Breaking News
Home / Biologia / Indústria de Transformação de Alimentos

Indústria de Transformação de Alimentos

PUBLICIDADE

Indústria de Transformação de Alimentos – O que é

Tecnologia de Alimentos é uma ciência que trata das técnicas e princípios envolvidos no processamento e preservação de substâncias alimentícias.

A aplicação da ciência alimentar ajuda na fabricação de produtos alimentícios seguros, saudáveis e nutritivos.

O estudo da tecnologia de alimentos visa desenvolver novos métodos e sistemas para manter os produtos alimentícios seguros e resistentes aos danos naturais, como bactérias e outros microrganismos.

processamento de alimentos auxilia na preservação, realça o sabor e reduz as toxinas no produto alimentício, o que resulta em melhor eficiência de distribuição e fácil comercialização do produto alimentício.

As técnicas modernas de processamento de alimentos são a chave para os supermercados florescentes que temos hoje.

Nutrientes extras podem ser adicionados durante o processamento dos alimentos e os alimentos processados são menos suscetíveis à deterioração. Algumas das técnicas utilizadas são secagem por spray, concentrados de suco, liofilização e a introdução de adoçantes artificiais, corantes e conservantes. Ultimamente, muitos produtos, como sopas instantâneas secas, frutas e sucos reconstituídos e refeições de preparo próprio foram desenvolvidos para a conveniência dos trabalhadores.

As indústrias de processamento de alimentos estão envolvidas em processos como processamento primário e secundário, preservação, gestão de qualidade, embalagem e rotulagem de uma variedade de produtos, como laticínios, peixes, frutas e vegetais, carnes e aves, confeitaria e alimentos grãos.

O que é ciência alimentar?

ciência alimentar é o estudo da composição física, biológica e química dos alimentos; as causas da deterioração dos alimentos; e os conceitos subjacentes ao processamento de alimentos.

Cientistas e tecnólogos de alimentos aplicam disciplinas científicas, incluindo química, engenharia, microbiologia e nutrição ao estudo de alimentos para melhorar a segurança, nutrição, integridade e disponibilidade dos alimentos.

Dependendo de sua área de especialização, os cientistas de alimentos podem desenvolver maneiras de processar, preservar, embalar e/ou armazenar alimentos de acordo com as especificações e regulamentações da indústria e do governo.

O que é tecnologia de alimentos?

Indústria de Transformação de Alimentos

tecnologia alimentar é a aplicação da ciência alimentar à seleção, preservação, processamento, embalagem, distribuição e uso de alimentos seguros.

Os campos relacionados incluem química analítica, biotecnologia, engenharia, nutrição, controle de qualidade e gestão da segurança alimentar.

O que é processamento e fabricação de alimentos?

Processamento de alimentos é o tratamento de substâncias alimentícias alterando suas propriedades para preservá-las, melhorar sua qualidade ou torná-las funcionalmente mais úteis.

Os processadores de alimentos pegam materiais crus de origem animal, vegetal ou marinha e os transformam em produtos comestíveis por meio da aplicação de trabalho, maquinário, energia e conhecimento científico.

Processos químicos, biológicos e mecânicos são usados para converter materiais alimentícios relativamente volumosos, perecíveis e tipicamente não comestíveis em alimentos e bebidas de prateleira estável, convenientes e saborosos.

O que é engenharia de alimentos?

engenharia de alimentos é um campo abrangente de tecnologia de alimentos que envolve as várias disciplinas da ciência de alimentos, agricultura, microbiologia, química e engenharia.

Usando métodos de pesquisa cuidadosos, equipamentos de alta tecnologia e processos sofisticados, a engenharia de processamento de alimentos cobre toda a gama, desde a aquisição de matérias-primas alimentícias até o processamento deles em produtos alimentícios, até a preservação, embalagem e entrega dos produtos alimentícios ao mercado consumidor.

A engenharia de alimentos, especialmente na forma de engenharia genética de alimentos, é uma grande empresa necessária para alimentar as populações mundiais em crescimento, e isso significa que haverá um aumento acentuado desses empregos nos próximos anos.

Na engenharia genética de alimentos, os produtos cultivados geneticamente são usados para fabricar produtos alimentícios com certas características exigidas.

