Breaking News
Home / Biologia / Aberrações Cromossômicas

Aberrações Cromossômicas

PUBLICIDADE

Aberrações Cromossômicas – Definição

Mudanças visíveis na estrutura e morfologia dos cromossomos têm desempenhado um papel muito importante como indicadores de danos genéticos em estudos clínicos e de câncer.

A maioria das alterações encontradas em estudos clínicos são aberrações “secundárias” ou “derivadas”.

Isso é verdadeiro também em estudos de câncer, exceto que aqui há uma produção contínua de aberrações, de modo que em algumas células, uma mistura de alterações primárias e secundárias está presente e um cariótipo em constante mudança (verdadeira instabilidade cromossômica).

As aberrações cromossômicas são anormalidades na estrutura ou no número de cromossomos e costumam ser responsáveis por distúrbios genéticos.

Por mais de um século, os cientistas ficaram fascinados com o estudo dos cromossomos humanos.

Só em 1956, entretanto, foi determinado que o número diplóide real de cromossomos em uma célula humana era de 46 (22 pares de autossomos e dois cromossomos sexuais constituem o genoma humano).

Em 1959, duas descobertas abriram uma nova era da genética. Jerome Lejeune, Marthe Gautier e M. Raymond Turpin descobriram a presença de um cromossomo extra em pacientes com síndrome de Down. E C. E. Ford e seus colegas, P. A. Jacobs e J. A. Strong observaram anomalias cromossômicas sexuais pela primeira vez em pacientes com distúrbios de desenvolvimento sexual.

O que são aberrações cromossômicas?

As aberrações cromossômicas são quaisquer alterações no cariótipo humano que determine mudanças morfológicas e/ou fisiológicas.

As aberrações ou anomalias cromossômicas podem ser classificadas em numéricas e em estruturais, ou seja, alterações em número ou estrutura dos cromossomos.

Geralmente acontece durante a divisão celular e, pode causar problemas quando acontecer, por exemplo, na meiose, pois na mesma ocorre a formação dos gametas e a passagem desses cromossomos de uma geração para outra.

Na divisão celular é o momento que o cromossomo está se movimentando, trocando pedaços (crossing over), ou seja, é o momento com maior probabilidade de sofrerem alterações, pois estão mais expostos.

A constituição cromossômica de uma célula é descrita por um cariótipo, que informa o número total do cromossomo autossomo e cromossomos sexuais. Quando existe uma anomalia cromossômica, o cariótipo também descreve seu tipo, ou seja, somos capazes de identificar o padrão de alteração numérica que o indivíduo afetado apresenta.

Aberrações CromossômicasCromossomos

Por meio da técnica de bandeamento cromossômico longitudinal é possível identificar modificações estruturais. Essa técnica evidencia faixas transversais nas cromátides, permitindo a identificação individual de cada cromossomo e, a localização dos pontos de quebra em rearranjos cromossômicos de vários tipos.

Exemplo de anomalia cromossômica

Trissomia cromossômica: é um tipo de mutação cromossômica numérica que apresenta uma cópia extra de um cromossomo no cariótipo.

Como exemplo de trissomia na espécie humana se pode citar a Síndrome de Down. É a doença genética mais comum, afetando 1 em cada 800 nascimentos. É causada pela presença de um cromossomo 21 extra.

As principais anomalias cromossômicas são:

Deleção: quando o cromossomo perde um pedaço e consequentemente perde genes. Geralmente ocorre na meiose.
Duplicação:
 é quando o cromossomo tem um dos seus pedaços duplicado e os genes também. Geralmente ocorre na meiose.
Inversão:
 é quando o cromossomo tem uma parte invertida. Há a inversão paracêntrica, que é quando o pedaço do cromossomo que sofre a inversão não está com o centrômero, ou seja, não vai mexer no mesmo. Inversão pericêntrica, que é quando o pedaço invertido tem o centrômero.
Translocação:
 é quando ocorre troca de pedaços entre cromossomo não homólogos.

