Breaking News
Home / Biologia / Coevolução

Coevolução

O que é coevolução?

PUBLICIDADE

Os seres vivos estão em constante evolução e adaptação ao meio, estas causam equilíbrio nas relações entre as espécies e ao ecossistema como um todo. A coevolução ocorre quando duas ou mais espécies evoluem simultaneamente, ou seja, há uma influência nos processos evolutivos entre elas.

Existe uma adaptação através de transformações em que uma faz pressão sobre outras, levando a uma evolução mútua entre as espécies.

Exemplos:

Quando o hospedeiro adquire resistência e imunidade a determinados vírus e bactérias e, não conseguem mais infectar e multiplicar-se, ocorrem mutações nos mesmos, ou seja, adquirem novas características para conseguir infectar novamente. Neste caso o hospedeiro se beneficia quando consegue resistência e, o patógeno quando se adaptam as estas mudanças.

Outro caso bastante comum são de predadores e presas, quando um se torna mais veloz o outro precisa ganhar mais agilidade também.

A flor Centropogon nigricans, por exemplo, possui forma longa e, seu pólen encontra-se na extremidade baixa, a mesma só consegue ser polinizada por uma única espécie de morcego o Anoura fistulata, que possui uma língua de oito centímetros, que usa para se alimentar e, consequentemente polinizar a planta.

Existem dois tipos de coevolução:

Coevolução Específica: ocorre quando duas espécies respondem uma a evolução da outra.
Coevolução Difusa: 
ocorre quando ainda existe uma reciprocidade na evolução, porém não é direcionada a duas espécies, mas sim entre um grupo de espécies. Muitas plantas com flores são polinizadas por insetos diferentes, tais como: abelhas, besouros, entre outros, formando um conjunto de relações.

Na natureza para que o ciclo se mantenha ocorre dependências e vantagens nas adaptações fisiológicas.

Na natureza, algumas espécies interagem muito intimamente. Essas interações podem fazer com que a evolução das espécies seja entrelaçada, também conhecida como coevolução.

Entender os processos da coevolução é fundamental para o conhecimento entre as relações dos seres e do meio ambiente. Como exemplos, pode ser útil no controle às pragas na agricultura e, em algumas doenças.

Coevolução
Predador veloz – presa v
eloz

Coevolução
Relação mutualística entre plantas e formigas

Coevolução – Resumo

Quando organismos ecologicamente íntimos – por exemplo, predadores e presas, ou hospedeiros e parasitas – influenciam a evolução uns dos outros, dizemos que a coevolução está ocorrendo.

Os pássaros são freqüentemente atores importantes em sistemas coevolucionários. Por exemplo, a predação por pássaros impulsiona em grande parte a coevolução de borboletas modelo e miméticas.

Algumas borboletas desenvolveram a capacidade de armazenar produtos químicos venenosos das plantas alimentícias que comem como lagartas, tornando-se assim desagradáveis.

Isso reduz suas chances de serem comidos, uma vez que os pássaros, uma vez que tentem devorar tais borboletas, evitarão atacá-las no futuro.

Outras borboletas desenvolveram gradualmente padrões de cores que imitam os das borboletas desagradáveis (chamadas de “modelos”). É desvantajoso que os modelos sejam mimetizados, pois se a mímica se tornar comum a maioria das borboletas com o padrão de cores do modelo terá um gosto bom, os pássaros podem voltar a atacar os modelos. Ser provado e cuspido por um pássaro é uma experiência muito perigosa para uma borboleta. Portanto, o mimetismo presumivelmente leva a uma corrida coevolucionária – os mímicos evoluem em direção aos padrões de cores dos modelos e os modelos evoluem para longe dos mímicos convergentes. Os pássaros, na verdade, podem estar diretamente envolvidos em todo o complexo coevolucionário, uma vez que podem estar sendo selecionados por melhores poderes de discriminação.

Indivíduos que podem distinguir as borboletas miméticas dos modelos ganharão mais nutrição com menos custo de tempo e esforço.

Naturalmente, presume-se que os pássaros estejam diretamente envolvidos em muitas relações coevolucionárias com seus competidores, predadores, presas e parasitas. A relação dos quebra-nozes de Clark, que acumulam sementes, e dos pinyon jays, com os pinheiros-pinhões é um exemplo relativamente bem estudado; e a evolução de bicos longos e bicos em forma de foice em alguns beija-flores latino-americanos que combinam com as flores longas ou bem curvas das quais bebem o néctar (e que polinizam) é outro caso óbvio de coevolução.

Os beija-flores eremitas e as flores curvas do gênero Heliconia (vistas cada vez mais como flores de corte para horticultura) fornecem exemplos difundidos e conspícuos deste último fenômeno nas florestas úmidas das terras baixas da América Central e do Sul.

Muitos pássaros frugívoros, especialmente nas florestas tropicais, estão coevoluindo com as plantas cujos frutos comem. Os pássaros se nutrem e, no processo, as plantas têm suas sementes resistentes à digestão, dispersas por regurgitação ou junto com seus excrementos. Muitas características das plantas evoluíram para facilitar a dispersão, e o comportamento e as dietas das aves responderam a essas mudanças. Em particular, as plantas desenvolveram frutas carnudas visivelmente coloridas e relativamente inodoras para atrair os dispersores aviários de suas sementes.

Eles estão co-evoluindo em resposta aos sistemas visuais bem afiados dos pássaros; espécies de plantas que co-evoluem com dispersores de sementes de mamíferos daltônicos têm, em contraste, frutos de cores opacas, mas fedorentos. As plantas dispersas por pássaros frequentemente desenvolveram frutos com sementes gigantes cobertas por uma camada fina e altamente nutritiva de carne.

Isso obriga o pássaro a engolir o fruto inteiro, já que é difícil ou impossível simplesmente arrancar a polpa. Em resposta, as aves que são frugívoros especializados (isto é, que não comem outros tipos de alimento) desenvolveram tanto bico com fendas largas (para que possam engolir a fruta inteira) quanto tratos digestivos que podem dissolver rapidamente a polpa do grande impermeável semente, que então pode ser regurgitada.

Os exemplos mais dramáticos de coevolução aviária são provavelmente aqueles que envolvem parasitas de cria, como cucos e pássaros-chupim, e seus hospedeiros.

Os parasitas freqüentemente desenvolveram ovos que imitam muito os do hospedeiro, e jovens com características que encorajam os hospedeiros a alimentá-los. Em resposta, alguns hospedeiros desenvolveram a capacidade de discriminar entre seus próprios ovos e os do parasita, e vários métodos para destruí-los. Como se poderia esperar, Cowbirds (pássaros pertencentes ao gênero Molothrus na família Icteridae.) de cabeça marrom têm seu impacto mais sério sobre os hospedeiros, como os Warblers de Kirtland (Pássaro pinheiro-jaque), que só recentemente foram submetidos a ataques de cowbirds e ainda não tiveram tempo para desenvolver reações defensivas.

Muitos exemplos de coevolução em resposta à competição entre espécies de pássaros podem ser inferidos de estudos de hábitos alimentares e estruturas de contas em várias guildas de pássaros. Aqui, como nos outros casos mencionados, faltam evidências diretas de coevolução. Está faltando, pela mesma razão, que há muito poucos casos de evolução de uma única população simples sendo realmente observada na natureza. O processo ocorre ao longo de centenas ou milhares de gerações, e circunstâncias extraordinárias são necessárias para que seja “pego em flagrante”.

Fonte: Camila Correia

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.