Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Transfusão de Sangue

Transfusão de Sangue

PUBLICIDADE

 

Há muitas razões para que as pessoas recebam transfusões de sangue, incluindo cirurgia, ferimentos e doenças.

O sangue tem vários componentes, incluindo glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas e plasma.

O que é

A transfusão de sangue é um procedimento comum seguro no qual você recebe o sangue através de uma linha (IV) intravenoso inserido em um de seus vasos sanguíneos.

As transfusões de sangue são usados ??para substituir o sangue perdido durante uma cirurgia ou uma grave lesão. A transfusão também pode ser feito se o seu corpo não pode fazer o sangue corretamente por causa de uma doença.

Durante uma transfusão de sangue, uma pequena agulha é usada para inserir uma linha IV em um de seus vasos sanguíneos. Através desta linha, você recebe sangue saudável. O procedimento geralmente leva de 1 a 4 horas, dependendo da quantidade de sangue que você precisa.

Informações Importantes Sobre o Sangue

O coração bombeia o sangue através de uma rede de artérias e veias no corpo. O sangue tem muitos empregos vitais. Por exemplo, ele carrega oxigênio e outros nutrientes para os órgãos e tecidos do corpo.

O sangue é composto por várias partes, incluindo glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas, e plasma.

Tipos de sangue

Cada pessoa tem um dos seguintes tipos de sangue: A, B, AB ou O. Além disso, o sangue de cada pessoa ou é Rh positivo ou Rh-negativo.

O sangue usado na transfusão deve funcionar com o seu tipo de sangue. Se isso não acontecer, os anticorpos (proteínas) atacam o sangue novo até deixá-lo doente.

Tipo Sanguíneo

O sangue é seguro para quase todos. Cerca de 40 por cento da população tem o tipo

O sangue

As pessoas que têm este tipo de sangue são chamados doadores universais. O tipo de sangue é usado para emergências, quando não há tempo para testar o tipo de sangue de uma pessoa.

As pessoas que têm sangue do tipo AB são chamados de receptores universais. Isto significa que podem receber qualquer tipo de sangue.

Se você tem sangue Rh-positivo, você pode receber sangue Rh-positivo ou Rh-negativo. Mas se você tem sangue Rh-negativo, você só deve receber sangue Rh-negativo. Sangue Rh-negativo é usado para emergências, quando não há tempo para testar tipo Rh de uma pessoa.

Transfusão de Sangue na Prática da Medicina

A primeira transfusão de sangue documentada aconteceu no século XVII, quando o médico francês Jean-Baptiste Denis infundiu sangue de uma ovelha em um ser humano. Infelizmente, o procedimento foi mal sucedido. A terapia de transfusão de sangue começou a obter êxito após a descoberta dos grupos sanguíneos e da compatibilidade sanguínea.

Os glóbulos vermelhos foram descritos pela primeira vez em 1.658. Cerca de 250 anos mais tarde os primeiros quatro tipos sanguíneos (A, B, AB e O) forma identificados. Em seguida, houve a descoberta do fator Rhesus (Rh), que classificou os grupos sanguíneos em Rh-positivo e Rh-negativo.

A prática do armazenamento do sangue teve início durante a Primeira Guerra Mundial (1.914 a 1.918). Porém, os primeiros serviços de sangue que faziam coleta de sangue em larga escala, incluindo os serviços de sangue da Cruz Vermelha, foram criados na década de 1.930.

Por diferenciadas circunstâncias uma pessoa pode necessitar de transfusão de sangue. Às vezes, por causa de um trauma como a hemorragia, o volume de sangue fica reduzido a um nível tal que o organismo não é capaz de repô-lo suficientemente rápido. Em outras situações, alguns componentes do sangue estão ausentes ou não funcionam adequadamente, como no caso da hemofilia, em que não ocorre a coagulação do sangue.

Outras vezes, a medula óssea não produz hemoglobina suficiente em razão de uma deficiência da matéria-prima necessária.

Na maioria dos casos acima citados, realizam-se transfusões de componentes do sangue (Concentrado de Glóbulos Vermelhos, Concentrado de Plaquetas, Plasma Fresco Congelado e Crioprecipitado) nos pacientes. Todos os diferentes componentes do sangue podem ser utilizados e cada um desempenha um papel importante para salvar as vidas de várias pessoas na comunidade.

A transfusão de sangue é regularmente usada em casos de cirurgias, traumatismos, sangramentos gastrintestinais e partos nos quais há necessidade de repor grandes perdas sanguíneas. Os pacientes com câncer também recebem, freqüentemente, transfusões de sangue. Algumas doenças genéticas como a Talassemia e a Doença Falciforme afetam o sangue. Nesses casos, o formato dos glóbulos pode ser afetado, acarretando um funcionamento inadequado e sua conseqüente destruição. Os portadores dessas doenças precisam de suprimentos regulares de sangue seguro para repor as deficiências.

