Breaking News
Home / Biologia / Botânica

Botânica

PUBLICIDADE

Definição de Botânica

Já dizia o prêmio Nobel,Albert Szent-Györgyi (1893 -1986), que “o que garante a existência da vida é…uma pequena corrente mantida pela luzsolar“.

Resumindo: o que garante essa existência são os vegetais, que são a base da cadeia alimentar, além de fazerem fotossíntese, auxiliando, desta forma, na produção de oxigênio.

Mas afinal, qual é a ciência que estuda estes tão importantes organismos?

É a Botânica.

Este ramo da biologia é de fundamentalmente importância por abranger o estudo dos vegetais e algas.

Dentro deste ramo, são estudadas uma série de fatores relacionados a estes organismos: seu crescimento, desenvolvimento, reprodução, doenças, evolução, entre outros aspectos.

Mas qual o motivo de se estudar as plantas?

Basicamente, por que elas são essenciais para a manutenção da vida no planeta Terra. Elas são consideradas seres produtores, ou seja, formam a base da cadeia alimentar.

Quando olhamos pelo lado dos seres humanos, os vegetais são de grande importância econômica. São deles que retiramos nossos alimentos, fibras, remédios, combustíveis, entre outros.

A palavra Botânica advêm do grego, ß?ta?????, que significa “referente às plantas”. O “pai da botânica” é Teofrasto (372 a.C. – 287 a.C.), um filósofo da Grécia Antiga.

Este filósofo colaborou com diversos tratados que auxiliaram no início da botânica e deram base para que este ramo da biologia começasse a se desenvolver.

A botânica pode ser descritiva, cuja observação de seus diferentes aspectos é o foco de estudo. Ela também pode ser aplicada, ou seja, seguir um ramo que foca as plantas de acordo com as relações estabelecidas com o homem, como seu uso farmacológico, agrícola, entre outro.

E, também, há a botânica experimental: faz experiencias como principal forma de pesquisa.

Assim, vale lembrar que a Botânica é uma ciência muito ampla. Suas vertentes de estudo focam nos tecidos vegetais (histologia), funcionamento e metabolismo (fisiologia), material genético e hereditariedade (genética vegetal), fósseis (paleobotância), doenças (fitopatologia), relação entre os vegetais, o meio e outros seres vivos (ecologia), distribuição dos vegetais ao redor do mundo (geobotânica), entre outros.

Por definição, as plantas incluem: algas, fungos, liquens, musgos, fetos, coníferas e plantas com flores.

O que é botânica?

botânica é um ramo da biologia que envolve o estudo das plantas.

A botânica é uma das ciências mais antigas do mundo, com exemplos registrados de pesquisa e exploração botânica que datam de milhares de anos.

Os humanos interagem e usam as plantas de uma ampla variedade de maneiras, tornando não surpreendente que eles tenham dedicado uma grande quantidade de energia para aprender mais sobre elas, com as primeiras tentativas focadas em encontrar plantas que eram seguras para comer, enquanto a botânica moderna abrange um gama de atividades.

Existem vários subcampos dentro do campo mais amplo da botânica, incluindo taxonomia vegetal, patologia vegetal, fitoanatomia, genética vegetal, fitoquímica, paleobotânica e etnobotânica.

Esses campos de estudo vão desde a pesquisa em plantas que existiram em eras anteriores na história geológica da Terra a investigações de plantas que são usadas na medicina tradicional, com o objetivo de aprender como essas plantas funcionam e como podem ser aplicadas aos produtos farmacêuticos convencionais.

Os botânicos podem ter diversos graus de formação, desde o diploma de bacharel em botânica ou disciplinas afins até o pós-doutorado que envolve ampla pesquisa.

Alguns botânicos trabalham no laboratório, examinando a estrutura das plantas e usando ferramentas como a química molecular para entender os blocos de construção da vida vegetal.

Outros botânicos trabalham no campo, em busca de novas espécies, estudando a ecologia vegetal e fazendo experiências com plantas vivas.

O emprego nesta área pode ser encontrado em vários ambientes, incluindo faculdades e universidades, empresas farmacêuticas, organizações ambientais, agências de saúde pública e centros naturais, entre muitos outros.

Botânica

Os botânicos costumam estar envolvidos na pesquisa de safras e em outros tópicos agrícolas e podem trabalhar com pessoas como engenheiros florestais, agrônomos, meteorologistas, geólogos e muitos outros profissionais da ciência no decorrer de seu trabalho.

Como as plantas desempenham um papel tão importante nas sociedades humanas, os botânicos têm muito material para trabalhar.

