Breaking News
Home / Biologia / Reino Fungi

Reino Fungi

PUBLICIDADE

Reino Fungi inclui alguns dos organismos mais importantes, tanto em termos de suas funções ecológicas e econômicas.

Ao quebrar material orgânico morto, eles continuam o ciclo de nutrientes através dos ecossistemas.

Além disso, a maioria vasculares plantas não poderiam crescer sem os fungos simbióticos, ou micorrizas, que habitam as suas raízes e fornecem nutrientes essenciais. Outros fungos oferecem inúmeras drogas (como a penicilina e outros antibióticos), alimentos como cogumelos, trufas e cogumelos, e as bolhas no pão, champanhe e cerveja.

Fungos também causar um certo número de doenças de plantas e de animais: nos seres humanos, micose, pé de atleta, e várias doenças mais graves são causadas por fungos.

Porque os fungos são quimicamente mais e geneticamente semelhantes aos animais do que os outros organismos, o que torna as doenças fúngicas muito difíceis de tratar.

Doenças de plantas causadas por fungos incluem ferrugens, sujeiras e folhas, raízes e apodrece-tronco, e pode causar sérios danos às culturas. No entanto, um número de fungos, em especial, as leveduras, são importantes “organismos” modelo para o estudo de problemas em genética e biologia molecular.

Reino Fungi – Organismos

Estes são organismos sem clorofila, tem modo heterotrófico de nutrição. Eles são formadoras de esporos, e avascular organismo eucariota. A sua parede celular é constituída por quitina.

Eles armazenam seu alimento na forma de glicogênio. Eles estão presentes em quase toda parte. Micologia é o ramo da biologia que trata do estudo dos fungos.

Como eles não têm clorofila eles não são capazes de fazer sua própria comida. Eles também podem atuar como parasitas ou saprófitas. Têm ampla variedade de organismos que vão desde leveduras, fungos e cogumelos.

O Reino Fungi compreende os fungos, como os cogumelos, bolores e leveduras, heterotróficos eucarióticas que digerem alimentos fora de seus corpos.

A maioria dos fungos são multicelulares, mas alguns, as leveduras, são organismos unicelulares simples, provavelmente, evoluíram a partir de ancestrais multicelulares.

Os fungos estão presentes em todo o mundo, na água do mar, bem como ambientes terrestres. Muitos fungos têm relações simbióticas com plantas conhecidas como micorrizas; na verdade, era como parceiros micorrízicos de plantas que fungos, provavelmente, se mudou para a terra.

A maioria dos fungos são decompositores, quebrando-se em organismos mortos detritos e devolvendo os nutrientes inorgânicos para o ecossistema.

Como tal, os fungos também são extremamente adaptável e pode quebrar muitas substâncias, incluindo alguns poluentes tóxicos.

Esta adaptação também é responsável pela presença de fungos em diversos ambientes muito diferentes em todo o mundo.

Um organismo de fungos consiste em uma massa de filamentos chamados hifas filamentosas, que se combinam para tornar-se o micélio do fungo. Cada hifa é composto por uma cadeia de células fúngicas, ou, em alguns organismos, um citoplasma contínuo com vários núcleos. A hifa é rodeado por uma membrana plasmática e a parede celular, a qual é feita de quitina polissacarídeo, em contraste com a plantar paredes celulares feitas de celulose. As hifas de fungos ramo fora um do outro para formar o micélio, e está em última análise, ligado à hifa originais.

Embora células fúngicas e hifas são motilidade, e nunca flagelado células de qualquer tipo, um micélio do fungo pode se expandir rapidamente através do crescimento mitótico muito rápido, somando a um quilômetro de novo hifas por dia. Para grandes micélio subterrâneos, os corpos de frutificação crescer acima do solo, como o cogumelo, que é apenas uma extensão de um micélio subterrâneo.

Estes corpos de frutificação são as estruturas reprodutivas do micélio.

Devido à estrutura das hifas, o micélio tem uma área superficial muito elevada em relação à massa, apesar de seu grande tamanho.

