Breaking News
Home / Biologia / Homo Floresiensis

Homo Floresiensis

PUBLICIDADE

Definição

Homo floresiensis, apelidado de “O Hobbit”, era um hominino antigo que viveu até pelo menos 17.000 anos atrás, na companhia de lagartos gigantes de Komodo e elefantes pigmeus agora extintos na ilha isolada de Flores, na Indonésia.

Os cientistas descobriram o primeiro fóssil de Homo floresiensis, juntamente com ferramentas de pedra e restos de animais, em 2003, na caverna de Liang Bua (LB) na remota ilha indonésia de Flores, segundo um artigo da Nature em 2004.

Esse primeiro espécime – uma fêmea adulta de 1,06 metro de altura, chamada LB1 – compreendia um crânio quase completo e um esqueleto associado, que inclui vários ossos dos membros, ossos das mãos e dos pés e uma pelve parcial, de acordo com a revista Nature.

Apelidadas de hobbits, essas pessoas viviam nessa ilha isolada muito tempo depois que o Homo sapiens migrou pela região do Pacífico Sul.

O Homo erectus, nosso parente mais próximo, viveu na ilha vizinha de Java há 1,6 milhão de anos, sugerindo que os homininos de Flores eram seus descendentes.

O que é o Homo Floresiensis?

O Homo floresiensis, que significa “Homem das Flores”, é uma espécie extinta do gênero Homo, um grupo composto por seres humanos e nossos parentes próximos.

O Homo floresiensis é especialmente interessante por várias razões. Apelidado de “Hobbit”, o Homo floresiensis tinha, em média, apenas um metro de altura, substancialmente mais baixo que a média de qualquer grupo étnico humano e pesava apenas 25 kg.

A descrição da espécie é baseada em um único esqueleto completo descoberto em 2004 na ilha de Flores, na Indonésia, LB1, e em restos fragmentários de outros oito indivíduos.

Foi descoberto por pesquisadores que procuravam sinais de migração humana precoce para a Austrália.

Além de seu tamanho extremamente pequeno, o Homo floresiensis é conhecido por ser o parente humano mais recente a ser extinto – viveu de cerca de 93.000 a apenas 12.000 anos atrás. Isso é 12.000 anos mais recente que a morte dos últimos neandertais, que aconteceu c. 24.000 anos atrás.

O Homo floresiensis pode até ter sobrevivido até os tempos modernos, como evidenciado por histórias tribais locais que fazem referência a pessoas anãs, e há ainda uma pequena chance de que elas ainda estejam vivas hoje.

O Homo floresiensis pode ser um exemplo raro de um criptoide (animal misterioso) que está sendo provado que realmente existe.

Como o esqueleto inicial do Homo floresiensis era incrivelmente pequeno para um parente humano, havia uma suspeita inicial de que se tratava de uma fraude ou de uma pessoa que sofria de microcefalia, uma condição médica que produz uma cabeça e um cérebro pequenos. No entanto, acompanhamentos subsequentes, inclusive pela Smithsonian Institution, descobriram que o esqueleto não era um ser humano que sofria de microcefalia e possui uma estrutura de punho distinta que se espera de um proto-humano, e não seria refletido em nenhum tipo de doença. humano.

No entanto, embora o consenso seja a favor de o Homo floresiensis ser um proto-humano real, alguns pesquisadores argumentaram que a morfologia do Homo floresiensis é essencialmente indistinguível de pessoas que sofrem de um distúrbio genético, a síndrome de Laron.

A escavação dos parques de campismo do Homo floresiensis revela uma sociedade tecnologicamente sofisticada (para a Idade da Pedra) comparável no uso de ferramentas às sociedades primitivas dos seres humanos modernos.

Os descobridores do primeiro esqueleto deram o controverso passo de argumentar que o Homo floresiensis era capaz de linguagem, com base em suas realizações tecnológicas.

Como Flores foi separada do continente do sudeste asiático por um canal de água, essa espécie precisaria pelo menos da capacidade de construir jangadas para atravessá-la, embora seja possível que possa ter sido trazida a Flores por humanos.