Além de estar envolvido com as ciências, os botânicos também estão envolvidos no estudo de aspectos sociais da vida vegetal, como o uso de enteógenos, superstições sobre espécies vegetais específicas e a história da agricultura.

Muitas faculdades têm programas que oferecem um diploma em botânica aos alunos interessados. Muitas dessas escolas anexaram arboretos com amostras de plantas vivas, junto com instalações de pesquisa que podem ser usadas pelos alunos. As pessoas interessadas em tópicos específicos dentro do amplo campo da botânica fariam bem em pesquisar as faculdades com antecedência, para que possam encontrar uma instituição que ofereça treinamento em seu assunto de interesse, especialmente se for complexo ou obscuro.

O que um botânico faz?

Botânica

Os botânicos são cientistas que estudam vários aspectos da biologia vegetal. Eles às vezes são chamados de cientistas de plantas.

A maioria dos botânicos deseja compreender tudo o que há para saber sobre as plantas. O botânico estuda a relação de uma planta com o meio ambiente e outros organismos vivos.

Além das plantas, os botânicos também podem estudar fungos e algas. Geralmente, os botânicos estudam as plantas, mas existem vários subcampos em relação às plantas nos quais os botânicos podem obter especialização. Por exemplo, um botânico pode optar por se especializar em paleobotânica, que é o estudo de plantas fossilizadas.

A botânica é uma área da ciência antiga. Os primeiros botânicos se concentraram em encontrar usos criativos para as plantas ao seu redor.

Esses botânicos realizaram pesquisas e experimentos para distinguir entre plantas comestíveis e venenosas. Os primeiros botânicos também fizeram observações sobre o efeito de uma planta em humanos e animais, o que os ajudou a determinar se uma planta era medicinal. Os botânicos de hoje ainda realizam as mesmas tarefas, mas possuem as ferramentas e a tecnologia para estudar as plantas em nível bioquímico, genético e molecular.

Os botânicos são adeptos da realização de pesquisas. A pesquisa costuma ser um componente vital do trabalho. Muitos botânicos encontram trabalho em ambientes de laboratório conduzindo pesquisas, embora a maioria deles trabalhe ao ar livre em algum momento. Em alguns casos, um botânico pode ter a oportunidade de viajar para diferentes locais ao redor do mundo para pesquisar plantas.

Os botânicos se aventuram em diferentes territórios geográficos em um esforço para descobrir e classificar novas espécies de plantas.

Um botânico também pode viajar para estudar o efeito de uma planta em uma cultura. Isso é especialmente verdadeiro para botânicos que se especializam em etnobotânica, o estudo de como diferentes culturas usam suas plantas nativas. Existem certas qualidades distintas que os bons botânicos possuem. Por exemplo, os botânicos tendem a ter grandes habilidades de observação, um forte interesse em estudos científicos e um amor pela natureza. Alguns botânicos trabalham para instalações de pesquisa científica, agências governamentais, jardins botânicos e serviços educacionais.

Pessoas interessadas em se tornar botânicas devem estar dispostas a passar longas horas em uma estufa ou laboratório para fazer experimentos com plantas.

As plantas são extremamente importantes para o mundo.

Eles são usados como alimento, fibras, medicamentos e têm muitos outros usos de recursos. O campo da botânica é fundamental para fornecer ao mundo nutrição e medicina. A botânica é uma disciplina em evolução que é crucial para ajudar os governos a produzir alimentos vegetais de maneira eficaz para uma crescente população global.

A ciência ajuda o mundo a entender melhor como cultivar plantas sob condições controladas.

A botânica aumenta o suprimento de alimentos e até ajuda na produção de mais remédios medicinais.

Botânica – História

Teofrasto, um filósofo grego que primeiro estudou com Platão e depois se tornou discípulo de Aristóteles, é creditado como o fundador da botânica.

Apenas dois dos cerca de 200 tratados botânicos escritos por ele são conhecidos pela ciência: originalmente escritos em grego por volta de 300 aC, eles sobreviveram na forma de manuscritos latinos, De causis plantarum e De historia plantarum.

Seus conceitos básicos de morfologia, classificação e história natural das plantas, aceitos sem questionamento por muitos séculos, são agora de interesse principalmente por causa do ponto de vista independente e filosófico de Teofrasto.

Pedanius Dioscorides, um botânico grego do século I dC, foi o escritor botânico mais importante depois de Teofrasto. Em sua obra principal, uma erva em grego, ele descreveu cerca de 600 tipos de plantas, com comentários sobre seu hábito de crescimento e forma, bem como sobre suas propriedades medicinais.

Ao contrário de Teofrasto, que classificou as plantas como árvores, arbustos e ervas,

Dioscórides agrupou suas plantas em três categorias: como aromáticas, culinárias e medicinais. Seu herbário, único por ter sido o primeiro tratamento de plantas medicinais a ser ilustrado, manteve-se por cerca de 15 séculos a última palavra em botânica médica na Europa.

Do século 2 aC ao século 1 dC, uma sucessão de escritores romanos – Catão, o Velho, Varro, Virgílio e Columela – preparou manuscritos latinos sobre agricultura, jardinagem e fruticultura, mas mostrou pouca evidência do espírito de investigação científica para para seu próprio bem que era tão característico de Teofrasto. No século I dC, Plínio, o Velho, embora não fosse mais original do que seus predecessores romanos, parecia mais diligente como compilador. Sua Historia naturalis – uma enciclopédia de 37 volumes, compilada a partir de cerca de 2.000 obras representando 146 autores romanos e 327 gregos – tem 16 volumes dedicados a plantas. Embora acrítico e contendo muita desinformação, este trabalho contém muitas informações de outra forma indisponíveis, uma vez que a maioria dos volumes aos quais ele se referiu foram destruídos.

A imprensa revolucionou a disponibilidade de todos os tipos de literatura, incluindo a de plantas. Nos séculos 15 e 16, muitos herbais foram publicados com o objetivo de descrever plantas úteis na medicina.

Escritos por médicos e botânicos com orientação médica, os primeiros herbais baseavam-se amplamente no trabalho de Dioscórides e, em menor medida, em Teofrasto, mas gradualmente se tornaram o produto da observação original.

A crescente objetividade e originalidade das ervas ao longo das décadas reflete-se claramente na melhoria da qualidade das xilogravuras preparadas para ilustrar esses livros.

Em 1552, um manuscrito ilustrado sobre plantas mexicanas, escrito em asteca, foi traduzido para o latim por Badianus; outros manuscritos semelhantes conhecidos por terem existido parecem ter desaparecido.

Enquanto as ervas na China datam muito mais do que as da Europa, elas se tornaram conhecidas apenas recentemente e, portanto, pouco contribuíram para o progresso da botânica ocidental.

A invenção das lentes ópticas durante o século 16 e o desenvolvimento do microscópio composto por volta de 1590 abriu uma era de ricas descobertas sobre as plantas; antes dessa época, todas as observações por necessidade eram feitas a olho nu. Os botânicos do século 17 abandonaram a ênfase anterior na botânica médica e começaram a descrever todas as plantas, incluindo as muitas novas que estavam sendo introduzidas em grande número na Ásia, África e América. Entre os botânicos mais proeminentes dessa época estava Gaspard Bauhin, que pela primeira vez desenvolveu, de forma experimental, muitos conceitos botânicos ainda válidos.

Em 1665, Robert Hooke publicou, sob o título Micrographia, os resultados de suas observações microscópicas em vários tecidos vegetais. É lembrado como o criador da palavra “célula”, referindo-se às cavidades que observou em finas fatias de cortiça; sua observação de que as células vivas contêm seiva e outros materiais muitas vezes foi esquecida.

Na década seguinte, Nehemiah Grew e Marcello Malpighi fundaram a anatomia vegetal; em 1671, eles comunicaram os resultados dos estudos microscópicos simultaneamente à Royal Society of London, e ambos publicaram tratados importantes posteriormente.

A fisiologia experimental das plantas começou com o brilhante trabalho de Stephen Hales, que publicou suas observações sobre os movimentos da água nas plantas sob o título Vegetable Staticks (1727).

Suas conclusões sobre a mecânica da transpiração da água nas plantas ainda são válidas, assim como sua descoberta – na época surpreendente – de que o ar contribui com algo para os materiais produzidos pelas plantas.

Em 1774, Joseph Priestley mostrou que as plantas expostas ao sol emitem oxigênio, e Jan Ingenhousz demonstrou, em 1779, que as plantas no escuro emitiam dióxido de carbono.

Em 1804, Nicolas de Saussure demonstrou de forma convincente que as plantas à luz do sol absorvem água e dióxido de carbono e aumentam de peso, conforme relatado por Hales quase um século antes.

O uso generalizado do microscópio por morfologistas de plantas proporcionou um ponto de inflexão no século 18 – a botânica tornou-se em grande parte uma ciência de laboratório.

Até a invenção das lentes simples e do microscópio composto, o reconhecimento e a classificação das plantas eram, em sua maior parte, baseados em grandes aspectos morfológicos da planta como tamanho, formato e estrutura externa de folhas, raízes e caules. Essas informações também foram complementadas por observações sobre qualidades mais subjetivas das plantas, como comestibilidade e usos medicinais.

Em 1753, Linnaeus publicou sua obra-prima, Species Plantarum, que contém descrições cuidadosas de 6.000 espécies de plantas de todas as partes do mundo conhecidas na época. Nesse trabalho, que ainda é a referência básica para a taxonomia vegetal moderna, Linnaeus estabeleceu a prática da nomenclatura binomial – ou seja, a denominação de cada tipo de planta por duas palavras, o nome do gênero e o nome específico, como Rosa canina, o cachorro se levantou. A nomenclatura binomial foi introduzida muito antes por alguns dos fitoterapeutas, mas não foi geralmente aceita; a maioria dos botânicos continuou a usar descrições formais complicadas, consistindo em muitas palavras, para nomear uma planta.

Linnaeus pela primeira vez colocou o conhecimento contemporâneo das plantas em um sistema ordenado, com total reconhecimento aos autores anteriores, e produziu uma metodologia nomenclatural tão útil que não foi muito melhorada. Lineu também introduziu um “sistema sexual” de plantas, pelo qual o número de partes das flores – especialmente estames, que produzem células sexuais masculinas, e estilos, que são prolongamentos dos ovários das plantas que recebem grãos de pólen – tornaram-se ferramentas úteis para fácil identificação das plantas. Este sistema simples, embora eficaz, tinha muitas imperfeições.

Outros sistemas de classificação, em que tantos caracteres quanto possível foram considerados para determinar o grau de relacionamento, foram desenvolvidos por outros botânicos; na verdade, alguns apareceram antes da época de Linnaeus. A aplicação dos conceitos de Charles Darwin (na evolução) e Gregor Mendel (na genética) à taxonomia das plantas forneceu insights sobre o processo de evolução e a produção de novas espécies.

A botânica sistemática agora usa informações e técnicas de todas as subdisciplinas da botânica, incorporando-as em um corpo de conhecimento. A fitogeografia (a biogeografia das plantas), a ecologia das plantas, a genética populacional e várias técnicas aplicáveis às células – citotaxonomia e citogenética – têm contribuído muito para o estado atual da botânica sistemática e, até certo ponto, tornaram-se parte dela.

Mais recentemente, a fitoquímica, a estatística computadorizada e a morfologia de estrutura fina foram adicionadas às atividades da botânica sistemática.

O século 20 viu um enorme aumento na taxa de crescimento da pesquisa em botânica e nos resultados derivados dela. A combinação de mais botânicos, melhores instalações e novas tecnologias, tudo com o benefício da experiência do passado, resultou em uma série de novas descobertas, novos conceitos e novos campos de atividade botânica.

Novas e mais precisas informações estão sendo acumuladas sobre o processo de fotossíntese, especialmente com referência aos mecanismos de transferência de energia.

A descoberta do fitocromo pigmento, que constitui um sistema de detecção de luz até então desconhecido nas plantas, aumentou muito o conhecimento da influência do ambiente interno e externo na germinação das sementes e na época de floração.

Vários tipos de hormônios vegetais (substâncias reguladoras internas) foram descobertos – entre eles auxina, giberelina e cinetina – cujas interações fornecem um novo conceito da maneira pela qual a planta funciona como uma unidade.

A descoberta de que as plantas precisam de certos oligoelementos normalmente encontrados no solo tornou possível cultivar áreas que carecem de algum elemento essencial, adicionando-o ao solo deficiente.

O desenvolvimento de métodos genéticos para o controle da hereditariedade das plantas tornou possível a geração de plantas de cultivo melhoradas e enormemente produtivas.

O desenvolvimento da datação por carbono radioativo de materiais vegetais de até 50.000 anos é útil para o paleobotânico, o ecologista, o arqueólogo e, especialmente, o climatologista, que agora tem uma base melhor para prever os climas dos séculos futuros.

A descoberta de fósseis semelhantes a algas e bactérias em rochas pré-cambrianas elevou a origem estimada das plantas na Terra para 3.500.000.000 de anos atrás.

O isolamento de substâncias antibióticas de fungos e organismos semelhantes a bactérias proporcionou controle sobre muitas doenças bacterianas e também contribuiu com informações bioquímicas de importância científica básica.

O uso de dados filogenéticos para estabelecer um consenso sobre a taxonomia e linhagens evolutivas de angiospermas (plantas com flores) é coordenado por meio de um esforço internacional conhecido como Angiosperm Phylogeny Group (Grupo de filogenia de angiospermas).

Fonte: Juliano Schiavo/www.botany.org/biologydictionary.net/www.aboutbioscience.org/www.wisegeek.org/www.agriculture.purdue.edu/www.umd.edu/www.environmentalscience.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.