Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Biologia / Origem da Vida

Origem da Vida

PUBLICIDADE

 

Origem da Vida
Origem da Vida

Evolução abrange uma ampla gama de fenômenos: a partir do surgimento de grandes linhagens, a extinções em massa , para a evolução de bactérias resistentes aos antibióticos nos hospitais hoje. No entanto, dentro do campo da biologia evolutiva, a origem da vida é de especial interesse, pois ele aborda a questão fundamental de onde nós (e todos os seres vivos) viemos.

Muitas linhas de evidência ajudar a iluminar a origem da vida: fósseis antigos, de datação radiométrica, os filogenética e Química de organismos modernos, e até mesmo experiências. No entanto, uma vez que novas evidências está constantemente a ser descobertas, hipóteses sobre como a vida se originou pode mudar ou ser modificado. É importante ter em mente que as alterações dessas hipóteses são uma parte normal do processo da ciência e que eles não representam uma mudança na base da teoria da evolução.

A primeira teoria criteriosa sobre a origem da vida surge na Grécia Antiga, com Aristóteles, que formula a hipótese de geração espontânea.

Até então, predominavam as explicações religiosas e místicas.

A doutrina de Aristóteles domina os meios científicos por quase 2 mil anos. Só em 1864 que Pasteur prova que a vida surge sempre a partir de outra forma de vida semelhante e não de matéria inorgânica.

Geração espontânea

Segundo o princípio da geração espontânea ou abiogênese formulado por Aristóteles, alguns seres vivos se desenvolvem a partir da matéria inorgânica em contato com um princípio vital, ou “princípio ativo”. A vida surgiria sempre que as condições do meio fossem favoráveis. Mosquitos e sapos, por exemplo, brotariam nos pântanos. De matérias em putrefação, apareceriam larvas.

EXPERIÊNCIA DE REDI

Em 1668 Francesco Redi (1624-1694) começa a testar empiricamente a hipótese da geração espontânea. Coloca pedaços de carne em dois frascos abertos.

Cobre um deles com uma fina camada de gaze. Observa que os dois frascos são rodeados por moscas, mas elas só podem pousar no pedaço de carne descoberto. Depois de alguns dias, os dois pedaços apodrecem, mas surgem larvas apenas no frasco aberto. Redi conclui que as larvas surgem de ovos colocados pelas moscas. Prova assim que a vida não surge espontaneamente em qualquer circunstância. Apesar da contribuição de Redi, a abiogênese ainda irá prevalecer por mais um século.

Epigênese

Descrita em 1759 pelo embriologista alemão Kaspar Friedrich Wolff (1733-1794). Ao estudar o desenvolvimento de embriões em ovos de galinha conclui que um novo ser forma-se gradualmente a partir de uma massa de matéria viva, sem estrutura pré-formada.

Biogênese

Em 1864 o químico e biologista francês Louis Pasteur (1822-1895) realiza uma série de experiências com os frascos com “pescoço de cisne” e demonstra que não existe no ar ou nos alimentos qualquer “princípio ativo” capaz de gerar vida espontaneamente. Abre caminho para a biogênese, segundo a qual a vida se origina de outro ser vivo preexistente.

Origem da Vida na Terra

Até hoje não existe uma resposta científica definitiva sobre a origem da vida no planeta. A primeira idéia foi a de que a vida teria vindo do espaço, fruto de uma “semente” de outro planeta. Hoje a hipótese mais difundida é a da origem terrestre. A vida surge há cerca de 3,5 bilhões de anos quando o planeta tem uma composição e atmosfera bem diferentes das atuais. As primeiras formas surgem em uma espécie de caldo de cultura resultante de complexas reações químicas e de radiação cósmica.

Quimiossíntese

É a hipótese de que as primeiras formas de vida na Terra estão condicionadas à existência prévia de compostos orgânicos (proteínas, carboidratos, lipídios e ácidos nucléicos). A energia necessária para a síntese destes complexos seria fornecida pelas radiações ultravioleta e cósmica. Em 1936 Alexander Oparin propõe que a partir de gases da atmosfera primitiva formam-se os primeiros compostos orgânicos que evoluem naturalmente até originarem os primeiros seres vivos.

Teoria dos coacervados

Anos depois, Oparin diz que as moléculas protéicas existentes na água se agregam na forma de coacervados (complexos de proteína). Essas estruturas, apesar de não serem vivas, têm propriedades osmóticas e podem se unir, formando outro coacervado mais complexo. Da evolução destes coacervados, surgem as primeiras formas de vida.

Referências bibliográficas

HULL, David L. Filosofia da ciência biológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1975, c1974.
HOLLIDAY,Robin. A ciência do progresso humano. Belo Horizonte: USP, 1983.
MAYR, Ernst. O desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Brasília, D.F: Ed. da UnB, 1998.

Fonte: portalmeioambiente.org

Origem da Vida

Ao longo dos séculos, várias hipóteses foram formuladas por filósofos e cientistas na tentativa de explicar como teria surgido a vida em nosso planeta. Até o século XIX, imaginava-se que os seres vivos poderiam surgir não só a partir do cruzamento entre si, mas também a partir da matéria bruta, de uma forma espontânea. Essa idéia, proposta há mais de 2 000 anos por Aristóteles, era conhecida pôr geração espontânea ou abiogênese. Os defensores dessa hipótese supunham que determinados materiais brutos conteriam um “princípio ativo”, isto é, uma “força” capaz de comandar uma série de reações que culminariam com a súbita transformação do material inanimado em seres vivos.

O grande poeta romano Virgílio (70 a.C.-19 a.C.), autor das Écoglas e da Eneida, garantia que moscas e abelhas nasciam de cadáveres em putrefação.

Já na Idade Média, Aldovandro afirmava que, o lodo do fundo das lagoas, poderiam, poderiam nascer patos e morcegos. O padre Anastásio Kircher (1627-1680), professor de Ciência do Colégio Romano, explicava a seus alunos que do pó de cobra, espalhado pelo chão, nasceriam muitas cobras.

No século XVII, o naturalista Jan Baptiste van Helmont (1577-1644), de origem belga, ensinava como produzir ratos e escorpiões a partir de uma camisa suada, germe de trigo e queijo.

Nesse mesmo século, começaram a surgir sábios com novas ideias, que não aceitavam a abiogênese e procuravam desmascará-la, com suas experiências baseadas no método científico.

Abiogênese X biogênese

Origem da Vida

Em meados do século XVII, o biólogo italiano Francesco Redi (elaborou experiências que, na época, abalaram profundamente a teoria da geração espontânea.

Colocou pedaços de carne no interior de frascos, deixando alguns abertos e fechando outros com uma tela. Observou que o material em decomposição atraía moscas, que entravam e saíam ativamente dos frascos abertos. Depois de algum tempo, notou o surgimento de inúmeros “vermes” deslocando-se sobre a carne e consumindo o alimento disponível. Nos frascos fechados, porém, onde as moscas não tinham acesso à carne em decomposição, esses “vermes” não apareciam . Redi, então, isolou alguns dos “vermes” que surgiram no interior dos frascos abertos, observando-lhes o comportamento; notou que, após consumirem avidamente o material orgânico em putrefação, tornavam-se imóveis, assumindo um aspecto ovalado, terminando por desenvolver cascas externas duras e resistentes. Após alguns dias, as cascas quebravam-se e, do interior de cada unidade, saía uma mosca semelhante àquelas que haviam pousado sobre a carne em putrefação.

A experiência de Redi favoreceu a biogênese, teoria segundo a qual a vida se origina somente de outra vida preexistente.

Quando Anton van Leeuwenhoek (1632-1723), na Holanda, construindo microscópios, observou pela primeira vez os micróbios, reavivou a polêmica sobre a geração espontânea, abalando seriamente as afirmações de Radi.

Foi na Segunda metade do século passado que a abiogênese sofreu seu golpe final. Louis Pasteur (1822-1895), grande cientista francês, preparou um caldo de carne, que é excelente meio de cultura para micróbios, e submeteu-o a uma cuidadosa técnica de esterilização, com aquecimento e resfriamento. Hoje, essa técnica é conhecida como “pasteurização”.

