Breaking News
Home / Biologia / Echiura

Echiura

PUBLICIDADE

Echiura – O que é

Os animais do filo Echiura são invertebrados marinhos bentónicos encontrados em todos os oceanos e em todas as profundidades, desde a zona intertidal até às fossas abissais.

São vermes com tamanhos desde alguns milímetros até cerca de 20 cm, com o corpo não segmentado; no entanto, são considerados filogeneticamente próximos dos anelídeos, por partilharem o mesmo tipo de larva “trocófora”.

A parte anterior do corpo é um probóscide não retrátil, que muitas espécies usam para aspirar partículas de sedimento, donde retiram o alimento. Possuem ganchos na parte posterior do corpo.

Echiura foram incluídos no Annelida até recentemente, e eles ainda são considerados parentes próximos dos anelídeos.

O corpo de um Echiura falta o tipo apresentado pelos anelídeo segmentação, mas os distintivos de natação livre trochophore estágios larvais de Echiura e poliquetas são muito similares.

Ambos Echiura e anelídeos são classificados em conjunto dentro de um grupo maior, o Trochozoa.

Echiura tem uma probóscide extensível e um conjunto de pequenos ganchos na extremidade posterior; daí o nome latino do filo, “caudas da coluna.”

Em Inglês, Echiura são referidos como “vermes” (quando referido em tudo).

Embora existam apenas cerca de 150 espécies de Echiura conhecidos hoje, eles são bastante comuns em alguns ambientes marinhos.

Urechis caupo, o “verme estalajadeiro”, é comum em algumas lodaçal da costa do Pacífico da Califórnia.

Normalmente ele habita uma toca em forma de U; mostra-se aqui, em um tubo de vidro, numa experiência de laboratório sobre a alimentação.

A rede de muco que ele cria com sua tromba é apenas visível; o worm filtra a água através de sua toca e prende organismos planctônicos nesta rede.

Este é um modo incomum de alimentação para Echiura, e mais usar suas trombas para mover detritos sedimentares de suas bocas. Urechis é conhecido como o “verme hospedeiro”, porque uma série de organismos marinhos, incluindo os pequenos caranguejos, vermes poliquetas, e peixes, viver como comensais dentro toca do Echiura.

Tocas em forma de U são conhecidos no registro fóssil do Cambriano vezes. Alguns destes traços fósseis pode ter sido feito por Echiura, mas um número de outros organismos fazer tocas muito semelhantes.

Fósseis corpo de Echiura são muito mais raros, já que Echiura não têm partes duras. O mais antigo fóssil echiuran plausível é Pensilvânia.

Echiura – Filo

Filo Echiura

filo Echiura consiste em vermes marinhos que se enterram na lama ou na areia, vivem em conchas de caramujos vazias, testes de dólar de areia ou fendas rochosas.

Eles são encontrados em todos os oceanos – mais comumente em zonas litorâneas de águas quentes – mas alguns são encontrados em águas polares a uma profundidades de 2.000 m.

Eles variam em comprimento de alguns milímetros a 40 ou 50 cm.

Filo Echiura é composta por mais de 230 espécies de não-segmentados, worms, coelomate em forma de salsicha, tradicionalmente colocados em três ordens: Echiuroinea, de longe a maior ordem, com duas famílias (Bonelliidae e Echiuridae) e muitas espécies; Xenopnuesta, com uma família ( Urechidae) e quatro espécies; e Heteromyota, que é composta de uma família monotípicos (Ikedaidae), que contém duas espécies.

Echiura variam muito em comprimento do corpo, cor e textura da pele.

Eles são caracterizados por uma grande mobilidade, probóscide extensível (embora não possa retrair na cavidade do corpo), cujo uso na alimentação dá-lhes o nome comum “colher vermes”.

Esses vermes habitam ambientes aquáticos marinhos ou de água salobra e geralmente pode ser encontrado no interior das tocas que eles criam no substrato.

Muitas espécies de alimentação de depósito de detritos, mas variedades de alimentação do filtro também são conhecidos.

Echiura do género Bonellia são tóxicos e apresentam dimorfismo sexual extremo, bem como um mecanismo de determinação do sexo incomum.

Echiura são encontradas em ambientes marinhos e de água salobra em todo o mundo.

Habitat

Echiura são, invertebrados marinhos bentônicos, tipicamente encontrados enterrou na areia ou que vivem em substratos de superfície, de áreas entre-marés até profundidades de 10.000 m (mais comumente em águas rasas). No Oceano Atlântico, a maior diversidade de espécies echiuran ocorre na região temperada do norte.

Echiura geralmente vivem em uma toca em forma de U com ambas as extremidades da toca abertas. Eles são encontrados principalmente em substratos bentônico moles, como areia, lama ou entulho, ocupando tocas escavadas por eles próprios ou por outros animais.

