Breaking News
Home / Biologia / Pepsina

Pepsina

PUBLICIDADE

Pepsina é uma enzima, produzida no estômago, que na presença de ácido clorídrico divide proteínas em proteoses e peptonas.

O que é Pepsina?

Uma proteína produzida no estômago, a pepsina inicia o processo de digestão das proteínas encontradas nos alimentos.

É produzido de forma inativa e é ativado pelo ácido clorídrico (HCl) no estômago.

Os fragmentos de proteínas produzidos a partir dele continuam a ser ainda mais degradados no intestino por outras proteínas.

A pepsina foi a primeira enzima a ser identificada.

As proteínas são moléculas compostas por grandes cadeias de aminoácidos, que são ligadas por ligações peptídicas.

Pequenas cadeias de aminoácidos são conhecidas como peptídeos, enquanto cadeias maiores são chamadas de polipeptídeos. Aminoácidos e peptídeos pequenos são absorvidos pelos revestimentos intestinais e usados como combustível ou como blocos de construção de novas proteínas.

As enzimas catalisam reações para fazê-las acontecer mais rapidamente.

As proteases são enzimas que degradam proteínas.

Pepsina é a protease digestiva que inicia a degradação de proteínas no estômago. Juntamente com quimotripsina e tripsina no intestino delgado, degrada as proteínas ingeridas como alimento.

Todas essas enzimas têm requisitos específicos para seus alvos e só atacam proteínas no local de aminoácidos específicos – como os aminoácidos aromáticos fenilalanina, triptofano ou tirosina, no caso da pepsina.

Para proteger o tecido circundante contra danos, as proteases digestivas são produzidas em uma forma inativa conhecida como zimogênio. O zimogênio da pepsina é chamado de pepsinogênio. Possui 44 aminoácidos extras ligados à molécula. O pepsinogênio permanece inativo até ser secretado nos líquidos gástricos do estômago e encontrar o ácido clorídrico (HCl).

A pepsina e o ácido clorídrico (HCl) são secretados separadamente e não se encontram até que se tornem parte dos sucos gástricos.

A produção de suco gástrico é estimulada pelo sabor ou cheiro dos alimentos, o que desencadeia a produção de um hormônio chamado gastrina.

O ácido clorídrico (HCl) reduz drasticamente o pH do conteúdo do estômago para pH 1-3.

Nesse ambiente ácido, o pepsinogênio se desdobra e quebra seus 44 aminoácidos extras. Isso ativa a enzima, para que ele possa começar a digerir proteínas. Também cliva outras moléculas de pepsinogênio e as ativa.

O ambiente ácido ajuda a enzima desnaturando proteínas e causando uma mudança em sua estrutura tridimensional. Isso expõe mais de seus peptídeos a serem acessíveis a essa enzima digestiva.

Essa exposição ajuda na sua degradação.

Os produtos de degradação esvaziam do estômago para o intestino delgado. Uma vez que os produtos da pepsina são apenas parcialmente clivados, eles são polipeptídeos.

Essas moléculas são grandes demais para serem absorvidas pelas células intestinais. Eles são ainda mais degradados por quimotripsina, tripsina e enzimas específicas que degradam peptídeos.

Uma vez que esses polipeptídeos foram decompostos em aminoácidos e pequenos peptídeos, eles podem ser absorvidos pelas células intestinais e usados como nutrientes para o corpo.

Descrição

A pepsina é uma enzima potente do suco gástrico que digere proteínas como as da carne, ovos, sementes e laticínios.

Estudos sobre digestão gástrica de 1820 a 1840 levaram à descoberta da pepsina como substância que, na presença de ácido estomacal, causa a dissolução de nutrientes, incluindo carne ou clara de ovo coagulada.

Logo depois, foi demonstrado que esses nutrientes proteicos foram clivados pela pepsina em produtos chamados peptonas.

A pepsina é frequentemente usada como uma enzima de reposição para aqueles com insuficiência pancreática.

A estimulação do pâncreas e, portanto, a digestão enzimática dos alimentos é um processo fortemente controlado e é um processo mediado hormonalmente.

Quaisquer alterações ou condições que afetem as etapas metabólicas para uma digestão e absorção bem-sucedidas afetam negativamente a secreção enzimática pancreática, a entrada no intestino, a funcionalidade uma vez dentro do intestino e a mistura apropriada com alimentos/nutrientes.

Muitas causas de insuficiência pancreática requerem o início da terapia de reposição enzimática, incluindo fibrose cística, câncer de pâncreas, pancreatite aguda e crônica, além de cirurgia pancreática.

Pepsina são enzimas são responsáveis por acelerar a velocidade das reações químicas em nosso estômago

Fonte: Editores Portal São Francisco

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Ecologia dos Insetos

PUBLICIDADE A ecologia de insetos é o estudo científico de como os insetos, individualmente ou …

Esfingomielina

PUBLICIDADE Definição Esfingomielina é qualquer grupo de fosfolipídios que ocorre principalmente no cérebro e medula …

Exoesqueleto

PUBLICIDADE Um exoesqueleto é a estrutura de suporte de um organismo que é a parte …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *