Breaking News
Home / Biologia / Mecanismos de Feedback

Mecanismos de Feedback

PUBLICIDADE

Mecanismos de Feedback – O que são

Um mecanismo de feedback é um processo que usa as condições de um componente para regular a função do outro. Isso é feito para aumentar ou atenuar a mudança no sistema.

Existem fatores internos e externos que afetam os mecanismos fisiológicos de feedback do corpo, essenciais para que o corpo permaneça estável e mantenha um equilíbrio.

Quando o processo tende a aumentar a mudança no sistema, o mecanismo é conhecido como feedback positivo.

feedback negativo é quando o processo procura contrariar a mudança e manter o equilíbrio, ou seja, o mecanismo de feedback positivo aumenta o estímulo original e o mecanismo de feedback negativo o inibem.

Mecanismo de Feedback Negativo

Os receptores (células sensoriais) presentes no corpo dos vertebrados monitoram constantemente o ponto de referência do ambiente interno.

Quaisquer alterações no ambiente interno podem ativar as células receptoras, que transmitem mensagens para o centro de controle (cérebro ou medula espinhal).

O centro de controle determina o desvio e ativa os efetores. Efetores são geralmente músculos ou glândulas.

Os efetores respondem ao estímulo e corrigem o ponto de referência aumentando ou diminuindo as atividades. Assim que o sistema é corrigido, o centro de controle e os efetores são desligados pelo mecanismo chamado de feedback negativo.

No mecanismo de feedback negativo, as mudanças que ocorrem no sistema ativam automaticamente o mecanismo corretivo, que inverte as mudanças e traz de volta o sistema ao normal.

O feedback negativo é mais comum em sistemas biológicos, por exemplo: fazer exercício cria calor metabólico que eleva a temperatura central do corpo e, em seguida, devido a mecanismos de resfriamento, como a vermelhidão da pele ou sudorese a temperatura diminui.

Mecanismos de FeedbackMecanismos de Feedback

Mecanismos de Feedback Positivo

É exatamente o oposto de um mecanismo de feedback negativo.

Com feedback negativo, a saída reduz o efeito original do estímulo.

Em um sistema de feedback positivo, a saída aumenta o estímulo original.

Um bom exemplo de um sistema de feedback positivo é o nascimento da criança.

Durante o trabalho de parto, um hormônio chamado oxitocina é liberado que se intensifica e acelera as contrações.

O aumento das contrações faz com que mais oxitocina seja liberada e o ciclo continua até que o bebê nasça. O nascimento termina a liberação de ocitocina e termina o mecanismo de feedback positivo.

Outro bom exemplo de um mecanismo de feedback positivo é a coagulação do sangue. Uma vez que um vaso é danificado, as plaquetas começam a se agarrar ao local danificado e liberam substâncias químicas que atraem mais plaquetas. As plaquetas continuam a se acumular e liberar produtos químicos até que um coágulo seja formado.

Em síntese: Um sistema de circuito fechado em que o sistema responde a perturbação quer na mesma direcção (feedback positivo) ou no sentido oposto (feedback negativo)

Mecanismos de Feedback – Ciclo

Feedback é definido como a informação obtida sobre uma reação a um produto, o que permitirá a modificação do produto.

Os circuitos de feedback são, portanto, o processo pelo qual uma mudança no sistema resulta em um alarme que acionará um determinado resultado.

Esse resultado aumentará a mudança no sistema ou a reduzirá para trazer o sistema de volta ao normal.

Os sistemas biológicos operam em um mecanismo de entradas e saídas, cada uma causada e causando um determinado evento. Um ciclo de feedback é uma ocorrência biológica em que a saída de um sistema amplifica o sistema (feedback positivo) ou inibe o sistema (feedback negativo).

Os circuitos de feedback são importantes porque permitem que os organismos vivos mantenham a homeostase. A homeostase é o mecanismo que nos permite manter nosso ambiente interno relativamente constante – nem muito quente, nem muito frio, nem muito faminto ou cansado. O nível de energia de que um organismo necessita para manter a homeostase depende do tipo de organismo, bem como do ambiente em que habita.

Por exemplo, um peixe de sangue frio mantém sua temperatura no mesmo nível da água ao seu redor e, portanto, não precisa controlar sua temperatura interna.

Compare isso com uma baleia de sangue quente no mesmo ambiente: ela precisa manter sua temperatura corporal mais alta do que a da água ao seu redor e, portanto, gastará mais energia na regulação da temperatura.

Esta é uma diferença entre ectotérmicos e endotérmicos: um ectotérmico usa a temperatura ambiente para controlar sua temperatura interna (por exemplo, répteis, anfíbios e peixes), enquanto um endotérmico usa a homeostase para manter sua temperatura interna. Os endotérmicos podem manter seu metabolismo a uma taxa constante, permitindo movimentos, reações e processos internos constantes, enquanto os ectotérmicos não podem manter seu metabolismo a uma taxa constante. Isso significa que seus movimentos, reações e processos internos dependem de um calor externo adequado, mas também significa que eles requerem menos energia na forma de alimentos, pois seus corpos não estão constantemente queimando combustível.

Os ciclos de feedback também podem ocorrer em um grau maior: no nível do ecossistema, uma forma de homeostase é mantida.

Um bom exemplo disso está no ciclo das populações de predadores e presas: um boom na população de presas significará mais alimento para os predadores, o que aumentará o número de predadores. Isso, então, levará à predação excessiva e a população de presas diminuirá novamente.

A população de predadores diminuirá em resposta, liberando a pressão sobre a população de presas e permitindo que ela se recupere. Veja a figura 1. Outro exemplo é o que é conhecido como “corrida armamentista evolutiva”, em que um predador e sua presa estão continuamente tentando competir entre si. Uma dessas relações é a de pássaros nectarívoros e as flores de que se alimentam.

Os pássaros desenvolvem bicos longos para obter acesso ao néctar dentro da flor. Em resposta, a flor desenvolve uma forma cada vez mais longa, em forma de trombeta, na tentativa de evitar que o pássaro chegue ao néctar. O pássaro responde desenvolvendo um bico ainda mais longo. E assim continua.

Fonte: Camila Correia

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.