Isto permite que o fungo de absorver grandes quantidades de nutrientes do seu ambiente, depois que segregam enzimas digestivas e digerindo sua comida fora do seu corpo.

Esta capacidade para as grandes quantidades de ingestão de nutrientes, apesar de o tamanho de crescimento é uma das razões principais para a rapidez do crescimento micelial.

Diferentes tipos de fungos têm diferentes métodos de reprodução. As leveduras unicelulares reproduzir apenas mitoticamente, enquanto outros fungos, tais como cogumelos, tem muito mais ciclos de vida complexos envolvendo três fases distintas.

Estes incluem diplóides e haplóides fases, tais como plantas, mas também uma fase completamente diferente: a fase dicariótico, em que dois núcleos haplóides diferentes tipos estão presentes em cada célula.

Um micélio maduro, incluindo os corpos de frutificação, está em fase de dicariótico.

Cogumelos, as estruturas reprodutivas de uma micélio subterrâneo, contêm células no lado inferior da tampa que produzem zigotos diplóides através da fusão dos dois núcleos haplóides em cada célula especializada; esses zigotos são a única fase diplóide do ciclo de vida.

Imediatamente, cada zigoto sofre meiose para prouzir esporos haplóides quatro que são então liberados do cogumelo.

Cada um dos esporos em um cogumelo vai ter um de dois tipos de acasalamento, porque no micélio inicial, cada célula continha um núcleo de cada tipo.

Os esporos são transportados, pelo vento, água ou animais, longe do micélio originais, e alguns vão pousar em fontes de alimentos húmidos, onde podem germinar e começar a dividir por mitose em micélio haplóide de um tipo de acasalamento discreta. Eventualmente, dois micélio vizinhas de diferentes tipos de acasalamento vai conhecer uns aos outros e unir-se, com as suas células de fusão, mas o núcleo restante discreta. Este é o início da fase dicariótico; o micélio em breve crescer estruturas reprodutivas e do ciclo de vida começa novamente.

Um terço de todas as espécies de fungos são mutualistas, seja como micorrizas ou líquens.

Fungos micorrízicos vivem nas raízes das plantas e fornecer nutrientes inorgânicos, e muitas vezes a resistência a alguns patógenos, as plantas em troca de açúcares orgânicos.

A primeira colonização da terra por plantas foi facilitada, se não for possível por, a capacidade de micorrizas a absorção de nutrientes do solo hostil.

Os líquenes são fungos que vivem em relações simbióticas com algas ou cianobactérias. Eles consistem de algas ou de bactérias aprisionadas nas hifas do fungo.

Embora os detalhes dessa relação não estão completamente esclarecidos, o fungo normalmente fornece água e sais minerais para as algas e bactérias, em troca de alimentos orgânicos a partir da fotossíntese.

As espécies fotossintéticas em líquenes são realmente capazes de viver por si mesmos, mas as espécies de fungos dependem de seus parceiros para a sobrevivência.

Líquenes pode se reproduzir assexuadamente quando pequenas unidades reprodutivas, que consistem em ambos os fungos e algas ou bactérias, de quebra do líquen e são levadas pelo vento para outros locais; eles também podem se reproduzir sexualmente através da reprodução sexual independente de ambas as partes e uma religação. Devido à eficácia da relação mutualista nos líquenes, eles podem crescer no mais inóspito de habitats terrestres, e muitas vezes servem como organismos-chave na sucessão primária de um habitat.

Os fungos são frequentemente envolvido diretamente em nossas vidas. Alguns fungos são parasitas, e causar infecções de plantas devastadores, embora apenas cerca de 50 espécies são conhecidas por prejudicar os animais. Graves pragas agrícolas, fungos parasitas, como as ferrugens e as sujeiras podem arruinar colheitas inteiras, afetando especialmente os cereais, como trigo e milho.

Os fungos também são importantes na agricultura e na produção de alimentos; micorrizas tornar o aumento da resistência a doença para algumas plantas, leveduras são necessárias para cozer pão, e comer muitos fungos, tais como os cogumelos.

