Breaking News
Home / Biologia / Anatomia Humana

Anatomia Humana

PUBLICIDADE

O que é anatomia humana?

anatomia humana é o estudo científico das estruturas do corpo humano. Em contraste com a fisiologia, que é o estudo de por que e como certas estruturas funcionam, a anatomia lida com partes humanas, incluindo moléculas, células, tecidos, órgãos, sistemas e a maneira como eles interagem. Também lida com características externas, como forma, estrutura, padrão, cor e composição.

Juntamente com a fisiologia e a bioquímica, a anatomia humana é considerada uma ciência médica básica.

As duas subdivisões da anatomia humana são anatomia macroscópica e anatomia microscópica.

anatomia macroscópica se refere ao estudo de órgãos humanos que podem ser vistos sem ampliação.

anatomia microscópica se refere ao estudo de pequenas partes anatômicas que só podem ser vistas com um microscópio.

Histologia, o estudo da organização do tecido, e citologia, o estudo da organização celular, são campos da anatomia microscópica.

A anatomia humana é o estudo científico das estruturas do corpo humano

Diferentes abordagens podem ser usadas no ensino ou aprendizagem sobre a anatomia humana.

Por exemplo, as estruturas anatômicas podem ser estudadas como grupos regionais, como cabeça e pescoço, membro superior, membro inferior, tórax, abdômen, costas e pelve e períneo.

Cada uma dessas regiões tem limites. Por exemplo, a cabeça e o pescoço são a região acima da abertura torácica, enquanto o tórax é a região entre a abertura torácica e o diafragma torácico.

Outra abordagem é agrupar as estruturas do corpo humano de acordo com os principais sistemas orgânicos.

Esses sistemas incluem os sistemas circulatório, digestivo, endócrino, musculoesquelético, nervoso, reprodutivo, respiratório, urinário e imunológico. Nessa abordagem, as estruturas corporais são agrupadas de acordo com suas funções. Por exemplo, o sistema circulatório atua na distribuição de sangue e envolve o coração, os vasos sanguíneos e o sangue.

O sistema músculo-esquelético funciona no suporte e movimento e envolve os ossos, músculos, ligamentos, tendões e cartilagem.

A posição anatômica é o estado em que uma pessoa está em pé, ereta, voltada para a frente, com os braços ao lado e as palmas das mãos voltadas para a frente. Ao estudar a anatomia humana, conhecer pontos de referência superficiais é importante para ser capaz de determinar onde um determinado órgão está localizado. A anatomia superficial, ou superficial, envolve o conhecimento de marcos anatômicos que servem como pontos de referência para estruturas mais profundas dentro do corpo humano.

A anatomia humana só pode ser totalmente compreendida quando os termos básicos da anatomia são conhecidos. Os termos de anatomia básicos incluem superior, inferior, anterior ou ventral para, posterior ou dorsal para, medial, lateral, ipsilateral, contralateral, proximal, distal, superficial, profundo, supino e prono. Um órgão tem visões diferentes com base em onde o observador está, portanto, os planos do corpo também são importantes na anatomia. O plano sagital divide o corpo em direito e esquerdo, enquanto o plano frontal ou coronal divide o corpo em partes anterior e posterior.

Também chamado de plano transversal ou horizontal, o plano axial divide o corpo em partes superior e inferior.

Qual é a diferença entre anatomia e fisiologia?

Anatomia e fisiologia são conceitos intimamente relacionados que costumam ser estudados juntos.

Em poucas palavras, a anatomia é um estudo da estrutura física de um organismo, enquanto a fisiologia envolve o estudo das funções de estruturas e sistemas individuais dentro de um organismo, bem como a função de um organismo como um todo. Uma compreensão da anatomia é crítica para o estudo da fisiologia, e aprender sobre fisiologia é importante para as pessoas que desejam entender como as estruturas anatômicas funcionam.

Tanto a anatomia quanto a fisiologia foram estudadas por séculos. Os humanos sempre mantiveram a curiosidade sobre como eles e outros organismos são formados e como funcionam.

Muitas pessoas ao longo da história também se interessaram em comparar e contrastar diferentes organismos vivos para encontrar semelhanças e identificar diferenças. Gatos e peixes, por exemplo, têm corpos muito diferentes, personalizados para os ambientes em que vivem.

O estudo da anatomia se concentra em aprender sobre o tamanho, a forma e a localização das estruturas do corpo. Geralmente gira em torno da dissecção, na qual os exemplos são cuidadosamente cortados para revelar as estruturas internas. As estruturas físicas podem ser identificadas a olho nu ou observadas sob ampliação com um microscópio para mais detalhes.