Uma vez esterilizado, o caldo de carne era conservado no interior de um balão “pescoço de cisne”.

Devido ao longo gargalo do balão de vidro, o ar penetrava no balão, mas as impurezas ficavam retidas na curva do gargalo. Nenhum microrganismo poderia chegar ao caldo de carne. Assim, a despeito de estar em contato com o ar, o caldo se mantinha estéril, provando a inexistência da geração espontânea. Muitos meses depois, Pasteur exibiu seu material na Academia de Ciências de Paris. O caldo de carne estava perfeitamente estéril. Era o ano de 1864. A geração espontânea estava completamente desacreditada.

Como surgiu o primeiro ser vivo?

Desmoralizada a teoria da abiogênese, confirmou-se a idéia de Prayer: Omne vivium ex vivo, que se traduz por “todo ser vivo é proveniente de outro ser vivo”.

Isso criou a seguinte pergunta: se é preciso um ser vivo para originar outro ser vivo, de onde e como apareceu o primeiro ser vivo?

Tentou-se, então, explicar o aparecimento dos primeiros seres vivos na Terra a partir dos cosmozoários, que seriam microrganismos flutuantes no espaço cósmico. Mas existem provas concretas de que isso jamais poderia ter acontecido. Tais seres seriam destruidor pelos raios cósmicos e ultravioleta que varrem continuamente o espaço sideral.

Em 1936, Alexander Oparin propõe uma nova explicação para o origem da vida.

Sua hipótese se resume nos seguintes fatos:

Na atmosfera primitiva do nosso planeta, existiriam metano, amônia, hidrogênio e vapor de água.

Sob altas temperaturas, em presença de centelhas elétricas e raios ultravioleta, tais gases teriam se combinado, originando aminoácidos, que ficavam flutuando na atmosfera.

Com a saturação de umidade da atmosfera, começaram a ocorrer as chuvas. Os aminoácidos eram arrastados para o solo.

Submetidos a aquecimento prolongado, os aminoácidos combinavam-se uns com os outros, formando proteínas.

As chuvas lavavam as rochas e conduziam as proteínas para os mares. Surgia uma “sopa de proteínas” nas águas mornas dos mares primitivos.

As proteínas dissolvidas em água formavam colóides. Os colóides se interpenetravam e originavam os coacervados.

Os coacervados englobavam moléculas de nucleoproteínas. Depois, organizavam-se em gotículas delimitadas por membrana lipoprotéica. Surgiam as primeiras células.

Essas células pioneiras eram muito simples e ainda não dispunham de um equipamento enzimático capaz de realizar a fotossíntese. Eram, portanto, heterótrofas.

Só mais tarde, surgiram as células autótrofas, mais evoluídas. E isso permitiu o aparecimento dos seres de respiração aeróbia.

Atualmente, se discute a composição química da atmosfera primitiva do nosso planeta, preferindo alguns admitir que, em vez de metano, amônia, hidrogênio e vapor de água, existissem monóxido de carbono, dióxido de carbono, nitrogênio molecular e vapor de água.

Oparin não teve condições de provar sua hipótese. Mas, em 1953, Stanley Miller, na Universidade de Chigago, realizou em laboratório uma experiência.

Colocou num balão de vidro: metano, amônia, hidrogênio e vapor de água. Submeteu-os a aquecimento prolongado. Uma centelha elétrica de alta tensão cortava continuamente o ambiente onde estavam contidos os gases. Ao fim de certo tempo, Miller comprovou o aparecimento de moléculas de aminoácido no interior do balão, que se acumulavam no tubo em U.

Pouco tempo depois, em 1957, Sidney Fox submeteu uma mistura de aminoácidos secos a aquecimento prolongado e demonstrou que eles reagiam entre si, formando cadeias peptídicas, com o aparecimento de moléculas protéicas pequenas.

As experiências de Miller e Fox comprovaram a veracidade da hipótese de Oparin.

Existe vida no planeta Terra!

Das duas, uma: Ou a vida se formou aqui, a partir dos elementos quimicos que deram origem ao nosso planeta (“Geração Espontânea”); ou a vida veio de fora, em estágio de desenvolvimento que pode ter sido mais ou menos complexo (“Panspermia”).

“A Origem da Vida” é uma das grandes questões científicas da Humanidade e tem sido abordada pelos mais ilustres pensadores há milênios.

Anaxágoras, precessor de Sócrates, advogava a favor da “Panspermia”.

Aristóteles defendia a “Geração Espontânea”. Foi ele o formulador da primeira teoria científica de origem da vida, que conhecemos.

De acordo com sua teoria, existiriam dois princípios: um passivo, que é a matéria e outro ativo, que é a forma. Dentro de certas condições esses dois princípios se combinariam, originando a “vida”. Assim se explicava como carne podre gerava larvas de moscas, por exemplo.

A teoria da Geração Espontânea tem tido a preferência da ciência há mais de 2.000 anos. Durante a idade média, contou com inúmeros ilustres defensores, tais como Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, René Descartes e Isaac Newton.

Um dos primeiros opositores de destaque à “teoria oficial” da Geração Espontânea foi o médico e naturalista florentino Francesco Redi (1626-1698). Em resposta a Aristóteles, Redi demonstrou experimentalmente que só aparecem larvas de moscas na carne podre, quando deixamos moscas pousar nessa carne.

A teoria da Geração Espontânea, tal como formulada por Aristóteles, só foi refutada definitivamente no século XIX, graças ao trabalho de Louis Pasteur.

Com o reconhecimento que a vida provém sempre de outras formas de vida, Lord Kelvin, um dos mais importantes cientistas do final do século XIX, retomou a teoria da Panspermia, segundo a qual a vida teria sido “semeada” em nosso planeta, vinda do espaço.

Nas últimas décadas cresceram mais as dúvidas, que o nosso entendimento relativos à teoria da Geração Espontânea. Essa teoria continua sendo a mais aceita, menos por “evidências” a seu favor e mais pela nossa dificuldade no entendimento de certas questões básicas relativas à Panspermia (Como a vida poderia sobreviver à radiação emitida pelas estrelas e presente por toda Galáxia?; Como a vida poderia ter “viajado” até nosso planeta?; etc.)

No século passado a idéia “panspermica” resurgiu com força. Algumas teorias espetaculosas, tal como a “Panspermia Dirigida” de Francas Circo e Lesei Orle, foram muito discutidas, principalmente por seu forte apelo entre os amantes da ficção científica. Segundo esses autores, seres inteligentes pertencentes a outros sistemas planetários, teriam colonizado a Terra e provávelmente outros planetas. O grande argumento a favor dessa teoria estaria no fato do molibdênio, elemento raro no nosso planeta, ser essencial para o funcionamento de muitos enzimas chave do metabolismo dos seres vivos.

A Nova Panspermia

Fred Hoyle foi um dos maiores defensores da Panspermia. Juntamente com Chandra Wickramasinghe, formulou a “Nova Panspermia”, teoria segundo a qual vida se encontra espalhada por todo o universo. “Esporos de vida” fazem parte das nuvens interestelares e chegam a planetas próximos às estrelas, abrigados no núcleo de cometas. Esses “esporos” já conteriam códigos que regeriam seus desenvolvimentos futuros.

Uma teoria para ser científica, deve, pelo menos em princípio, poder ser verificada na prática.

Hoyle e Wickramasinghe, e agora apenas Wickramasinghe, têm procurado identificar os componentes presentes na poeira interestelar, através de “traços” que esses componentes possam ter deixado na radiação infravermelha emitida por essa poeira ou na absorção da luz visível que atravessa essas nuvens.

Através dessas análises, na década de 70, constataram a presença de “polímeros” complexos, especialmente moléculas de “poliformaldeídos” no espaço. (Essas moléculas estão fortemente relacionadas à celulose.) Hoyle e Wickramasinghe se convenceram que polímeros orgânicos representam uma fração significativa da poeira interestelar.

E seriam os cometas os semeadores desses esporos de vida através do universo?