Os artefatos do Homo floresiensis no local da escavação inicial desaparecem há 12.000 anos, quando houve uma grande erupção vulcânica na ilha que sabidamente destruiu o elefante anão Stegodon e outras fauna local.

Espécie

Espécie de hominídeo anão (cerca de 1 metro de altura), capacidade craniana relativamente pequena (cerca de 417 cc), testa recuada e falta de queixo distinto.

Apesar do tamanho pequeno do cérebro em comparação com outros hominídeos, eles já usavam ferramentas de pedra e fogo e caçavam animais pequenos e jovens (por exemplo, dragões de komodo e elefantes pigmeus).

Resumo

Restos de uma das espécies humanas primitivas descobertas mais recentemente, Homo floresiensis (apelidado de ‘Hobbit’), até agora só foram encontrados na Ilha de Flores, na Indonésia.

Os fósseis de Homo floresiensis datam de cerca de 100.000 a 60.000 anos atrás, e as ferramentas de pedra feitas por esta espécie datam de cerca de 190.000 a 50.000 anos.

Os indivíduos de Homo floresiensis tinham aproximadamente 1,06 m de altura, tinham cérebros minúsculos, dentes grandes para o tamanho pequeno, ombros encolhidos para a frente, sem queixo, testa recuada e pés relativamente grandes devido às pernas curtas.

Apesar do tamanho pequeno do corpo e do cérebro, Homo floresiensis fabricou e usou ferramentas de pedra, caçou pequenos elefantes e grandes roedores, lidou com predadores como os gigantes dragões Komodo e pode ter usado fogo.

A baixa estatura e o pequeno cérebro de Homo floresiensis podem ter resultado do nanismo nas ilhas – um processo evolutivo que resulta do isolamento a longo prazo em uma pequena ilha com recursos alimentares limitados e falta de predadores. Os elefantes pigmeus de Flores, agora extintos, mostraram a mesma adaptação. As menores espécies conhecidas de elefante Homo e Stegodon são encontradas na ilha de Flores, na Indonésia.

No entanto, alguns cientistas estão agora considerando a possibilidade de que os ancestrais de Homo floresiensis possam ter sido pequenos quando chegaram a Flores.

Como eles sobreviveram

As ferramentas de pedra encontradas na ilha de Flores mostram que os primeiros humanos chegaram lá há pelo menos 1 milhão de anos atrás, mas não se sabe como os primeiros humanos chegaram lá, pois a ilha mais próxima fica a 9 km de distância em mares traiçoeiros.

Os paleoantropólogos encontraram muitas ferramentas de pedra associadas ao Homo floresiensis, e essas ferramentas são amplamente semelhantes às encontradas anteriormente em Flores e ao longo da carreira evolutiva humana (ou seja, ferramentas do Paleolítico Inferior na Ásia ou ferramentas de Oldowan na África).

Há também evidências de que o Homo floresiensis caçou seletivamente Stegodon (um tipo extinto de elefante), pois centenas de fragmentos ósseos de Stegodon são encontrados nas camadas de ocupação de H. floresiensis e alguns desses ossos de Stegodon mostram marcas de açougue.

Características

Apelido: O Hobbit.

Onde morava: Ásia (Indonésia).

Quando Viveu: Cerca de 100.000 a 50.000 anos atrás.

Altura: 106 cm – estimativa de um esqueleto feminino.

Peso: 30 kg – estimativa de um esqueleto feminino.

Homo Floresiensis
Impressão artística do Homo floresiensis

Homo Floresiensis
Homo floresiensis feminino

Fonte: humanorigins.si.edu/www.livescience.com/australianmuseum.net.au/www.nature.com/www.ancient.eu/www.discovermagazine.com/phys.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Período Jurássico

Período Jurássico

PUBLICIDADE Definição O Período Jurássico é o segundo período da Era Mesozóica, em que os dinossauros eram …

Bioarqueologia

PUBLICIDADE A palavra bioarqueologia foi usada pela primeira vez em 1972 pelo arqueólogo britânico Grahame Clark, que …

Micrografia

Micrografia

PUBLICIDADE Definição A micrografia é uma reprodução gráfica da imagem de um objeto formado por um microscópio …