O sangue utilizado para a transfusão deve provir de pessoas saudáveis, haja vista que patologias como a Malária e a Doença de Chagas podem ser transmitidas de pessoa a pessoa via transfusão de sangue. Outras infecções podem ser igualmente perigosas à vida e também podem ser transmitidas por transfusão de sangue, dentre elas está o HIV/AIDS.

Como já frisamos, o sangue não só é um tecido vivo como também é um tecido renovável. Pessoas saudáveis têm mecanismos para produzir mais sangue, após a doação. Ao doar sangue, o dom da vida pode ser compartilhado facilmente e sem medo, pois as doações regulares não enfraquecerem o doador, seja ocasionando impotência, debilidades ou acelerando o processo de envelhecimento.

Dependendo das condições clínicas, a maioria dos pacientes necessita somente de 01 (Um) Componente ou 01 (Um) Derivado, isso quer dizer que mais de um paciente (pode chegar a quatro pacientes) pode se beneficiar de uma única unidade de sangue total, ou seja, um doador pode salvar até 4 (Quatro) vidas.

No MT – Hemocentro os Componentes do sangue são disponibilizados aos Usuários do SUS nas seguintes situações/tratamentos:

COMPONENTES DO SANGUE PRINCIPAIS USOS
Concentrado de Glóbulos Vermelhos
(Hemácias)
Anemias em que o transporte de oxigênio está comprometido
Concentrado de Plaquetas Hemorragia grave por deficiência de plaquetas
Plasma Fresco Congelado Pacientes com deficiência dos fatores de coagulação,
ou para a produção de derivados do plasma.
Crioprecipitado Hipofibrinogenia, disfibrinogenia, deficiência do Fator XIII

Além dos Componentes do sangue, o MT Hemocentro disponibiliza aos Usuários do SUS, os Derivados do sangue (Derivados do Plasma) nas seguintes situações/tratamentos:

PRODUTOS DO SANGUE

DERIVADOS DO PLASMA PRINCIPAIS USOS
Imunoglobulinas Pacientes com deficiências do sistema imunológico,
tratamento após exposição a alguns agentes infecciosos.
Albumina Queimaduras, hipoalbuminemia, hemorragia e choque
Fatores de Coagulação Hemofilia e outras doenças de coagulação.

Fonte: www.saude.mt.gov.br

Transfusão de Sangue

O sangue não possui substituto. Então, a doação voluntária feita por um individíduo saudável é a única fonte para obtenção de sangue e seus componentes para uso em pacientes que necessitam.

A transfusão é feita com o objetivo de restabelecer as condições clínicas de um paciente com perda sanguínea aguda (consequente a cirurgia ou acidente) ou crônica (decorrente de anemias crônicas, quimioterapia ou transplante de medula óssea).

A transfusão é um processo complexo que é iniciado com a seleção do doador e encerrado com a infusão do hemocomponente no paciente. Para garantir o máximo de segurança ao paciente, esse processo é executado obedecendo rigorosamente às normas editadas pelas autoridades sanitárias brasileiras (Anvisa – Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo) e da Associação Americana de Bancos de Sangue (American Association of Blood Banks – AABB – EUA).

O processo transfusional

O processo transfusional é iniciado pela solicitação feita pelo médico do paciente, especificando o tipo (concentrado de hemácias, concentrado de plaquetas, plasma fresco etc.), o volume e a característica (leucodepletado, irradiado etc.) do hemocomponente a ser transfundido.

O hemocomponente solicitado pode variar de acordo com a condição clínica do paciente:

concentrado de hemácias para repor perdas sanguíneas agudas decorrentes de cirurgias / acidentes ou crônicas como nas anemias hereditárias, pós quimioterapia e transplante de medula óssea

concentrado de plaquetas para evitar ou estancar hemorragia consequente à diminuição no número ou na função plaquetários, frequentemente encontrados pós quimioterapia, transplante de medula óssea ou uso de determinados medicamentos

o plasma auxilia a corrigir tendência hemorrágica associada a alterações em fatores de coagulação

Fonte: www.einstein.br

Transfusão de Sangue

A transfusão de sangue é a transferência de sangue ou de um hemocomponente (componente do sangue) de um indivíduo (doador) a outro (receptor). As transfusões são realizadas para aumentar a capacidade do sangue de transportar oxigênio, para restaurar o volume sangüíneo do organismo, para melhorar a imunidade ou para corrigir distúrbios da coagulação. Dependendo do motivo da transfusão, o médico pode prescrever sangue total ou um hemocomponente como, por exemplo, eritrócitos, plaquetas, fatores da coagulação sangüínea, plasma (a parte líquida do sangue) fresco congelado ou leucócitos. Sempre que possível, é realizada a transfusão apenas do hemocomponente que suprirá a necessidade específica do paciente, e não de sangue total. A administração de um hemocomponente específico é mais segura e evita o desperdício dos demais. Nos Estados Unidos, são realizadas anualmente aproximadamente 15 milhões de transfusões. Graças às melhores técnicas de triagem do sangue, as transfusões atualmente são mais seguras que nunca. No entanto, elas ainda apresentam riscos para o receptor (p.ex., reações alérgicas e infecções). Apesar da chance de infecção pelo vírus da AIDS ou da hepatite por transfusão ser remota, os médicos estão bem conscientes desse risco e somente a prescrevem quando não existe outra alternativa.

Coleta e Classificação do Sangue

A Food and Drug Administration (FDA) regula rigorosamente a coleta, o armazenamento e o transporte de sangue e de hemocomponentes. Muitas autoridades federais e locais, assim como a American Red Cross (Cruz Vermelha Americana), a American Association of Blood Banks (Associação Americana de Bancos de Sangue) e outras instituições possuem suas próprias normas adicionais. Os doadores de sangue são examinados para se determinar boas condições de saúde.

É verificado o pulso, a pressão arterial e a temperatura e um exame de sangue é feito para se constatar a existência ou não de anemia. É passado um questionário para analisar se os doadores apresentam ou apresentaram qualquer condição que possa desqualificá-los. Condições como hepatite, cardiopatia, câncer (com exceção a determinados tipos, como o câncer de pele localizado), asma grave, malária, distúrbios hemorrágicos, a AIDS e a possível exposição ao vírus da AIDS podem desqualificar um possível doador de forma permanente. A exposição à hepatite, a gravidez, uma cirurgia recente de grande porte, a hipertensão arterial mal controlada, a hipotensão arterial, a anemia ou o uso de certas drogas/medicamentos podem desqualificar temporariamente um indivíduo para a doação de sangue. Essas restrições foram desenvolvidas para proteger tanto o doador como o receptor. Geralmente, não é permitido aos doadores realizarem mais de uma doação em um período inferior a dois meses.

Investigação de Infecções no Sangue Doado

A transfusão sangüínea pode transmitir uma doença infecciosa presente no sangue do doador. É por isso que as autoridades sanitárias tornaram mais rigorosa a seleção de doadores de sangue e fizeram com que esses exames fossem mais abrangentes. Atualmente, todas as doações de sangue são testadas para as hepatites virais, a AIDS, a sífilis e outros vírus selecionados.

Hepatite Viral

O sangue doado é examinado para se verificar a presença das hepatites virais B e C, as quais são transmitidas através de transfusões sangüíneas. Esses testes não conseguem identificar todos os casos de sangue infectado, mas, com os recentes avanços dos exames e da seleção de doadores, o risco de transmissão de hepatite B através de uma transfusão sangüínea é quase inexistente. A hepatite C continua sendo a infecção potencialmente grave mais comumente transmitida através de transfusões de sangue. Atualmente, o risco é de aproximadamente 3 infecções para cada 10.000 unidades de sangue transfundidas.

AIDS

Nos Estados Unidos, o sangue doado é testado para o vírus da imunodeficiência humana (HIV), a causa da AIDS. O exame não é 100% acurado, mas a entrevista dos possíveis doadores faz parte do processo de seleção. Os entrevistadores questionam sobre fatores de risco de AIDS (p.ex., se os possíveis doadores ou seus parceiros sexuais fizeram uso de drogas injetáveis ou mantiveram relações com um homem homossexual). Graças ao exame de sangue e à entrevista, o risco de contrair AIDS através de uma transmissão sanguínea é extremamente baixo. De acordo com as estimativas recentes, ele é de 1 em cada 420.000.

Sífilis

Raramente as transfusões de sangue transmitem sífilis. Além da triagem realizada nos doadores de sangue e dos testes no material doado para sífilis, o sangue doado é também refrigerado a baixas temperaturas, que matam os microrganismos infecciosos.

O costume de se pagar aos doadores de sangue praticamente desapareceu, uma vez que isto incentivava os necessitados a candidatarem-se como doadores, os quais negavam a existência de qualquer doença que os desqualificassem. Para os doadores selecionados, a doação de sangue é muito segura. Todo o processo dura aproximadamente uma hora, sendo que a doação em si leva somente 10 minutos. Geralmente, o doador sente uma sensação de picada quando a agulha é inserida, mas o procedimento em si é indolor. A unidade padrão de sangue doado é de aproximadamente 480 ml. O sangue recém-coletado é vedado em bolsas plásticas contendo conservantes e um composto anticoagulante. Uma pequena amostra de cada doação é examinada para se detectar doenças infecciosas como a AIDS, as hepatites virais, a doença de chagas e a sífilis. O sangue refrigerado permanece utilizável durante 42 dias. Em circunstâncias especiais (p.ex., para preservar um tipo raro de sangue), os eritrócitos (hemácias, glóbulos vermelhos) podem ser congelados e mantidos por até dez anos. Como a transfusão de um sangue não compatível com o receptor pode ser perigosa, o sangue doado é rotineiramente classificado por tipo (A, B, AB ou O) e por Rh (positivo ou negativo). Por exemplo, o tipo sangüíneo de um indivíduo pode ser O-positivo ou AB-negativo. Como uma precaução adicional, antes de iniciar a transfusão, o técnico mistura uma gota do sangue do doador com uma gota de sangue do receptor para assegurar-se que eles são compatíveis. Este procedimento é denominado teste de compatibilidade.

Sangue e Seus Componentes

Um indivíduo que necessita urgentemente de uma grande quantidade de sangue (p.ex., alguém que apresenta um sangramento intenso) pode receber sangue total para ajudar na restauração da circulação e do volume líquido. O sangue total também pode ser administrado quando não existe a disponibilidade de um determinado componente separadamente. O componente do sangue mais comumente transfundido, o concentrado de eritrócitos (mais comumente denominado concentrado de hemácias) consegue restaurar a capacidade de transporte de oxigênio do sangue. Esse hemocomponente pode ser administrado a um indivíduo que apresenta uma hemorragia ou uma anemia grave. Muito mais caras que o concentrado de hemácias, os eritrócitos congelados normalmente são reservados para as transfusões de tipos de sangue raros. Alguns indivíduos que necessitam de sangue são alérgicos a ele. Quando as medicações não impedem a ocorrência de reações alérgicas, pode ser necessária a administração de eritrócitos lavados. A lavagem dos eritrócitos remove quase todos os traços de substâncias que podem causar alergia do plasma do doador. A trombocitopenia (quantidade muito pequena de plaquetas) pode acarretar hemorragia espontânea e grave.

A transfusão de plaquetas pode restaurar a capacidade de coagulação do sangue. Os fatores da coagulação do sangue são proteínas plasmáticas que normalmente atuam em conjunto com as plaquetas para auxiliar na coagulação sangüínea. Sem a coagulação, o sangramento não seria interrompido após uma lesão. Os concentrados de fatores da coagulação podem ser administrados aos indivíduos que apresentam um distúrbio hemorrágico hereditário (p.ex., hemofilia ou doença de von Willebrand). O plasma também é uma fonte de fatores da coagulação sangüínea. O plasma fresco congelado é utilizado no tratamento de distúrbios hemorrágicos quando não se sabe qual fator da coagulação está faltando ou quando não existe concentrado de reposição disponível. Ele também é utilizado quando a hemorragia é causada por uma produção insuficiente de proteínas dos fatores da coagulação decorrente de uma insuficiência hepática.

Raramente, é realizada a transfusão de leucócitos para tratar infecções potencialmente letais em indivíduos cuja contagem leucocitária encontra-se muito reduzida ou cujos leucócitos funcionam de forma anormal. Nessas condições, antibióticos são comumente prescritos. Algumas vezes, é realizada a administração de anticorpos (imunoglobulinas), os componentes do sangue que combatem as infecções, para melhorar a imunidade de indivíduos que foram expostos a uma doença infecciosa (p.ex., varicela ou hepatite) ou que apresentam concentrações baixas de anticorpos.

Transfusão de Sangue

Procedimentos Especiais de Doação

Em uma transfusão tradicional, um indivíduo doa sangue total e um outro recebe sangue total. No entanto, o conceito vem se tornando mais amplo. Dependendo da situação, o indivíduo pode receber apenas células sangüíneas, somente fatores da coagulação ou somente algum outro hemocomponente. A transfusão isolada de hemocomponentes selecionados permite que o tratamento seja específico, reduz os riscos de efeitos colaterais e permite utilizar de modo eficaz os diferentes hemocomponentes de uma única unidade de sangue para tratar vários indivíduos. Em outras situações, pode ser realizada a administração de sangue total do próprio indivíduo (transfusão autóloga).

Aferese

Na aferese, o doador doa apenas o hemocomponente específico que o receptor necessita ao invés do sangue total. Quando o receptor necessita de plaquetas, o sangue total é coletado do doador e um aparelho que separa o sangue em seus componentes remove seletivamente as plaquetas e retorna o resto do sangue ao doador. Como os doadores recebem de volta a maior parte do sangue, eles podem fornecer de 8 a 10 vezes mais plaquetas durante esse procedimento do que se eles realizassem uma única doação de sangue total.

Tratamento de Doenças com Transfusão de Sangue

Os médicos utilizam um tipo de transfusão denominado hemaferese para tratar determinadas doenças. A hemaferese é um processo de purificação. Ela consiste na remoção de sangue de um indivíduo, na remoção de substâncias ou de componentes nocivos do sangue e no retorno do sangue purificado ao mesmo. Os dois tipos mais comuns de hemaferese são a citaferese e plasmaferese. A citaferese remove o excesso de determinadas células sangüíneas. Ela é utilizada no tratamento da policitemia (um excesso de eritrócitos), de certos tipos de leucemia (um excesso de leucócitos) e da trombocitose (um excesso de plaquetas).

A plasmaferese (troca de plasma) remove substâncias nocivas do plasma (a parte líquida do sangue). Por exemplo, a plasmaferese é utilizada no tratamento da miastenia grave e da síndrome de Guillain-Barré. Difícil e cara, a hemaferese habitualmente é reservada aos indivíduos com doenças graves que não responderam ao tratamento convencional. Para ser útil, a hemaferese deve remover o componente sangüíneo indesejável mais rapidamente do que ele é produzido pelo organismo. A hemaferese deve ser repetida apenas de acordo com o estritamente necessário, porque os grandes desvios líquidos entre os vasos sanguíneos e os tecidos que ocorrem quando o sangue é removido e retornado podem acarretar complicações em indivíduos que já se encontram doentes. A hemaferese pode ajudar no controle de algumas doenças, mas, em geral, não consegue curá-las.

Transfusão Autóloga

A transfusão de sangue mais segura é aquela em que o doador também é o receptor, pois ela elimina o risco de incompatibilidade e de doenças hematogênicas (originárias do sangue). Algumas vezes, quando o paciente apresenta um sangramento ou está sendo submetido a uma cirurgia, o sangue pode ser coletado e readministrado. Mais comumente, os indivíduos doam o sangue que será administrado posteriormente em uma transfusão. Por exemplo, no mês que antecede a cirurgia, o indivíduo pode doar várias unidades de sangue total para que, quando necessário, sejam transfundidas durante ou após a cirurgia.

Doação Direcionada ou Designada

Os membros da família ou amigos podem doar sangue especificamente uns para os outros, desde que os tipos sangüíneos e o fator Rh dos doadores e dos receptores sejam compatíveis. Para alguns receptores, saber quem doou o sangue é reconfortante, embora uma doação de membro da família ou de um amigo não seja necessariamente mais segura que uma doação de um desconhecido. O sangue de um membro da família é tratado com radiação para evitar a doença do enxerto-versus-hospedeiro, que, apesar de rara, ocorre mais freqüentemente quando o receptor e o doador são parentes.

Precauções e Reações

Para minimizar a possibilidade de uma reação durante uma transfusão, os profissionais de saúde devem tomar várias precauções. Após verificar duas vezes que o sangue que está para ser transfundido é destinado ao indivíduo que irá recebê-lo, o sangue é lentamente administrado no receptor, cada unidade de sangue sendo administrada em 2 horas ou mais. Como a maioria das reações adversas ocorrem durante os primeiros quinze minutos da transfusão, o receptor é rigorosamente observado durante esse período. Após esse período, um enfermeiro pode examinar o receptor a cada 30 a 45 minutos e, no caso do indivíduo apresentar uma reação adversa, ele deve interromper a transfusão. A grande maioria das transfusões é segura e atinge seu objetivo. Ocasionalmente, no entanto, ocorrem reações leves. As reações graves e mesmo fatais são raras. As reações mais comuns são a febre e as reações alérgicas (hipersensibilidade), que ocorrem em aproximadamente 1 a 2% das transfusões. Os sintomas incluem o prurido, a erupção cutânea, o edema, a tontura, a febre e a cefaléia.

São sintomas menos comuns: dificuldades respiratórias, chiados e espasmos musculares. Raramente a reação alérgica é grave o bastante para representar perigo.

Existem tratamentos que permitem transfusões em pessoas que previamente tiveram reações alérgicas a esse procedimento. Apesar da tipagem cuidadosa e do teste de compatibilidade, ainda existem incompatibilidades que acarretam a destruição dos eritrócitos transfundidos logo após a realização do procedimento (reação hemolítica). Geralmente, a reação inicia como um mal-estar generalizado ou uma ansiedade durante ou imediatamente após a transfusão. Algumas vezes, o indivíduo pode apresentar dificuldade respiratória, pressão torácica, rubor e dorsalgia intensa. Muito raramente, as reações tornam-se mais graves e mesmo fatais.