Um bom exemplo seria o uso de tomates geneticamente modificados, enriquecidos com vitaminas, para alimentos à base de tomate. Essa engenharia pode ser a resposta para fornecer às populações mundiais níveis adequados de nutrição, mas há muita controvérsia sobre as implicações de longo prazo dos alimentos genéticos para a saúde.

O problema pode ser atenuado até certo ponto se os alimentos geneticamente modificados forem claramente rotulados como tal e os consumidores puderem saber exatamente o que estão comprando. Atualmente, essa rotulagem não é uma prática comum.

Produzir alimentos seguros e nutritivos para consumo humano e animal é um dos principais objetivos da engenharia de alimentos.

Matérias-primas de alta qualidade são manuseadas e processadas por equipamentos especiais informatizados em fábricas de processamento de alimentos. O processamento inclui a extração, separação e remixagem de ingredientes alimentícios para a fabricação de diversos produtos alimentícios.

Todo o processo de processamento de alimentos ocorre em condições sanitárias para minimizar os riscos de contaminação e outros perigos alimentares.

O alimento processado pode ser submetido a tratamento térmico térmico ou congelamento, a fim de preservá-lo por mais tempo de prateleira quando chegar ao mercado. Antes de ser despachado para o mercado, o alimento deve ser adequadamente embalado. Uma variedade de embalagens é geralmente usada, dependendo se os produtos alimentícios são sólidos ou líquidos. A embalagem certa é muito importante, pois mantém os produtos alimentícios protegidos e seguros.

Uma grande quantidade de resíduos é gerada como resultado dos vários processos na engenharia de alimentos. A gestão destes resíduos de forma eficiente e ecológica também é um aspecto importante da engenharia alimentar. Outras preocupações relacionadas a esse campo são as indústrias farmacêutica e de cuidados com a saúde.

Como no caso da criação de produtos alimentícios nutritivos, os pesquisadores se ocupam aqui do aperfeiçoamento de produtos farmacêuticos e relacionados à saúde que acabarão por beneficiar os consumidores.

Indústria de Transformação de Alimentos – Meio ambiente

A organização do meio ambiente acompanha a evolução da indústria. A intervenção da indústria por intermédio da sua escala de tecnologia é uma remodeladora do entorno ambiental, reordenando-o espacialmente sob diferentes formas. Por longo tempo na história, a indústria seguia os traços gerais desse entorno, remodelando-o sem alterá-lo fortemente. Nos últimos séculos, entretanto, desde a revolução industrial, esta relação se torna desfavorável para o meio ambiente, a indústria alterando-o e mesmo destruindo-o drasticamente.

As relações espaciais da indústrias e o meio ambiente

A indústria é uma atividade de transformação, residindo nesta característica sua distinção entre as demais atividades, seja da agropecuária e seja de prestação de serviços.

Ela divide com a agropecuária e as diferentes formas de extrativismo as funções de produção numa economia. A agropecuária e os extrativismos formam o setor primário, a indústria o secundário e os serviços o terciário. A indústria divide com a agropecuária e as diferentes formas de extrativismo as funções de produção.

As atividades primárias respondem pela produção de alimentos e matérias-primas e a indústria pela transformação desses alimentos e matérias-primas em produtos manufaturados, cabendo ao setor terciário o papel de correia de transmissão entre aqueles dois setores de produção, exercendo a função da circulação e ligando e organizando o intercâmbio de produtos entre os setores primário e secundário.

A indústria existe e interage com o meio ambiente assim dentro de uma vida mais ampla de relação, desempenhando sua relação espacial com o meio ambiente junto com as atividades dos demais setores.

Até a revolução industrial, era o setor da circulação o elemento dinâmico e integrador dos espaços, cabendo-lhe o papel de elo de ligação entre as atividades econômicas entre si a partir dos seus diferentes pontos de localização geográfica.

Com a revolução industrial a indústria assume o papel de centralidade dinâmica, fazendo do setor da circulação um braço a seu serviço.

É assim que desde então a indústria potencializa sua relação espacial com o meio ambiente, ganha o poder de transformação que conhecemos e se torna o vilão do meio ambiente.

A tecnologia, as formas históricas de indústria e a relação ambiental industrial

Todavia o teor qualitativo dessa relação com o meio depende mais do padrão de tecnologia usado pela indústria que dessa centralidade espacial que ela adquire com a revolução industrial.

O problema ambiental não está relacionado em si com a indústria ou seu papel central na modelagem das relações da economia com o espaço, mas desse padrão de tecnologia.