Durante o processo de dissecção, os anatomistas podem documentar cuidadosamente tudo o que encontram e ver como os sistemas do corpo estão conectados.

Um entendimento imperfeito da anatomia pode levar a uma confusão considerável para os médicos, pois saber sobre anatomia é uma parte muito importante do estudo do progresso da doença.

anatomia pode ser considerada um estudo estático, enquanto a fisiologia é mais dinâmica, envolvendo os processos químicos, físicos e elétricos que fazem um organismo funcionar, desde os processos que regulam a frequência cardíaca até os complexos sistemas envolvidos na percepção visual. Para estudar fisiologia, muitas vezes é necessário trabalhar com organismos vivos ou tecidos para compreender completamente os processos físicos, como a liberação de neurotransmissores no cérebro e o armazenamento de energia nas células.

Tanto a anatomia quanto a fisiologia podem ser estudadas com o uso de dissecação, técnicas de imagens médicas e análise laboratorial de amostras de espécimes.

Os estudantes de medicina estudam extensivamente esses campos ao longo de sua educação, de modo que entendam como o corpo funciona como um todo e como os diferentes sistemas dentro do corpo se relacionam entre si. Este campo também é um tópico de interesse para pessoas em muitas profissões de saúde afins, que vão desde técnicos de raio-X que precisam de um conhecimento profundo de anatomia para fazer seu trabalho até dosimetristas médicos que precisam entender a fisiologia ao calcular dosagens e tratamentos apropriados para o câncer.

Anatomia – Biologia

Anatomia, um campo das ciências biológicas preocupado com a identificação e descrição das estruturas corporais dos seres vivos.

anatomia macroscópica envolve o estudo das principais estruturas do corpo por dissecção e observação e, em seu sentido mais restrito, preocupa-se apenas com o corpo humano. A “anatomia macroscópica” normalmente se refere ao estudo das estruturas do corpo grandes o suficiente para serem examinadas sem a ajuda de dispositivos de aumento, enquanto a anatomia microscópica se preocupa com o estudo de unidades estruturais pequenas o suficiente para serem vistas apenas com um microscópio de luz. A dissecção é básica para todas as pesquisas anatômicas.

O registro mais antigo de seu uso foi feito pelos gregos, e Teofrasto chamou a dissecção de “anatomia”, de ana temnein, que significa “cortar”.

anatomia comparada, a outra subdivisão importante do campo, compara estruturas corporais semelhantes em diferentes espécies de animais, a fim de compreender as mudanças adaptativas pelas quais passaram no curso da evolução.

Anatomia macroscópica

Essa antiga disciplina atingiu seu ápice entre 1500 e 1850, época em que seu tema estava firmemente estabelecido. Nenhuma das civilizações mais antigas do mundo dissecou um corpo humano, que a maioria das pessoas considerou com temor supersticioso e associou ao espírito da alma que partiu. As crenças na vida após a morte e uma inquietante incerteza quanto à possibilidade de ressurreição corporal inibiram ainda mais o estudo sistemático. No entanto, o conhecimento do corpo foi adquirido tratando de feridas, auxiliando no parto e consertando membros quebrados.

O campo permaneceu especulativo ao invés de descritivo, entretanto, até as realizações da escola médica alexandrina e sua figura principal, Herophilus (floresceu em 300 aC), que dissecou cadáveres humanos e assim deu à anatomia uma base factual considerável pela primeira vez. Herófilo fez muitas descobertas importantes e foi seguido por seu contemporâneo mais jovem, Erasístrato, que às vezes é considerado o fundador da fisiologia. No século 2 dC, o médico grego Galeno reuniu e organizou todas as descobertas dos anatomistas gregos, incluindo com eles seus próprios conceitos de fisiologia e suas descobertas na medicina experimental.

Os muitos livros que Galeno escreveu se tornaram a autoridade inquestionável para anatomia e medicina na Europa porque foram os únicos textos anatômicos gregos antigos que sobreviveram à Idade das Trevas na forma de traduções para o árabe (e depois para o latim).

Devido às proibições da Igreja contra a dissecação, a medicina europeia na Idade Média confiava na mistura de fato e fantasia de Galeno, em vez da observação direta para seu conhecimento anatômico, embora algumas dissecações fossem autorizadas para fins de ensino.

No início do século 16, o artista Leonardo da Vinci realizou suas próprias dissecações e seus belos e precisos desenhos anatômicos abriram caminho para que o médico flamengo Andreas Vesalius “restaurasse” a ciência da anatomia com seu monumental De humani corporis fabrica libri septem (1543 ; “Os Sete Livros sobre a Estrutura do Corpo Humano”), que foi o primeiro livro abrangente e ilustrado de anatomia.