O médico pode confirmar que uma reação hemolítica está destruindo os eritrócitos verificando se a hemoglobina liberada por essas células encontra- se no sangue ou na urina do paciente. Os receptores de transfusões podem apresentar sobrecarga de líquido. Os receptores que apresentam uma cardiopatia são mais vulneráveis e, por essa razão, as transfusões são realizadas mais lentamente e deve ser realizado um controle rigoroso durante a sua realização. A doença do enxerto-versus-hospedeiro é uma complicação inusual que afeta principalmente os indivíduos cujo sistema imune encontra-se comprometido devido ao uso de drogas ou a alguma doença. Nessa doença, os tecidos do receptor (hospedeiro) são atacados pelos leucócitos do doador (enxerto). Os sintomas incluem a febre, erupção cutânea, a hipotensão arterial, a destruição de tecidos e o choque.

Fonte: mmspf.msdonline.com.br

Transfusão de Sangue

A transfusão sanguínea é uma prática médica que consiste na transferência de sangue , ou um de seus componentes, de um doador saudável para um paciente.Utilizado em paciente que apresentam perda aguda de sangue (acidentes, cirurgias, etc) ou perda crônica (anemias crônicas, quimioterapias e outras doenças). A transfusão é um processo complexo, portanto para garantir o máximo de segurança ao paciente, esse processo é executado obedecendo rigorosamente às normas editadas pelas autoridades sanitárias brasileiras.

As primeiras transfusões de sangue foram realizadas em animais no século XVII por Richard Lower, em Oxford, no ano de 1665.

Dois anos mais tarde, Jean Baptiste Denis, médico de Luis XIV, professor de filosofia e matemática na cidade de Montpellier, através de um tubo de prata, infundiu um copo de sangue de carneiro em Antoine Mauroy, de 34 anos, doente mental que perambulava pelas ruas da cidade que faleceu após a terceira transfusão. Na época, as transfusões eram heterólogas e Denis defendia sua prática argumentando que o sangue de animais estaria menos contaminado de vícios e paixões. Esta prática considerada criminosa e proibida inicialmente pela Faculdade de Medicina de Paris, posteriormente em Roma e na Royal Society, da Inglaterra.

Em 1788, Pontick e Landois, obtiveram resultados positivos realizando transfusões homólogas, chegando à conclusão de que poderiam ser benéficas e salvar vidas. A primeira transfusão com sangue humano é atribuída a James Blundell, em 1818, que após realizar com sucesso experimentos em animais, transfundiu mulheres com hemorragiaspós-parto.

No final do século XIX, problemas com a coagulação do sangue e reações adversas continuavam a desafiar os cientistas.

Em 1869, foram iniciadas tentativas para se encontrar um anticoagulanteatóxico, culminando com a recomendação pelo uso de fosfato de sódio, por Braxton Hicks. Simultaneamente desenvolviam-se equipamentos destinados a realização de transfusões indiretas, bem como técnicas cirúrgicas para transfusões diretas, ficando esses procedimentos conhecidos como transfusões braço a braço.

Em 1901, o imunologistaaustríacoKarl Landsteiner descreveu os principais tipos de células vermelhas: A, B, O e mais tarde a AB. Como conseqüência dessa descoberta, tornou-se possível estabelecer quais eram os tipos de células vermelhas compatíveis e que não causariam reações desastrosas, culminado com a morte do receptor.

A primeira transfusão precedida da realização de provas de compatibilidade, foi realizada em 1907, por Reuben Ottenber, porém este procedimento só passou a ser utilizado em larga escala a partir da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Em 1914, Hustin relatou o emprego de citrato de sódio e glicose como uma solução diluente e anticoagulante para transfusões, e em 1915Lewisohn determinou a quantidade mínima necessária para a anticoagulação. Desta forma, tornavam-se mais seguras e práticas as transfusões de sangue.

Idealizado em Leningrado, em 1932, o primeiro banco de sangue surgiu em Barcelona em 1936 durante a Guerra Civil Espanhola.

Após quatro décadas da descoberta do sistema ABO, um outro fato revolucionou a prática da medicina transfusional, a identificação do fator Rh, realizada por Landsteiner.

No século XX, o progresso das transfusões foi firmado através do descobrimento dos grupos sanguíneos; do fator Rh; do emprego científico dos anticoagulantes; do aperfeiçoamento sucessivo da aparelhagem de coleta e de aplicação de sangue, e, do conhecimento mais rigoroso das indicações e contra indicações do uso do sangue.