Anormalidades cromossômicas

Normalmente, os humanos têm 23 pares de cromossomos – perfazendo 46 no total. Isso inclui um par de cromossomos que são os cromossomos sexuais. Os óvulos e os espermatozoides carregam, cada um, 23 cromossomos.

Existem dois tipos principais de anomalias cromossômicas que podem ocorrer durante a meiose e a fertilização: aberrações numéricas e aberrações estruturais.

Aberrações Numéricas
Aberrações Estruturais

As anomalias cromossômicas ocorrem quando há um defeito em um cromossomo ou na disposição do material genético no cromossomo.

Muitas vezes, as anormalidades cromossômicas dão origem a sintomas físicos específicos; no entanto, a gravidade deles pode variar de indivíduo para indivíduo.

As anormalidades podem estar na forma de material adicional que pode ser anexado a um cromossomo, ou onde parte ou um cromossomo inteiro está faltando, ou mesmo na formação defeituosa de um cromossomo.

Qualquer aumento ou diminuição no material cromossômico interfere no desenvolvimento e função normais.

Aberrações Numéricas

Geralmente, são causados por falha na divisão cromossômica, que resulta em células com um cromossomo extra ou deficiência de cromossomos.

Os gametas com essas anomalias podem resultar em doenças como a síndrome de Down (que tem 47 cromossomos em vez de 46) ou a síndrome de Turner (45 cromossomos).

Os tipos comuns de aberrações numéricas são: triploidia, trissomia, monossomia e mosaicismo.

Aberrações Estruturais

Estes ocorrem devido a uma perda ou material genético, ou a um rearranjo na localização do material genético.

Eles incluem: exclusões, duplicações, inversões, formações de anel e translocações.

Exclusões: uma parte do cromossomo está faltando ou foi excluída. Os distúrbios conhecidos incluem a síndrome de Wolf-Hirschhorn, que é causada pela deleção parcial do braço curto do cromossomo 4; e a síndrome de Jacobsen, também chamada de distúrbio de deleção terminal 11q.
Duplicações: uma parte do cromossomo é duplicada, resultando em material genético extra. Os distúrbios conhecidos incluem a doença de Charcot-Marie-Tooth tipo 1A, que pode ser causada pela duplicação do gene que codifica a proteína 22 da mielina periférica (PMP22) no cromossomo 17.
Translocações: quando uma parte de um cromossomo é transferida para outro cromossomo. Existem dois tipos principais de translocações. Em uma translocação recíproca, segmentos de dois cromossomos diferentes foram trocados. Em uma translocação robertsoniana, um cromossomo inteiro está ligado a outro no centrômero; estes ocorrem apenas com os cromossomos 13, 14, 15, 21 e 22.
Inversões: uma parte do cromossomo foi quebrada, virada de cabeça para baixo e reconectada, portanto, o material genético está invertido.
Anéis: uma parte de um cromossomo se separou e formou um círculo ou anel. Isso pode acontecer com ou sem perda de material genético.
Isocromossomo: formado pela cópia espelhada de um segmento do cromossomo incluindo o centrômero.

As aberrações estruturais também incluem alguns distúrbios que são caracterizados por instabilidade e quebra cromossômica. Um exemplo é a criação de um sítio frágil no Cromossomo X – Síndrome do X Frágil.

Os meninos são mais afetados por isso porque têm apenas um cromossomo X, mas mesmo nas meninas, a síndrome do X frágil pode causar dificuldades de aprendizagem.

A maioria das anomalias cromossômicas ocorre como um acidente no óvulo ou esperma e, portanto, não é herdada. A anomalia está presente em todas as células do corpo.

Algumas anomalias, no entanto, podem ocorrer após a concepção, resultando em mosaicismo (em que algumas células apresentam a anomalia e outras não).

As anomalias cromossômicas podem ser herdadas de um dos pais ou “de novo”.

É por isso que os estudos cromossômicos costumam ser realizados nos pais quando se descobre que uma criança tem uma anomalia.

Fonte: Camila Correia/www2.le.ac.uk/www.encyclopedia.com/atlasgeneticsoncology.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.