Vale dizer que também não é a tecnologia o problema, mas o padrão com que vem investida no âmbito da organização da indústria e da relação desta com o meio ambiente.

A tecnologia pode ser definida como o modo como se define a relação ambiental do homem em suas atividades econômicas através dos recursos mecânicos.

É parte intrínseca da história da relação ambiental de um lugar. As máquinas são artefatos potencializadores da capacidade de realização de trabalho do corpo do homem. São prolongamentos dos braços, das pernas, da energia vital do homem, amplificando a potencia transformadora se suas forças. São a multiplicação da complexidade da relação do corpo do homem com os demais corpos do meio ambiente.

A cada período da história econômica, variam os padrões dos artefatos mecânicos. Em geral, variam segundo o tipo histórico de indústria.

São conhecidas três formas históricas de indústria no tempo: o artesanato, a manufatura e a fábrica.

O artesanato é a forma mais antiga de indústria. É uma indústria de pequenas dimensões e em geral embutida em prédios que são as habitações dos artesãos, que dedicam alguns compartimentos à atividade da transformação industrial, ocupando os cômodos restantes como sua residência familiar. É o tipo comum de indústria, por isto mesmo chamada indústria caseira, das antigas áreas rurais, fazendo o papel de uma atividade ancilar das atividades agrícolas, de criação e extrativistas e confundindo-se com sua paisagem. Sua tecnologia resume-se a ferramentas simples, manipuladas pelos braços e pernas do artesão, de cujo corpo é um mero prolongamento e dependente do uso da energia muscular do homem.

Seu alcance de transformação espacial e ambiental reduz-se a essas proporções de escala técnica.

A manufatura é um artesanato de maiores proporções. Historicamente, coexiste com os antigos artesanatos nas sociedades rurais da Antiguidade, podendo às vezes ganhar a dimensão de uma atividade de alta especialização econômica na sociedade de que faz parte, a exemplo da sociedade cartaginesa contemporânea do império romano, mas vai tornar-se a forma de indústria por excelência nas sociedades modernas nascidas do Renascimento, nas quais vai substituir fisicamente os artesanatos nas suas relações com o mercado e vir a ser a forma histórica de indústria característica da Idade Moderna. Sua organização já pede um prédio com função específica, em geral consistindo de um galpão adaptado aos fins industriais, onde são reunidos artesãos de habilidades diferentes e intercomplementares, formando no conjunto com eles uma divisão de trabalho dentro da indústria, e levando-os a atuar num sincronismo de tempo e espaço mais sofisticados. De modo que sua tecnologia implica já numa escala de organização mais avançcada, consistindo de um verdadeiro sistema de maquinismo.

As ferramentas do artesanato são reunidas em máquinas de estrutura mais complexa, ultrapassando de alguma forma seu caráter de puros prolongamentos corporais e requerendo uma forma de energia de forças maiores que a do músculo humano, em geral mobilizando animais de maior poder de movimentação a energia eólica e mesmo a energia hidráulica.

Embora seja já uma indústria destinada a produzir bens para o mercado e suas relações espaciais tenham já um alcance que transborda seu ponto de localização, faz parte entretanto de mundo que econômica e socialmente segue sendo rural, com cuja paisagem ainda se confunde. É nesse período que o papel da circulação torna-se o fundamento da organização espacial, o comerciante ocupando um papel proeminente na organização da vida econômica e societária da nova sociedade, servindo-se dela mais que servindo à indústria no mister de organizar os espaços em proveito da expansão do comércio, de que a manufatura na verdade é fruto histórico e meio. Todavia, já estamos diante de uma indústria de relação ambiental mais impactante que a artesanal, de vez que sua performance vai exigir uma reorganização mínima dos setores agrícola, pecuário e extrativista no sentido de reorientarem suas produções para a geração de alimentos e matérias primas para o mercado industrial em formação de demanda.

A fábrica é a forma atual de indústria, nascida da revolução industrial.