A análise de meteoritos procurando a identificação de “vida fossilizada”, tal como foi amplamente divulgada na década passada através dos estudos realizados sobre o meteorito de nome EETA79001 (de origem provável de Marte), está ainda longe de nos dar resultados conclusivos.

Mas essa questão pode estar próxima de ser definitavamente respondida. A “Agência Espacial Norte Americana” (NASA), através do programa “Stardust”, pretende, ainda na década atual, colher e analisar amostras de núcleos cometários. Será a constatação “in loco” da existência ou não de vida nos cometas.

A primeira possível identificação de vida microscópica extraterrestre, entretanto, foi divulgada em julho passado. Falando em um congresso de especialistas em San Diego (EUA), Wickramasinghe apresentou resultados da análise de amostras de ar da estratosfera, colhidas por balões da “Organização de Pesquisas Espaciais Indiana” (ISRO).

Segundo Wickramasinghe, foram encontradas evidências muito fortes da presença de vida microscópica à altura de 41 km do solo; bem acima do limite máximo (16 km) onde é admitido o alcance natural de ar e outros materiais das camadas mais baixas da atmosfera.

Esses resultados atendem à Nova Panspermia. Vida na Terra não apenas teria chegado “a bordo” de cometas e material cometário, há bilhões de anos atrás, mas continua ainda hoje nos alcançando em grande quantidade.

Fonte: members.tripod.com

Origem da Vida

Como todos os outros organismos, as plantas têm uma longa história evolutiva.

O próprio planeta Terra – um aglomerado de pó e gases girando em torno da órbita de uma estrela que é o nosso Sol – tem 4,5 bilhões de anos.

Os fósseis mais antigos que conhecemos datam de 3,5 bilhões de anos e consistem em diversos tipos de pequenas células, relativamente simples.

Estes fósseis foram encontrados em algumas das mais velhas rochas da Terra.

À medida que os acontecimentos vão sendo reconstituídos, conclui-se que estas primeiras células eram formadas por uma série de eventos aleatórios.

Imagine a Terra envolta por gases que eram expelidos por um número incontável de vulcões. Esta atmosfera primitiva parece Ter sido composta basicamente por gases de nitrogênio, misturados com grande quantidade de dióxido de carbono e vapor de água. Estas três moléculas contêm os elementos químicos carbono, oxigênio, nitrogênio e hidrogênio, os quais compõem aproximadamente 98% da matéria encontrada nos organismos vivos de hoje.

Através da fina atmosfera, os raios de sol iluminavam a áspera e nua superfície da jovem Terra, bombardeando-a com luz, calor e radiação ultravioleta. Moléculas de gases como o sulfeto de hidrogênio, amônia e metano também parecem Ter estado presentes na atmosfera primitiva. Ao contrario, o gás oxigênio, que agora perfaz aproximadamente 21% da nossa atmosfera, não foi formado até que os organismos vivos aparecessem e iniciassem a fotossíntese. Então as primeiras etapas da evolução da vida ocorreram em uma atmosfera anaeróbia ( sem oxigênio ).

À medida que a crosta da Terra foi resfriando e estabilizando-se, tempestades violentas ocorreram, acompanhadas de raios e descargas de energia elétrica.

Substancias radioativas na Terra emitiam grandes quantidades de energia, e pedras derretidas e água fervente saíam do interior da superfície da Terra. A energia nes

ta vasta fornalha quebrava os gases da atmosfera e reorganizava-os em moléculas maiores e mais complexas. A luz ultravioleta banhava a superfície da Terra, quebrando ainda estas moléculas e gases e causando a formação de outras moléculas novas.

As teorias atuais propõem que os compostos formados na atmosfera primitiva tenderiam a ser precipitados desta pelas fortes chuvas, sendo coletados nos oceanos, que cresciam à medida que a Terra se resfriava. Usando os mesmos gases que teoricamente existiam naquela época, os pesquisadores fizeram experimentos nos quais eles simulavam as condições imaginadas naquele momento primitivo da Terra. Sob estas condições experimentais, formaram-se complexas moléculas orgânicas, semelhantes àquelas que são essenciais para a formação de toda a vida. Na Terra primitiva, os oceanos, e provavelmente pequenas piscinas próximas aos vulcões, se tornaram cada vez mais ricos na mistura de tais moléculas orgânicas.

Verifica-se que algumas moléculas orgânicas têm a tendência de se agregarem em grupos. Nos oceanos primitivos estes grupos provavelmente tinham a forma de gotículas, semelhantes às gotas formadas pelo óleo na água. Tais gotículas formadas por moléculas orgânicas aparentemente foram os primórdios das células primitivas, as primeiras formas de vida.

Segundo teorias recentes, estas moléculas orgânicas também serviram como fonte de energia para estas formas primitivas de vida. A célula primitiva ou estruturas semelhantes à célula eram capazes de utilizar estes compostos abundantes para satisfazer suas necessidades energéticas. À medida que elas evoluíram e se tornaram mais complexas, estas células eram cada vez mais capazes de controlar seu próprio destino. Com este aumento de complexidade, elas adquiriram capacidade de crescer, de se reproduzir e de passar suas características para as gerações subsequentes.

Células que satisfazem suas necessidades energéticas ao consumirem compostos orgânicos produzidos por fontes externas são denominadas heterotróficas ( do grego heteros, outros, e trophos, que come ). Um organismo heterotrófico é aquele que depende de uma fonte externa de moléculas orgânicas para obtenção de sua energia. Atualmente, esta categoria de organismos inclui todos os organismos vivos classificados como fungos ou animais e diversos organismos unicelulares – a maioria das bactérias e alguns protistas.

Fonte: www.bio2000.hpg.ig.com.br

Origem da Vida

GERAÇÃO ESPONTÂNEA FIXISMO, CRIACIONISMO E EVOLUCIONISMO

Quando o Homem se começou a dar conta dos seres vivos que o rodeavam, tornou-se necessário explicar o aparecimento destes, bem como o seu próprio aparecimento. Foi então que surgiram algumas teorias cujo objetivo era explicar o surgimento e desenvolvimento das espécies vivas.

Como se sabe, segundo algumas crenças, existe uma ou várias entidades todo-poderosas responsáveis pela criação de tudo o que conhecemos. Estas crenças, bem como a aparente ideia de que os animais, geração após geração, permanecem imutáveis, levaram ao aparecimento do princípio, que durante muitas centenas de anos foi tido como certo, de que a entidade toda poderosa era perfeita, pelo que tudo o que criava teria de ser perfeito também.

Assim, surgiu a teoria fixista:

Fixismo: Esta teoria pretende explicar o surgimento das espécies, afirmando que estas surgiram sobre a Terra, cada qual já adaptada ao ambiente onde foi criada, pelo que, uma vez que não havia necessidade de mudanças, as espécies permaneciam imutáveis desde o momento em que surgiram. Deste modo, e de acordo com esta teoria, não haveria um antepassado comum.

No entanto, para a explicação do surgimento das espécies primordiais há várias opiniões:

Anaximandro (611-546 a.C.): Este autor considerava que os primeiros animais surgiram de uma “vasa marinha” a partir da qual surgiram todos os outros animais; o Homem teria surgido do ventre dos peixes.

Deste modo, desenvolveram-se dentro do fixismo outras teorias que pretendiam explicar o surgimento das espécies:

Geração espontânea

Segundo Aristóteles, autor desta teoria, e influenciado pela teoria platónica da existência de um mundo das imagens, afirmava que as espécies surgem por geração espontânea, ou seja, existiam diversas fórmulas que dariam origem às diferentes espécies. Isto é, segundo ele, os organismos podem surgir a partir de uma massa inerte segundo um princípio ativo. (Por exemplo, nascer um rato da combinação de uma camisa suja e de um pouco de milho).

A geração espontânea permaneceu como ideia principal do surgimento das espécies devido à influência que as crenças religiosas incutiam na civilização ocidental, principalmente. Assim, a geração espontânea tornou-se uma ideia chave para a teoria que surgiria a seguir

Criacionismo

O criacionismo era visto por teólogos e filósofos de modos diferentes: os teólogos afirmavam que Deus, o ser supremo e perfeito, tinha criado todos os seres e, uma vez que era perfeito, tudo o que criava era perfeito também, pelo que as espécies foram colocadas no mundo já adaptadas ao ambiente onde foram criadas, e permaneceram imutáveis ao longo dos tempos; os filósofos, embora também apoiassem a criação das espécies por Deus, acrescentavam que, quando se verificava uma imperfeição no mundo vivo, esta devia-se ao ambiente, que era corrupto e mutável, portanto imperfeito.