Muitas aplicações médicas de fungos foram descobertos recentemente, especialmente os antibióticos produzidos por fungos. A primeira delas é a penicilina, possivelmente o avanço da medicina não-genético mais importante do século.

Reino Fungi – O que é

Durante muito tempo os fungos foram considerados plantas, mas atualmente sabe-se que eles são tão diferentes das plantas como dos animais, merecendo, por isso, o seu próprio reino ? Reino Fungi.

Reino Fungi é formado por seres que possuem suas células formando filamentos emaranhados chamados hifas; o conjunto de hifas forma o micélio, que é propiamente o corpo do fungo.

Todos são seres eucariontes, uns de vida livre e outros parasitas causadores de doenças.

Os seres desse reino são todos heterótrofos saprófagos e apresentam a maior diversidade de enzimas digestivas.

São, ao lado das bactérias, os principais decompositores, importantíssimos na reciclagem de matéria no ecossistema. São aclorofilados (sem clorofila) e, portanto, não podem realizar fotossíntese.

Podem apresntar células especias de reprodução, chamadas esporos e apresentam parede celular formada pela substância quitina (na maioria dos casos) e por celulose (poucos casos).

Esses seres tem como seu carboidrato de reserva o glocogênio (como nos animais) e crescem sob matéria orgânica em decoposição, e locais úmidos e sombrios.

Filo Mixomycota

São fungos gelatinosos, conocíticos, que possuem membranas flexíveis que lhes permitem o deslizamento amebóide. Existem centenas de espécies vivendo nas matas úmidas, sobre folhas caíds e troncos apodrecidos.

Apresentam reprodução sexuada, formando esporângios. Alguns biólogos incluem esse filo no reino protista pelas caravterísticas amebóides de seus representantes.

Reino Fungi
Reino Fungi

Reino Fungi
Reino Fungi

Filo Mycofita

São fungos que possuem hifas, sendo, por isso denominados verdadeiros.

Apresentam dezenas de milhares de espécies distribuídas nas seguintes classes:

Ficomicetos

Esse fungos não apresentam corpo de frutificação, são unicelulares ou filamentosos, a reprodução se faz por zoósporos. Os ficomicetos geralmente são encontrados como espécies microscópicas, parasitas de plantas e animais inferiores. Com núcleos haplóides, apresentam em seus ciclos de vida tanto reprodução sexuada com fusão de gametângios e subseqüente formação de zigósporos, como assexuada com formação de esporo assexuado.

Rhizopus stolonifer

Rhyzopus stolonifer (pão embolorado), é um exemplo, os esporo deste fungo germina na superfície do pão, e hifas ramificadas (como rizóides) se desenvolvem.

Estes rizóides eliminam enzimas digestivas para a digestão extracorpórea. O aspecto do mofo negro no pão se dá devido aos esporângios nas extremidades das hifas eriçadas para cima, que vão amadurecer e se romper, liberando esporos e desenvolvendo novas hifas.

Ascomicetos

São fungos cujo o corpo de frutificação tem o formato de um saco – o asco (do grego asko). No interior do asco, dois núcleos se fundem formando um núcleo diplóide que, sofrendo meiose, origina quatro núcleos haplóides. Cada um desses núcleos é envolvido por uma parede celular, originando os esporos, aqui denominado ascósporos.

A reprodução sexuada nos ascomicetos pode ocorrer por uma grande variedade de mecanismos. A reprodução assexuada pode ocorrer por brotamento nos ascomicetos unicelulares, ou por esporos assexuados, principalmente do tipo conidiósporos, nos demais.

Entre os exemplos de ascomicetos destacamos:

Saccharomyces cerevisiae: usado na fabricação do álcool, bebidas alccólicas e pão, É comercializado com o nome de fermento Fleischmann.
Penicillium roquefortii:
 responsável pelo odor e sabor característico do queijo roquefort.
Penicillium natatum:
 do qual era extraída a penicilina.
Claviceps purpurea:
 fungo que produz o LSD.
Morchella esculenta e Tuber tubera (trufa):
 fungos comestíveis.