Apoiada numa tecnologia de escala crescentemente mais elevada e na centralidade de uma economia literalmente voltada para a demanda do mercado e altamente consumidora de bens industriais que lhe conferem uma escala de organização dos espaços de abrangência ilimitada, junta nessa escala da ação espacial, que vai até onde chegam o alcance da tecnologia e das relações de mercado, o enorme poder de impactação do meio ambiente que a difere das formas históricas de indústria pretéritas. A rigor, é essa combinação escalas de tecnologia e produção para os fins do mercado que faz da indústria o moderno vilão do meio ambiente, de vez que é este o motor que leva o consumo industrial de matérias primas e alimentos a buscar estes recursos em escala planetária de mundo, nenhum ponto da terra ficando com o tempo fora do âmbito de sua intervenção modificadora. E é esta combinação de tecnologia, espaço e objetivo do mercado a fonte de uma uniformização técnica da organização que é a causa dos efeitos ambientais conhecidos.

O espaço industrial moderno e seus efeitos ambientais

Indústria de Transformação de Alimentos

Resumindo: a natureza transformadora faz da indústria moderna o dado central da organização dos espaços no tempos atuais; a orientação do mercado leva-a a estender seu raio de ação a um limite de abrangência que a torna uma economia-mundo; e é a mesma a forma padrão de espaço que leva para toda essa extensão de abrangência; estabelece-se, assim. com a indústria fabril, o que, para fins analíticos, chamaremos de um paradigma único de tecnologia e forma de organização do espaço em escala crescentemente mundial,  que é a origem mais exata dos problemas ambientais que ao longo do tempo vão se acumulando e se manifestando na mesma dimensão da escala de espaço de incidência.

É este paradigma que determina as percepções e atitudes ambientais das sociedades industriais modernas, tornando-se também o paradigma um paradigma nesse terreno fenomenológico, numa relação utilitária e destrutiva que contrasta com as percepções e atitudes passadas.

A relação ambiental do tempo do artesanato tinha as dimensões da natureza da economia e das relações técnicas que lhe são correspondentes. Trata-se de uma economia autônoma e familiar, que não transborda os limites territoriais do entorno rural a que pertence. A tecnologia empregada só permite o uso de matérias-primas facilmente dúcteis, as relacionadas ao mundo vivo das plantas e animais, do mundo mineral quando muito a argila, para os fins da cerâmica, com algumas incursões na metalurgia de alguns poucos metais. Isto determinava o horizonte e o nível da relação com o meio ambiente, e assim o conceito de natureza e a idéia de mundo existente. O mundo coincidia com o entorno e a vida prática da transformação artesanal, levando os homens a um espaço vivido e uma relação de pertencimento em que se viam e ao mundo circundante como uma diferença e nenhuma dicotomia.

O mundo era aquele formado pelas plantas e animais que formavam a lida na agricultura, na pecuária e nas atividades do extrativismo, que, no inverno, se traduziam nas matérias de transformação em produtos de artesanato em âmbito caseiro, e falava de uma natureza viva, habitada por seres que tinham como o homem uma história de nascimento, crescimento, morte e renascimento, numa perfeita identidade de acontecimentos.

A manufatura moderna vai iniciar uma mudança nessa forma de relacionamentos, trazendo o começo de uma forma de percepção e atitude novas.

As relações espaciais transbordam progressivamente do entorno imediato vivido, pondo os homens numa convivência com matérias-primas e alimentos chegados de lugares cada vez mais distantes e desconhecidos, alterando as anteriores referências e o sentido de identidade de mundo. São as necessidades da manufatura e das trocas no mercado que paulatinamente comandam o cotidiano e a vida prática, alterando junto com o espaço a noção também do tempo vivido, separando espaço e tempo como dois mundos distintos.

O espaço se torna o universo dos produtos e meios de consumo trazidos pela técnica da nova indústrias e da circulação nas relações de mercado e o tempo o cotidiano de trabalho do dia-a-dia do mundo manufatureiro, juntando-se um tempo-espaço de pertencimento com o qual os homens cada vez menos se reconhecem e se identificam.

A presença imperiosa do maquinismo no cotidiano da indústria, da lida no campo, da circulação entre os lugares e da vida na cidade em crescimento leva a uma forma de percepção a atitudes que vai introduzindo na mente dos homens uma imagem de natureza e de mundo cada vez mais parecida com a da engrenagem das máquinas, cujo melhor exemplo é o relógio, que vai dominando o seu meio e modo de vida. O utilitarismo do mercado, impregnando a indústria e as atividades primárias do campo de sua ideologia de vida prática, propicia o surgimento de uma concepção físico-mecânica que organiza na uniformidade desse parâmetro o mundo do homem do espaço terrestre ao espaço celeste, dele fazendo uma nova filosofia e com isto uma nova forma de cultura.