Assim, e segundo esta teoria, o aparecimento de novas espécies eram impensável, bem como a extinção de outras.

Evolucionismo

O fixismo, embora fosse a ideia mais facilmente aceite, não prevaleceu para sempre, e foi ao longo dos tempos sendo substituído pelo evolucionismo. Esta ideia, como o nome indica, apoia o princípio que afirma que as espécies não permaneceram imutáveis ao longo dos milénios e que, portanto, evoluiram.

No entanto, o aparecimento das teorias evolucionistas apenas foi possível devido a algumas descobertas decisivas:

A sistemática: Estudo e nomenclatura das espécies atuais
A paleontologia:
O estudo dos fósseis, que são registos valiosos das espécies que existiram em tempos antigos.

Século XIX – mecanismos de evolução

Este século foi um século de mudança, o século em que a visão de um mundo estático foi abolida. Isto deveu-se em parte devido a novos desenvolvimentos, que permitiram concluir que era a Terra que girava em torno do Sol e não vice-versa, foi a época dos descobrimentos, chegando ao mundo ocidental novas plantas e animais exóticos, surge a prova de que a Terra, ao contrário do que se pensava, tem milhões de anos.

Foram também estabelecidos uma série de princípios, entre os que os quais: a uniformidade das leis naturais, pois estas mantêm-se em todo o espaço e em todo o tempo; o princípio das causas atuais, que diz que aquilo que ocorreu no passado continua a ocorrer atualmente; e o fato de a que maior parte das mudanças geológicas são lentas e graduais.

Foi então que pôde ser explicada a existência das lacunas estratigráficas: uma vez que a deposição de sedimentos que viesse dar origem a fósseis foi exposta a um agente erosivo, a camada formada não sobreviveu, pelo que não haverão determindos fósseis de espécies de transição.

Fonte: www.trabalhoescolar.hpg.ig.com.br

Origem da Vida

Esta é uma pergunta que tem gerado diferentes respostas em diferentes épocas. A teoria da Abiogênese ou Geração Espontânea dizia que um ser vivo vinha de uma matéria bruta após ser influenciado por uma ação chamada princípio ativo. Qualquer coisa poderia ser o princípio ativo, como a água, a lama, a palha a madeira.

Van Helmont divulgou uma receita para criar camundongos aonde deveria ser colocada uma camisa suada em contato com gérmen de trigo, abandonada em um lugar escuro, após 21 dias, produziria ratos. Neste caso o princípio ativo seria o suor humano.

Francesco Redi

Foi o primeiro a contestar a abiogênese a partir de resultados de experiências:

1° Experiência

Ele colocou enguias mortas em uma caixa aberta e após certo tempo vermes surgiram e devoraram a carcaça do animal. Quando estava apenas o esqueleto, os animais abandonaram a a caixa sem que Redi pudesse conhecer seu destino.

2° Experiência

Redi repetiu a experiência anterior, colocando as três enguias na caixa e dias depois estavam ceias de vermes, e para descobrir o destino dos vermes ele tampou a caixa e observou que alguns dias depois se ficaram imóveis e ovais e depois esses “ovos” eclodiram em moscas

3° Experiência

Ele repetiu a experiência só que desta vez com vários pedços de carnes e as colocou em 8 frascos de vidros. Quatro deles ficaram abertos e quatro ficaram fechados. Depois de alguns dias os frascos abertos estavam cheios de vermes e os que estavam fechados não possuiam vermes.

4° Experiência

Para evitar uma contestação de que os frascos fechados haviam quebrado o “pricípio ativo” quando obstruíram a entrada do ar, Redi repetiu a experiência cobrindo os frascos com uma gaze fina que que permitia a circulação do ar e impedia a penetração de moscas. Não surgiram vermes e ele confirmou a origem dos insetos e criou a concepção da Biogênese

Após alguns anos a teoria da Geração espontânea não havia sido esquecida. O naturalista Anton van Leeuwenhoek ao observar em um microscópio rudimentar a existência de microorganismos e como não havia explicação para o fato ficou reaberta a polêmica entre Biogênese e Abiogênese.

No século seguinte, em 1745, John Needhan revigorou a teoria da Abiogênese. Ele aqueceu um caldo nutritivo de frango, fechou-o e aqueceu eles novamente.

Após alguns dias ele observou no microscópio que o clado estava repleto de microorganismos. Repetiu a experiência com outros meios de cultura e obteve o mesmo resultado. Isso foi o suficiente para defender a teoria da Geração Espontânea.

Vinte e cinco anos depois o padre Lazzaro Spallanzani repetiu as experiências de John Needhan só que desta fez fechou com mais cuidados os frascos e aqueceu aamostra por 1 hora. Nenhum microorganismo surgiu em mesês. Ele argumentou que John Needhan não havia aquecido o suficiente para matar os microorganismos. Needhan contra-argumentou dizendo que os frascos hermeticamente fechados e o aquecimento excessivo haviam quebrado o pricípio ativo. A teoria da Abiogênese se manteve até a segunda metade do século XIX

Entre os anos de 1860 e 1864, o cientista francês Louis Pasteur adaptou a experiência de Spallanzani. Colocou caldo de carbe em um balão de vidro com um longo gargalko, submetendo-o a um aquecimento prolongado seguido de um lento resfriamento (pasteurização). O caldo ficou completamente esterelizado. A seguir retorceu os gargalo do blão de vidro e deixou com forma de “s” criando o balão “pescoço de cisne”. Pasteur não tampou o frasco permitindo o contato com o ar (derrubando o argumento de Needhan) .No entanto o líquido permaneceu estéril por meses. As curvas do pescoço do frasco funcionaram como um tipo de “filtro”, impedindo a penetração de microorganismos que pudessem contaminar o caldo. Ele apresentou a experiência a Academia de Ciência e derrubou a Abiogênese e a Biogênese triunfou.

Com a consolidação da Teoria da Biogênese surgiram muitas perguntas sem respostas aparentes. Se todo ser vivo nasce de um pré-existente, quando e como surgiu a primeira forma de vida?

Para responder a esta e outras perguntas foram criadas outras teorias:

Panspermia Cósmica ou Panspermismo

Esta teoria explica que a vida sempre existiu no Universo. Teria se originado em outros planetas e chagado a Terra atraves de uma possível pressão de radiação emitida por partículas luminosas. Arrhenius denominou esta forma de vida de cosmozoários e Schultz de biógenos.

Estas criaturas poderiam contaminar a superfície de qualquer planeta com condições básicas para a vida. Esta toria tem pouca aceitação.

A Hipótese Autotrófica

Os primeiros seres vivos seriam autotróficos (capazes de produzir seu próprio alimento). Os vegetais clorofilados e algumas bactérias podem produzir seu próprio alimento, mas para isso acontecer precisa ser um ser vivo complexo. E como dos mais simples originaram os mais complexos, os primeiros não poderiam ser autotróficos. Esta é uma teoria que não é aceita.

A Hipótese Heterotrófica

Esta é a teoria mais aceita e de acordo com esta teoria o primeiro ser vivo surgiu a partir da matéria bruta. E esta foi exposta a diversos fatores e condições, organizou-se de modo a fomar um ser bastante simples, incapaz de produzir seu próprio alimento, mas poderia retira-lo do meio ambiente.

A Quimiossíntese como origem da vida

Segundo o cientista Aleksandr I. Oparin em sua obra A Origem da Vida, os compostos, como aminoácidos, ácidos nucleicos, lipídios e carboidratos, teriam originado a partir de elementos da atmosfera, como o vapor d´água, hidrogênio, metano e amônia. A energia necessária para a síntese de tais substâncias seria fornecida pela raidação ultravioleta, por constantes descargas elétricas na atmosfera e pela elevada temperatura do Planeta. Para Oparin algumas substâncias de aspecto protéico presentes no oceano primitivo teriam formados agregados que tenderiam a desenvolver uma membrana. Denominados Coaservados futuramente iriam se aperfeiçoar e formar seres mais complexos e as primeiras formas de vida.