Deuteromicetos

Com milhares de espécies, são fungos filamentosos encontrados em grande diversidade de ambientes. Os deuteromicetos são também conhecidos como fungos imperfeitos, reúnem todas as espécies que aparentemente não possuem fase sexuada nos seus ciclos de vida e não formam zoósporos. Acredita-se, no entanto, que a maior parte dos deuteromicetos corresponda à fase assexuada de ascomicetos ou, raramente, de basidiomicetos. Isto porque freqüentemente, o estágio sexul é mais difícil de ser detectado, o que ocorre, em geral, depois da descoberta da fase assexuada. É possível que muitas espécies não tenham mesmo a fase sexuada de reprodução nos seus ciclos de vida, mas também é possível que essa fase sexuada não tenha sido descoberta. Diversos fungos desse grupo são parasitas de animais e vegetais, provocando inclusive as micoses humanas.

Um bom exemplo é a Candida albicans, que causa micose nos pés e na mucosa bucal (sapinho).

Basidiomicetos

São fungos filamentosos com hifas septadas; o corpo de frutificação, o basidiocarpo, apresenta células especiais em forma de clava, denominadas basídios, nas quais ocorre a produção de esporos denominados basidiosporo. A reprodução sexuada nos basisiomicetos envolve sempre a fusão de hifas; não há gametas nem gametângios.

A reprodução assexuada é observada com menor freqüência que a verificada em outros grupos de fungos sendo a formação de conidiósporos um dos modos mais comuns.

São conhecidos popularmente como cogumelos, alguns são comestíveis (como o champinhom) e outros venenosos (como o orelha-de-pau).

Reino Fungi – Características

Características gerais dos fungos são os seguintes:

Os fungos são organismos eucarióticos.
Eles são organismos não-vasculares.
Elas se reproduzem por meio de esporos.
Dependendo das espécies e condições tanto sexuais e esporos assexuada pode ser produzido.
Eles são geralmente não-móveis.
Os fungos apresentam o fenômeno da alteração de geração.
O corpo vegetativo dos fungos pode ser unicelular ou composto de fios microscópicos chamados hifas.
A estrutura da parede celular é semelhante à das plantas, mas quimicamente a parede celular de fungos são compostas de quitina.
Os fungos são organismos heterotróficos.
Eles fungos digerir a comida e depois ingerir o alimento, para alcançar este objetivo os fungos produzem exoenzimas.
Fungos armazenar os alimentos como o amido.
Biossíntese de quitina ocorre em fungos.
Os núcleos dos fungos é muito pequena.
Durante a mitose, o envelope nuclear não se dissolveu.
Nutrição em fungos – são saprófitas ou parasitas ou simbiontes.
Reprodução em fungos é tanto por meio sexuada e assexuada. Estado sexual é referido como teleomorfo, estado assexuada é referido como anamorfo.

Reino Fungi
Cogumelos

Reino Fungi – Fungos

Na natureza há diferentes tipos de fungos. Podemos dizer que eles são uma forma de vida bastante simples.

Durante muito tempo, os fungos foram considerados como vegetais e, somente a partir de 1969, passaram a ser classificados em um reino à parte.

Os fungos apresentam um conjunto de características próprias que permitem sua diferenciação das plantas: não sintetizam clorofila, não tem celulose na sua parede celular, exceto alguns fungos aquáticos e não armazenam amido como substância de reserva.

Os fungos são seres vivos unicelulares eucariontes, como as leveduras, ou pluricelulares, como se observa entre os fungos filamentosos, bolores, cogumelos ou orelhas de pau. Os fungos constituídos de filamentos (hifas) formam o micélio. O micélio se desenvolve no interior do substrato, funcionando como elemento de sustentação e de absorção de nutrientes.