Como professor da Universidade de Pádua, Vesalius encorajou os cientistas mais jovens a aceitar a anatomia tradicional somente depois de verificá-la eles mesmos, e essa atitude mais crítica e questionadora quebrou a autoridade de Galeno e colocou a anatomia em uma base sólida de fatos observados e demonstração.

A partir das descrições exatas de Vesalius do esqueleto, músculos, vasos sanguíneos, sistema nervoso e trato digestivo, seus sucessores em Pádua progrediram para estudos das glândulas digestivas e dos sistemas urinário e reprodutivo. Hieronymus Fabricius, Gabriello Fallopius e Bartolomeo Eustachio estavam entre os mais importantes anatomistas italianos, e seus estudos detalhados levaram a um progresso fundamental no campo relacionado da fisiologia.

A descoberta de William Harvey sobre a circulação do sangue, por exemplo, foi baseada parcialmente nas descrições detalhadas de Fabricius das válvulas venosas.

Anatomia microscópica

A nova aplicação de lupas e microscópios compostos para estudos biológicos na segunda metade do século 17 foi o fator mais importante no desenvolvimento subsequente da pesquisa anatômica.

Os primeiros microscópios primitivos permitiram a Marcello Malpighi descobrir o sistema de minúsculos capilares conectando as redes arterial e venosa, Robert Hooke primeiro observar os pequenos compartimentos em plantas que ele chamou de “células” e Antonie van Leeuwenhoek para observar fibras musculares e espermatozóides. Daí em diante, a atenção gradualmente mudou da identificação e compreensão das estruturas corporais visíveis a olho nu para aquelas de tamanho microscópico.

O uso do microscópio para descobrir características mínimas e até então desconhecidas foi buscado de forma mais sistemática no século 18, mas o progresso tendeu a ser lento até melhorias técnicas no próprio microscópio composto, começando na década de 1830 com o desenvolvimento gradual de lentes acromáticas, aumentou muito o poder de resolução desse instrumento. Esses avanços técnicos permitiram que Matthias Jakob Schleiden e Theodor Schwann reconhecessem em 1838–39 que a célula é a unidade fundamental de organização em todos os seres vivos.

A necessidade de espécimes de tecido mais finos e transparentes para estudo sob o microscópio de luz estimulou o desenvolvimento de métodos aprimorados de dissecação, notadamente máquinas chamadas micrótomos que podem fatiar espécimes em seções extremamente finas. Para melhor distinguir os detalhes dessas seções, foram usados corantes sintéticos para tingir os tecidos com cores diferentes. Cortes finos e coloração tornaram-se ferramentas padrão para anatomistas microscópicos no final do século XIX. O campo da citologia, que é o estudo das células, e o da histologia, que é o estudo da organização dos tecidos a partir do nível celular, surgiram no século XIX com os dados e técnicas da anatomia microscópica como base.

No século 20, os anatomistas tendiam a examinar unidades de estrutura cada vez mais minúsculas à medida que as novas tecnologias lhes permitiam discernir detalhes muito além dos limites de resolução dos microscópios de luz. Esses avanços foram possibilitados pelo microscópio eletrônico, que estimulou uma enorme quantidade de pesquisas sobre estruturas subcelulares a partir dos anos 1950 e se tornou a principal ferramenta da pesquisa anatômica. Mais ou menos na mesma época, o uso da difração de raios X para estudar as estruturas de muitos tipos de moléculas presentes nos seres vivos deu origem à nova subespecialidade da anatomia molecular.

Nomenclatura anatômica

Os nomes científicos das partes e estruturas do corpo humano são geralmente em latim; por exemplo, o nome musculus biceps brachii denota o músculo bíceps do braço. Alguns desses nomes foram legados à Europa por antigos escritores gregos e romanos, e muitos mais foram cunhados por anatomistas europeus a partir do século 16.

A expansão do conhecimento médico significou a descoberta de muitas estruturas e tecidos corporais, mas não havia uniformidade de nomenclatura, e milhares de novos nomes foram acrescentados à medida que os escritores médicos seguiam suas próprias fantasias, geralmente expressando-as em uma forma latina.

No final do século 19, a confusão causada pelo enorme número de nomes tornou-se intolerável. Dicionários médicos às vezes listavam até 20 sinônimos para um nome, e mais de 50.000 nomes eram usados em toda a Europa.

Em 1887, a Sociedade Anatômica Alemã assumiu a tarefa de padronizar a nomenclatura e, com a ajuda de outras sociedades anatômicas nacionais, uma lista completa de termos e nomes anatômicos foi aprovada em 1895, reduzindo os 50.000 nomes para 5.528. Essa lista, a Basileia Nomina Anatomica, teve que ser posteriormente expandida e, em 1955, o Sexto Congresso Anatômico Internacional de Paris aprovou uma grande revisão dela conhecida como Paris Nomina Anatomica (ou simplesmente Nomina Anatomica).

Em 1998 esse trabalho foi suplantado pela Terminologia Anatomica, que reconhece cerca de 7.500 termos que descrevem estruturas macroscópicas da anatomia humana e é considerada o padrão internacional de nomenclatura anatômica humana. A Terminologia Anatomica, produzida pela Federação Internacional de Associações de Anatomistas e pelo Comitê Federativo de Terminologia Anatômica (mais tarde conhecida como Programa Federativo Internacional de Terminologias Anatômicas), foi disponibilizada online em 2011.

História da Anatomia Humana

Anatomia humana tem uma história muito antiga e vasta. Algumas das pessoas mais inteligentes do mundo já viu tinha sido a parte desta história.

A história global da anatomia humana podem ser divididos nos seguintes períodos:

Período grego

Período grego na história da anatomia humana começou em algum lugar perto de 400 aC.

Os anatomistas mais famosos deste período foram Hipócrates e Herófilo. Hipócrates foi considerado como o pai da medicina, e ele foi um dos fundadores da anatomia.

Anatomia HumanaHipócrates

Herófilo é conhecido como o pai da anatomia e ele foi um dos primeiros muito poucas pessoas para dissecar o corpo humano. Herófilo tinha alguns grandes diferenciações no campo da anatomia, por exemplo, ele diferenciou cérebro do cerebelo, nervos de tendões, artérias de veias etc.

Período romano

O anatomista mais proeminente deste período foi de Galeno. Ele é conhecido como o “Príncipe dos Médicos”, porque ele foi o primeiro fisiologista experimental.

Seus ensinamentos foram seguidos por quase 15 séculos, considerando-os como autoridades infalíveis de anatomia.

Anatomia Humana
Galen

 

Século XIV

O cientista mais importante deste período foi Mondino de Liuzzi. Ele era um italiano e teve o cargo de professor de anatomia em Balogna. Seu famoso livro “Anthomia” foi tratado como o texto anatômico autorizado há mais de um século

A razão pela qual o livro se tornou tão famoso foi a de que ele ensinou anatomia por dissecção para que seu livro era um guia. Antes do famoso Vesalius, ele foi o mais famoso anatomista.

Século XV

Este século é o momento em que um dos maiores gênios de todos os tempos Leonardo da Vinci viveu. Da Vinci foi o criador da anatomia seccional.

O trabalho mais admirável e importante feito por ele no campo da anatomia era a coleção de desenhos das coisas que ele observados. Estes desenhos foram feitos com extrema perfeição. Ele fez um total de 500 diagramas em seus 60 notebooks.

Auto-retrato de Leonardo da Vinci em giz vermelho

Século XVI

Este é o século da maior anatomista de todos os tempos, o famoso Vesalius. Ele é considerado como o “fundador da moderna Anatomia”, porque ele fez o mundo perceber que a anatomia só pode ser ensinado por meio de dissecação. Ele corrigiu os conceitos errôneos de Galeno e lutou contra sua autoridade, portanto, ele corrigiu os conceitos que foram ensinados errado continuamente por cerca de 15 séculos.

Andreas Vesalius

Século XVII

Neste século viveu o famoso anatomista Inglês William Harvey.

Ele descobriu a circulação do sangue através do corpo humano e publicado no livro intitulado “exercício anatômico sobre o movimento do sangue e do coração em animais:” Ele também publicou um livro sobre embriologia.

William Harvey

Século XVIII e XIX

Nesses dois séculos foram tomadas medidas importantes no processo de aprendizagem para anatomia. Dissection foi tornada obrigatória para estudantes de medicina.

Lei Anatomy Warburton foi aprovada na Inglaterra em que os corpos não reclamados foram disponibilizados para dissecção. O uso do formol como fixador começou neste período e também foram descobertas técnicas de endoscopia. Anatomistas proeminentes deste século incluído Cuvier, Meckel e Henry Gray (Autor de Anatomia de Gray).

Henry Gray

Fonte: www.mananatomy.com/www.anatomy.org/medlineplus.gov/www.ncbi.nlm.nih.gov/www.wisegeek.org/www.kenhub.com/Encyclopaedia Britannica/biologydictionary.net/togyn.tripod.com/med.libretexts.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.