Stanley Miller interessou-se profundamente e desenvolveu um experimento onde construiu um aparelho que reproduziria as condições existentes na Terra Primitiva. O aparelho consistia em um balão de vidro em que Miller colocou os gases de Amônia, metano, vapor d´água e hidrogênio (como na atmosfera da terra primitiva). Submeteu os gases ao aquecimento elevado e a constantes descargas elétricas. O vapor d´água e o calor eram fornecidos através de um outro balão ligado ao aparelho contendo água em ebulição. Quando o vapor d´água circulava no aparelho, acabava condensando-se e precipitava-se novamente, simulando as chuvas. Uma semana após a circulação contínua dos gases no sistema, Miller coletou o produto que se acumulou em um reservatório e analisou-o resultando na presença de 1 carboidrato e 11 aminoácidos, sendo 4 deles abundantes nas proteínas encontradas nos seres vivos.

Quatro anos após a experiência Sidney W. Fox baseiu-se nos resultados de Miller e fez uma nova experiência, onde ele submeteu a um aquecimento proongado uma mistura seca de aminiácidos e, após um lento resfriamento, constatou que haviam se formado moléculas mais complexas, resultantes da união de vários aminoácidos. Os compostos formados tinham muitas características das proteínas encontradas nos seres vivos, podendo até serem decompostas por enzimas proteolíticas.

Os resultados de Miller e Fox serviram para refoçar o raciocínio de Oparin. A primeira forma de vida deveria ser unicelular, heterptrófica e sem ancestral vivo.

Essas são algumas explições que procuram esclarecer a origem da vida, mas são teorias que podem ser reformuladas ou substituídas. No entanto, apesar de serem apenas teorias, é o que temos de mais significativo para tentar elucidar o mistério da origem da vida.

Características Gerais dos Seres Vivos

Composição Química Básica

Os seres vivos possuem os mesmos elementos que são encontrados na matéria bruta. Noe netanto apresentam os chamados compostos orgânicos (que são formados pela combinação do carbono com outros elementos). Podemos concluir que uma jarra de vidro que é muito maior que uma bactéria porem é formada por apenas 2 elementos (oxigênio e silício) já a bactéria é muito mais complexa mesmo sendo menor.

Níveis de Organização Estrutural

Os níveis de organização dos seres vivos é bem definido. Onde os atómos formam as moléculas, que formam as organelas, que formam a células, que formam os tecidos (epitelial, muscular), que formam os órgãos (fígado, estômago), que formm os sistemas orgânicos (boca, faringe), que formam o organismo.

Metabolismo

Quando estamos em repouso gastamos energia portanto quando estamos em alguma atividade gastamos mui mais energia. Precisamos de uma renovação contínua de substâncias que nos forneçam muita energia. Essa reposição é feita através da nutrição (anabolismo). A queima destes compostos ricos em energia, denominada respiração celular (catabolismo), resulta em liberação de energia. O conjunto de transformações físico-químicas entre matéria e energia que ocorre nos seres vivos é denominado matabolismo. Os processos de nutrição e respiração fazem parte do conjunto de eventos do metabolismo dos seres vivos.

Observam-se dois tipos básicos de nutrição (autotrófica e heterotrófica) e da respiração (aeróbica e anaeróbica)

Nutrição Autotrófica

É realizada durante o dia pelas plantas verdes (clorofiladas), pelas algas e por certas bactérias. Estes seres usam substâncias minerais, como o gás carbônico, água e sais minerais minerais que estão disponíveis no ambiente para construírem todas as moléculas orgânicas do seu corpo (não dependem de outro ser vivo para sua sobrevivência). O ser utiliza a luz solar, as suas células clorofiladas, juntamente como o gás carbônico absorvido no ar e a água do solo para produzir a glicose (que é muito rica em energia).

CO2 + H2O –> (CH2O)n + O2 + H2O

Algumas batérias realizam a quimiossíntese (processo autotrófico) que não depende da clorofila ou da luz solar. Mas produzem a glicose para o próprio sustento.

Para tanto utilizam energia de oxidação de um composto inorgânico.

Nutrição Heterotrófica

Os seres vivos que não podem sintetizar seu próprio alimento são chamados de heterotróficos. Eles retiram o seu próprio alimento de outros seres como o bife que você come (você incorpora as moléculas e não as produz como os vegetais clorofilados). Parte das moléculas orgânicas, obtidas pelos seres vivos através da nutrição, é utilizada na reparação de perdas orgânicas (renovação celular), mas, em especial, a glicose é “degradada” para a obtenção de energia. Para a utilização da energia contida nas moléculas de glicose, os seres vivos necessitam “queima-la”. Essa “combistão” é denominada respiração celular, podendo ou não depender do oxigênio. Portanto, é possível diferenciar o processo dependente do oxigênio do não dependente.

Respiração Aeróbica

Quando você corre e seu ritmo respiratório aumenta, você vai precisar de mais energia e para ocorrer. As células musculares em atividade precisam de mais sangue rico em oxigênio para “quiemar” a glicose, que libera a energia do movimento. Esse processo também produz água e gás carbônico que normalmente são eliminados pelo organismo.

Respiração Anaeróbica

A respiração anaeróbica consiste em um processo de “queima” da glicose com um rendimento energético inferior ao da respiração aeróbica. Alguns fungos e bactérias realizam a respiração anaeróbica. Em vez de oxigênio eles usam enzimas que degradam a glicose, liberando energia e formando outras substâncias.

Fonte: www.unificado.com.br

Origem da Vida

De acordo com os cientistas, nosso planeta deveria ter sido uma enorme massa pastosa incandescente que ao longo do tempo se resfriou, desprendendo gases e vapores. Uma parte desses vapores, que deveria ser o vapor-d’água, à medida que se afastava da massa incandescente, resfriava-se e se transformava em água líquida, caindo em forma de chuva. Assim, repetindo-se por muitas vezes, a superfície da Terra foi se esfriando lentamente e grandes quantidades de água foram nela se acumulando.

Ao longo do tempo, ela sofreu muitas outras transformações. Os continentes, os oceanos e até a composição do ar mudaram para a Terra ser o que é hoje.

A Biosfera

A visão que se tem da Terra é mesmo fantástica!

A biosfera (bio = vida), a nossa “esfera de vida”, é o ambiente onde vivemos, onde a vida surge e se mantém, brotando dos solos, penetrando nas águas e flutuando no mar.

Ela é formada por três grandes porções: a atmosfera, a hidrosfera e a litosfera.

A atmosfera (atmo = gás, vapor) é uma grossa camada de ar que abriga as nuvens e dá calor ao céu. Fornece o ar que respiramos e atua como um “cobertor”, protegendo e cobrindo a Terra.

A hidrosfera (hidro = água) é formada por grandes quantidades de água na forma líquida: os rios, lençóis de água subterrâneos, lagos e oceanos. Esta porção fornece a água de que tanto precisamos. A hidrosfera apresenta também água no estado sólido (gelo) localizada nas regiões onde a temperatura é abaixo de zero graus Celsius, como nos pólos.

As montanhas, os desertos, as planícies, outras áreas de terra firme e até alguns quilômetros abaixo da superfície do solo fazem parte da litosfera (lito = pedra) ou crosta terrestre. Nossas riquezas naturais (ex: ouro, ferro, alumínio, petróleo, etc.) e outras matérias-primas para diversos fins nas indústrias são retiradas desta porção.

No entando, o ar, a água e o solo não são suficientes para nos manter vivos. Há outros fatores importantes para a vida, como a temperatura, a luz, a salinidade, a pressão, etc. É importante saber que, a quantidade de cada um desses fatores e o tempo de exposição aos mesmos variam em cada ambiente da Terra, proporcionando as mais variadas formas de vida. É só você imaginar os animais ou plantas que vivem em um deserto e compará-los com os que vivem nas florestas, que notará grandes diferenças de hábitos e características.

