Breaking News
Home / Biologia / Geração Espontânea

Geração Espontânea

PUBLICIDADE

Definição

O suposto desenvolvimento de organismos vivos a partir de matéria inanimada, como larvas de carne podre.

A teoria da geração espontânea de organismos maiores foi facilmente demonstrado ser falsa, mas a teoria não foi totalmente desacreditado até meados do século 19, com a demonstração da existência e reprodução de microorganismos, principalmente por Louis Pasteur.

A teoria da geração espontânea é também chamado abiogênese.

Geração Espontânea – O que é

Geração Espontânea, é o processo hipotético pelo qual os organismos vivos se desenvolvem a partir de matéria inanimada; também, a teoria arcaica que utilizou esse processo para explicar a origem da vida.

De acordo com esta teoria, pedaços de queijo e pão embrulhado em panos e deixado em um canto escuro, por exemplo, foram, assim, pensado para produzir ratos, porque depois de várias semanas havia ratos em trapos. Muitos acreditavam na geração espontânea, porque explica tais ocorrências como o aparecimento de larvas na carne em decomposição.

Por volta do século 18 tornou-se óbvio que os organismos superiores não poderiam ser produzidos por matéria inanimada.

A origem de microorganismos, como bactérias, no entanto, não foi totalmente determinada até Louis Pasteur provou, no século 19 que os microorganismos se reproduzem.

No século 18, tornou-se óbvio que os organismos superiores não podiam ser produzidos por material não vivo. A origem de microorganismos como bactérias, no entanto, não foi totalmente determinada até que Louis Pasteur provou, no século 19, que os microorganismos se reproduziam.

Experimento de Redi e refutação de Needham

Em 1668, Francesco Redi, cientista italiano, projetou um experimento científico para testar a criação espontânea de larvas, colocando a carne fresca em cada um dos dois frascos diferentes.

Um frasco foi deixado em aberto; o outro estava coberto com um pano.

Dias depois, o frasco aberto continha larvas, enquanto que o frasco coberto não continham larvas.

Ele se observou que as larvas foram encontrados sobre a superfície exterior do pano que cobria o frasco. Redi demonstrou com sucesso que as larvas vieram de ovos da mosca e, assim, ajudou a refutar geração espontânea. Ou assim ele pensou.

Na Inglaterra, John Needham desafiou as descobertas de Redi através da realização de um experimento no qual ele colocou um caldo de carne, ou “molho”, em uma garrafa, aquecido a garrafa para matar qualquer coisa dentro, então selou.

Dias depois, ele relatou a presença de vida no caldo e anunciou que a vida havia sido criada a partir de não-vida. Na realidade, ele não aqueceu por tempo suficiente para matar todos os micróbios.

Experiência de Spallanzani

Lazzaro Spallanzani, também um cientista italiano, analisou tanto os dados da Needham e delineamento experimental de Redi e e concluiu que talvez o aquecimento da garrafa de Needham não matou tudo dentro.

Ele construiu sua própria experiência, colocando caldo em cada um dos dois frascos separados, ferver o caldo em ambas as garrafas, então selar uma garrafa e deixando o outro aberto.

Dias depois, a garrafa sem lacre ficou repleta de pequenos seres vivos que ele pode observar de forma mais clara com o microscópio recém-inventado.

A garrafa selada não mostrou sinais de vida. Isso certamente excluiu a geração espontânea como uma teoria viável.

Só que foi observado por cientistas da época que Spallanzani privou o frasco fechado de ar, e pensava-se que o ar era necessário para a geração espontânea.

Experimento de Pasteur

Louis Pasteur, o cientista francês notável, aceitou o desafio de recriar a experiência e deixar o sistema aberto ao ar.

Em seguida, ele projetou vários frascos com pescoço S-curva que foram orientadas para baixo assim que a gravidade seria impedir o acesso de materiais estranhos no ar.

Ele colocou um caldo enriquecido com nutrientes em uma das garrafas de pescoço de ganso, cozidos no caldo dentro da garrafa, e observou a vida no frasco por um ano.

Ele, então, rompeu o topo da garrafa, expondo-se mais diretamente para o ar, e observou as formas de vida no caldo dentro de dias.

Ele observou que, enquanto a poeira e outras partículas em suspensão foram presos no pescoço em forma de S da garrafa, sem vida foi criado até este obstáculo foi removido.

Ele argumentou que a contaminação veio de formas de vida no ar.

Pasteur finalmente ficou convencido de que no mundo, mesmo se exposta ao ar, a vida não surge da não-vida.

Antecedentes – Geração Espontânea

Hoje, consideramos muitas coisas na ciência como certas. Muitos experimentos foram realizados e muito conhecimento foi acumulado que as pessoas nem sempre sabiam.

Durante séculos, as pessoas basearam suas crenças em suas interpretações do que viram acontecendo no mundo ao seu redor, sem testar suas ideias para determinar a validade dessas teorias – em outras palavras, eles não usaram o método científico para chegar a respostas para suas perguntas. Em vez disso, suas conclusões foram baseadas em observações não testadas.

Entre essas ideias, durante séculos, pelo menos desde a época de Aristóteles (século IV aC), as pessoas (incluindo cientistas) acreditaram que organismos vivos simples poderiam surgir por geração espontânea.

Essa era a ideia de que objetos não vivos podem dar origem a organismos vivos. Era de “conhecimento” comum que organismos simples como vermes, besouros, sapos e salamandras podiam vir de poeira, lama, etc., e alimentos deixados de fora, rapidamente “fervilhavam” de vida.

Observação: Todos os anos, na primavera, o rio Nilo inundava áreas do Egito ao longo do rio, deixando para trás uma lama rica em nutrientes que permitia às pessoas cultivar a safra daquele ano. No entanto, junto com o solo lamacento, apareceu um grande número de sapos que não existiam em épocas mais secas.

Conclusão: era perfeitamente óbvio para as pessoas naquela época que o solo lamacento deu origem às rãs.

A Teoria da Geração Espontânea

O filósofo grego Aristóteles (384-322 aC) foi um dos primeiros estudiosos registrados a articular a teoria da geração espontânea, a noção de que a vida pode surgir de matéria não viva.

Aristóteles propôs que a vida surgisse de um material não vivo se o material contivesse pneuma (“calor vital”). Como evidência, ele observou vários casos de aparecimento de animais em ambientes anteriormente desprovidos de tais animais, como o aparecimento aparentemente repentino de peixes em uma nova poça d’água.

Essa teoria persistiu no século XVII, quando os cientistas empreenderam experimentos adicionais para apoiá-la ou contestá-la. A essa altura, os proponentes da teoria citaram como as rãs simplesmente parecem aparecer ao longo das margens lamacentas do rio Nilo, no Egito, durante as enchentes anuais.

Outros observaram que os ratos simplesmente apareciam entre os grãos armazenados em celeiros com telhados de palha. Quando o telhado vazou e os grãos se moldaram, os ratos apareceram.

Jan Baptista van Helmont, um cientista flamengo do século XVII, propôs que os ratos poderiam surgir de trapos e grãos de trigo deixados em um recipiente aberto por 3 semanas. Na realidade, esses habitats forneciam fontes de alimento e abrigo ideais para o florescimento das populações de camundongos.

No entanto, um dos contemporâneos de van Helmont, o médico italiano Francesco Redi (1626-1697), realizou um experimento em 1668 que foi um dos primeiros a refutar a ideia de que larvas (larvas de moscas) geram espontaneamente na carne deixada ao ar livre ar. Ele previu que evitar que as moscas tenham contato direto com a carne também impediria o aparecimento de vermes.

Redi deixou carne em cada um dos seis recipientes (Figura abaixo). Dois foram abertos ao ar, dois foram cobertos com gaze e dois foram hermeticamente fechados.

Sua hipótese foi confirmada quando os vermes se desenvolveram nos frascos descobertos, mas nenhum deles apareceu nos frascos cobertos com gaze ou hermeticamente fechados.

Ele concluiu que os vermes só podiam se formar quando as moscas podiam botar ovos na carne, e que os vermes eram descendentes de moscas, não produto de geração espontânea.

A configuração experimental de Francesco Redi consistia em um contêiner aberto, um contêiner selado
com uma tampa de cortiça e um contêiner coberto por uma malha que deixava entrar ar, mas não voava.
As larvas só apareceram na carne do recipiente aberto.
No entanto, larvas também foram encontradas na gaze do recipiente coberto com gaze.

Em 1745, John Needham (1713–1781) publicou um relatório de seus próprios experimentos, no qual fervia brevemente caldo infundido com matéria vegetal ou animal, na esperança de matar todos os micróbios preexistentes. Ele então selou os frascos.

Depois de alguns dias, Needham observou que o caldo havia se tornado turvo e uma única gota continha inúmeras criaturas microscópicas. Ele argumentou que os novos micróbios devem ter surgido espontaneamente.

Na realidade, porém, ele provavelmente não fervia o caldo o suficiente para matar todos os micróbios preexistentes.

Lazzaro Spallanzani (1729–1799) não concordou com as conclusões de Needham, no entanto, e realizou centenas de experimentos cuidadosamente executados usando caldo aquecido.

Como no experimento de Needham, caldo em potes lacrados e potes não lacrados foi infundido com matéria vegetal e animal.

Os resultados de Spallanzani contradizem as descobertas de Needham: Frascos aquecidos, mas selados, permaneceram limpos, sem quaisquer sinais de crescimento espontâneo, a menos que os frascos fossem posteriormente abertos para o ar.

Isso sugeriu que micróbios foram introduzidos nesses frascos a partir do ar. Em resposta às descobertas de Spallanzani, Needham argumentou que a vida se origina de uma “força vital” que foi destruída durante a fervura prolongada de Spallanzani. Qualquer selagem subsequente dos frascos evitou que uma nova força vital entrasse e causasse a geração espontânea (Figuras abaixo).

Francesco Redi, que demonstrou que larvas eram descendentes de moscas, não produtos de geração espontânea

John Needham, que argumentou que os micróbios surgiram espontaneamente no caldo de uma “força vital”

Lazzaro Spallanzani, cujas experiências com caldos objetivaram refutar as de Needham

Rejeitando a geração espontânea

O debate sobre a geração espontânea continuou até o século XIX, com cientistas atuando como defensores de ambos os lados.

Para encerrar o debate, a Academia de Ciências de Paris ofereceu um prêmio pela resolução do problema.

Louis Pasteur, um proeminente químico francês que estudava a fermentação microbiana e as causas da deterioração do vinho, aceitou o desafio.

Em 1858, Pasteur filtrou o ar através de um filtro de algodão e, após exame microscópico do algodão, encontrou-o cheio de microorganismos, sugerindo que a exposição de um caldo ao ar não estava introduzindo uma “força vital” ao caldo, mas sim transportado pelo ar. microorganismos.

Posteriormente, Pasteur confeccionou uma série de frascos com gargalos longos e retorcidos (frascos de “pescoço de cisne”), nos quais ferveu o caldo para esterilizá-lo (Figura abaixo).

Seu projeto permitiu que o ar dentro dos frascos fosse trocado pelo ar de fora, mas evitou a introdução de qualquer microorganismo transportado pelo ar, que ficaria preso nas curvas e dobras do pescoço dos frascos.

Se uma força vital além dos microrganismos transportados pelo ar fosse responsável pelo crescimento microbiano dentro dos frascos esterilizados, ela teria acesso ao caldo, enquanto os microrganismos não.

Ele previu corretamente que o caldo esterilizado em seus frascos com pescoço de cisne permaneceria estéril enquanto o pescoço de cisne permanecesse intacto. Porém, em caso de rompimento do gargalo, seriam introduzidos microrganismos, contaminando os frascos e permitindo o crescimento microbiano dentro do caldo.

O conjunto de experimentos de Pasteur refutou irrefutavelmente a teoria da geração espontânea e lhe rendeu o prestigioso Prêmio Alhumbert da Academia de Ciências de Paris em 1862.

Em uma palestra subsequente em 1864, Pasteur articulou “Omne vivum ex vivo” (“A vida só vem da vida”).

Nesta palestra, Pasteur relatou seu famoso experimento do frasco de pescoço de cisne, afirmando que “a vida é um germe e um germe é vida.

Nunca a doutrina da geração espontânea se recuperará do golpe mortal deste experimento simples. ” Para crédito de Pasteur, isso nunca aconteceu.

Cientista francês Louis Pasteur, que definitivamente refutou a teoria da geração espontânea há muito disputada

A característica única de pescoço de cisne dos frascos usados no experimento de Pasteur
permitiu que o ar entrasse no frasco, mas evitou a entrada de esporos bacterianos e fúngicos

O experimento de Pasteur consistia em duas partes.
Na primeira parte, o caldo do frasco era fervido para esterilizá-lo. Quando esse caldo foi resfriado, ele permaneceu livre de contaminação.
Na segunda parte do experimento, o frasco foi fervido e o gargalo foi quebrado. O caldo neste frasco ficou contaminado.

Fonte: Encyclopaedia Britannica/courses.lumenlearning.com/www2.nau.edu/Infoplease.com/www.mun.ca/www.sju.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Fator Rh

PUBLICIDADE Fator Rh – O que é O fator Rhesus, também conhecido como fator Rh, é um …

Flavonoides

PUBLICIDADE Os flavonoides ou bioflavonoides, são compostos naturais de plantas que constituem os pigmentos responsáveis …

Aldosterona

PUBLICIDADE Aldosterona – Hormônio A maioria das pessoas nunca ouviu falar desse hormônio em particular, mas ele …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.