Breaking News
Home / Biologia / Risco Biológico

Risco Biológico

PUBLICIDADE

Definição de Risco biológico

Os perigos biológicos ou Riscos biológico são substâncias orgânicas que representam uma ameaça à saúde das pessoas e de outros organismos vivos.

As fontes de riscos biológicos podem incluir bactérias, vírus, insetos, plantas, pássaros, animais e humanos. Essas fontes podem causar uma variedade de efeitos na saúde, desde irritação da pele e alergias a infecções (por exemplo, tuberculose, AIDS), câncer e assim por diante.

Os perigos biológicos ou Riscos biológico referem-se a organismos ou matérias orgânicas produzidas por esses organismos que são prejudiciais à saúde humana.

Em geral, existem três vias principais de entrada desses microrganismos em nosso corpo, ou seja, através do sistema respiratório, transmissão por contato com fluidos corporais de pessoas infectadas ou contato com objetos contaminados.

Os efeitos prejudiciais à saúde humana por esses perigos biológicos são principalmente de três tipos – infecções, alergias e envenenamento

Os perigos biológicos para a saúde incluem bactérias, vírus, parasitas e bolores ou fungos. Eles podem representar uma ameaça para a saúde humana quando inalados, comidos ou entrar em contato com a pele.

Eles podem causar doenças como intoxicação alimentar, tétano, infecções respiratórias ou infecção parasitária.

Em síntese, os perigos biológicos, também conhecidos como riscos biológicos, referem-se a substâncias biológicas que representam uma ameaça à saúde dos organismos vivos, principalmente dos humanos.

Isso pode incluir resíduos médicos ou amostras de um microorganismo, vírus ou toxina que podem afetar a saúde humana. Também pode incluir substâncias prejudiciais aos animais.

O termo e seu símbolo associado são geralmente usados como um aviso, para que aqueles potencialmente expostos às substâncias saibam tomar precauções.

O símbolo de risco biológico foi desenvolvido em 1966 por Charles Baldwin, um engenheiro de saúde ambiental que trabalhava para a Dow Chemical Company em produtos de contenção.

É usado na rotulagem de materiais biológicos que representam um risco significativo para a saúde, incluindo amostras virais e agulhas hipodérmicas usadas.

O que é um perigo biológico?

Um perigo biológico, também conhecido como risco biológico, é um organismo ou subproduto de um organismo que é prejudicial ou potencialmente prejudicial para outros seres vivos, principalmente seres humanos.

Os tipos comuns de riscos biológicos incluem bactérias, vírus, resíduos médicos e toxinas que foram produzidas por organismos.

símbolo de “risco biológico” é uma visão familiar em hospitais e qualquer objeto que o carregue deve ser tratado com extrema cautela.

Os perigos biológicos variam em seu grau de gravidade e as precauções empregadas ao manusear, armazenar ou descartar os mesmos são determinadas de acordo.

Um sinal de risco biológico

Os perigos químicos e biológicos diferem porque estes últimos podem ter o potencial de passar de pessoa para pessoa.

Isso torna particularmente importante que todas as precauções sejam estritamente observadas por aqueles que trabalham ou entram em contato com materiais biologicamente perigosos.

Na pior das hipóteses, as precauções inadequadas, ou a falha em observá-las, podem levar a um grande surto de uma doença fatal. Isso é extremamente improvável, no entanto, uma vez que os estabelecimentos que realizam pesquisas sobre agentes infecciosos causadores de doenças são cuidadosamente projetados para evitar a liberação acidental e possuem regras estritas de biossegurança.

Trabalhando com Riscos Biológicos

A equipe do hospital costuma entrar em contato com materiais potencialmente perigosos, como seringas usadas e curativos descartados.

Estes são normalmente colocados em sacos e recipientes especiais claramente identificados para incineração.

O uso de luvas descartáveis, aliado a práticas básicas de higiene, como lavagem frequente das mãos e desinfecção de superfícies, ajuda a evitar que esses materiais causem doenças.

A necessidade de desenvolver novos tratamentos e vacinas significa que às vezes é necessário que as pessoas trabalhem com agentes biológicos potencialmente letais.

As bactérias podem adquirir resistência aos antibióticos, de modo que novos compostos, ou métodos alternativos de tratamento, precisam ser encontrados. Alguns vírus sofrem mutações rapidamente, tornando as vacinas ineficazes e exigindo o desenvolvimento e teste de novas. Em outros casos, nunca houve uma vacina.

A pesquisa de microorganismos perigosos, ou patógenos, é realizada em estabelecimentos altamente especializados, que empregam uma série de precauções, procedimentos e equipamentos para prevenir infecções e fugas.

Equipamento e precauções

Os microrganismos podem potencialmente escapar dos laboratórios por meio da infecção da equipe ou diretamente, por meio de materiais que vieram do laboratório sem serem descontaminados.

Isso pode incluir resíduos, roupas usadas pelos funcionários ou aerossóis – minúsculas gotículas ou partículas suspensas – que podem deixar o prédio através de portas, janelas ou sistemas de ventilação.

Vários itens de equipamento são usados no manuseio de riscos biológicos.

Uma cabine de segurança biológica (BSC) é empregada ao trabalhar com patógenos onde há risco de respingos ou formação de aerossol.