A forma e estrutura da Terra

Forma

Durante muito tempo, o homem teve dúvidas quanto ao formato da Terra. Somente depois de observar fenômenos naturais, como os navios que sumiam lentamente no horizonte, as posições das estrelas no céu e eclipses, o homem constatou que a Terra é “arredondada”. Atualmente, fotos da Terra registradas por satélites, ônibus espaciais, ou pelos próprios astronautas da Apollo 11, que chegaram pela primeira vez à Lua em 20 de julho de 1969, não deixarm dúvidas quanto à sua forma.

O que há dentro da Terra? E lá bem no centro dela? Como descobrir isto se perfurações feitas pelo homem, com sondas, só chegaram a treze quilômetros de profundidade, quando a distância até o seu centro é de aproximadamente seis mil quilômetros?

Estrutura

Foi observando os vulcões e os terremotos, que o homem ficou sabendo o que havia no interior da Terra. Por enquanto, não se conseguiu efetivamente chegar ao seu centro. A dureza de certas rochas sob pressão e as altas temperaturas são as maiores dificuldades encontradas.

Então, para se saber o que há no interior da Terra, foram analisadas as amostras retiradas de perfurações e a própria lava dos vulcões. Mas, isso não foi suficiente. Os cientistas tiveram, então, que fazer estudos mais complexos. Passaram a estudar as vibrações produzidas pelos terremotos ou provocadas por explosivos ou, ainda, simulações feitas em laboratórios.

A viagem ao centro da Terra nos revela primeiramente uma casca que a envolve, a crosta terrestre ou litosfera. Esta primeira camada tem em média quarenta quilômetros de espessura, e é formada por várias placas, de onde surgem os continentes.

A segunda camada chamada manto ou pirosfera (piro = fogo), que está mais para dentro, é formada por rochas derretidas que formam o magma. Esta massa pastosa e em altíssima temperatura, quando expelida pelos vulcões, chama-se lava.

O núcleo ou barisfera (bari = pressão) é a camada mais interna. É formada por ferro em três formas. A primeira de ferro derretido (núcleo externo), a segunda por ferro em forma de vários cristais pequenos (zona de transição) e, bem no centro, em forma de um enorme cristal de ferro, (o núcleo interno).

Fonte: www.coladaweb.com

Origem da Vida

Abiogênese

A Vida na Terra terá surgido há cerca de 3400 M.a., como o parecem demonstrar os fósseis de procariontes encontrados na África do Sul. As células eucarióticas terão surgido há cerca de 2000 a 1400 M.a., seguidas dos organismos multicelulares há cerca de 700 M.a. Neste espaço de tempo os fósseis são abundantes, indicando um processo evolutivo rápido.

Todas as evidências parecem apontar para que os seres eucariontes terão tido origem em seres procariontes. A principal teoria atual considera que alguns dos organitos característicos das células eucarióticas tiveram origem em procariontes que se adaptaram à vida intracelular por endossimbiose.

Até ao século XIX considerava-se que todos os seres vivos existentes se apresentavam como sempre tinham sido. Toda a Vida era obra de uma entidade toda poderosa, fato que apenas revelava não existirem conhecimentos suficientes para se criar uma explicação racional.

Esta explicação, o Criacionismo, no entanto, já no tempo da Grécia antiga não era satisfatória. De modo a contornar a necessidade de intervenção divina na criação das espécies, surgem várias teorias alternativas, baseadas na observação de fenómenos naturais, tanto quanto os conhecimentos da época o permitiam.

Aristóteles elaborou uma dessas teorias, cuja aceitação se manteve durante séculos, com a ajuda da Igreja Católica, que a adoptou. Esta teoria considerava que a Vida era o resultado da ação de um princípio ativo sobre a matéria inanimada, a qual se tornava, então, animada. Deste modo, não haveria intervenção sobrenatural no surgimento dos organismos vivos, apenas um fenómeno natural, a geração espontânea.

Estas ideias perduraram até à era moderna, pois Van Helmont (1577 – 1644) ainda considerava que os “cheiros dos pântanos geravam rãs e que a roupa suja gerava ratos, adultos e completamente formados”. Também era considerado acertado pelos naturalistas que os intestinos produzissem espontaneamente vermes e que a carne putrefata gerasse moscas.

Todas estas teorias consideravam possível o surgimento de Vida a partir de matéria inanimada, fosse qual fosse o agente catalisador dessa transformação, daí o estarem englobadas na designação geral de Abiogênese.

Biogênese No século XVII Francisco Redi, naturalista e poeta, pôs em causa as ideias de Aristóteles, negando a existência do princípio ativo e defendendo que todos os organismos vivos surgiam a partir de inseminação por ovos e nunca por geração espontânea.

Para demonstrar a veracidade da sua teoria, Redi realizou uma experiência que se tornou célebre pelo fato de ser a primeira, registada, a utilizar um controlo.

Colocou carne em 8 frascos. Selou 4 deles e deixou os restantes 4 abertos, em contato com o ar.

Em poucos dias verificou que os frascos abertos estavam cheios de moscas e de outros vermes, enquanto que os frascos selados se encontravam livres de contaminação.

Esta experiência parecia negar, inequivocamente a abiogênese de organismos macroscópicos, tendo sido aceite pelos naturalistas da época.

No entanto, a descoberta do microscópio veio levantar a questão novamente. A teoria da abiogênese foi parcialmente reabilitada pois parecia a única capaz de explicar o desenvolvimento de microrganismos visíveis apenas ao microscópio.

Esta situação manteve-se até ao final do século XVIII, quando o assunto foi novamente debatido por dois famosos cientistas da época, Needham e Spallanzani.

Needham utilizou várias infusões, que colocou em frascos. Esses frascos foram aquecidos e deixados ao ar durante alguns dias. Observou que as infusões rapidamente eram invadidas por uma multitude de microrganismos. Interpretou estes resultados pela geração espontânea de microrganismos, por ação do princípio ativo de Aristóteles.

Spallanzani usou nas suas experiências 16 frascos. Ferveu durante uma hora diversas infusões e colocou-as em frascos. Dos 16 frascos, 4 foram selados, 4 fortemente rolhados, 4 tapados com algodão e 4 deixados abertos ao ar. Verificou que a proliferação de microrganismos era proporcional ao contato com o ar.

Interpretou estes resultados com o fato de o ar conter ovos desses organismos, logo toda a Vida proviria de outra, preexistente.

No entanto, Needham não aceitou estes resultados, alegando que a excessiva fervura teria destruído o principio ativo presente nas infusões.

A polémica manteve-se até 1862, quando o francês Louis Pasteur, pôs definitivamente termo à ideia de geração espontânea com uma série de experiências conservadas para a posteridade pelos museus franceses.

Pasteur colocou diversas infusões em balões de vidro, em contato com o ar. Alongou os pescoços dos balões á chama, de modo a que fizessem várias curvas. Ferveu os líquidos até que o vapor saísse livremente das extremidades estreitas dos balões. Verificou que, após o arrefecimento dos líquidos, estes permaneciam inalterados , tanto em odor como em sabor. No entanto, não se apresentavam contaminados por microrganismos.

Para eliminar o argumento de Needham, quebrou alguns pescoços de balões, verificando que imediatamente os líquidos ficavam infestados de organismos.

Concluiu, assim, que todos os microrganismos se formavam a partir de um qualquer tipo de partícula sólida, transportada pelo ar. Nos balões intactos, a entrada lenta do ar pelos pescoços estreitos e encurvados provocava a deposição dessas partículas, impedindo a contaminação das infusões.

Ficou definitivamente provado que, nas condições atuais, a Vida surge sempre de outra Vida, preexistente.

Mas, como surgiu a Vida pela primeira vez ?

Panspermia ou Teoria Cosmozóica

No final do século XIX vários cientistas alemães, nomeadamente Liebig, Richter e Helmholtz, tentaram explicar o aparecimento da Vida na Terra com a hipótese de que esta tivesse sido trazida doutro ponto do Universo sob a forma de esporos resistentes, nos meteoritos – teoria Cosmozóica.