Algumas espécies vivem em galerias de rochas escavadas por invertebrados chatos, enquanto outras vivem em conchas vazias, testes de dólar de areia, corais ou fendas de rocha, dentro de corais mortos ou sob pedras.

Em geral, alguns comensais estão presentes dentro da toca, incluindo poliquetas, caranguejos, moluscos e peixes.

A toca fornece um lar protegido e ventilado, e restos de comida descartados pelo verme da colher podem ser comidos pelos comensais.

Echiura – Invertebrados

Grego: echis = víbora

Latim: ura = cauda

Nome vernáculo: echiuro

Os Echiura são invertebrados marinhos bentônicos não segmentados, que apresentam espaçosa cavidade celomática. Têm a forma geral de bastão, pêra ou bola e uma probóscide não retrátil. No corpo observa-se, quase sempre, um par de diminutas cerdas do tipo anelidiano, localizadas na região ventral anterior. O orifício retal é terminal. A variação do tamanho em Echiura oscila entre 10 e cerca de 700mm, porém a maioria das espécies mede entre 20 e 100mm de comprimento.

Lissomyema exilli

As diferentes espécies de Echiura habitam fundos moles (areia grossa, fina, coralígena ou lodo) ou duros (coralo) e podem construir suas galerias em variadas situações protetoras, tais como: a base de invertebrados sésseis, sob algas, em conchas abandonadas etc. Não é incomum que esses invertebrados formem grandes populações em determinados fundos marinhos.

Suas galerias de lama compactada e revestidas internamente com muco podem abrigar um expressivo número de inquilinos. O fato de que entre 25-30% das espécies do filo tenham sido descritas a partir de um único exemplar (Stephen & Edmonds, 1972) e nunca mais tenham sido reencontradas deve ser interpretado como um uso não adequado de técnicas de coleta para esses animais, ao invés de se invocar a raridade dos mesmos.

Os Echiura ocorrem em todos os mares, quentes ou frios, desde a região entremarés até profundidades tão grandes quanto 10.210m (Zenckevitch, 1966). São invertebrados muito antigos na história da Terra, havendo registro de seus vestígios para o período Siluriano (Risk, 1973).

Não está esclarecida a importância ecológica dos Echiura na costa brasileira, porém, a exemplo dos Sipuncula, esses vermes fazem parte da dieta de numerosos peixes demersais.

Há registros de parasitas desses vermes, tais como “Protozoa”, Platyhelminthes, Nematoda, Annelida e Copepoda (Illg, 1970; Jones & Schiess, 1970), além de um considerável número de comensais.

Um aspecto particularmente relevante da biologia de Echiura refere-se ao determinismo do sexo na família Bonelliidae, assunto pesquisado há mais de 80 anos e com excelente revisão de Pilger (1978).

Posição Sistemática

Reino: Animalia
Sub reino: Metazoa

Filo Echiura

Ordem Echiuroinea
Ordem Xenopneusta
Ordem Heteromyota

Número de espécies

No mundo: 130
No Brasil: 9

Echiura – Características físicas

Echiura, também conhecidos como vermes de colher, têm um corpo dividido em duas regiões distintas: um tronco sacular não segmentado em forma de salsicha e uma tromba em forma de fita na extremidade anterior.

O comprimento do tronco pode variar de 0,39 pol. (1 cm) até> 19,6 pol. (> 50 cm) e pode ser cinza, verde escuro, marrom avermelhado, rosa ou vermelho. Pode ser espesso ou fino, alisado ou áspero por papilas glandulares ou sensoriais. Internamente, camadas de músculos são responsáveis pelos movimentos peristálticos do tronco.

Um par de chaetae marrom-dourado quitinoso geralmente ocorre ventralmente na parte anterior do tronco. Alguns echiu-rans têm um ou dois anéis de chaetae ao redor do abertura exterior do tubo digestivo.

A tromba pode ser curta ou longa, em forma de concha ou fita e achatada ou carnuda e espatulada. Geralmente é branco, rosa, verde ou marrom. A extremidade distal pode ser truncada ou bífida. É musculoso, móvel e altamente extensível e contrátil. É capaz de se estender por 10 vezes o comprimento do corpo e pode atingir 1-2 m. A superfície ventral da tromba é ciliada, o que auxilia no processo de alimentação.

A boca está localizada ventralmente na base da tromba e a abertura exterior do tubo digestivo na extremidade posterior do tronco.

Echiura – Comportamento

Echiura são lentos, mas não sedentários, e animais sem probóscide podem nadar. Um dos movimentos mais importantes é o peristaltismo do tronco, que permite ao animal mover-se lentamente sobre a superfície e construir tocas na areia ou lama. Os movimentos do peristaltismo forçam a água através do tubo, permitindo ao animal obter um suprimento de oxigênio.

Em geral, a toca é mantida limpa e livre de detritos e fezes.

Fonte: www.ucmp.berkeley.edu/biocyclopedia.com/www.biomania.com/what-when-how.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.