadamente fáceis de disseminar e resultam em baixa mortalidade. Estes incluem brucelose, mormo, febre Q, toxina ricina, febre tifóide e outros agentes.

Os agentes da categoria C incluem agentes de doenças emergentes que podem ser projetados para disseminação em massa no futuro, como o vírus Nipah. (Este índice de possíveis ameaças do CDC lista todos os agentes das categorias A, B e C. Observe que as armas químicas, como as que envolvem substâncias não biológicas, como o gás cloro, não estão incluídas.)

O uso de vacinas eficazes provavelmente protegeria vidas e limitaria a disseminação de doenças em uma emergência de armas biológicas. Vacinas licenciadas estão disponíveis atualmente para algumas ameaças, como antraz e varíola, e pesquisas estão em andamento para desenvolver e produzir vacinas para outras ameaças, como tularemia, vírus Ebola e vírus de Marburg. Muitas ameaças de doenças com armas biológicas, no entanto, carecem de uma vacina correspondente e, para aquelas que têm, existem desafios significativos para seu uso bem-sucedido em uma situação de emergência.

Fonte: www.britannica.com/wwww.bionetonline.org/us.geocities.com/www.who.int/www.cpgls.ucg.br/www.un.org/static.wikia.nocookie.net/www.historyofvaccines.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.