A presença de matéria orgânica em meteoritos encontrados na Terra tem sido usada como argumento a favor desta teoria, o que não invalida a possibilidade de contaminação terrestre, após a queda do meteorito.

Atualmente já foi comprovada a existência de moléculas orgânicas no espaço, como o formaldeído, álcool etílico e alguns aminoácidos. No entanto, estas moléculas parecem formar-se espontaneamente, sem intervenção biológica.

O físico sueco Arrhenius propôs uma teoria semelhante, segundo a qual a Vida se teria originado em esporos impelidos por energia luminosa, vindos numa “onda” do espaço exterior. Chamou a esta teoria Panspermia (sementes por todo o lado).

Atualmente estas ideias caíram em descrédito pois é difícil aceitar que qualquer esporo resista á radiação do espaço, ao aquecimento da entrada na atmosfera, etc.

Apesar disso, na década de 80 deste século, Crick (um dos descobridores da estrutura do DNA) e Orgel sugeriram uma teoria de Panspermia dirigida, em que o agente inicial da Vida na Terra passaria a ser colónias de microrganismos, transportadas numa nave espacial não tripulada, lançada por uma qualquer civilização muito avançada. A Vida na Terra teria surgido a partir da multiplicação desses organismos no oceano primitivo.

Apesar de toda a boa vontade envolvida, nenhuma destas teorias avança verdadeiramente no esclarecimento do problema pois apenas desloca a questão para outro local, não respondendo à questão fundamental:

Como surgiu a Vida ?

Teoria de Oparin

No entanto, um ponto de viragem fundamental ocorreu com o as teorias de Pasteur e de Darwin, permitindo abordar o problema sob uma perspectiva diferente.

Dados obtidos a partir de diversos campos da ciência permitiram ao russo Alexander Oparin formular uma teoria revolucionária, que tentava explicar a origem da Vida na Terra, sem recorrer a fenómenos sobrenaturais ou extraterrestres:

O Sol e os planetas do Sistema Solar formaram-se simultaneamente, a partir da mesma nuvem de gás e poeiras cósmicas, há cerca de 4700 M.a.;A análise espectral de estrelas permitiu a conclusão de que as leis químicas são universais. As estrelas têm vários estádios de desenvolvimento, encontrando-se o Sol numa fase intermédia da sua “vida”. Estes fatos permitem deduzir que os constituintes dos outros planetas e do Sol, dada a sua origem comum, devem ser os mesmos que a Terra primitiva conteve. A atmosfera primitiva da Terra deve ter contido H2 , Ch2 e Nh2, como Júpiter ou Saturno, cuja gravidade impediu a dissipação desses gases para o espaço;
A Terra apresenta diversas superfícies de descontinuidade, separando zonas bem definidas provavelmente devidas a, na formação do planeta, os elementos mais pesados (Fe, Ni) se terem acumulado no centro, os intermédios (Al, Si) na crusta e os mais leves (H, N, C) na camada gasosa externa;
Os vulcões lançam gases para a atmosfera;
As rochas sedimentares com mais de 2300 M.a. em África e na América do Norte são menos oxidadas que as mais recentes, revelando uma atmosfera pobre em oxigênio molecular. Este fato observa-se pela presença de grande quantidade pechblenda, um mineral de urânio facilmente oxidável. Por outro lado, o óxido de ferro apenas surge em depósitos com menos de 2000 M.a., altura em que se considera que a quantidade de oxigênio na atmosfera rondaria 1% da atual;
O mundo biológico reflete uma unidade de origem e constituição;
Os elementos fundamentais dos seres vivos são C, H, O, N, P e S, vulgarmente abreviado para CHNOPS;
Os compostos orgânicos básicos são os aminoácidos, bases púricas e pirimídicas, oses e ácidos gordos;
As provas da evolução são irrefutáveis, demonstrando que as condições e os organismos nem sempre foram o que são atualmente;
Muitos compostos orgânicos já foram sintetizados em laboratório, como a insulina e a ureia;
Pode-se criar em laboratório agregados de moléculas sob a forma de coacervados;
Existem fósseis de organismos com 3000 M.A., os estromatólitos, estruturas resultantes da deposição de CaCO3 , retido e segregado por comunidades de cianobactérias, presentes em água doce e salgada;
Os raios U.V. podem promover reações entre compostos e degradar moléculas orgânicas;
A Vida na Terra, como a conhecemos, só é possível devido à filtragem dos U.V. pela camada de ozono (O3) da atmosfera superior.

Quando a comunidade científica aceitou, finalmente, a ideia da lenta evolução das espécies, estava o terreno propício para o surgimento da primeira explicação racional para a origem da Vida e esta surgiu em 1924.

Oparin considerou que as condições para a origem da Vida surgiram como uma etapa natural, incluída no constante movimento da matéria.

Tendo por base dados fornecidos por várias ciências, como anteriormente referido, Oparin desenvolveu a sua teoria baseada no princípio: as condições existentes na Terra primitiva eram diferentes das de hoje.

Particularmente, a atmosfera seria redutora, ou seja, sem oxigênio mas rica em hidrogênio. Este fato teria como consequência direta a falta de ozono nas camadas superiores da atmosfera e o bombardeamento constante da superfície da Terra com raios U.V. Nessa atmosfera, o H2, seu principal constituinte, tenderia a reduzir as outras moléculas. Seria, também, uma atmosfera sem azoto e sem dióxido de carbono.

A sua constituição segundo Oparin, resultante da reação dos gases provenientes da atividade vulcânica, seria: hidrogênio (H2), metano (Ch2), amoníaco (Nh2) e vapor de água. Estudos posteriores indicam que a atmosfera primitiva conteria ainda dióxido de carbono (CO2), azoto (N2), monóxido de carbono (CO) e sulfureto de hidrogênio (H2S).

A temperatura à superfície seria superior ao ponto de fusão do gelo mas inferior ao seu ponto de ebulição (0 – 100ºC). Parte da água terá sido decomposta, a quente, em hidrogênio, que se escapou para o espaço, e oxigênio, que se incorporou nas rochas. O restante vapor de água ter-se-á condensado, originando os oceanos, enquanto as chuvas intensas, correndo sobre os continentes, lhes extraíam o cálcio. Este ter-se-á acumulado em espessas camadas de sedimentos, que foram reincorporadas pelo manto. Este fato libertou a atmosfera de dióxido de carbono, evitando o desenvolvimento do efeito de estufa que existe em Vénus.

Origem da Vida
Sopa primitiva, formada por compostos orgânicos simples em solução nos oceanos

Esta mistura de gases, sujeita à ação de U.V., do calor da crusta em fase de arrefecimento, da radioatividade natural dos compostos recém-formados e da atividade vulcânica, teria dado origem a compostos orgânicos simples em solução – sopa primitiva.

Esta explicação permitia ultrapassar a dificuldade da formação das primeiras biomoléculas (aminoácidos, oses, bases azotadas e ácidos gordos) pois estas teriam tido uma origem em moléculas inorgânicas.

A existência de certas rochas contendo minerais assimétricos, como as argilas, teriam facilitado a estruturação desses monómeros em polímeros, funcionando como catalisadores inorgânicos.

Segundo Oparin, os conjuntos moleculares ter-se-iam agregado numa estrutura rodeada por uma espécie de “membrana” de cadeias simples hidrocarbonadas, que a isolava do meio – coacervado.

Os coacervados derivam de um processo natural nas soluções de polímeros fortemente hidratados. Há uma separação espontânea de uma solução aquosa, inicialmente homogênea, em duas fases, uma rica em polímeros e outra quase exclusivamente água. Esta situação deve-se à atração entre moléculas polares e repulsão entre moléculas polares e apolares.

O coacervado é uma gotícula coloidal (formada por partículas muito pequenas mas maiores que as moléculas com polaridade) rica em polímeros em suspensão num meio aquoso. A membrana do coacervado é formada por moléculas de água dispostas em redor dos polímeros. O coacervado pode interagir com o meio, incorporando moléculas na sua estrutura, crescer e dividir-se. À medida que novas moléculas se iam agregando, se a nova combinação molecular não fosse estável, o coacervado destruía-se. Se fosse estável o coacervado aumentava de tamanho, até que se dividia em dois.