Após a Segunda Guerra Mundial, com os progressos científicos e o crescimento da demanda por transfusões de sangue, surgiram no Brasil os primeiros Bancos de Sangue.

No setor de imunohematologia é realizada a determinação do tipo sangüíneo ABO e a tipagem RhD. Também é realizada a pesquisa de anticorpos irregulares (anticorpos contra hemácias). Os componentes só são liberados para uso transfusional após a execução e a verificação dos resultados desses testes.

Fonte: www.hemoclinicadf.com.br

Transfusão de Sangue

Aspectos Importantes do Sistema Sanguineo ABO

O sistema sanguíneo ABO é codificado por um dos milhares de genes encontrados no genoma humano.

Esse sistema possui três alelos principais: A, B e O.

Como a espécie humana é diplóide, os dois alelos por indivíduo fornecem seis genótipos: AA, AO, BB, BO, AB, OO.

Esses alelos estão em um locus genético localizado no cromossomo 9, nos quais A e B dominam sobre O, porém os alelos A e B são codominantes, resultando em quatro fenótipos: os grupos sanguíneos A, B, AB, O.

Já foi observado que a frequência dos grupos sanguíneos varia de acordo com a população estudada. Batissoco e Novaretti (2003) mostraram essa variação entre os doadores de sangue da Fundação Pró-Sangue/Hemocentro de São Paulo, Brasil.

Esse estudo mostrou que entre os caucasóides e negróides (mulatos e negros) a prevalência dos tipos sanguíneos acompanha a seguinte ordem: O>A>B>AB.

Os alelos A e B codificam as glicosiltransferases responsáveis pela transferência dos resíduos específicos de açúcar, N-acetil-galactosamina e N-galactosil, à galactose terminal de uma substância precursora, conhecida como substância H, que os convertem em antí- geno A ou B, respectivamente. O alelo O é um alelo nulo (não codifica transferase modificadora da substância H)

A substância H é gerada a partir da adição de fucose à cadeia de polissacarídeo da superfície das hemácias por uma fucosiltransferase. A substância H é um precursor obrigatório para a expressão dos alelos A ou B. A fucosiltransferase necessária para a produção da substância H está sob controle do gene H localizado no cromossomo 19. Os antígenos ABO são, portanto, constituídos por um grande e único polissacarídeo ligado a lipídios ou a proteínas da membrana celular. Esses antígenos não estão restritos apenas à membrana das hemácias, podendo ser encontrados também em células como linfócitos, plaquetas, medula óssea, mucosa gástrica, além de secreções e outros fluídos como saliva, urina e leite. Todos os indiví- duos apresentam níveis de anticorpos naturais contra antígenos que não estejam presentes em suas células. Logo, um indivíduo tipo A possui anticorpo anti-B; um do tipo B possui anti-A; um do tipo O possui anti-A e anti-B, e um do tipo AB não possui nenhum deles.

No início dos anos 50, foi descoberto um fenótipo raro na população chamado de Bombay ou grupo falso O. Esses indivíduos possuem genótipo hh e codificam fucosiltransferases inativas, portanto são incapazes de produzir os antígenos A e B. Ademais, além dos anticorpos anti-A e anti-B, eles apresentam grandes quantidades de anticorpos contra substância H, anti-H, no plasma sanguíneo. A importância clínica dos grupos sanguíneos na transfusão de sangue é que, se não houver compatibilidade sanguínea entre os indivíduos doador e receptor, pode ocorrer reação transfusional hemolítica. Hoje, os componentes do sangue são separados para transfusão. Classicamente, hemácias do grupo O podem ser doadas para todos os indivíduos do sistema ABO, enquanto pessoas do grupo AB podem receber hemácias de todos os grupos sanguíneos desse sistema. Em relação ao plasma, pessoas do grupo AB podem doar plasma para indivíduos de qualquer grupo sanguíneo ABO, enquanto indiví- duos do grupo O podem receber de qualquer grupo desse sistema.

É interessante observar que indivíduos com o fenótipo Bombay podem doar hemácias para qualquer pessoa do sistema ABO e somente recebem hemácias de indivíduos com o fenótipo Bombay, pois o plasma dessas pessoas possui anticorpos contra todos os antígenos do sistema ABO, além do anticorpo anti-H. Vale ressaltar que, apesar do sistema ABO ser o principal na medicina transfusional, existem outros grupos sanguíneos, como o Rh, a serem analisados quando é necessária uma transfusão de sangue.

Fonte: www.geneticanaescola.com.br

Transfusão de Sangue

Os componentes do sangue deverão ser transfundidos somente quando os riscos e benefícios serem cuidadosamente pesados. Particular considerações devem ser feitos quando a transfusão é realizada em pré-termos.