Reino Fungi
Fungos microscópicos

Reino Fungi
Fungos macroscópicos

Nutrição

São microrganismos heterotróficos, para poderem absorver a matéria orgânica de que necessitam, os fungos mantêm três tipos de relacionamentos com outros seres vivos: saprofitismo (nutrem-se de restos de seres vivos que eles mesmos decompõem), mutualismo (associação com outro ser onde os dois se beneficiam) e parasitismo (nutre-se de substâncias orgânicas do corpo de animais ou plantas vivos). Respiração Os fungos são microrganismos em sua maioria, aeróbios obrigatórios. No entanto, certas leveduras fermentadoras são aeróbias facultativas, se desenvolvem em ambientes com pouco oxigênio ou mesmo na ausência deste elemento.

Habitat

Os fungos, como todos os seres vivos, necessitam de água para o seu desenvolvimento. Podem ser encontrados nos mais diversos ambientes. Ambiente com umidade, pouca ventilação e luz favorecem o desenvolvimento de algumas espécies de fungos. Muitas espécies fúngicas exigem luz para seu desenvolvimento; outras são por ela inibidos e outras ainda mostram-se indiferentes a este agente. Em geral, a luz solar direta, devido à radiação ultravioleta, é elemento fungicida.

Importância dos fungos

Com relação às diferenças, existem aqueles que são extremamente prejudicais para a saúde do homem, causando inúmeras enfermidades e até intoxicação.

Encontramos também os que parasitam vegetais mortos e cadáveres de animais em decomposição.

Temos também os que são utilizados para alimento e até aqueles dos quais se pode extrair substâncias para a elaboração de medicamentos, como, por exemplo, a penicilina. Algumas leveduras, como o Saccharomyces cerevisiae utilizada como fermento biológico fazem o processo de fermentação alcoólica é utilizada como base para muitas indústrias como a de panificação e na fabricação de bebidas.

Reprodução: Os fungos se reproduzem assexuadamente ou sexuadamente.

Reprodução assexuada

A maioria das leveduras se reproduzem assexuadamente, por brotamento divisão binária. No processo de brotamento, a célula-mãe origina um broto que cresce.

Na divisão binária, a célula-mãe se divide em duas células de tamanhos iguais, de forma semelhante a que ocorre com as. bactérias.

Algumas espécies podem formar o esporângio que amadurece e libera os esporos de seu interior.

Reino Fungi
Esporângio

Reino Fungi
Reprodução assexuada

Reprodução sexuada

Um ótimo exemplo de fungo que se reproduz sexuadamente é o champignon, muito utilizada na culinária de alguns países. Ele é um cogumelo (corpo de frutificação) que produz esporângios.

Dentro dos esporângios ocorre multiplicação celular formando esporos. Eles são liberados no ambiente e se desenvolverão originando um micélio. O micélio irá crescer e se tornar um cogumelo, completando o ciclo.

Os fungos podem germinar, ainda que lentamente, em atmosfera de reduzida quantidade de oxigênio. O crescimento e a reprodução assexuada ocorrem nessas condições, enquanto a reprodução sexuada se efetua apenas em atmosfera rica em oxigênio.

Líquens

Os líquens são uma associação entre bactérias (cianobactérias) ou algas (clorófitas) e as hifas de fungos simbiontes. Nestas associações, uma hifa especializada penetra na célula da alga, se for o caso, e retira nutrientes, enquanto fornece proteção e sais minerais. No caso das cianobactérias, o fungo utiliza o gás atmosférico criado por aquelas. Esta associação de organismo é sensível à a poluição atmosférica, logo é provável encontrar estes organismos em local não poluído.

Reino FungiFotografia de um líquen muito comum, encontrado
sobre troncos de árvores e telhados

Doenças transmitidas por fungos

Micoses superficiais (“tínea” cutânea, do couro cabeludo, das unhas),
Micoses profundas (micetomas, infecções pulmonares, meningeanas),
Micose ocular,
Reações alérgicas,
Candidíases (oral, genital, retal, nádegas, axilas, mamas, etc).
Fungos do gênero Aspergillus provocam doenças conhecidas como aspergilose. Podem causar reações alérgicas (estão presentes na poeira), infecções no aparelho respiratório (nos pulmões provocam quadro semelhante à tuberculose) e auditivo.

Fonte: www.ucmp.berkeley.edu/www.roxportal.com/biology.tutorvista.com/classic.sidwell.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.