No interior do coacervado, algumas moléculas catalisavam novas combinações, enquanto outras, autoreplicáveis, começavam a controlar as reações metabólicas.

Deste modo, este conjunto de moléculas funcionaria como uma pré-célula, constituindo uma primeira manifestação de Vida.

Estudos recentes apontam para a importância dos ácidos nucleicos no processo inicial do desenvolvimento da Vida.

O RNA terá sido a primeira molécula a surgir, já que este ácido nucleico forma curtas cadeias espontaneamente em ambientes semelhantes aos propostos nesta teoria. Além disso, o RNA liga-se temporariamente a locais específicos de outras moléculas, catalisando reações na célula viva na ausência de enzimas, funcionando simultaneamente como DNA e proteína durante a evolução celular.

Obter-se-iam assim, os pilares moleculares da Vida, os ácidos nucleicos e as proteínas: sem ácidos nucleicos não há proteínas, ou seja, não há estrutura e controlo das reações (enzimas) e sem proteínas (estruturais como as histonas e enzimáticas) não há replicação de DNA. Esta pré-célula, provavelmente semelhante a uma bactéria, seria heterotrófica, alimentando-se do “caldo orgânico” abiótico do meio.

Nos milhões de anos seguintes, a seleção natural terá conduzido esta evolução química, favorecendo conjuntos moleculares bem adaptados e eliminando outros, devido à rarefação dos nutrientes nos oceanos.

Assim, para sobreviverem, estas células poderão ter evoluído para uma situação de autotrofia, necessitando de grande quantidade de electrões, como por exemplo o hidrogênio, dióxido de carbono ou moléculas sulfurosas. Não parece coincidência que a grande maioria de bactérias autotróficas atuais pertencerem ao grupo das bactérias sulfurosas.

Origem da Vida
Proteinóides obtidos em laboratório, semelhantes em estrutura aos coacervados

Com o surgimento das cianobactérias fotossintéticas a acumulação de oxigênio molecular criou a necessidade do surgimento de estruturas protetoras contra esse gás altamente agressivo.

O oxigênio molecular é um verdadeiro veneno para os organismos que não disponham de mecanismos enzimáticos protetores (catalase ou peroxidase, por exemplo) capazes de reduzir os subprodutos altamente nocivos do metabolismo oxidativo (peróxido e superóxido de hidrogênio).

Os dados geofísicos indicam que o oxigênio molecular surgiu gradualmente na atmosfera há cerca de 2000 M.a.

O oxigênio teve um papel fundamental no desenvolvimento e complexificação das estruturas biológicas, como se pode constatar pelos exemplos seguintes:

Capacidade de divisão celular depende da formação do complexo actina-miosina, impossível sem oxigênio;
Síntese de esteróis, ácidos gordos e colagênio é impossível sem oxigênio;
Metabolismo aeróbio fornece mais de 15 vezes mais energia que o anaeróbio;
Camada de ozono permitiu a vida em terra.

Experiências de outros investigadores

Esta teoria explicativa do aparecimento do primeiro ser vivo necessitava, no entanto, de provas fatuais que a apoiasse.

Para isso, diversos cientistas simularam em laboratório as condições que o seu autor considerava terem existido na Terra primitiva, entre eles Stanley Miller, cuja experiência se tornou célebre.

Esta experiência foi concebida para testar a possibilidade da formação de monómeros abioticamente, nas condições da teoria de Oparin.

Em 1953, Miller introduziu num balão uma mistura de metano, amoníaco, hidrogênio e água.

Essa mistura era constantemente bombardeada por descargas eléctricas de 60000 V e mantida a circular no aparelho pelo vapor de água criado pela ebulição da água.

Este procedimento foi mantido durante uma semana, após a qual se recolhem amostras que são analisadas por cromatografia.

As análises mostraram que o líquido amarelado que se tinha formado continha vários tipos de aminoácidos (alanina, ácido aspártico e glutamato) e ácidos orgânicos simples (fórmico, acético, propiónico, láctico e succínico) usuais nos seres vivos.

Juan Oro, outro investigador, demonstrou que era possível obter abioticamente as bases púricas e pirimídicas que compõem os ácidos nucleicos, aquecendo ácido cianídrico e amoníaco, por sua vez obtidos abioticamente de hidrogênio, monóxido de carbono e azoto molecular.

Saliente-se que uma das bases, a adenina, não só faz parte dos ácidos nucleicos mas também é fundamental para a formação de coenzimas como o NAD+ e o NADP+ e do ATP.

Origem da Vida
Esquema da experiência de Miller

Sidney Fox testou a etapa seguinte, a formação abiótica de polímeros a partir dos monómeros.

Dado que a concentração de monómeros nos oceanos primitivos deveria ser baixa e que as reações de polimerização são reações de desidratação, estas não seriam fáceis de obter em condições naturais.

Assim, foi proposto que as polimerizações teriam ocorrido apenas em condições especiais, que aumentavam artificialmente a concentração de monómeros e catalisavam as reações.

É sabido que as argilas são rochas formadas por camadas aluminossilicatos hidratados com grande quantidade de cargas positivas e negativas. Por este motivo estas rochas captam moléculas carregadas com grande facilidade pelo processo de adsorção. Este poderia ser um meio de facilitar a polimerização, tal como a congelação, evaporação, calor, etc.

Fox testou esta possibilidade aquecendo a 200ºC misturas de aminoácidos obtidos abioticamente sobre pedaços de rocha. Obteve cadeias polipeptídicas, que designou proteinóides, e que podiam ser usadas como alimento por bactérias e podiam apresentar capacidade catalítica (uma pré-enzima).

Com estes proteinóides, Fox obteve ainda o passo seguinte da teoria de Oparin, a formação de coacervados, estruturas que Fox designou microsferas, por aquecimento à ebulição seguido de arrefecimento.

As microsferas aparentavam ter propriedades osmóticas através da sua membrana de moléculas de água, comportando-se como uma pré-célula.

Condições da Terra primitiva

Biliões de anos atrás

4,5

3,5

2,5

1,5

0,5

Fontes energéticas

bombardeamento por U.V. elevado, calor da Terra elevado, relâmpagos intensos bombardeamento por U.V. elevado, calor da Terra menor, relâmpagos médios bombardeamento por U.V. elevado, calor da Terra baixo, relâmpagos fracos bombardeamento por U.V. fraco, calor da Terra baixo, relâmpagos fracos

bombardeamento por U.V. fraco, calor da Terra baixo, relâmpagos fracos

Gases na atmosfera

hidrogênio, metano, amoníaco, água, dióxido de carbono

hidrogênio, metano, amoníaco, água, dióxido de carbono

hidrogênio, amoníaco, água hidrogênio, amoníaco, água, ozono, oxigênio, dióxido de carbono

água, oxigênio, ozono, azoto, dióxido de carbono

Moléculas no oceano moléculas orgânicas simples sintetizadas abioticamente, metano e hidrocarbonetos, amónia, ácidos e álcoois moléculas orgânicas complexas sintetizadas abioticamente, nucleótidos, aminoácidos, açúcares moléculas orgânicas complexas usadas pelos protobiontes, início da síntese biótica de proteínas, gorduras e açúcares em células moléculas orgânicas complexas obtidas apenas por síntese biótica

moléculas orgânicas complexas obtidas apenas por síntese biótica

Tipo de formas de Vida era de evolução química, protobiontes procariontes procariontes

surgimento dos eucariontes

organismos multicelulares

Fonte: www.simbiotica.org

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Terra Primitiva

Terra Primitiva

PUBLICIDADE O que é terra primitiva? A história da Terra diz respeito ao desenvolvimento do …

Respiração Branquial

Respiração Branquial

PUBLICIDADE O que é respiração branquial? As brânquias ou guelras são órgãos da respiração, são …

Mecanismos de Feedback

Mecanismos de Feedback

PUBLICIDADE O que são mecanismos de feedback? Um mecanismo de feedback é um processo que usa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+