É uma unidade independente com seu próprio suprimento de ar na qual a amostra é colocada. A equipe do laboratório trabalha com o material por meio de luvas de proteção embutidas no gabinete.

Filtros de particulado de alta eficiência também podem ser empregados para filtrar todo o ar que sai da área de trabalho. Outra precaução comum é ter uma pressão de ar negativa dentro da área de perigo, de modo que, quando as portas forem abertas, o ar entre em vez de sair. Em casos extremos, a equipe pode ter que usar roupas de proteção seladas com seu próprio suprimento de ar.

As precauções incluem tomar cuidado especial com instrumentos cortantes, restringir o acesso a áreas de manipulação de patógenos perigosos a pessoas devidamente qualificadas e garantir que nada saia do laboratório sem primeiro ter sido descontaminado. Isso pode incluir pessoas, que podem ter que tomar banho antes de sair. Geralmente, a equipe será solicitada a colocar roupas de laboratório adequadas antes de entrar na área de perigo e se trocar novamente ao sair dela.

Além dos procedimentos padrão, existem outros requisitos relacionados à natureza do material perigoso.

Níveis de perigo biológico ou Risco biológico

Todas as categorias dependem de fatores como a infecciosidade do agente, a gravidade da doença que pode causar e se existem ou não tratamentos e vacinas eficazes. Se algum desses fatores for desconhecido, normalmente o nível mais alto de perigo será atribuído até que mais informações estejam disponíveis.

O nível de perigo biológico ou Risco biológico 1 BSL- 1 é atribuído a agentes que geralmente não causam doenças em humanos saudáveis. Um exemplo seria o bacillus subtilis, uma bactéria comum do solo muito estudada por geneticistas e que ocasionalmente pode causar doenças em pessoas com sistema imunológico gravemente enfraquecido. Para esses agentes, nenhuma contenção especial é necessária e os procedimentos laboratoriais normais de microbiologia, como o uso de luvas e máscara facial, são adequados.

Os agentes são considerados adequados para alunos de graduação e funcionários em treinamento.

BSL-2 é para agentes que podem causar doenças, possivelmente graves, em humanos saudáveis, mas que já existem na população externa e não são transmissíveis por inalação.

Esses agentes só podem causar infecção por meio do contato direto com o material infectado por meio de cortes e escoriações ou por ingestão. Exemplos são o vírus da imunodeficiência humana (HIV), o vírus da hepatite B e a salmonela.

Os símbolos de risco biológico devem ser exibidos claramente e dispositivos semelhantes são usados para qualquer trabalho que possa causar respingos ou produzir aerossóis. Uma autoclave deve estar presente, para permitir a esterilização dos instrumentos. O acesso às áreas do BSL-2 é restrito a funcionários treinados.

As instalações BSL-3 e e BSL-4 se aplica a patógenos que causam doenças graves e potencialmente fatais e que podem se espalhar pelo ar, por exemplo, a bactéria que causa a tuberculose.

Esses microrganismos podem infectar sem contato direto com o material contaminado, portanto, requerem precauções particularmente rigorosas.

O acesso à área de trabalho é muito restrito e os Cabines de Segurança Biológica (BSCs) são usados para todos os trabalhos com materiais que possam conter o patógeno.

BSL-4: grupo de risco de agentes biológicos que causam doenças sérias em humanos, animais ou vegetais e que são geralmente incuráveis.

BSL-4 é reservado para patógenos que causam doenças com altas taxas de letalidade e para as quais não existem tratamentos ou vacinas eficazes, por exemplo, o vírus de Marburg.

Também pode ser usado para agentes cujas características são desconhecidas ou não totalmente compreendidas, como uma nova cepa de influenza ou uma doença que não foi observada anteriormente em humanos.

Além dos procedimentos para BSL-3, todos os funcionários devem trabalhar com roupas de pressão de corpo inteiro com seu próprio suprimento de ar e devem tomar banho antes de sair.

Todos os materiais que saem do laboratório devem ser descontaminados.

Tipos de perigos biológicos

Os riscos biológicos incluem:

Vírus
Toxinas de fontes biológicas
Esporos
Fungos
Microorganismos patogênicos
Substâncias bioativas.

Medidas preventivas e de controle

A eliminação da fonte de contaminação é fundamental para a prevenção e controle de riscos biológicos.

Controles de engenharia, como melhoria da ventilação, isolamento parcial da fonte de contaminação, instalação de pressão negativa e sistema de ventilação e ar condicionado separado (por exemplo, em enfermarias médicas para doenças infecciosas) e o uso de lâmpadas ultravioleta pode ajudar a conter a disseminação de contaminantes.

Se o contato com riscos biológicos não puder ser evitado, os colaboradores devem utilizar equipamentos de proteção pessoal e seguir estritamente as práticas de higiene pessoal.

O equipamento de proteção pessoal inclui máscaras, luvas, roupas de proteção, protetores oculares, protetores faciais e protetores de sapatos

Fonte: www.ccohs.ca/www.sciencedirect.com/www.oshc.org.hk/www.cfs.gov.hk/www.wisegeek.org/www.publichealthontario.ca/www.worksafe.qld.gov.au/www.comcare.gov.au

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …