Breaking News
Home / Biologia / Alelos Múltiplos

Alelos Múltiplos

PUBLICIDADE

O que são alelos múltiplos?

A existência de alelos múltiplos é benéfica para determinada espécie, pois ocorre mais variabilidade genética, possibilitando maiores oportunidades para adaptação ao ambiente (seleção natural).

Mais de dois alelos alternativos de um gene são conhecidos como alelos múltiplos em uma população que ocupa o mesmo locus em um cromossomo ou seu homólogo.

Alelos Múltiplos qualquer uma de uma série de três ou mais formas alternativas ou alélicas de um gene, das quais apenas duas podem existir em qualquer indivíduo diplóide normal.

Os alelos múltiplos são resultantes de sucessivas mutações ocorridas em um determinado lócus nos genes,produzindo séries alélicas selecionadas e adaptadas ao ambiente.Cada mutação que surge gera uma nova condição para o aparecimento de mais um novo fenotípico (característica) na espécie.

De acordo com o padrão de herança mendeliana, cada característica hereditária ocorre através de dois alelos (alelos simples), em contraste vários alelos em uma dada característica é regulada por mais de dois alelos.

São comuns casos de alelos múltiplos tanto em vegetais como em animais, por exemplo, a cor dos olhos em um grupo de moscas-das-frutas; determinação da cor da pelagem em coelhos e em grupos sanguíneos do sistema ABO em humanos.

Os quatro grupos sanguíneos: A, B, AB e O são o resultado de três diferentes alelos em um único gene (iA, iB e iO). Os alelos iA e iB produzem diferentes antígenos (glicoproteínas) na superfície de cada eritrócito.

Os tipos A produzem o antígeno A, os de B apenas os de B, os de O, nenhum.Indivíduos iAiB possuem glicoproteínas A e B, possuindo sangue tipo AB

Alelos Múltiplos – População

Existem vários alelos em uma população quando há muitas variações de um gene presente. Em organismos com duas cópias de cada gene, também conhecidos como organismos diplóides, cada organismo tem a capacidade de expressar dois alelos ao mesmo tempo. Eles podem ser o mesmo alelo, que é chamado de genótipo homozigoto. Alternativamente, o genótipo pode consistir em alelos de diferentes tipos, conhecidos como genótipo heterozigoto. Organismos e células haplóides têm apenas uma cópia de um gene, mas a população ainda pode ter muitos alelos.

Em organismos haplóides e diplóides, novos alelos são criados por mutações espontâneas. Essas mutações podem surgir de várias maneiras, mas o efeito é uma sequência diferente de bases de ácido nucléico no DNA.

O código genético é “lido” como uma série de códons ou tripletos de bases de ácido nucleico que correspondem a aminoácidos individuais. Uma mutação faz com que a sequência de aminoácidos mude, de forma simples ou drástica. Mudanças simples que afetam apenas alguns aminoácidos podem produzir alelos múltiplos em uma população, todos os quais funcionam quase da mesma maneira, apenas em um grau diferente. Outras mutações causam grandes mudanças na proteína criada, e ela não funcionará de todo.

Outras mutações dão origem a novas formas de proteína que podem permitir que os organismos desenvolvam novas vias, estruturas e funções.

Na maioria das vezes, os cientistas se concentram nos fenótipos que são criados por certos alelos, e todos os alelos são classificados pelos fenótipos que eles criam. No entanto, um determinado fenótipo pode ser causado por um grande número de mutações. Embora os humanos tenham milhares de genes, eles têm mais de 3 bilhões de pares de bases. Isso significa que cada gene consiste em muitos, muitos pares de bases. Uma mutação em qualquer par de bases pode causar um novo alelo.

Vários alelos se combinam de maneiras diferentes em uma população e produzem diferentes fenótipos. Esses fenótipos são causados pelas proteínas codificadas pelos vários alelos.

Embora cada gene codifique para o mesmo tipo de proteína, os diferentes alelos podem causar grande variabilidade no funcionamento dessas proteínas.

Só porque uma proteína funciona em uma taxa mais alta ou mais baixa, isso não a torna boa ou ruim. Isso é determinado pela soma das interações de todas as proteínas produzidas em um organismo e os efeitos do meio ambiente sobre essas proteínas. Alguns organismos, impulsionados por vários alelos em uma variedade de genes, se saem melhor do que outros e podem se reproduzir mais. Esta é a base da seleção natural e, à medida que surgem novas mutações e nascem novas linhas de genética, ocorre a origem das espécies.

Características de vários alelos

Os mesmos genes têm mais de dois alelos.
Todos os alelos múltiplos em cromossomos homólogos ocupam os respectivos loci.
Um cromossomo ou gameta possui apenas um alelo de grupo.
Cada ser humano contém apenas dois alelos de genes separados, um para cada par homólogo de cromossomos que carregam o gene.
Alelos múltiplos expressam várias alternativas de uma característica.
Alelos diferentes podem exibir codominância, comportamento recessivo de dominância ou dominância incompleta.
Alelos múltiplos validam a sequência de herança Mendeliana.

Alelos Múltiplos – Resumo

Os alelos são formas alternativas de um gene e são responsáveis pelas diferenças na expressão fenotípica de uma determinada característica (por exemplo, olhos castanhos versus olhos verdes).

Um gene para o qual existem pelo menos dois alelos é considerado polimórfico. Os casos em que um determinado gene pode existir em três ou mais formas alélicas são conhecidos como condições de alelos múltiplos.

É importante observar que, embora vários alelos ocorram e sejam mantidos em uma população, qualquer indivíduo possui apenas dois desses alelos (em loci equivalentes em cromossomos homólogos).

Mendel deu a entender que apenas dois alelos, um dominante e um recessivo, poderiam existir para um determinado gene. Agora sabemos que isso é uma simplificação exagerada. Embora os humanos individuais (e todos os organismos diplóides) possam ter apenas dois alelos para um determinado gene, vários alelos podem existir no nível da população de forma que muitas combinações de dois alelos sejam observadas.

Observe que quando existem muitos alelos para o mesmo gene, a convenção é denotar o fenótipo ou genótipo mais comum entre os animais selvagens como o tipo selvagem (freqüentemente abreviado como “+”); isso é considerado o padrão ou norma. Todos os outros fenótipos ou genótipos são considerados variantes deste padrão, o que significa que eles se desviam do tipo selvagem.

A variante pode ser recessiva ou dominante para o alelo de tipo selvagem.

Um exemplo de alelos múltiplos é a cor da pelagem em coelhos. Aqui, existem quatro alelos para o gene c. A versão de tipo selvagem, C + C +, é expressa como pelo marrom. O fenótipo de chinchila, cchcch, é expresso como pelo branco com pontas pretas. O fenótipo do Himalaia, chch, tem pelos pretos nas extremidades e pelos brancos em outras partes. Finalmente, o albino, ou fenótipo “incolor”, cc, é expresso como pelo branco. Em casos de alelos múltiplos, podem existir hierarquias de dominância.

O domínio completo de um fenótipo de tipo selvagem sobre todos os outros mutantes frequentemente ocorre como um efeito de “dosagem” de um produto de gene específico, de modo que o alelo de tipo selvagem fornece a quantidade correta de produto de gene, enquanto os alelos mutantes não podem. Para a série alélica em coelhos, o alelo do tipo selvagem pode fornecer uma determinada dosagem de pigmento de pêlo, enquanto os mutantes fornecem uma dosagem menor ou nenhuma. Curiosamente, o fenótipo do Himalaia é o resultado de um alelo que produz um produto gênico sensível à temperatura que só produz pigmento nas extremidades mais frias do corpo do coelho.

Alternativamente, um alelo mutante pode ser dominante sobre todos os outros fenótipos, incluindo o tipo selvagem. Isso pode ocorrer quando o alelo mutante de alguma forma interfere na mensagem genética, de modo que mesmo um heterozigoto com uma cópia do alelo de tipo selvagem expressa o fenótipo mutante. Uma maneira pela qual o alelo mutante pode interferir é aumentando a função do produto do gene do tipo selvagem ou alterando sua distribuição no corpo.

Fonte: Camila Correia/byjus.com/biologydictionary.net/courses.lumenlearning.com/openoregon.pressbooks.pub/www.encyclopedia.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Estrogênio

PUBLICIDADE Estrogênio – Definição O estrogênio é um dos dois principais hormônios sexuais das mulheres. O outro …

Axônio

PUBLICIDADE Definição de Axônio Um axônio é uma fibra longa de uma célula nervosa (um neurônio) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.