Essa cultura utilitária se consolida com a revolução industrial e o advento da moderna sociedade estruturada com base na organização industrial da fábrica como um mundo da técnica, introduzindo a forma de percepção e atitudes que domina a relação de mundo que temos hoje em nosso tempo. O veículo, vimo-lo, é a irradiação que transforma o modo de vida de organização fabril no modo de vida dos homens em escala planetária, através da transformação de sua tecnologia numa forma paradigmática de ação tecnológica e arrumação dos espaços em toda a extensão do planeta.

A escala de espaço assim constituída acaba por afastar totalmente os homens do entorno ambiental do seu lugar imediato, criando um espaço vivido de objetos de consumo e de valores de cotidiano vindos de todos os cantos do mundo, que abole de vez a experiência de identidade e pertencimento local que desde a manufatura vinha sendo dissolvida, introduzindo como modo de vida humano um espaço de vivência de conteúdo cada vez mais artificial e mais técnico.

A reprodução do cotidiano e a reprodução da vida deixam de ser o mesmo, deixando a vida de ser o centro de referência da percepção da natureza e do mundo, no avento do mais radical dos divórcios.

A vida deixa de ser o centro de cultura de toda a modernidade.

Até que os efeitos ambientais do paradigma de cultura implementada forçam a moderna sociedade a ter de repensar-se seus parâmetros de organização e de vida.

Os novos padrões de tecnociência e a nova organização do meio ambiente

De início, foi na indústria que a crítica desse modo de vida de imediato identificou as origens dos problemas do meio ambiente.

Só com o tempo foi ela deslocando o centro do seu olhar para a natureza da própria cultura técnica.

Favoreceu este deslocamento o perfil da terceira revolução industrial, fruto ao mesmo tempo das necessidades do desenvolvimento da moderna economia de mercado e das pressões da crítica sobre o modelo técnico do paradigma industrial existente. Novos ramos da pesquisa, que rapidamente se materializam em novas alternativas de relação industrial com o meio ambiente, vão assim surgindo, transformando a arma da crítica em arma de reformulação paradigmática.

Reformulação que vem acompanhada do intento de estabelecimento de uma nova forma de percepção e atitudes diante do meio ambiente.

A engenharia genética é o centro do paradigma novo que surge. E a tendência de por meio dela, restabelecer-se o parâmetro da natureza como coisa viva dos tempos originários, sem que com isto um espaço vivido com os limites territoriais acanhados do passado tenha que também ressurgir. Ao contrário, sua escala ainda mais se planetarizando.

engenharia genética é ao mesmo tempo uma ciência e uma técnica de manipulação da natureza a partir da recombinação do DNA, com possibilidade de efeitos futuros sobre o padrão de matérias-primas industriais e energéticas, rompendo com o padrão atual, todo ele vinculado a matérias-primas vindas da extração mineral.

A produção de novos materiais de origem genética que vêm para substituir os tipos de material altamente consumidores de recursos esgotáveis e não-renováveis do presente, a exemplo do petróleo como fonte principal de energia, com a possibilidade da sua substituição pela biomassa, um produção da engenharia genética, inesgotável e renovável,  abre para uma nova era de paradigma não se de tecnologia, consumo e relação ambiental, mas também de organização dos espaços.

A nova arrumação espacial viria conforme com a distribuição natural dos ecossistemas, de vez que com a tecnologia da engenharia genética uma tecnologia igualmente plural nos seus padrões também pode surgir.

Tende a surgir assim um espaço diverso em suas formas de organização, e um nova padrão de relação da sociedade com a natureza.

A relação ambiental que conserve a diversidade do meio ambiente em termos espaciais e de estrutura interna da natureza, assim pode surgir, baseada na combinação da biodiversidade com uma tecnodiversidade, e, assim, com uma espaço-diversidade, sem afetar a consonância com a economia industrial e de mercado.

Mas mesmo a economia de mercado deverá mudar seus parâmetros. Fortalecida com esta nova possibilidade de paradigmas, manter-se-á mundializada e determinante sobre os modos de vida, mas reestruturada nos padrões do consumo, de cuja massificação cada vez mais depende.

Fonte: www.myklassroom.com/www.wisegeek.com/www.ift.org/www.sescsp.org.br/www.potentialmagazine.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.