O sangue total permite, por fragmentação, a obtenção dos derivados: papa de hemáceas, concentrado de plaquetas, plasma fresco congelado, soluções de albumina, imunoglobulinas, crioprecipitado, fator VIII concentrado, concentrado de protrombina.

O sangue total em pediatria é utilizado para transfusão de substituição (exosanguineo-transfusão), posterior a bypass cardiopulmonar, oxigenação através de membrana extracorpórea (ECMO), transfusão maciça. 1

O concentrado de hemácias constitui os eritrócitos remanescentes na bolsa coletada, após centrifugação do sangue total e extração do plasma para uma bolsa satélite. A seguir discutiremos os critérios para sua indicação em pediatria.

O principio da transfusão de hemácias é aumentar a capacidade de carrear oxigênio e a liberação deste aos tecidos, além de manter o volume de sangue circulante

Devido às mudanças fisiológicas que acontecem desde o nascimento, alterando valores hematológicos e as respostas á hipovolemia e hipóxia, costuma-se dividir as indicações de pediatria em dois grandes períodos: menores de 4 meses de vida (recém-nascido e lactentes < 4 meses) e maiores de 4 meses de vida (lactentes > 4 meses e crianças).

Transfusão de concentrado de hemácias

Na transfusão sanguinea neonatalrecomenda-se:

Doador conhecido, com exames microbiológicos normais pelo menos há 2 anos
Preferentemente a bolsa do doador deve ser reservada para o mesmo RN (doador único)
ABO e Rh idêntico ou compatível, tanto para transfusão de hemáceas, quanto de plaquetas
Preferentemente CMV negativo e hemáceas irradiadas para prematuros
Prova cruzada negativa com plasma materno e/ou plasma do RN
Hemáceas e plaquetas irradiadas, se ocorreu prévia transfusão intra-uterina ou se o doador é consangüíneo de 1º ou 2º grau.

Recém-nascidos (RN) e lactentes < 4 meses

Ao nascimento, 60 a 80% da hemoglobina total do RN é constituída pela hemoglobina fetal (F). A afinidade do oxigênio sanguineo é alta e a P 50 é baixa ( aproximadamente 19 mmHg),assim, a liberação do oxigênio a nível tecidual é baixa. O nível total de hemoglobina diminui rapidamente conforme a proporção da hemoglobina F diminui, atingindo o nível mais baixo em 2 a 3 meses de idade (anemia fisiológica do lactente). Consideração especial deve ser dado aos RN prematuro, pois possuem o nível de Hemoglobina F ainda mais alto.

Indicações gerais

a) Perda sanguinea aguda com hipovolemia não responsiva a outros tratamentos: Em crianças, o volume de sangramento é freqüentemente subestimado. A quantificação da perda sanguinea no campo operatório, medida do volume aspirado e pesagem de gazes e compressa devem ser ressaltados. A resposta miocárdica compensatória é reduzida em relação ao adulto, particularmente abaixo de 6 meses de vida. Portanto, uma perda volêmica de 20 a 25% da volemia sanguinea total pode requerer transfusão de hemácias.
b) Anemia Aguda:
Em geral está indicada a transfusão quando o hematócrito <20% ou hemoglobina < 7.g.dl – 1 (2,3) .Hematócrito entre 20 e 30% ou hemoglobina entre 7 e 10 g.dl -1 exige uma análise caso a caso considerando quadro clínico ( taquicardia, hipotensão) e laboratorial (PvO2 < 25 torr, índice de extração > 50%, VO2 <50%; PvO2 = tensão de O2 na artéria pulmonar e VO2 = consumo de O2 ).
c)
Doença pulmonar grave e uso de oxigenação através de membrana extracorpórea se hematócrito < 40% ou hemoglobina < 13 g.dl -1(1) .
d)
Cardiopatia congênita cianótica se hematocrito 40-55% ou hemoglobina 14-18 g.dl -1 . (4) .
e)
A transfusão não está indicada quando Hematócrito > 30% / Hemoglobina > 10 g.dl -1 . (2,3)

Fonte: www.saj.med.br

Transfusão de Sangue

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Plastos

Plastos

PUBLICIDADE O que são plastos? Os plastos ou plastídeos são organelas de dupla membrana encontrados …

Plantas Tóxicas

Plantas Tóxicas

PUBLICIDADE O que são plantas tóxicas? As plantas tóxicas também chamadas de plantas venenosas contêm …

Plantas Carnívoras

Plantas Carnívoras

PUBLICIDADE O que são plantas carnívoras? As plantas carnívoras são definidas como plantas que atraem, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+